Tag Archives: Barcelona

tudo ao molho e fé em deus

roquette

a sondagem do Jornal Record dá a vitória a Bruno de Carvalho no acto eleitoral do sporting. o fim da era croquette. aleluia.

neste mês e meio que passou entre a demissão da actual direcção do clube e o acto eleitoral, preferi, à excepção de um ou outro apontamento, manter o silêncio para ver o desaguar dos acontecimentos. não posso dizer que fico feliz pela vitória de Bruno de Carvalho porque fico. dos 3 candidatos, acho sem dúvida que Bruno de Carvalho era, à partida, depois de ponderar bem o programa das 3 listas a sufrágio, o candidato mais sensato para ocupar a presidência (e a presidência da SAD como o próprio manifestou em entrevista à RTP Informação nos últimos dias). porém decidi embarcar no silêncio, porque de botabaixismo já se encontravam cravadas as páginas dedicadas pelos jornais às ditas listas.

a confirmar-se a eleição de Bruno de Carvalho, fica reposta a vergonha que se deu lugar no último acto eleitoral para a direcção do clube em que por via do actual sistema eleitoral do sporting, o voto qualitativo por antiguidade de associado deu na altura a vitória a um Godinho Lopes sufragado por menos sócios que Bruno de Carvalho.

dos 3 candidatos, Carvalho era aquele que para mim satisfazia com melhor discurso e com melhores ideias aquilo que se precisa para o sporting. mais sensato, mais ponderado nas suas afirmações e nas habituais revelações de nomes e investidores para o clube e para a SAD, Carvalho mostrou nestas últimas semanas ser o candidato que afiança a promessa de maior rigor para a gestão desportiva e financeira do clube e da SAD e mostrou que é o candidato com melhor conhecimento daquilo que é a realidade do sporting, daquilo que o sporting precisa de ser no futuro e das estratégias que o sporting precisa para voltar a ser aquilo que já não é desde 2009 para cá: uma grande instituição da vida portuguesa.

de josé couceiro não esperava muito mais do que ser a continuidade da dinastia croquette no clube. não esperava mais do que um programa pouco ambicioso, resultante de uma dinastia de presidentes que afundaram o sporting tanto a nível desportivo como a nível financeiro, que empurraram o futebol do sporting para fora dos 3 primeiros da liga, que alienaram todo o património que o clube e a SAD detinham, que empurraram o sporting para uma posição de subserviência a outros grandes do futebol português, que empurraram o sporting para um lugar de menor relevo no panorama das modalidades, que empurraram o sporting para uma posição de subserviência à banca credora do clube e que consequentemente, empurraram o sporting para uma profunda posição de gozo entre a sociedade portuguesa que passou a tratar o sporting como autêntico lixo em vez de tratar o sporting como aquilo que ele é: uma instituição secular, que tira muitas crianças dos maus caminhos para a prática de uma modalidade desportiva, que os torna homens e que tem uma história riquíssima e ímpar, tanto em Portugal como no mundo, de vitórias nacionais e internacionais.

na análise à candidatura de carlos severino apliquei o ditado “de espanha nem bom vento nem bom casamento” – severino apareceu como o um daqueles cromos repetidos que costumam aparecer nos actos eleitorais do clube leonino. sem noção de realidade da casa, sem noção de como se gere um clube, sem noção de mais do que alimentar um puro protagonismo durante um mês. prova disso foi a cartada final da candidatura de severino que previa um acordo de parceria com a fundação cruyjff, que por si, já tinha escrito nas entrelinhas uma jogada de bastidores que iria delapidar a jóia da coroa do futebol de alvalade que é a formação. se carlos severino tivesse sido eleito do clube, sabendo das relações entre o técnico holandês actual seleccionador da selecção da catalunha e o FC Barcelona, qualquer ignorante com dois palminhos de testa saberia do que se estava ali a alinhavar. como os sportinguistas não tem memória curta, nem é preciso recuar muitos meses no passado para perceber que a direcção de Godinho Lopes cometeu um atentado no passado verão ao deixar sair dois dos mais promissores jogadores da cantera do sporting (os internacionais sub-20 Agostinho Cá e Edgar Ié) para o Barcelona a troco de 2 milhões de euros. com severino e cruyjff metidos ao barulho, quantos mais poderiam sair no futuro para a catalunha caso o candidato tivesse sido eleito.

por falar em vendas, o sporting já confirmou a venda de Ricky Van wolfsinkel aos ingleses do Norwich por 10 milhões de euros. a história dos fundos e das vendas de percentagens dos passes dos jogadores do clube aos fundos fará com que o sporting não receba grande parte da verba. o que eu não consigo perceber é o seguinte aspecto: como é que uma direcção demissionária e consequentemente em mandato de gestão até novas eleições tem o poder de vender um importante activo da SAD a poucos dias das eleições que irão constituir um novo presidente e um novo alinhamento na SAD?

Anúncios
Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , ,

sportinguices

Luis Freitas Lobo com Bruno Carvalho: vamos ter a poesia de Homero a cada drible de Carrillo e a filosofia de Espinoza a cada defesa de Patrício. Carlos Severino com uma empresa de Johan Cruyjff para potenciar a academia. Ou melhor, para fazer o que esta direcção cessante fez com os passes de Agostinho Cá e Edgar Ié, dois jogadores promissores da cantera leonina que rumaram a Barcelona a custo do pagamento de salários em atraso do plantel principal. Do Peyroteu não falo. Toda a gente sabe o que é ele anda lá a fazer. Os próprios métodos que a sua campanha utiliza para limpar adversários são sobejamente conhecidos pela sua utilização noutros candidatos (vencedores presidentes) da dinastia. Há momentos no Sporting em que o algodão não engana… Ganhe o que ganhar (todos sabemos que quem vai ganhar é José Couceiro) tudo no feudo de Alvalade continuará igual… ou pior!

Com as etiquetas , , , , , , , , , ,

Crudeli, take 851

Ontem tinha um rival a torcer pelo Barça…

Com as etiquetas , , , , , , ,

no Santiago Bernabeu

jordi alba

O gesto pouco ortodoxo de Jordi Alba aquando do golo de Lionel Messi junto à claque do Real Madrid (Ultra Sur)

Com as etiquetas , , , , , ,

clássico (III)

imprensa

imprensa 2

imprensa 3

Sem dúvida a melhor aposta de sempre. O site de apostas espanhol Beticious  que por acaso já me tinha brindado com a aposta mais ridícula de sempre (até ontem) decidiu lançar uma bet sobre quem irá à sala de conferência de imprensa por parte da estrutura do Real Madrid fazer o rescaldo do clássico de hoje do futebol espanhol (15h na Sporttv). De realçar o humor dos administradores do site ao colocar a hipótese de tal antevisão ser realizada por personalidades como: Esperanza Aguirre (presidente do governo regional da Comunidade Autónoma de Madrid e actual opositora interna de Mariano Rajoy no Partido Popular Espanhol; célebre em Maio de 2012 pela proposta que entregou no parlamento regional madrileno aquando da disputa da final da Taça do Rei entre Barcelona e Athletic de Bilbao que visava proibir os adeptos das duas equipas de entrarem no Vicente Calderón com bandeiras que não a Espanhola) o Papa Bento XVI (penso que seria difícil visto que está em cativeiro desde ontem!!) o vocalista dos U2 Bono e até o princípe real Inaki Urdangarin que como se sabe foi um antigo jogador internacional espanhol de andebol na década de 90 e se destacou ao serviço do Barcelona.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

curioso

Esperanza Aguirre

Esperanza Aguirre, o PP (Partido aos Pedaços) Espanhol e a regeneração “democrática”. Aguirre sabe do que fala. Aguirre é a dita senhora que, enquanto Presidente da Comunidade Autónoma de Madrid, lembrou-se, a propósito de uma final da Taça do Rei disputada entre Athletic de Bilbao e Barcelona (em Maio passado) no Vicente Calderón (Estádio do Atlético de Madrid) de propor um decreto legislativo regional que visava colocar a polícia madrilena em vários checkpoints em redor do estádio para impedir que os adeptos dos dois clubes pudessem entrar no estádio com bandeiras que não a espanhola. A proposta acabou por não ir para a frente. No jogo em causa, os adeptos dos dois clubes não só não cantaram o hino espanhol como o assobiaram, obrigando inclusive a TVE a cortar os assobios que vinham da bancada na sua transmissão. Dito isto, Aguirre é uma dirigente que está bem por dentro daquilo que se pode considerar como “regeneração democrática”. Num país onde o separatismo armado deu lugar a uma euforia auto-determinista por parte das 2 regiões, não deixo de anotar o mau prenúncio para o estado espanhol caso esta senhora consiga derrubar Mariano Rajoy nas próximas eleições pela liderança partidária.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , ,

clássicos (de fim de noite)

Um hino ao futebol! Camp Nou, quartos-de-final da Copa do Rei 1996\1997. Eu vi este jogo em directo na TVI. Graças à minha mãe que me deixou ficar acordado até às 11 da noite para poder ver até ao fim. E ainda bem que deixou visto que foi um daqueles jogos que era capaz de alegrar uma criança de 9 anos num tempo em que o futebol que vinha de fora era escasso no país.

Barça de sonho com jogadores como Vitor Baía, Busquets (2º guarda-redes; pai de Sérgio Busquets), Albert Ferrer, Pep Guardiola, Fernando Couto, Luis Figo, Giovanni (que pés magníficos tinha este brasileiro) Sergi (o melhor defesa esquerdo que alguma vez vi jogar; era uma locomotiva a fazer todo o flanco e tinha uma capacidade de cruzamento que só vi anos depois, no lado direito no Paraguaio Arce), Zubizarreta (3º guarda-redes, anos mais tarde titular da selecção espanhola quando já actuava no Valência), Robert Prosinecki (outro dotado com uns pés do outro mundo; no entanto as lesões haveriam de lhe estragar a carreira), Hagi (outro daqueles que colocava a bola onde queria), Hristo Stoichkovic, Luis Enrique, Guillermo Amor, Miguel Angel Nadal (tio do tenista Rafa Nadal), Albert Celades, Abelardo, Pizzi e Jordi Cruyjff (que não deu nada), Ivan De La Peña e a estrela da companhia, Ronaldo O Fenómeno. Indiscutivelmente um dos melhores planteis de sempre da história do futebol.

Atlético de Madrid na ressaca do furacão futre mas no expoente da era Gil y Gil. Uma equipa que lutava pelo título e ombreava taco-a-taco com as duas superpotências do futebol espanhol. Jogadores como José Molina, Santi (um defesa central que passou praticamente despercebido aquela geração mas que ainda chegou a ser convocado para a Roja), Geli (um central muito forte fisicamente), Vizcaíno, Pantic, Diego Simeone (que saudades de o ver jogar!!) Aguilera e Caminero (a dupla de médios ofensivos da selecção espanhola de então), Bejbl, Quinton Fortune (antes de Manchester), Biagini, Ezquerro (extremo da selecção espanhola), Esnaider (anos depois seria contratado pelo Porto não tendo grande sucesso na sua passagem pelo clube da Invicta) e Kiko, anos a fio o colega de ataque de Raúl ou Morientes na Roja. No banco, Radomir Antic.

Meia-hora de terror para Couto e Baía. O Barça perdia por 4-0 e sofria uma humilhação frente ao Atlético. Baía tinha sido contratado por 5 milhões de euros (1 milhão de contos!!) ao Porto, sendo na altura o guarda-redes mais caro da história do futebol. Metia água por todos os lados a cada vez que a bola cercava a sua área. Dá-me uma nostalgia ao ver estas imagens. Nessa meia hora, Kiko e Pantic fizeram o que quiseram de Couto e Nadal. Na 2ª parte, foi o que foi. Não tenho palavras para descrever o rolo compressor da equipa orientada por Sir Bobby Robson (com Mourinho como adjunto) com De La Pena, Sergi, Figo e Ronaldo a encetar a reviravolta. Para ver e rever. Ainda bem que o youtube ainda tem destas reliquias. São património da humanidade.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

notas sobre o superclássico

1. Impressionou-me o Piqué pelas três certinhas que tirou ao Ronaldo.

2. Meteu-me impressão o Ricardo Carvalho pelo estado lastimável em que se encontra. Mal fisicamente, mal colocado, uma aposta de risco de Mourinho fruto da escassez que o Real atravessa ao nível de centrais.

3. Varane, não pelo golo mas sim por ter feito o seu trabalho e o de Ricardo Carvalho. Já escrevi aqui e volto a escrever que será o melhor central do mundo da sua geração.

4. Modric. Ter saído de Londres foi um erro crasso que futuramente será pago. O Madrid é o clube mais profícuo do mundo a destruir grandes carreiras.

5. O Daniel Alves e o Busquets continuam a dar lenha no Ronaldo como se não houvesse amanhã e a reclamar com o árbitro como se ainda tivessem razão.

6. A falta que faz um Falcao num ataque como o do Real Madrid.

7. Creio que no último lance do jogo Carles Puyol corta o remate de Sami Khédira com o braço.

8. Messi fez o que quis e só não fez mais porque ainda existia um Varane implacável pela frente, Ronaldo esteve perdulário.

9. Diego Lopez cumpriu aquele que vai ser o seu primeiro e único jogo pelo Real Madrid. Amanhã será apresentado outro guarda-redes no Bernabéu de nome Rui Patrício.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

hoje

hoje

fonte: Marca

Recomeça hoje em Espanha o julgamento do médico Eufemiano Fuentes, médico envolvido no maior escândalo de doping até hoje revelado. Fuentes vai começar hoje o seu testemunho.

É de relembrar que entre os clientes de Fuentes não estavam só ciclistas.

A lista famosa de clientes do médico da antiga ONCE e da Kelme incluía:

1. Ciclismo:

– Alberto Contador, Allan Davis, Joseba Beloki, Isidro Nozal, David Bernabéu, David Blanco, Eladio Jimenez, Ruben Plaza e o nosso Sérgio Paulinho (se bem que no exemplo destes 9 a justiça espanhola retirou-os dos ficheiros do processo por falta de provas de ligação com o médico mas alguns destes corredores, como é o caso de Contador já foram suspensos por uma ou mais que uma vez) Unai Osa, Michele Scarponi (dito em espanha como o “gerente\angariador” dos negócios de Fuentes em Itália). 

Alberto Contador, apesar de suspenso por 2 vezes sempre negou conhecer o Dr. Fuentes. A justiça espanhola retirou-o dos processos do caso mas eventualmente poderá inseri-lo novamente, estando essa condição dependente do que disser o médico. Alegadamente, Contador dopava-se segundo as ordens do médico quando estava na Discovery Channel.

– Marcos Serrano, Angel Vicioso, Francisco Mancebo, Constantino Zaballa, Alejandro Valverde (entretanto já suspenso por controlos positivos), Ivan Basso (já suspenso quando estava na Discovery Channel em 2007), Franck Schleck (admitiu em 2007 que transferiu 700 euros para uma conta de Fuentes mas negou qualquer envolvimento com o médico pois não prosseguiu o seu método, algo que ainda está por provar neste julgamento), Santiago Botero, Óscar Sevilla, Jan Ullrich (embora tenha dado positivo em 2006 a um teste feito ao sangue, sempre negou envolvimento com o médico espanhol), Michele Bartoli, Santiago Perez, Roberto Heras e Marco Pantani.

basso

Oscar Sevilla e Jan Ullrich chegaram a ser suspensos preventivamente em 2006 pela sua equipa de então, a T-Mobile.

ullrich

Nota de culpa de Franck Schleck:

Schleck

Apesar de ter dito que pagou a referida verba ao médico espanhol sem nunca ter usado os seus serviços e substâncias, o luxemburguês acusou xypamine, um diúrético muito usado na modalidade para expelir mais rapidamente substâncias dopantes pelo organismo em 2012.

– Tyler Hamilton, o mesmo que denunciou Armstrong na investigação da USADA. Pelo acordo que fez na justiça norte-americana no caso Armstrong, Hamilton não terá quaisquer problemas com a justiça norte-americana. No entanto, as autoridades espanholas investigam as suas ligações a Fuentes. Em causa está a época de 2003, onde o americano supostamente terá usado EPO, esteróides, transfusões de sangue,  hormonas de crescimento e testosterona durante 114 dos 200 dias da sua temporada. Alegadamente, o Norte-Americano contribuiu com 43 mil euros para o médico espanhol nesse ano. Nesse mesmo ano Hamilton fez 3º no Tour com uma prova “heróica”: caiu na primeira etapa,  fracturou a clavícula e ainda conseguiu o 4º lugar na geral, resistindo o mais que pode na alta-montanha a Armstrong e Ullrich.

– O antigo director desportivo da ONCE Manolo Saiz,
– O antigo director desportivo Vicente Belda.

Futebol:

O antigo ciclista da Kelme Jesus Manzano denunciou às autoridades espanholas que o Dr. Fuentes fazia visitas esporádicas aos balneários do Real Madrid e do Barcelona. O antigo presidente da FIFA Sepp Blatter chegou a dizer que estava na posse de documentos que o comprovavam. Nenhum dos rumores e testemunhos foi dado como provado até hoje. Em 2011, o Jornal Francês Le Monde também acusou a equipa catalã de promover uma rede de dopagem dentro das suas portas com a ajuda e monitorização técnica de Fuentes. A justiça espanhola não deu nenhuma das acusações do diário francês como provadas e o Barcelona pediu uma indeminização de 15 mil euros e um pedido de retratamento público do jornal.

Atletismo:

Ligações claras entre Fuentes e atletas olímpicos espanhóis desta modalidade.

Ténis:

Rafa Nadal também foi acusado de envolvimento neste escândalo. Recentemente, o seu colega de profissão Christopher Rochus acusou o espanhol e o sueco Roger Soderling do uso de substâncias dopantes.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Pogba e os erros de casting do Manchester United

Estava eu no outro dia no quentinho do meu lar a ver este jogo, quando este senhor (Paul Pogba) espeta dois balázios em cheio nas redes da Udinese. Dei por mim a pensar: “calma, este gajo veio do United”. Fui ao motor de busca e confirmei.

Deu-me que pensar.

Antes de mais, Paul Pogba é mais um diamante em bruto do futebol. Este Gaulês de 19 anos, nascido em Lagny-Sur-Marne (suburbios de Paris) e nascido para o futebol por via do Le Havre (a melhor escola de formação do futebol francês, dizem; a comprovar formaram jogadores com Ibrahim Ba, Pascal Chimbonda, Vikash Dhorasoo, Lassana Diarra, Anthony Le Tallec, Gael Kakuta ou Steve Mandanda) será (não tenho quaisquer duvidas em afirmar isto) o homem mais capaz para mandar no meio campo da selecção Francesa no futuro. Elegante, é uma mistura de John Obi Mikel (ao nível de técnica) com Patrick Vieira (força, desarme, resistência). Joga a 6. Tanto o vemos em tarefas defensivas como ofensivas. Dono de um recorte técnico invejável, é um bom médio de suporte (desenrasca-se muito bem tanto a passar quando a rapidez do jogo exige opções rápidas e eficazes como a driblar adversários) e tem um pontapé de meia distância simplesmente maravilhoso.

