Tag Archives: União Europeia

o prémio nobel da paz

deixará de alimentar milhões de bocas.

Com as etiquetas , , , , , , , ,

temos boa produção de tomate

mas… porque na vida existe sempre um mas quando se tratam de notícias boas.

A próxima Política Agrícola Comum vai destruir novamente a agricultura portuguesa.

Com as etiquetas , , , ,

jamais…

a ideia reforçada hoje por Angela Merkel no Bundestag antes da cimeira europeia: o poder de veto da Alemanha sobre os orçamentos nacionais que não cumpram o plano de estabilidade e crescimento decretado por Berlim, perdão, pelo eixo Pequim-Berlim-Rio de Janeiro, perdão novamente, por Bruxelas.

como já obrigam os países europeus periféricos a adoptar a política do bom aluno (para satisfazer o reembolso e os juros dos credores alemães de meia europa), tal medida não seria só retirar a soberania nacional aos 26 como praticar a própria ditadura do bom aluno: ou cumpres os nossos planos ou serás sucumbido pelas nossas sanções.

jamais a europa deverá ceder a uma pretensão supra-nacionalista deste calíbre. seria o fim da arquitectura Schumann-Monet-Delors. seria o fim da União Europeia como a conhecemos. seria a passagem clara para um estado federalista cujas ordens seriam ditadas por Berlim. não queremos isto para a Europa pois não?

Com as etiquetas , , , , , , , , ,

leio no público e benzo-me

“Draghi afirmou que o país terá de acelerar as reformas estruturais com que se comprometeu”

“O processo de ajustamento está a ter lugar mais depressa do que o esperado, a economia está a reequilibrar-se de uma base puramente de consumo privado para uma economia mais orientada para as exportações” – palavras do dito cujo.

Pergunta: Mas quais reformas?

Resposta: Calma aí sr. draghi. Lá porque os mercados decidiram acreditar um dia em si, não é sinal que acreditem sempre. Uma coisa é acreditarem que uma medida central poderá efectivamente por fim à especulação dos mercados sobre a dívida de um país. Outra é tentar vender a banha da cobra aos mesmos investidores, numa lógica de “comprem comprem que isto não é assim tão mau” quando de facto o que estão a comprar é mau porque o país em causa está a entrar por uma rua de sentido único: a ruína.

Dizer que a economia portuguesa se está a reequilibrar, quando de facto está a contrair, dizer que a economia portuguesa se está a reequilibrar quando estamos a passar por uma enorme crise de falências em todos os sectores e ainda utilizar a premissa que se está a reequilibrar graças à passagem de um consumo privado (quando todos os dados estatísticos europeus e nacionais indicam uma perda de preocupar no dito e quando é notório que a economia de um país precisa de se levantar através de um aumento do consumo privado interno) para uma economia de exportações quando de facto os nossos sectores produtivos não tem capacidade ou vontade sequer de alimentar o consumo interno que tinham há alguns anos atrás e não tem capacidade de aumentar a sua produção para exportar, é digno de alguém que não anda sequer a ler os relatórios que a sua instituição tem feito sobre o caso português.

 

Com as etiquetas , , , , , , ,

the right quotes

“Public-sector cutbacks today do not solve the problem of yesterday’s profligacy; they simply push economies into deeper recessions. Europe’s leaders know this. They know that growth is needed. But, rather than deal with today’s problems and find a formula for growth, they prefer to deliver homilies about what some previous government should have done.This may be satisfying for the sermonizer, but it won’t solve Europe’s problems – and it won’t save the euro.”

Joseph Stiglitz

Com as etiquetas , , , , ,

Madrid and Athens

Em Madrid, o Estado é calado à bastonada e o governo de Rajoy faz questão de agradecer e louvar a carga policial (o uso do monopólio da força) contra os manifestantes. Estamos perante um Estado perdido que dentro em breve poderá tornar-se num estado fracassado. Os movimentos independentistas que vem da Catalunha e a possibilidade de convocação de um referendo regional nessa região para determinar a vontade de auto-determinação\independência de Madrid poderá ser o revés golpe para um Estado incapaz de continuar unificado e de um governo (de direita) sem ideias.

Em Atenas, a porta voltou-se a abrir para a Grécia sair da zona euro. O governo alemão continua a reiterar que as medidas levadas a cabo pelo governo de Samaras quanto ao corte da despesa pública e reformas estruturais pedidas pelo FMI\Banco Central Europeu e Comissão Europeia estão a ser escassas para contrabalançar o sarilho em que se meteu o país helénico.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , ,

Irão confronta a realidade

Por Javier Solana, Ex-Alto Representante dos Negócios Estrangeiros da UE e ex-secretário-geral da NATO

“Quem é que nunca viu aquela espécie de miragem, que parece água na estrada, num dia quente de Verão? Ou uma imagem tridimensional que na verdade era uma figura numa superfície plana? A natureza da ilusão leva-nos a confundir o que percebemos com a realidade.

Isso é verdade caso a ilusão seja cognitiva ou política. Dependendo de como um determinado evento se desenvolve, pode levar-nos a formular interpretações erróneas sobre o que está realmente a acontecer.

Tais percepções são muitas vezes mediadas por ideias e experiências anteriores. E, tal como Robert Jervis argumentou em Perception and Misperception in International Politics, publicado durante a Guerra Fria, as ilusões que criamos têm uma enorme influência na tomada de decisões – tornando-se até mesmo numa causa fundamental de conflito.

Até certo ponto, isto foi o que aconteceu com a análise da recente 16.ª Cimeira do Movimento dos Países Não-Alinhados (MNA), realizada no final de Agosto em Teerão – a primeira vez que o Irão organizou o encontro. A cimeira realizou-se num contexto de pouco progresso nas negociações com o Irão, em relação ao seu programa nuclear, e com a crescente pressão de Israel para a comunidade internacional estabelecer um “gatilho” – uma linha que a República Islâmica não deva transpor.

Além disso, as tensões regionais aumentaram a percepção da importância da cimeira do MNA e do seu anfitrião. No Médio Oriente, apenas o Irão e Hezbollah apoiam o regime do presidente sírio, Bashar al-Assad, numa guerra civil que está a chegar a uma situação de não retorno e a desestabilizar o Líbano e a Jordânia.

O MNA desempenhou um papel importante durante a Guerra Fria. A sua visão foi moldada pelas recentes lutas pela independência, de muitos dos seus países membros, e a sua agenda promoveu a soberania nacional, a não-interferência, um reequilíbrio nas relações Norte-Sul e o apoio aos movimentos de libertação nacional.

Mas a realidade que uniu o MNA no passado mudou. As estruturas do governo bipolar da Guerra Fria e o período seguinte de unilateralismo norte-americano – no qual os Estados não-alinhados tentaram agir como um contrapeso – deram lugar a um mundo multipolar muito mais complexo e interdependente. Enquanto os Estados Unidos e a Europa ainda lutam para superarem uma grave crise económica, muitos membros do MNA, nomeadamente a Índia, Chile e Singapura, mantiveram um forte crescimento proporcional e fazem parte das novas estruturas de governação mundial, como o G-20.

Da mesma forma, muitos dos problemas que hoje enfrentamos – a alteração climática, a crise financeira, os desafios do desenvolvimento, o terrorismo ou a proliferação nuclear – reflectem a crescente interdependência mundial. Administrá-los de forma eficaz obriga-nos a repensar o conceito de soberania.

Estas mudanças transformaram não só as estruturas tradicionais de poder, mas também o leitmotiv do MNA e o destino dos seus membros. A globalização tem impulsionado, de uma forma cada vez mais ampla, as disparidades entre os seus membros – basta comparar a Colômbia com o Afeganistão ou o Chile com o Sudão – que têm dificuldade em transformar os números absolutos em influência coerente.

O impacto da cimeira de Teerão, e a quem possa ter beneficiado, não está totalmente claro. O Irão certamente considerou o encontro como uma oportunidade de propaganda, prometendo uma vasta cobertura dos media, numa altura em que estava no centro de um furacão diplomático. Mas a incapacidade dos participantes chegarem a uma posição comum, em relação ao programa nuclear do país anfitrião ou à violência na Síria – duas das questões fundamentais que confrontaram a cimeira –, obviamente prejudicou o esforço do Irão para demonstrar que, apesar de enfrentar severas sanções económicas e diplomáticas, permanece um interveniente internacional eficaz.

De facto, o secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, criticou o Irão por não assegurar ao mundo que não está à procura de armas nucleares, na altura em que a Agência Internacional de Energia Atómica publicou um novo relatório, a sugerir que está. E, num discurso de grande intensidade, Mohamed Morsi, o primeiro presidente egípcio a visitar o Irão desde o nascimento da República Islâmica em 1979, rejeitou firmemente o regime sírio, tal como fez numa intervenção posterior na Liga Árabe. Além disso, Morsi recomendou ao Irão a juntar-se ao Egipto, à Turquia e à Arábia Saudita – todos os países de maioria sunita – para pressionar o processo da transição política na Síria (um papel que a oposição síria rejeitou, antes mesmo de o Irão poder dizer não).

Por outras palavras, a realidade traiu a percepção que o Irão procurou criar ao organizar a cimeira MNA. Em vez disso, o discurso de Morsi proporcionou o momento mais memorável da cimeira. E a busca nuclear do Irão continua a ser uma realidade que não deve ser ignorada durante os próximos três anos chave, quando a República Islâmica comandar o MNA, ao mesmo tempo que continua a ser um dos problemas mais graves da agenda internacional.”

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

lata

Juro que tento perceber mas não consigo.

Vitor Constâncio, o 3º governador de um banco central mais bem pago do mundo, aquele que comandou o Banco de Portugal numa das fases mais negras da sua história, que falhou previsões de crescimento económico atrás de previsões durante anos, que falhou previsões de apuramento do défice das contas públicas, que não soube avisar certos governos da sua cor partidária de que a entrada do euro não significava que a partir dali tudo nos fosse permitido, que fechou os olhos ao envolvimento do BPN em escândalos financeiros internacionais, que autorizou os ruinosos negócios do referido banco em Cabo Verde com o Banco Insular (por exemplo) quando deveria de facto proteger os interesses da agência estatal cuja função é a de regular todo o sector financeiro ainda vem, com toda a lata deste mundo e do outro, avisar-nos que teremos que seguir um plano cujo guião já está escrito desde há muito tempo e cuja aplicação prática desse mesmo plano foi um profundo fracasso na Argentina, na Rússia, no Brasil, na Indonésia, nas Filipinas, na Bolívia, na Grécia, na Turquia, no México e que agora se prepara para culminar num enorme fracasso em Portugal.

“Como noutros países acontece o que importa é que haja um Governo e uma maioria parlamentar que executem os programas e as medidas e o ajustamento continue a ser feito” – cita.

Juro que tento perceber mas não consigo.

Já sabemos que a ida para Bruxelas muda muita gente. Mas não será que este Constâncio porventura estará a esquecer-se (ou provavelmente está a ter um surto epidémico de anacronismo histórico em relação ao seu trabalho enquanto governador do banco de portugal) que estas reformas às quais se designa por “planos de ajustamento” (eu diria que são planos de liberalização de um capitalismo selvagem que está doente) já deveriam ter sido feitas, sem cargas de esforço dramáticas para os cidadãos portugueses, no tempo, em que este Constâncio deixava que governantes do seu partido (e do outro que é igual ao seu partido) esbanjavam rios de dinheiro em parcerias público-privadas, em subvenções estatais completamente ocas e sem qualquer efeito de crescimento para a economia portuguesa mas com largos efeitos de crescimento para a economia daqueles que hoje enriqueceram à custa do estado português?

Será que este Constâncio não foi o mesmo que deveria ter alertado os governos portugueses de António Guterres e Durão Barroso para a necessidade da aplicação em prática de um orçamento de estado que fosse cumprido à risca? Será que este Vitor Constâncio não deveria ter sido aquele que deveria ter estado mais atento à possível hecatombe que o colapso do BPN provocou no sistema financeiro português? Não deveria ser este Vitor Constâncio que deveria ter avisado os referidos governos que a eventualidade de uma crise capitalista global (como a que vivemos) poderia ter uma repercussão estonteante no nosso país em derivado da nossa situação de país atrasado, periférico, e incapaz de conseguir estabilidade ou ganhos nas suas balanças (de pagamentos e comercial)? Não deveria ter sido este Constâncio que deveria ter alertado os referidos governantes sobre os efeitos que um possível colapso da zona euro poderia provocar na nossa realidade?

Quem é este Constâncio?

O falhado Constâncio do Banco de Portugal ou um novo Constâncio que defende os interesses alemães a partir do BCE contra o seu próprio país? 

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , ,

quando (3)

Draghi pede aos mercados que acreditem na sua palavra e os mercados reajam em baixa aos juros da dívida espanhola.

Juncker pede a Roesler que se cale, reacção mais que natural de quem sabe perfeitamente que uma declaração negativa de um ministro alemão poderá causar um tufão na Europa.

Roesler continua a dizer mal da vida grega e Samaras continua a dizer mal da vida alemã.

Com as etiquetas , , , , , , , ,

verdade

“Estamos a fazer tudo o que podemos para assegurar que a Grécia fica de pé. E eles [os alemães] fazem tudo o que têm ao seu alcance para garantirem que falhemos. Não sei se o fazem conscientemente ou por serem estúpidos”

Antonis Samaras, primeiro-ministro Grego

Com as etiquetas , , , , ,

concorrência e enfraquecimento

Não é de espantar que a Moody´s tenha colocado em vigilância negativa os ratings das principais potencias europeias (inclusive da Alemanha) que ainda são cotadas com Triple A e que por consequência também tenha colocado na mesma moeda o rating do Fundo Europeu de Estabilidade Financeira (FEEF)

Tal e qual a opinião da vice-presidente da Comissão Europeia Viviane Reding creio que é mais uma manobra norte-americana que visa enfraquecer a Europa. Por vários motivos:

1. Não pelo facto da Alemanha estar em queda ao nível de controlo das suas contas públicas, mas pelo facto de ser o principal motor europeu e pelo facto de ser um de 3 países (em conjunto com a França e com o Reino Unido) capazes de iniciar uma onda expansionista na economia europeia.

2. Na precisa altura em que os EUA estão com dificuldades em concorrer nos mercados com os países do complexo do Sudeste Asiático, principalmente com os Chineses. Os Norte-Americanos já se aperceberam que a sua hegemonia no mundo está em risco e necessitam de enfraquecer os países europeus para que estes futuramente lhes prestem a subserviência do costume.

3. No preciso momento em que a Espanha está sob o risco de bancarrota e necessita que o FEEF actue na compra da sua dívida pública, pelo menos, abaixo dos 7% que de juros que neste momento lhes são cobrados nos mercados, como medida para que os mercados acalmem quanto à questão dívida espanhola. Se a cotação do FEEF for revista em baixa, o Estado Espanhol não terá outra solução que não recorrer à ajuda do Fundo Monetário Internacional.

A explicação da Moody´s é intolerável. A baixa de rating que acima enunciei é justificada pela forte possibilidade da Grécia sair da zona euro ainda este ano. É praticamente certo que os Gregos estão abandonados à sua sorte. Nem o FMI foi capaz de estabilizar a economia Helénica. A Portuguesa parece ir pelo mesmo caminho. E todos os economistas sabem que o risco de contágio a França, Itália e Alemanha da junção dos celeumas Grego, Português e Espanhol é abrangente e poderá ser devastador. E isso interessa neste momento aos Estados Unidos. Abertura e domínio de novos mercados na Europa aos americanos soará a mel.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

que se lixe o país pá

Dos 78 mil milhões que a designada troika nos emprestou (continuo a chamar-lhe resgate, ajuda financeira certificada por Bretton Woods não deveria acarretar juros altíssimos de 5%), metade serviu para a banca ser recapitalizada, outra metade está a servir para o estado português cumprir obrigações em falta e obrigações a curto prazo.

Destes 78 mil milhões de euros, nem um cêntimo será empregue no fomento económico. Os bancos não terão um cêntimo extra para emprestar às empresas. O estado não irá abrir novos pacotes de ajuda ao novo empreendedorismo. Nenhum cêntimo criará emprego ou fomentará o consumo interno.

Olho com alguma preocupação aos mais recentes dados da avaliação do governo.

O consumo interno decresceu e algumas empresas estrangeiras ligadas ao comércio querem zarpar daqui para fora.

As receitas do estado vindas de impostos indirectos decresceram por via do fraco consumo interno. A despesa diminuiu mas não diminuiu aos níveis desejáveis. As exportações do nosso país estão a descer, muito em virtude do nosso parceiro comercvial (a Espanha) estar a passar pelo pior período económico da sua história. O capital estrangeiro não penetra em Portugal em virtude da mesma razão (há que lembrar que o capital estrangeiro espanhol está em maioria em Portugal) e as empresas portuguesas, por falta de liquidez de maior parte dos seus empresários, não serão capazes de iniciar uma onda expansiva a médio-prazo (aumentar a produção a curto prazo é difícilimo, ainda mais num país cuja falta de liquidez para investir é uma realidade).

A próxima avaliação da troika está aí à porta. No início de Setembro, tanto a troika como o governo terão que escolher uma de duas opções: ou se renegocia o programa de reajustamento ou então o governo terá que carregar ainda mais na austeridade (leia-se no rendimento provindo do trabalho) para poder cumprir a meta do défice das contas públicas estabelecida para 2013 (3%) visto que não irá cumprir a estabelecida para 2012 (4,5%). Na 2ª opção, o primeiro-ministro irá rebentar com o restolho da economia portuguesa. E aí, Passos Coelhos não irá mandar lixar as eleições. Pois corre o risco de não ser re-eleito ou, na melhor das hipóteses, de nem sequer terminar a legislatura.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , ,

A evolução do euro

No dia em que Mário Draghi (BCE) afirma que o euro é “irreversível” e “indesvalorizável”e na semana em que a Espanha, mesmo apesar dos pesadíssimos cortes no sector público anunciados por Rajoy, chegou ao estado de bancarrota.

A Espanha foi afectada na mesma semana por indícios de morte súbita: 5 milhões de desempregados actualmente, a ameaça por parte das agências de rating norte-americanas para a passagem a junk da cotação da dívida pública espanhola, uma dívida pública que ultrapassa os 80% do PIB, um crash bolsista de 5,82% na sexta-feira, a súbida das taxas de juro dos títulos de dívida pública para o máximo de 7,27% (os 7%  são a barreira de aferição da doença existente num estado quanto ao cumprimento das suas obrigações) e diversos pedidos de ajuda financeira por parte de governos regionais (Múrcia prepara-se para pedir 300 milhões emprestados ao estado espanhol para cumprir as suas obrigações mais urgentes e Valência prepara-se para pedir 150 milhões).

Preparem-se, o jogo pela sobrevivência vai começar.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , ,

Este tipo é autista?

excertos da entrevista realizada hoje pelo público a António Borges

“Porque consumimos menos?

É um ponto importante. O nosso problema maior é que o país passou dez anos a gastar mais 10% do que podia. As famílias portuguesas tiveram um ajustamento muito forte, pois reconheceram que tinha chegado o tempo de poupar. Há uns anos, Portugal tinha uma das taxas de poupança mais altas da Europa e, de repente, tornou-se num dos piores, só a Grécia estava à ainda pior. Este é o primeiro passo para pôr a economia equilibrada e deixarmos de depender do financiamento externo como de pão para a boca. O passo seguinte é pôr a economia a crescer. E há sinais de que a recessão está a abrandar e já não estamos naquela queda dramática da actividade económica que se verificou no final de 2011, início deste ano.

A evolução do défice público [que disparou em Abril para 1.740 milhões de euros] não contraria essa ideia?

Pelo contrário. As pessoas começaram a poupar mais, em particular em artigos de luxo, automóveis. E o consumo de combustível, por exemplo, também. E isto permitiu reduzir o desequilíbrio das contas externas, mas tem a consequência inevitável de redução dos impostos sobre o consumo, da subida do desemprego, menos impostos sobre o trabalho, e aumento dos subsídios de desemprego, o que se reflecte no défice. O desemprego subiu para além do que se explica pela recessão; há muito tempo que digo que temos andado a fazer duas coisas terríveis, a criar postos de trabalho artificiais e não sustentáveis, e a pagar muito acima do que se devia. O momento da verdade chegou. Infelizmente temos muito mais desemprego do que o esperado.”

(…)

Anotamento Meu

Confesso que a palavra “poupar” me inquieta nestas respostas.

As pessoas começaram a poupar porque gastaram de mais durante anos, pensa Borges. As pessoas não estão a conseguir ter dinheiro no bolso sequer para cumprir as suas obrigações, Sr. António Borges. Must or must see é também o argumento citado de que as pessoas começaram a poupar mais, em particular em artigos de luxo, automóveis. Quais Automóveis Doutor? O que é que considera como artigos de luxo? Um citroen em 2ª mão? Um peugeot de 18 mil euros? Um maserati?

E como economista que é, António Borges parece incapaz de saber que os verdadeiros produtos de luxo, indiferentemente da conjuntura económica que se verifica, são produtos que mantém uma procura rigida.

E o consumo de combustível, por exemplo, também. E isto permitiu reduzir o desequilíbrio das contas externas, mas tem a consequência inevitável de redução dos impostos sobre o consumo, da subida do desemprego, menos impostos sobre o trabalho, e aumento dos subsídios de desemprego, o que se reflecte no défice” Borges mantém-se optimista quanto ao cumprimento das metas traçadas no memorando de entendimento, mas só revela sinais de fraqueza na economia portuguesa. Deliciosa contradição.

(…)

Os banqueiros não aprenderam nada com a crise, basta ver o que se passou com o Barclays.

Desculpe, mas o caso do Barclays não tem nada a ver com a crise. O que se passou é que há um sistema a funcionar facilmente manipulável e, em determinada altura, o Barclays entrou nesse jogo e foi obrigado a admti-lo.”

Anotamento Meu

Como banqueiro que foi António Borges também parece ignorar as linhas pelas quais se cozem os jogos dos bancos num sistema capitalista. Sr. Dr., o Barclays entrou num jogo manhoso que visava crescer desmedidamente (assim como 95% da banca mundial) ao apostar no investimento em activos tóxicos cada vez mais complexos que com o tempo se tornaram pouco dirigíveis (ao nível de resultados) pelas instituições financeiras. Como tal, o sistema bancário colapsou e mais uma vez, foram os contribuintes a pagar os erros da banca.

(…)

Mas são factos destes que minam a confiança do cidadão na banca e geram hostilidade?
Vivemos hoje um ambiente em relação aos bancos, de que o Barclays e o JP Morgan (prejuízo de dois mil milhões) são exemplos, com reacções extremas, e que levam os banqueiros a serem excessivamente prudentes e cautelosos.”

Anotamento meu: prudentes e cautelosos?

(…)

“Que os ricos paguem mais? Não só gosto, como considero estritamente imprescindí¬vel”. A frase é do Comissário Europeu da Concorrência, Joaquin Almunia. Concorda com ela?

Em todos os grandes processos de ajustamento há profundas alterações de situações de poder e de privilégio, com enorme impacto na distribuição de rendimento. É muito importante manter o objectivo de justiça distributiva. Portugal é o país mais desigual da Europa – segundo dados da OCDE – e o País onde, desde 1980, a desigualdade mais tem aumentado. Neste sentido, compreende-se uma afirmação como a de Almunia. Convém, no entanto, relembrar que muitos dos mais ricos estão a sofrer perdas gigantescas de riqueza e de rendimento. Basta olhar para os preços das ações dos bancos para percebermos até que ponto muitos dos mais ricos de Portugal se viram em pouco tempo muito menos ricos do que antes.

Anotamento meu

A isto chamo defesa da classe.

(…)

Como é que consegue trabalhar com Passos Coelho e Miguel Relvas que tiveram uma acção muito negativa, de combate em surdina à campanha eleitoral de Ferreira Leite, de quem foi braço direito e vice-presidente?

Essa matéria é um pouco penosa para mim, devo dizer, com toda a verdade. O dr. Passos Coelho era o nosso rival e combatemo-lo politicamente. Eu próprio, várias vezes, tomei posições bastante críticas. Hoje sou levado a reconhecer que muitas das críticas que na altura fiz não se revelaram correctas e estou surpreendido com a qualidade com que tem sabido governar. Ultrapassou as minhas expectativas e mostra que muitas das críticas estavam desajustadas.”

Anotamento meu: porque Passos lhe deu a mão quando saiu do Fundo Monetário Internacional e lhe endossou um dos dossiers mais criminosos da sua legislatura. Em política, nunca se poderá dizer mal de quem dá a mão nos momentos difíceis.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

golo (na europa)!

“Está claro que o esquema que a `troika` [composta pelo Banco Central Europeu, Fundo Monetário Internacional e Comissão Europeia] está a aplicar na Europa, baseado na austeridade, não está a funcionar. A austeridade está a enfraquecer a economia e isso está a conduzir a um ciclo vicioso recessivo
É necessário que os países europeus compreendam que a austeridade não trará de volta a prosperidade”

Joseph E. Stiglitz, hoje em Maputo.

Com as etiquetas , , , , ,

Quo Vadis?

Menos 214 mil empregos até ao final do próximo ano.

Inconstitucionalidades na aplicação da sobretaxa sobre os subsídios dos funcionários públicos. E claro está, um convite expresso para que este governo ataque os trabalhadores do privado, principalmente aqueles que precisam desses rendimentos para balançar as economias familiares, facto que constitucionalmente também terá que ser declarado como inconstitucional.

Metas orçamentais previstas para este ano não serão cumpridas.

Liberalização fracassada no sector energético, culpada pelo facto das empresas do sector terem o monopólio da rede eléctrica, das águas, da refinação petrolífera em solo nacional.

A Banca recapitalizou-se mas continua fechada ao fomento do novo empreendedorismo e ainda viu o crédito mal-parado aumentar de forma significativa.

O Consumo Interno baixou a índices perto daqueles que se verificavam em Portugal em 1997.

O pico dos juros da dívida portuguesa terá o seu top entre 2016 e 2019 e 2026-2035.

O Banco de Portugal prevê uma retracção da actividade económica de 3% para este ano, contrariando os pedidos do Governo (sem pacotes de ajuda tanto do governo como da banca) para que os jovens sejam empreendedores.

A ajuda à instalação do Banco BIC no BPN. Não se deve considerar uma compra mas sim uma oferta do estado português aos angolanos.

A Nissan, a Renault e a Rio Tinto cancelaram investimentos de cerca de 2,2 mil milhões no nosso país e impossibilitaram a constituição de 1250 novos empregos. Graças a quem? Graças ao “meu colega” Àlvaro, o trapalhão que veio de terras do frio. Ainda por cima, acresce que as unidades de produção estavam previstas para Aveiro (caso da Nissan e da Renault; zona que está a fazer crescer a taxa de desemprego) e Moncorvo (o flagelado interior português).

E o Ministro da Saúde recusa-se a dialogar com os médicos.

Existem condições para este governo continuar?

 

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , ,

incongruências (2)

Penso que conseguimos algo de importante, mas mantivemo-nos fiéis à nossa filosofia: não há ajudas sem contrapartidas.Continuamos inteiramente no esquema anterior: prestação, contrapartida, condicionalidade e controlo ”

Angela Merkel.

1. As soluções que surgiram do impasse criado por Mario Monti e Mariano Rajoy durante esta manhã (a recorrência dos dois países aos mecanismos de estabilização da dívida e empréstimo providos pela União; FEEF e ESM como forma de baixar os juros da dívida quando os dois países necessitem de ir aos mercados por exemplo) podem gerar várias interpretações:

1.1 A construção europeia foi disforme e gerou assimetrias muito grandes ao nível económico e financeiro entre os seus membros.

1.2 Existe uma primeira linha de países nas comunidades, uma 2ª e uma 3ª. Os 2ºs andam a reboque dos primeiros mas ainda podem bater o pé quando se trata de assuntos que dizem respeito à sua soberania. Os de 3ª linha não tem soberania nem poder de decisão: tem que acatar, seguir todas as medidas ditadas por Bruxelas e Berlim e ponto. O nosso governo é autenticamente “comido de cebolada” nas altas esferas europeias.

1.3 A Alemanha comandou as tropas para um acordo que possa livrar a Espanha e a Itália da situação de carência em que se encontram assim como prevenir um eventual contágio desses países (de 2ª linha) numa eventual saída da Grécia da zona euro.

1.4 Mais uma vez se revela que o fracasso promovido pela crise da dívida soberana se dá numa escala tão arrasadora porque os 27 estados-membros da UE não são capazes de cooperar.

1.5 As soluções chegam 1 ano depois de Portugal ter pedido resgate financeiro, 2 anos depois da Grécia e da Irlanda terem iniciado as hostilidades e 5 anos depois da crise ter rebentado.

2. Quanto a Merkel:

2.1 – Merkel continua assente na lógica: “façam o que eu mando e não me questionem”.

2.2 – Merkel pede controlo e rigor nas contas públicas, mas não consegue executar esse rigor no seu país.

2.3 – Merkel tem memória curta. Merkel não se lembra que a Alemanha gerou duas guerras e no final dessas mesmas guerras, foi ajudada a recuperar pelos vencedores. Merkel não se lembra que existiu por exemplo um Plano Marshall, contendo um pacote exclusivo para a Alemanha, o “German Marshall Fund Plan”. Merkel não se lembra que quando a Alemanha se reunificou, foram os parceiros europeus os responsáveis pelo fomento e crescimento da Alemanha Oriental. Merkel não se lembra que na primeira ajuda, os EUA só exigiram que a Alemanha se desmilitarizasse. Na 2ª ajuda, os parceiros europeus não exigiram qualquer contrapartida ao fomento para o desenvolvimento de uma região pobre que entrava nesse mesmo momento para o espaço europeu.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , ,

porque se deseja dominar a europa estrangulando a sua periferia

“as eurobonds são inconstitucionais (à luz da Constituição Alemã), economicamente erradas e contraproducentes. Irei rejeitar as eurobons enquanto for viva”

E a receita de Merkel é um rigoroso controlo das finanças públicas. A nova blitzkrieg germânica, portanto.

Que é coisa que o governo Alemão não aplica no seu país, segundo as estatísticas do Eurostat. Merkel subiu ao poder em 2005. Analisando a série temporal que representa a dívida pública alemã (em relação percentual ao Produto Interno Bruto do país nos anos considerados) de 2005 a 2011.

68.6
68.1
65.2
66.7
74.4
83.0
81.2
Com as etiquetas , , , , ,