Monthly Archives: Julho 2010

A face da ignorância

Já ouvi demasiadas baboseiras na minha vida. Eu próprio admito que já disse bastantes baboseiras ao longo da minha vida. Todas as pessoas erram. Errar factos, errar na argumentação, errar na história ou errar por teimosia é uma característica natural do ser humano… Não me apetece usar esse ditado cliché que as pessoas usam para explicar aquilo que eu acabei de dizer.

O pior da coisa é mesmo quando dás de cara com a ignorância. A ignorância pura, visível, teimosa e grotesca.

É claro que há sempre gente para tudo. Há gente que sabe e que argumenta sobre um assunto de forma clara, directa e concisa, há gente que até sabe mas não quer mostrar que sabe, há gente que pensa que sabe mas é incompleta, há gente que julga saber e tenta repetir para mostrar que está a par de um assunto em que não está a par, há gente que pensa julgar saber, há gente que não sabe e não opina, há gente que não sabe de merda nenhuma e há a espécie mais habitual em Portugal que são as pessoas que não sabem de merda nenhuma mas tem sempre uma merda de uma opinião a dar sobre tudo sem sequer pensar racionalmente no assunto em questão.

À semelhança do que eu vi num destes dias, em que uma senhora de meia-idade jurava a pés juntos que tinha visto os homens lá de Lisboa a assinar uns papéis do Novo Acordo Ortográfico que não entrou em vigor porque o Brasil não queria aderir à União Europeia.

Como os italianos dizem “porca miseria”

Com as etiquetas

Howl

Allen Ginsberg – Howl

“For Carl Solomon

I

I saw the best minds of my generation destroyed by madness, starving hysterical naked,

dragging themselves through the negro streets at dawn looking for an angry fix,

angelheaded hipsters burning for the ancient heavenly connection to the starry dynamo in the machinery of night,

who poverty and tatters and hollow-eyed and high sat up smoking in the supernatural darkness of cold-water flats floating across the tops of cities contemplating jazz,

who bared their brains to Heaven under the El and saw Mohammedan angels staggering on tenement roofs illuminated,

who passed through universities with radiant eyes hallucinating Arkansas and Blake-light tragedy among the scholars of war,

who were expelled from the academies for crazy & publishing obscene odes on the windows of the skull,

who cowered in unshaven rooms in underwear, burning their money in wastebaskets and listening to the Terror through the wall,

who got busted in their pubic beards returning through Laredo with a belt of marijuana for New York,

who ate fire in paint hotels or drank turpentine in Paradise Alley, death, or purgatoried their torsos night after night

with dreams, with drugs, with waking nightmares, alcohol and cock and endless balls,

incomparable blind streets of shuddering cloud and lightning in the mind leaping towards poles of Canada & Paterson, illuminating all the motionless world of Time between,

Peyote solidities of halls, backyard green tree cemetery dawns, wine drunkenness over the rooftops, storefront boroughs of teahead joyride neon blinking traffic light, sun and moon and tree vibrations in the roaring winter dusks of Brooklyn, ashcan rantings and kind king light of mind,

who chained themselves to subways for the endless ride from Battery to holy Bronx on benzedrine until the noise of wheels and children brought them down shuddering mouth-wracked and battered bleak of brain all drained of brilliance in the drear light of Zoo,

who sank all night in submarine light of Bickford’s floated out and sat through the stale beer afternoon in desolate Fugazzi’s, listening to the crack of doom on the hydrogen jukebox,

who talked continuously seventy hours from park to pad to bar to Bellevue to museum to the Brooklyn Bridge,

a lost batallion of platonic conversationalists jumping down the stoops off fire escapes off windowsills off Empire State out of the moon

yacketayakking screaming vomiting whispering facts and memories and anecdotes and eyeball kicks and shocks of hospitals and jails and wars,

whole intellects disgorged in total recall for seven days and nights with brilliant eyes, meat for the Synagogue cast on the pavement,

who vanished into nowhere Zen New Jersey leaving a trail of ambiguous picture postcards of Atlantic City Hall,

suffering Eastern sweats and Tangerian bone-grindings and migraines of China under junk-withdrawal in Newark’s bleak furnished room,

who wandered around and around at midnight in the railway yard wondering where to go, and went, leaving no broken hearts,

who lit cigarettes in boxcars boxcars boxcars racketing through snow toward lonesome farms in grandfather night,

who studied Plotinus Poe St John of the Cross telepathy and bop kabbalah because the universe instinctively vibrated at their feet in Kansas,

who loned it through the streets of Idaho seeking visionary indian angels who were visionary indian angels,

who thought they were only mad when Baltimore gleamed in supernatural ecstasy,

who jumped in limousines with the Chinaman of Oklahoma on the impulse of winter midnight streetlight smalltown rain,

who lounged hungry and lonesome through Houston seeking jazz or sex or soup, and followed the brilliant Spaniard to converse about America and Eternity, a hopeless task, and so took ship to Africa,

who disappeared into the volcanoes of Mexico leaving nothing behind but the shadow of dungarees and the larva and ash of poetry scattered in fireplace Chicago,

who reappeared on the West Coast investigating the FBI in beards and shorts with big pacifist eyes sexy in their dark skin passing out incomprehensible leaflets,

who burned cigarette holes in their arms protesting the narcotic tobacco haze of Capitalism, who distributed Supercommunist pamphlets in Union Square weeping and undressing while the sirens of Los Alamos wailed them down, and wailed down Wall, and the Staten Island ferry also wailed,

who broke down crying in white gymnasiums naked and trembling before the machinery of other skeletons,

who bit detectives in the neck and shrieked with delight in policecars for committing no crime but their own wild cooking pederasty and intoxication,

who howled on their knees in the subway and were dragged off the roof waving genitals and manuscripts,

who let themselves be fucked in the ass by saintly motorcyclists, and screamed with joy,

who blew and were blown by those human seraphim, the sailors, caresses of Atlantic and Caribbean love,

who balled in the morning in the evenings in rosegardens and the grass of public parks and cemeteries scattering their semen freely to whomever come who may,

who hiccuped endlessly trying to giggle but wound up with a sob behind a partition in a Turkish Bath when the blond & naked angel came to pierce them with a sword,

who lost their loveboys to the three old shrews of fate the one eyed shrew of the heterosexual dollar the one eyed shrew that winks out of the womb and the one eyed shrew that does nothing but sit on her ass and snip the intellectual golden threads of the craftsman’s loom,

who copulated ecstatic and insatiate and fell off the bed, and continued along the floor and down the hall and ended fainting on the wall with a vision of ultimate cunt and come eluding the last gyzym of consciousness,

who sweetened the snatches of a million girls trembling in the sunset, and were red eyed in the morning but were prepared to sweeten the snatch of the sunrise, flashing buttocks under barns and naked in the lake,

who went out whoring through Colorado in myriad stolen night-cars, N.C., secret hero of these poems, cocksman and Adonis of Denver—joy to the memory of his innumerable lays of girls in empty lots & diner backyards, moviehouses’ rickety rows, on mountaintops in caves or with gaunt waitresses in familiar roadside lonely petticoat upliftings & especially secret gas-station solipsisms of johns, & hometown alleys too,

who faded out in vast sordid movies, were shifted in dreams, woke on a sudden Manhattan, and picked themselves up out of basements hungover with heartless Tokay and horrors of Third Avenue iron dreams & stumbled to unemployment offices,

who walked all night with their shoes full of blood on the snowbank docks waiting for a door in the East River to open full of steamheat and opium,

who created great suicidal dramas on the appartment cliff-banks of the Hudson under the wartime blue floodlight of the moon & their heads shall be crowned with laurel in oblivion,

who ate the lamb stew of the imagination or digested the crab at the muddy bottom of the rivers of the Bowery,

who wept at the romance of the streets with their pushcarts full of onions and bad music,

who sat in boxes breathing in the darkness under the bridge, and rose up to build harpsichords in their lofts, who coughed on the sixth floor of Harlem crowned with flame under the tubercular sky surrounded by orange crates of theology,

who scribbled all night rocking and rolling over lofty incantations which in the yellow morning were stanzas of gibberish,

who cooked rotten animals lung heart feet tail borsht & tortillas dreaming of the pure vegetable kingdom,

who plunged themselves under meat trucks looking for an egg,

who threw their watches off the roof to cast their ballot for an Eternity outside of Time, & alarm clocks fell on their heads every day for the next decade,

who cut their wrists three times successively unsuccessfully, gave up and were forced to open antique stores where they thought they were growing old and cried,

who were burned alive in their innocent flannel suits on Madison Avenue amid blasts of leaden verse & the tanked-up clatter of the iron regiments of fashion & the nitroglycerine shrieks of the fairies of advertising & the mustard gas of sinister intelligent editors, or were run down by the drunken taxicabs of Absolute Reality,

who jumped off the Brooklyn Bridge this actually happened and walked away unknown and forgotten into the ghostly daze of Chinatown soup alleyways & firetrucks, not even one free beer,

who sang out of their windows in despair, fell out of the subway window, jumped in the filthy Passaic, leaped on negroes, cried all over the street, danced on broken wineglasses barefoot smashed phonograph records of nostalgic European 1930s German jazz finished the whiskey and threw up groaning into the bloody toilet, moans in their ears and the blast of colossal steamwhistles,

who barreled down the highways of the past journeying to each other’s hotrod-Golgotha jail-solitude watch Birmingham jazz incarnation,

who drove crosscountry seventytwo hours to find out if I had a vision or you had a vision or he had a vision to find out Eternity,

who journeyed to Denver, who died in Denver, who came back to Denver & waited in vain, who watched over Denver & brooded & loned in Denver and finally went away to find out the Time, & now Denver is lonesome for her heroes,

who fell on their knees in hopeless cathedrals praying for each other’s salvation and light and breasts, until the soul illuminated its hair for a second,

who crashed through their minds in jail waiting for impossible criminals with golden heads and the charm of reality in their hearts who sang sweet blues to Alcatraz,

who retired to Mexico to cultivate a habit, or Rocky Mount to tender Buddha or Tangiers to boys or Southern Pacific to the black locomotive or Harvard to Narcissus to Woodlawn to the daisychain or grave,

who demanded sanity trials accusing the radio of hypnotism & were left with their insanity & their hands & a hung jury,

who threw potato salad at CCNY lecturerson Dadaism and subsequently presented themselves on the granite steps of the madhouse with the shaven heads and harlequin speech of suicide, demanding instantaneous lobotomy,

and who were given instead the concrete void of insulin Metrazol electricity hydrotherapy psychotherapy occupational therapy pingpong & amnesia,

who in humorless protest overturned only one symbolic pingpong table, resting briefly in catatonia,

returning years later truly bald except for a wig of blood, and tears and fingers, to the visible madman doom of the wards of the madtowns of the East,

Pilgrim State’s Rockland’s and Greystone’s foetid halls, bickering with the echoes of the soul, rocking and rolling in the midnight solitude-bench dolmen-realms of love, dream of life a nightmare, bodies turned to stone as heavy as the moon,

with mother finally *****, and the last fantastic book flung out of the tenement window, and the last door closed at 4 A.M. and the last telephone slammed at the wall in reply and the last furnished room emptied down to the last piece of mental furniture, a yellow paper rose twisted on a wire hanger on the closet, and even that imaginary, nothing but a hopeful little bit of hallucination—

ah, Carl, while you are not safe I am not safe, and now you’re really in the total animal soup of time—

and who therefore ran through the icy streets obsessed with a sudden flash of the alchemy of the use of the ellipse the catalog the meter & the vibrating plane,

who dreamt and made incarnate gaps in Time & Space through images juxtaposed, and trapped the archangel of the soulbetween 2 visual images and joined the elemental verbs and set the noun and dash of consciousness together jumping with sensation of Pater Omnipotens Aeterna Deus

to recreate the syntax and measure of poor human prose and stand before you speechless and intelligent and shaking with shame, rejected yet confessing out the soul to conform to the rhythm of thought in his naked and endless head,

the madman bum and angel beat in Time, unknown, yet putting down here what might be left to say in time come after death,

and rose incarnate in the ghostly clothes of jazz in the goldhorn shadow of the band and blew the suffering of America’s naked mind for love into an eli eli lamma lamma sabacthani saxophone cry that shivered the cities down to the last radio

with the absolute heart of the poem butchered out of their own bodies good to eat a thousand years.

II

What sphinx of cement and aluminium bashed open their skulls and ate up their brains and imagination?

Moloch! Solitude! Filth! Ugliness! Ashcans and unobtainable dollars! Children screaming under the stairways! Boys sobbing in armies! Old men weeping in the parks!

Moloch! Moloch! Nightmare of Moloch! Moloch the loveless! Mental Moloch! Moloch the heavy judger of men!

Moloch the incomprehensible prison! Moloch the crossbone soulless jailhouse and Congress of sorrows! Moloch whose buildings are judgement! Moloch the vast stone of war! Moloch the stunned governments!

Moloch whose mind is pure machinery! Moloch whose blood is running money! Moloch whose fingers are ten armies! Moloch whose breast is a cannibal dynamo! Moloch whose ear is a smoking tomb!

Moloch whose eyes are a thousand blind windows! Moloch whose skyscrapers stand in the long streets like endless Jehovas! Moloch whose factories dream and choke in the fog! Moloch whose smokestacks and antennae crown the cities!

Moloch whose love is endless oil and stone! Moloch whose soul is electricity and banks! Moloch whose poverty is the specter of genius! Moloch whose fate is a cloud of sexless hydrogen! Moloch whose name is the Mind!

Moloch in whom I sit lonely! Moloch in whom I dream angels! Crazy in Moloch! Cocksucker in Moloch! Lacklove and manless in Moloch!

Moloch who entered my soul early! Moloch in whom I am a consciousness without a body! Moloch who frightened me out of my natural ecstasy! Moloch whom I abandon! Wake up in Moloch! Light streaming out of the sky!

Moloch! Moloch! Robot apartments! invisable suburbs! skeleton treasuries! blind capitals! demonic industries! spectral nations! invincible madhouses! granite cocks! monstrous bombs!

They broke their backs lifting Moloch to Heaven! Pavements, trees, radios, tons! lifting the city to Heaven which exists and is everywhere about us!

Visions! omens! hallucinations! miracles! ecstacies! gone down the American river!

Dreams! adorations! illuminations! religions! the whole boatload of sensitive bullshit!

Breakthroughs! over the river! flips and crucifixions! gone down the flood! Highs! Epiphanies! Despairs! Ten years’ animal screams and suicides! Minds! New loves! Mad generation! down on the rocks of Time!

Real holy laughter in the river! They saw it all! the wild eyes! the holy yells! They bade farewell! They jumped off the roof! to solitude! waving! carrying flowers! Down to the river! into the street!

III

Carl Solomon! I’m with you in Rockland

where you’re madder than I am

I’m with you in Rockland

where you must feel strange

I’m with you in Rockland

where you imitate the shade of my mother

I’m with you in Rockland

where you’ve murdered your twelve secretaries

I’m with you in Rockland

where you laugh at this invisible humour

I’m with you in Rockland

where we are great writers on the same dreadful typewriter

I’m with you in Rockland

where your condition has become serious and is reported on the radio

I’m with you in Rockland

where the faculties of the skull no longer admit the worms of the senses

I’m with you in Rockland

where you drink the tea of the breasts of the spinsters of Utica

I’m with you in Rockland

where you pun on the bodies of your nurses the harpies of the Bronx

I’m with you in Rockland

where you scream in a straightjacket that you’re losing the game of actual pingpong of the abyss

I’m with you in Rockland

where you bang on the catatonic piano the soul is innocent and immortal it should never die ungodly in an armed madhouse

I’m with you in Rockland

where fifty more shocks will never return your soul to its body again from its pilgrimage to a cross in the void

I’m with you in Rockland

where you accuse your doctors of insanity and plot the Hebrew socialist revolution against the fascist national Golgotha

I’m with you in Rockland

where you will split the heavens of Long Island and resurrect your living human Jesus from the superhuman tomb

I’m with you in Rockland

where there are twentyfive thousand mad comrades all together singing the final stanzas of the Internationale

I’m with you in Rockland

where we hug and kiss the United States under our bedsheets the United States that coughs all night and won’t let us sleep

I’m with you in Rockland

where we wake up electrified out of the coma by our own souls’ airplanes roaring over the roof they’ve come to drop angelic bombs the hospital illuminates itself imaginary walls collapse O skinny legions run outside O starry-spangled shock of mercy the eternal war is here O victory forget your underwear we’re free

I’m with you in Rockland

in my dreams you walk dripping from a sea-journey on the highway across America in tears to the door of my cottage in the Western night”

O meu poema favorito. É nisto que ando a meditar nos últimos dias.

Com as etiquetas , , ,

The end of the line…

O fim da linha no Real Madrid para Raul, o melhor marcador de sempre da Liga dos Campeões. 16 anos depois de se ter estreado com a camisola merengue.

Raul aceitou os termos do contrato oferecidos pelo Schalke 04 e deixa o Real Madrid após 741 jogos oficiais, 323 golos, 102 internacionalizações pela Espanha e 44 golos marcados, 6 títulos Espanhóis, 4 Supertaças Espanholas, 3 Ligas dos Campeões, 2 Mundiais de clubes e 1 Supertaça Europeia.
A título individual, Raul ainda foi 2 vezes o melhor marcador do campeonato Espanhol, 2 vezes melhor marcador da Liga dos Campeões, 5 vezes eleito o melhor jogador da Liga Espanhola, 1 vez eleito o melhor avançado da Champions, 3 vezes eleito o melhor avançado do ano pela UEFA e tem um terceiro lugar na bola de ouro da FIFA para um jogador que nunca venceu o prémio mas que o mereceu.

Para definir a importância do velho capitão na história dos merengues, Jorge Valdano foi simples e incisivo: ” Raúl é o maior jogador do Real Madrid, junto com Di Stéfano. Representa todos os valores com que se identifica um madridista Fica, talvez, num escalão abaixo de Di Stéfano, porque esse foi tudo, muito completo, mas Raúl surge logo depois. É claro uma grande perda, Raúl está entre dois sentimentos – a tristeza de deixar algo e a alegria de começar uma coisa nova. Mas para nós sobra apenas tristeza.”

Para a história ficam os seus melhores momentos, que podem ser vistos neste vídeo que retirei do Youtube:

Com as etiquetas , ,

Cold Blood (Short-film)

http://vimeo.com/moogaloop.swf?clip_id=12045491&server=vimeo.com&show_title=1&show_byline=1&show_portrait=0&color=&fullscreen=1

Sangue Frio (Cold Blood) from Antonio Corte-Real on Vimeo.

Ficha Técnica:

Cold Blood – Sangue Frio (Short-Film)
País de Origem: Portugal
Realizador: António Corte-Real
Argumento: António Corte-RealJoão Lemos
Actores: Almeno Gonçalves, António Melo
Fotografia: Aurélio Vasques, Miguel Rebelo

Cold Blood – Sangue Frio” é uma curta-metragem dirigida pelo realizador António Corte-Real (Aguedense que reside actualmente em Londres) e escrita pelo mesmo em parceria com o escritor Aguedense João Lemos.

Um homem entra num bar às 2 da madrugada quando este está encerrado e quando o Barman já se encontra a limpar o estabelecimento. Aos poucos (perante as sucessivas proibições iniciais do Barman) a partir de uma boa gorjeta, o homem entra no estabelecimento para acender um cigarro, beber um whisky e falar com o empregado, auto-proclamando-se assassino profissional.

Depois de um pequeno diálogo metafísico sobre o valor da vida e “a crença da vida para além da morte”, sobre o assassinato de dois advogados por parte do cliente, o empregado começa a sentir sinais de nervosismo e pretende mandar embora o cliente. Não crendo em toda a teia argumentativa montada pelo cliente, o Barman começa a questionar a veracidade das histórias do cliente até que este se levanta, ergue a pistola e atira sobre o Barman.

Concluíndo, esta é uma curta com bons planos de realização e com um argumento bastante interessante. O monólogo do cliente acerca do valor da vida, da morte, e da crença de uma experiência transcendental depois da morte é simplesmente fabuloso.

Com as etiquetas , , ,

Austrália 30-13 África do Sul

A máquina Australiana de Robbie Deans, estreou-se ontem no Torneio das 3 Nações com uma portentosa vitória sobre os actuais campeões do mundo por 30-13.

Depois de uma travessia de 2 anos onde Robbie Deans prometeu em primeiro lugar renovar de forma conveniente uma selecção para depois moldá-la à sua filosofia de rugby de ataque, os Wallabies aparecem no torneio de 2010 numa forma estonteante, não dando veleidades aos Sul-Africanos na defesa para depois os esmagarem no ataque. Foi o que aconteceu ontem, perante uma selecção Sul-Africana que continua a ser praticamente a mesma que ergueu há dois anos atrás a William Webb Ellis Cup no Stade de France em Paris.

Bons prenúncios para o Mundial da Nova Zelândia que é daqui a 2 anos.

Com as etiquetas , , , ,

Ghob, o Rei dos Perturbados

Sempre tive a plena noção que o povo Português é um povo medíocre, mesquinho, popular, piroso, dado a arraiais, fútil, moralista, extremamente ligado aos dogmas da religião que vão sendo passados de geração em geração, que endeusa as pessoas que a televisão e que as revistas cor-de-rosa lançam, que adora falar sobre a vida alheia e que também adora criticar quando tem telhados de vidro.

Já sabia também que há grupos restritos do Povo Português formados por pessoas educadas, honestas, trabalhadoras, interessantes, inteligentes, mas que tentam sobreviver perante todas as adversidades da vida. Um grupo restrito de gente que sofre de pé perante o atraso a todos os níveis deste país e que de uma forma ou de outra tenta lutar para que possamos encostar aos países mais desenvolvidos do mundo.

Também não é novidade para mim, que a pobreza (quando falo em pobreza, falo nas casas onde não há pão na mesa e como tal não há razão) gera todo o tipo de criminalidade. No entanto, a ganância de outros também é um dos motivos da ilicitude.

A deste senhor parece ser grande. No entanto, o que destoa deste caso de triplo homícidio em Torres Vedras, é a pura demência, a pura perturbação mental em que este senhor se encontra. O mais crasso de toda a  história, foi o tempo que as autoridades levaram para investigar o caso e prender o referido indivíduo. “Uma personagem como esta” é um perigo para a sociedade. Não obstante de se ter que lamentar as vítimas, poderiam ter sido muitas mais.

Se as organizações mundiais de saúde dizem que as doenças do foro psicológico e psiquiátrico vão ser as doenças do século, parece que em Portugal, os profissionais da área terão mais casos para avaliar: a existência de assassinos em massa. Já não chegavam os casos de pedofília, os assassinatos nas aldeias em dias de eleições, os bebés e as crianças que morrem devido a maus tratos dos pais e todos os rituais esquisitos das pessoas…

Porque como este caso, deverão haver por aí mais em Portugal, um país que cada vez mais está a ser abalado por todo o tipo de casos de perturbação mental e sociopatia.  Desde a pedofília, passando pela violência no namoro e no casamento até ao homicídio com ou sem razão.

Com as etiquetas , , , , ,

Rita RedShoes

Rita RedShoes – The Beginning Song

So come and let’s start
I’ll give you all my heart
This time

Don’t walk away
Cause baby I will love you more
I have this feeling
You’re who I’ve been looking for
So close your eyes
And read the signs
It’s time to sore

You came to this world
To change what I’ve done
It’s all right

But now you must stare
You can pretend you’re there
If you’re mine

Don’t walk away
Cause baby I will love you more
I have this feeling
You’re who I’ve been looking for
Don’t turn away
It’s time to stay
There’s nothing more

É quem eu vou ver ao vivo mais logo. É com alguma espectativa que a vou ver pela segunda vez, 1 ano depois de ter adorado imenso o primeiro concerto que vi dela.

Com as etiquetas , ,

Paredes de Coura

Aqui deste lado, já se aguarda o tão ansioso dia 30 (sexta-feira) para ir ver os Klaxons ao festival de Paredes de Coura. Vai ser um festão!

Com as etiquetas , ,

O lunático e o chorincas

Só me espanto como é que alguém pode acreditar na credibilidade intelectual deste senhor. Aquele que um dia disse que o seu livro preferido era a Metafísica dos Costumes de Hegel, quando toda a gente com um palminho de testa sabe que é a maior obra de Immanuel Kant!

Depois desse pequeno incidente, o líder do PSD deu um falso apoio da direita às políticas de José Sócrates, que passou a designá-lo como o melhor parceiro para se dançar o tango neste país. Melhor que o Aimar e que a mulher do Saviola. Como disse nessa semana o Inimigo Público, Sócrates até estava a pensar dançar o Kuduro com José Eduardo dos Santos, a Kizomba, a Morna, o Tiririri e o Funana com os restantes chefes de estado dos países que compõem a CPLP e a “lambada do põe-te daqui para fora que a gente prefere dar o que é nosso aos Espanhois” com Lula da Silva.

O bailarino do nosso primeiro-ministro fartou-se de tanta dança que agora quer dançar a Constituição, pretendendo alterar 98 artigos da mesma, num ataque claramente neo-liberal ao Estado Social. Obrigando quem a pagar a crise? Aquela camada cujos rendimentos são baixos e que é sucessivamente esbofeteada ora por governos Socialistas, ora por Governos Sociais-Democratas, ora por coligações de Direita.

Analisando esta proposta de revisão constitucional, uma autêntica perversão aos valores democráticos, há alguns pontos que quero ressalvar, como um acesso de loucura por parte do PSD e do seu líder:

A privatização da saúde. Dois caminhos que se podem vislumbrar neste campo. Um sistema de saúde privado pode acarretar a criação de seguros individuais ou familiares de saúde por parte das familias Portugueses, que diga-se, cada vez menos tem dinheiro para comer… Dar dinheiro às seguradores e arriscar-se (quais Estados Unidos) a ter o infortúnio de ir parar a um hospital (também ele privatizado) para não poderem ser salvos porque o seguro de saúde pode não cobrir certas especialidades clínicas ou tipo de cirurgias.
Ou então a privatização total dos hospitais à maneira do Estado Novo em que as pessoas necessitadas tem que comprovar um Estado de pobreza para ser isentas de pagamento de despesas hospitalares, que com a privatização, deverão subir em flecha. Uma pouca vergonha.

– Na educação, em linhas gerais nada muda. Parece que este PSD não anda a observar bem aquilo que o governo de Sócrates anda a fazer no ensino superior. A criar desinvestimento, a tratar os estudantes como se fossem mercadoria para dar o menor prejuízo ao Estado no presente e o maior lucro no futuro, através principalmente da concessão de créditos onde os estudantes dão lucro ao banco do estado pelo pagamento da sua formação académica e profissional, do corte drástico nas bolsas de estudo dos necessitados…

– No âmbito da parte relativa às disposições gerais sobre o Direito do Trabalho, o PSD prevê que haja a supressão dos despedimentos “sem justa causa”. Mudando-lhe o termo para “sem razão atendível”, não alterando rigorosamente nada do que se passa até agora.

– O ataque claro às conquistas de Abril de 74 com a supressão Constitucional de normas que estabeleceram garantias importantíssimas para os cidadãos e colectividades como “as comissões de moradores”, “o sector cooperativo”, ” direito de expropriação dos meios de produção ao abandono” este último um direito que confere aos cidadãos mas que raramente é usado, visto que devemos ser o país da Europa com mais terreno para cultivo ao abandono.

– A proposta que deixa aberta a capacidade do Parlamento ter mecanismos para se auto-dissolver, algo que pode criar uma instabilidade política de rumos incontornáveis nos próximos anos.

– A substituição do “primado da economia mista pelo primado da economia aberta”…

Enfim, uma proposta de revisão Constitucional que o líder do PSD apresenta como fulcral visto o estado em que se encontra o país, mas que como é obvio não seguirá em frente porque a esquerda não fará passar a referida proposta.

Do outro lado o mestre da manipulação argumentativa, o nosso primeiro ministro, chorou na entrega dos certificados daquele programazeco que dá o 9º ano a quem não sabe ler nem escrever. Emotivo como Mussolini e como todos aqueles que usam de uma grande oratória para fazer emocionar os corações de um povo burro e analfabeto como é o Português, o nosso primeiro-ministro chorou com os testemunhos das pessoas que disseram que as “Novas Oportunidades” mudaram a sua vida….

No entanto, o nosso primeiro-ministro continua-se a esquecer que desempregados são quase 600 mil neste país, que os patrões continuam a despedir gente que quer trabalhar a seu belo prazer, que quase 2 milhões de pessoas neste maldito país sobrevivem com o ordenado mínimo, que os jovens licenciados deste país tem medo de acabar o curso porque sabem que as suas possibilidades de emprego são cada vez mais diminutas, que há reformados neste país que não tem dinheiro para assegurar a sua subsistência e que agora estão cada vez mais votados a terem que gastar mais dinheiro em medicamentos.
O nosso primeiro-ministro continua-se a esquecer que a política de obras de públicas que este país irá realizar nos próximos anos irá reflectir mais despesa nas contas públicas do país e que a minha geração irá ter de trabalhar mais anos para pagar os excessos e as loucuras de outros. Este primeiro-ministro esquece-se que vive entalado pela espada dos países mais ricos da Europa e pelas próprias instâncias comunitárias.

Mas chorar em público, é bonito, cai bem, há folclore e o povo emociona-se também. Cambada de merda.

Com as etiquetas , , , , , , ,

mé… mé… mexe-te senão ficamos sem os eurinhos

As Cabras da Academia de Coimbra continuam a causar o furor de sempre, mesmo na época baixa, quando pressupostamente o espectáculo já tinha terminado. Desta vez, foram fazer queixinhas à Direcção Geral, que o Paulo Abrantes os tinha chamado “queixinhas” do interior do edifício da AAC para a sala que é pertença da Secção de Jornalismo da Associação Académica de Coimbra. Pode ser visto no post de hoje do Denúncia Coimbrã.

No referido post, Paulo Abrantes foi mais longe e constatou um facto: O Conselho Fiscal não está de acordo com a proposta de regulamento interno apresentada pela Secção de Jornalismo comparativamente ao que é enunciado nos Estatutos da AAC. Logo, as Cabras (para não lhes chamar directamente um nome calão que metaforiza um comportamento negativo humano com base no joco de um animal que até vincou a sua presença máscula e de odor intenso na sala da SJAAC aquando das filmagens do LIP DUB, aquele acontecimento que se retratou a actividade das secções dos pisos de baixo da AAC) não podem realizar eleições e não podem reclamar os dinheirinhos para lançar aquele autêntico pasquim que fala de tudo menos do que se passa na Academia e principalmente do que é realizado pelas secções existentes dentro do edifício da AAC.

No entanto, gostaria de salientar que a Secção de Jornalismo não é a única cujo regulamento interno não bate certo com os Estatutos da AAC. Porém, o medo instalado na Direcção Geral quanto às consequências que podem advir de um rascunho mais ortodoxo por parte de um mini-jornalista, salientam a postura passiva que a DG está a ter perante a referida secção quando comparada com outras que me são bem familiares, onde houve uma ameaça de congelamento de contas caso não fosse apresentado um simples plano de actividades realizadas. E houve mesmo secções que ficaram com as contas congeladas.

Outros, são aqueles que brincam à Radio dentro da Academia. Aqueles que só deixam que alguém seja sócio, se gostar da mesma música lá dos chefões do bairro e se carregar umas bobines de gravação durante uns largos meses sem reclamar cartucho lá com os manos. Outros, são daquela secção que me é familiar. Daqueles que gostam de sorrir para a imprensa  por tudo e por nada como se fossem uma estrela de cinema como por exemplo, o Vin Diesel ou o Steven Seagel E sobre esses podia dizer muito.

Isso recorda-me uma conversa que tive noutra madrugada, com uma radialista de Coimbra numa loja de máquinas da Praça da República:

” Eu curto bués é Mogwai e Sonic Youth” – digo eu para uma pessoa que estava comigo, cuja identidade é melhor não revelar.Vira-se a referida menina:

” Curtes?!!” (olhos arregalados quase como que a dizer que já estava aceito no clube) – ” Então vem trabalhar na RUC”

Até que eu ironicamente respondi: ” Não, odeio Mogwai e odeio Sonic Youth e nem que fosse a única opção que me restasse, jamais iria para a RUC. E já agora, gosto de Modest Mouse que é bem melhor”

(Os olhos da menina encheram-se de uma tremenda desilusão e como disse que gostava de Modest Mouse já não era aceite no clube lá da rádio pirata)

Até que de repente perguntei a outro conhecido lá do circulo dos manos: “Oh Zé, tu curtes Modest Mouse?” – e o outro respondeu: “Sim, é bacano”

E a mascara da outra caiu logo ali.

Com as etiquetas , , , , , ,

Digam que estou louco

Por favor digam-me que estou louco e que o anúncio publicitário que vi na televisão foi fruto de alucinações na minha cabeça.

Hoje estava a ver televisão e não é que há uma certa marca de refrigerantes (cujo nome não me interessa aqui publicitar) que criou uma petição online para reinvindicar a inserção de um termo completamente estupido no dicionário da Língua Portuguesa? Já não bastava o facto de termos que levar com o Novo Acordo Ortográfico?
A mesma marca (cuja equipa de Marketing só pode ser composta por um bando de iluminados) foi mais longe na verborreia intelectual e oferece um dicionário da Língua Portuguesa na compra de um pack de 6 sumos.

Os argumentos do referido movimento podem ser vistos aqui.

Depois de ler toda a teia argumentativa utilizada pelos criadores da petição online acima referida, só me apetece rir. Como é possível que um bando de dementes ponham em causa uma coisa tão séria como é a Língua de um país?

Gosto principalmente desta linha “Trata-se, de facto, de uma palavra que se impôs no léxico da nova geração e cujo significado já está enraizado na cultura popular portuguesa.”

Será que estes senhores tem a noção do que estão a dizer? Que eu tenha reparado, desde que saiu o primeiro anúncio com a inserção da palavra em causa, nunca ouvi ninguém utilizar o termo. Estes senhores não têm a mínima noção que uma nova palavra demora anos, talvez décadas a ficar completamente enraizada na cultura linguística Portuguesa. Lembro-me por exemplo de certas expressões no calão como “porra, bué, pila” que utilizadas há décadas pelo povo Português, só há poucos anos tiveram a sua incorporação no dicionário por parte da Academia de Ciências de Lisboa, que espero para bem da preservação da língua Portuguesa que não viabilize as loucuras de gente atrasada. Porque para referir esse termo, já existe a palavra “mudaste”. Chega perfeitamente para expressar a ideia. Sem recurso a estratégias comerciais de marca A, B, C ou D.

Com as etiquetas , , ,

Falta de fair-play

De: João Branco

Para: Alberto Contador

Nunca fui teu fã. No entanto não sou radical ao ponto de não assumir que és o melhor corredor da actualidade e que és um vencedor nato.
Nunca gostaste do Armstrong. Isso toda a gente sabe. Na época passada, sentiste ameaçada a tua liderança quando quase todos os teus colegas de equipa te abandonaram para o ajudar a conquistar a 8ª vitória na Volta à França. Mas tu, sozinho e numa forma tremenda, não precisaste de ninguém para voltar a vencer o Tour.

Nesta época tudo mudou. O Armstrong montou uma equipa para ele e está a fazer o pior Tour da vida dele. Tu continuaste na Astana e tens todo o mundo a trabalhar para ti. Falta-te é a forma dos anos anteriores e notou-se no Critério Dauphiné-Libéré que sentiste imensas dificuldades para lutar contra o Janez Brajkovic, que na alta montanha venceu-te. Pelo menos, fica a ideia que aprendeste algo com o Armstrong. Vencer a qualquer custo. Passados alguns anos, ainda me são familiares as imagens da etapa em que o Beloki caiu de forma aparatosa numa descida e o Armstrong nem olhou para trás para ver se o seu colega de profissão estava vivo ou morto. Felizmente, o Beloki conseguiu voltar a competição, mas nunca voltou a ser o grande trepador que era…

Na etapa de hoje, mostraste que foste um profissional sem carácter, sem fair-play. Como não tiveste pernas para acompanhar o Schleck no seu ataque, foste inteligente para atacar no momento em que reparaste que ele tinha uma avaria mecânica. Como se não bastasse, não esperaste por ele como mandam as regras do fair-play e roubaste a amarela.

Como se isso não bastasse, foste à conferência de imprensa dizer que não reparaste na altura que o Schleck tinha avariado e que mesmo perante esse facto, disseste que é a vidinha… És um pulha. Queres ganhar a todo o custo, e isso cai muito mal dentro do pelotão. Foi por isso que quando foste ao pódio receber a camisola amarela, o público assobiou-te e tu, um tipo sem vergonha, ainda ficaste lá a sorrir feito parvo.

Pois bem, espero que um dia os teus colegas de profissão não tenham piedade de ti e acelerem o ritmo do pelotão até quando fores mandar uma mija à beira da estrada. Para que sejas alvo do teu próprio veneno. Para que possas sentir na pele que todos os teus colegas de profissão te odeiam.

Com as etiquetas , , , , , ,

Desistam

Já me mete nojo ver os putos e os posers a falar dos Joy Division e da cena de “Madchester”. Mete-me um profundo asco vê-los destruir, vê-los tentar tornar mainstream aquilo que não é mainstream e que nunca o será. Parem de falar no Ian Curtis. Ele deixou bem vincado em vida que não fazia musica para ser adorada por toda a gente depois de morto. Vocês nem sabem sequer que antes de haver Joy Division, havia Warsaw. E que antes de Warsaw, haviam bandas como os Clash, como os New York Dolls, como os Velvet Underground, como os Television.


Vocês nem sabem que o nome Joy Division foi criado com base num clube nocturno que os soldados Alemães frequentavam em Paris durante a ocupação Francesa por parte do exército Alemão. Vocês nem sabem que a banda só lançou dois álbuns de originais e que o resto são singles lançados em vinyl. Por isso parem de ser como o Miguel Esteves Cardoso. Esse quando vêm falar de música, escreve sempre sobre o mesmo. Numa dinâmica de circulo. Quando escreve sobre o Ian Curtis não vêm falar do John Lennon. Quando não escreve sobre o Ian Curtis vêm falar do John Lennon.

Parem de falar nos Smiths. Parem de usar o argumento preconceituoso que o Morrissey usava a musica para sair do armário. Ele nunca escondeu que era homossexual. Parem de andar por aí a postar nos facebooks que a “Creep” é o melhor single de sempre dos Radiohead. Porque a “Creep” só é single no NL e no “Pablo Honey” que se diga de passagem que é uma das piores merdas de sempre da história da música. Para gente podre de bebeda que com a bebedeira acha genial a tudo o que é mau. Parem de andar por aí a gabar o “Ok Computer” como o melhor álbum de sempre alguma vez feito. Ouçam o “The Bends”, ouçam o “Kid A”, ouçam a merda que vocês quiserem. Longe de mim.

Por isso desistam…

Com as etiquetas , , , , , ,

Cavesleepers

Curtis e Deborah Wesley são um casal americano incomum. Decidiram construir uma casa no meio de um grande caverna, junto ao Rio Mississipi bem ao estilo das aventuras de Tom Sawyer.

Para além da beleza arquitectónica do edifício e das dificuldades que os engenheiros civis encarregues da obra tiveram para a construir no meio da rocha, esta acaba por ser extremamente modernista, funcional e está dotada com todos os equipamentos normais de uma casa normal.
Exemplo disso é a imagem em baixo.

Nesta imagem e nas próximas pode-se notar que o tecto da casa é o topo interior da rocha. Assim como as paredes laterais são as paredes internas da própria rocha.

Do ponto de vista da construção, esta foto retrata na perfeição, como a escolha dos vidros da casa pode ter influencia para a captação de luz para o interior desta mesmo que seja construída no interior de um enorme calhau.

A casa de banho é a única divisão da casa que necessita de luz artificial.

Com as etiquetas , ,

O dia mais triste do ano

Coimbra tem o dom de ficar no coração de toda a gente por quem lá passa. Há quem goste mais, há quem goste menos. É certo e sabido que para a malta que tem o privilégio de estudar na cidade, o dia de regresso a casa para as férias grandes marca um misto de emoções: por um lado existe a vontade de voltar para um ambiente mais familiar e para junto das pessoas a quem (por falta de tempo, por falta de oportunidade) não vemos há algum tempo e por outro lado sentimos um misto de tristeza por termos que ir embora para casa passar as férias grandesvoltar definitivamente para casa para aqueles que terminaram a sua licenciatura ou o seu mestrado.

Para os estudantes, o dia em que se abandona mais um ano lectivo em Coimbra é o dia mais triste do ano. Para mim não foi excepção. Neste final de mês de Julho, na totalidade do mês de Agosto e na primeira semana do mês de Setembro, a cidade morre. Morre de tédio. É uma cidade fantasma, cópia perfeita da descrição de uma cidade fantasma nos piores filmes de terror alguma vez feitos.

No ano passado, passei uns dias em pleno mês de Agosto em Coimbra. Está quase tudo fechado, apenas se vêem meia dúzia de estrangeiros ou de emigrantes pela Praça. Precisamente na zona da Praça é um dos únicos sítios na cidade onde podemos tomar um café. Grande parte dos estabelecimentos comerciais estão encerrados, não há ninguém nas ruas. Em Agosto, a falta de pessoas, a falta dos estudantes e a diminuição de trânsito automóvel fazem de Coimbra uma cidade silenciosa, pacata. De uma pacatez quase rural.

E reflectindo bem, cada vez mais me convenço que somos nós, os estudantes de fora, que mandamos nesta porra toda.

Para todos aqueles que acabaram os seus estudos em Coimbra, fica aqui a minha homenagem na célebre “Balada da Despedida”

Fica porém, a esperança de um dia ali voltar.

Com as etiquetas , , , , , , ,

Há muitos anos atrás…

Ouvia isto, 56 vezes por dia, num repeat que não me cansava. Eram os tempos de ouro de uma rebeldia consentida de um adolescente que tinha uma curiosidade acima do comum para conhecer tudo ao pormenor.

Com as etiquetas , , ,

“Excrementos d´A Cabra”

A Denúncia volta a fazer estragos e a bater seriamente na Secção de Jornalismo da Associação Académica de Coimbra e no Jornal A Cabra, propriedade da mesma. Há gente que o merece. Pela arrogância, pela presunção e pelo seu carácter vingativo.

Para alguns, a vitória tem que ser obtida a todo o custo. Não interessa a validade dos meios utilizados para se poder alcançar os objectivos. Depois, escondem-se por dentro de 4 paredes e esperam pelas consequências dos seus actos, que de antemão sabemos que podem passar pelos  esquemas de chamar a polícia, fazerem-se de vítimas e pela ameaça de levar aquele que é prevaricado à barra dos tribunais.

Para ser lido aqui

Com as etiquetas , , ,

Sérgio Paulinho

Heróis do mar, Nobre Povo, Nação valente e imortal. Lindo! Grande vitória para o desporto Português!

Sérgio Paulinho, vice-campeão de ciclismo de estrada dos Jogos Olímpicos de Atenas em 2004, venceu hoje a 10ª etapa do Tour de France, 3 décadas depois de Joaquim Agostinho.

Com as etiquetas , , ,

Do Milan à cadeia

Bruno, o guarda-redesassassino. Nesta época de defeso esteve com um pé no Milan (segundo palavras do próprio) escorregou (perdão, fez escorregar a antiga amante) e caiu nos calaboços. Se a justiça Brasileira for benevolente, Bruno poderá voltar a defender a baliza do Flamengo lá pra época 20452046.

“O bagulho desta história” pode ser lida aqui.

P.S: Este post foi escrito com total repúdio pelo Novo Acordo Ortográfico.

Com as etiquetas , , , ,

Parabens à Holanda!

O raio do polvo não falhou e a Holanda B ganhou mesmo o mundial.

Parabéns à Holanda e aqueles que durante décadas construiram e evoluiram o futebol Holandês. Todos esses hoje provaram o seu veneno. O feitiço virou-se contra o feiticeiro.

A Holanda B, perdão, a Espanha venceu o Mundial. Venceu-o graças a uma filosofia de jogo que foi imposta em Espanha há mais de duas décadas no Barcelona pelos treinadores Holandeses que por lá passaram. Nomes como Rinus Michels, Johann Cruyjff ou Louis Van Gaal. Esta geração Espanhola (grande parte dela formada de acordo com os princípios da era Holandesa) assimilou bem o modelo Holandês na formação e através dele (mais tarde) logrou vencer um Europeu em 2008 e agora um Mundial.

Foi uma final como todas as outras. As equipas entraram cautelosas, tentando não conceder espaços aos adversários que pudessem ser letais. A primeira parte foi um grande exemplo disso. Fazendo excepção ao perigo inicial da Espanha num ou dois lances, as equipas foram para o intervalo sem grandes ocasiões de golo.
Na 2ª parte, o jogo abriu mais e tanto a Holanda como a Espanha poderiam ter decidido o jogo nos segundos 45 minutos.
O exemplo disso foram as duas perdidas que teve Arjen Robben na cara de Casillas. Duas perdidas das quais, o jogador do Bayern, decerto nunca esquecerá.

À semelhança da final de 2006, o jogo foi para prolongamento.
Howard Webb expulsou com justiça o central John Heitinga. E a Espanha voltou a atacar no momento da doença da defensiva Holandesa. Aos 116″, Andrés Iniesta haveria de dar o primeiro título mundial à Holanda B, perdão, à Espanha!

Na minha opinião não foi um titulo merecido. Os Espanhóis jogam bem, circulam bem a bola, tem individualidades que podem criar resolver jogos mas não jogaram o suficiente para serem consagrados como campeões mundiais. Os Holandeses, os Alemães e até os Uruguaios mostraram melhor futebol. Os Espanhóis limitaram-se a defender bem, a marcar um golo por jogo e a circular a bola no meio campo em vantagem. Não foram espectaculares.
Os jogadores Espanhóis também não são primor de fair-play. Barafustam dezenas de vezes com os árbitros durante as partidas de modo a influenciar as suas decisões, atiram-se para o chão por tudo e por nada simulando falta após falta e são peritos na simulação de agressões. Que o diga Joan Capdevilla.

Acabou-se este mundial.
Como todos os mundiais, este fica marcado por algumas surpresas agradáveis e por alguns flops. Houve jogadores que se destacaram num mundial onde as duas maiores estrelas do futebol mundial não tiveram uma prestação por aí além.

Os + e os – do Mundial

Organização:

Sinal +:
Excelente organização por parte dos Sul-Africanos. Durante este mundial não houve grandes casos de violência entre adeptos. A polícia Sul-Africana pouco foi obrigada a intervir.
Depois dos pequenos assaltos feitos a jornalistas estrangeiros antes do início da competição, as coisas foram acalmando com o início da competição.

Durante este mês, no plano interno Sul-Africano houve uma ligeira trégua nas tensões raciais entre brancos e negros. Depois de muitas ameaças proferidas pelos líderes da extrema-direita Sul-Africana e do partido ANC, estes acabaram por gerar uma trégua durante o mundial. Será que estas duas facções continuarão em paz nos próximos tempos?

Sinal -:

As vuvuzelas, aquele instrumento que não serve para mais nada do que para o lucro de uns e a dor de ouvidos de outros. As vuvuzelas tiraram o brilho do espectáculo. Não se ouviram os canticos e os gritos emotivos dos adeptos das selecções, aquilo que muitas vezes dá brilho ao espectáculo.

Selecções:

Sinal +:

– Uruguai: Vinham catalogados para este mundial como uma selecção capaz de ir apenas aos oitavos-de-final. Poucos acreditariam que os Uruguaios poderiam chegar onde chegaram. Melhor que isso, mostraram um excelente futebol e foram aguerridos até ao último minuto da competição. Se Diego Forlán pode ter-se despedido aqui da fase final de um mundial, o seu sucessor já está encontrado há muito: chama-se Luis Suarez.

– Gana: Toda a gente apontava a Costa do Marfim como a primeira equipa Africana com grandes chances de ir a uma meia final de um mundial. As previsões estavam erradas pois os Costa-Marfinenses haveriam de cair logo na fase de grupos aos pés de Portugal e do Brasil. Foi o Gana quem levou o nome do continente Africano mais alto. Foi pena não terem chegado às meias finais.
A selecção Ganesa era das selecções mais jovens em prova, senão a mais jovem. Formada principalmente a partir dos campeões mundiais de sub-20, uma geração que poderá dar cartas no futuro tanto na CAN (onde o Gana foi 2º este ano) como nos próximos 2 mundiais. Tiveram o azar de serem eliminados nos quartos-de-final por outra equipa que também mereceu as meias: o Uruguai.

– Nova Zelândia: Foram eliminados logo na fase de grupos mas deram luta. Prevê-se que o futebol possa ter um ligeiro crescimento no país após este mundial. Aquele empate com a Itália foi um momento histórico no futebol Neo-Zelandês sendo que jamais se irá repetir nos próximos anos.

– Holanda: À partida para este mundial, a Holanda era tão favorita à vitória como Portugal. Mas à excepção dos “navegadores toca-vuvuzelas”, os Holandeses tinham mostrado provas nas competições por clubes na Europa. Sneijder e Robben tinham sido elementos fulcrais no sucesso das suas equipas e chegavam à África do Sul em grande forma.
Depois uma fase de grupos em que a Holanda venceu só com vitórias, os Holandeses tiveram o seu ponto alto nos quartos-de-final onde eliminaram o arrogante Brasil de Dunga que no primeiro teste a sério neste mundial claudicou e foi para casa mais cedo que o previsto.

– Paraguai: Toda a gente pensava que este Paraguai iria jogar de forma super-defensiva a lembrar os tempos do Paraguai de Chilavert e Carlos Gamarra. Apresentando uma selecção “com cabeça, tronco e membros”, os Paraguaios deram primazia a um verdadeiro sentido de jogo equilibrado tanto na defesa como no ataque, caíndo apenas nos quartos-de-final perante uma Espanha que foi mais feliz nesse jogo.

Sinal -:

França: Sem palavras. Foi uma prestação ridícula dos Franceses num campeonato do mundo onde nem deveriam ter participado.
Domenech entrou num mundial com uma péssima formação de convocatória e saiu da África do Sul completamente queimado pela crítica internacional e pronto para iniciar uma nova etapa da sua carreira como treinador de futebol que é a reforma.

Nigéria: Os jogadores Nigerianos fizeram 3 partidas no mundial sem brilho, como se estivessem na África do Sul completamente contrariados. Foram eliminados no Grupo B e quando chegaram a casa receberam uma surpresa: o governo Nigeriano não vai permitir que possam competir internacionalmente nos próximos 2 anos para que se possa iniciar um período de reflexão no futebol da Nigéria. E a FIFA atenta (como esteve atenta ao caso do governo Togolês na CAN, como não está atenta à interferência do governo Francês no futebol Francês) pode sancionar os Nigerianos.

Sérvia: Era um dos meus outsiders para este mundial. Esperava mais dos Sérvios que até tinham ganho o grupo de qualificação onde estava a França. Tem excelentes valores, conseguem construir uma excelente selecção mas quando é a doer, está mais que visto, falham.

Itália: A campeã do mundo desiludiu. Uma equipa demasiado velha e uma renovação que parece que anda a ser feita “às três pancadas” dentro da Selecção. O novo seleccionador Cesare Prandelli vai ter muito trabalho pela frente nos próximos 2 anos.

Costa do Marfim: Colocaram a barra nas meias finais, e os meninos, num grupo difícil não conseguiram aguentar a pressão e estamparam-se!

Brasil: “Todo o mundo tenta mas o Brasil é penta” – E só não foi hexa porque realmente não tinha equipa para o ser. Os Brasileiros já se preparam a todo o gás para 2014, mantendo sempre a postura arrogante que na final do Maracanã só o Brasil poderá sair pela Taça. Veremos daqui a 4 anos.

Nem vou falar da selecção Portuguesa para que não me acusem de estar sempre a bater no Carlos Queiroz.

Deixo também aqui três onze: o meu onze do torneio, o onze das revelações e onze dos flops:

Onze do Torneio: Maarten Stekenlenburg (Hol); Phillip Lahm (Ale), Gerard Piqué (Esp), Lúcio (Bra) e Giovanni Van Bronckhorst (Hol); Xavi (Esp), Mesut Ozil (Ale) e Wesley Sneijder (Hol); Diego Forlán (Uru), Thomas Muller (Ale) e David Villa (Esp)

Onze Revelação: Eduardo (Por); Gregory Van Der Wiel (Hol), Arne Friederich (Ale), Maurício Victorino (Uru) e Fábio Coentrão (Por); Sami Khédira (Ale), Jorge Valdívia (Chi) e Raúl Meireles (Por); Luis Suarez (Uru) Edinson Cavani (Uru) e Robert Vittek (Eslováquia)

Onze flop: Robert Green (Ing); Brett Emerton (Aus) John Terry (Ing) Juan (Bra) e Taiwo (Nigéria); Frank Lampard (Ing) Andrea Pirlo (Itá) e Deco (Por); Cristiano Ronaldo (Por) Frank Ribéry (Fra) e Wayne Rooney (Ing)

Com as etiquetas , , , , ,