Tag Archives: Tottenham Hotspur

não há quem o segure :)

Gareth Bale, o senhor Galês que é dono do melhor pontapé de meia distância do futebol actual. Mais uma proeza, desta feita aos 90″ na vitória do Tottenham Hotspur de André Villas-Boas no Boleyn Ground frente ao West Ham no derby londrino que fechou a jornada da Premier League deste fim-de-semana.

Anúncios
Com as etiquetas , , , , , , ,

milagres

o meu pai é fã do Liverpool. relembra-lhe os tempos do Souness (diz que foi o grande médio do futebol britânico porque foi o primeiro, na década de 80, a mudar o paradigma de actuação dos médios britânicos de um futebol onde estes só se limitavam a cabecear bolas para um futebol de classe com a bola no chão), do Fagan, do Paisley, do Keegan, do Rush, do Dalglish e de outros grandes baluartes da história do clube. compreendo. a mística imanente aos Reds é coisa de se bradar aos céus.

apesar do meu coração “futebolisticamente falando” no futebol britânico morar em Londres (mais precisamente em White Hart Lane), graças a um senhor chamado Jurgen Klinsmann e derivado da sua passagem pelo Tottenham Hotspur Football Club a meio da década de 90,

assisti a um duelo de Liverpool (em Goodison Park) entre Everton e Liverpool.

sinto um carinho especial pelo Everton. não só para fazer pirraça ao meu pai. pela história recente do clube.

david moyes era um modesto treinador em 2002. treinava o Preston North End, equipa que tem militado nas últimas décadas entre a 2ª e a 3ª divisão do futebol inglês. iniciava a sua carreira enquanto treinador.

até que, em 2002, é chamado para levantar o Everton, clube que estava completamente chacinado por uma má gestão financeira (na altura tinha um passivo superior a 150 milhões de euros) e por uma ambição muito escassa (na corda bamba entre a 1ª e a 2ª divisão)

moyes chegou ao clube com vários handicaps. o primeiro, acima de tudo, o facto de ser escocês. os segundos, acima citados.

a direcção do Everton aguentou o quanto pode para preservar as vedetas da companhia: os escoceses David Weir e Duncan Ferguson, o Português Abel Xavier, o italiano Alessandro Pistone, o Dinamarquês Thomas Gravesen, o Francês David Ginola, os Suecos Niklas Alexandersson e Jesper Blomqvist, o velho Gaza (Paul Gascoine) e o Americano Joe-Max Moore. e moyes, lentamente, foi catapultando o Everton para lugares nunca obtidos na história do clube, que culminaram inclusive numa qualificação histórica para as pré-eliminatórias da Liga dos Campeões em 2005\2006.

moyes fez milagres. para além de ter levantado um clube, o Everton é um dos bons centros de bom futebol em inglaterra. são incontáveis os grandes jogadores que saíram das mãos de moyes, podendo citar alguns: Wayne Rooney, Thomas Gravesen, Tony Hibbert, Mikel Arteta, Tim Cahill, Marcus Bent, James Beattie, Per Koldrup, Simon Davies, Andy Johnson, Jack Rodwell, Phil Jagielka, Steven Pienaar, Yakubu, Joleon Lescott, Leighton Baines, John Ruddy, Marouane Fellaini, José Baxter e Nikica Jelavic. Todos estes jogadores chegaram ao estatuto de internacional pelas suas selecções, sendo que a história em alguns casos reza que alguns chegaram a Goodison Park como jogadores sem qualquer mercado na europa. outros como Rooney ou Lescott, atingiram grandes clubes mundiais depois de terem passado por Moyes.

Ouvi Sam Allardyce, actual treinador do West Ham, dizer numa conferência de imprensa que o que é bom nunca “sai da premier league” – referia-se a Arsène Wènger. e tinha razão. Moyes é o exemplo de quem orienta um clube há precisamente 10 anos, sem pressões que visem obter resultados de topo e sem nunca ter pendido sobre si uma ameaça de despedimento. No entanto, o Everton nunca esteve (c0mo tinha estado antes) em risco de despromoção na era Moyes. e isso por si é um feito.

eu e o meu pai vimos o derby de Liverpool. cada um a torcer pelos seus gostos. terminou empatado como se quer. a 2 bolas, com um enorme espectáculo.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

futeboladas

Premier League:

United, Chelsea e Arsenal foram os grandes vencedores da jornada. Se a turma de Wenger venceu o Everton no Emirates por 1-0 com mais um golo de Robin Van Persie e re-entrou na luta pelo título (dista 9 pontos para o City), a equipa comandada por Sir. Alex Ferguson recuperou muito bem da eliminação precoce da Liga dos Campeões com uma goleada caseira contra o Wolverhampton de Mick McCarthy. Nani e Rooney partiram a defesa dos Wolves e puseram o United com o City à vista.

O Tottenham tinha uma oportunidade de ouro (dado o confronto entre Chelsea e City) para reduzir a diferença para o primeiro da tabela ou para ganhar pontos aos Blues na consolidação de um lugar que lhe garanta o apuramento para a Liga dos Campeões da próxima época. Os Spurs voltaram a denotar alguns dos problemas que tem sido vistos nas últimas épocas: fazem excelentes jogos contra as equipas grandes e até conseguem vencer, mas, perdem demasiados pontos em campos onde nunca os deveriam perder. Não querendo diminuir de forma alguma o potencial do Stoke e a carga mítica que o Britannia Row representa para o clube (o Stoke em casa tem 8 vitorias, 4 empates e 3 derrotas em todas as competições) o Tottenham teve tudo para vencer esta partida.

A primeira parte foi lastimável para a equipa orientada por Harry Redknapp. Pode-se efectivamente dizer que os Spurs deram 45 minutos de avanço à equipa de Tony Pulis, materializados com dois golos de Matthew Etherington. Na 2ª parte, a equipa londrina acordou tarde e ainda conseguiu reduzir por intermédio de um penalty convertido pelo Togolês Emmanuel Adebayor depois de uma falta sofrida pelo Croata Luka Modric. Até ao final, seria um autêntico massacre dos Spurs que a bom da verdade deveria ter dado em vitória. Pelo meio, e como as más arbitragens não se verificam apenas em Portugal, a grande estrela da partida haveria de ser o árbitro internacional da FIFA Chris Foy ao não assinalar duas grandes penalidades a favor do Tottenham por braço na bola por parte de defesas do Stoke e um golo mal anulado a Adebayor.

A derrota do Tottenham ameniza-se com a derrota do City mas, os Spurs foram ultrapassados na tabela pelo Chelsea e viram aumentar a distãncia para o Manchester United.

Clássico escaldante no Stamford Bridge. André Villas-Boas conseguiu minorar alguns dos prejuízos pontuais em relação ao City com uma vitória justíssima frente ao City de Mancini. Lampard voltou fazer uma exibição ao nível dos seus melhores anos, e para mim foi uma das figuras do jogo em conjunto com Didier Drogba e Daniel Sturridge. Num cenário de eventual renovação de plantel em Janeiro, o internacional inglês está a aproveitar todas as oportunidades que AVB lhe tem garantido e o costa-marfinense surge rejuvenescido nos últimos jogos.

Tudo isto no dia em que Nicolas Anelka assinou com o Shanghai Shenshuan da Liga Chinesa a troco de 7,5 milhões de euros para os cofres londrinos e num momento em que a imprensa britânica avança que o próximo que poderá embarcar para uma aventura chinesa poderá ser Didier Drogba. Outras notícias tem afirmado que Roman Abrahamovic e André Villas-Boas acordaram em renovar o plantel dos blues no mercado de inverno, podendo adicionar jogadores como João Moutinho, Álvaro Pereira, Edinson Cavani, Marek Hamsik ou Loic Remy através da venda de activos do actual plantel (Didier Drogba, Florent Malouda, John Obi Mikel, Fernando Torres e David Luiz) ou da dispensa de outros para fins de alívio da folha salarial dos blues (Lampard e Michael Essien).

Exceptuando o jogo contra o United, o City de Mancini continua a demonstrar alguma fragilidade nos jogos a doer. Mario Balotelli inaugurou o marcador aos 2″ e Meireles empatou num daqueles golos “à Meireles” aos 34. Na 2ª parte, perante o maior esforço dos blues, Joleon Lescott foi demasiado infantil e deu a vitória de mão beijada aos londrinos.

La Liga:

Em Sevilla, o Valência não aproveitou o deslize do Real Madrid no super clássico, perdendo por 2-1 contra o Bétis. Ironicamente, todos os Portugueses que actuam nestas duas equipas estão castigados: Miguel e Ricardo Costa voltaram a não ser convocados no Valência por problemas disciplinares sobre alçada de Unai Emery; Nélson também não foi convocado no Bétis devido a castigo interno motivado por alegados comentários que o Português terá tecido aos seus antigos colegas no Osasuna acerca da táctica usada pela sua equipa no jogo que opôs as duas equipas.

O Valência continua a 7 pontos da liderança, partilhada por Barça e Real com 37 pontos (os merengues tem menos um jogo).

Vida complicada para o Zaragoza de Roberto, Hélder Postiga e Ruben Micael. Mais uma derrota caseira, desta feita contra o Mallorca por 1-0. A equipa de Javier Aguirre continua na última posição do campeonato e o mexicano começa a ter o lugar em risco.

O Corneliá-El Prat engalanou-se para ver o Espanyol dar uma lição de futebol no Atlético de Madrid. Em 20 minutos, a equipa comandada pelo argentino Maurício Pocchettino e com o Português Rui Fonte como titular, conseguiu chegar a uma vantagem de 3-0 com golos de Juan Verdú (2) e Romaric. O primeiro golo, autoria do médio ofensivo espanhol causa-me alguma estranheza pelo efeito. Fica a dúvida se a bola vai com efeito ou se o guarda-redes Belga Thibault Courtois foi realmente mal batido.

Falcao ainda reduziu aos 32″ para os madrilenos num daqueles golos à Falcao. Confesso que me mete muita pena ver o colombiano nesta equipa. Não que o Atlético não tenha bons jogadores porque os tem, mas pela qualidade que o internacional Colombiano tem e pela falta de ambição e qualidade que é demonstrada pelo treinador Gregório Manzano.

Outra das debilidades que tenho denotado neste Atlético prende-se pela enorme agressividade que a equipa coloca defensivamente. De todos os jogos que vi do Atlético, esta equipa consegue ser de extremos ao ponto de dar cacete como se não houvesse amanhã e depois sofrer golos da forma mais patética possível.

Na 2ª parte, Sérgio Garcia para o Espanyol e Arda Turan para o Atlético puseram o resultado final em 4-2. O Atlético continua no modesto 10º lugar com 19 pontos enquanto o Espanyol assume-se novamente como candidato às provas da UEFA. A equipa de Barcelona ocupa a 8ª posição com 20 pontos.

Serie A

Jogo emocionante em Roma para fechar a 12ª jornada. Jogo de parada e resposta entre duas equipas com objectivos distintos: a Juventus tentava voltar ao 1º lugar do campeonato depois da vitória da Udinese enquanto a Roma precisava urgentemente de vencer a Juventus para voltar a entrar na luta pelo scudetto. Com o empate, a Roma de Luis Enrique fica mais longe desse objectivo e o actual 9º lugar com 18 pontos também não se constitui como uma boa plataforma para se lançar um ataque aos lugares europeus, principalmente a um lugar que garanta a Champions na próxima temporada.

António Conte, treinador da Juve, optou por lançar nesta partida jogadores como os Chilenos Estigarribia e Arturo Vidal e prescindiu de outros como Quagliarella e Eljero Elia (entraram na 2ª parte) e Alessandro Del Piero (não saiu do banco). Não se deu bem nem mal com a estratégia mais defensiva que adoptou. Danielle Di Rossi haveria de inaugurar o marcador aos 6″ e Giorgio Chiellini haveria de empatar a partida aos 61″ numa partida onde os dois guarda-redes (Stekelenburg e Buffon) tiveram alguns momentos para brilhar.

O Inter de Ranieri deu um pontapé no insucesso interno. Giampaolo Pazzini e Yuto Nagatomo foram os autores dos golos frente à Fiorentina no Meazza.

O Inter ascendeu à 11ª posição da tabela com 17 pontos; a Fiorentina continua no 15º lugar com 16 pontos e dado o insucesso da equipa nestas últimas duas temporadas e a não participação do clube nas competições europeias desta temporada, Delio Rossi pode perder jogadores em janeiro como Stevan Jovetic, Juan Vargas, Adem Ljajic, Ricardo Montolivo (fala-se do interesse do Chelsea e a Fiorentina poderá ter que o libertar dado que o médio só tem contrato até Junho de 2012) ou Alberto Gilardino, jogador que está a ser associado nos últimos dias ao Inter.

No Renato Dall´Ara o Bolonha complicou ainda mais a vida ao Milan que também aspirava ao 1º lugar da tabela. O empate sofrido dos milaneses comprometeu essa ambição.

Francesco Guidolin é a esta altura um treinador realizado. A sua Udinese ultrapassou a saída de Alexis Sanchez para o Barcelona e ao contrário do que muitos previam continua a ser a equipa sensação do campeonato italiano. Muito às custas do “eterno” Antonio DiNatale, jogador que aos 34 anos continua a marcar golos como ninguém e pode-se preparar para vencer mais uma vez o prémio de melhor marcador da Serie A.

Neste fim-de-semana a vítima foi o Chievo Verona, equipa que até tem estado a fazer um campeonato regular, com golos do internacional italiano e do Sérvio Dusan Basta. Alberto Palloschi reduziu para a equipa de Verona.

A Udinese lidera em conjunto com a Juventus.

Quem também aproveitou o resultado de ontem da Juve foi a Lazio. Os Romanos, na jornada que antecede a recepção de amanhã ao Sporting para a Liga Europa (jogo importante para a manutenção dos Romanos na prova) bateram o Lecce por 2-3 e voltaram a confirmar que equipa que não joga nada mas tem Miroslav Klose arrisca-se a ganhar qualquer coisita. Continuo a não crer que a Lazio consiga ir para o scudetto, mas arrisca-se seriamente a conseguir a Champions para a próxima época.

O Alemão marcou o 8º golo na Serie A.

Bundesliga

Tarde de festa no Weserstadium em Bremen com a vitória da equipa local por 4-1 frente ao Wolfsburg de Magath. A equipa da casa aproximou-se dos primeiros lugares e conseguiu reduzir a diferença para o 2º (Dortmund) e para o 4º (Borussia de Moenchagladbach) que perderam pontos esta jornada.

A equipa de Magath continua em lugares perigosos.

Em grande forma está Lukas Podolski. O internacional alemão já leva 13 golos nesta bundesliga e torna-se assim mais uma opção para Joachim Low para o Europeu e um alvo apetecível para os grandes clubes europeus dado que para além dos seus tenros 26 anos, também poderá ser inscrito nas competições europeias.
Podolski marcou 2 dos 4 golos da vitória do Colónia de Petit contra o Freiburg.

E Podolski não é o melhor marcador da Liga Alemã porque há um Mario Gomez fora-de-série nesta época. O Sr. Mannschaft voltou a decidir para o Bayern com 2 remates certeiros em resposta ao golo madrugador de Gentner para o Estugarda logo aos 6″ da partida. Dois golos à ponta de lança que perfizeram o número 15 na conta pessoal do titular da selecção alemã.

O Bayern aproveitou para cimentar em 3 pontos a diferença para Dortmund (empatou em casa contra o Kaiserslautern num jogo em que Jurgen Klopp apenas colocou Gotze e Perisic na 2ª parte) e para o Schalke que com a vitória em Berlim frente ao Hertha por 2-1 se colou na 2ª posição do campeonato.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Five Reasons why Tottenham Hotspur could win the Premier League | David Hytner

Um excelente artigo de David Hytner para o The Guardian

Five reasons why Tottenham Hotspur could win the Premier League | David Hytner
A great midfield, an eye for goal and strength in depth make an unlikely case for Spurs this season

Harry Redknapp admits the choice between Rafael van der Vaart and Jermain Defoe up front is a tremendous problem. Photograph: Nigel French/PA

1 The midfield is the envy of the country

Harry Redknapp and Daniel Levy contrived something of a double coup in the final week of the summer transfer window. Not only did the manager and chairman hold Luka Modric to the terms of his contract, so denying him the move he wanted to Chelsea, but they signed Scott Parker from West Ham United for a bargain £5.5m.

With his lung-busting industry and hard-but-fair commitment, Parker has provided fresh ingredients and, like all the classic midfields, this one now has the lot. If Parker screens and breaks up opponents’ play, then Modric makes Tottenham Hotspur tick while Gareth Bale and Aaron Lennon offer the pace and incision on the flanks.

Modric’s public silence since 1 September has been revealing. He has not come out with pledges of loyalty and happiness because to do so would insult people’s intelligence. The talks aimed at better reflecting his value with a pay-rise continue to drag and his longer-term future remains in the balance.

There is no prospect of a mid-season move, despite the inevitable ramping up of interest. “No one will leave in January that I want to keep,” Redknapp said. Modric’s professionalism, therefore, feels worthy of the highest praise.

2 The squad’s strength in depth is imposing

Consider the following lineup: Heurelho Gomes; Vedran Corluka, Michael Dawson, William Gallas, Danny Rose; Steven Pienaar, Sandro, Tom Huddlestone, Niko Kranjcar; Jermain Defoe, Roman Pavlyuchenko. There is no room in it, incidentally, for Carlo Cudicini, Sébastien Bassong or Giovani dos Santos. This, at present (and overlooking fitness issues), is Tottenham’s second XI and it provides Redknapp with impressive options.

The manager had only just finished eulogising Ledley King last week when the central defender and medical miracle took a bang on the knee in training and was ruled out. No matter. Gallas stepped in and the team steamrollered Bolton Wanderers. Redknapp admits that the choice between Rafael van der Vaart and Defoe up front is a tremendous problem and the greatest difficulty is to manage the frustrations of those not involved.

There is an exception. Redknapp is sick of Pavlyuchenko, the Russia striker, who gives the impression that a broken eyeliner would sideline him. A back complaint will keep him from Sunday’s trip to Stoke City and Redknapp was asked when he may return. “After the trip to Shamrock Rovers,” he replied. Redknapp would love to sell the player in January but he would do so only if he could upgrade. The strength of the squad cannot be compromised.

3 Focus will not be blurred by European distractions

Redknapp is already talking as though Tottenham have been eliminated from the Europa League, which is not technically true; if they were to hammer Shamrock Rovers next Thursday and Paok were to beat Rubin Kazan, they would wriggle through. But if it happened, you suspect that Redknapp would privately curse. His views on Europe’s secondary cup competition leave no room for the imagination, particularly “that Thursday night-Sunday thing”. “It just messes the whole week up,” he said.

Redknapp was in full flow when he wondered who had invented the rule about the Champions League drop-outs entering at the last-32 stage of the Europa League. “If you get knocked out of the FA Cup, you don’t come back in the Carling Cup semi-finals … it’s unbelievable,” he said. But the demands of the “never-ending” Europa League, with travel and the potential to pick up injuries prominent among them, are now realities for the Manchester clubs, no matter how seriously United treat the tournament; City want to go all the way.

Chelsea and Arsenal will have bigger fish to fry from next February, in the Champions League, and there is little doubt that, barring a disastrous triumph in Dublin, Redknapp’s players will feel the benefit of weeks free from European football.

4 Loanee Adebayor has raised the bar up front

Tottenham being Tottenham, they have chased and been linked to an array of high-quality centre-forwards in recent times, many of whom have felt out of reach, but in Emmanuel Adebayor Redknapp has landed his own highly salaried galáctico. The deal is only a season-long loan and City, his parent club, are contributing £100,000 of his £170,000 weekly wage, making it unlikely that Tottenham will be able to make any transfer permanent. But they are enjoying the Togolese while they can.

Redknapp had been looking for a No9 like Adebayor for some time, a striker who can play up on his own – to allow the manager to play a 4-3-3 or variations thereon – or as a partner for someone such as Defoe, dropping in behind, or Van der Vaart. Adebayor represents an upgrade on Peter Crouch, who was allowed to join Stoke and, although he misses chances, he scores them, too. He has seven goals in 11 matches, all of them in the Premier League. Like Parker, his record at the club reads: W10 D1.

“He gives us more mobility than what we’ve had and his all-round play has been excellent,” Redknapp said. “His work-rate, too, has been top-class.”

5 Is there truly a runaway favourite for the title?

Almost every fan in the country will answer Manchester City but Redknapp argues strongly that there is not much to choose between the best six clubs in the division and by that, he means the current top six with Liverpool swapped in for Newcastle United.

When asked whether Tottenham can win the league, he says “it is not impossible” and he has presented a nice line between belief-fuelling ambition and realism. The players have responded to being portrayed as contenders – Redknapp is a master of putting a strut in steps – and he has reinforced the point by saying that Tottenham have been in the shakeup for the past two seasons.

“We were fourth the year before last and we were fifth last season and only fell away after our Champions League exit [against Real Madrid in April],” he said. “If we’d have had a decent run then, we’d have been very close last season. We are a top-six team, we could get into the top four and who knows from there?”

Redknapp has said that Manchester United triumphed last season “as everyone else fell over themselves” and with consistency and belief, he feels that stunning opportunity could yet knock on Tottenham’s door.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

AC Milan 0-1 Tottenham

http://video.rutube.ru/e20f3c95d5c450d746e8ac67866da38e

Sempre que os “Spurs” vão a Milão, mostram ser capazes de causar estragos.

Depois do jogo para a fase de grupos frente ao Inter em que apesar da derrota, Gareth Bale fez um brilhante hat-trick, ontem o Tottenham deixou o caminho andado para a queda precoce na competição do colosso Milan.

Num jogo em que Gattuso deveria ter sido expulso pelo menos umas 8 vezes…

Com as etiquetas , , , , , , ,