Já escrevi várias vezes neste blog que o departamento de scout do Manchester United é uma das pedras basilares do sucesso do clube, em particular, do sucesso de Sir. Alex Ferguson à frente do clube. No entanto, não deixo de notar que nos últimos anos tem existido algumas incongruências nesse sector, fruto de algumas decisões do treinador escocês.

Ora vejamos.

Paul Pogba foi contratado ao Le Havre em 2009, com apenas 16 anos, a custo zero numa transferência que deu que falar. Assim como a transferência de Kakuta para o Chelsea, o Le Havre queixou-se que o Manchester United aliciou o jogador e a família do jogador com dinheiro. O United afirmou na altura pela sua direcção que a mudança de Pogba se devia por razões estrictamente monetárias visto que o jogador não tinha qualquer contrato profissional assinado com o clube que actualmente está na Ligue 2. O Le Havre respondeu com uma queixa na FIFA (que chegou a impossibilitar o United de inscrever jogadores num período de 1 mês) e alegou que Pogba e família tinham vencimentos pagos pelo clube no valor de 87 mil euros anuais e uma casa oferecida pelo presidente. O Le Havre perdeu a causa e o United levou o jogador.

Pogba esteve cerca de um ano e meio a jogar pela equipa de juniores e pela equipa de reservas do clube inglês. Até que em Janeiro de 2012 fez a sua única aparição na equipa principal, num jogo da Liga frente ao Swansea. Como não treinava regularmente com a equipa principal, em Junho deste ano decidiu rumar a Turim para representar a Vecchia Signora, a custo zero, depois de Ferguson lhe ter implorado que ficasse em Manchester onde teria mais minutos de jogo na equipa principal. Na Vecchia Signora, segundo se sabe, recebe um ordenado de 100 mil euros mensais e é titularíssimo da equipa, mesmo apesar do meio campo da Juve ter soluções como Claudio Marchisio, Simone Padoin, Andrea Pirlo, Arturo Vidal, Luca Marrone ou Mauricio Isla.

A ironia. Um dos falhanços do Manchester na época passada foi precisamente o meio-campo. Carrick está na curva descendente da sua carreira, Fletcher é segurado por Ferguson sabe-se-lá porquê (talvez precise de alguém para falar o gaélico), Anderson pouco ou nada fez para envergar a camisola do United desde que chegou ao Porto e já vi Ferguson perder a cabeça por menos com jogadores mais bem cotados que o Brasileiro como foi o caso de Kléberson. Não restou outra opção a Ferguson do que adaptar o velho Giggs ao miolo e ir buscar Scholes aos campos de treinos das camadas jovens do clube. Esta época lá conseguiu disfarçar a coisa com a chegada de Cleverley e Kagawa ao clube, sendo que o primeiro é jogador da formação. Se Ferguson tivesse apostado em Pogba na época passada, quando sentiu plenamente que não tinha um trinco e um organizador de jogo, talvez o gaulês ainda envergasse a camisola red hoje.

Este não foi o primeiro erro de casting nos últimos 5 anos.

Segundo: Gerard Piqué.

No verão de  2004, com apenas 17 anos, Gerard Piqué chega a Manchester nas mesmas circunstâncias de Pogba: sendo costume do Barça lançar os jogadores na equipa B aos 15\16 anos, Piqué não vislumbrava grande futuro no clube catalão. Decidiu mudar-se para Manchester a custo zero devido ao facto de também não ter um contrato profissional. Depois de 4 anos em Inglaterra (interrompidos apenas em 2006\2007 onde o central foi emprestado ao Zaragoza) Piqué efectuou apenas 12 jogos pela equipa principal do clube inglês. O Barcelona apercebeu-se do valor do jogador e contratou-o por 5 milhões de euros. Hoje é o central de classe que todos reconhecemos e Ferguson mais uma vez ficou a perder pois mal Piqué saiu, Ferdinand foi violentamente fustigado por lesões e nunca mais recuperou lugar no onze do United de forma regular e o escocês não consegue formar uma dupla de centrais regulares no seu clube: Evans e Phil Jones foram flops, Chris Smalling teve um início de loucos em Manchester e custou muitos jogos e Nemanja Vidic também não tem actuado com a regularidade necessária para dar estabilidade à equipa fruto de sucessivas lesões.

Moral: Ferguson procura um novo central, dizendo-se por aí que neste momento negoceia Garay do Benfica.

Terceiro: Giuseppe Rossi

Este Italiano nascido em solo Norte-Americano, que recentemente se transferiu do Villareal para a Fiorentina (yeah!) saiu do Parma aos 16 anos em 2004 para o United a custo zero. Sendo apontado como a maior promessa jovem do futebol italiano, Rossi só fez apenas 5 jogos pela equipa principal do United. Saiu para o Villareal em 2007 por 10 milhões de euros depois de 5 jogos pela equipa principal do United e de dois empréstimos: um fracassado ao Newcastle (fez apenas 11 jogos e não marcou qualquer golo) e outro ao Parma onde em 19 jogos marcou 9 golos. No Villarreal, fez 136 jogos onde marcou 53 sendo preponderante na campanha que levou o clube à Champions (e à 2ª liga no ano seguinte!) em 2010\2011. Mais uma vez, Ferguson ficou a perder. Na época passada, Wayne Rooney esteve metade da época lesionado e Dimitar Berbatov estava em Manchester literalmente a ocupar espaço. Valeu ao escocês o achado Chicharito Hernandez, o homem que só sabe marcar golos ao 2º poste de baliza aberta!

Quarto: Ryan Shawcross.

Este central inglês nascido em Chester, resgatado aos 15 anos a um clube desconhecido (Flintshire Boys) em 2002, esteve dois anos nas reservas do United entre 2006 e 2008, não tendo feito qualquer aparição pela equipa principal. Pelo meio, foi emprestado 6 meses ao satélite belga do United, o Antwerp, onde, diga-se, também não fez grande coisa. Em 2008 saiu a custo zero para o Stoke, onde é implacável com os pontas-de-lança adversários. Chegou aos sub-21 de Inglaterra e é muito possível que em breve chegue à Old Albion. Mais uma vez Ferguson perdeu.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

e eu concordo

Final do Campeonato do Mundo de Clubes.

Corinthians vs Chelsea

Oscar é para mim o médio do futuro. Desde o mundial de sub-20 que já tinha esse estatuto. Ainda espreitei alguns jogos do Internacional de Porto Alegre para confirmar as dúvidas que me restavam. É, desde que sigo a Premier, o 2º brasileiro a assentar que nem uma luva no futebol de terras de Sua Majestade. O primeiro, pelas características óbvias e tão diferentes do Brasileiro comum foi Gilberto Silva. De características diferentes da do antigo internacional brasileiro que teve a sorte de um dia ser chamado por Scolari para um Campeonato do Mundo devido à lesão de Emerson (designado em Itália como O Velho), Óscar também ele tem características que não são comuns no típico médio canarinho: é simples e não opta pelo típico futebol rendilhado, tem uma técnica acima da média, é talentoso e eficaz no passe curto e no passe longo e remata com alguma eficácia de meia distância. Para o meio campo dos relvados ingleses, onde o futebol rápido e nem sempre bem jogado obriga a que os médios sejam soltos, rápidos e eficazes na distribuição de jogo, Oscar é peixe dentro de água.

Sabendo que não ia ser titular contra o Timão (deve-lhe ter saltado a tampa obviamente; apesar de ter vindo para o Chelsea do Inter, Óscar foi formado no São Paulo e só um São Paulino sabe o ódio que essa estirpe tem aos galinácios, vulgo, Corinthians) o médio brasileiro deverá ter dito acerca do seu treinador Rafa Benitez algo como “ele é louco” – e é de facto.

Há uns anos atrás, fruto das vitórias com o Valência na Liga Espanhola e Taça Uefa em 2004 (com muito mérito diga-se) e do Liverpool na Champions em 2005, Benitez era posto no pedestral de José Mourinho. O tempo veio a confirmar que o espanhol não faz sombra ao Português. Em nada. Há que relembrar os exitos de Benitez na premissa dos planteis do Valência de 2003\2004 e do Liverpool da época seguinte: autênticas máquinas de futebol. Com recursos, o futebol prova que tudo é possível.

Depois do sonho veio a desilusão. Benitez teve quase a fazer do Liverpool campeão (já não acontece desde 1991). Quase, não fosse o fantástico futebol do Manchester de Ronaldo. O modelo Benitez (muito parecido com o modelo Wenger só que executado apenas o recrutamento de jovens espanhóis esgotou-se) e com ele também se esgotou a paciência de um clube atolado em dívidas. Veio a era Gilette e Benitez, como qualquer treinador sem resultados, foi posto no olho da rua. Passados alguns anos, apanhou o restolho da era Mourinho no Inter. Como qualquer restolho deixado por Mourinho, Benitez não teve no Inter aquilo que nunca teve (Segundo os especialistas da bola) em qualquer clube por onde passou: mão-de-ferro. Ainda os jogadores campeões europeus do Inter de Mourinho choravam a saída do Português para Madrid e já Benitez era posto no olho da rua.

Veio o Chelsea. Campeão europeu em título. É certo que Di Matteo foi, até hoje, o mais improvável campeão europeu. Apanhou um Chelsea em ruínas depois da passagem do furacão Villas-Boas. Apanhou um Chelsea a meio de uma eliminatória europeu com um 1-3 servido no San Paolo em Napoli, onde, diga-se de passagem, o Chelsea levou um cheiro de bola tão grande que merecia ter saído da Bella Napoli não com 3 mas com 6. E na 2ª mão, com um Super Napoli (recordo-me do golaço apontado pelo Gokhan Inler) Di Matteo e os jogadores viraram uma eliminatória que 15 dias antes parecia perdida. Isto sem falar que depois do Benfica (onde o emblema da Luz fez tudo para merecer o apuramento), o Chelsea vai dar aquele recital táctico a Nou Camp para depois vencer o tão desejado sonho de Abrahamovic na final contra o Bayern.

Ainda no êxtase da vitória europeia, Abrahamovic deu condições ao técnico italiano e reforçou a sua confiança e plantel. O Chelsea tem de longe o melhor trio de médios do futebol britânico: Hazard, Oscar e Mata. E por detrás deste trio ainda existe um Lampard, que apesar da idade, ainda aparece de vez em quando para mostrar o velho Lampard do passado. Di Matteo, como se esperava, confirmou o lucky shot obtido pela champions e não teve unhas para tocar a guitarra que Abrahamovic lhe tinha dado. A paciência do Russo esgotou-se quando não devia e para o seu lugar contratou Benitez que em tantos jogos ainda não acertou uma. Moral da história: por mais mal que um campeão europeu se esteja a portar, é quase regra de ouro (ainda mais no futebol britânico) que o treinador campeão merece mais oportunidades daquelas que mereceu Di Matteo. Ainda mais, quando é substituído por um louco.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

queres ser presidente mas não te perdoamos o facto de não teres acabado a carreira no sporting

Figo admite. 

mas rui costa, quando o milan já não o queria porque sabia que as sucessivas lesões que tinha já não o deixavam render o esperado, não teve dúvidas e assinou pelo benfica. mal ou bem, voltou à casa mãe e cumpriu dois anos de contrato. despediu-se em pompa perante milhares de adeptos que sempre desejaram que o maestro voltasse a jogar na luz.

figo sempre admitiu que não estava nos seus planos voltar a alvalade. podia tê-lo feito quando o Real o dispensou. preferiu aumentar a fortuna no Inter.

e rui costa, encostado por Vieira na SAD do Benfica, continua a fazer aquilo que lhe dá mais prazer que é trabalhar\ajudar para o clube.

figo por sua vez saiu por meia dúzia de trocos para o Barcelona em 1995. rui costa por 1 milhão para a fiorentina. a diferença? figo é um indíviduo que só vê cifrões à frente. a carreira dele assim o provou. em 1995 saiu para Nou Camp por míseros tostões (comparando a sua transferência posterior do Barça para o Real em 2000) porque não quis renovar (era uma renovação fictícia para o clube o poder vender por uma verba superior) contrato com o sporting. rui costa renovou com o benfica e saiu pelo preço justo da altura. rui costa aguentou o máximo que pode na fiorentina e apenas saiu porque o clube estava inundado de dívidas e precisava urgentemente de o vender. em 2001, quando rui costa saiu para o milan, assinou uma renovação (fícticia, pois toda a gente sabia que teria que ser vendido) para a fiorentina poder receber 20 milhões de euros em vez de nada.

aposto em como a maioria dos sportinguistas não querem figo como presidente do clube. e eu sou um deles. atenção ao facto de sempre ter afirmado que Luis Figo era o meu ídolo de infância. e aposto também como 100% dos benfiquistas votavam em rui costa em alternativa a vieira.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , ,

uma das coisas mais lindas que vi em toda a minha vida no mundo da bola

como diria o meu grande amigo Mário Limbado “Iniesta com a bola coladinha aos pés como se tivesse manteiga”.

ainda no outro dia disse ao meu amigo Zé Valente que é este Iniesta que dá o toque de desiquílibrio a este Barça. existem messis e xavis é certo. mas este Iniesta é inquietante, é pulsante, é apaixonante. aquelas voltinhas e reviengas são delícia aos olhos de qualquer amante do futebol.

Com as etiquetas , , , , ,

isto sim é inacreditável

955 passes!

Eu costumava gozar com o futebol do Barcelona afirmando que quando tinha insónias via um jogo contra o BATE Borisov na edição da Champions 2010\2011 que tinha gravado na minha box de tv cabo em que basicamente era o Barcelona contra 11 pobres Bielorussos que não tocaram na chicha. Nesse jogo os catalães fizeram se não estou em erro 77o passes. Isto é demais. Dá uma média de 110 passes por minuto de jogo, mais se considerarmos 70 minutos o tempo de jogo útil de uma partida.

mas… perderam…

Muito graças a este senhor: Victor Wanyama. O 3º talento do Quénia no futebol europeu, depois de McDonald Mariga (Inter) e Dennis Oliech (Auxerre). Mais um talento para ser delapidado. Aquele típico trinco africano cheio de pulmão que se adequará muito facilmente à Premier League dentro de pouco tempo.

No dia em que Rod Stewart chorou no Celtic Park Stadium com a vitória do seu clube, louros para o eterno Neil Lennon! O Celtic já tinha merecido sair de Nou Camp com o empate num jogo em que Samaras andou o verdadeiro diabo à solta. O futebol por vezes é injusto. Hoje foi justíssimo. 

Com as etiquetas , , , , , , , , ,

handball die besten

Laszlo Nagy (Veszprem KC\Selecção Húngara) – O Gigante Húngaro.

Acabei de ver o fim de um jogo da Liga dos Campeões de Andebol disputado entre os Húngaros do Veszprem e os poderosíssimos Alemães do Kiel e o fantástico lateral húngaro marcou 9 golos, quase tantos como 3 outros gigantes do andebol mundial actual que actuam do outro lado: Christian Zeits, Daniel Narcisse e o checo Philip Jicha.

Já era uma delícia ver este magiar jogar no Barcelona na última década. É uma honra ver uma carreira tão consistente que já dura há mais de uma década. A propósito da apresentação do seu campo internacional de treino de andebol para jovens, vejam este vídeo onde Nagy demonstra ser o melhor espectáculo que o andebol pode proporcionar:

Por falar neste campo internacional, este destina-se a jovens andebolistas com idades consideradas entre os 8 e os 17 anos que já se realizou por 4 vezes em El Vendrell (Espanha) em virtude do jogador ter representado o Barcelona. É provável que o Campus de 2013 se realize em território Húngaro.

Com as etiquetas , , , , , , , ,

Kobe diz que dentro de 3 anos joga no Barça

Eis o maior mentirosão da NBA!

Há uns anos atrás, quando estava acusado de violação a uma jovem, veio chorar a sua inocência à televisão. Acabou absolvido pelo tribunal.

Em 2007 afirmou querer jogar pelos Bulls. Acabou por renovar com os Lakers nesse mesmo ano.

Em 2010 afirmava que seria a última época na Liga, tencionando jogar em Itália no ano seguinte. Caiu em saco roto.

Em 2012 afirma que em 2015 jogará pelo Barça aos jornalistas do Sport. “Barça me encanta más que Madrid…” – obviamente que tirou partido da situação para gozar com os jornalistas catalães que ficaram todos tolitos com a ideia. Com um bocadinho de sorte, ainda vem também o Steve Nash para dar uma perninha.

Com as etiquetas , , , , , , , ,

Quem não tem dinheiro não tem vícios

“Manifestámos a nossa disponibilidade para, juntamente com a Liga (de clubes) e Sindicato (de jogadores), reforçar ou renovar do fundo que já existiu para as provas profissionais. O anterior era de 300 mil euros. Provavelmente, terá o mesmo valor”

Fernando Gomes, presidente da Federação Portuguesa de Futebol

Mais uma vez, os organismos que dirigem o futebol português tentam passar um paninho limpo por cima da merda que emerge do futebol português.

Não quero com isto dizer que não aprove que os ditos organismos criem um fundo de apoio para ajudar os futebolistas que passem dificuldades económicas porque a solidariedade entre uma classe profissional começa exactamente com este tipo de gestos. É importante realçar o exemplo espanhol no que toca a estas matérias: sempre que existe um clube incumpridor nas competições profissionais ou amadoras, a coisa não se resolve apenas com declarações, abandonos ou rescisões por parte dos jogadores desses mesmos clubes. Mesmo que o clube incumpridor seja de 3ª divisão, são os grandes rostos do futebol espanhol que saiem em defesa dos direitos dos seus colegas de profissão mais fragilizados. Foi o que aconteceu no passado mês de Agosto quando os clubes profissionais espanhóis ameaçavam greve às primeiras jornadas dos campeonatos profissionais por incumprimento contratual de alguns clubes de 2ª liga. Não estavam em causa o pagamento dos salários nos planteis de Barcelona, Real Madrid ou Valência. Todavia, seriam Iker Casillas (Real Madrid) Carles Puyol (Barcelona) ou Frederic Kanouté (Sevilla) os rostos de proa que falavam à frente das televisões nacionais e internacionais pelas reinvindicações dos jogadores afectados pelo flagelo do incumprimento salarial.

Esta decisão por parte da FPF é portanto mais uma medida que visa incutir a irresponsabilidade aos dirigentes dos clubes de topo do futebol português pelos seus péssimos erros de gestão. ” Vamos gastar mais um bocadito daquilo que não temos. Se não pagarmos as nossas obrigações perante os nossos jogadores, alguém o fará, sem que a participação nos campeonatos profissionais esteja afectada” – João Bartolomeu e a União de Leiria foram o caso mais crasso de um clube que andou mais de uma década a gastar aquilo que não podia, sem que no entanto, a Liga tivesse mão no assunto e impedisse o clube Leiriense de participar nas provas profissionais. Foi preciso chegar ao ridículo de actuar com apenas 9 jogadores (4 dos quais juniores) para que finalmente a Liga pusesse o clube fora de uma escalão ao qual os Leirienses não tinham capacidades para participar desde 2002. E infelizmente, na 1ª liga, o Leiria não foi o único incumpridor (crasso) durante a temporada passada.

