Tag Archives: Corinthians

Democracia Corinthiana

Corinthians

Corinthians, São Paulo, 1981.

No ano de 1981, enquanto muitos estudantes, artistas e intelectuais participavam das campanhas pelo fim da ditadura militar no Brasil, um clube de futebol brasileiro teve uma experiência inédita de gestão compartilhada e democrática.

A Democracia Corithiana – movimento liderado pela direcção e por alguns jogadores do clube como Sócrates, Wladimir e Casagrande teve efeito renovador na estrutura autoritária que caracterizava e caracteriza a direcção de clubes de futebol. A Democracia Corinthiana ultrapassou as quatro linhas e também só foi permitida porque Sócrates era uma grande figura do futebol Brasileiro e o Corinthians era e (é) o clube com mais adeptos no Brasil (actualmente estima-se que sejam mais de 16 milhões em todo o território brasileiro).
A Democracia Corinthiana procurou a participação de atletas e funcionários do Corinthians nas decisões  que diziam respeito ao clube. Entre os itens que se pretendiam decidir estavam a abolição da concentração para alguns jogos, a definição dos horários das viagens e hora de partida, a contratação de novos jogadores e as mudanças na equipa técnica. O movimento durou de 1981 a 1985. A Democracia Corinthiana não foi uma tentativa de revolução ou uma proposta concebida pelos jogadores do Corinthians.
Em 1981, o sociólogo Adilson Monteiro Alves foi convidado pelo então presidente do clube Waldemar Pires para ser o director de futebol. Alves nunca tinha sido dirigente de um clube de futebol. Logo, entrou com novas ideias (vindas da sociologia) que nunca tinham sido experimentadas no futebol até então: um processo colectivo de tomada de decisões que envolvia a participação de jogadores, funcionários e equipa técnica num modelo de gestão democrática.
A proposta de Alves acabou por ser um sucesso. Além de unir o balneário da equipa, ajudou o clube a ultrapassar uma das fases mais difíceis da sua história quando em 1981 o clube desceu à 2ª divisão brasileira. Com o consequente movimento dos jogadores e equipa técnica no processo de tomada de decisões, em 1982 e 1983, o Corinthians foi bicampeão paulista e subiu novamente à 1ª divisão. Como herança deste período, os jogadores que constituíam o elenco destes 4 anos de vida do clube são hoje os ex-jogadores com voz activa junto das direcções do clube.
Que contexto histórico favoreceu essa mudança de postura?
De acordo com os estatutos do Corinthians em 1981, o então presidente do clube Vicente Matheus não podia recandidatar-se para a re-eleição. Por isso lançou Waldemar Pires como candidato e incorporou-se nessa candidatura como vice-presidente convicto de que continuaria a mandar no clube. Porém, ao ser eleito presidente do Timão (alcunha carinhosa pela qual é conhecido o Corinthians) Pires rompeu com Matheus e foi nesse momento que decidiu que a gestão do Corinthians seria outra daí em diante. Convidou então Adilson Alves para ser director do futebol profissional e juntos haveriam de arquitectar a Democracia Corinthiana. A gestão de Pires durou até Março de 1985, aquando da eleição para a presidência do clube de Roberto Pasqua (membro da ARENA; Aliança Renovadora Nacional; partido criado em 1965 para apoiar o regime militar) que, como partilhava das ideias do regime, encerrou o projecto da Democracia Corinthiana.
A Democracia Corinthiana contribuiu para a re-democratização do Brasil na medida em que era uma equipa popular com milhões de adeptos no Brasil. O apelo do clube junto às massas foi fundamental para divulgar a necessidade da democracia no Brasil, principalmente entre as classes sociais mais jovens. O movimento foi portanto um sucesso nesse campo e no campo desportivo pois deu títulos e estabilidade organizativa ao clube. A nível social e política, encetou uma evolução muito interessante ao nível da cidadania, ao instruir civicamente milhões de brasileiros (corinthianos ou não) que não tinham quaisquer noções políticas. O que apareceu como uma proposta de relações profissionais tornou-se um marco político da história contemporânea do Brasil.
Campeonato do Mundo de 1982 em Espanha – O último presidente da ditadura militar brasileira João Baptista Figueiredo, tentou utilizar a estratégia de 1970. Tentou usar o futebol e a presença do “escrete” em Espanha para espalhar a ideia de um Brasil em pleno desenvolvimento, com a construção de grandes obras ao nível de infraestruturas e a selecção vitoriosa como a personificação do sonho de desenvolvimento. O Brasil, ou melhor, a selecção brasileira, era favorita à vitória em Espanha e ostentava nas suas fileiras jogadores como Zico, Junior, Luisinho, Socrates ou Falcão. Acabaram eliminados pela Itália de Paolo Rossi nos quartos-de-final e essa eliminação abalou ainda mais o regime.
Qual foi o papel de Sócrates na Democracia Corinthiana?
Sócrates era o líder da Democracia Corinthiana na medida em que era o “braço operário do movimento”. Ele foi o grande ideólogo do movimento e do processo colectivo de tomadas de decisão. Foi o principal entusiasta da ideia, chegando inclusive a levar a inscrição Democracia Corinthiana para o relvado. Foi o principal entusiasta de um projecto de cidadania e gestão partilhada que se estava a implementar podia-se tornar uma acção maior à escala brasileira.
Médico de formação, “o doutor”, alcunha pela qual ficou eternizado no mundo do futebol, tinha interesses na política na tentativa de disseminação da ideia de democracia no Brasil ditatorial. Já nos anos 80, como ídolo de todo um país, participou na campanha das DIRECTAS (movimento popular que reinvindicava eleições directas para a presidência do Brasil em 1983 e 1984). Sócrates acreditava que o futebol poderia ser veículo de canalização de informação a favor da democracia. Participou nos campeonatos do mundo de 1982 e 1986 e foi um dos maiores jogadores da história do Corinthians e do futebol brasileiro. Depois do Corinthians, haveria de jogar uma época (1984\1985) na minha Fiorentina onde em 25 jogos apontou 6 golos.

Anúncios
Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , ,

100

Com as etiquetas , , , ,

e eu concordo

Final do Campeonato do Mundo de Clubes.

Corinthians vs Chelsea

Oscar é para mim o médio do futuro. Desde o mundial de sub-20 que já tinha esse estatuto. Ainda espreitei alguns jogos do Internacional de Porto Alegre para confirmar as dúvidas que me restavam. É, desde que sigo a Premier, o 2º brasileiro a assentar que nem uma luva no futebol de terras de Sua Majestade. O primeiro, pelas características óbvias e tão diferentes do Brasileiro comum foi Gilberto Silva. De características diferentes da do antigo internacional brasileiro que teve a sorte de um dia ser chamado por Scolari para um Campeonato do Mundo devido à lesão de Emerson (designado em Itália como O Velho), Óscar também ele tem características que não são comuns no típico médio canarinho: é simples e não opta pelo típico futebol rendilhado, tem uma técnica acima da média, é talentoso e eficaz no passe curto e no passe longo e remata com alguma eficácia de meia distância. Para o meio campo dos relvados ingleses, onde o futebol rápido e nem sempre bem jogado obriga a que os médios sejam soltos, rápidos e eficazes na distribuição de jogo, Oscar é peixe dentro de água.

Sabendo que não ia ser titular contra o Timão (deve-lhe ter saltado a tampa obviamente; apesar de ter vindo para o Chelsea do Inter, Óscar foi formado no São Paulo e só um São Paulino sabe o ódio que essa estirpe tem aos galinácios, vulgo, Corinthians) o médio brasileiro deverá ter dito acerca do seu treinador Rafa Benitez algo como “ele é louco” – e é de facto.

Há uns anos atrás, fruto das vitórias com o Valência na Liga Espanhola e Taça Uefa em 2004 (com muito mérito diga-se) e do Liverpool na Champions em 2005, Benitez era posto no pedestral de José Mourinho. O tempo veio a confirmar que o espanhol não faz sombra ao Português. Em nada. Há que relembrar os exitos de Benitez na premissa dos planteis do Valência de 2003\2004 e do Liverpool da época seguinte: autênticas máquinas de futebol. Com recursos, o futebol prova que tudo é possível.

Depois do sonho veio a desilusão. Benitez teve quase a fazer do Liverpool campeão (já não acontece desde 1991). Quase, não fosse o fantástico futebol do Manchester de Ronaldo. O modelo Benitez (muito parecido com o modelo Wenger só que executado apenas o recrutamento de jovens espanhóis esgotou-se) e com ele também se esgotou a paciência de um clube atolado em dívidas. Veio a era Gilette e Benitez, como qualquer treinador sem resultados, foi posto no olho da rua. Passados alguns anos, apanhou o restolho da era Mourinho no Inter. Como qualquer restolho deixado por Mourinho, Benitez não teve no Inter aquilo que nunca teve (Segundo os especialistas da bola) em qualquer clube por onde passou: mão-de-ferro. Ainda os jogadores campeões europeus do Inter de Mourinho choravam a saída do Português para Madrid e já Benitez era posto no olho da rua.

Veio o Chelsea. Campeão europeu em título. É certo que Di Matteo foi, até hoje, o mais improvável campeão europeu. Apanhou um Chelsea em ruínas depois da passagem do furacão Villas-Boas. Apanhou um Chelsea a meio de uma eliminatória europeu com um 1-3 servido no San Paolo em Napoli, onde, diga-se de passagem, o Chelsea levou um cheiro de bola tão grande que merecia ter saído da Bella Napoli não com 3 mas com 6. E na 2ª mão, com um Super Napoli (recordo-me do golaço apontado pelo Gokhan Inler) Di Matteo e os jogadores viraram uma eliminatória que 15 dias antes parecia perdida. Isto sem falar que depois do Benfica (onde o emblema da Luz fez tudo para merecer o apuramento), o Chelsea vai dar aquele recital táctico a Nou Camp para depois vencer o tão desejado sonho de Abrahamovic na final contra o Bayern.

Ainda no êxtase da vitória europeia, Abrahamovic deu condições ao técnico italiano e reforçou a sua confiança e plantel. O Chelsea tem de longe o melhor trio de médios do futebol britânico: Hazard, Oscar e Mata. E por detrás deste trio ainda existe um Lampard, que apesar da idade, ainda aparece de vez em quando para mostrar o velho Lampard do passado. Di Matteo, como se esperava, confirmou o lucky shot obtido pela champions e não teve unhas para tocar a guitarra que Abrahamovic lhe tinha dado. A paciência do Russo esgotou-se quando não devia e para o seu lugar contratou Benitez que em tantos jogos ainda não acertou uma. Moral da história: por mais mal que um campeão europeu se esteja a portar, é quase regra de ouro (ainda mais no futebol britânico) que o treinador campeão merece mais oportunidades daquelas que mereceu Di Matteo. Ainda mais, quando é substituído por um louco.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Cromos da bola #7 – A despedida do animal

O animal despediu-se de São Januário.

O futebol tem destas coisas. Em 2008, depois de passagens por Vasco da Gama (4), Palmeiras (3), Flamengo, Corinthians, Fiorentina, Napoli, Santos, Cruzeiro, Tokyo Verdi, Urawa Red Diamonds, Fluminense, Nova Iguaçu e Figueirense e depois de 14 títulos, 39 internacionalizações pelo escrete e muita vida boémia, Edmundo Alves de Sousa Neto tinha uma dívida a pagar ao Vasco da Gama, clube do seu coração.

Se repararem, de todos os clubes históricos brasileiros, Edmundo só não actuou no São Paulo, Internacional de Porto Alegre e Grémio.

Em 2008, na última passagem de Edmundo pelo Vasco, o último jogo daquele que tinha o cognome de “o animal” ficou marcado por um dos períodos mais tristes da história do histórico emblema carioca gerido por portugueses: Edmundo despedia-se dos “gramados” com o seu clube do coração a descer pela 1ª vez na sua história à série B do Brasileirão.

“O Animal” viveu segundo palavras próprias com um sentimento de amargura durante 4 anos e não descansou enquanto não convenceu os responsáveis de São Januário a montar um jogo de despedida no emblemático estádio carioca. O mítico presidente Vascaíno Robert Dinamite (antigo internacional pela canarinha) fez-lhe o favor e convidou os equatorianos do Barcelona de Guayaquil para a despedida do atleta aos 41 anos numa re-edição da final da Libertadores de 1998 onde o Vasco se iria sagrar campeão sul-americano.

A história de Edmundo no futebol brasileiro é uma história de altos e baixos. “O Animal” não era feroz apenas dentro das 4 linhas. O seu estilo de jogo não se coadunava com a de um típico avançado da canarinha. Edmundo não era um goleador nato, apesar dos 180 golos que marcou em 17 temporadas a altíssimo nível. No entanto, Edmundo fazia do ponto forte uma imensa garra.

Quando as emoções sobressaiem à racionalidade:

Pontapés voadores na cara de adversários, envolvência nos escândalos de jogo do bicho, socos em adversários na libertadores que acabariam em autênticas batalhas campais entre brasileiros e argentinos, alcoolismo e vários acidentes de carro – eis uma panóplia do que foi a vida extra futebolistica de Edmundo.

Depois a Europa:

Edmundo passou pela Fiorentina onde fez uma grande tripla de ataque com Gabriel Omar Batistuta e Rui Costa na época 1998\1999, a época em que a equipa viola esteve muito próxima do título, acabando por conseguir o 3º lugar. Em 1999, após desentendimento com Batistuta num treino da equipa, Edmundo foi autorizado pela direcção da ACF a ir ao carnaval do Rio e só regressaria meses depois para jogar por empréstimo no Nápoles.

Para quem estiver interessado, a página da Wikipédia do Atleta é recheada destas polémicas.

Para finalizar, a despedida do “animal”

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Cromos da bola #6

A minha tenra idade não me permitiu ver mais um daqueles que os antigos consideram um dos mestres da história do futebol.

Ao almoço, fiz questão de perguntar ao meu pai quem era Sócrates Brasileiro Sampaio de Souza Vieira de Oliveira.

“Viste jogar?” – pergunto eu.

“Claro que vi. Era magnífico. Era de uma elegância extraordinária. Tinha apenas um problema: metia-se em demasia na pinga” – respondeu o meu pai.

E foi a pinga que lhe deu o golpe final. A ele, a Garrincha, a Best e às carreiras de outros grandes que pisaram os relvados como Gascoine ou Souness.

A sua carreira fala por si: Botafogo Paulista, Corinthians, Fiorentina, Flamengo, Santos e por fim, numa aventura maluca, um jogo em 2004 pelo Garforth Town, equipa dos escalões secundários de Inglaterra que comprou por 2 euros. 63 jogos pelo Brasil, amargos, por nunca se ter sagrado campeão mundial.

584 jogos como profissional, 317 golos marcados.

3 campeonatos estaduais de São Paulo, 1 taça do Rio de Janeiro, 1 campeonato carioca, presença nos 100 melhores jogadores da FIFA, 11 do campeonato do mundo de 1982. Faltaram títulos de grande porte aquele que é até hoje considerado o mais inteligente dos futebolistas.

Descanse em paz, doutor.

Com as etiquetas , , , , , , , , ,

futeboladas

http://videa.hu/flvplayer.swf?v=TGOb07wfTJTRBl92

Início de época complicado para o Borússia de Dortmund. Os campeões em título venceram em Mainz por 2-1 num jogo muito sofrido onde haveriam de triunfar já depois da hora. Com as suas estrelas (Gotze e Barrios) a um ritmo intermitente devido a problemas físicos, o Dortmund é 13º com 10 pontos, e não só tarda em confirmar o estatuto de campeão em título como reforça o argumento de que na Bundesliga, uma época de excelência pode ser sucedida por uma época de fracasso.

O croata Ivan Perisic, jogador contratado ao Club de Brugge que no ano passado se tornou o melhor marcador da Liga Belga, voltou a ser decisivo no Dortmund e tem sido para já uma das agradáveis revelações dos campeões Alemães.

http://videa.hu/flvplayer.swf?v=GgmBOXTGvnIrf1BS

Existem situações no futebol que fazem os adeptos pensar que os jogadores sabotam propositadamente o trabalho dos treinadores. A situação do Inter de Gianpaolo Gasperini (despedido a meio da semana depois de uma humilhante derrota no campo do recém-promovido Novara) é uma destas situações. Muitas vezes basta apenas que os jogadores não gostem do método pelo qual o treinador orienta os treinos ou até as regras de conduta incutidas ao respeito pelo mesmo. O Inter apostou em “vaca velha” de nome Ranieri mas não creio que seja com o mesmo que a coisa endireite. Ranieri é talvez uma das piores escolhas que um clube de serie A (ainda mais o Inter com o seu historial e objectivos) pode fazer, mas…

A boa forma interna do Valência caiu em terra no Sanchiz Pizjuan

Kanouté provou que ainda está aí para as curvas e Ever Banega não conseguiu (no final da partida) disfarçar a tristeza por ter falhado uma grande penalidade que poderia ter dado o empate aos Valencianos.

Pelo que vi a meio da semana, esta equipa do Valência tem muita qualidade e precisa de ser mais trabalhada. Creio que a luta pelo 3º lugar em Espanha será acesa entre Valência, Atlético e Sevilla. Pelo andar da carruagem dos grandes, arrisco-me mesmo a dizer que as distâncias para os dois colossos do futebol espanhol será mais suave nesta época.

http://videa.hu/flvplayer.swf?v=oDQeZQHYE1robVfv

Afirmar que se quer lutar pelo título não pode ser algo que saia apenas da boca para fora. O Leverkusen cumpriu o seu primeiro grande jogo na Bundesliga e saiu completamente derrotado da Allianz Arena por 3-0.

Robben está bastante vistoso desde a grave lesão que o afastou praticamente da última temporada. Toni Kroos e Thomas Muller comprovam a cada jogo que passa que são jogadores que qualquer treinador na europa gostaria de ter nas suas equipas. Encanta-me também Luis Gustavo, trinco Brasileiro que o Bayern contratou no mercado de inverno da temporada transacta ao Hoffenheim – é um jogador bastante aguerrido que faz lembrar Van Bommel pela raça que enfrenta os lances. Tem uma significativa melhoria técnica e de passe em relação ao Holandês na hora de armar jogo.

O Leverkusen, apesar do excelente ataque que possui (Ballack, Kiessling, Castro, Schurle) é uma equipa muito organizada defensivamente… até lhe marcarem um golo cedo! Pode ser um autêntico carrasco quando as equipas adversárias não conseguirem marcar nos primeiros 45 minutos, mas, quando sofrem nos primeiros minutos é uma equipa incapaz de se reorganizar e partir para a reviravolta do marcador.

http://www.dailymotion.com/embed/video/xlagyh

Goleada da semana. No futebol Holandês.
O PSV não foi de modas e o resultado é o que se vê.

O extremo Mertens (contratado neste defeso ao Utrecht) fez poker e confirma o excelente início de época pessoal e do clube. Prepara-se talvez para rumar à laranja mecânica. Os restantes golos foram apontados pelo internacional Strootman, Toivonen e Matavz. O PSV é 4º com 14 pontos, os mesmos do Feyenoord, a 1 do Twente e 2 do líder e campeão em título Ajax.

http://videa.hu/flvplayer.swf?v=TdeRsOcHttcIBIsb

A apostar mais na juventude talentosa que vai saíndo gradualmente das suas camadas de formação, o Lyon soma e segue. Depois da vitória contra o Marselha (2-0) e do deslize contra o Caen a meio da semana, o Lyon bateu o Bordéus na 8ª jornada da Ligue 1.
Clement Grenier, Maxime Gonalons e Alexandre Lacazette tem sido apostas ganhas no 11.
O Lyon lidera a Ligue 1, em igualdade pontual com Toulouse e PSG.

http://videa.hu/flvplayer.swf?v=zUc0ft5Bir3iVobr

Ronaldo ajudou a resolver aquilo que Michu tornou muito complicado logo ao 1º minuto. Varane mostra ser um central de qualidade, mas a falta de entrosamento com Albiol foi notória. Notória também é a intranquilidade que se vive no clube.

http://www.dailymotion.com/embed/video/xlah0c

Jogo grande na Holanda. O empate mantem tudo na mesma. Ajax na liderança.

http://videa.hu/flvplayer.swf?v=ufGW3R6zQyXVxn29

Javier Pastore é grande demais para este clube e para este campeonato.

http://www.dailymotion.com/embed/video/xlaikb

Gregório Manzano prometia um Atlético acutilante e sem medo em Nou Camp. Embalado pelas boas exibições da equipa, o técnico afirmava na conferência de imprensa de antevisão ao jogo que o seu atlético tinha jogadores com fome de título.
Em Nou Camp a história foi diferente – Messi puxou dos galões e afundou a nau madridista com um fabuloso hat-trick. Manzano aprendeu a diferença entre o querer e o poder.

O Vasco soma e segue. Mesmo sem o técnico Ricardo Gomes (a recuperar de um acidente vascular cerebral sofrido em Agosto a meio do jogo contra o Flamengo) a turma Vascaína está virada para vencer o Brasileirão e dedicar ao seu treinador.
Desta feita, a vítima foi o Cruzeiro. 3-0 o resultado. O Vasco de Felipe Bastos, Eduardo Costa e Eder Luiz segue na frente do Brasileirão à 26ª jornada com mais 2 pontos que o Corinthians de Liedson (venceu o Bahia nesta ronda) 3 que o São Paulo e 4 que o Botafogo. Já o Cruzeiro está a fazer um campeonato decepcionante – a turma de Belo Horizonte está em 16º lugar e apenas 4 pontos a separam do 1º lugar abaixo da linha de água que é ocupado precisamente pelo rival Atlético Mineiro.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Novo riquismo

Samuel Eto´o é sem dúvida um dos melhores avançados da década.

No Daguestão, província separatista da Russia existe o Anzhi, clube que foi comprado recentemente por mais um oligarca da bola, de nome Suleiman Kerimov.

Kerimov pegou no clube na 2ª divisão, disputando a principal liga russa pela primeira vez esta época. Ao tomar posse do clube sempre apontou como expoente máximo da entifada, colocar a Federação Russa em xeque-mate político com vista à independência da região. O futebol usado com motivos políticos, portanto…

Prometeu investimento graúdo. À boa maneira oligarca. Kerimov é actualmente o nº 118 da lista dos mais ricos do mundo da Forbes com uma fortuna a rondar os 5,5 mil milhões de dólares

Em primeiro lugar, aproveitou os problemas que Roberto Carlos sentia em São Paulo e contratou o antigo internacional Brasileiro, pagando-lhe uma pequena fortuna pela mudança do Corinthians para a Russia. 4 milhões de contrato anual.

Ainda no Brasil, contratou Jucilei ao Corinthians por 10 milhões de euros e Diego Tardelli por 5 ao Atlético Mineiro.

Ao Chelsea, foi buscar Zhirkov por 15 milhões de euros.

No mercado Russo, contratou mais uma dezena de jogadores a clubes menores.

Agora, contratou Samuel Eto´o por 27 milhões de euros e ofereceu-lhe o maior contrato da história do futebol: nada mais nada menos do que 20,5 milhões de euros por época, valor que não tirou o sono ao Camaronês para trocar o Calcio de Milão pelo gelado da Rússia.

São mais 8,5 milhões do que actualmente ganha Cristiano Ronaldo.

O Anzhi é neste momento o 4º classificado da Liga Russa. Tem boas perspectivas de chegar à Champions na sua época de estreia. O investimento não vai parar por aqui. Kerimov quer títulos, quer Champions, quer fazer tremer Moscovo, quer independência…

Com este tipo de senhores, onde é que o futebol vai parar?

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , ,

O adeus do fenómeno

O fenómeno diz hoje adeus aos relvados.

O jogador do Corinthians afirma que já não se sente em forma para continuar: “Não aguento mais. Eu queria continuar, mas não consigo. Penso uma jogada, mas não executo como quero. Tá na hora. Mas foi lindo pra caramba…”

É o fim de um jogador que revolucionou (para sempre o futebol).

Ronaldo Luiz Nazário de Lima, abandona o futebol aos 34 anos após ter jogado em clubes como o São Cristóvão, Cruzeiro, PSV Eindhoven, Barcelona, Inter, Real Madrid, Inter e Corinthians.

Em toda a sua carreira 477 jogos pelos clubes onde passou, marcando 335 golos. Só não alinhou mais jogos graças à grave lesão no joelho que o acompanhou a partir da 1ª temporada no Inter de Milão.
Pela Selecção Brasileira, Ronaldo efectou 97 jogos, marcando 62 golos.

Ganhou o prémio de melhor jogador do mundo da FIFA por 3 vezes (1997, 1998 e 2002), venceu a Liga dos Campeões e a Liga Espanhola por uma vez (no Real Madrid) a extinta Taça das Taças e a Taça do Rei pelo Barcelona, a Taça Uefa pelo Inter e o campeonato do mundo de selecções pela Selecção Brasileira em 2002, depois de ter sido finalista derrotado em 1998.

Para finalizar, três vídeos que marcam a extrema importância do astro brasileiro para o futebol:

O mítico ano de afirmação no Barcelona. O golo mítico contra o Celta de Vigo.


Um vídeo de tributo à sua magia.


“Sou Ronaldo” – A famosa música do rapper Marcelo D2

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , ,

O adeus de Liedson

No adeus de Liedson, só posso dizer “obrigado levezinho”

Andei anos à espera que este dia não acontecesse. É futebol. Tudo no futebol tem um ciclo e ninguém mantem esse ciclo para toda a eternidade.

Liedson ficará para sempre gravado nos nossos corações. Um fora-de-série, um dos melhores jogadores de sempre do Sporting Clube de Portugal.


Com as etiquetas , , , ,