Tag Archives: Phillipe Méxes

breve análise à fase de grupos do euro 2012

Grupo A

O Grupo A começa com um empate entre uma das selecções a jogar em casa (Polónia) e a Grécia de Fernando Santos. Num jogo muito mal jogado do ponto de vista técnico, as duas selecções haveriam de empatar com duas expulsões pelo meio. Desde logo se denotou que o segredo de Fernando Santos para a selecção Grega não era mais do que aquilo a que a Grécia nos tem habituado desde 2004: defender bem e apostar no contra-ataque, quase sempre conduzido pelo eterno Giorgios Karagounis. Do jogo contra a Polónia surgiu uma das revelações deste euro: o médio defensivo do Olympiakos Ioannis Maniatis. Ao lado do também eterno Katsouranis, Maniatis tem aqui a rampa de lançamento para um campeonato de topo. No jogo em si, a Polónia teve o pássaro na mão e deixou-o fugir. A inexperiência Polaca fui sem dúvida o seu maior inimigo durante a fase de grupos. Comandados pelo trio do Borússia de Dortmund (Kuba, Piszczek e Lewnadowski) coube ao avançado abrir a contagem no marcador neste primeiro encontro, prometendo aos adeptos polacos a esperança de passar pelo menos a fase-de-grupos.

Depois do jogo inaugural, a Rússia caprichou e venceu a República Checa por 4-1. Apesar de ter vencido o grupo, ninguém dava nada por esta selecção checa, muito em virtude da má-forma dos seus principais jogadores (Rosicky e Baros principalmente) e do facto desta selecção ser uma selecção envelhecida e longe da selecção que foi nos tempos de Nedved, Poborsky, Berger e Jan Koller. No primeiro jogo, os Checos foram devorados por uma selecção Russa comandada por um homem que dentro em breve será um dos grandes do futebol mundial: Alan Dzagoev. Dzagoev, sempre bem acompanhado por outros grandes jogadores como Arshavin, Kerzhakov, Anyukov, Zhirkov, Zyrianov e Pavluchenko, foi um autêntico pesadelo para a defesa checa. Assimilando por completo o conceito de jogo holandês do futebol total trazido por Hiddink e continaudo por Dick Advocaat, a Rússia esmagou por completo a república checa através de rápidos contra-ataques e de uma circulação de bola exímia. No entanto, os problemas físicos vieram no 2º e 3º jogo para o lado dos Russos e todo o favoritismo construído aquando do primeiro jogo quanto à vitória no grupo transformou-se rapidamente numa eliminação mal digerida dos russos frente aos Gregos.

Coube então à República Checa obstruir o caminho aos Russos, com uma enorme subida de rendimento de Tomás Rosicky. Os Gregos deram o golpe fatal na Rússia na 3ª jornada, através da sua táctica habitual: marcar um golo e defender o resto do jogo, característico jogo da selecção grega que muitas dificuldades poderá colocar à Alemanha nos quartos-de-final.

Grupo B

Na primeira jornada, um Portugal – Alemanha afigurava-se como o primeiro grande jogo deste anos. Minutos antes, a Dinamarca tinha imposto a primeira grande surpresa deste europeu, vencendo de forma categorica (com um golo de Krohn-Dehli surgido após uma belíssima jogada de ataque dos dinamarqueses) a selecção Holandesa, que foi para a Polónia já com um intenso mau estar entre alguns dos seus jogadores e entre os jogadores e o seleccionador. De Lviv, Portugal trouxe a aflição. Num jogo que pendeu claramente para o lado português, coube a Mário Gomez mostrar o porquê da Alemanha ser historicamente uma selecção eficaz: uma oportunidade, um golo. Já no lado português, meia dúzia de oportunidades na cara de Manuel Neuer não nos deram mais do que uma infeliz derrota contra a selecção germânica.

Ao intervalo do jogo contra a Dinamarca já na 2ª jornada, e com margem de erro nula, pensavamos nós que Paulo Bento já tinha conseguido inverter a falta de eficácia da selecção. Apesar de ter feito um excelente jogo contra a Dinamarca, a selecção acabaria por sofrer até aos minutos finais. Silvestre Varela acabaria por fazer aquilo que Cristiano Ronaldo não tinha feito minutos atrás. No outro jogo da 2ª jornada, era Mario Gomez quem mostrava novamente as suas credenciais frente a uma Holanda que foi sem margem para dúvida a maior decepção deste europeu.

Contra os Holandeses, Ronaldo apareceu. A Holanda, apostada em vencer até inaugurou o marcador. No entanto, os Holandeses esqueceram-se daquilo que Joachim Low e Morten Olsson tinham feito para anular a influência do craque português: colocar mais que um jogador na área de influência do jogador do Real Madrid. Van der Wiel, apesar de ser um bom lateral, foi um jogador muito escasso para as manobras do português. Ronaldo venceu quase todos os confrontos contra o homem do Ajax e apontou 2 belíssimos golos numa exibição que só não foi de sonho porque o poste lhe anulou por duas vezes um poker que seria brilhante. Do lado Holandês, Wesley Sneijder confirmou a má-época que realizou ao serviço do Inter, Huntelaar e Van Persie foram uma nulidade e de Robben só se viram algumas arrancadas pela direita no jogo contra a Dinamarca e um trabalho individual interessante que permitiu o golo de Van der Vaart contra Portugal. No Alemanha-Dinamarca, os dinamarqueses bem tentaram colocar a selecção germânica fora dos quartos-de-final, mas (com uma ligeira ajuda da arbitragem) tal acabaria por não acontecer.

A selecção Holandesa entrará numa nova fase. Prevejo uma grande renovação na equipa. Os Holandeses acabam por ter matéria prima capaz de fazer essa renovação. De um geração marcada pela influência de Robben, Van Persie, Dirk Kuyt, Huntelaar, Sneijder e Van der Vaart, prontificam-se jogadores para o futuro como Strootman, Van der Wiel, Eljero Élia ou Luuk de Jong. Nesta selecção, Ricky Van Wolfswinkel do Sporting tinha claramente lugar. A federação Holandesa deverá querer apostar num seleccionador forte e quem sabe se não é desta vez que Guus Hiddink volta ao seu país para orientar a selecção.

Grupo C

Do Espanha – Itália da primeira jornada viu-se uma inversão de papeis: Itália e Espanha entraram em campo sem pontas-de-lança dignos desse nome (quer queiramos quer não, Balotelli e Di Natale não são pontas-de-lança). A Itália mostrou-se a espanha do passado (c0m um registo muito mais atacante do que em edições de fase finais de torneios internacionais anteriores) e a Espanha mostrou-se um bocado à semelhança da Itália do passado, jogando um jogo cauteloso e de contenção de bola. Comandados pelo sentido de jogo de Pirlo e Marchisio, seriam os italianos a abrir as hostilidades para 3 minutos depois ser Fabrègas a consumar o empate para a Espanha. No entanto, era mais que previsível um empate pois nenhuma das selecções quis efectivamente arriscar para vencer, preferindo desiquilibrar a classificação no jogo que ambas tinham perante a Croácia.

Os Croatas ainda ameaçaram quebrar o favoritismo de italianos e espanhóis. A vítima da primeira jornada seria a indefesa Irlanda. Modric foi o maestro da Croácia e Mandzukic, mesmo apesar da eliminação da selecção balcânica, expressou em golos o belo futebol de ataque da selecção comandada por Slaven Bilic. Depois do 3-1 inicial, confesso que coloquei a Croácia como outsider ao título europeu, previsão essa que aumento depois dos croatas terem realizado a partida que realizaram contra os italianos. Apesar da eliminação, quase toda a selecção croata sai muito valorizada deste europeu. Mandzukic e Modric deverão ser dos jogadores mais cobiçados deste verão. No entanto, a Croácia acusou alguma imaturidade e alguma falta de qualidade no sector defensivo.

A Irlanda haveria de se expor ao futebol superior de Espanhóis e Italianos, acabando o europeu com um score lastimável de 1-9. Giovanni Trapattoni não conseguiu operar um milagre com o que tinha e a Irlanda, com uma selecção que precisará de ser renovada já na próxima qualificação para o Mundial de 2014 não deve sonhar com uma presença numa fase final de uma competição internacional num futuro próximo. Já a Croácia realizou uma excelente partida contra a Espanha e a bom da verdade desportiva, foi claramente roubada em dois lances: uma mão clara de Iniesta na área e um penalty que ficaria a assinalar já nos minutos finais na área espanhola, depois de Iker Casillas ter derrubado ostensivamente um jogador croata.

Grupo D

Sheva animou as almas ucranianas com dois golos no jogo inaugural da equipa da casa. Aos 35 anos, Sheva revisitou o seu grande passado e não perdoou por duas vezes na cara de Isaksson no seu jogo de estreia numa fase final de europeu. A Suécia, com um jogo extremamente focalizado em Zlatan Ibrahimovic haveria de ser penalizada pelo facto de se ter visto a vencer os ucranianos por 1-o e por ter optado por uma postura defensiva na 2ª parte. Os Suecos haveriam de corrigir frente aos Ingleses mas aí foram demasiado perdulários perante uma Inglaterra muito cínica e voltada para o contra-ataque e para a velocidade de homens como Walcott ou Welbeck.

De facto, a selecção inglesa contrariou q.b a ausência de Wayne Rooney. No jogo inaugural do grupo frente à França (cuidado com esta França) os Franceses fizeram o que podiam para vencer o jogo. Destaque para as grandes exibições de Cabaye, Nasri, Benzema e Debuchy. A Inglaterra limitou-se a confiar em Joe Hart e a marcar um golo de bola parada por intermédio de Joleon Lescott.

Há minutos, a Suécia despediu-se com honra do europeu, batendo a França por 2-0. Zlatan disse adeus ao europeu com mais uma obra-prima e a França vai ter que se medir forças com a Espanha, sabendo que nas meias-finais, o vencedor deste grupo terá que jogar contra Portugal (sim, porque não estou a ver os checos com futebol para a nossa selecção).

Arbitragem:

Erros graves que decidiram jogos e que começaram no jogo inaugural entre Polónia e Grécia. Más decisões que custaram apuramentos (Alemães e Espanhóis). Num euro que se queria pautado pelo rigor técnico e disciplinar, a arbitragem não tem estado à altura das operações. As experiências da UEFA quanto ao árbitro de baliza dão-se como completamente falhadas após este europeu.

Prestações individuais. A meu ver, aqueles que estiveram “in” na fase de grupos:

Grécia: Ioanis Maniatism, Giorgios Karagounis, Samaras, Gekas

Polónia: Lukas Piszczek, Murawski

Rep. Checa: Tomás Rosicky, Michal Kadlek, Polak, Abebe Selassie

Rússia: Dzagoev, Zhirkov, Pavlyuchenko, Anyukov

Portugal: Fabio Coentrão, Pepe, Miguel Veloso, Cristiano Ronaldo, Nani e Silvestre Varela

Alemanha: Phillip Lahm, Mats Hummels, Mario Gomez, Lukasz Podolski, Mezut Ozil

Holanda: Rafael Van der Vaart

Dinamarca: Niklaas Bendtner, Simon Kjaer, Erikssen

Itália: Giorgio Chiellini, Claudio Marchisio, Andrea Pirlo, Antonio Cassano, Mario Balotelli e Antonio Di Natale

Espanha: Cesc Fabrègas, Fernando Torres, Xavi

Rep. Irlanda: Sean St. Ledger

Croácia: Mandzukic, Luka Modric, Rakitic, Jelavic

Inglaterra: Theo Walcott, Steven Gerrard, Joleon Lescott, Danny Welbeck

França: Phillipe Mexés, Debuchy, Ribéry, Yohann Cabaye, Samir Nasri, M´Vila

Ucrânia: Shevchenko, Yarmolenko

Suécia: Zlatan Ibrahimovic, Kim Kallstrom

Anúncios
Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Antevisão da Liga Francesa

À semelhança do que tinha escrito para a Liga Alemã, respeitando a analogia coerente demonstrada nesse post em relação ao equilíbrio e imprevisibilidade da Bundesliga e da Ligue 1, é muito fácil a caracterizar a Ligue 1 Francesa.

As opiniões do pessoal que é mais próximo neste tipo de discussões de pré-temporada não são de todo unânimes no que toca ao poder da Liga Francesa: os mais velhos dizem-me que é uma liga interessante, mas em clara decadência, ou seja, longe do brilho e do poder que assumiu nas décadas de 80 e 90. Outros dizem-me que é uma liga com uma competitividade semelhante às ligas de 2ª linha do futebol europeu, ou seja, à Portuguesa, Holandesa, Russa, Belga, Escocesa, Romena, Turca. Depois de alguma introspectiva, seria errada não conciliar as suas opiniões. É uma liga interessante que assume cada vez menos peso no futebol europeu e ao nível de qualidade, está cada vez mais afastada das 3 principais ligas do futebol europeu. Por outro lado, se na década de 90 um adversário francês nas competições europeias para as equipas de 2ª linha do futebol europeu era um adversário temível, actualmente tal já não acontece e as equipas francesas estão vulgarizadas à emergência dos principais clubes dos países cujas ligas pertencem ao 2º patamar do futebol europeu no que diz respeito a confrontos nas provas europeias.

À semelhança da Bundesliga, a Ligue 1 é uma liga cujo vencedor é imprevisível. Difere apenas na medida em que não existe uma potência hegemónica que domine por completo o futebol Francês ao contrário do papel do Bayern no futebol alemão. No passado existiam Marselha e Saint Ettiène. Se o Marselha, após períodos conturbados ao nível de resultados desportivos, voltou a vencer a Ligue 1 em 2010, o Saint Ettiène continua a ser uma fortíssima equipa ao nível de formação mas está arredado dos títulos há muitos anos.

Passando a planos concretos, a Ligue 1 já vai na 3ª jornada, com algumas equipas capazes de chegar ao título, não sendo garantido que não volte a aparecer um outsider na luta pelo título como o Lille, o Montpellier ou o Auxerre. Os candidatos são claramente o Bordéus, o Lyon, o Marselha e o Paris Saint-Germain. Pelos jogadores que transitam da época passada e pelo investimento feito nesta época.
Numa 2ª linha prosseguem o objectivo do títuloclassificação para as competições europeias, o campeão em título Lille, o Toulouse, o Rennes e o Auxerre. O Lille, como campeão em título terá que redobrar esforços para conseguir acompanhar a evolução dos grandes franceses, principalmente do PSG, equipa cujo novo proprietário árabe investiu muito e com qualidade no seu plantel. Desde logo se destaca a contratação do internacional Argentino Javier Pastore ao Palermo de Itália por 40 milhões de euros.

Ao fim de 3 jornadas, nada está decidido. Fruto de 3 vitórias nas 3 primeiras jornadas quem lidera a classificação é o Montpellier. Nas posições seguintes com 7 pontos aparecem Toulouse e Saint Ettiène. Com 6, Caen e com 5 Lyon. PSG desilude com 4 (um empate, uma vitória e uma derrota) Lille também com 4, Marselha apenas com 3 fruto de 3 empates, e Bordéus com apenas 2, fruto de 2 empates.

Outro pormenor introdutório que se deve ter em conta nesta antevisão é o facto da Ligue 1 ser uma clara mescla de nacionalidades. Apesar do facto da formação francesa com qualidade emigrar bastante cedo para outras paragens (principalmente para clubes ingleses) esta está a perder número e qualidade para os estrangeiros, seguindo uma tendência manifestada pelos clubes franceses na última década. Todos os clubes estão recheados de estrangeiros, estrangeiros muito jovens e vindos de paragens muito distantes. Tal facto leva-me a concluir que os clubes franceses estão a apostar cada vez mais em talentos vindos de países não-europeus de modo a iniciar a adaptação desses atletas ao futebol europeu e amealhar interessantes somas de dinheiro com as suas vendas.

Para terminar, surpresa é esta ligue 1 começar com a ausência de vários históricos do futebol francês, que por vicissitude de más temporadas iniciam as suas épocas desportivas na Ligue 2. Falo do Mónaco, do Nantes (caiu na 2ª e nunca mais se endireitou) do Reims, do Metz e do Lens. São das melhores formações francesas. Basta ver o historial de todas juntas. Todos os títulos somados dão 22 títulos franceses e 4 supertaças.

Mais uma vez, peço desculpa pela excessividade de conteúdos do post e por alguma gralha ao nível de conteúdos, erros ortográficos e construção frásica que este post possa albergar. Aos que leram as duas últimas antevisões e aos que irão ler esta até ao fim, o meu obrigado.

Lille

Eden Hazard – O jovem talento Belga continua a defender o campeão em título. Propostas não lhe faltaram. Falou-se durante a pré-temporada do Real Madrid, onde o novo director-desportivo Zinedine Zidane é um confesso admirador do futebol do criativo Belga.

Na época 20112012, o Lille saltou da 2ª linha do futebol francês directamente para um título inexperado. Se nas últimas épocas, o Lille já se distinguia das equipas de meio da tabela pela regularidade de objectivos na liga, chegando à europa quase todos os anos (disputou por 2 vezes a Champions nos últimos 5 anos) uma geração incrível de jogadores conseguiu ultrapassar a dura oposição de equipas como o Marselha e o Lyon. Este Lille jogou na época passada contra o Sporting na fase de grupos da Liga Europa, tendo perdido tanto em casa como em Alvalade.

Com o título, alguns desses jogadores rumaram a clubes com melhores condições. Nada de estranhar. O lateral-esquerdo Emerson foi vendido ao Benfica, o costa-marfinense Gervinho rumou ao Arsenal, o centro campista Cabaye foi para Newcastle, Adil Rami rumou a Valência e outros jogadores menores foram procurar o seu espaço em clubes de menor dimensão com o ala Dumont, o avançado Frau ou o guarda-redes Ludovic Butelle.

Com o capital encaixado pelas vendas, os lucros do campeonato e o valor dos prémios que o clube irá receber pela participação na Champions, a direcção do Lille tentou reforçar os sectores que ficaram desfalcados com as contratações do experiente centrocampista internacional gaulês Benoit Pedretti (ex-Auxerre), do guarda-redes internacional Nigeriano Eneyama (é um bom guarda-redesesteve nas cogitações do Milan após o Mundial da África do Suljogava em Israel) o defesa Marko Basa (ex-Lokomotiv de Moscovo) e o avançado ex-Saint Ettiène Payet.
Apostou-se portanto na experiência para o reforço do plantel que este ano terá que enfrentar a Liga dos Campeões.

No entanto, nem tudo foi prejuízo para o Lille. Feitas as vendas, a direcção conseguiu segurar algumas das pérolas que levaram a equipa francesa ao título, casos do guarda-redes Landreau, dos defesas Bonnart, Debuchy, Souaré, Rozehnal e Franck Bériu, os médios Hazard, Obraniak, Rio Mavuba e Benoit Pedretti e os avançados Moussa Sow e Túlio.

Será portanto um ano muito difícil para o Lille. A qualidade deste plantel é bastante interessante. Apenas faltará perceber se a proeza da época transacta poderá ser novamente cumprida esta época. Para isso, as primeiras jornadas da Liga e a convivência com os objectivos da equipa na Champions serão determinantes para desvendar aos poucos o desfecho na Ligue 1.

Toulouse

Paulo Machado é o nosso representante máximo em França. O jovem médio conseguiu chegar à selecção nacional após ter vingado no Toulouse. Ocupa uma posição específica na selecção (trinco) numa altura onde existe uma certa carência de jogadores nacionais de qualidade.

Das equipas de meio da tabela da Liga, o Toulouse é daquelas que faz sempre um investimento interessante e estudada. Esta época não veio confirmar esta premissa.
Longe vão os tempos em que neste clube despontou Gignac, agora jogador do Marselha e as participações do clube nas competições europeias.

Na época passada inaugurou-se uma nova era no clube. Nesta época, o Toulouse não investiu tão bem nas suas contratações face às saídas que sofreu. Yoanis Tafer voltou à casa-mãe em Lyon, após muito assédio do Barcelona. Cetto rumou a Palermo, Soren Larssen decidiu voltar à Dinamarca para representar o Aarhus.

O Toulouse poderá contar com jogadores como o guarda-redes Yohan Péle, o internacional Português Paulo Machado (as boas exibições no clube franceses já lhe deram acesso à selecção nacional) e o Norueugês Braaten. Terão decerto um campeonato tranquilo, sem objectivo virado para a europa.

Saint-Ettiène

Algumas saídas importantes, algumas entradas com valor.

O Saint Ettiène continua a ter um plantel simpático que lhe garante uma época bastante tranquila e quiçá a luta pelas provas europeias.

Saíram Payet (Lille) Blaise Matuidi (PSG) e Gelson Fernandes para o Leicester.

Entraram Gonzalo Bergessio (após empréstimo ao Catania) Guiane Daw (após empréstimo ao Saragoça) Florent Sinama-Pongolle por empréstimo do Sporting, o central Paulão (contratado ao Braga) Ruffier (ex-Mónaco) o avançado Aubemeyang (ex-Milan) o médio defensivo Jeremy Clement (envolvido no negócio Matuidi) e o veteraníssimo ala Steed Malbranque, vindo do Sunderland. Malbranque deverá terminar a carreira no clube após muitas épocas consecutivas pela Premier League onde atingiu o seu auge no Tottenham.

Juntam-se ao Norte-Americano Carlos Bocanegra, o central Sylvain Monsoureau, a Jean Pascal Mignot, ao nº10 Laurent Battles e ao togolês Boubacar Sanogo.

Caen

Pouco para dizer. Ganhou nas primeiras duas jornadas da Liga apesar de ser uma equipa com um plantel muito modesto onde Pierre Alan Frau foi a melhor contratação. O experiente avançado veio do Lille.

Rennes

Mais uma equipa com claras aspirações à europa.

Um plantel bastante interessante, sem puxar os cordões à bolsa neste defeso. Até porque o Rennes é uma das equipas que vive muito da sua excelente formação.

Destaques para os defesas Chris Mavinga, Apam (defesa-esquerdo internacional Nigeriano que gosta muito de subir no terreno) e Yassine Jebbour, para os médios Tettey (médio que veio do Rosenborg) Stephane Dalmat, para o internacional Camarones Mandjeck, para o extremo Jonathan Pitroipa (veio do Hamburgo da Alemanha neste defeso) e para o avançado colombiano Montoya.

Ganhar em Rennes será sempre uma tarefa muito difícil.

Olympique Lyonnais

Mahammadou Diarra volta a Lyon depois de ter saído para o Real Madrid, onde durante 4 temporadas não teve grandes oportunidades de se evidenciar.

Ao contrário dos últimos defesos, o desta época foi muito calmo para os lados de Lyon. A equipa ainda tenta recuperar da época de ouro onde o clube venceu 7 ligas de forma consecutiva. Para isso, a direcção do Lyon decidiu que a estabilidade seria o melhor caminho a seguir para que o clube volte a vencer ao nível interno e consiga voltar às grandes exibições na Champions.

Ao nível da política de contratações, o Lyon deixou de comprar e passou a lançar mais jovens da sua formação na sua equipa principal.

Ao nível de saídas, o Lyon livrou-se de alguns excedentes que se encontravam no seu plantel. César Delgado voltou ao México para representar o Monterrey, Pape Diakhaté voltou ao Dinamo de Kiev e o guarda-redes Hartlock foi dispensado.
Por outro lado não recusou a proposta de 10 milhões do Málaga pelo armador de jogo Jeremy Toulalan.

Entraram Bakary Koné, Yoanis Tafer (deverá ser o seu ano de afirmação no Olympique Lyonnais) o central Seguin também regressou de empréstimo ao Dijón e pela sua qualidade (internacional sub-21 francês) deverá constituir-se como uma opção para uma defesa do Lyon que ainda continua a viver do Brasileiro Cris. O Ganês John Mensal também foi contratado ao Sunderland.

Juntam-se a uma equipa recheada de talento cujas apresentações são dispensáveis: Hugo Lloris (longe de compensar os 7,5 milhões pagos pelas suas contratações e os créditos com que entrou em Lyon) Cris, Dejan Lovgren, Anthony Reveillère, Aly Cissokho, Kim Kallstrom, Miralem Pjanic, Ederson, Michel Bastos (voltou a não sair de Lyon) Yoann Gourcouff, Lisandro Lopez, Bafetimbi Gomis e Jimmy Briand para além das mais recentes coqueluches da formação “Lionesa” casos do internacional sub-21 Português Anthony Lopes, do lateral direito Lamine Gassama, do médio-centroala Grenier, do trinco Gonalons, Enzo Real, Alexandre Lacazette e Ishak Belfodil.

Evian

Recém-promovido à Liga. Terá muitas dificuldades em manter-se no primeiro escalão do futebol francês, apesar de nas fileiras um avançado como o veteraníssimo Sidney Govou. Recebeu por empréstimo o Dinamarquês Daniel Wass do Benfica.

Lorient

Perdeu alguns jogadores interessantes da boa campanha que fez na época passada. Mesmo assim, os laranjinhas partem com o objectivo expresso assente numa época tranquila e quiçá numa gracinha nas Taças.

Saíram jogadores importantes como Kevin Gameiro (PSG) Morel e Amalfitano (Marselha) Sosa (Boca Juniors) e o avançado internacional sub-20 Gaulês Gilles Sunu, que regressou ao Arsenal após empréstimo.
Nas contratações, o Lorient apostou em alguns jogadores conhecidos do público Português: o lateral-direito Pedrinho da Académica e Lucas Mareque, lateral-esquerdo argentino que passou pelo Porto e que jogava no Independiente da Argentina. Entre as outras contratações importantes juntam-se Julian Quercia, o argentino Gabriel Penalba e o avançado Jeremy Aliardere.

Montpellier

John Utaka – O Nigeriano é claramente a maior estrela deste Montpellier.

Equipa que se tem destacado nos últimos anos na Ligue, após algumas épocas difíceis pelos escalões secundários do futebol francês.

O Montpellier não é um candidato às competições europeias, mas no entanto tem uma equipa que pode surpreender e com um bocado de sorte nos resultados poderá alcançar um lugar europeu. Facto que o comprova é o 1º lugar isolado à 3ª jornada com vitórias.

Ao nível do defeso, o Montpellier viu o central Bósnio Spahic rumar ao Sevilla, tendo contratado o central brasileiro Hilton para colmatar a saída do Bósnio. De resto, os responsáveis técnicos e directivos da equipa do Sul de França não decidiram mexer muito na espinha dorsal de uma equipa que conta desde logo com um excelente guarda-redes (Geoffrey Jourdren) que já foi convocado para a selecção gaulesa e já despertou a cobiça de poderosos clubes europeus como o Milan ou a Juventus e a comparação a Sebastien Frey, o lateral direito Garry Bocaly (ex-internacional sub-21 pela França), o camaronês Henry Bedimo, o defesaala esquerdo Chileno Marco Estrada (um jogador muito interessante na minha opinião), os médios Lacombe (contratado ao Mónaco) Pitau e Cabella, e o Nigeriano John Utaka (um extremo muito veloz que já brilhou no Portsmouth de Inglaterra, que gosta de ganhar a linha em velocidade e acaba por ser um bom finalizador).

Sochaux

Pouco posso dizer sobre esta equipa.

Saiu o defesa Jacques Faty para o Sivasspor da Turquia. Faty, enquanto internacional sub-21 pela França era considerado uma das grandes promessas do futebol mundial. Não confirmou as suas credências e o seu irmão mais novo (Ricardo) vai pelo mesmo caminho. O avançado Nigeriano Brown foi para o Dinamo de Kiev e o avançado Vaclav Sverkos decidiu voltar à República Checa.
Sem contratações de grande destaque, o Sochaux contra nas suas fileiras com o defesa Brechét (formado em Lyon, destacou-se vários anos ao serviço do Olympique) o central Damien Perquis, o médio brasileiro Carlão e o avançado português Rafael Dias.

Olympique de Marselha

Didier Deschamps volta a ter o Marselha na máxima força para encarar o objectivo do título.
O defeso em Marselha ficou marcado por muitas saídas e muitas entradas, por muitos desejos e por muitas coagitações.

Ao nível das saídas e entradas:
– Saíram em relação à época passada Taiwe Taiwo para o Milan como se esperava desde Janeiro, aquando da rejeição do central Nigeriano em assinar renovação de contrato com o clube Marselhês. Taiwo executou uma enorme novela quanto ao seu futuro. Foi dado como certo no Benfica, no Sporting, no Real Madrid e acabou no Milan onde terá a concorrência no flanco esquerdo de Emanuelson, contratado ao Ajax no passado mês de Janeiro.
Quem também acabou contrato com a turma Marselhesa foi o central Heinze, tendo o argentino rumado para a AS Roma. O central Brasileiro Hilton foi para Montpellier, depois do pouco espaço no plantel que Deschamps lhe reservou. Aos 32 anos e depois de muitas épocas no clube, o médio Abriel também decidiu ir para Nice. O veterano trinco Edouard Cissé também foi para Auxerre.

A presença de Lucho González no plantel Marselhês continua a ser uma incógnita. Primeiro, existiu um rumor que o jogador pretendia voltar ao Porto. Com a entrada de Villas-Boas no Chelsea, o técnico português deverá ter pedido o internacional argentino e falou-se da hipótese deste rumar a Londres por uma verba a rondar os 8 milhões de euros com a cedência em definitivo e e em regresso ao clube do Costa-Marfinense Drogba. Drogba terá rejeitado voltar a Marselha.
Isto implicou a entrada de clubes italianos no concurso do argentino. A Roma anda de olho e pretende concluir o negócio. O Porto também está atento ao argentino caso João Moutinho seja contratado até ao fecho do mercado.

Ao nível de entradas, o Marselha contratou Amalfitano e Morel ao Lorient, o defesa senegales Bow ao Cannes, o jovem central Camaronês Koulou e o experiente Djimi Traoré ao Mónaco e o experiente trinco Alou Diarra ao Bordéus.

Permanecem no plantel o guarda-redes Mandanda, os defesas Cesar Azpiculeta (algo azarado na primeira época de Marselha) Souleymana Diawara e Fani, os médios Cheyrou, Charles Kaboré, Stéphane Mbia, Lucho e Mathiew Valbuena (médio ala direitoesquerdo que teve muito perto de assinar pelo Arsenal) e os avançados Gignac, Loic Remy, e os avançadosextremos André e Jordan Ayew.

Dijon

Recém-promovido.

Desconheço quase por completo esta equipa, como devem compreender.

Conheço apenas alguns nomes como o central Costa-Marfinense Meité (ex-Marselha) o Japonês Matsui (já foi apontado ao Sporting), o médio centro Younoussé Sankharé (não vingou no PSG, é um esquerdino bastante interessante e Freddy Drogba, irmão mais novo de Didier Drogba.

O Dijon é portanto uma equipa que irá procurar a manutenção. Terá um campeão duro.

Bordéus

Yoann Gouffran, em luta com Taiwe Taiwo na imagem.

Muitas saídas sem afectar a qualidade da equipa. Quem acabou por sair deste Bordéus de Francis Gillot acabaram por ser aqueles que não tem espaço no plantel.

Falo portanto do veteraníssimo guarda-redes Ramé (rumou ao Sedan da 2ª divisão quiçá para terminar carreira) o médio de 30 anos Fernando (foi para a Arábia Saudita) assim como o ala esquerdo Wendel, o médio Pierre Ducasse foi para Lens, o defesa Sané para Nancy e depois de uma passagem frustrada por Bordéus onde o argentino apenas rendeu no ano do título, Fernando Cavenaghi foi dispensado para o River Plate, clube de origem. Alou Diarra rumou a Marselha

Ao nível de entradas, o médio Belay (ex-Sochaux) o jovem médio polaco ex-Reims Krychowiak e os médios Abdou Traoré, o Sertic e N´Guemo juntam-se a uma equipa que conta com nomes como Cedric Carasso, os defesas Michael Ciani (gosto bastante da elegância deste central e Ciani faz também questão de ser um central goleador) Henrique, Lamine Sané (algo irregular mas demonstra talento) Savic, Chalmé, Planus e Tremoulinas, aos médios Khalfalla e Plasil (o meio-campo do Bordéus é praticamente novo) e os avançadosextremos Henry Saivet (será este o ano da confirmação?) Jussiê, Bellion (a cair em desgraça no futebol francês após sucessivos empréstimos por parte do Bordéus) e Emiliano Sala, jovem argentino que já passou pelas camadas jovens do FC Porto.

Brest

Mais uma equipa semi-desconhecida no que toca a potencial.

Sei que fizeram uma época muito interessante na época passada e dispõe de alguns bons atletas no seu plantel como é o caso de Johan Hartlock (guarda-redes contratado ao Lyon) Jonathan Zebina (defesa direitodefesa central que já passou pela Juventus e foi contratado pelo Brest ao Bréscia de Itália) o argentino Gentilleti (contratado ao Boca) e os centrais Daf (internacional pelo Senegal; central de raiz que também actua perfeitamente como trinco) Coulibay e o marroquino Ahmed Kantari, jogador formado no PSG que apenas está a vingar em Brest.

Na frente, 4 razoáveis dianteiros: o israelita Ben Basat, o conacri Larsen Touré, o Togolês Ayité e o Francês Poyet.

Auxerre

Claramente uma das melhores escolas de formação do futebol francês. De todos os clubes presentes nesta liga, o Auxerre é claramente o clube que formou mais atletas franceses directamente para os grandes clubes da europa e para a própria selecção gaulesa.

Nos últimos anos, a lista de jogadores formados no Auxerre que conseguiram chegar à selecção é vasta e acima de tudo, caso estes atletas voltassem ao clube de formação, o Auxerre seria um sério candidato ao título. Senão, ora vejamos: Phillipe Méxés, Jean-Alain Boumsong, Djibril Cissé, Bacary Sagna, os irmãos Cheyrou são alguns dos exemplos de jogadores formados na equipa que um dia foi comandada pelo histórico Guy Roux, talvez o treinador com o record de mais tempo num único clube em todo o planeta.

Depois de bons resultados nas épocas anteriores (o Auxerre voltou a disputar o playoff de acesso à liga dos campeões na época passada depois de na última participação na competição ter eliminado na época 20022003 o Boavista) o Auxerre volta à competição com os olhos postos num lugar europeu. De facto, a turma comandada agora por Laurent Fournier (antigo internacional Francês cuja carreira passou por bons clubes como PSG, Lyon, Marselha e Bordéus) tem capacidades de chegar à Liga Europa, apesar das saídas de relevo que sofreu nesta época de transferências.

Qualquer equipa que faça boa campanha na Liga Francesa (caso do Auxerre) terá muitas dificuldades em segurar os seus atletas. É o caso claro desta turma francesa que este ano viu sair o extremoavançado esloveno Birsa para o Génova (Birsa é um jogador bastante versátil e vai-se dar muito bem em Génova) Benoit Pedretti para o Lille e Mignot para o Saint Ettiène. Três peças fundamentais que Fournier substituiu por alguns jogadores jovens onde se destaca o israelita Ben Sahar, contratado ao Espanhol de Barcelona, que já na época passada o tinha emprestado ao Hapoel Telaviv e o veterano Edouard Cissé.

Dennis Oliech – O Queniano é a principal estrela deste Auxerre e pertence à melhor fornada de jogadores do país, em conjunto com jogadores como McDonald Mariga (Inter) Patrick Osiako (Mjallby da Suécia) Patrick Oboya (Banik da República Checa) Roberto Mambo Mumba (GIF Sundsvall da Suécia) Ekhelie (IFK da Finlândia) George Odiahmbo (Randers da Dinamarca) e George Situmba (TiranaAlbânia) Arnold Otieno (MossDinamarca) Adam Shabban (NybersgundNoruega) Victor Wanyama (Celtic de Glasgow) e Taiwo Atieno (Stevenage de Inglaterra). Em jeito de curiosidade, o futebol queniano tem mais atletas a jogar em clubes europeus, alguns de renome, casos do Inter, do Auxerre e do Celtic.

No plantel de Laurent Fournier, transitam da época passada o defesa direito Hengbart (um jogador bastante interessante que despontou tarde para o futebol francês) o Suiço Grichting, os centrais Coulibaly e Sidibé e o defesa-esquerdo Berthod.

No meio-campo, a ausência de Pedretti será suplantada pelas contratações, pelo polaco Dudka, pelo marroquino Chafni (o criativo desta equipa) e pelo burkina faso Alain Traoré.
Na frente, Fournier poderá contar como Anthony Le Tallec, Rudy Haddad, Ben Sahar, Dennis Oliech, Yaya Sanogo (jovem jogador que pertence à nova geração de promessas do futebol francês) e Issam Jemaah, sendo que todos estes jogadores tanto podem actuar na frente como nas alas, permitindo o esquema de 4x3x3 simples a Fournier.

Ajaccio

Alguns nomes interessantes resultantes de contratações da equipa para este época e pouco mais. Entre eles, o internacional Mexicano Guillerme Ochoa, guarda-redes muito hábil e algo excêntrico que já esteve na mira do Real Madrid mas acabou em França na equipa da ilha autónoma da Córsega devido a um escândalo de doping no méxico onde acusou positivo. De resto, destaque para o médio internacional pela Argélia Medjani (um box to box muito forte fisicamente que merecia uma oportunidade num clube de maior dimensãoformado nas escolas do Liverpool) e para o experiente ponta de lança Ilan, jogador que há muitos anos actua em França com passagens por Saint Ettiène, Sochaux e fora de frança pelo Paraná, São Paulo, Internacional de Porto Alegre, West Ham e Atlético Paranaense.

Nancy

Outra equipa que terá muitas dificuldades para se manter.

Dois razoáveis guarda-redes: Gregorini e Guy Assembé, guarda-redes suplente de Kameni na selecção dos camarões.
Na defesa, destaque para o Brasileiro André Luiz e para o marroquino Chretien (capitão de equipa).
No meio-campo, as referências são Pascal Berenguer e Jonathan Brisson, jogadores que fizeram toda a carreira no Nancy.
Na frente, o camaronês Bilé é o homem dos golos em conjunto com Youssouf Hadji (irmão de Moustapha Hadji, jogador que jogou nos anos 90 pelo Sporting).

Valenciennes

Idem aspas no que foi dito acerca das últimas equipas.

O Valenciennes conta com Julien Penneteau na baliza. Penneteau foi internacional sub-21 e era considerado em França o titular mais que certo dos “Bleus” para esta década. Penneteau não conseguiu provar as credenciais que lhe eram apontadas mas não deixa de ser um interessante guarda-redes para o Valenciennes, modesto clube que tentará fugir da despromooção.

Destaque também para o talentoso médio internacional Colômbiano Carlos Sanchéz, médio volante que relança a carreira em Valenciennes após uma experiência falhada no Olympiakos da Grécia.

Nice

Apesar do mau arranque de campeonato, os responsáveis do Nice esperam uma época tranquila em que a manutenção seja atingida cedo.

Muitas nacionalidades numa equipa que conta com:
– o jovem internacional Colombiano David Ospina na baliza. Deverá ser o novo Lloris visto que tem mais que talento para render no Nice e saltar para um clube de maior dimensão
– os defesas Fabian Monzon (ex-Boca) Kevin Gomis (ex-Naval) Jonathan Quartey, Mabiala e François Clerc (internacional Francês que representou o Lyon durante várias épocas)
– no meio-campo, a experiência e veterania faz-se sentir com Fabrice Abriel, David Helleybruck, Camel Meriem e Didier Digard, que apesar dos 25 anos já jogou no PSG e Middlesbrough.
-na frente do ataque, Anthony Mounier é a principal referência. Este avançado de 23 anos formado nas escolas do Lyon continua a ser um jogador que prometeu muito mas ainda não conseguiu dar um salto qualitativo na sua carreira. Veio para Nice no pacote Lloris.

PSG

Javier Pastore é claramente a maior contratação dos Parisienses e sem dúvida um dos jogadores que fez agitar o mercado de transferências esta época.

Renovado PSG rumo ao título, dizem os Franceses. Desde que o Sheik Bin Hamad Al Thani tomou conta do clube parisiense, os adeptos do PSG só pensam no título Francês e no pontapé na crise de resultados que abala o clube há muitos anos, não obstante do facto de sempre ter contratado jogadores de qualidade a preços exorbitantes como foi o caso de Marcello Gallardo, Ronaldinho Gaúcho e Pauleta.

O sheik não olhou a meios para reforçar o plantel às ordens do jovem técnico Anthony Koumbouaré. Muitas foram as contratações de qualidades executadas pelos parisienses: Javier Pastore custou 43 milhões e veio do Palermo, o luso-gaulês Kevin Gameiro veio de Lorient com a promessa de golos, o extremo talentoso Jeremy Menez vem da Roma, o possante médio Matuidi do Saint Ettiène, o defesa Bisevac do Valenciennes, o guarda-redes Sirigu do Palermo e Sissoko vem da Juventus para muscular o meio campo dos Parisienses.

Apesar da pequena fortuna gasta em contratações, o PSG foi buscar excelentes futebolistas e até se poderá dizer que tem o melhor meio-campo da Liga.

Em especulação para reforçar o ataque continuam Bendtner e o argentino Diego Milito. O jogador do Inter terá recusado a mudança para os parisienses, mas o dinheiro do Sheik poderá falar mais alto na hora da decisão do argentino.

De saída, estão Giuly (volta ao Mónaco para terminar carreira, o guarda-redes Armeno Epoula Adel vai jogar para Israel, Younousse Sankharé para Dijon e o ala esquerdo Jeremy Rothen vai para Bastia terminar a carreira à semelhança de Giuly depois de ter sido contratado ao Mónaco com a promessa que seria aquele que iria resolver grande parte dos problemas do PSG e acabou por não render aquilo que se esperava nas épocas que passou em Paris.


Aos 21 anos, Mamadou Sakho revela-se como a grande promessa francesa para a posição de central. Alto, possante, duro, com um posicionamento interessante e forte no desarme.

No plantel parisiense, continuam o lateral-direito Ceará (5ª epoca no clube) o central Zoumana Camará, o lateral-esquerdo Sylvain Armand, o extremo Nênê, o médio versátil Mathieu Bodmer, o centro-campista Chantome e os avançados Luyindula, Hoarau e Erdinç.

Anthony Koumbouaré tem portanto matéria-prima para poder chegar ao título na Ligue 1.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,