Cromos da bola #7 – A despedida do animal

O animal despediu-se de São Januário.

O futebol tem destas coisas. Em 2008, depois de passagens por Vasco da Gama (4), Palmeiras (3), Flamengo, Corinthians, Fiorentina, Napoli, Santos, Cruzeiro, Tokyo Verdi, Urawa Red Diamonds, Fluminense, Nova Iguaçu e Figueirense e depois de 14 títulos, 39 internacionalizações pelo escrete e muita vida boémia, Edmundo Alves de Sousa Neto tinha uma dívida a pagar ao Vasco da Gama, clube do seu coração.

Se repararem, de todos os clubes históricos brasileiros, Edmundo só não actuou no São Paulo, Internacional de Porto Alegre e Grémio.

Em 2008, na última passagem de Edmundo pelo Vasco, o último jogo daquele que tinha o cognome de “o animal” ficou marcado por um dos períodos mais tristes da história do histórico emblema carioca gerido por portugueses: Edmundo despedia-se dos “gramados” com o seu clube do coração a descer pela 1ª vez na sua história à série B do Brasileirão.

“O Animal” viveu segundo palavras próprias com um sentimento de amargura durante 4 anos e não descansou enquanto não convenceu os responsáveis de São Januário a montar um jogo de despedida no emblemático estádio carioca. O mítico presidente Vascaíno Robert Dinamite (antigo internacional pela canarinha) fez-lhe o favor e convidou os equatorianos do Barcelona de Guayaquil para a despedida do atleta aos 41 anos numa re-edição da final da Libertadores de 1998 onde o Vasco se iria sagrar campeão sul-americano.

A história de Edmundo no futebol brasileiro é uma história de altos e baixos. “O Animal” não era feroz apenas dentro das 4 linhas. O seu estilo de jogo não se coadunava com a de um típico avançado da canarinha. Edmundo não era um goleador nato, apesar dos 180 golos que marcou em 17 temporadas a altíssimo nível. No entanto, Edmundo fazia do ponto forte uma imensa garra.

Quando as emoções sobressaiem à racionalidade:

Pontapés voadores na cara de adversários, envolvência nos escândalos de jogo do bicho, socos em adversários na libertadores que acabariam em autênticas batalhas campais entre brasileiros e argentinos, alcoolismo e vários acidentes de carro – eis uma panóplia do que foi a vida extra futebolistica de Edmundo.

Depois a Europa:

Edmundo passou pela Fiorentina onde fez uma grande tripla de ataque com Gabriel Omar Batistuta e Rui Costa na época 1998\1999, a época em que a equipa viola esteve muito próxima do título, acabando por conseguir o 3º lugar. Em 1999, após desentendimento com Batistuta num treino da equipa, Edmundo foi autorizado pela direcção da ACF a ir ao carnaval do Rio e só regressaria meses depois para jogar por empréstimo no Nápoles.

Para quem estiver interessado, a página da Wikipédia do Atleta é recheada destas polémicas.

Para finalizar, a despedida do “animal”

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

One thought on “Cromos da bola #7 – A despedida do animal

  1. Sem duvida uma referencia na historia do futebol…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: