Tag Archives: História do Futebol

Cromos da bola #7 – A despedida do animal

O animal despediu-se de São Januário.

O futebol tem destas coisas. Em 2008, depois de passagens por Vasco da Gama (4), Palmeiras (3), Flamengo, Corinthians, Fiorentina, Napoli, Santos, Cruzeiro, Tokyo Verdi, Urawa Red Diamonds, Fluminense, Nova Iguaçu e Figueirense e depois de 14 títulos, 39 internacionalizações pelo escrete e muita vida boémia, Edmundo Alves de Sousa Neto tinha uma dívida a pagar ao Vasco da Gama, clube do seu coração.

Se repararem, de todos os clubes históricos brasileiros, Edmundo só não actuou no São Paulo, Internacional de Porto Alegre e Grémio.

Em 2008, na última passagem de Edmundo pelo Vasco, o último jogo daquele que tinha o cognome de “o animal” ficou marcado por um dos períodos mais tristes da história do histórico emblema carioca gerido por portugueses: Edmundo despedia-se dos “gramados” com o seu clube do coração a descer pela 1ª vez na sua história à série B do Brasileirão.

“O Animal” viveu segundo palavras próprias com um sentimento de amargura durante 4 anos e não descansou enquanto não convenceu os responsáveis de São Januário a montar um jogo de despedida no emblemático estádio carioca. O mítico presidente Vascaíno Robert Dinamite (antigo internacional pela canarinha) fez-lhe o favor e convidou os equatorianos do Barcelona de Guayaquil para a despedida do atleta aos 41 anos numa re-edição da final da Libertadores de 1998 onde o Vasco se iria sagrar campeão sul-americano.

A história de Edmundo no futebol brasileiro é uma história de altos e baixos. “O Animal” não era feroz apenas dentro das 4 linhas. O seu estilo de jogo não se coadunava com a de um típico avançado da canarinha. Edmundo não era um goleador nato, apesar dos 180 golos que marcou em 17 temporadas a altíssimo nível. No entanto, Edmundo fazia do ponto forte uma imensa garra.

Quando as emoções sobressaiem à racionalidade:

Pontapés voadores na cara de adversários, envolvência nos escândalos de jogo do bicho, socos em adversários na libertadores que acabariam em autênticas batalhas campais entre brasileiros e argentinos, alcoolismo e vários acidentes de carro – eis uma panóplia do que foi a vida extra futebolistica de Edmundo.

Depois a Europa:

Edmundo passou pela Fiorentina onde fez uma grande tripla de ataque com Gabriel Omar Batistuta e Rui Costa na época 1998\1999, a época em que a equipa viola esteve muito próxima do título, acabando por conseguir o 3º lugar. Em 1999, após desentendimento com Batistuta num treino da equipa, Edmundo foi autorizado pela direcção da ACF a ir ao carnaval do Rio e só regressaria meses depois para jogar por empréstimo no Nápoles.

Para quem estiver interessado, a página da Wikipédia do Atleta é recheada destas polémicas.

Para finalizar, a despedida do “animal”

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

História do Futebol #1

Ainda andavamos nós nos tomatinhos dos nossos pais, e alguns dos nossos pais nos tomatinhos dos nossos avós.

Final de 1960 da Taça dos Campeões Europeus. No mítico Hampden Park em Glasgow. De um lado o imbatível Real Madrid, onde figuravam figurões como Alfredo DiStefano (La Saeta Rubia; o único artista que cometeu a proeza de jogar por 3 selecções diferentes visto que na altura era permitido) Gento e Puskas. O meu avô disse que DiStefano foi o melhor jogador que alguma vez viu jogar, mas que Gento não lhe ficava atrás nos créditos. Se DiStefano era uma seta pelos flancos, Gento também era ele capaz de correr os 100 metros em aproximadamente 11 segundos com bola.  Puskas já era velhão. Nos vídeos antigos ele nunca foi novo. A imagem do artilheiro era carismática: Ferenc Puskas, de cabelo alinhadinho com regra e esquadro, com cara de velhão, treinava-se quase sempre com um fato-de-treino da sua Hungria Natal.

Santamaria era o 4º desta galáxia que atropelou a Europa durante 5 anos seguidos.

Ferenc Puskas (509\157 golos em 182 jogos pelo Real Madrid) Francisco Gento (128 golos\126 em 428 jogos pelo Real Madrid; permaneceu no clube desde 1953 a 1971 como jogador profissional) e Alfredo DiStefano (465 golos\307 em 486 pelo Real Madrid) eram uma autêntica máquina avassaladora que nem Ronaldo, nem Messi, pela dureza do futebol de então podem ser comparáveis.

O resultado, esse, fica para a História. 5 taças dos campeões europeus seguidas. Nenhuma outra geração do futebol ousou repetir tal proeza.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , ,