Tag Archives: Yao Ming

NBA 2012\2013 #34 – do All-Star Weekend

1.

all-star

2. Do habitual jogo entre Rookies e Sophomores, agora misturados

De um lado o Team Shaq de Shaquille O´Neal, constituído por Kyrie Irving (Cleveland Cavaliers) Damien Lillard (Portland Trail Blazers) Harrison Barnes (Golden State Warriors) Michael Kidd-Gilchrist (Charlotte Bobcats) Chandler Parsons (Houston Rockets) Kemba Walker (Charlotte Bobcats) Ty Zeller (Dallas Mavericks) Klay Thompson (Golden State Warriors) Dion Waiters (Cleveland Cavaliers) Andrew Nicholson (Orlando Magic) e Andre Drummond (Detroit Pistons) que mesmo lesionado alinhou durante 36 segundos.

Do outro lado o Team Chuck de Chris Robinson, constituído por Ricky Rubio (Minnesota Timberwolves) Bradley Beal (Washington Wizards) Kenneth Faried (Denver Nuggets) Kawhi Leonard (San Antonio Spurs) Anthony Davis (New Orleans Hornets) Alexey Shved (Minnesota Timberwolves) Tristan Thompson (Cleveland Cavaliers) Isaiah Thomas (Sacramento Kings) Nikola Vucicevic (Orlando Magic) e Brandon Knight (Detroit Pistons)

Faried

A vitória acabou por sorrir confortavelmente para a equipa Chuck por 163-133 e o MVP da partida foi o Sophomore Kenneth Faried depois de marcar 40 pontos e conseguir 10 ressaltos. No lado do Team Shaq, o melhor pontuador foi Kyrie Irving com 32. Faried recebe o prémio com o “fantástico” Craig Sager (carismático jornalista da modalidade conhecido pelos seus exuberantes fatos) atrás. Sager ontem estava com um fato fora do normal.

3.

Antes do BBVA Rising Stars, as celebridades convidadas pela liga disputaram o jogo de celebridades. A mascote dos Bulls aproveitou para celebrar com Kevin Hart, o MVP da partida.

4. As fotos de grupo de rookies e Sophomores, a visita do comissário da liga David Stern ao balneário das equipas e algumas fotos do jogo:

BBVA

BBVA 2

BBVA 3

BBVA 4

BBVA 5

BBVA 6

BBVA 7

BBVA 8

BBVA 9BBVA 10

BBVA 11

5. Do jogo das celebridades:

celebridadescelebridades 2

O rapper Common e a antiga vedeta da liga, o poste Dikembe Mutombo.

celebridades 3

Usain Bolt, o próprio, atrás da bola!

celebridades 4

O rapper Ne-Yo.

6. Como não podia deixar de faltar neste tipo de eventos, a NBA Cares preparou uma série de acções comunitárias em Houston com a participação de jogadores e treinadores da liga. A NBA cares é um assunto ao qual irei abordar num dos próximos posts.

NBA cares Duncan

Tim Duncan (San Antonio Spurs)

NBA Cares Harden

James Harden (Houston Rockets)

NBA cares Howard Parker

Dwight Howard (Los Angeles Lakers) e Tony Parker (San Antonio Spurs)

NBA cares Irving

Kyrie Irving (Cleveland Cavaliers)

NBA cares LeBron

LeBron James (Miami Heat)

NBA cares Lin

Jeremy Lin (Houston Rockets)

NBA Cares Ming

Mesmo já não pertencendo à liga, a antiga vedeta dos Houston Rockets Yao Ming também se quis associar ao evento.

NBA cares Westbrook

Russell Westbrook (Oklahoma City Thunder)

7. Brincadeiras:

Na euforia de ter ganho o prémio de MVP do jogo das celebridades, Kevin Hart decidiu desafiar o campeão olímpico Usain Bolt a uma corrida com bola nas mãos!

8.

Bastidores do jogo entre rookies e sophomores.

9. Mais a sério.

Michael Jordan afirmou recentemente que prefere Kobe Bryant a LeBron James. Já em Houston, James respondeu ao melhor jogadores de basquetebol da história.

10. Acabada de tirar:

skills challenge

Os participantes do concurso de skills de hoje. Brandon Knight (Detroit Pistons) Damien Lillard (Portland Trail Blazers) Jrue Holliday (Philadelphia 76ers) Jeremy Lin (Houston Rockets) Jeff Teague (Atlanta Hawks) e Tony Parker (San Antonio Spurs). “As festividades de hoje” começam à 1 e meia da manhã e tem transmissão na Sportv.

11.

A dupla de vedetas de Oklahoma presente no evento (Westbrook e Kevin Durant) falam do “orgulho” em ser all-star.

Westbrook 2

Westbrook decidiu prolongar o carnaval e aparecer no evento de ontem vestido de Tartaruga Ninja!

Os Thunder decidiram publicar no seu site um video com os dois jogadores a trabalhar nos eventos promovidos pela NBA cares.

12.

Bruce Bowen

Jogo das celebridades. Quem se lembra de Bruce Bowen, exímio atirador campeão pelos Spurs?

13.

carmelo

Festa de Puff Daddy e Carmelo Anthony em Houston. Seguramente uma daquelas festas onde todos os amantes da liga queriam ir!

Anúncios
Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

NBA #25

1. Jogos de ontem:

Grande jogo ontem em Indiana, com os Raptors a vencerem os Pacers por 100-98 depois de recurso a 1 prolongamento. Os Raptors já estão a jogar com a sua nova aquisição Rudy Gay. A antiga estrela de Memphis tem actuado muito bem nos primeiros jogos pela sua nova equipa. Gay fez 29 pontos na derrota da equipa canadiana contra os Heat por 85-100, 25 na derrota contra Boston por 95-99 e 23 pontos ontem. Na equipa de Toronto Rozan fez 22 pontos, Amir Johnson 14 pontos e 14 ressaltos (apesar de não ser um grande fã deste poste reconheço que está a fazer a melhor temporada desde que chegou à liga) e Jonas Valenciunas e Andrea Bargnani saltaram do banco para fazer 14 pontos cada um sendo que o rookie conseguiu também acrescentar 13 ressaltos.

O italiano Andrea Bagnani foi notícia esta semana visto que a imprensa especializada falou de eventuais negociações entre os Raptors e os Bulls para a troca do italiano por Carlos Boozer. À primeira vista, desportivamente, esta troca não faz qualquer sentido para o lado dos Bulls vista a época monstruosa que o seu poste-baixo está a realizar. Apesar de ser um jogador de 15 pontos de média e de poder vir a acrescentar poder de fogo exterior aos Bulls numa fase em que os Bulls são das equipas que menos concretizam de 3 pontos na liga, não vejo grande vantagem para os Bulls numa troca deste género até porque Boozer e Noah estão a perpetrar neste momento o melhor jogo interior da Liga. No entanto, a notícia afirmava que a troca se poderia dar por questões financeiras. Boozer assinou em 2010 um contrato salarial que prevê o pagamento de 100 milhões de euros a 5 anos sendo que a extensão de contrato que o poderá ligar aos Bulls até 2017 terá que ser negociada no início da próxima temporada. Com as exibições que o all-star está a fazer, Boozer poderá negociar uma extensão de contrato que lhe permita um vencimento máximo de 24 milhões de dólares, valor que neste momento parece ser proibitivo para os cofres da equipa de Chicago, ainda para mais por um jogador que está a caminhar para a veterania. No entanto, os Bulls, sem grandes objectivos este ano poderão receber Bargnani (está descontente em Toronto e poderá efectivamente, bem inserido na equipa de Chicago, dar o trampolim para a casa dos 20 pontos de média) e a partir do próximo ano poderão encaixar Bargnani com a concorrência de Nikola Mirotic, jogador do Real Madrid cujos direitos de NBA pertencem à equipa de Chicago e jogador cujas exibições em Madrid (onde já é estrela da Liga) auspiciam que poderá ser uma das vedetas do futuro da competição. Visto pela óptica de Toronto, Boozer poderia vir a reforçar a equipa canadiana, que, com a contratação de Rudy Gay pretende construir uma equipa competitiva que consiga alcançar os playoffs na próxima temporada.

Voltando à partida.

Do lado de Indiana, Paul George voltou a fazer das suas (26 pontos e 14 ressaltos) mas não conseguiu evitar a derrota da equipa. George e David West estão a jogar a um nível inacreditável. O poste-baixo que veio de New Orleans na época passada voltou a encontrar os números que tinha na anterior equipa. Ontem fez 30 pontos e 8 ressaltos. Muito perto do seu máximo de carreira, feito a 11 de Novembro do ano passado contra Sacramento (31).

Os Pacers também foram alvo de rumores esta semana. Dado que a equipa de Frank Vogel está a lutar pela vitória na divisão central com os Bulls (a vitória na divisão dá direito a um dos primeiros 3 lugares da conferência indiferentemente do score) e dado que Danny Granger está lesionado, o nome do extremo tem estado nas bocas do mundo para uma eventual troca. Vogel não conta com o extremo (as suas características são de jogo interior e no jogo interior a equipa de Indianapolis está bem servida com West e Roy Hibbert) podendo o mesmo ser trocado para fortalecer as opções da equipa, principalmente as de banco, onde Indiana “pode-se dizer” não tem banco.

Hornets a vencer categoricamente em Atlanta. Os Hawks estão a passar por uma fase má da temporada. Grande exibição dos bases de New Orleans. Eric Gordon com 27 pontos, Greivis Vasquez com um fantástico triplo-duplo com 21 pontos, 11 ressaltos e 12 assistências.

Vasquez é indiscutivelmente uma das maiores sensações da Liga. O base internacional Venezuelano, apesar de ter sido jogador da Universidade de Maryland por 4 anos, foi 28ª escolha do draft de 2010 (Memphis Grizzlies) e nas previsões não era visto como um jogador que se aguentasse por muito tempo na liga. Tanto é que os Grizzlies deram-lhe pouca rotação no seu ano de rookie e Vasquez foi parar a New Orleans no ano seguinte. Em New Orleans fez números de 8.9\5.4a no seu ano de estreia na época passada. Este ano já subiu a parada para 14 pontos de média e 9.4 assistências por jogo e é dono de interessantes skills técnicos para base. Lança bem (43%) e é um óptimo pensador de jogo. A sua contratação por parte dos Hornets tornou-se um sucesso.

Brilhante vitória dos Pistons no Palace de Auburn Hills perante os Spurs (sem Ginobili e Tim Duncan) por 119-110. Bom jogo colectivo da equipa do estado do Michigan. O poste Greg Munroe fez 26 pontos, 14 ressaltos e 5 assistências. O base Brandon Knight fez 24 pontos e o veterano extremo Charlie Villanueva saltou do banco com a mão quente para marcar 21 pontos, 15 deles em triplo (5 em 7 tentativas).

No lado dos Spurs, noite pouco inspirada para praticamente toda a equipa, excepto Tony Parker que fez 31 pontos e 8 assistências.

4ª vitória consecutiva dos Heat, desta feita contra os Clippers na Flórida. LeBron James dominou as atenções com 30 pontos marcados. Chris Paul voltou à competição mas ainda anda à procura de superar a lesão que o impediu de dar contributo à equipa nas últimas semanas. O base actuou 19 minutos e fez apenas 3 pontos e 2 assistências. Blake Griffin também anda com alguns problemas físicos. Do lado de Miami, Chris Bosh está lesionado e Ray Allen não jogou esta partida devido a uma gripe.

