Tag Archives: Michel Bastos

futeboladas

Campeonatos + Liga dos Campeões + Liga Europa.

Começamos pela Premier League

Depois do desaire europeu obtido na passada quinta-feira em Alvalade frente ao Sporting (já lá iremos) o Manchester City não podia ter um pior fim-de-semana ao perder a liderança da prova no País de Gales diante do Swansea.

A equipa do City voltou-se a mostrar apática e sem grandes recursos ofensivos. Do lado do Swansea, mais uma grande exibição de Scott Sinclair e de Joe Allen. O golo do Swansea haveria de ser apontado pelo avançado Luke Moore aos 83″, 4 minutos depois de ter entrado na partida para substituir Danny Graham. O City foi ultrapassado pelo seu rival United na classificação. Os Red Devils têm agora 67 pontos contra os 66 dos Citizens. Já o Swansea continua o seu campeonato tranquilo, sendo 11º com 36 pontos.

Os Citizens jogam quinta-feira no City of Manchester contra o Sporting para a 2ª mão dos oitavos-de-final da Liga Europa e segundo notícias da comunicação Britânica estão alertados para a goleada que o Sporting impôs ao Vitória de Guimarães em Alvalade.

Outra notícia que marca a actualidade do futebol inglês é o acordo praticamente consumado entre Manchester City e Robin Van Persie para a próxima temporada. O jogador termina contrato em 2013 e caso não queira renovar com o Arsenal, o clube de Londres poderá ter que ser obrigado a vendê-lo para poder conseguir alguns activos. O City estará disposto a ter o jogador já na próxima época, estando disposto a pagar algo como 25 milhões de euros pelo mesmo a um ano do fim do contrato. Arséne Wenger já veio manifestar o desejo de continuar a orientar o Holandês, esperando que o mesmo renove pelos Gunners até ao fim desta época.

Para ultrapassar o City na tabela classificativa, o United bateu em casa o West Bromwich Albion por 2-0. Tal e qual o City, o United também vinha de uma derrota para a Liga Europa. No entanto, no caso do United, a derrota era moralmente mais frustrante: em casa, por 3-2 (hipóteses mais reduzidas de se qualificar) frente a um Athletic de Bilbao com uma dose energética e um futebol que decerto não se adivinhava por Old-Trafford. O jogo contra o Athletic tinha sido parecido (mas de resultado pior) com o jogo de Outubro frente ao Basileia em Old-Trafford para a Liga dos Campeões.

O WBA fez um jogo bastante interessante, um jogo um pouco semelhante aquele que tinha feito em Londres na semana anterior. No entanto, os jogadores do WBA falharam muitas oportunidades de golo na 1ª parte. Na 2ª parte, Wayne Rooney haveria de ser oportuno em duas situações e selar o resultado final. 25º e 26º golo do avançado inglês na prova, facto que o levou a ultrapassar Robin Van Persie na lista dos melhores marcadores.

Quem continua em altas é o Arsenal de Arséne Wenger. 4ª vitória consecutiva contra 4º rival de topo. O Arsenal conta com um rally interessante nesta fase da temporada: bateu o Tottenham por 5-2, o Liverpool em Anfield por 2-1, o Milan por 3-0 (insuficiente; já la vamos) e agora o Newcastle por 2-1.

Hatem Ben Arfa até abriu o marcador para os magpies aos 14″ num belo trabalho individual, sendo a vantagem dos homens do norte rapidamente anulada por um golo no minuto seguinte por parte do inevitável Robin Van Persie também num belo trabalho individual. Depois de um domínio quase absoluto no Arsenal na 2ª parte, seria o Belga Thomas Vermaelen a selar a vitória da equipa comandada por Wenger.

O jogo ficaria marcado por uma intensa picardia entre holandeses. O guardião magpie Tim Krul (tem-se destacado e muito nesta época) e Robin Van Persie andaram pegados durante toda a partida e chegaram mesmo a vias de facto em pleno relvado. Van Persie como se sabe é da formação do Feyenoord enquanto Krul cresceu no modesto ADO Den Haag (equipa que oscila entre a Eredivisie e a 2ª divisão holandesa). Krul fez uma boa exibição assim como o central Argentino Fabricio Coloccini (recentemente renovou por mais 4 épocas com o Newcastle onde de resto é muito acarinhado pela massa associativa) que só pecou por ter dado aquela abévia a Van Persie no lance do golo. De resto, apesar do golo, Van Persie mostrou muita virilidade durante toda a partida. Segundo o árbitro da partida, houve confusão no túnel de acesso ao balneários no final da partida.

O Arsenal aproveitou a escorregadela do Tottenham no Goodison Park frente ao Everton. O Croata Nikica Jelavic voltou a fazer duas suas. O Croata já leva 15 golos esta época. A equipa de Harry Redknapp começa a olhar pelo retrovisor para o Arsenal. A distância entre os rivais de Londres na luta pelo 3º lugar (qualificação directa para a Champions) é de apenas 1 ponto.

Já o Chelsea também continua na luta pela Champions. Em vésperas de confronto europeu contra o Napoli em Stamford Bridge, os comandados de Di Matteo (falou-se na possibilidade de Rafa Benitez tomar conta da equipa nos próximos dias) bateram o sempre difícil Stoke por 1-0 em Londres.

Di Matteo tem escalado um onze completamente diferente de Villas-Boas. Mata, Sturridge e David Luiz são presenças no banco em prol das entradas de Obi Mikel, Salomou Kalou e Gary Cahill para o onze titular.

O Stoke de Tony Pulis começou mal a partida com a expulsão do avançado Jamaicano Ricardo Fuller aos 25″ depois de uma agressão ao sérvio Ivanovic. Di Matteo alterou tudo ainda na primeira parte: aproveitando o facto do Stoke se ter retraído com a expulsão de Fuller, tirou Meireles e colocou Mata em campo. Com resultados. Aos 68″ seria Didier Drogba a marcar o golo da vitória dos Londrinos.

Outros jogos:

Bolton 2-1 Queens Park Rangers – Duelo de aflitos. O Bolton trocou de posição com o QPR graças a esta vitória caseira saíndo dos lugares de despromoção. O golo do Croata Klasnic aos 86″ pode valer ouro.

Sunderland 1-0 Liverpool – A equipa de Dalglish vive novo mau momento. A derrota em Sunderland mete a Europa a 7 pontos. Anfield não terá competições europeias na próxima época mais uma vez.

Liga Italiana:

Bom augúrio para o Napoli antes de visitar Stamford Bridge. 6-3 ao Cagliari. A equipa de Mazzarri continua a trepar lugares na série A sendo agora 4ª a 11 pontos do líder Milan.

Marek Hamsik inaugurou o marcador com um tiro de meia distância aos 10″. Paolo Cannavaro haveria de fixar o 2-0 9 minutos mais tarde. Aos 30″, o Napoli já vencia 3-0. Depois veio o vendaval Larrivey com um hat-trick para os homens da Sardenha e os golos de Lavezzi, Gargano e Maggio quando a vitória do Napoli já era indiscutível. Dos 9 golos da partida, apesar de só ter entrado aos 59″, Edinson Cavani não apontou nenhum. Porém, esta máquina de Mazarri está bem oleada e promete surpreender.

Aproveitando o empate da Juve em Genova, o Milan não vacilou e aumentou a sua vantagem na liderança para 4 pontos. Antonio Nocerino e Zlatan Ibrahimovic foram os obreiros da vitória contra o Lecce. O Milan continua em todas as frente. O Sueco apontou o seu 19º golo na Série A.

Quem saiu da luta pelo título foi a Lazio. Os comandados de Edy Reja não deram um bom percurso á vitória no derby contra a Roma e perderam 3-1 contra o Bologna. Grande jogo de Alessandro Diamanti. A lazio está agora a 9 pontos da liderança.
No mesmo plano, a Udinese perdeu no terreno do Novara por 1-0. Balão de oxigénio para o Novara. Mesmo assim tem 11 pontos de diferença para o primeiro lugar acima da linha de água.

Na sexta-feira, o Inter jogou mais um matchpoint com vista à qualificação para as competições europeias, vencendo o Chievo por 2-0 com golos tardios da dupla argentina Walter Samuel e Diego Milito. A equipa de Claudio Ranieri voltou a demonstrar enormes problemas de finalização e encontrou (como a Juventus tinha encontrado na jornada anterior) um Stefano Sorrentino inspirado na baliza do Chievo. É caso para dizer que este guarda-redes é o “abono de família” da equipa de Doménico Di Carlo. Quando não era Sorrentino a aliviar a defesa do Chievo, era o poste ou a fraca pontaria dos jogadores do Inter a evitar a vitória dos Milaneses. Até que Walter Samuel deu o triunfo merecido aos milaneses e Diego Milito confirmou-o.

Nesta luta, a Roma também venceu. 1-0 em Palermo com o 9º golo de Fabio Borini na época.

Liga Espanhola:

Mais uma batalha para Mourinho e para o Real em véspera de Champions. O Estádio Benito VillamaBrin trouxe um Bétis muito afoito na 1ª parte. A necessidade assim o obriga aos sevilhanos derivado da sua posição pouco consolidada na tabela (15º com 6 pontos à maior da linha de água). O Bétis inaugurou o marcador aos 10″ por intermédio de Molina. Passado 15 minutos, o Argentino Gonzalo Higuaín aproveitou o facto do lateral português Nelson o ter posto em jogo para estabelecer o empate e o seu 17º golo na Liga.

Depois, já na 2ª parte, viria o furacão Cristiano Ronaldo: primeiro a obrigar aos 47″ o guarda-redes sevilhano Fabrício a uma defesa do outro mundo e depois, 5 minutos mais tarde, a estabelecer o 2-1 num lance confuso em que a defesa do Bétis esteve novamente a dormir. A posição de Ronaldo é legal aquando do toque de Marcelo. 3 minutos depois o Bétis empataria a partida por intermédio de Jonathan. Aos 72″, Ronaldo puxou do gatilho para estabelecer o resultado final.

O título está cada vez mais próxima para o Real, no jogo que comemorou a vitória 100 de Ronaldo pelos Merengues. Em evidência no jogo Marcelo. O Brasileiro atacou quanto pode e foi um regalo não só vê-lo a cavalgar pelo flanco esquerdo durante toda a partida como vê-lo a aparecer em zona de finalização variadíssimas vezes.

O jogo ficou ainda marcado por um erro gigantesco da arbitragem ao não assinalar nos minutos finais uma grande penalidade claríssima a favor do Bétis por ostensivo corte com o braço de Sérgio Ramos.

No El Sardiñero em Santander, o Barça manteve a distância de 10 pontos para o Real. Messi coroou uma semana em cheio a nível pessoal com 7 golos em 2 jogos. Incrível.

Outros jogos:

Real Sociedad 3-0 Zaragoça – A equipa de Ruben Micael e Hélder Postiga é cada vez mais última. 9 são o número de pontos que os distanciam do primeiro lugar acima da linha de água.

Málaga 1-0 Levante – Jogo decisivo para ambas as formações na luta pelos lugares europeus. Com Eliseu titular a lateral-esquerdo foi o internacional venezuelano José Rondón que deu a vitória ao Málaga frente ao sensacional Levante. A equipa de Manuel Pellegrini subiu ao 4º lugar (lugar que garante os playoffs de Champions) por troca com a equipa de Valência.

Valência 2-2 Mallorca – No Mestalla, os comandados de Unai Emery escorregaram frente ao Mallorca e abriram a porta ao Málaga na luta por um lugar directo na Champions (os valencianos tem 4 pontos de vantagem para os malaguenhos e 6 para Osasuna e Levante). Sem Portugueses nos convocados, Tino Costa abriu o marcador aos 23″ e haveria de ser expulso aos 85″. Aduriz elevaria o marcador para 2-0 aos 42″. Na segunda parte Nsue e Victor empatariam a partida para os maiorquinos.

Sporting de Gijón 1-0 Sevilla – Os Sevillanos vão de mal a pior. A equipa de Reyés, Rakitic, Kanouté, Fernando Navarro, Julién Escudé, Manu Del Moral, Jesus Navas, Babá e Piotr Trochowski estabeleceu no início da época como objectivos voltar a um lugar que lhe desse acesso à Liga dos Campeões. Com a derrota em Gijón (penúltimo com 24 pontos) com golo do Português André Castro, os Sevillhanos não só estão longe dos lugares europeus (a 5 pontos do Levante) como começam a ver os últimos lugares a aproximarem-se (distam a 9 pontos da linha de água)

Osasuna 2-1 Athletic de Bilbao – No duelo regional (Navarra e País Basco são duas regiões próximas mas independentes mas os bascos reclamam Navarra como seu territorio, facto que é partilhado pelos Navarrenhos) o Athletic não recuperou fisicamente do triunfo extraordinário que tinha tido 3 dias antes em Old-Trafford frente ao United. Num jogo interessante que tinha como motivo especial o facto de ambas as equipas estarem a lutar por lugares europeus, o Osasuna foi mais forte vencendo por 2-1 com golos de Raúl Garcia e Iturraspe na própria baliza. Llorente reduziu para os bascos.

Liga Francesa:

Carlo Ancelotti tem razões para sorrir nesta jornada. O PSG foi ao terreno do Dijon ganhar por 2-1 com um golo de última hora de Kevin Gameiro em cima do minuto 90. O Dijon caiu para a linha de água da prova.

O Montpellier continua a liderar a oposição aos parisienses. A equipa de Hilton, Marco Estrada e John Utaka venceu o Caen por 3-0 em casa e continua a 1 ponto do líder.

No jogo alto da jornada em França, Sir. Alex Ferguson (em observação a jogadores das duas equipas como Michel Bastos, Eden Hazard e Alexandre Lacazette) esteve no Gerland para assistir à vitória do Lyon frente ao Lille por 2-1. O campeão em título da Ligue 1 disse adeus à renovação do título. Alexandre Lacazette esteve novamente em grande ao abrir o marcador aos 12″. O jovem francês de 20 anos arrisca-se a ganhar um lugar na sua selecção para o Europeu. Lisandro Lopez também marcou aos 39″ o seu 9º golo no campeonato deste ano. O Lyon está no 7º lugar com 43 pontos, a 1 dos lugares europeus e a 4 do 3º que é precisamente o Lille

No que toca a luta pela europa, o Lyon aproveitou mais uma escorregadela de Marselha (0-1 em Ajaccio) o empate do Toulouse a 1 bola e o empate do Rennes em casa contra o Auxerre. Os outros grandes vencedores da jornada foram o Bordéus que venceu em Brest por 2-0 e o Saint Ettiène (4º classificado) que bateu o Valenciennes fora por 2-1.

Na luta pela Europa a classificação em frança resume-se a este cenário: 3º Lille 47 pontos; 4º Saint Ettiène com 46 pontos; 5º Rennes com 44 pontos; 6º Toulouse com 44 pontos; 7º Lyon com 43 pontos; 8º Marseille com 39 pontos e 9º Bordéus também com 43 pontos.

A luta pela permanência também está vivaça. Do 11º (Valenciennes com 33 pontos) ao último (Sochaux) há um gap de apenas 9 pontos.

Liga Alemã:

O Borússia de Dortmund cedeu no terreno do modesto Augsburg num empate a 0 bolas e viu o Bayern cilindrar em casa o Hoffenheim por 7-1.

O Bayern marca 14 golos em 2 jogos visto que ontem também cilindrou o Basileia para a Champions por incríveis 7-0.

Do jogo de sábado, uma exibição colectiva fantástica dos Bávaros. A equipa de Jupp Heynckes está disposta a acabar a época em grande forma. Arjen Robben bisou na partida, Mario Gomez fez um hat-trick e Toni Kroos e Luis Gustavo fecharam a contagem para os bávaros num jogo que Ribéry teve o azar de marcar o único auto-golo da sua carreira!

O Bayern pratica aquele futebol bonito e eficaz. Misto de dureza (à boa moda alemã) com um futebol apoiado e flanqueado com conta, peso e medida. Arjen Robben e Franck Ribéry aparecem com um enorme pico de forma nesta altura do campeonato e Mario Gomez é uma autêntica máquina de marcar golos: já leva 21 na Bundesliga desta época.

Se quiserem dar uma vista de olhos, vale a pena ver o resumo desta partida.

O 3º (Borussia de Moenchagladbach) perdeu algum contacto com os da frente depois de empatar a 0 bolas em casa contra o Freiburg. O Estugarda também empatou em casa contra o Kaiserlautern e atrasou-se na luta pelos lugares europeus.
O Bayer de Leverkusen continua com uma enorme dor de cabeça. Depois dos 7 de Barcelona, perdeu contra o Wolfsburg de Félix Magath por 3-2 num jogo de loucos onde até começou melhor com um golo de Kiessling aos 3″.
Em apuros está novamente o Hertha de Berlim (regressou à Bundes esta época) depois de ter perdido 1-0 contra o Colónia de Podolski. Se os homens de Colónia saíram dos lugares perigosos, o Hertha está neste momento em 16º lugar, lugar que obriga no fim de cada época a equipa da Bundesliga a jogar contra a 3ª classificada da 2ª Bundesliga por uma vaga no principal escalão do futebol alemão.

Liga dos Campeões:

A tarefa avizinhava-se complicada para o Benfica. Depois do 2-3 de São Petersburgo, previa-se um Zenit altamente defensivo, um pouco à semelhança daquilo que tinha feito em Dezembro no Estádio do Dragão frente ao Porto no jogo referente á última jornada da fase de grupos.

O Benfica não podia contar com Aimar (castigado por 1 jogo por acumulação de amarelos) jogador que seria (mais do que em outros jogos) essencial para o benfica conseguir perfurar os blocos defensivos do Zenit.

Luciano Spalletti mostrou desde logo as suas intenções na Luz: defender o resultado obtido na Rússia. Na Luz, Spalletti abdicou de Bruno Alves por considerar que o jogador poderia sofrer com a pressão imposta pelos adeptos encarnados. Voltou a apostar em Lombaerts no centro da defesa e numa equipa a jogar em bloco. Voltou também a apostar numa equipa ultra-defensiva, contendo apenas 3 jogadores de cariz atacante: Semak, Bystrov e Kerzhakov.

Já Jorge Jesus perante as ausências de Garay e de Aimar, fez regressar Rodrigo (apostando no brasileiro a fazer de Aimar) e apostou em Jardel para o centro da defesa.
Na primeira parte, até ao golo de Witsel, nada de novo. O Benfica estava a sentir dificuldades na construção de jogo ofensivo graças à enorme muralha de jogadores que o Zenit punha em frente à sua baliza. Apenas Maxi Pereira na direita dava mostras de ser o jogador mais inconformado no Benfica com rápidas incursões pelo flanco direito. Malafeev foi obrigado a intervir duas vezes: uma a remate de Bruno César e outra a remate de Witsel. Do outro lado, o Zenit jogava de forma lenta e pouco incisiva. Antes do golo, Artur quis brincar na pequena área e acabou por entregar a bola mal para Luisão que a perdeu para um jogador russo, tendo este rematado à figura do guarda-redes brasileiro quando este recuava na área.
Depois veio o golo de Witsel e a explosão de alegria na Luz.

Na 2º parte, Bruno Alves entrou mas o Zenit não conseguiu sair da teia defensiva urdida pelo seu treinador. Os Russos pouco ou nada causaram de perigo à baliza de Artur Moraes. Para o final estava guardado o 2-0 por intermédio de Nélson Oliveira, matando por completo uma partida em que o Benfica fez mais do que o Zenit para passar os quartos-de-final.

A surpresa esteve perto de acontecer no Emirates.

Quando o Milan fechou com chave de ouro o jogo da primeira mão em San Siro por concludentes 4-0 (grandes exibições de Robinho e Ibra) ninguém esperava uma viagem tão atribulada a Londres no lado milanês.

Com o decorrer do jogo de Londres, chegou-se a temer uma reviravolta semelhante aquela que o Milan sofreu no embate da 2ª mão dos quartos-de-final da Champions na época 2003\2004 no Riazor da Corunha em que depois de um 4-1 em Milão sofreu um escandaloso 4-0 na Corunha, num jogo em que Alessandro Nesta esteve mal na fotografia de todos os golos galegos.

Como equipa que ganha não se mexe, Massimiliano Allegri voltou a apostar num 11 que se tem repetido várias vezes no último mês: Abbiati; Abate, Mexés, Thiago Silva e Mesbah; Emanuelson, Nocerino, Van Bommel; Robinho, El Shaarawy e Ibrahimovic. Do lado do Arsenal apenas uma modificação em relação ao 11 habitual da equipa: a entrada de Oxlade-Chamberlain a titular e a saída dos convocados de Benayoun por lesão.

Seria o jovem de 18 anos contratado esta época ao Southampton por 12 milhões de libras a colocar a bola na cabeça de Laurent Koscilny para o primeiro golo da partida. Como bom portento de velocidade e técnica que é seria o extremo a partir Djamel Mesbah aos bocados no lance do 2º golo (Rosicky) onde é o experiente Thiago Silva a cortar para os pés do checo. O Milan tremia em Londres. O mesmo haveria de partir novamente Mesbah no lance do penalty que Robin Van Persie iria transformar ao minuto 43. Ao intervalo 3-0.

Isso obrigou Allegri a intervir na sua equipa que apareceu muito mais defensiva na 2ª parte. Emanuelson deixava de ser número 10 e passava a jogar na esquerda para ajudar Mesbah a controlar Oxlade-Chamberlain. Robinho passava a 10. El Sharaawy saíria aos 70 minutos para entrar Aquilani, um jogador mais forte, mais físico e com maior capacidade de retenção de bola a meio campo. A coisa saiu bem a Allegri. O Arsenal tentou o 4º golo mas não conseguiu. Foi uma eliminatória bipolar: o Milan ridicularizou o Arsenal em Milão e o Arsenal ridicularizou o Milan nos primeiros 45 minutos de Londres. Qualquer uma das equipas pelo que fez merecia passar.

No final de jogo, Wènger estava triste pela eliminação mas de cabeça erguida quanto à prestação da sua equipa: “I told my players they can be proud of their performance. Overall I felt we were a bit short because we had no midfielders on the bench and we suffered a little bit when we tired in the second half. We wanted to keep the ball better but we became more fatigued and I’m sure we would have scored two or three more goals in the second half. “We put a performance in with fantastic spirit and restored some pride after the first leg. Unfortunately we are out” but we had the chances. Overall we keep our winning run going, which is important, but unfortunately we paid the price for a bad first game.

We knew we had given a lot [in the first half]. Some players are not used to playing at that level in midfield, like Chamberlain. You need to score goals and not concede against teams like that. Our defenders were absolutely outstanding today. Overall we have given everything and that’s all you can do at the top level. We accept the result even if it’s a disappointing one.

[Oxlade-Chamberlain] was sick last night − we weren’t sure he would play because he had flu. In the end we decided to check him in the warm-up and I felt he was outstanding. Van Persie wanted to chip the goalkeeper because he was down, but he got up very quickly − Abbiati did well and we couldn’t score. I hoped in the last ten to 15 minutes we could create some dangerous situations in front of goal but, unfortunately, it didn’t happen because we didn’t have enough drive anymore.”

E Allegri aliviado:
“We have to analyse this defeat. Due to injuries we had to play with three forwards and I knew we could suffer a bit in defence. We created a few good chances to score in the second half. We are disappointed about the defeat but it was important to qualify. We are among the best eight in Europe and now we will have some players back from injuries and hopefully we can do better with them.

I don’t think we were scared, as fortunately we had earned an important result in the first leg. At the break I told the players to think it was still 0-0 because we could not change what we had done in the first half. We failed to complete crucial passes tonight and that’s why we did not score. I knew we might have some difficulties because Arsenal are not the team we saw in San Siro and because we had too many players missing tonight, so I did not have many options.

This could be an important game in the season. Elimination tonight could have been a terrible blow for the team. However, our objective was to reach the quarter-finals and we achieved it. The approach was not good tonight. We were too soft, especially when we were trying to keep possession, and we should have played from the start the way we did in the second half, trying to push forward for a goal. “We are disappointed about the defeat and the way we played in the first half but, in the end, we qualified”, even if the team made me lose some weight due to stress.”

Duas coisas singelas:
1ª Não é só o Barcelona que joga muito nem Messi, se bem que o Argentino esteve louco nesta partida.
2ª É mesmo o Bayer de Leverkusen que não joga nada e não lhes reconheço capacidades para andarem nestes patamares.

Como dizia o Sport na sua página online nessa noite: “Messi passou a sua dor de cabeça ao Bayer” – um bom trocadilho feito pelos catalães ao Bayer de Leverkusen, clube detido pela conhecida farmacêutica das aspirinas.

E de facto, o Bayer veio com a ideia de provocar uma dor de cabeça a Guardiola e acabou cheio de enxaquecas. Com um 3-1 de Leverkusen, o Bayer tentou complicar a vida ao Barcelona por intermédio de pressão alta à construção de jogo dos defesas e médios catalães. Ora bem, quem não tem perninhas não inventa. O treinador Robin Dutt tentou convencer que seria a melhor estratégia para derrotar os Barcelonistas. Enganou-se: foi um festival de Messi perante uma defesa de Leverkusen completamente autista a vender a banda passar. E o jovem Tello entrou na segunda parte e logo que tocou na bola abriu um livro numa jogada em que vos aconselho a ver e rever.

Messi estabeleceu a mão cheia de golos na Champions, levando agora 12. Novo record à vista?

Jogo de uma vida em Nicósia.

O APOEL não contava de maneira alguma chegar a Fevereiro e permanecer nas competições europeias. Digo “permanecer nas competições europeias” porque com um grupo como Zenit, Shaktar e Porto, o APOEL era o bombo da festa. Utilizei bem o tempo verbal: era. O APOEL fez o que fez na fase de grupos. Perdeu em Lyon por 1-0 num jogo em que os franceses viram-se da cor da Grécia para obter um golo e foram a Chipre enfrentar um adversário motivado, disciplinado, defensivo, forte no contra-golpe e com milhares de adeptos doidos a cantar.

90 minutos a ferro e fogo. O APOEL tentava utilizar o segredo do costume: defender e sair no contra-golpe sem descurar a sua organização. O Lyon tentava segurar a vantagem o máximo que podia. O nosso conhecido Manduca pôs o GSP Stadium de Nicósia ao rubro aos 9″. Vi inclusive na review da Champions declarações do técnico do APOEL Ivan Jovanovic a apelidar este jogo como o “jogo de uma vida” para o clube cipriota. Nada mais correcto. Findos os 90 minutos, quis o destino que o jogo fosse para prolongamento dados uns erros praticados pela arbitragem comandada pelo espanhol Alberto Undiano Mallenco a favor da equipa francesa.

O jogo foi para as grandes penalidades. Aí brilhou Chiotis, guarda-redes cipriota. O APOEL está nos quartos-de-final. E o mais incrível é que pode ir mais longe. Benfica, Marselha e hipoteticamente CSKA e Napoli poderão ser equipas ao seu perfeito alcance.

Depois de ter vencido no St Jakob´s Park o Bayern por 1-0, a jovem e promissora equipa do Basileia não merecia de ser eliminada desta forma depois da campanha que fez na fase de grupos.

Apesar do esforço, é pena o Basileia ter apanhado este super bayern no pico de forma da época. O Bayern dá mais 7 (como viram em cima já tinha dado 7 no campeonato ao Hoffenheim) e volta a dar 7 na Champions (em 2008\2009) deu 7 ao Sporting nesta fase no Allianz Arena.

Jogo sem história. O Bayern entrou a matar. Robben aos 11″ tem uma enorme classe na sua finalização, apesar da sorte que fez com que a bola viesse parar caprichosamente nos pés do Holandês depois de um ressalto de um defensor do Basileia. Apesar dos dois golos, Arjen Robben fez uma exibição de sonho. Depois, foi o vendaval Mario Gomez (poker) com dois golos pelo meio de Robben e Muller. Mario Gomez está ao despique com Messi e Ronaldo pelo título de pichichi da competição (quem sabe o record de mais golos numa só edição) levando o alemão 11 golos na presente edição.

Esta eliminatória entre Inter e Marselha esteve embruxada. Se não esteve embruxada, é caso para se dizer que o Marselha teve a dita “estrelinha de campeão”. Se no aborrecido jogo do Velodrome já tinha vencido a partida com um golo do Ganês André Ayew já para lá da hora, no Giuseppe Meazza, num jogo em que o Inter até começou a contar com um golo de Milito às três pancadas num momento de jogo em que o desespero já se começava a apoderar dos milaneses, o Inter merecia mais do que a fraca sorte de ser eliminado com um golo de Brandão aos 90+2. Pazzini ainda deu a vitória ao Inter na última jogada do encontro, mas não havia mais nada a fazer.

Fico com a impressão que Brandão faz falta no lance do golo do Marselha sobre o central do inter Lúcio.

Liga Europa:

Incontornável.

A vitória da raça e do querer. A vitória do David contra o Golias. Grande exibição do Sporting. Personalizada e organizada tanto a atacar como a defender.

Primeira parte bem disputada em que o City não quis arriscar do ponto de vista ofensivo. Tirando um lance em que Kolo Touré subiu ao 3º andar para cabecear para brilhante defesa de Rui Patrício e outro em que Gareth Barry atirou à entrada da área a rasar o poste direito da baliza de Rui Patrício. Do lado do Sporting, muita atitude por parte da equipa com especial destaque para o flanco direito onde João Pereira foi muito assertivo a subir e a desiquilibrar, com a ajuda ora de Izmailov ora de Matias Fernandez, todos com muita garra no 1 para 1 contra jogadores do City. Lances de destaque na primeira parte foram o remate de Schaars do meio da rua depois de Joe Hart ter cabeceado a bola fora da área, um lance em que João Pereira embalado remata da direita obrigando Hart a uma defesa de recurso.

O Sporting nunca se amedrontou perante o City e entrou no 2º tempo com modos de resolver o jogo. Matías Fernandez bate um livre venenoso e Xandão faz o que faz na cara de Joe Hart. Passado alguns minutos é Izmailov quem fura e quem dá o golo a Ricky Van Wolfswinkel que na cara de Hart não consegue o 2-0 para muita pena minha. Até que Mancini faz avançar a equipa com as entradas de Nasri e Balotelli. Por duas ou três situações o City poderia ter marcado. Pelo meio até há uma jogada individual de Balotelli em que o Italiano toma a linha e cruza de letra para fraca finalização de Aguero. Pelo meio também há um pontapé do meio da rua de Kolarov que passa novamente perto da baliza do Sporting e várias provocações e faltas (o normal) de João Pereira a Balotelli que valem o amarelo que afasta o lateral do jogo da 2ª mão no City of Manchester.

A jogar em casa, contra uma equipa que muitos diziam que ia massacrar o Sporting com uma goleada, a turma de Ricardo Sá Pinto cumpriu mais que os serviços mínimos (esperava na melhor das hipóteses um empate a 0 bolas) e convenceu todos aqueles que se deslocaram a Alvalade. Quinta-feira veremos se este Sporting terá estofo para aguentar este resultado.

Apesar do mau momento interno, o Atlético tem estado muito bem na Liga Europa. Nos 32 avos-de-final já tinha eliminado a Lazio com um 3-1 em Roma e 1-0 em Madrid. O Atlético de Simeone espalha charme na Europa e nos oitavos-de-final quis despachar o Besiktas em Madrid. Não conseguiu totalmente por culpa de Simão Sabrosa. Salvio (2) e Adrián deram 3 golos sem resposta na primeira parte. No entanto, espera-lhes o Inonu na 2ª mão.

O Besilktas está algo enfraquecido. Culpa disso os vários problemas internos que estão a acontecer no clube. Não só o facto de alguns dos seus dirigentes ainda estarem sobre alçada preventiva da justiça turca mas também o caso de indisciplina protagonizado por Ricardo Quaresma, caso que alegadamente terá motivado Carlos Carvalhal a encostar a direcção à parede quanto à saída do internacional português do clube. Carvalhal deverá ter dito à direcção que ou saía ele ou saía Quaresma.

Carvalhal veio ontem desmentir no site oficial do clube a notícia veículada pelos órgãos de comunicação social com as seguintes palavras: “Desminto totalmente as afirmações que vieram a público ontem. O Quaresma é um jogador muito importante, mas o meu trabalho é garantir organização e disciplina no trabalho”

Partida da ronda. O Athletic foi a Old-Trafford fazer um dos melhores jogos da sua história. O lance do primeiro golo do Manchester é um lance de génio. O passe para o 2º golo do Athletic protagonizado pelo jovem fenómeno Muniain para Oscar de Marcos é algo do outro mundo. Este Athletic de Bilbao de Bielsa é um portento de futebol bonito. Nem a adaptação (bem conseguida) de Javi Martinez a central tem tirado brilho ao futebol praticado pela equipa comandada pelo consagrado técnico Chileno. Aliás, mesmo a central, Javi Martinez é alvo da cobiça de Barcelona e Real Madrid, não devendo sair de Bilbao por menos de 40\45 milhões de euros. No 3º golo dos bascos, culpa para De Gea. No entanto, urge-me fazer mais um reparo à equipa do Bilbao: é uma equipa muito forte a sair no contra-golpe. Também tem homens para isso, casos de Muniain, De Marcos, Herrera ou David Lopez.

O penalty de Rooney ainda amenizou a derrota. O Manchester de Sir. Alex Ferguson subestimou o adversário, na medida em que tinha por exemplo em Outubro subestimado o Benfica e o Basileia na fase de grupos da Champions. Avizinha-se uma tarefa muito difícil para os Red Devils amanhã no quentíssimo San Mamés de Bilbao.

Óscar de Marcos declarou que marcar em Old-Trafford fez do dia 8 de Março um dia que nunca mais iria esquecer durante a sua vida: “The key thing was, we had the ball the whole game. It is our philosophy, as the manager has taught us, to keep the ball and thanks to this we created a lot of chances. “[Scoring at Old Trafford] is something I won’t forget as long as I live, I will always remember it. I’m thrilled. This is a night to smile, to enjoy – all our fans have enjoyed it and it is great for everyone who has always supported us”.

It is clear that 3-2 keeps them in it more, unfortunately it was my handball [for Wayne Rooney’s late penalty]. It is a shame after all the work the team put in, but we have to be happy with the result. Before we came everyone would have taken a win at the ‘Theatre of Dreams’. The coach is putting it in our heads that nobody is better than us, that we can compete with any team and we did that against one of the best teams in the world.”

Mais um jogo de alto gabarito. Apesar do 4-2 para o Valência no final da 1ª mão, nada está resolvido para a equipa de Unay Emery. Início horrível da defesa do PSV. Nos primeiros 13 minutos haveria de conceder dois golos: o primeiro por via do central sub-21 espanhol Victor Ruiz, saltando por cima de tudo e todos na bica da baliza e o segundo num auto-golo muito azarado de Manolev. 3-0 aos 42″ por intermédio de Roberto Soldado fazia parecer que a eliminatória fecharia no Mestalla. Piatti elevaria para 4-0. Eis que o PSV num golpe de mérito conseguiu dois golos nos minutos finais e leva a eliminatória viva para a Phillips Arena. No entanto, não creio que os comandados de Fred Rutten tenham capacidade para derrubar o Valência.

Outros resultados:

Metallist 0-1 Olympiacos – Contra uma equipa muito organizada e imprevisível, os gregos do Olympiacos venceram na Ucrânia por 0-1 o Metallist e tem um pé nos quartos-de-final.

Standard de Liège 2-2 Hanover 96 – Tudo em aberto para a 2ª mão, se bem que o resultado foi muito bom para os alemães.

AZ Alkmaar 2-0 Udinese – Excelente resultado para os holandeses.

Anúncios
Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Antevisão da Liga Francesa

À semelhança do que tinha escrito para a Liga Alemã, respeitando a analogia coerente demonstrada nesse post em relação ao equilíbrio e imprevisibilidade da Bundesliga e da Ligue 1, é muito fácil a caracterizar a Ligue 1 Francesa.

As opiniões do pessoal que é mais próximo neste tipo de discussões de pré-temporada não são de todo unânimes no que toca ao poder da Liga Francesa: os mais velhos dizem-me que é uma liga interessante, mas em clara decadência, ou seja, longe do brilho e do poder que assumiu nas décadas de 80 e 90. Outros dizem-me que é uma liga com uma competitividade semelhante às ligas de 2ª linha do futebol europeu, ou seja, à Portuguesa, Holandesa, Russa, Belga, Escocesa, Romena, Turca. Depois de alguma introspectiva, seria errada não conciliar as suas opiniões. É uma liga interessante que assume cada vez menos peso no futebol europeu e ao nível de qualidade, está cada vez mais afastada das 3 principais ligas do futebol europeu. Por outro lado, se na década de 90 um adversário francês nas competições europeias para as equipas de 2ª linha do futebol europeu era um adversário temível, actualmente tal já não acontece e as equipas francesas estão vulgarizadas à emergência dos principais clubes dos países cujas ligas pertencem ao 2º patamar do futebol europeu no que diz respeito a confrontos nas provas europeias.

À semelhança da Bundesliga, a Ligue 1 é uma liga cujo vencedor é imprevisível. Difere apenas na medida em que não existe uma potência hegemónica que domine por completo o futebol Francês ao contrário do papel do Bayern no futebol alemão. No passado existiam Marselha e Saint Ettiène. Se o Marselha, após períodos conturbados ao nível de resultados desportivos, voltou a vencer a Ligue 1 em 2010, o Saint Ettiène continua a ser uma fortíssima equipa ao nível de formação mas está arredado dos títulos há muitos anos.

Passando a planos concretos, a Ligue 1 já vai na 3ª jornada, com algumas equipas capazes de chegar ao título, não sendo garantido que não volte a aparecer um outsider na luta pelo título como o Lille, o Montpellier ou o Auxerre. Os candidatos são claramente o Bordéus, o Lyon, o Marselha e o Paris Saint-Germain. Pelos jogadores que transitam da época passada e pelo investimento feito nesta época.
Numa 2ª linha prosseguem o objectivo do títuloclassificação para as competições europeias, o campeão em título Lille, o Toulouse, o Rennes e o Auxerre. O Lille, como campeão em título terá que redobrar esforços para conseguir acompanhar a evolução dos grandes franceses, principalmente do PSG, equipa cujo novo proprietário árabe investiu muito e com qualidade no seu plantel. Desde logo se destaca a contratação do internacional Argentino Javier Pastore ao Palermo de Itália por 40 milhões de euros.

Ao fim de 3 jornadas, nada está decidido. Fruto de 3 vitórias nas 3 primeiras jornadas quem lidera a classificação é o Montpellier. Nas posições seguintes com 7 pontos aparecem Toulouse e Saint Ettiène. Com 6, Caen e com 5 Lyon. PSG desilude com 4 (um empate, uma vitória e uma derrota) Lille também com 4, Marselha apenas com 3 fruto de 3 empates, e Bordéus com apenas 2, fruto de 2 empates.

Outro pormenor introdutório que se deve ter em conta nesta antevisão é o facto da Ligue 1 ser uma clara mescla de nacionalidades. Apesar do facto da formação francesa com qualidade emigrar bastante cedo para outras paragens (principalmente para clubes ingleses) esta está a perder número e qualidade para os estrangeiros, seguindo uma tendência manifestada pelos clubes franceses na última década. Todos os clubes estão recheados de estrangeiros, estrangeiros muito jovens e vindos de paragens muito distantes. Tal facto leva-me a concluir que os clubes franceses estão a apostar cada vez mais em talentos vindos de países não-europeus de modo a iniciar a adaptação desses atletas ao futebol europeu e amealhar interessantes somas de dinheiro com as suas vendas.

Para terminar, surpresa é esta ligue 1 começar com a ausência de vários históricos do futebol francês, que por vicissitude de más temporadas iniciam as suas épocas desportivas na Ligue 2. Falo do Mónaco, do Nantes (caiu na 2ª e nunca mais se endireitou) do Reims, do Metz e do Lens. São das melhores formações francesas. Basta ver o historial de todas juntas. Todos os títulos somados dão 22 títulos franceses e 4 supertaças.

Mais uma vez, peço desculpa pela excessividade de conteúdos do post e por alguma gralha ao nível de conteúdos, erros ortográficos e construção frásica que este post possa albergar. Aos que leram as duas últimas antevisões e aos que irão ler esta até ao fim, o meu obrigado.

Lille

Eden Hazard – O jovem talento Belga continua a defender o campeão em título. Propostas não lhe faltaram. Falou-se durante a pré-temporada do Real Madrid, onde o novo director-desportivo Zinedine Zidane é um confesso admirador do futebol do criativo Belga.

Na época 20112012, o Lille saltou da 2ª linha do futebol francês directamente para um título inexperado. Se nas últimas épocas, o Lille já se distinguia das equipas de meio da tabela pela regularidade de objectivos na liga, chegando à europa quase todos os anos (disputou por 2 vezes a Champions nos últimos 5 anos) uma geração incrível de jogadores conseguiu ultrapassar a dura oposição de equipas como o Marselha e o Lyon. Este Lille jogou na época passada contra o Sporting na fase de grupos da Liga Europa, tendo perdido tanto em casa como em Alvalade.

Com o título, alguns desses jogadores rumaram a clubes com melhores condições. Nada de estranhar. O lateral-esquerdo Emerson foi vendido ao Benfica, o costa-marfinense Gervinho rumou ao Arsenal, o centro campista Cabaye foi para Newcastle, Adil Rami rumou a Valência e outros jogadores menores foram procurar o seu espaço em clubes de menor dimensão com o ala Dumont, o avançado Frau ou o guarda-redes Ludovic Butelle.

Com o capital encaixado pelas vendas, os lucros do campeonato e o valor dos prémios que o clube irá receber pela participação na Champions, a direcção do Lille tentou reforçar os sectores que ficaram desfalcados com as contratações do experiente centrocampista internacional gaulês Benoit Pedretti (ex-Auxerre), do guarda-redes internacional Nigeriano Eneyama (é um bom guarda-redesesteve nas cogitações do Milan após o Mundial da África do Suljogava em Israel) o defesa Marko Basa (ex-Lokomotiv de Moscovo) e o avançado ex-Saint Ettiène Payet.
Apostou-se portanto na experiência para o reforço do plantel que este ano terá que enfrentar a Liga dos Campeões.

No entanto, nem tudo foi prejuízo para o Lille. Feitas as vendas, a direcção conseguiu segurar algumas das pérolas que levaram a equipa francesa ao título, casos do guarda-redes Landreau, dos defesas Bonnart, Debuchy, Souaré, Rozehnal e Franck Bériu, os médios Hazard, Obraniak, Rio Mavuba e Benoit Pedretti e os avançados Moussa Sow e Túlio.

Será portanto um ano muito difícil para o Lille. A qualidade deste plantel é bastante interessante. Apenas faltará perceber se a proeza da época transacta poderá ser novamente cumprida esta época. Para isso, as primeiras jornadas da Liga e a convivência com os objectivos da equipa na Champions serão determinantes para desvendar aos poucos o desfecho na Ligue 1.

Toulouse

Paulo Machado é o nosso representante máximo em França. O jovem médio conseguiu chegar à selecção nacional após ter vingado no Toulouse. Ocupa uma posição específica na selecção (trinco) numa altura onde existe uma certa carência de jogadores nacionais de qualidade.

Das equipas de meio da tabela da Liga, o Toulouse é daquelas que faz sempre um investimento interessante e estudada. Esta época não veio confirmar esta premissa.
Longe vão os tempos em que neste clube despontou Gignac, agora jogador do Marselha e as participações do clube nas competições europeias.

Na época passada inaugurou-se uma nova era no clube. Nesta época, o Toulouse não investiu tão bem nas suas contratações face às saídas que sofreu. Yoanis Tafer voltou à casa-mãe em Lyon, após muito assédio do Barcelona. Cetto rumou a Palermo, Soren Larssen decidiu voltar à Dinamarca para representar o Aarhus.

O Toulouse poderá contar com jogadores como o guarda-redes Yohan Péle, o internacional Português Paulo Machado (as boas exibições no clube franceses já lhe deram acesso à selecção nacional) e o Norueugês Braaten. Terão decerto um campeonato tranquilo, sem objectivo virado para a europa.

Saint-Ettiène

Algumas saídas importantes, algumas entradas com valor.

O Saint Ettiène continua a ter um plantel simpático que lhe garante uma época bastante tranquila e quiçá a luta pelas provas europeias.

Saíram Payet (Lille) Blaise Matuidi (PSG) e Gelson Fernandes para o Leicester.

Entraram Gonzalo Bergessio (após empréstimo ao Catania) Guiane Daw (após empréstimo ao Saragoça) Florent Sinama-Pongolle por empréstimo do Sporting, o central Paulão (contratado ao Braga) Ruffier (ex-Mónaco) o avançado Aubemeyang (ex-Milan) o médio defensivo Jeremy Clement (envolvido no negócio Matuidi) e o veteraníssimo ala Steed Malbranque, vindo do Sunderland. Malbranque deverá terminar a carreira no clube após muitas épocas consecutivas pela Premier League onde atingiu o seu auge no Tottenham.

Juntam-se ao Norte-Americano Carlos Bocanegra, o central Sylvain Monsoureau, a Jean Pascal Mignot, ao nº10 Laurent Battles e ao togolês Boubacar Sanogo.

Caen

Pouco para dizer. Ganhou nas primeiras duas jornadas da Liga apesar de ser uma equipa com um plantel muito modesto onde Pierre Alan Frau foi a melhor contratação. O experiente avançado veio do Lille.

Rennes

Mais uma equipa com claras aspirações à europa.

Um plantel bastante interessante, sem puxar os cordões à bolsa neste defeso. Até porque o Rennes é uma das equipas que vive muito da sua excelente formação.

Destaques para os defesas Chris Mavinga, Apam (defesa-esquerdo internacional Nigeriano que gosta muito de subir no terreno) e Yassine Jebbour, para os médios Tettey (médio que veio do Rosenborg) Stephane Dalmat, para o internacional Camarones Mandjeck, para o extremo Jonathan Pitroipa (veio do Hamburgo da Alemanha neste defeso) e para o avançado colombiano Montoya.

Ganhar em Rennes será sempre uma tarefa muito difícil.

Olympique Lyonnais

Mahammadou Diarra volta a Lyon depois de ter saído para o Real Madrid, onde durante 4 temporadas não teve grandes oportunidades de se evidenciar.

Ao contrário dos últimos defesos, o desta época foi muito calmo para os lados de Lyon. A equipa ainda tenta recuperar da época de ouro onde o clube venceu 7 ligas de forma consecutiva. Para isso, a direcção do Lyon decidiu que a estabilidade seria o melhor caminho a seguir para que o clube volte a vencer ao nível interno e consiga voltar às grandes exibições na Champions.

Ao nível da política de contratações, o Lyon deixou de comprar e passou a lançar mais jovens da sua formação na sua equipa principal.

Ao nível de saídas, o Lyon livrou-se de alguns excedentes que se encontravam no seu plantel. César Delgado voltou ao México para representar o Monterrey, Pape Diakhaté voltou ao Dinamo de Kiev e o guarda-redes Hartlock foi dispensado.
Por outro lado não recusou a proposta de 10 milhões do Málaga pelo armador de jogo Jeremy Toulalan.

Entraram Bakary Koné, Yoanis Tafer (deverá ser o seu ano de afirmação no Olympique Lyonnais) o central Seguin também regressou de empréstimo ao Dijón e pela sua qualidade (internacional sub-21 francês) deverá constituir-se como uma opção para uma defesa do Lyon que ainda continua a viver do Brasileiro Cris. O Ganês John Mensal também foi contratado ao Sunderland.

Juntam-se a uma equipa recheada de talento cujas apresentações são dispensáveis: Hugo Lloris (longe de compensar os 7,5 milhões pagos pelas suas contratações e os créditos com que entrou em Lyon) Cris, Dejan Lovgren, Anthony Reveillère, Aly Cissokho, Kim Kallstrom, Miralem Pjanic, Ederson, Michel Bastos (voltou a não sair de Lyon) Yoann Gourcouff, Lisandro Lopez, Bafetimbi Gomis e Jimmy Briand para além das mais recentes coqueluches da formação “Lionesa” casos do internacional sub-21 Português Anthony Lopes, do lateral direito Lamine Gassama, do médio-centroala Grenier, do trinco Gonalons, Enzo Real, Alexandre Lacazette e Ishak Belfodil.

Evian

Recém-promovido à Liga. Terá muitas dificuldades em manter-se no primeiro escalão do futebol francês, apesar de nas fileiras um avançado como o veteraníssimo Sidney Govou. Recebeu por empréstimo o Dinamarquês Daniel Wass do Benfica.

Lorient

Perdeu alguns jogadores interessantes da boa campanha que fez na época passada. Mesmo assim, os laranjinhas partem com o objectivo expresso assente numa época tranquila e quiçá numa gracinha nas Taças.

Saíram jogadores importantes como Kevin Gameiro (PSG) Morel e Amalfitano (Marselha) Sosa (Boca Juniors) e o avançado internacional sub-20 Gaulês Gilles Sunu, que regressou ao Arsenal após empréstimo.
Nas contratações, o Lorient apostou em alguns jogadores conhecidos do público Português: o lateral-direito Pedrinho da Académica e Lucas Mareque, lateral-esquerdo argentino que passou pelo Porto e que jogava no Independiente da Argentina. Entre as outras contratações importantes juntam-se Julian Quercia, o argentino Gabriel Penalba e o avançado Jeremy Aliardere.

Montpellier

John Utaka – O Nigeriano é claramente a maior estrela deste Montpellier.

Equipa que se tem destacado nos últimos anos na Ligue, após algumas épocas difíceis pelos escalões secundários do futebol francês.

O Montpellier não é um candidato às competições europeias, mas no entanto tem uma equipa que pode surpreender e com um bocado de sorte nos resultados poderá alcançar um lugar europeu. Facto que o comprova é o 1º lugar isolado à 3ª jornada com vitórias.

Ao nível do defeso, o Montpellier viu o central Bósnio Spahic rumar ao Sevilla, tendo contratado o central brasileiro Hilton para colmatar a saída do Bósnio. De resto, os responsáveis técnicos e directivos da equipa do Sul de França não decidiram mexer muito na espinha dorsal de uma equipa que conta desde logo com um excelente guarda-redes (Geoffrey Jourdren) que já foi convocado para a selecção gaulesa e já despertou a cobiça de poderosos clubes europeus como o Milan ou a Juventus e a comparação a Sebastien Frey, o lateral direito Garry Bocaly (ex-internacional sub-21 pela França), o camaronês Henry Bedimo, o defesaala esquerdo Chileno Marco Estrada (um jogador muito interessante na minha opinião), os médios Lacombe (contratado ao Mónaco) Pitau e Cabella, e o Nigeriano John Utaka (um extremo muito veloz que já brilhou no Portsmouth de Inglaterra, que gosta de ganhar a linha em velocidade e acaba por ser um bom finalizador).

Sochaux

Pouco posso dizer sobre esta equipa.

Saiu o defesa Jacques Faty para o Sivasspor da Turquia. Faty, enquanto internacional sub-21 pela França era considerado uma das grandes promessas do futebol mundial. Não confirmou as suas credências e o seu irmão mais novo (Ricardo) vai pelo mesmo caminho. O avançado Nigeriano Brown foi para o Dinamo de Kiev e o avançado Vaclav Sverkos decidiu voltar à República Checa.
Sem contratações de grande destaque, o Sochaux contra nas suas fileiras com o defesa Brechét (formado em Lyon, destacou-se vários anos ao serviço do Olympique) o central Damien Perquis, o médio brasileiro Carlão e o avançado português Rafael Dias.