A solução, a meu ver, passa pela apresentação logo no início de época (por parte dos clubes) de garantias bancárias que confirmem que os ditos tem capacidade para fazer face às suas despesas ao longo da época. Se não tiverem essas mesmas garantias, a Liga deve actuar com a exclusão de participação na divisão correspondente ao dito clube. Não se trata apenas de um modo sancionatório para incumpridores ou possíveis incumprimentos mas preventivo para que se ganhe responsabilidade no mundo da gestão futebolística profissional.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , ,

pelos futebóis europeus

Thiago Silva e Zlatan Ibrahimovic mudam-se de armas e bagagens para o futebol francês. Os dois jogadores do Milan assinaram com o PSG a troco de 62 milhões de euros, sendo que o sueco será o jogador mais bem pago do futebol mundial com um ordenado a rondar os 15 milhões de euros anuais. Sim, mais do que aquilo que recebe Cristiano Ronaldo, Lionel Messi, Wayne Rooney, Xavi, Xabi Alonso, Andrea Pirlo ou Andrés Iniesta. Não, não quero com isto dizer que o Sueco não mereça cada cêntimo daquilo que irá receber (porque o merece; considero Ibra o mais completo avançado que vi jogar) mas, não obstante disso, quero efectivamente dizer que o salário que o sueco irá auferir, deve ser considerado um ataque declarado à pobreza que se vai acentuando na europa, um acto desleal perante as possibilidades financeiras de outros clubes europeus e um ataque expresso a exemplos de gestão saudável que se praticam em outros clubes do futebol europeu, controlada e limitada pelas possibilidades financeiras a que os clubes podem subscrever.

Depois de perdido o título para o modesto (mas gigante na época passada) Montpellier, os vice-campeões franceses (que já contavam com estrelas no seu plantel como Thiago Motta, Mamadou Sakho ou Javier Pastore) já investiram cerca de 120 milhões de euros em jogadores como Maxwell, Thiago Silva, Ibra ou Ezequiel Lavezzi, prometendo não ficar por aqui visto que ainda tem outros jogadores debaixo de olho como Fábio Coentrão, Óscar Cardozo e Robin Van Persie.

O PSG assim como a Juventus (já contratou jogadores como Lúcio, Mauricio Isla, Paul Pogba, Nicola Leali, Simone Padoin, Kwadwo Asamoah e também tem de olho outros como Cavani ou Van Persie) foram os clubes mais gastadores deste mercado, mercado que segundo a UEFA estará vincado pelo facto de ser o último antes da imposição de uma regra que duvido que possa ser cumprida pelos clubes mais ricos do mundo: o fairplay financeiro, regra que vai de encontro a uma gestão mais sadia das contas dos clubes de futebol a partir da limitação dos gastos em transferências destes numa co-relação com as receitas que obtém.

Platini tem aqui o seu calcanhar de aquiles: estarão os 20 clubes mais ricos da europa interessados em seguir a sua doutrina?

Na China, e analogamente a um conhecido ditongo de Jorge Jesus, o “fairplay” financeiro não existe. Didier Drogba chegou a Xangai e foi recebido em apótese por milhares de fans Chineses. Na sua nova equipa, o Costa-Marfinense receberá 250 mil euros semanais. Mais um exemplo portanto, de quanto a ascenção de multimilionários à propriedade de clubes de futebol poderá ameaçar a espectacularidade do mesmo.

Mencionando Jorge Jesus, surgiu também hoje uma notícia que dava conta do interesse do Benfica na contratação (no passado mês de Fevereiro) do antigo adjunto de Pep Guardiola no Barcelona e actual treinador da equipa Tito Vilanova. Como se tal algum dia fosse possível, sabendo de antemão que Vilanova (mais tarde ou mais cedo) sucederia a Guardiola porque é timbre do Barcelona manter a mesma filosofia no clube durante gerações e sabendo que Vilanova sabia que o seu tempo no Barcelona estava destinado a terminar como técnico da equipa principal. Mais uma vez, o Benfica mostra-se como o agitador de mercado. Não só pelos 50 reforços possíveis que os jornais encaminham diariamente para a Luz, mas pelo folclore que gira em torno dos encarnados em cada pré-época.

Ao nível de selecções: Capello é novo seleccionador Russo.

Depois de uma pouco sucedida campanha de Dick Advocaat no euro 2012, a selecção Russa cansou-se da aposta no futebol total dos holandeses e decidiu voltar a apostar num treinador que se mostra à semelhança do pragmatismo que caracteriza o futebol russo. Capello terá como missão apurar-se para o Mundial por via de um grupo que conta como headliner a selecção Portugal. Esta revelação torna-se perigosa para os interesses portugueses na medida em que a contratação de Capello poderá ser bastante perigosa para a concretização dos nossos objectivos: o apuramento pela via directa, ou seja, pela vitória no grupo.

Todavia, Capello terá uma tarefa espinhosa pela frente. Apesar do futebol russo ter um potencial gigantesco e ter novos talentos a despontar (Dzagoev é o exemplo mais crasso) a espinha dorsal da selecção Russa está assente em jogadores cuja veterania pode começar a pesar. Caso dos irmãos Berezutski, de Sergei Ignashevich, de Anyukov, Semak, Pavlyuchenko, Andrei Arshavin, Marat Izmailov, Yuri Zhirkov ou Pavel Pogrebnyak.

Porém, Capello já foi capaz de, por duas vezes, recuperar um histórico do futebol mundial. Falo-vos obviamente do Real Madrid. E das duas vezes que o fez, acabou por sair pela porta pequena de Santiago Bernabéu. Podemos portanto esperar tudo desta Russia.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Futebol Pós-nacional?

Por Ian Burumna, professor no Bard College

“Alguns dos jornais alemães mais hilariantes culparam a derrota da Alemanha contra a Itália, nas semifinais do campeonato europeu, ao facto de poucos jogadores se terem preocupado em cantar o hino nacional. Algo que contrastou com os jogadores italianos, visto todos terem cantado a letra de Il Canto degli Italiani [O Canto dos Italianos]. Na verdade, o capitão, Gigi Buffon, cantou com os olhos fechados, como se estivesse a rezar.

Mas os italianos não tiveram qualquer hipótese na final contra Espanha, a melhor equipa do mundo, a qual nenhum dos seus jogadores abriu a boca durante o hino Espanhol Marcha Real – o que é óbvio, uma vez que a Marcha Real não tem letra. E, além disso, os jogadores da Catalunha sentem-se desconfortáveis com o hino nacional, o qual foi bastante promovido sob o governo do falecido ditador Francisco Franco, que odiava o nacionalismo catalão.

Sabemos que no futebol, as equipas mais bem-sucedidas nem sempre são as que têm as grandes estrelas. Os campeões trabalham em equipa – de forma coesa, serenos face ao egoísmo dos protagonistas, cada jogador disposto a trabalhar em prol dos outros. Será o patriotismo realmente a chave para este tipo de espírito nas equipas nacionais, como os críticos alemães da sua própria equipa acreditam?

O futebol tem sido muitas vezes apelidado de substituto de guerra – uma forma simbólica, mais ou menos pacífica, de lutar contra as rivalidades internacionais. Os fãs das faces nacionais são actores numa espécie de carnaval patriótico, vestidos com os trajes dos seus estereótipos nacionais: os fãs ingleses como cavaleiros medievais, os holandeses com tamancos, os espanhóis como toureiros. Os alemães, compreensivelmente, têm um problema com o simbolismo nacional, mas identifiquei alguns fãs com trajes quase bávaros. O prémio para a máscara mais humorística deve de ir para os italianos vestidos de papas e de cardeais.

No passado, os fãs ingleses – mas não eram os únicos – levavam a metáfora da guerra longe demais e agiam mais como exércitos invasores do continente europeu, aterrorizando cidades e azarando qualquer jogo da Inglaterra. Mas também os jogadores não conseguiam, às vezes, ocultar as animosidades nacionais: quando a Holanda venceu a Alemanha, numa memorável semifinal em 1988, um dos jogadores holandeses limpou ostensivamente o rabo com uma camisola alemã.

Dada a força do sentimento nacional nestas disputas, não surpreende que as pessoas gostem de projectar as características nacionais no estilo de jogar. Na rara ocasião em que a Inglaterra ganha um grande jogo recentemente, a vitória é atribuída ao espírito de luta “tipicamente” inglês, conjugado com o “fair play”. Os alemães jogam com “disciplina”, os italianos com a capacidade defensiva dos guerreiros romanos, os holandeses com o individualismo do espírito livre, os espanhóis com a elegância dos toureiros e assim por diante. Quando os franceses ganharam o Mundial em 1998, atribuíram a vitória à multietnicidade da sua equipa – a personificação do compromisso da França com a liberté, égalité, fraternité.

Mas, quando as equipas perdem, estas virtudes estereotipadas são amaldiçoadas com igual convicção, como sendo defeitos característicos: Falta de imaginação dos alemães, medo de atacar dos italianos, egoísmo dos holandeses, falta de sentimento nacional entre as minorias étnicas em França e assim por diante.

Na verdade, a realidade dos estilos de futebol é um pouco mais complicada. A proveniência dos grandes jogos espanhóis, de hoje, não é a praça de touros, mas sim a equipa do Barcelona constituída por Johan Cruijff nas décadas de 1970 e de 1980. A origem da sua filosofia “futebol total” de manter a posse de bola com passes rápidos, curtos e a passagem iluminada da defesa para o ataque, foi o Ajax, Amesterdão, no final da década de 1960.

Como muitas vezes acontece com os modelos inovadores, outros adoptam-nos e, como no caso de Espanha, melhoram-nos e refinam-nos. Agora toda a gente tenta jogar “futebol total” – com excepção dos ingleses, que “tipicamente” se mantêm distantes das ideias estrangeiras. Os italianos abandonaram as suas tácticas defensivas. Até mesmo os alemães trocam a bola com talento e imaginação. A diferença entre Espanha e os outros é que os espanhóis fazem-no melhor.

Daniel Cohn-Bendit, o antigo líder estudantil franco-alemão, em 1968, e deputado dos Verdes no Parlamento Europeu, afirmou num recente artigo que as estrelas modernas do futebol não jogam verdadeiramente pelos seus países. Como profissionais insensíveis, eles jogam acima de tudo por eles próprios. Eles são, para utilizar a sua expressão, “mercenários”.Isso talvez seja demasiado cínico. As lágrimas que corriam na cara de Andrea Pirlo e de Mario Balotelli, após a derrota de Itália, não eram de profissionais insensíveis. Eles queriam ganhar, não só pelo dinheiro ou pelo bem das suas carreiras, mas pela glória. Ainda deve ser bom sentir-se como um herói nacional, ser saudado nas ruas de Roma, Madrid, Londres ou Berlim como um guerreiro que regressa de uma batalha bem-sucedida.

E, ainda assim, Cohn-Bendit não está totalmente errado. O que foi notável durante este campeonato europeu foi a íntima colegialidade entre os jogadores adversários. Eles consolaram-se e felicitaram-se mutuamente, abraçando-se como velhos amigos e colegas que muitas vezes são. A maioria dos melhores jogadores joga nos mesmos clubes em Espanha, na Alemanha, em Inglaterra ou na Itália. Muitos falam várias línguas europeias com a fluência dos empresários internacionais, que eles também são.

Os melhores clubes europeus são todos, agora, multinacionais. Os jogadores seguem o dinheiro. E os principais clubes são também os mais ricos: Real Madrid, Chelsea, Barcelona, Manchester City, Bayern de Munique, etc. Alguns dos mais difíceis e exigentes protagonistas causam, geralmente, menos atrito quando vestem o equipamento multinacional, do que aquele que causam nas suas equipas nacionais.

Se houver uma moral nesta história, é mesmo esta: uma bandeira, uma língua ou uma história nacional comum, pode certamente contribuir para induzir as pessoas a trabalharem juntas em harmonia por uma causa comum. Mas tal pode esclarecer o interesse pessoal. No mais alto nível das conquistas humanas – quer seja na arte, na ciência ou no futebol – pode realmente ser o factor mais importante.”

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

O penalty à Panenka de Pirlo já não funcionou

Torneio Joan Gamper 2010 – Barcelona vs Milan – Pirlo falha uma grande penalidade à Panenka frente a José Manuel Pinto, suplente do Barcelona.

Mais lhe gabo a audácia de ter sido capaz de o realizar ontem!

Com as etiquetas , , , , ,