Com Yao Ming a assistir à partida, os Rockets bateram os “difíceis” Trail Blazers por 118-103. LaMarcus Aldridge mostrou novamente a sua boa forma e apontou 31 pontos no lado da equipa do estado do Oregon. No entanto do outro lado estava um inspiradíssimo James Harden (35 pontos) a mostrar o porquê de neste momento ser o jogador mais in da Liga. O Turco Omer Asik continua a provar que os Bulls estiveram errados quanto ao seu potencial quando no Verão não cobriram a proposta oferecida pelos Rockets. Eu próprio também nunca acreditei muito no seu valor. No jogo, o antigo poste de Chicago fez 9 pontos e 13 ressaltos. Os Bulls deverão estar arrependidos visto que Asik era capaz de dar muito jeito agora para fazer descansar Noah.

2. Top plays of the Night:

3. Classificação actual:

Este 3

Algumas Notas:

1. Indiana e Chicago taco a taco pela vitória na Divisão Central.

2. As 6 vitórias seguidas de Boston, lustradas pela “goleada” imposta aos Lakers na quinta-feira permitiram à equipa um novo balão de oxigénio na luta pelos playoffs. Philadelphia está cada vez mais longe desse objectivo. A equipa está a jogar muito bem sem Rondo. Paul Pierce e Jeff Green são aqueles que se tem portado melhor e que tem mais jogo nas mãos com a saída do base por lesão.

3. Orlando não vence há 12 partidas. Não acredito nesse tipo de estratégias porque na liga as derrotas pagam-se muito caras. Primeiro porque os fans começam a desiludir-se e não vão ao pavilhão. Segundo porque a equipa torna-se menos competitiva e na cabeça de alguns jogadores começa a ser um destino que não se deseja. Mas neste caso de Orlando parece-me que a equipa está a perder jogos de propósito para cair o mais fundo na tabela e assim poder candidatar-se a uma das primeiras posições do próximo draft.

Oeste

1. Despique San António\Oklahoma pela vitória de conferência. Estamos perante as duas melhores equipas da actualidade no Oeste se bem que acho que os Clippers são a equipa com o plantel mais dotado ao nível de qualidade e soluções.

2. Busílis. Utah, Houston, Portland, Lakers e Mavs (ainda não saíram totalmente da corrida) para 2 vagas de playoff no final. Os Jazz parecem-me o elo mais fraco da corrida. Portland está a jogar maravilhosamente bem apesar da inconsistência ao nível de resultados. Não merecem ficar de fora deste playoff. Houston também não. Os Lakers estão a subir gradualmente de produção e irão fazer tudo para entrar nos 8 primeiros.

4.

Kobe Bryant “in your face” em Kris Humphries e Gerald Wallace (Brooklyn Nets)

5.

Não é todos os dias que se vê isto na NBA. O Bósnio Mirza Teletovic, poste rookie de 27 anos internacional pela Bósnia Herzegovina que este ano trocou os espanhóis do Baskonia pelos Nets conseguiu cometer a proeza de fazer 3 airballs em 3 lançamentos consecutivos.

6.

Passagem de testemunho? Fantástico bailado de James Harden sobre Ray Allen. Harden é efectivamente aquele que um dia poderá suceder a Ray Allen como o jogador com mais triplos marcados da história da competição. Allen está na sua 17ª temporada na Liga e leva 3123 triplos (média de 183 triplos por temporada). Harden vai na sua 4ª temporada na liga e para já tem 481 triplos apontados.

7. Por falar em records:

Garnett

Kevin Garnett tornou-se o 16º jogador da história a ultrapassar os 25 mil pontos de carreira. Está a 1701 pontos do 10º lugar, sendo espectável que ainda consiga entrar no top-10.

8. Notícias, análises e rumores:

Análise de Jeff Kaplan à brilhante forma dos Denver Nuggets nos dias que correm no Hang Time Blog de Sekou Smith.

Josh Smith (Atlanta) torna-se free-agent no Verão e começa a discussão sobre o seu futuro. Poderá assinar um contrato máximo com os Hawks (o mais espectável) ou rumar a outra equipa.

O mesmo acontece com Kevin Garnett. Garnett torna-se free-agent no próximo verão sendo que o futuro dos Celtics (ou a reconstrução desse mesmo futuro) passa pela saída do veterano poste. “Clientes” não lhe faltam no entanto.

Fran Blinebury volta a lançar a questão no Hang Time: Será que Jordan poderá voltar a jogar 1 jogo na competição aos 50 anos? Sinceramente dou a resposta: sim, gostava que Jordan voltasse ao United Center para fazer 5 minutinhos num jogo dos Bulls!

Greg Oden continua sem clube mesmo apesar dos esforços que está a fazer para voltar à competição. E os Bulls continuam a dormir pois era de valor dar uma chance a Oden num cenário em que Noah continua a jogar 40 minutos por partida e mais dia menos dia poderá estoirar!

Já referi neste post logo no início: o rumor da troca Bargnani-Boozer entre Chicago e Toronto.

Rumor: Ben Gordon (Charlotte Bobcats) por Kris Humphries (Brooklyn Nets)

Rumores: JJ Redick interessa aos Bucks. O que na minha opinião é plausível visto que Reddick apesar de só este ano se ter afirmado como titular indiscutível dos Magic vê a sua carreira num impasse devido à estratégia da equipa da Flórida.

O poste rookie dos Detroit Pistons Andre Drummond (o jogador mais novo na competição deste ano) irá parar entre 4 a 6 semanas devido a uma lesão nas costas.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

De Londres #20 – O ouro olímpico para o novo Dream Team

Como se esperava. O novo dream-team americano arrebatou o ouro, de forma fácil e como se esperava.

Deron Williams, LeBron James, Anthony Davis, Andre Iguodala, Carmelo Anthony, Chris Paul, Kevin Love, Kobe Bryant, James Harden, Kevin Durant, Tyson Chandler e Russell Westbrook são os nomes que Londres irá recordar para a eternidade. Nomes que a nada devem ao nível de talento na modalidade ao Dream Team original de 1992, equipa que continha elementos como Michael Jordan, Magic Johnson, Scottie Pippen, Dennis Rodman, Larry Bird ou Charles Barkley.

No entanto, muitos outros jogadores poderiam pertencer a esta equipa. Alguns não viajaram para Londres por lesão: Derrick Rose, Dwayne Wade, Blake Griffin e Dwight Howard. Outros como Paul Pierce, Rajon Rondo, Joe Johnson, Andrew Bynum, Greg Munroe ou Carlos Boozer também poderiam ter sido opções na selecção norte-americana.

Em Londres, um passeio.

Os Norte-Americanos não vacilaram. Dos 156-73 à Nigéria veio um recorde olímpico ao nível de pontuação de uma equipa num jogo olímpico. França, Austrália, Lituânia (a selecção que melhor se portou contra a Norte-Americana, perdendo apenas por 5 pontos) Tunísia, Argentina e Espanha sucumbiram perante o maior potencial dos fundadores da modalidade. Na final de hoje, apesar da Espanha ter jogado dois furos acima do que tinha jogado na fase de grupos (onde em 5 jogos perdeu dois frente a Russia e Brasil, classificando-se no 3º posto; onde sentiu imensas dificuldades para bater uma medíocre anfitriã Britânica apenas por 1 ponto) e nos quartos-de-final\meias frente a França e Rússia, os Americanos acabaram por fazer uma 2ª parte mais consistente. Porém, deve ser dado mérito aos Espanhois pela 1ª parte que fizeram, pelo portentoso jogo interior que tiveram (a partir de Ibaka e dos irmãos Gasol) um pouco ao contrário dos jogos contra Rússia e França (o seu jogo interior foi bem controlado por estas selecções) e pelas fantásticas exibições de Rudy Fernandez e Juan Carlos Navarro, sendo este último um jogo que acho incompreensível como é que só conseguiu aguentar dois anos ao mais alto nível na NBA.

Foi um torneio olímpico com muita qualidade. Desde os Estados Unidos até à fraca Tunísia. O resultado final pareceu-me normal: EUA com o Ouro, Espanha com a prata, Rússia com o bronze. Argentina e França também mereciam as medalhas. Os Argentinos fizeram tudo o que estava ao seu alcance para travar os russos no Bronze. Ginobili e Scola exibiram-se a bom nível. A França de Parker, Batum e Turiaf caiu nos quartos-de-final contra uma Espanha mais forte na parte final da partida. No final da partida também se podem lamentar do extravasar da tristeza de Nicolas Batum, quando agrediu Navarro com um murro na barriga, gesto que deverá ser alvo de punição para o atleta por parte da FIBA. Os Russos, liderados por alguns jogadores recheados ao nível de experiência passada na liga norte-americana (Khryapa, Mozgov, Kirilenko) e por outros que fazem maravilhas na europa (Fridzon) acabaram por ser uma selecção que me cativou muito e que promete dar luta aos americanos no futuro (a rússia foi a única selecção de topo que pelo sorteio não defrontou os EUA).

Por outras paragens podemos constatar que a modalidade terá um futuro mais equilibrado. A Grã-Bretanha montou uma equipa para os jogos. Recrutou dois atletas interessantes na NBA que não nasceram em solo inglês: o Sudanês Luol Deng e o Jamaicano Ben Gordon. Ambos “passaram” por Inglaterra: Deng tinha passaporte britânico quando fugiu do conflito somali rumo aos EUA. Gordon é filho de uma inglesa Tunísia e Nigéria foram bons representantes do continente africano, continente que está a exportar bons talentos para a europa e para as universidades americanas. O Brasil quedou-se pelos quartos-de-final, saboreando uma vitória contra a Espanha na fase de grupos. A Argentina, apesar da experiência acumulada das suas principais vedetas nos campeonatos americanos, espanhol e italiano (Ginobili, Scola, Nocioni) poderá passar por alguns problemas de renovação na sua equipa. A China foi um interessante participante em representação do continente asiático. No entanto, o basket chinês poderá desaparecer de cena nos próximos anos visto que não tem aparecido grandes talentos desde Yao Ming e Yi Jianlian.

Para os próximos olímpicos estou seguro que outras selecções irão aparecer. Israel e Irão terão boas selecções no futuro, a primeira comandada por Omri Cassipi. Na velha europa, outras também começam a despontar como o caso da Dinamarca, Irlanda e Ucrânia. Grécia, Itália, Croácia e Sérvia, pelo passado glorioso que ostentam também deverão ser candidatas a um regresso aos jogos olímpicos.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

NBA Draft 2011

Kyrie Irving. O novo #1 do draft da NBA.

Numa draft lottery em que os Cleveland Cavaliers (na primeira época sem LeBron James) conseguiram uma 1ª e 4ª escolha para equilibrar o seu rooster, apostaram em dois jogadores “semi-estrangeiros” (Irving é australiano naturalizado americano e Tristan Thompson é canadiano mas segue as pisadas do nº1). Irving é um base bastante rápido e pontua muito. Há quem o compare já a LeBron James, se bem que Irving aparece na NBA com piores números que a antiga estrela dos Cavs (muito devido a uma grave lesão que teve na última época de universitário pela prestigiada Duke).

Tristan Thompson é um poste baixo que gosta de se envolver na luta pelos ressaltos.

Na 2ª posição do draft, Minnesota ficou com o poste baixo Derrick Williams. Outro talentoso, segundo o que a comunicação social desportiva Norte-Americana afirma. Excelente para juntar a uma equipa que têm Love, Ricky Rubio e Michael Beasley até ver. Existem rumores que os Lakers estão interessadíssimos no concurso de Kevin Love e estão dispostos a trocar Pau Gasol para a equipa de Minnesota.

Na 3ª posição do draft, Utah (perdeu Deron Williams, Carlos Boozer, Karl Korver e presta-se a perder Andrei Kirilenko que este ano é free-agent falando-se da hipótese Chicago Bulls para o futuro do internacional Russo) ganhou um Turco de nome Enes Kanter. Kanter é um poste muito possante, bom marcador de pontos e bom ressaltador. Kanter, que esteve inicialmente cotado para 9º do draft deste ano realizou bons treinos tanto em Utah, como em Minnesota e em Cleveland, afirmando ser “um pouco de Dwight Howard, um pouco de de Pau Gasol e um pouco de Shaquille O´Neal”. Veremos se o turco corresponde numa equipa que terá que passar nos próximos anos por um enorme processo de reconstrução.

Os Raptores ficaram com o Lituano Jonas Valanciunas mas este ainda ficará na europa mais um ano a evoluir. No lugar 6 aparece outro europeu (um draft recheadíssimo de novos talentos europeus) desta feita Jan Vezely. Para mim, Vezely será uma das grandes revelações da NBA nos próximos anos. O checo jogará nos Detroit Pistons (uma equipa que está em maré baixa mas que têm experientes jogadores na sua equipa) e creio que dentro de 2 a 3 anos será um indiscutível All-Star. Jogava pelo Partizan na Europa, e pelo que vi na Euroliga, é um poste com imensa força e mais calibrado para o ataque do que para a defesa. Para poste, assemelha-se a Chris Bosh porque é um excelente lançador.

Nas restantes posições do draft, destaque para o nº9 Kemba Walker (escolhido pelos Bobcats; poderá ser um bom jogador no futuro pelo que vi nos treinos visto tratar-se de um base muito rápido e bom distribuidor de jogo) para o nº16 o Sérvio naturalizado Americano Nikola Vucevic (escolhido pelos 76ers; teve excelentes números no campeonato universitário por South California), para os drafts do Bulls (Norris Cole tem caminho livre para Miami; Jimmy Buttler veio da Universidade de Marquette em Chicago e é um jogador que pode vir a ser útil pois joga nas duas posições de base e ainda pode ser extremo e Malcolm Lee da UCLA também vai para Minnesota em troca pelo Sérvio Nikola Mirotic, antigo poste do Real Madrid que vem para Chicago e poderá ser um jogador a ter em conta no futuro) para a escolha dos Heat Bojan Bogdanovic (base atirador que vai directinho para Minnesota devido à troca de rookies entre as equipas).

No que toca às primeiras trocas e aos free-agents deste ano também existe algo que escrever:

– No capítulo das trocas e contratações, nada de novo a não ser a troca de rookies no draft entre Minnesota, Chicago e Miami.

– No capítulo das renovações e extensões de contrato, Ray Allen já renovou por Boston por mais uma época. Allen era free-agent e estava nas coagitações de metade das equipas da Liga.

Washington fez extensão de contrato à sua estrela John Wall,  Jordan Crawford, Trevor Booker e Kevin Seraphin por mais 3 anos ou seja, até 2016.

Denver renovou com o base Ty Lawson por 4 épocas.

Os Lakers renovaram com Matt Barnes por mais 1 época enquanto Miami fez o mesmo com o lituano Zydrunas Ilgauskas.

Sacramento extendeu opção de contrato por uma época à sua estrela Tyreke Evans, que no final desta época também se tornava free-agent com restrições (os free-agents podem ser de duas categorias: livres, podendo assinar com qualquer equipa; ou restritos, podem assinar com qualquer equipa mediante compensações por jogadores, drafts futuros ou compensações monetárias). Os Kings também renovaram por uma época com DeMarcus Cousins.

Toronto renovou com uma das suas estrelas por 3 épocas (DeRozan) e com o poste baixo James Johnson.

Indiana renovou com Collison e Tyler Hainsbrough por três 3 épocas.

– Quanto a free-agents ainda disponíveis no mercado:

Nos jogadores que se encontram livres existe uma série bastante interessante de free-agents que podem ser adquiridos pelas equipas sem qualquer custo acrescido:

Jamal Crawford (Atlanta; ainda não recebeu qualquer proposta para renovar)

Carlos Arroyo, Glen Davis, Nenad Krstic, Delonte West e Sasha Pavlovic (Boston; Glen Davis deverá renovar nos próximos dias; West e Pavlovic são jogadores com enorme potencial mas estão descartados das opções de Doc Rivers)

Kurt Thomas (Chicago; será sempre um veterano de classe)

Juan José Barea, Caron Butler, Tyson Chandler, DeShawn Stevenson e Peja Stojakovic em Dallas (duvido que a equipa de Mark Cuban não renove com Barea, Chandler e Stevenson; Caron Butler deverá sair; Peja Stojakovic é carta fora do baralho da equipa de Rick Carlisle e fala-se que poderá assinar pelos Bulls ou pelos Nets na próxima época)

Nenê Hilário e JR Smith (dúvido que ambos saiam de Denver, mas já se falou na possível mudança de JR Smith para Miami e de Nenê para os Nets)

Tracy McGrady e Tayshaun Prince nos Detroit Pistons (Prince será um bom jogador para qualquer equipa da NBA e os Pistons querem a sua saída para poder aliviar a sua folha salarial de modo a poderem reconstruir a sua equipa após estas últimas épocas de desilusão)

Yao Ming é free-agent mas coloca-se dúvidas quanto à possibilidade de voltar a jogar na NBA devido à grave lesão que o Chinês teve na última época que o impediu de jogar por Houston. 

Mike Dunleavy e Josh McRoberts em Indiana (o primeiro é um exímio atirador; o 2º um suplente muito útil a qualquer equipa na NBA. Ambos não foram contemplados com o plano de renovações da equipa)

Jamario Moon (LA Clippers)

Shannon Brown (LA Lakers)

Shane Battier e Leon Powe em Memphis.

Mike Bibby, Erick Dampier, Eddie House, Juwon Howard, James Jones e Jamal Magloire (à excepção de Jones, são todos veteranos e poderão ser úteis em várias equipas que ficaram excluídas dos playoffs nesta época; são todos para sair excepto Bibby cujo futuro ainda é desconhecido).

Earl Boykins e Michael Redd em Milwaukee (Boykins será um base bastante útil em algumas equipas enquanto Redd é uma incógnita porque depois da lesão que sofreu a meio desta época poderá não voltar ao potencial que demonstrava antigamente).

Sasha Vujacic  nos Nets (é credível que saia para a equipa de New Jersey poupar algum dinheiro para atacar uma vedeta da Liga).

Marcus Banks, Aaron Gray, Carl Landry e David West em New Orleans (Gray deverá continuar; Landry e Banks não renovam; David West será um dos nomes quentes deste verão: terá decerto Chicago, Knicks, New Jersey, Lakers, Phoenix, Houston, Detroit e outras equipas na sua cola). 

Jason Richardson também deverá mudar de área em Orlando, mas tal opção só deverá ser exequível se Dwight Howard também mudar.

Tony Battie e Jason Kapono em Philadelphia.

Grant Hill em Phoenix. Acaba carreira?

Samuel Dalembert e Marquis Daniels não deverão ficar em Sacramento.

Leandro Barbosa é uma excelente escolha para o tiro exterior, estando livre em Toronto.

Andrei Kirilenko (Utah; fala-se da hipótese Bulls. Também poderá voltar à Europa)

Josh Howard e Yi Jianlian estão livres em Washington e não foram contemplados com a renovação nos últimos dias. Poderão ser reforços interessantes para as equipas que tentam chegar novamente aos playoffs.

– Quanto aos free-agents restritos temos:

Jeff Green em Boston. Poderá sair por troca directa com qualquer jogador de média dimensão.

Arron Afflalo em Denver. A sua saída já poderá eventualmente indicar troca por troca + compensações monetárias ou escolhas de draft ou então a troca por 2 jogadores de média dimensão.

Rodney Stuckey em Detroit. Poderá ser trocado por 2 ou 3 jogadores de média dimensão  + compensações monetárias e escolhas de draft visto tratar-se de um base com algum talento.

Marc Gasol poderá transferir-se de Memphis para outro lado. Não arrisco a dizer a troca que se poderá efectuar visto que Marc está muito bem cotado no mercado depois do excelente playoff que realizou.

Mario Chalmers em Miami tanto poderá ser trocado como poderá renovar.

Em New Orleans, Marco Bellinelli será moeda de troca por algum jogador de média dimensão.

Thaddeus Young em Philadelphia é um jogador apetecível às equipas grandes e também deverá ser moeda de troca por dois bons jogadores para os 76ers.

Greg Oden em Portland será moeda de troca por 2 ou 3 jogadores de média dimensão ou poderá renovar. A renovação não é um cenário que acho sério, visto o flop que Oden foi para os Trail Blazers (relembro que foi nº1 do draft à uns anos atrás não podendo jogar esse primeiro ano devido a uma lesão na pré-época). 

Post-Scriptum (22:31) – Ao que consta, à mesma hora que escrevia este post, ficou decidida uma mega troca “pós-draft” entre várias equipas: O Espanhol Rudy Fernandez (representava Portland) sai rumo aos Dallas Mavericks que em compensação deram as suas escolhas do draft deste ano (o nº 26 Jordan Hamilton e o nº57). Os Mavs também ficaram com Rudy e Pettri Koponen. Por sua vez, Portland também trocou André Miller e o rookie recebido de Dallas por Raymond Felton (em Fevereiro tinha ído para Denver no pacote Carmelo Anthony). Outras equipas foram metidas ao barulho, Stephen Jackson sai de Washington via Milwaukee Bucks e Corey Maggette sai de Milwaukee para Charlotte. John Salmons sai de Milwaukee para Sacramento e George Hill sai de San Antonio via Indiana.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Na senda da vitória no Este

6ª vitória consecutiva, 9ª vitória em 10 jogos. Os Bulls derrotaram esta madrugada os Utah Jazz por expressivos 118-110 num jogo bastante tranquilo para a turma de Chicago. Com 68 pontos marcados na n1ª parte, os Bulls venciam por 27 ao intervalo, limitando-se a gerir a vantagem no 2º tempo.

Contra uma equipa de Utah que está em clara reformulação de equipa (há umas semanas atrás perdeu Deron Williams para os Nets numa troca que há muito era esperada) foi o poste Al Jeferson e o base Devin Harris (vindo de New Jersey) aqueles que nunca se resignaram perante o domínio total da equipa de Chicago. O poste vindo dos Minesota Timberwolves fez um jogão com 33 pontos e 18 ressaltos e o base marcou 21 pontos.