Olympique de Marselha

Didier Deschamps volta a ter o Marselha na máxima força para encarar o objectivo do título.
O defeso em Marselha ficou marcado por muitas saídas e muitas entradas, por muitos desejos e por muitas coagitações.

Ao nível das saídas e entradas:
– Saíram em relação à época passada Taiwe Taiwo para o Milan como se esperava desde Janeiro, aquando da rejeição do central Nigeriano em assinar renovação de contrato com o clube Marselhês. Taiwo executou uma enorme novela quanto ao seu futuro. Foi dado como certo no Benfica, no Sporting, no Real Madrid e acabou no Milan onde terá a concorrência no flanco esquerdo de Emanuelson, contratado ao Ajax no passado mês de Janeiro.
Quem também acabou contrato com a turma Marselhesa foi o central Heinze, tendo o argentino rumado para a AS Roma. O central Brasileiro Hilton foi para Montpellier, depois do pouco espaço no plantel que Deschamps lhe reservou. Aos 32 anos e depois de muitas épocas no clube, o médio Abriel também decidiu ir para Nice. O veterano trinco Edouard Cissé também foi para Auxerre.

A presença de Lucho González no plantel Marselhês continua a ser uma incógnita. Primeiro, existiu um rumor que o jogador pretendia voltar ao Porto. Com a entrada de Villas-Boas no Chelsea, o técnico português deverá ter pedido o internacional argentino e falou-se da hipótese deste rumar a Londres por uma verba a rondar os 8 milhões de euros com a cedência em definitivo e e em regresso ao clube do Costa-Marfinense Drogba. Drogba terá rejeitado voltar a Marselha.
Isto implicou a entrada de clubes italianos no concurso do argentino. A Roma anda de olho e pretende concluir o negócio. O Porto também está atento ao argentino caso João Moutinho seja contratado até ao fecho do mercado.

Ao nível de entradas, o Marselha contratou Amalfitano e Morel ao Lorient, o defesa senegales Bow ao Cannes, o jovem central Camaronês Koulou e o experiente Djimi Traoré ao Mónaco e o experiente trinco Alou Diarra ao Bordéus.

Permanecem no plantel o guarda-redes Mandanda, os defesas Cesar Azpiculeta (algo azarado na primeira época de Marselha) Souleymana Diawara e Fani, os médios Cheyrou, Charles Kaboré, Stéphane Mbia, Lucho e Mathiew Valbuena (médio ala direitoesquerdo que teve muito perto de assinar pelo Arsenal) e os avançados Gignac, Loic Remy, e os avançadosextremos André e Jordan Ayew.

Dijon

Recém-promovido.

Desconheço quase por completo esta equipa, como devem compreender.

Conheço apenas alguns nomes como o central Costa-Marfinense Meité (ex-Marselha) o Japonês Matsui (já foi apontado ao Sporting), o médio centro Younoussé Sankharé (não vingou no PSG, é um esquerdino bastante interessante e Freddy Drogba, irmão mais novo de Didier Drogba.

O Dijon é portanto uma equipa que irá procurar a manutenção. Terá um campeão duro.

Bordéus

Yoann Gouffran, em luta com Taiwe Taiwo na imagem.

Muitas saídas sem afectar a qualidade da equipa. Quem acabou por sair deste Bordéus de Francis Gillot acabaram por ser aqueles que não tem espaço no plantel.

Falo portanto do veteraníssimo guarda-redes Ramé (rumou ao Sedan da 2ª divisão quiçá para terminar carreira) o médio de 30 anos Fernando (foi para a Arábia Saudita) assim como o ala esquerdo Wendel, o médio Pierre Ducasse foi para Lens, o defesa Sané para Nancy e depois de uma passagem frustrada por Bordéus onde o argentino apenas rendeu no ano do título, Fernando Cavenaghi foi dispensado para o River Plate, clube de origem. Alou Diarra rumou a Marselha

Ao nível de entradas, o médio Belay (ex-Sochaux) o jovem médio polaco ex-Reims Krychowiak e os médios Abdou Traoré, o Sertic e N´Guemo juntam-se a uma equipa que conta com nomes como Cedric Carasso, os defesas Michael Ciani (gosto bastante da elegância deste central e Ciani faz também questão de ser um central goleador) Henrique, Lamine Sané (algo irregular mas demonstra talento) Savic, Chalmé, Planus e Tremoulinas, aos médios Khalfalla e Plasil (o meio-campo do Bordéus é praticamente novo) e os avançadosextremos Henry Saivet (será este o ano da confirmação?) Jussiê, Bellion (a cair em desgraça no futebol francês após sucessivos empréstimos por parte do Bordéus) e Emiliano Sala, jovem argentino que já passou pelas camadas jovens do FC Porto.

Brest

Mais uma equipa semi-desconhecida no que toca a potencial.

Sei que fizeram uma época muito interessante na época passada e dispõe de alguns bons atletas no seu plantel como é o caso de Johan Hartlock (guarda-redes contratado ao Lyon) Jonathan Zebina (defesa direitodefesa central que já passou pela Juventus e foi contratado pelo Brest ao Bréscia de Itália) o argentino Gentilleti (contratado ao Boca) e os centrais Daf (internacional pelo Senegal; central de raiz que também actua perfeitamente como trinco) Coulibay e o marroquino Ahmed Kantari, jogador formado no PSG que apenas está a vingar em Brest.

Na frente, 4 razoáveis dianteiros: o israelita Ben Basat, o conacri Larsen Touré, o Togolês Ayité e o Francês Poyet.

Auxerre

Claramente uma das melhores escolas de formação do futebol francês. De todos os clubes presentes nesta liga, o Auxerre é claramente o clube que formou mais atletas franceses directamente para os grandes clubes da europa e para a própria selecção gaulesa.

Nos últimos anos, a lista de jogadores formados no Auxerre que conseguiram chegar à selecção é vasta e acima de tudo, caso estes atletas voltassem ao clube de formação, o Auxerre seria um sério candidato ao título. Senão, ora vejamos: Phillipe Méxés, Jean-Alain Boumsong, Djibril Cissé, Bacary Sagna, os irmãos Cheyrou são alguns dos exemplos de jogadores formados na equipa que um dia foi comandada pelo histórico Guy Roux, talvez o treinador com o record de mais tempo num único clube em todo o planeta.

Depois de bons resultados nas épocas anteriores (o Auxerre voltou a disputar o playoff de acesso à liga dos campeões na época passada depois de na última participação na competição ter eliminado na época 20022003 o Boavista) o Auxerre volta à competição com os olhos postos num lugar europeu. De facto, a turma comandada agora por Laurent Fournier (antigo internacional Francês cuja carreira passou por bons clubes como PSG, Lyon, Marselha e Bordéus) tem capacidades de chegar à Liga Europa, apesar das saídas de relevo que sofreu nesta época de transferências.

Qualquer equipa que faça boa campanha na Liga Francesa (caso do Auxerre) terá muitas dificuldades em segurar os seus atletas. É o caso claro desta turma francesa que este ano viu sair o extremoavançado esloveno Birsa para o Génova (Birsa é um jogador bastante versátil e vai-se dar muito bem em Génova) Benoit Pedretti para o Lille e Mignot para o Saint Ettiène. Três peças fundamentais que Fournier substituiu por alguns jogadores jovens onde se destaca o israelita Ben Sahar, contratado ao Espanhol de Barcelona, que já na época passada o tinha emprestado ao Hapoel Telaviv e o veterano Edouard Cissé.

Dennis Oliech – O Queniano é a principal estrela deste Auxerre e pertence à melhor fornada de jogadores do país, em conjunto com jogadores como McDonald Mariga (Inter) Patrick Osiako (Mjallby da Suécia) Patrick Oboya (Banik da República Checa) Roberto Mambo Mumba (GIF Sundsvall da Suécia) Ekhelie (IFK da Finlândia) George Odiahmbo (Randers da Dinamarca) e George Situmba (TiranaAlbânia) Arnold Otieno (MossDinamarca) Adam Shabban (NybersgundNoruega) Victor Wanyama (Celtic de Glasgow) e Taiwo Atieno (Stevenage de Inglaterra). Em jeito de curiosidade, o futebol queniano tem mais atletas a jogar em clubes europeus, alguns de renome, casos do Inter, do Auxerre e do Celtic.

No plantel de Laurent Fournier, transitam da época passada o defesa direito Hengbart (um jogador bastante interessante que despontou tarde para o futebol francês) o Suiço Grichting, os centrais Coulibaly e Sidibé e o defesa-esquerdo Berthod.

No meio-campo, a ausência de Pedretti será suplantada pelas contratações, pelo polaco Dudka, pelo marroquino Chafni (o criativo desta equipa) e pelo burkina faso Alain Traoré.
Na frente, Fournier poderá contar como Anthony Le Tallec, Rudy Haddad, Ben Sahar, Dennis Oliech, Yaya Sanogo (jovem jogador que pertence à nova geração de promessas do futebol francês) e Issam Jemaah, sendo que todos estes jogadores tanto podem actuar na frente como nas alas, permitindo o esquema de 4x3x3 simples a Fournier.

Ajaccio

Alguns nomes interessantes resultantes de contratações da equipa para este época e pouco mais. Entre eles, o internacional Mexicano Guillerme Ochoa, guarda-redes muito hábil e algo excêntrico que já esteve na mira do Real Madrid mas acabou em França na equipa da ilha autónoma da Córsega devido a um escândalo de doping no méxico onde acusou positivo. De resto, destaque para o médio internacional pela Argélia Medjani (um box to box muito forte fisicamente que merecia uma oportunidade num clube de maior dimensãoformado nas escolas do Liverpool) e para o experiente ponta de lança Ilan, jogador que há muitos anos actua em França com passagens por Saint Ettiène, Sochaux e fora de frança pelo Paraná, São Paulo, Internacional de Porto Alegre, West Ham e Atlético Paranaense.

Nancy

Outra equipa que terá muitas dificuldades para se manter.

Dois razoáveis guarda-redes: Gregorini e Guy Assembé, guarda-redes suplente de Kameni na selecção dos camarões.
Na defesa, destaque para o Brasileiro André Luiz e para o marroquino Chretien (capitão de equipa).
No meio-campo, as referências são Pascal Berenguer e Jonathan Brisson, jogadores que fizeram toda a carreira no Nancy.
Na frente, o camaronês Bilé é o homem dos golos em conjunto com Youssouf Hadji (irmão de Moustapha Hadji, jogador que jogou nos anos 90 pelo Sporting).

Valenciennes

Idem aspas no que foi dito acerca das últimas equipas.

O Valenciennes conta com Julien Penneteau na baliza. Penneteau foi internacional sub-21 e era considerado em França o titular mais que certo dos “Bleus” para esta década. Penneteau não conseguiu provar as credenciais que lhe eram apontadas mas não deixa de ser um interessante guarda-redes para o Valenciennes, modesto clube que tentará fugir da despromooção.

Destaque também para o talentoso médio internacional Colômbiano Carlos Sanchéz, médio volante que relança a carreira em Valenciennes após uma experiência falhada no Olympiakos da Grécia.

Nice

Apesar do mau arranque de campeonato, os responsáveis do Nice esperam uma época tranquila em que a manutenção seja atingida cedo.

Muitas nacionalidades numa equipa que conta com:
– o jovem internacional Colombiano David Ospina na baliza. Deverá ser o novo Lloris visto que tem mais que talento para render no Nice e saltar para um clube de maior dimensão
– os defesas Fabian Monzon (ex-Boca) Kevin Gomis (ex-Naval) Jonathan Quartey, Mabiala e François Clerc (internacional Francês que representou o Lyon durante várias épocas)
– no meio-campo, a experiência e veterania faz-se sentir com Fabrice Abriel, David Helleybruck, Camel Meriem e Didier Digard, que apesar dos 25 anos já jogou no PSG e Middlesbrough.
-na frente do ataque, Anthony Mounier é a principal referência. Este avançado de 23 anos formado nas escolas do Lyon continua a ser um jogador que prometeu muito mas ainda não conseguiu dar um salto qualitativo na sua carreira. Veio para Nice no pacote Lloris.

PSG

Javier Pastore é claramente a maior contratação dos Parisienses e sem dúvida um dos jogadores que fez agitar o mercado de transferências esta época.

Renovado PSG rumo ao título, dizem os Franceses. Desde que o Sheik Bin Hamad Al Thani tomou conta do clube parisiense, os adeptos do PSG só pensam no título Francês e no pontapé na crise de resultados que abala o clube há muitos anos, não obstante do facto de sempre ter contratado jogadores de qualidade a preços exorbitantes como foi o caso de Marcello Gallardo, Ronaldinho Gaúcho e Pauleta.

O sheik não olhou a meios para reforçar o plantel às ordens do jovem técnico Anthony Koumbouaré. Muitas foram as contratações de qualidades executadas pelos parisienses: Javier Pastore custou 43 milhões e veio do Palermo, o luso-gaulês Kevin Gameiro veio de Lorient com a promessa de golos, o extremo talentoso Jeremy Menez vem da Roma, o possante médio Matuidi do Saint Ettiène, o defesa Bisevac do Valenciennes, o guarda-redes Sirigu do Palermo e Sissoko vem da Juventus para muscular o meio campo dos Parisienses.

Apesar da pequena fortuna gasta em contratações, o PSG foi buscar excelentes futebolistas e até se poderá dizer que tem o melhor meio-campo da Liga.

Em especulação para reforçar o ataque continuam Bendtner e o argentino Diego Milito. O jogador do Inter terá recusado a mudança para os parisienses, mas o dinheiro do Sheik poderá falar mais alto na hora da decisão do argentino.

De saída, estão Giuly (volta ao Mónaco para terminar carreira, o guarda-redes Armeno Epoula Adel vai jogar para Israel, Younousse Sankharé para Dijon e o ala esquerdo Jeremy Rothen vai para Bastia terminar a carreira à semelhança de Giuly depois de ter sido contratado ao Mónaco com a promessa que seria aquele que iria resolver grande parte dos problemas do PSG e acabou por não render aquilo que se esperava nas épocas que passou em Paris.


Aos 21 anos, Mamadou Sakho revela-se como a grande promessa francesa para a posição de central. Alto, possante, duro, com um posicionamento interessante e forte no desarme.

No plantel parisiense, continuam o lateral-direito Ceará (5ª epoca no clube) o central Zoumana Camará, o lateral-esquerdo Sylvain Armand, o extremo Nênê, o médio versátil Mathieu Bodmer, o centro-campista Chantome e os avançados Luyindula, Hoarau e Erdinç.

Anthony Koumbouaré tem portanto matéria-prima para poder chegar ao título na Ligue 1.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Nani por 13 milhões?

O jornal desportivo Italiano Tuttosport adianta que a Juventus está disposta a oferecer 13 milhões pela transferência do internacional português Nani.

Só posso concluir 3 premissas desta notícia: 1. Ou a Juventus está com fé em transferir o internacional português por esse valor 2. Ou o Manchester aceita essa proposta de 13 milhões em notas de monopólio e vende o jogador ao desbarato 3. Não passa de especulação da imprensa italiana (em particular desse referido jornal, que teima em colocar dezenas de reforços na Juventus como Aguero, Pastore, Vucinic, Gokhan Inler, a compra definitiva do passe de Alberto Aquilani, Alexis Sanchez, Lichsteiner, Lassana Diarra e Michel Bastos)

É certo que a Juventus terá que reforçar muito mais a sua equipa, após o insucesso expresso da equipa nas últimas 3 épocas. Não é que a Juve não se tenha reforçado muito nos últimos anos, porque de facto reforçou-se bem (Candreva, Simone Pepe, Milos Krasic, Felipe Melo, Jorge Martinez, Alessandro Matri, Marco Motta). A questão é que os resultados não aparecem e a família Agnelli parece disposta a sacar dos cordões à bolsa para adquirir o máximo número de jogadores que possam devolver a Juve ao título italiano e à alta roda do futebol europeu.

Mas 13 milhões por Nani só pode ser brincadeira. Se o Manchester United pagou 25 milhões pelo jogador ao Sporting e se com a saída de Cristiano Ronaldo para o Real Madrid o jogador tornou-se evidentemente um dos maiores desiquilibradores do ataque da equipa de Manchester (para mim o jogador mais desiquilibrador das últimas duas épocas dos Red Devils) não será um erro vender o jogador por menos de uns 3035 milhões?

Por outro lado, se o Manchester United necessita urgentemente de contratar um jogador de talento mundial para a posição de Paul Scholes, qual seria a lógica de colocar Nani no mercado a um valor baixíssimo quando há poucas semanas atrás o Manchester rejeitou uma contra-proposta do Inter de Milão sobre Wesley Sneijder que previa a transferência do Holandês por 40 milhões mais o passe do internacional português?

Se o Manchester United pretende reforçar as alas com a contratação de Ashley Young do Aston Villa, porque é que não coloca António Valência no mercado visto que o Equatoriano foi um jogador com baixíssimo rendimento tendo em conta os 22,5 milhões que o Manchester pagou pelo seu passe?

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,