tudo ao molho!

Agora escrevo aqui.

Pasmo

Leio. No porto, o antigo presidente da câmara municipal nuno cardoso coloca jovens desempregadas a recolher assinaturas para a sua candidatura à edilidade junto a um edifício onde se distribuem alimentos a famílias carenciadas. Interrogadas, as jovens mostram-se indignadas com o método utilizado pelo candidato. Mas no fundo resignam-se pois a vida está difícil e o candidato paga 40 cêntimos por assinatura recolhida.

Quid iuris?

Cavaco Silva já voltou das selvagens ou ficou a fazer companhia à orca Paula?

O regresso

Declaro irrevogável o meu regresso a este blog. A não ser que me ofereçam o mesmo cargo que ofereceram ao Pedro Lomba.

volto em breve

ando cheio de ideias e coisas e ideias… até já!

NBA 2012\2013 #53

Madison on Mad House com direito a YMCA dedicado a Mr. LeBron James num dos últimos descontos de tempo da partida disputada no United Center, Madison Avenue, Chicago, Illinois! Grande jogo colectivo dos Bulls na vitória perante os Miami Heat por 101-97. Melhor: Grande jogo colectivo dos Bulls na vitória perante uma equipa de Miami que vinha a Chicago com 27 vitórias seguidas na algibeira, com 3 ausências de peso no grupo de Chicago (Hamilton, Rose, Noah) e com 2 jogadores vindos de lesão (Belinelli, que pouco jogou e Kirk Hinrich).

Acabou-se o hype que o comissário Stern queria impingir a esta geração dos Heat e o recorde de vitórias seguidas (32 dos Lakers na temporada 1971\1972) continua personificada em Miami mas na pele de Pat Riley, presidente do franchising da Flórida, jogador dos Lakers campeão da NBA nessa temporada.

Quanto aos Bulls, incrível, incrível, incrível! Torcer por esta equipa como eu torço é arriscar a sorte ou o azar. Tanto são capazes de levar a mais copiosa derrota da temporada da Liga em Sacramento como a seguir ganhar largo em Golden State. Nesta época, Chicago é das piores equipas da liga (das que vão aos playoffs) a jogar em casa (score 20-16) mas consegue varrer os campeões em título com LeBron prestes a ter um ataque de nervos dentro das 4 linhas. E quanto a LeBron notou-se que tem um mau génio quando joga em Chicago: excessivamente individualista (como sempre) foram as várias as vezes em que as câmaras de televisão o apanharam a discutir com wade, Bosh, Spoeltra e com a tripla de arbitragem. Verdade dita, na minha opinião não merecia acabar o jogo pela agressão que postou a Boozer. Esse mau feitio talvez derive do facto de não conseguir ganhar na casa onde Jordan foi rei e senhor.

Se os Bulls jogarem com esta intensidade nos playoffs, vamos ter espectáculo. Mesmo sem Rose, é uma equipa com um potencial enorme e não deve nada a nenhuma outra na conferência Este. Precisa mesmo é de jogar assim em todos os jogos.

Rose 3

Quanto a Rose, o mais certo é que não volte mesmo a alinhar este ano. Segundo as últimas notícias da ESPN, o problema de Rose não é propriamente físico mas sim mental. O base dos Bulls está receoso de voltar à competição e tem medo de se voltar a lesionar. É algo bastante frequente entre os atletas de alta-competição que tiveram problemas nos ligamentos e eu já experienciei isso quando tive a minha. Mentalmente, a confiança do jogador diminui imenso e a abordagem física ao jogo não é a mesma pois existe sempre um pressentimento no jogador de que poderá voltar a lesionar-se com gravidade.

O jogador afirmou hoje à ESPN: “I really don’t know, man. Like I said, it’s in God’s hands. Every day I’m just waking up to try and be the best player, try and produce every time I step on the court, just try and get better as a player, and who knows when? It’s not hard [to have patience] at all,” he said. “When you have surgery, you’ve got to grow patience. I’ve been patient for the last eight or nine months. I’ve been good.”

Não havendo Rose, existe a alma e a paixão pelo basket deste senhor de metro e meio:

Robinson

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Sócrates (XVIII)

Resumindo e concluíndo: entrevista encomendada. super tendenciosa. encomendada claramente por Relvas. Relvas tentou aniquilar Sócrates mas saiu a culatra a Relvas. Relvas aproveitou a Páscoa para tentar fazer a paixão de Sócrates à sua maneira. Verdade seja dita. Sócrates não é um amador neste tipo de coisas. Esquivou-se a Vitor Gonçalves como pode, com a garra no discurso que sempre o caracterizou. Não há pergunta que incomode a Sócrates, mesmo que a sua resposta seja interrompida a cada 3 segundos. O truque jornalistico do costume. O truque político do costume. E Sócrates saiu reforçado na opinião pública, estou em crer.

Sócrates tocou na ferida quando falou do Presidente da República. Verdade seja dita, o nosso PR incentivou o máximo que pode ao derrube do seu governo. As pressupostas escutas tornaram-se hoje caso de polícia. O incentivo aos jovens para se manifestarem, numa situação governativa e numa situação conjuntural do país na altura 10 vezes menor do que a que encontramos hoje com o governo do PSD e do CDS, e o adjacente silêncio de Cavaco nesta legislatura mostram a má fé do chefe do estado perante o seu antigo primeiro-ministro. Aquele discurso de tomada de posse diz tudo sobre esta questão.

É certo que a crise prejudicou em muito a 2ª legislatura de Sócrates. A crise da dívida aniquilou qualquer rumo económico que este pudesse vislumbrar para o país. No entanto, a falência das seguradores Norte-Americanas e a sua contaminação à banca e à economia europeia não explicam tudo. Os problemas estruturais da economia portuguesa e do estado português não explicam aquilo que a crise dos subprimes per si não explicaram. Não explicam a ganância da gestão de Oliveira e Costa no BPN. Não explicam a ganância, a invenção de lucros por parte da tutela da propriedade da Sociedade Lusa de Negócios, não explica muito menos os anos e anos de falhas de supervisão tanto por parte de Constâncio no BdP como do seu saudoso Ministro Teixeira dos Santos na CMVM. Não explicam aquilo que a Europa desde meados da década de 90 nos avisava: cuidado que depois deste esforço para por o défice das contas públicas nos conformes para a entrada no euro, nem tudo vos será permitido. Cuidado que a entrada no euro do vosso país terá que ser acompanhada de reformas de modernização da vossa indústria e do vosso sector público. Cuidado com os erros de regulação económica e financeira. Nós, Portugueses, sempre tivemos a crença que entrando no euro tudo nos seria permitido e sempre tivemos a crença que alguém na Europa nos iria salvar em situações problemáticas. Sempre tivemos a crença que bastava uma palavrinha na Comissão Europeia e no Banco Central Europeu para a resolução dos nossos problemas, sendo-nos permitido continuar com uma política despesista excessiva para as nossas reais capacidades. Os nossos loucos anos 90 passaram. Contudo, Sócrates provou e bem que nenhum dos anos em que esteve na governação criou tanta dívida como aquela que foi contraída para o país nos anos de Passos e Gaspar. Factos são factos, partidarismos à parte.

Voltando ao início da entrevista, creio que Sócrates voltou a reforçar a sua veia mentirosa quando afirmou que não voltou ao país para se candidatar a qualquer cargo político. Não é verdade e Seguro deve ser o dirigente político mais nervoso nesta noite. Aliás, tem-se notado de facto nos últimos dias que o Partido Socialista rapidamente se arregimentou com o regresso daquele que ficará para a história como um dos seus mais icónicos líderes. Figuras de proa dos últimos 20 anos no partido rapidamente voltaram à cena. Falo de Jorge Coelho, de António Vitorino, de Maria de Lurdes Rodrigues (agora muito publicada no Jornal Público que desde sempre foi o grande aliado na comunicação social do Partido Socialista) Correia de Campos – ou seja – todos os socratistas puros reapareceram em cena e deram uma clara amostra de força: o líder não veio visitar a família, o líder não veio passear, o líder não veio só comentar. o líder veio para voltar aquilo que tem direito, a liderança do PS.

O PEC IV. Sócrates tem toda a razão quando afirma que não lhe deram tempo nem espaço para aplicar o PEC IV. Se bem se lembram, o primeiro opositor ao PEC IV foi precisamente o chefe supremo do Banco Espírito Santo Ricardo Salgado. Foi Ricardo Salgado o primeiro a gritar alto e bom som à Europa que Portugal não conseguiria manter-se durante mais tempo nas situações em que estava sem auxílio externo. Foi o mesmo Ricardo Salgado que afirmou que a banca portuguesa teria que ir pedir batatinhas ao estrangeiro para se manter sustentável. O mesmo Ricardo Salgado, até hoje, manteve o seu discurso intacto com sucessivos financiamentos ao seu banco nos mercados para evitar a tomada de posição neste por parte do estado com recurso a fundos estrangeiros. Não me interessa debruçar muito sobre esta questão, estando o PEC IV como mote deste parágrafo. Interessa dizer que Sócrates começou mal esta questão e o PEC IV não foi aplicado devido a problemas com a legitimidade. Se bem me lembro, Sócrates foi de urgência a Bruxelas apresentar o PEC IV sem o comunicar ao Presidente da República e ao Parlamento. Nessa questão, Sócrates aniquilou qualquer legitimidade democrática que poderia existir sobre o plano. E acirrou claramente o Presidente da República que já estava de pé atrás em relação ao seu governo.

Para finalizar, o humor. Os termos de austeridade à bruta, o desconhecimento em relação a António Borges, a narrativa, o epá deixe-me falar, as questões de honestidade intelectual, “o parem de escavar”, as citações filosóficas em que Sócrates denota claramente que anda a estudar forte e feio em Paris e para finalizar a última, a melhor, o crédito sem garantias pessoais para viver em Paris que mais se assemelha a um crédito para estudantes da Caixa Geral de Depósitos.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Sócrates (XVII)

Será que tem as propinas em atraso?

Com as etiquetas , , , ,

Sócrates (XVI)

“vós que entrais, abandonai toda a esperança” – Sciences Po de Paris a fazer milagres. um mestrado, diz ele. 

Com as etiquetas , , , , , , , ,

Sócrates (XV)

a crise do Lehman Brothers, crise sistémica, contágio, nacionalização do BPN em derivado destes 3 factos. oh por amor de zeus, que churrilho de asneiras atrás de asneiras.

Com as etiquetas , , , , , , , , ,

Sócrates (XIV)

olha o bloquinho de notas: “este filho da puta do vitor gonçalves também lá está”

Com as etiquetas , , , , , ,

Sócrates (XIII)

quem é António Borges? – “esse não conheço”

Com as etiquetas , , , , , ,

Sócrates (XII)

“parem de escavar” – se escavassem mais rápido, não haviam tantas derrapagens no túnel do Marquês!

Com as etiquetas , , , , , ,

Sócrates (X)

Sócrates tem razão em relação às avaliações\modificações do memorando de entendimento. Passos, quando tomou posse, bem avisou: “vamos além da troika”

Com as etiquetas , , , , , , , ,

Sócrates (IX)

nota-se claramente que durante estes dois anos de silêncio, José Sócrates passou madrugadas e madrugadas de mãos na cabeça, a fumar kentucky´s sem filtro e a mentalizar-se de todos os filhos da puta que lhe lixaram a governação. aposto até que a meio das tórridas noites no moulin rouge, pegava do bloquinho para anotar todas as lembranças da sua lista negra:

Cavaco – “aquele caralho disse-me a 2 de março de 2011 por email que eu não lhe comuniquei que ia apanhar o voo da TAPO 78415 para Bruxelas.”

António José Seguro – “aquele sacana andou durante 6 anos na minha sombra a espiar o presidente da república e não me disse nada”

Teixeira dos Santos – “bem lhe disse para aguentar a panelinha nos 10 minutos finais da partida mas o cabrão foi logo fazer queixinhas ao PR”

Com as etiquetas , , , , ,

Sócrates (VII)

Em Portugal há aquele estranho hábito de passar tábua rasa dos preceitos constitucionais.

Com as etiquetas , , , , , , , , ,

Sócrates (V)

“os outros PEC´s não falharam” – então foi uma táctica de rugby. 3 pec´s equivalem-se a 3 chutos para fora para ganhar terreno.

Com as etiquetas , , , , , ,

Sócrates (IV)

não se lembra dos tempos em que pedia financiamento aos mercados dia sim, dia não.

Com as etiquetas , , , , , ,