Na equipa de Chicago voltou a imperar o colectivo. Derrick Rose e Luol Deng marcaram 26 pontos (Rose acabou a 1ª parte com 17; descansou grande parte da 2ª) e Deng voltou a fazer um 2º tempo maravilhoso, como tem sido costume esta época (26 pontos, 7 ressaltos e 6 assistências. Rose está cada vez mais certeiro no tiro exterior. Prova disso foram os 5 triplos em 11 tentativas. À imagem da equipa, que muito criticada por não ter tiro exterior, calou os criticos neste jogo contra a equipa do estado de Utah: prova disso foram os 18 triplos (54 pontos) em 32 tentativas. Nada mau para uma equipa que era criticada por não ter tiro exterior.

Outra das criticas que já li e que já me disseram sobre os Bulls era o facto de não terem gente no banco à altura de assumir preponderância na equipa. Nos últimos jogos, essas críticas também têm sido superadas. CJ Watson, Karl Korver e Taj Gibson tem feito números muito acima da primeira metade da época. O jogo contra os Jazz foi a prova máxima de que o banco de Chicago está a desiquilibrar jogos: Korver marcou 17 pontos e fez 6 assistências (dos 17 pontos, 9 foram de triplo) e o pequeno base CJ Watson marcou 16 pontos, concedeu 8 assistências e ganhou 5 ressaltos. Estamos a falar num tempo de utilização de 26 minutos para Korver e de 17 minutos para Watson.

Tudo isto, perante nova ausência do poste baixo Carlos Boozer que se voltou a lesionar na semana passada. Boozer estará de volta dentro de 1 semana.

Com esta vitória, os Bulls perfizeram um score de 47 vitórias e 18 derrotas, ameaçando o domínio dos Boston Celtics na Conferência Este. Para já, Boston tem 2 jogos a menos, mas os Bulls tem mais 1 vitória e 1 derrota que os Celtics.

(foto Bulls.com)

Tudo isto aconteceu na noite em que a equipa de 1991 dos Chicago Bulls voltou ao United Center para comemorar os 20 anos passados da 1ª vitória da história da equipa na NBA. A 1ª e 6 vitórias em 8 anos na década de 90 sob a batuta daquele que será imortalizado como o melhor de sempre da modalidade: Michael Jordan.

Da equipa de 1991 faziam parte Michael Jordan, Scottie Pippen, o actual General Manager John Paxson e Horace Grant.

Falando um pouco da Liga:

Começam-se a desenhar os primeiros apurados para os playoffs.

Na Conferência Este, Boston, Chicago e Miami (ainda há esperança na turma da Flórida) lutam desenfreadamente pela vitória na Conferência Este, que automaticamente garante o 7º jogo em casa nas rondas dos playoffs da conferência.

A meu ver, Boston perdeu muito com as trocas que efectuou. Pelo menos ao nível de banco.

Logo a seguir vêm Orlando e Atlanta. A turma de Orlando (41-25) pouco mais pode aspirar que a 4ª posição. Atlanta (38- 28) tenta segurar a 5ª perante uma nova vaga vinda de Nova Iorque (34-30). Os Knicks neste momento jogariam a primeira ronda dos playoffs contra os Heat – decerto que será o seu objectivo tentar ascender pelo menos ao 5º lugar da tabela para cruzar com Orlando, um adversário que naturalmente podem bater.

Na luta pelos dois últimos lugares de acesso ao playoff posicionam-se actualmente Philadelphia (34-32) e Indiana Pacers (27-38). Os 76´ers já tem a sua posição consolidada e espreitam os Knicks. Indiana terá que sofrer até ao final com a pressão de Charlotte (os mesmos 27-38) Milwaukee (26-38) e Detroit (23-44) que perante o enorme talento e veterania que apresenta no seu rooster ainda poderá ter uma palavra a dizer nas derradeiras semanas da fase regular.

Embora matematicamente ainda possam chegar aos playoffs, Nets, Toronto, Washington e Cleveland já pensam na próxima época.

Na Conferência Oeste, continua a maravilhosa campanha que os Spurs estão a fazer. Com 54-12 de score já se pode dizer que irão vencer a conferência e como melhor record da fase regular obter o benefício de 7º jogo em casa caso alcancem as finais. Os rivais do Texas (Dallas Mavericks) seguem no 2º posto com 47 vitórias e 19 derrotas, sendo de perto seguidos pelos Lakers que somam o mesmo número de triunfos e mais uma derrota. A turma de LA costuma surpreender nas partes finais da fase regular e é uma equipa que se extravaza nos playoffs.

Os Oklahoma City Thunder de Kevin Durant e Russell Westbrook são 4º com 41 vitórias e  23 derrotas, continuando a boa época que estão a fazer. Perto da jovem turma de Oklahoma assiste a renovada equipa de Denver (39-27) cujas contribuições dos recém-chegados Galinari e Raymond Felton têm ajudado a manter a posição deixada por Carmelo Anthony e Chauncey Billups.

Na luta pelos 3 restantes lugares de acesso, estão New Orleans (39-29) Portland (37-29) e os surpreendentes Memphis Grizzlies (36-31). Qualquer uma destas equipas quererá fugir aos 3 primeiros da Conferência. Os Grizzlies poderão fazer história este ano caso mantenham uma posição nos 8 primeiros lugares. Nunca antes a turma do Tennessee chegou aos playoffs – nem nos tempos em que a sua maior estrela era o espanhol Pau Gasol. Os renovados Suns (adicionaram Vince Carter e Rashard Lewis em troca por Jason Richardson) estão a melhorar de jogo para jogo: Steve Nash encontrou definitivamente em Vince Carter o companheiro ideal para superar este mau período da história da equipa – período esse que coincidiu com a saída de Amare Stoudamire para Nova Iorque.

Os Jazz (34-33) também espreitam a sua oportunidade. Está a ser uma época bastante difícil para a equipa do Estado de Utah. No início da época foram as saídas de Karl Korver, Ronnie Brewer e Carlos Boozer para os Bulls. A meio da época, a estagnação ao nível de resultados levou os seus proprietários a mudar as peças do xadrez, trocando um Deron Williams insatisfeito para os Nets por Devin Harris, outros jogadores e contrapartidas futuras. Harris não é de perto nem de longe um jogador semelhante a Williams, mas pode (em conjunto com jogadores como Al Jefferson, Andrei Kirilenko e Paul Millsap) fazer qualquer coisa ainda esta época.

Não se pode ainda descartar Houston desta luta. Os 33-34 da equipa do Texas deste ano reflectem a ausência prolongada de Yao Ming. Ausência cujos médicos da equipa do Texas afirmam poder redundar em final de carreira para o Chinês. No entanto e no meu entender a equipa do Texas tem um plantel fraquíssimo. O mais fraco que me lembre dos últimos 10 anos. O argentino Luis Scola, Kevin Martin e Kyle Lowry são os únicos jogadores interessantes que consigo encontrar neste plantel de Houston.

Golden State e Clippers ainda tem hipóteses matemáticas de chegar aos playoffs mas tal não creio que venha a acontecer. Para as duas equipas, este é mais um ano de experiência. Aposto (pela qualidade que evidenciam) que a equipa de Los Angeles será surpresa já no próximo ano. Blake Griffin é um fenómeno, e mesmo perante a troca de Baron Davis, os Clippers têm ali um ou outro jogador capaz de muito mais como o rookie Erik Bledsoe, Ike Diogu, o base Mo Williams (um dos melhores bases da liga a meu entender) Randy Foye, Chris Kaman, Jamario Moon e DeAndre Jordan.

Minnesota Timberwolves e Sacramento Kings já estão oficialmente fora do acesso aos playoffs. Os Wolves serão uma aposta de futuro caso mantenham Love, Beasley, Milicic, Pekovic no mesmo saco, acrescentando para o ano o talento de Ricky Rúbio, que embora escolhido pelos Timberwolves no 5 do draft deste ano, apenas se juntará à equipa na próxima época.

Os Kings tiveram nova época para esquecer. Nas trocas, a turma de Sacramento comete erro atrás de erro. Erros que não deviam cometer, dados os anos em que estão a funcionar com um tremendo “low-budget”. Tyreke Evans é um pecado para uma equipa como Sacramento. Os recém chegados Marquis Daniels e Samuel Dalembert não vem acrescentar rigorosamente nada a esta equipa, que conta no seu seio com muita juventude (3 rookies 4 sophomores).

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Derrick Rose titular no All Star Game!

“This is why this Kid is Special”

Na votação para o All Star Game, Derrick Rose foi o 5º jogador mais votado do Este (único de Chicago no All-Star Game) e assim vai ser titular na equipa da Conferência Este.

A votação foi ganha por Dwight Howard (2,099,204 votos) à frente de Amare Stoudamire dos NY Knicks (1,674,995 votos) e de Rose e da dupla de Miami Wade-LeBron James (Wade teve 2,048,175 votos e James teve sensivelmente mais 5 mil votos).

A nota de destaque na Conferência Este vai para o facto de nenhum jogador de Boston estar seleccionado na equipa principal. Relembro que os Celtics comandam o Este com 36 vitórias e 11 derrotas.

Na Conferência Oeste, o jogador mais votado foi Kobe Bryant com 2,380,016 votos, à frente de Kevin Durant dos Oklahoma City Thunders com 1,736,728 votos, de Carmelo Anthony dos Denver Nuggets, Chris Paul dos New Orleans Hornets e curiosamente de Yao Ming dos Houston Rockets que devido a lesão deverá falhar o All-Star Game, devendo ser substituído (em princípio) pelo 2º poste mais votado que foi Pau Gasol.

No Oeste, os San Antonio Spurs (líderes de conferência) também não tem qualquer jogador no 5 ideal.

Derrick Rose vê assim premiada a excelente época que está a realizar ao serviço dos Bulls. Nos 47 jogos da temporada, Rose tem uma média pontual de 24.4 pontos por jogo, 8.1 assistências e 4,6 ressaltos.
Não é à toa que o United Center grita MVP da temporada quando Rose vai à linha de lance livre. Na semana passada, Rose passou 2 dias no hospital devido a um problema de úlceras no estomago. Mesmo sem treinar durante a semana e com claras dificuldades físicas, Rose jogou na sexta e no sábado contra Orlando e Indiana, tendo feito uma pontuação de 22 pontos, 12 assistências e 6 ressaltos contra os Magic e 20 pontos e 7 assistências contra os Pacers.

Os Bulls somam e seguem. Com um “winning streak” de 5 vitórias consecutivas, saltaram para o 2º lugar da conferência em igualdade com os Miami Heat. O score de ambas as equipas é de 33 vitórias e 14 derrotas. Se os comentadores da modalidade afirmam que Miami tem 3 das maiores vedetas da Liga (Wade, Bosh e James) esquecem-se que os Bulls tem 4 (Rose, Boozer, Noah e Deng) e um banco de suplentes qualitativamente superior ao de Miami com Brewer, Korver, CJ Watson, Omer Asik e Gibson.

As previsões sobre a época estão a mudar em Chicago. Existe a clara convicção que os Bulls poderão pelo menos chegar à final de conferência com os Celtics ou com os Heat. Não vejo outra equipa capaz no Este de ombrear com estas 3 equipas a não ser os Orlando Magic.

As finais da Liga é o sonho de Chicago!

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , ,