Tag Archives: Real Madrid

no Santiago Bernabeu

jordi alba

O gesto pouco ortodoxo de Jordi Alba aquando do golo de Lionel Messi junto à claque do Real Madrid (Ultra Sur)

Anúncios
Com as etiquetas , , , , , ,

clássico (III)

imprensa

imprensa 2

imprensa 3

Sem dúvida a melhor aposta de sempre. O site de apostas espanhol Beticious  que por acaso já me tinha brindado com a aposta mais ridícula de sempre (até ontem) decidiu lançar uma bet sobre quem irá à sala de conferência de imprensa por parte da estrutura do Real Madrid fazer o rescaldo do clássico de hoje do futebol espanhol (15h na Sporttv). De realçar o humor dos administradores do site ao colocar a hipótese de tal antevisão ser realizada por personalidades como: Esperanza Aguirre (presidente do governo regional da Comunidade Autónoma de Madrid e actual opositora interna de Mariano Rajoy no Partido Popular Espanhol; célebre em Maio de 2012 pela proposta que entregou no parlamento regional madrileno aquando da disputa da final da Taça do Rei entre Barcelona e Athletic de Bilbao que visava proibir os adeptos das duas equipas de entrarem no Vicente Calderón com bandeiras que não a Espanhola) o Papa Bento XVI (penso que seria difícil visto que está em cativeiro desde ontem!!) o vocalista dos U2 Bono e até o princípe real Inaki Urdangarin que como se sabe foi um antigo jogador internacional espanhol de andebol na década de 90 e se destacou ao serviço do Barcelona.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

NBA #25

1. Jogos de ontem:

Grande jogo ontem em Indiana, com os Raptors a vencerem os Pacers por 100-98 depois de recurso a 1 prolongamento. Os Raptors já estão a jogar com a sua nova aquisição Rudy Gay. A antiga estrela de Memphis tem actuado muito bem nos primeiros jogos pela sua nova equipa. Gay fez 29 pontos na derrota da equipa canadiana contra os Heat por 85-100, 25 na derrota contra Boston por 95-99 e 23 pontos ontem. Na equipa de Toronto Rozan fez 22 pontos, Amir Johnson 14 pontos e 14 ressaltos (apesar de não ser um grande fã deste poste reconheço que está a fazer a melhor temporada desde que chegou à liga) e Jonas Valenciunas e Andrea Bargnani saltaram do banco para fazer 14 pontos cada um sendo que o rookie conseguiu também acrescentar 13 ressaltos.

O italiano Andrea Bagnani foi notícia esta semana visto que a imprensa especializada falou de eventuais negociações entre os Raptors e os Bulls para a troca do italiano por Carlos Boozer. À primeira vista, desportivamente, esta troca não faz qualquer sentido para o lado dos Bulls vista a época monstruosa que o seu poste-baixo está a realizar. Apesar de ser um jogador de 15 pontos de média e de poder vir a acrescentar poder de fogo exterior aos Bulls numa fase em que os Bulls são das equipas que menos concretizam de 3 pontos na liga, não vejo grande vantagem para os Bulls numa troca deste género até porque Boozer e Noah estão a perpetrar neste momento o melhor jogo interior da Liga. No entanto, a notícia afirmava que a troca se poderia dar por questões financeiras. Boozer assinou em 2010 um contrato salarial que prevê o pagamento de 100 milhões de euros a 5 anos sendo que a extensão de contrato que o poderá ligar aos Bulls até 2017 terá que ser negociada no início da próxima temporada. Com as exibições que o all-star está a fazer, Boozer poderá negociar uma extensão de contrato que lhe permita um vencimento máximo de 24 milhões de dólares, valor que neste momento parece ser proibitivo para os cofres da equipa de Chicago, ainda para mais por um jogador que está a caminhar para a veterania. No entanto, os Bulls, sem grandes objectivos este ano poderão receber Bargnani (está descontente em Toronto e poderá efectivamente, bem inserido na equipa de Chicago, dar o trampolim para a casa dos 20 pontos de média) e a partir do próximo ano poderão encaixar Bargnani com a concorrência de Nikola Mirotic, jogador do Real Madrid cujos direitos de NBA pertencem à equipa de Chicago e jogador cujas exibições em Madrid (onde já é estrela da Liga) auspiciam que poderá ser uma das vedetas do futuro da competição. Visto pela óptica de Toronto, Boozer poderia vir a reforçar a equipa canadiana, que, com a contratação de Rudy Gay pretende construir uma equipa competitiva que consiga alcançar os playoffs na próxima temporada.

Voltando à partida.

Do lado de Indiana, Paul George voltou a fazer das suas (26 pontos e 14 ressaltos) mas não conseguiu evitar a derrota da equipa. George e David West estão a jogar a um nível inacreditável. O poste-baixo que veio de New Orleans na época passada voltou a encontrar os números que tinha na anterior equipa. Ontem fez 30 pontos e 8 ressaltos. Muito perto do seu máximo de carreira, feito a 11 de Novembro do ano passado contra Sacramento (31).

Os Pacers também foram alvo de rumores esta semana. Dado que a equipa de Frank Vogel está a lutar pela vitória na divisão central com os Bulls (a vitória na divisão dá direito a um dos primeiros 3 lugares da conferência indiferentemente do score) e dado que Danny Granger está lesionado, o nome do extremo tem estado nas bocas do mundo para uma eventual troca. Vogel não conta com o extremo (as suas características são de jogo interior e no jogo interior a equipa de Indianapolis está bem servida com West e Roy Hibbert) podendo o mesmo ser trocado para fortalecer as opções da equipa, principalmente as de banco, onde Indiana “pode-se dizer” não tem banco.

Hornets a vencer categoricamente em Atlanta. Os Hawks estão a passar por uma fase má da temporada. Grande exibição dos bases de New Orleans. Eric Gordon com 27 pontos, Greivis Vasquez com um fantástico triplo-duplo com 21 pontos, 11 ressaltos e 12 assistências.

Vasquez é indiscutivelmente uma das maiores sensações da Liga. O base internacional Venezuelano, apesar de ter sido jogador da Universidade de Maryland por 4 anos, foi 28ª escolha do draft de 2010 (Memphis Grizzlies) e nas previsões não era visto como um jogador que se aguentasse por muito tempo na liga. Tanto é que os Grizzlies deram-lhe pouca rotação no seu ano de rookie e Vasquez foi parar a New Orleans no ano seguinte. Em New Orleans fez números de 8.9\5.4a no seu ano de estreia na época passada. Este ano já subiu a parada para 14 pontos de média e 9.4 assistências por jogo e é dono de interessantes skills técnicos para base. Lança bem (43%) e é um óptimo pensador de jogo. A sua contratação por parte dos Hornets tornou-se um sucesso.

Brilhante vitória dos Pistons no Palace de Auburn Hills perante os Spurs (sem Ginobili e Tim Duncan) por 119-110. Bom jogo colectivo da equipa do estado do Michigan. O poste Greg Munroe fez 26 pontos, 14 ressaltos e 5 assistências. O base Brandon Knight fez 24 pontos e o veterano extremo Charlie Villanueva saltou do banco com a mão quente para marcar 21 pontos, 15 deles em triplo (5 em 7 tentativas).

No lado dos Spurs, noite pouco inspirada para praticamente toda a equipa, excepto Tony Parker que fez 31 pontos e 8 assistências.

4ª vitória consecutiva dos Heat, desta feita contra os Clippers na Flórida. LeBron James dominou as atenções com 30 pontos marcados. Chris Paul voltou à competição mas ainda anda à procura de superar a lesão que o impediu de dar contributo à equipa nas últimas semanas. O base actuou 19 minutos e fez apenas 3 pontos e 2 assistências. Blake Griffin também anda com alguns problemas físicos. Do lado de Miami, Chris Bosh está lesionado e Ray Allen não jogou esta partida devido a uma gripe.

Com Yao Ming a assistir à partida, os Rockets bateram os “difíceis” Trail Blazers por 118-103. LaMarcus Aldridge mostrou novamente a sua boa forma e apontou 31 pontos no lado da equipa do estado do Oregon. No entanto do outro lado estava um inspiradíssimo James Harden (35 pontos) a mostrar o porquê de neste momento ser o jogador mais in da Liga. O Turco Omer Asik continua a provar que os Bulls estiveram errados quanto ao seu potencial quando no Verão não cobriram a proposta oferecida pelos Rockets. Eu próprio também nunca acreditei muito no seu valor. No jogo, o antigo poste de Chicago fez 9 pontos e 13 ressaltos. Os Bulls deverão estar arrependidos visto que Asik era capaz de dar muito jeito agora para fazer descansar Noah.

2. Top plays of the Night:

3. Classificação actual:

Este 3

Algumas Notas:

1. Indiana e Chicago taco a taco pela vitória na Divisão Central.

2. As 6 vitórias seguidas de Boston, lustradas pela “goleada” imposta aos Lakers na quinta-feira permitiram à equipa um novo balão de oxigénio na luta pelos playoffs. Philadelphia está cada vez mais longe desse objectivo. A equipa está a jogar muito bem sem Rondo. Paul Pierce e Jeff Green são aqueles que se tem portado melhor e que tem mais jogo nas mãos com a saída do base por lesão.

3. Orlando não vence há 12 partidas. Não acredito nesse tipo de estratégias porque na liga as derrotas pagam-se muito caras. Primeiro porque os fans começam a desiludir-se e não vão ao pavilhão. Segundo porque a equipa torna-se menos competitiva e na cabeça de alguns jogadores começa a ser um destino que não se deseja. Mas neste caso de Orlando parece-me que a equipa está a perder jogos de propósito para cair o mais fundo na tabela e assim poder candidatar-se a uma das primeiras posições do próximo draft.

Oeste

1. Despique San António\Oklahoma pela vitória de conferência. Estamos perante as duas melhores equipas da actualidade no Oeste se bem que acho que os Clippers são a equipa com o plantel mais dotado ao nível de qualidade e soluções.

2. Busílis. Utah, Houston, Portland, Lakers e Mavs (ainda não saíram totalmente da corrida) para 2 vagas de playoff no final. Os Jazz parecem-me o elo mais fraco da corrida. Portland está a jogar maravilhosamente bem apesar da inconsistência ao nível de resultados. Não merecem ficar de fora deste playoff. Houston também não. Os Lakers estão a subir gradualmente de produção e irão fazer tudo para entrar nos 8 primeiros.

4.

Kobe Bryant “in your face” em Kris Humphries e Gerald Wallace (Brooklyn Nets)

5.

Não é todos os dias que se vê isto na NBA. O Bósnio Mirza Teletovic, poste rookie de 27 anos internacional pela Bósnia Herzegovina que este ano trocou os espanhóis do Baskonia pelos Nets conseguiu cometer a proeza de fazer 3 airballs em 3 lançamentos consecutivos.

6.

Passagem de testemunho? Fantástico bailado de James Harden sobre Ray Allen. Harden é efectivamente aquele que um dia poderá suceder a Ray Allen como o jogador com mais triplos marcados da história da competição. Allen está na sua 17ª temporada na Liga e leva 3123 triplos (média de 183 triplos por temporada). Harden vai na sua 4ª temporada na liga e para já tem 481 triplos apontados.

7. Por falar em records:

Garnett

Kevin Garnett tornou-se o 16º jogador da história a ultrapassar os 25 mil pontos de carreira. Está a 1701 pontos do 10º lugar, sendo espectável que ainda consiga entrar no top-10.

8. Notícias, análises e rumores:

Análise de Jeff Kaplan à brilhante forma dos Denver Nuggets nos dias que correm no Hang Time Blog de Sekou Smith.

Josh Smith (Atlanta) torna-se free-agent no Verão e começa a discussão sobre o seu futuro. Poderá assinar um contrato máximo com os Hawks (o mais espectável) ou rumar a outra equipa.

O mesmo acontece com Kevin Garnett. Garnett torna-se free-agent no próximo verão sendo que o futuro dos Celtics (ou a reconstrução desse mesmo futuro) passa pela saída do veterano poste. “Clientes” não lhe faltam no entanto.

Fran Blinebury volta a lançar a questão no Hang Time: Será que Jordan poderá voltar a jogar 1 jogo na competição aos 50 anos? Sinceramente dou a resposta: sim, gostava que Jordan voltasse ao United Center para fazer 5 minutinhos num jogo dos Bulls!

Greg Oden continua sem clube mesmo apesar dos esforços que está a fazer para voltar à competição. E os Bulls continuam a dormir pois era de valor dar uma chance a Oden num cenário em que Noah continua a jogar 40 minutos por partida e mais dia menos dia poderá estoirar!

Já referi neste post logo no início: o rumor da troca Bargnani-Boozer entre Chicago e Toronto.

Rumor: Ben Gordon (Charlotte Bobcats) por Kris Humphries (Brooklyn Nets)

Rumores: JJ Redick interessa aos Bucks. O que na minha opinião é plausível visto que Reddick apesar de só este ano se ter afirmado como titular indiscutível dos Magic vê a sua carreira num impasse devido à estratégia da equipa da Flórida.

O poste rookie dos Detroit Pistons Andre Drummond (o jogador mais novo na competição deste ano) irá parar entre 4 a 6 semanas devido a uma lesão nas costas.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

clássicos (de final de tarde)

Uma desbunda de futebol! O voo de Santillana no prolongamento a dar a passagem à final ao Real! Provavelmente a meia final de UEFA com mais vedetas da história do futebol: Santillana, Manuel Sanchis, Chendo, Butragueño, José António Camacho, Gordillo, Hugo Sanchez e Michel no lado do Madrid. Destes todos só vi jogar Sanchis. Era um líbero à moda antiga. Não era muito rápido, contrastando por exemplo com o colega de “zaga” no final da sua carreira (Fernando Hierro, a locomotiva) mas era um central muito inteligente no posicionamento e muito forte no desarme.
No lado do Inter: Zenga, Bergomi, Tardelli, Altobello e Karl Heinz-Rummenigge. De todos estes também só vi actuar Bergomi, já no final da sua carreira nos anos 90, não como defesa esquerdo mas como líbero. Em conjunto com Franco Baresi (Milan), Danny Blind (Ajax) e Marcel Desailly, foram os melhores centrais da década. De Rummenigge tenho o testemunho do meu pai que o viu actuar na Suiça ao serviço do Servette de Genebra, numa fase muito adiantada da sua carreira, ironicamente já como líbero à moda Beckenbaueriana.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Ronaldo na própria baliza

quando as balizas contrárias já não o satisfazem…

Com as etiquetas , , , ,

notas sobre o superclássico

1. Impressionou-me o Piqué pelas três certinhas que tirou ao Ronaldo.

2. Meteu-me impressão o Ricardo Carvalho pelo estado lastimável em que se encontra. Mal fisicamente, mal colocado, uma aposta de risco de Mourinho fruto da escassez que o Real atravessa ao nível de centrais.

3. Varane, não pelo golo mas sim por ter feito o seu trabalho e o de Ricardo Carvalho. Já escrevi aqui e volto a escrever que será o melhor central do mundo da sua geração.

4. Modric. Ter saído de Londres foi um erro crasso que futuramente será pago. O Madrid é o clube mais profícuo do mundo a destruir grandes carreiras.

5. O Daniel Alves e o Busquets continuam a dar lenha no Ronaldo como se não houvesse amanhã e a reclamar com o árbitro como se ainda tivessem razão.

6. A falta que faz um Falcao num ataque como o do Real Madrid.

7. Creio que no último lance do jogo Carles Puyol corta o remate de Sami Khédira com o braço.

8. Messi fez o que quis e só não fez mais porque ainda existia um Varane implacável pela frente, Ronaldo esteve perdulário.

9. Diego Lopez cumpriu aquele que vai ser o seu primeiro e único jogo pelo Real Madrid. Amanhã será apresentado outro guarda-redes no Bernabéu de nome Rui Patrício.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

hoje

hoje

fonte: Marca

Recomeça hoje em Espanha o julgamento do médico Eufemiano Fuentes, médico envolvido no maior escândalo de doping até hoje revelado. Fuentes vai começar hoje o seu testemunho.

É de relembrar que entre os clientes de Fuentes não estavam só ciclistas.

A lista famosa de clientes do médico da antiga ONCE e da Kelme incluía:

1. Ciclismo:

– Alberto Contador, Allan Davis, Joseba Beloki, Isidro Nozal, David Bernabéu, David Blanco, Eladio Jimenez, Ruben Plaza e o nosso Sérgio Paulinho (se bem que no exemplo destes 9 a justiça espanhola retirou-os dos ficheiros do processo por falta de provas de ligação com o médico mas alguns destes corredores, como é o caso de Contador já foram suspensos por uma ou mais que uma vez) Unai Osa, Michele Scarponi (dito em espanha como o “gerente\angariador” dos negócios de Fuentes em Itália). 

Alberto Contador, apesar de suspenso por 2 vezes sempre negou conhecer o Dr. Fuentes. A justiça espanhola retirou-o dos processos do caso mas eventualmente poderá inseri-lo novamente, estando essa condição dependente do que disser o médico. Alegadamente, Contador dopava-se segundo as ordens do médico quando estava na Discovery Channel.

– Marcos Serrano, Angel Vicioso, Francisco Mancebo, Constantino Zaballa, Alejandro Valverde (entretanto já suspenso por controlos positivos), Ivan Basso (já suspenso quando estava na Discovery Channel em 2007), Franck Schleck (admitiu em 2007 que transferiu 700 euros para uma conta de Fuentes mas negou qualquer envolvimento com o médico pois não prosseguiu o seu método, algo que ainda está por provar neste julgamento), Santiago Botero, Óscar Sevilla, Jan Ullrich (embora tenha dado positivo em 2006 a um teste feito ao sangue, sempre negou envolvimento com o médico espanhol), Michele Bartoli, Santiago Perez, Roberto Heras e Marco Pantani.

basso

Oscar Sevilla e Jan Ullrich chegaram a ser suspensos preventivamente em 2006 pela sua equipa de então, a T-Mobile.

ullrich

Nota de culpa de Franck Schleck:

Schleck

Apesar de ter dito que pagou a referida verba ao médico espanhol sem nunca ter usado os seus serviços e substâncias, o luxemburguês acusou xypamine, um diúrético muito usado na modalidade para expelir mais rapidamente substâncias dopantes pelo organismo em 2012.

– Tyler Hamilton, o mesmo que denunciou Armstrong na investigação da USADA. Pelo acordo que fez na justiça norte-americana no caso Armstrong, Hamilton não terá quaisquer problemas com a justiça norte-americana. No entanto, as autoridades espanholas investigam as suas ligações a Fuentes. Em causa está a época de 2003, onde o americano supostamente terá usado EPO, esteróides, transfusões de sangue,  hormonas de crescimento e testosterona durante 114 dos 200 dias da sua temporada. Alegadamente, o Norte-Americano contribuiu com 43 mil euros para o médico espanhol nesse ano. Nesse mesmo ano Hamilton fez 3º no Tour com uma prova “heróica”: caiu na primeira etapa,  fracturou a clavícula e ainda conseguiu o 4º lugar na geral, resistindo o mais que pode na alta-montanha a Armstrong e Ullrich.

– O antigo director desportivo da ONCE Manolo Saiz,
– O antigo director desportivo Vicente Belda.

Futebol:

O antigo ciclista da Kelme Jesus Manzano denunciou às autoridades espanholas que o Dr. Fuentes fazia visitas esporádicas aos balneários do Real Madrid e do Barcelona. O antigo presidente da FIFA Sepp Blatter chegou a dizer que estava na posse de documentos que o comprovavam. Nenhum dos rumores e testemunhos foi dado como provado até hoje. Em 2011, o Jornal Francês Le Monde também acusou a equipa catalã de promover uma rede de dopagem dentro das suas portas com a ajuda e monitorização técnica de Fuentes. A justiça espanhola não deu nenhuma das acusações do diário francês como provadas e o Barcelona pediu uma indeminização de 15 mil euros e um pedido de retratamento público do jornal.

Atletismo:

Ligações claras entre Fuentes e atletas olímpicos espanhóis desta modalidade.

Ténis:

Rafa Nadal também foi acusado de envolvimento neste escândalo. Recentemente, o seu colega de profissão Christopher Rochus acusou o espanhol e o sueco Roger Soderling do uso de substâncias dopantes.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

HWC 2013 – jogos de sábado

Grupo C: Sérvia 31-22 Coreia do Sul

Polónia 24-22 Bielorussia

Rutenka

Os 8 golos de Siarhei Rutenka (Barcelona) foram insuficientes para evitar a derrota da Bielorussia frente à Polónia.

Grupo D:

Jogo de abertura. Caja Mágica, pavilhão do basquetebol do Real Madrid. 12 mil pessoas na assistência, cerca de 70% da lotação da Caixa. A Argélia (assim como todas as equipas do Magreb) costumam ser adversários chatos (que o diga a campeã olímpica França que horas mais tarde suou para levar de vencida a Tunísia) não pela sua capacidade ofensiva (muito longe do poderio dos europeus) mas pela sua defesa agressiva. A Argélia (uma vez Portugal teve que suar bastante no Mundial de 2001 para bater esta selecção) costuma adoptar uma postura defensiva de defesa 6-1 subida, muito agressiva, empurrando os adversários para fora dos 9 metros (o central chega a operar nos 12 metros), factor que baralha por completo as contas ao andebol europeu. A Espanha não tremeu e venceu tranquilamente por 27-24.

Grupo A

Germany

Regresso da Alemanha ao convívio dos grandes com uma vitória estrondosa sobre o emergente Brasil por 33-23. O lateral Steffen Weinhold (SG Flensburg-Handewitt) foi o melhor marcador do encontro com 7 golos.

A única surpresa do dia: a Argentina bateu Montenegro por 28-26 no primeiro jogo deste novo país europeu num campeonato do mundo. Há um  aspecto que devo salientar: Montenegro está neste campeonato do mundo não pelo seu talento, mas pela dificuldade que é jogar em sua casa nas qualificatórias. Por norma, os Montenegrinos recebem os adversários em pavilhões pequenos, sem condições e onde é inclusive permitido fumar. Chegou a haver um jogo de Portugal para a fase de qualificação para o europeu de 2012 onde dentro do pavilhão que acolhia o jogo entre as duas selecções estavam 40 graus.

A vitória dos Argentinos foi destaque na página do Diário Desportivo Olé.

O melhor marcador da partida (Amine Bennour com 7 golos) engana por completo aquele que é considerado já o melhor guarda-redes de sempre (Thierry Omeyer).

Vida complicada para os Franceses neste jogo inaugural:

france

Noutros jogos:

No Grupo B. a Dinamarca de Mikkel Hansen estreou-se com uma goleada perante o Qatar de 41-27, a Rússia bateu a Islândia por 35-30 e a Macedónia suou para bater o Chile por 30-28 e precisou muito da inspiração da sua vedeta Kiril Lazarov (Atlético de Madrid)

No Grupo C, a Eslovénia bateu confortavelmente a Arábia Saudita por 32-22.

No Grupo D a poderosa Croácia esmagou a Austrália por 36-13.

Amanhã há:

Grupo A: Derby regional entre Argentina e Brasil, Alemanha vs Tunísia e Montenegro vs França (respectivamente por estas horas 14, 16:20 e 18:30)

Grupo B: Chile vs Islândia, Qatar vs Macedónia e Dinamarca vs Rússia, sendo que este último jogo irá decidir já quem vencerá este grupo. Passam aos quartos-de-final da prova as duas primeiras de cada grupo, sendo as restantes enviadas para a lutar entre o 9º e o 24º lugar. (estes jogos realizam-se às 14:45, 17 horas e o Dinamarca vs Russia pelas 19:15)

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

daquelas parvoíces de sexta ao almoço

Quando em 2007 Bernd Schuster tomou conta do destino do Real Madrid, uma das primeiras perguntas que fiz a mim mesmo foi precisamente: não me lembro de ter visto Schuster jogar. Até que por ironia do sorteio da Liga Europa, Bayer Leverkusen e Benfica irão defrontar-se e, como não podia deixar de ser, a imprensa deu destaque a este magnífico jogo que remonta à época 1993\1994. Afinal vi Schuster jogar.

Lembro-me deste jogão com alguma clareza até porque estava a torcer pela equipa dos farmacêuticos. A equipa do Benfica, com Schwarz, Kulkov, Yuran, Valdo, Ailton, Abel Xavier, Rui Costa, João Vieira Pinto entre outros, comandada por Toni (o que é que tu queres caralho? Não é falta do Assam caralho?) era uma super equipa e acabou de resto por vencer o campeonato nesse ano. Do outro lado Paulo Sérgio (veio a protagonizar um dos melhores ataques da história do futebol no Bayern de Munique anos mais tarde com Neuville, Jancker, Zickler e Giovanne Elber) Schuster e aquela máquina de golos que a minha memória já me tinha varrido: o panzer Ulf Kirsten.

Ver de novo estas imagens causa-me uma enorme dicotomia: se é certo que actualmente presencio a uma das épocas de ouro do futebol (já começa a ser inquantificável a panóplia de jogadores habilidosos no futebol actual), também é certo que recordo com saudades estes tempos em que o futebol (nacional e internacional) chegava a conta gotas a nossa casa por via das transmissões da RTP 1 e 2 (liga, competições europeias e um joguito da Premier na 1 e na 2 ao sábado à tarde) e posteriormente (já no final da década de 90) pela SIC (alguns jogos da Taça, do campeonato e de ligas estrangeiras nas tardes de semana) e TVI (as habituais noites de domingo em que a estação de Queluz nos brindava com um jogo em diferido da Liga Espanhola e da Serie A). Ainda num destes dias comentei isso com o João Borba: com a revolução das telecomunicações, é raro um dia em que não tenhamos um bom jogo de futebol para ver e temos todas as ferramentas de informação para seguir as incidências do futebol ao minuto. Naqueles tempos, chegávamos até a ver o Sporting para as competições europeias no café pois quando jogava fora apenas conseguíamos apanhar o directo numa televisão estrangeira (lembro-me que em 1994\1995 vi no café do Ti Eduardo o Sporting a jogar em Santiago Bernabéu contra o Real Madrid de Laudrup e Zamorano) e conheciamos os jogadores praticamente por cromos e para sabermos o andamento da coisa tínhamos que chatear o nosso avô a comprar o desportivo. De vez em quando lá os víamos jogar numa competição internacional de clubes ou selecções. A informação contudo não nos agradava porque era escassa. Mas agradavam-nos outros factores: os dias de competições europeias do nosso clube eram vividos desde o acordar até à hora do jogo com muita ansiedade assim como os derbys. Em dia de Benfica vs Sporting ou Sporting vs Porto, acordava louco porque aquele era o dia. Depois, eram as transmissões do Tovar, do Gabriel Alves, do Perestrelo, as suas expressões típicas, as suas calinadas, no caso do Tovar, a sua sabedoria de futebol, sabedoria à qual o Luis Freitas Lobo ainda terá que comer muita sopa para alcançar.

Fica a nota. Assim como fica a memória do jogo em que Rui Costa, no seu estilo elegante, fez 3 assistências.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

futeboladas

O Real Madrid apura-se à rasca mas apura-se…

Várias notas de uma partida que fui vendo aos pedaços enquanto via em simultâneo o PSG – FC Porto:

1. Modric está a pegar de estaca no miolo do Real Madrid. Se Pirlo é para mim o melhor, se Iniesta é o 2º melhor, Modric completa o pódio. É uma delícia vê-lo girar e ziguezaguear neste meio campo do Real Madrid com aquele futebol açucarado de passe simples, passe a rasgar e criatividade que todos conheciamos de White Hart Lane. A assistência para o 2º golo é perfeita.

2. O regresso de Kaka. Mourinho conta com ele a partir de agora. O Brasileiro respondeu com uma exibição como há muito não se via. Por momentos pensei estar a ver o Kaka de 2007.

3. O Ajax. Pouco maduros mas dá para perceber que tem ali outra geração e tanto. Eriksson é o líder da banda. Centrocampista moderno, arejado e com uma visão de jogo acima do normal. Pela lógica do clube, não ficará por muito tempo na Amsterdam Arena. Outros me sobressaem à vista neste plantel do Ajax: Daley Blind, Boerigter, Sana… a ver vamos se o Ajax consegue finalmente consolidar um lugar europeu coadunante com a sua história.

4. A saída maluca de Casillas. As saídas nunca foram o seu forte. Mas merece perdão, sempre. Por cada golo mal-batido, Casillas faz 15 defesas impossíveis. É para mim, indiscutivelmente, o melhor que vi defender em toda a minha vida.

A feijões é certo, mas, Málaga e Anderlecht proporcionaram um grande espectáculo no fecho desta fase de grupos.

Duda marcou 2 golos e a Liga dos Campeões para o Málaga toma contornos muito peculiares para os jogadores lusos visto que aos 2 desta noite do internacional português juntam-se os 4 marcados por outro internacional luso: Eliseu.

O internacional sérvio Milan Jovanovic faz o golo da noite. Depois de uma experiência falhada no Liverpool, este jogador que se deu a conhecer por via do rival Standard de Liège é o autêntico patrão desta equipa de Bruxelas.

O internacional Camarones Carlos Kameni fez, pelo que vi nos highlights da partida, uma exibição muito solida contra o Anderlecht e evitou por várias vezes a vitória dos Belgas.

O azar de Helton ensombra uma exibição pouco conseguida do Porto no Parque dos Principes.

A defesa do Porto permitiu ao longo do jogo muitas brechas ao poderoso ataque do PSG. Pelas alas, essencialmente, Lavezzi, Menez e Ibra fizeram o que quiseram dos laterais do Porto. No entanto há que reconhecer a bela partida que fez Nicolas Otamendi perante o monstro que é Zlatan Ibrahimovic.

Ao contrário do que já me disseram hoje, o meio-campo do Porto esteve muito bem. Moutinho e Lucho anularam por completo a influência de Chantome na distribuição de jogo do PSG e isso notou-se a partir do momento em que o PSG praticamente só conseguiu desiquilibrar a partir de rápidos contra-ataques, onde lá está, os 3 da frente são fortíssimos (principalmente Menez e Lavezzi por serem jogadores muito rápidos e de drible fácil). O outro médio-centro dos parisienses (Matuidi) foi insuficiente para travar João Moutinho. O internacional francês correu muito mas nem sempre bem. Isso só prova a eficiência que o médio do Porto tem no jogo da sua equipa. Na frente, James fez o que pode, Varela esteve desinspirado e Jackson continuou a mostrar muito da sua raça e da sua qualidade.

Apesar do Porto ter perdido aqui um encaixe financeiro na ordem do milhão de euros, a passagem no 2º lugar trará um adversário mais acessível no sorteio dos oitavos-de-final. Valeram as excelentes exibições em 3 jogos deste grupo: PSG em casa e os dois jogos contra o Dinamo de Kiev.

Quanto ao PSG, ainda não vi grande coisa que me deslumbre. É uma equipa com muitas individualidades, é. Mas Ancelotti ainda não conseguiu construir um colectivo coeso e sinceramente não gosto da filosofia de jogo desta equipa por pecar excessivamente por um jogo típico de futebol italiano: ferrolho e contra-ataque. As individualidades da equipa praticamente que tentam remar cada um por si. O que de facto ofusca a presença, por exemplo, de um senhor no meio-campo chamado Javier Pastore. Para se tornar uma equipa mais consistente, o PSG também deveria ter um bom médio box-to-box que transporte bola. Chantome é bom jogador mas está muito aquém do potencial dos colegas da frente.

O golo do Julien Schieber (contratado ao Estugarda no Verão) coroa um jogo em que o Borussia de Dortmund aplicou um autêntico rolo compressor no Manchester City. Pela 2ª época consecutiva, os Citizens não transformam em resultados o potencial que tem. De Parabens está Jurgen Kloop. No sábado teve uma partida decisiva para a equipa a contar para a Bundesliga onde conseguiu remediar (dada a diferença pontual entre Bayern de Munique e Dortrmund na tabela classificativa) um mal menor para a equipa Vestfaliana ao conseguir um empate na Allianz-Arena, para, hoje, conseguir eliminar os campeões ingleses que terão que se contentar novamente com uma ída à fase final da Liga Europa.

Não tinha dúvidas que depois da desastrosa participação do Borussia na edição do ano passado da Champions (saiu vergado na fase de grupos com duas goleadas frente ao Marselha, que depois eliminaria o Inter com um golo de Brandão no último minuto da 2ª mão em Giuseppe Meazza) esta equipa iria dar cartas na edição deste ano, fruto de uma maior evolução da equipa e do próprio talento (muito rica em talentos) que neste momento tem. Saiu Kagawa para o United é certo, mas, a entrada de Réus (um desiquilibrador nato) e a evolução da dupla Perisic\Gundogan, rapidamente compensaram a saída do internacional Japonês para Old-Trafford.

Não tivessem os campeões russos desperdiçado tantas oportunidades de golo no jogo da 5ª jornada contra o Málaga (acabou empatado 2-2) e hoje, com esta vitória em Milão, estariam apurados para os oitavos. Allegri continua em maus lençois. Apesar do apuramento (aos tropeções, diga-se) este Milan necessita de uma reforma urgente caso queira manter-se competitivo (na Série A está a ser um autêntico desastre; salva-se apenas a vitória no clássico contra a Juventus) e Galiani já deu a entender que a reforma não passa por Allegri. Guardiola já piscou o olho ao Milan. No entanto, Allegri está a ser vítima de um embuste directivo pois está a treinar uma equipa muito jovem, muitos furos abaixo dos planteis do Milan nas últimas 5 épocas e com hora de saída previamente combinada.

O Zenit sai pela porta pequena da competição para a Liga Europa, mas, torna-se para já, para mim, o contender nº1 à vitória dessa competição. No entanto esta eliminação mostra que Spalletti terá que trabalhar mais a equipa. Para o ano acredito que o Zenit aparecerá com uma força incrível na champions caso consiga vencer ou classificar-se pelo campeonato russo.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

queres ser presidente mas não te perdoamos o facto de não teres acabado a carreira no sporting

Figo admite. 

mas rui costa, quando o milan já não o queria porque sabia que as sucessivas lesões que tinha já não o deixavam render o esperado, não teve dúvidas e assinou pelo benfica. mal ou bem, voltou à casa mãe e cumpriu dois anos de contrato. despediu-se em pompa perante milhares de adeptos que sempre desejaram que o maestro voltasse a jogar na luz.

figo sempre admitiu que não estava nos seus planos voltar a alvalade. podia tê-lo feito quando o Real o dispensou. preferiu aumentar a fortuna no Inter.

e rui costa, encostado por Vieira na SAD do Benfica, continua a fazer aquilo que lhe dá mais prazer que é trabalhar\ajudar para o clube.

figo por sua vez saiu por meia dúzia de trocos para o Barcelona em 1995. rui costa por 1 milhão para a fiorentina. a diferença? figo é um indíviduo que só vê cifrões à frente. a carreira dele assim o provou. em 1995 saiu para Nou Camp por míseros tostões (comparando a sua transferência posterior do Barça para o Real em 2000) porque não quis renovar (era uma renovação fictícia para o clube o poder vender por uma verba superior) contrato com o sporting. rui costa renovou com o benfica e saiu pelo preço justo da altura. rui costa aguentou o máximo que pode na fiorentina e apenas saiu porque o clube estava inundado de dívidas e precisava urgentemente de o vender. em 2001, quando rui costa saiu para o milan, assinou uma renovação (fícticia, pois toda a gente sabia que teria que ser vendido) para a fiorentina poder receber 20 milhões de euros em vez de nada.

aposto em como a maioria dos sportinguistas não querem figo como presidente do clube. e eu sou um deles. atenção ao facto de sempre ter afirmado que Luis Figo era o meu ídolo de infância. e aposto também como 100% dos benfiquistas votavam em rui costa em alternativa a vieira.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , ,

lendas

Lendas vivas do futebol.

Ronaldo faz hoje o seu centésimo jogo ao serviço da selecção portuguesa, tornando-se de longe o jogador mais jovem a atingir esse registo. Faltam 29 jogos para Ronaldo ser o jogador mais internacional de sempre pela selecção portuguesa. O recorde pertence a Luis Figo.

Sentado na imagem, la seta rubia Alfredo Di Stéfano. O melhor extremo da história do futebol. Com uma particularidade deliciosa. Apesar de ter nascido na Argentina, como era permitido pela FIFA na altura, Di Stéfano foi internacional pela equipa das pampas por 6 vezes, 4 pela Colombia (amigáveis é certo: Di Stéfano jogou pelos Milionários de Bogotá entre 1949 e 1953) e 31 pela selecção Espanhola entre 1957 e 1961 na era em que pertencia ao glorioso Real Madrid que ganhou 5 taças dos campeões europeus consecutivas.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , ,

como não poderia deixar de ser…

André Villas-Boas chegou ao Tottenham e começou a praticar a sua veia disciplinadora.

O Croata Luka Modric quer sair para o Real Madrid, mas os madrilenos ainda não chegaram apos 60 milhões que os londrinos pedem pelo “Maestro”. 40 milhões, Lassana Diarra e Ricardo Carvalho compuseram a última proposta que chegou a White Hart Lane. Mesmo perante as pressões de Modric (tem-se recusado a treinar com a equipa e ontem recusou-se a viajar para os EUA com a equipa para a habitual digressão que os Spurs fazem em terras do tio Sam), Villas-Boas (em consonância com o presidente e proprietário do Clube Daniel Levy) decidiu multar o jogador pelo incidente em 80 mil libras.

A questão merece mão pesada. Nem sequer quero questionar a atitude do treinador português. Modric sabe perfeitamente do papel fulcral que desempenha na equipa Londrina, e, saberá também perfeitamente que a equipa necessitará de o vender pela sua cláusula de rescisão para poder procurar um substituto à altura, tarefa que não será fácil dadas as características do croata. Porém, André Villas-Boas já está a causar problemas e ainda só vai na 3ª semana de trabalho. AVB ainda não teve a graciosidade de falar directamente com o jogador, convencendo-o a ficar em White Hart Lane. AVB entrou nos Spurs na mesma escala do que tinha feito bem perto em Stanford Bridge: cheio de disciplina e regras que só afugentam jogadores. Estou certo que AVB ficará pouco tempo por White Hart Lane. O balneário começará a minar o seu trabalho. Daniel Levy cometeu um erro: o balneário não queria AVB mas mesmo assim o Israelita trouxe AVB, um treinador que está muito aquém da filosofia do clube. E com isso arrisca-se a tirar o Tottenham do topo da Premier League por alguns anos. A mentalidade atacante gerada no início da década passada como filosofia de jogo do clube será ameaçada pela filosofia de jogo de um treinador que não vai mais além do que a primazia da posse de bola, jogo que não assenta muito nas matrizes da Premier League. Muito menos sem Modric na equipa.

Com as etiquetas , , , , , , , , , ,

Quem não tem dinheiro não tem vícios

“Manifestámos a nossa disponibilidade para, juntamente com a Liga (de clubes) e Sindicato (de jogadores), reforçar ou renovar do fundo que já existiu para as provas profissionais. O anterior era de 300 mil euros. Provavelmente, terá o mesmo valor”

Fernando Gomes, presidente da Federação Portuguesa de Futebol

Mais uma vez, os organismos que dirigem o futebol português tentam passar um paninho limpo por cima da merda que emerge do futebol português.

Não quero com isto dizer que não aprove que os ditos organismos criem um fundo de apoio para ajudar os futebolistas que passem dificuldades económicas porque a solidariedade entre uma classe profissional começa exactamente com este tipo de gestos. É importante realçar o exemplo espanhol no que toca a estas matérias: sempre que existe um clube incumpridor nas competições profissionais ou amadoras, a coisa não se resolve apenas com declarações, abandonos ou rescisões por parte dos jogadores desses mesmos clubes. Mesmo que o clube incumpridor seja de 3ª divisão, são os grandes rostos do futebol espanhol que saiem em defesa dos direitos dos seus colegas de profissão mais fragilizados. Foi o que aconteceu no passado mês de Agosto quando os clubes profissionais espanhóis ameaçavam greve às primeiras jornadas dos campeonatos profissionais por incumprimento contratual de alguns clubes de 2ª liga. Não estavam em causa o pagamento dos salários nos planteis de Barcelona, Real Madrid ou Valência. Todavia, seriam Iker Casillas (Real Madrid) Carles Puyol (Barcelona) ou Frederic Kanouté (Sevilla) os rostos de proa que falavam à frente das televisões nacionais e internacionais pelas reinvindicações dos jogadores afectados pelo flagelo do incumprimento salarial.

Esta decisão por parte da FPF é portanto mais uma medida que visa incutir a irresponsabilidade aos dirigentes dos clubes de topo do futebol português pelos seus péssimos erros de gestão. ” Vamos gastar mais um bocadito daquilo que não temos. Se não pagarmos as nossas obrigações perante os nossos jogadores, alguém o fará, sem que a participação nos campeonatos profissionais esteja afectada” – João Bartolomeu e a União de Leiria foram o caso mais crasso de um clube que andou mais de uma década a gastar aquilo que não podia, sem que no entanto, a Liga tivesse mão no assunto e impedisse o clube Leiriense de participar nas provas profissionais. Foi preciso chegar ao ridículo de actuar com apenas 9 jogadores (4 dos quais juniores) para que finalmente a Liga pusesse o clube fora de uma escalão ao qual os Leirienses não tinham capacidades para participar desde 2002. E infelizmente, na 1ª liga, o Leiria não foi o único incumpridor (crasso) durante a temporada passada.

A solução, a meu ver, passa pela apresentação logo no início de época (por parte dos clubes) de garantias bancárias que confirmem que os ditos tem capacidade para fazer face às suas despesas ao longo da época. Se não tiverem essas mesmas garantias, a Liga deve actuar com a exclusão de participação na divisão correspondente ao dito clube. Não se trata apenas de um modo sancionatório para incumpridores ou possíveis incumprimentos mas preventivo para que se ganhe responsabilidade no mundo da gestão futebolística profissional.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , ,

Futebol Pós-nacional?

Por Ian Burumna, professor no Bard College

“Alguns dos jornais alemães mais hilariantes culparam a derrota da Alemanha contra a Itália, nas semifinais do campeonato europeu, ao facto de poucos jogadores se terem preocupado em cantar o hino nacional. Algo que contrastou com os jogadores italianos, visto todos terem cantado a letra de Il Canto degli Italiani [O Canto dos Italianos]. Na verdade, o capitão, Gigi Buffon, cantou com os olhos fechados, como se estivesse a rezar.

Mas os italianos não tiveram qualquer hipótese na final contra Espanha, a melhor equipa do mundo, a qual nenhum dos seus jogadores abriu a boca durante o hino Espanhol Marcha Real – o que é óbvio, uma vez que a Marcha Real não tem letra. E, além disso, os jogadores da Catalunha sentem-se desconfortáveis com o hino nacional, o qual foi bastante promovido sob o governo do falecido ditador Francisco Franco, que odiava o nacionalismo catalão.

Sabemos que no futebol, as equipas mais bem-sucedidas nem sempre são as que têm as grandes estrelas. Os campeões trabalham em equipa – de forma coesa, serenos face ao egoísmo dos protagonistas, cada jogador disposto a trabalhar em prol dos outros. Será o patriotismo realmente a chave para este tipo de espírito nas equipas nacionais, como os críticos alemães da sua própria equipa acreditam?

O futebol tem sido muitas vezes apelidado de substituto de guerra – uma forma simbólica, mais ou menos pacífica, de lutar contra as rivalidades internacionais. Os fãs das faces nacionais são actores numa espécie de carnaval patriótico, vestidos com os trajes dos seus estereótipos nacionais: os fãs ingleses como cavaleiros medievais, os holandeses com tamancos, os espanhóis como toureiros. Os alemães, compreensivelmente, têm um problema com o simbolismo nacional, mas identifiquei alguns fãs com trajes quase bávaros. O prémio para a máscara mais humorística deve de ir para os italianos vestidos de papas e de cardeais.

No passado, os fãs ingleses – mas não eram os únicos – levavam a metáfora da guerra longe demais e agiam mais como exércitos invasores do continente europeu, aterrorizando cidades e azarando qualquer jogo da Inglaterra. Mas também os jogadores não conseguiam, às vezes, ocultar as animosidades nacionais: quando a Holanda venceu a Alemanha, numa memorável semifinal em 1988, um dos jogadores holandeses limpou ostensivamente o rabo com uma camisola alemã.

Dada a força do sentimento nacional nestas disputas, não surpreende que as pessoas gostem de projectar as características nacionais no estilo de jogar. Na rara ocasião em que a Inglaterra ganha um grande jogo recentemente, a vitória é atribuída ao espírito de luta “tipicamente” inglês, conjugado com o “fair play”. Os alemães jogam com “disciplina”, os italianos com a capacidade defensiva dos guerreiros romanos, os holandeses com o individualismo do espírito livre, os espanhóis com a elegância dos toureiros e assim por diante. Quando os franceses ganharam o Mundial em 1998, atribuíram a vitória à multietnicidade da sua equipa – a personificação do compromisso da França com a liberté, égalité, fraternité.

Mas, quando as equipas perdem, estas virtudes estereotipadas são amaldiçoadas com igual convicção, como sendo defeitos característicos: Falta de imaginação dos alemães, medo de atacar dos italianos, egoísmo dos holandeses, falta de sentimento nacional entre as minorias étnicas em França e assim por diante.

Na verdade, a realidade dos estilos de futebol é um pouco mais complicada. A proveniência dos grandes jogos espanhóis, de hoje, não é a praça de touros, mas sim a equipa do Barcelona constituída por Johan Cruijff nas décadas de 1970 e de 1980. A origem da sua filosofia “futebol total” de manter a posse de bola com passes rápidos, curtos e a passagem iluminada da defesa para o ataque, foi o Ajax, Amesterdão, no final da década de 1960.

Como muitas vezes acontece com os modelos inovadores, outros adoptam-nos e, como no caso de Espanha, melhoram-nos e refinam-nos. Agora toda a gente tenta jogar “futebol total” – com excepção dos ingleses, que “tipicamente” se mantêm distantes das ideias estrangeiras. Os italianos abandonaram as suas tácticas defensivas. Até mesmo os alemães trocam a bola com talento e imaginação. A diferença entre Espanha e os outros é que os espanhóis fazem-no melhor.

Daniel Cohn-Bendit, o antigo líder estudantil franco-alemão, em 1968, e deputado dos Verdes no Parlamento Europeu, afirmou num recente artigo que as estrelas modernas do futebol não jogam verdadeiramente pelos seus países. Como profissionais insensíveis, eles jogam acima de tudo por eles próprios. Eles são, para utilizar a sua expressão, “mercenários”.Isso talvez seja demasiado cínico. As lágrimas que corriam na cara de Andrea Pirlo e de Mario Balotelli, após a derrota de Itália, não eram de profissionais insensíveis. Eles queriam ganhar, não só pelo dinheiro ou pelo bem das suas carreiras, mas pela glória. Ainda deve ser bom sentir-se como um herói nacional, ser saudado nas ruas de Roma, Madrid, Londres ou Berlim como um guerreiro que regressa de uma batalha bem-sucedida.

E, ainda assim, Cohn-Bendit não está totalmente errado. O que foi notável durante este campeonato europeu foi a íntima colegialidade entre os jogadores adversários. Eles consolaram-se e felicitaram-se mutuamente, abraçando-se como velhos amigos e colegas que muitas vezes são. A maioria dos melhores jogadores joga nos mesmos clubes em Espanha, na Alemanha, em Inglaterra ou na Itália. Muitos falam várias línguas europeias com a fluência dos empresários internacionais, que eles também são.

Os melhores clubes europeus são todos, agora, multinacionais. Os jogadores seguem o dinheiro. E os principais clubes são também os mais ricos: Real Madrid, Chelsea, Barcelona, Manchester City, Bayern de Munique, etc. Alguns dos mais difíceis e exigentes protagonistas causam, geralmente, menos atrito quando vestem o equipamento multinacional, do que aquele que causam nas suas equipas nacionais.

Se houver uma moral nesta história, é mesmo esta: uma bandeira, uma língua ou uma história nacional comum, pode certamente contribuir para induzir as pessoas a trabalharem juntas em harmonia por uma causa comum. Mas tal pode esclarecer o interesse pessoal. No mais alto nível das conquistas humanas – quer seja na arte, na ciência ou no futebol – pode realmente ser o factor mais importante.”

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

breve análise à fase de grupos do euro 2012

Grupo A

O Grupo A começa com um empate entre uma das selecções a jogar em casa (Polónia) e a Grécia de Fernando Santos. Num jogo muito mal jogado do ponto de vista técnico, as duas selecções haveriam de empatar com duas expulsões pelo meio. Desde logo se denotou que o segredo de Fernando Santos para a selecção Grega não era mais do que aquilo a que a Grécia nos tem habituado desde 2004: defender bem e apostar no contra-ataque, quase sempre conduzido pelo eterno Giorgios Karagounis. Do jogo contra a Polónia surgiu uma das revelações deste euro: o médio defensivo do Olympiakos Ioannis Maniatis. Ao lado do também eterno Katsouranis, Maniatis tem aqui a rampa de lançamento para um campeonato de topo. No jogo em si, a Polónia teve o pássaro na mão e deixou-o fugir. A inexperiência Polaca fui sem dúvida o seu maior inimigo durante a fase de grupos. Comandados pelo trio do Borússia de Dortmund (Kuba, Piszczek e Lewnadowski) coube ao avançado abrir a contagem no marcador neste primeiro encontro, prometendo aos adeptos polacos a esperança de passar pelo menos a fase-de-grupos.

Depois do jogo inaugural, a Rússia caprichou e venceu a República Checa por 4-1. Apesar de ter vencido o grupo, ninguém dava nada por esta selecção checa, muito em virtude da má-forma dos seus principais jogadores (Rosicky e Baros principalmente) e do facto desta selecção ser uma selecção envelhecida e longe da selecção que foi nos tempos de Nedved, Poborsky, Berger e Jan Koller. No primeiro jogo, os Checos foram devorados por uma selecção Russa comandada por um homem que dentro em breve será um dos grandes do futebol mundial: Alan Dzagoev. Dzagoev, sempre bem acompanhado por outros grandes jogadores como Arshavin, Kerzhakov, Anyukov, Zhirkov, Zyrianov e Pavluchenko, foi um autêntico pesadelo para a defesa checa. Assimilando por completo o conceito de jogo holandês do futebol total trazido por Hiddink e continaudo por Dick Advocaat, a Rússia esmagou por completo a república checa através de rápidos contra-ataques e de uma circulação de bola exímia. No entanto, os problemas físicos vieram no 2º e 3º jogo para o lado dos Russos e todo o favoritismo construído aquando do primeiro jogo quanto à vitória no grupo transformou-se rapidamente numa eliminação mal digerida dos russos frente aos Gregos.

Coube então à República Checa obstruir o caminho aos Russos, com uma enorme subida de rendimento de Tomás Rosicky. Os Gregos deram o golpe fatal na Rússia na 3ª jornada, através da sua táctica habitual: marcar um golo e defender o resto do jogo, característico jogo da selecção grega que muitas dificuldades poderá colocar à Alemanha nos quartos-de-final.

Grupo B

Na primeira jornada, um Portugal – Alemanha afigurava-se como o primeiro grande jogo deste anos. Minutos antes, a Dinamarca tinha imposto a primeira grande surpresa deste europeu, vencendo de forma categorica (com um golo de Krohn-Dehli surgido após uma belíssima jogada de ataque dos dinamarqueses) a selecção Holandesa, que foi para a Polónia já com um intenso mau estar entre alguns dos seus jogadores e entre os jogadores e o seleccionador. De Lviv, Portugal trouxe a aflição. Num jogo que pendeu claramente para o lado português, coube a Mário Gomez mostrar o porquê da Alemanha ser historicamente uma selecção eficaz: uma oportunidade, um golo. Já no lado português, meia dúzia de oportunidades na cara de Manuel Neuer não nos deram mais do que uma infeliz derrota contra a selecção germânica.

Ao intervalo do jogo contra a Dinamarca já na 2ª jornada, e com margem de erro nula, pensavamos nós que Paulo Bento já tinha conseguido inverter a falta de eficácia da selecção. Apesar de ter feito um excelente jogo contra a Dinamarca, a selecção acabaria por sofrer até aos minutos finais. Silvestre Varela acabaria por fazer aquilo que Cristiano Ronaldo não tinha feito minutos atrás. No outro jogo da 2ª jornada, era Mario Gomez quem mostrava novamente as suas credenciais frente a uma Holanda que foi sem margem para dúvida a maior decepção deste europeu.

Contra os Holandeses, Ronaldo apareceu. A Holanda, apostada em vencer até inaugurou o marcador. No entanto, os Holandeses esqueceram-se daquilo que Joachim Low e Morten Olsson tinham feito para anular a influência do craque português: colocar mais que um jogador na área de influência do jogador do Real Madrid. Van der Wiel, apesar de ser um bom lateral, foi um jogador muito escasso para as manobras do português. Ronaldo venceu quase todos os confrontos contra o homem do Ajax e apontou 2 belíssimos golos numa exibição que só não foi de sonho porque o poste lhe anulou por duas vezes um poker que seria brilhante. Do lado Holandês, Wesley Sneijder confirmou a má-época que realizou ao serviço do Inter, Huntelaar e Van Persie foram uma nulidade e de Robben só se viram algumas arrancadas pela direita no jogo contra a Dinamarca e um trabalho individual interessante que permitiu o golo de Van der Vaart contra Portugal. No Alemanha-Dinamarca, os dinamarqueses bem tentaram colocar a selecção germânica fora dos quartos-de-final, mas (com uma ligeira ajuda da arbitragem) tal acabaria por não acontecer.

A selecção Holandesa entrará numa nova fase. Prevejo uma grande renovação na equipa. Os Holandeses acabam por ter matéria prima capaz de fazer essa renovação. De um geração marcada pela influência de Robben, Van Persie, Dirk Kuyt, Huntelaar, Sneijder e Van der Vaart, prontificam-se jogadores para o futuro como Strootman, Van der Wiel, Eljero Élia ou Luuk de Jong. Nesta selecção, Ricky Van Wolfswinkel do Sporting tinha claramente lugar. A federação Holandesa deverá querer apostar num seleccionador forte e quem sabe se não é desta vez que Guus Hiddink volta ao seu país para orientar a selecção.

Grupo C

Do Espanha – Itália da primeira jornada viu-se uma inversão de papeis: Itália e Espanha entraram em campo sem pontas-de-lança dignos desse nome (quer queiramos quer não, Balotelli e Di Natale não são pontas-de-lança). A Itália mostrou-se a espanha do passado (c0m um registo muito mais atacante do que em edições de fase finais de torneios internacionais anteriores) e a Espanha mostrou-se um bocado à semelhança da Itália do passado, jogando um jogo cauteloso e de contenção de bola. Comandados pelo sentido de jogo de Pirlo e Marchisio, seriam os italianos a abrir as hostilidades para 3 minutos depois ser Fabrègas a consumar o empate para a Espanha. No entanto, era mais que previsível um empate pois nenhuma das selecções quis efectivamente arriscar para vencer, preferindo desiquilibrar a classificação no jogo que ambas tinham perante a Croácia.

Os Croatas ainda ameaçaram quebrar o favoritismo de italianos e espanhóis. A vítima da primeira jornada seria a indefesa Irlanda. Modric foi o maestro da Croácia e Mandzukic, mesmo apesar da eliminação da selecção balcânica, expressou em golos o belo futebol de ataque da selecção comandada por Slaven Bilic. Depois do 3-1 inicial, confesso que coloquei a Croácia como outsider ao título europeu, previsão essa que aumento depois dos croatas terem realizado a partida que realizaram contra os italianos. Apesar da eliminação, quase toda a selecção croata sai muito valorizada deste europeu. Mandzukic e Modric deverão ser dos jogadores mais cobiçados deste verão. No entanto, a Croácia acusou alguma imaturidade e alguma falta de qualidade no sector defensivo.

A Irlanda haveria de se expor ao futebol superior de Espanhóis e Italianos, acabando o europeu com um score lastimável de 1-9. Giovanni Trapattoni não conseguiu operar um milagre com o que tinha e a Irlanda, com uma selecção que precisará de ser renovada já na próxima qualificação para o Mundial de 2014 não deve sonhar com uma presença numa fase final de uma competição internacional num futuro próximo. Já a Croácia realizou uma excelente partida contra a Espanha e a bom da verdade desportiva, foi claramente roubada em dois lances: uma mão clara de Iniesta na área e um penalty que ficaria a assinalar já nos minutos finais na área espanhola, depois de Iker Casillas ter derrubado ostensivamente um jogador croata.

Grupo D

Sheva animou as almas ucranianas com dois golos no jogo inaugural da equipa da casa. Aos 35 anos, Sheva revisitou o seu grande passado e não perdoou por duas vezes na cara de Isaksson no seu jogo de estreia numa fase final de europeu. A Suécia, com um jogo extremamente focalizado em Zlatan Ibrahimovic haveria de ser penalizada pelo facto de se ter visto a vencer os ucranianos por 1-o e por ter optado por uma postura defensiva na 2ª parte. Os Suecos haveriam de corrigir frente aos Ingleses mas aí foram demasiado perdulários perante uma Inglaterra muito cínica e voltada para o contra-ataque e para a velocidade de homens como Walcott ou Welbeck.

De facto, a selecção inglesa contrariou q.b a ausência de Wayne Rooney. No jogo inaugural do grupo frente à França (cuidado com esta França) os Franceses fizeram o que podiam para vencer o jogo. Destaque para as grandes exibições de Cabaye, Nasri, Benzema e Debuchy. A Inglaterra limitou-se a confiar em Joe Hart e a marcar um golo de bola parada por intermédio de Joleon Lescott.

Há minutos, a Suécia despediu-se com honra do europeu, batendo a França por 2-0. Zlatan disse adeus ao europeu com mais uma obra-prima e a França vai ter que se medir forças com a Espanha, sabendo que nas meias-finais, o vencedor deste grupo terá que jogar contra Portugal (sim, porque não estou a ver os checos com futebol para a nossa selecção).

Arbitragem:

Erros graves que decidiram jogos e que começaram no jogo inaugural entre Polónia e Grécia. Más decisões que custaram apuramentos (Alemães e Espanhóis). Num euro que se queria pautado pelo rigor técnico e disciplinar, a arbitragem não tem estado à altura das operações. As experiências da UEFA quanto ao árbitro de baliza dão-se como completamente falhadas após este europeu.

Prestações individuais. A meu ver, aqueles que estiveram “in” na fase de grupos:

Grécia: Ioanis Maniatism, Giorgios Karagounis, Samaras, Gekas

Polónia: Lukas Piszczek, Murawski

Rep. Checa: Tomás Rosicky, Michal Kadlek, Polak, Abebe Selassie

Rússia: Dzagoev, Zhirkov, Pavlyuchenko, Anyukov

Portugal: Fabio Coentrão, Pepe, Miguel Veloso, Cristiano Ronaldo, Nani e Silvestre Varela

Alemanha: Phillip Lahm, Mats Hummels, Mario Gomez, Lukasz Podolski, Mezut Ozil

Holanda: Rafael Van der Vaart

Dinamarca: Niklaas Bendtner, Simon Kjaer, Erikssen

Itália: Giorgio Chiellini, Claudio Marchisio, Andrea Pirlo, Antonio Cassano, Mario Balotelli e Antonio Di Natale

Espanha: Cesc Fabrègas, Fernando Torres, Xavi

Rep. Irlanda: Sean St. Ledger

Croácia: Mandzukic, Luka Modric, Rakitic, Jelavic

Inglaterra: Theo Walcott, Steven Gerrard, Joleon Lescott, Danny Welbeck

França: Phillipe Mexés, Debuchy, Ribéry, Yohann Cabaye, Samir Nasri, M´Vila

Ucrânia: Shevchenko, Yarmolenko

Suécia: Zlatan Ibrahimovic, Kim Kallstrom

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

À 6ª foi de vez

De que vale vencer a mesma equipa 5 vezes se à sexta uma derrota dá de bandeja o título à outra equipa?

Assim aconteceu em Nou Camp. De um lado, um Mourinho inteligente aplicou a receita que já tinha dado frutos nas meias-finais da Champions em 2010 em Nou Camp com o Inter e que Roberto DiMatteo limitou-se a copiar no encontro de quarta-feira em Stamford Bridge. Do outro lado, Pep Guardiola foi traído por uma equipa que batalhou muito, que criou muito mas que não foi capaz de concretizar as oportunidades, também um pouco à semelhança do que o Barça (não) fez em Londres a meio da semana.

Mourinho desenhou a táctica perfeita. Colocou a equipa num estilo ultra-defensivo, numa cópia clara do que já tinha feito 2 anos antes com o Inter na Catalunha. Em 4x5x1 desdobrável para 4x3x3, apostou num meio campo coeso formado por Alonso, Ozil e Khédira. Nas alas, Ronaldo e DiMaria tinham ordens para fechar as alas perante as intromissões ofensivas de Dani Alves, Tello, Adriano e Iniesta e para sair para o contra-ataque sempre que possível. Na frente, Benzema era o único que tinha ordens para não defender e tinha como missão fazer pressão alta aos jogadores lá de trás (Mascherano e Puyol) de modo a evitar, pressionar e complicar a construção que é feita de trás pelo Barcelona.

O ataque do Madrid resumia-se exclusivamente ao contra-ataque.

Já Pep foi traído nas suas escolhas. Muito se pode dizer sobre este Barcelona. Certo parece-me dizer que psicologicamente começa a ser difícil a Guardiola motivar os seus púpilos para vencer. O ciclo do futebol é mesmo este: quando uma equipa constituída genericamente pelos mesmos jogadores (como o Barça) vence tudo o que tem para vencer (variadas vezes em variadas competições) na última década, começa a necessitar de caras novas, de um novo ciclo.

De Mourinho já se esperava o que aconteceu em Nou Camp. Os primeiros minutos mostraram um Real retraído, defensivo, pressionante no meio campo e capaz de resolver os problemas de maior que o ataque do Barça ia causando esporadicamente para numa 2ª fase partir em velocidade para cima da defensiva do Barça, ora por Benzema ora pelas intensas arrancadas de Cristiano Ronaldo. Iniesta e Xavi tentavam construir mas Sérgio Ramos e Pepe não davam veleidades no último reduto dos madridistas. Messi andou dentro e fora do jogo. Quando esteve dentro tentou as suas incríveis jogadas pelo centro do terreno. Quando isolado na cara de Casillas não foi capaz de finalizar ao seu jeito.

E o Madrid aproveitou logo nos primeiros minutos da partida, num lance onde Victor Valdés acaba por ter culpas partilhadas com os seus centrais: o guardião do Barça saiu em falso e Khédira, embrulhado na pequena-área conseguiu (parece-me em fora-de-jogo) dar o toque desejado ao cabeceamento de Pepe.

E o Real começava a surpreender.

O Barça enervou-se com a ousadia do Real e tentou sair para o meio-campo Madridista em busca do empate. À “ausência” de Messi em certas partes do jogo, Iniesta tentou fazer de Messi e por várias vezes tentou ele furar a defesa madridista. No entanto, exceptuando as perdidas de Messi e Aléxis na 2ª parte, Casillas não teve grande trabalho durante a partida.

Na 2ª parte, um pouco mais do mesmo. O Barça carregou muito no ataque, mas no fim, o jogo dos catalães resume-se ao ditado de “muita parra e pouca uva”. O Real continuou fechadinho na defesa e assente no contra-ataque. A eficácia do Barça foi escassa. Tello teve tudo para o empate mas atirou muito por cima. Aléxis entrou e marcou com alguma sorte. Fabrègas (encostado injustamente a uma ala) e Pedro Rodriguez (entrado numa fase de desespero) foram soluções infeliz que vieram do banco catalão.

Até que Ronaldo calou o camp-nou num lance de jogador.

Mourinho e os seus jogadores geriram a vantagem com muita tranquilidade. Do banco madridista, o português colocou Granero em campo para continuar a segurar o reforçado meio-campo Catalão. Callejón entrou para segurar a bola lá na frente e Higuaín já entrou para queimar tempo em período de descontos. No campo, os que lá estavam continuaram a segurar os ímpetos do ataque catalão e pelo meio, ora Coentrão ora Ronaldo iam quebrando o ritmo de jogo do Barça com algum anti-jogo.

E Mourinho vence justamente o título.

Guardiola assumiu a derrota e deu os parabéns ao português pelo “campeonato” – o Barça atira literalmente a toalha ao chão no que diz respeito a Liga Espanhola. E deve recuperar rapidamente pois na quarta-feira terá Di Matteo e o Chelsea a praticar mais um pouco da receita Mourinho.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,