Tag Archives: Torino

18:51

A Fiorentina acaba de perder em Turim.

É impossível lutar contra o meio-campo da Juve. Que meio-campo fantástico. Arturo Vidal, Andrea Pirlo, Paul Pogba, Claudio Marchisio, Giovinco, Luca Marrone, Mauricio Isla (lesionado há algum tempo mas irá voltar em breve e quando voltar também será opção) – arrisco-me a dizer aqui que estamos perante o melhor 2º melhor meio-campo da actualidade. Com gente na frente como Simone Pepe, Alessandro Matri, Nicolás Anelka, Fabio Quagliarella, Mirko Vucinic e Niklaas Bendtner, não existe ninguém em Itália que possa fazer frente a esta Vecchia Signora.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , ,

e a minha viola empatou

jogo difícil em Turim. El Hamdaoui ainda me deu esperanças a 6 minutos do fim. mas, pelo rendimento que o Torino teve, o empate aceita-se. boas notícias: a juventus perdeu com o milan no clássico e a fiorentina ganhou mais um ponto à vecchia signora. a série A está ao rubro. a fiorentina é 4ª a 4 pontos da primeira posição e tem agora uma série de jogos que convida a subir mais na tabela classificativa.

Com as etiquetas , , , , , ,

Há 3 meses atrás, Alessandro Diamanti nem sonhava que podia ser um dos convocados por Césare Prandelli para este europeu. À sua frente na lista estavam avançados muito mais poderosos (e eficazes) como Alessandro Matri,  o seu colega de ataque no Bologna Robert Aquafresca, Floro Flores, Gianpaolo Pazzini, Pablo Osvaldo, Raffaele Palladino, David Lazanfame, Alberto Gilardino, Giuseppe Sculli e até o histórico Fabrizio Miccoli.

Diamanti assim como o jovem avançado da Juventus Emmanuele Giaccherini acabaram por cair no gosto de Prandelli e causaram espanto na convocatória italiana. Diamanti já tinha feito uma boa época em Inglaterra em 2009\2010 ao serviço do West Ham e nem mesmo apesar dos 8 golos somados na Série A desta temporada faziam dele o melhor marcador da equipa (o melhor seria o veterano Marco Di Vaio que recentemente se desvinculou do clube e assinou por uma equipa canadiana). Já Giaccherini jogou apenas 14 jogos na condição de suplente na Juventus de Antonio Conte, tendo apontado apenas um golo. A olhos grossos, tendo em conta o histórico italiano aberto pelos precedentes Paolo Rossi e Squillaci (eram jogadores de clubes de meio da tabela quando jogaram o mundial de 82´e 90´) a história parecia repetir-se..

Com jogadores no banco como Giovinco, Di Natale e Fabio Borini, é Diamanti quem tem saltado do banco como primeira opção do seleccionador italiano Césare Prandelli. E como é de conhecimento de todos, Di Natale é aquele player talhado para este tipo de palcos. Diamanti nunca foi um finalizador nato: prova disso foram os 70 golos que apontou em 288 jogos como profissional. Não quero com isto dizer que Diamanti não seja finalizador, mas, não é propriamente aquele matador ao estilo Vieri ou Inzaghi. No entanto, Alessandro Diamanti tem outras características que o tornam especial: tem tecnica, tem muita força e incute muita garra no ataque de quem representa, nunca dando uma bola como perdida. Foram essas as características que motivaram Prandelli a convocá-lo para o europeu, tomando em consideração o facto de Di Natale, Cassano e Balotelli serem tecnicistas natos, o facto de Borini ser um excelente finalizador mas ainda ser inexperiente e Giovinco ser um trequartista que cria muito jogo mas não finaliza.

Hoje Diamanti entrou para jogar atrás de Balotelli. E não desiludiu. Tentou 3 jogadas individuais, apareceu tanto na esquerda como na direita como no miolo e na altura da decisão mandou os Ingleses de volta para terras de sua majestade.

Diamanti foi o espelho de uma selecção italiana que nunca desilude. Futebol curto e vistoso, pautado com rigor por Pirlo e De Rossi, criativo lá na frente por Balotelli e Cassano, se bem que o jogador do City não esteve nos seus dias. Exceptuando em dois lances (aquele na primeira parte em que Buffon defende um remate a uma mão e aquele em que Bonucci tira o golo a Ashley Young) a matreira Inglaterra viu jogar a Squadra Azzura. Foram incontáveis as vezes que Cassano rompeu pela esquerda e que Abate rasgou o flanco direito. As próprias estatísticas de jogo não traem o meu raciocínio. A Itália fez 35 remates (20 à baliza) e eu não me lembro de ver uma selecção tão avassaladora numa fase final de um europeu. Faltou eficácia é certo, principalmente de Balotelli: o jogador do City dispõe de 5 oportunidades de golo. Mais, só mesmo a selecção Portuguesa no jogo frente à Dinamarca. Descurando a percentagem de posse de bola, a Itália conseguiu completar 800 passes. Sim, 800 passes. A Selecção Espanhola, em jogo normal, faz cerca de 650 e esse número já é por si um abuso por completo. Só Pirlo fez 140 desses 800 passes. Marchisio 117. Impressionante.

Muito se pode gabar a Inglaterra de ter conseguido aguentar o jogo para os inevitáveis penaltis. Nos últimos 22 anos, esta é a 6ª vez que a Inglaterra é eliminada nas grandes penalidades numa fase final de uma competição internacional. Maldição de Paul Gascoigne? Maldição ou não, Steven Gerrard, Joe Hart e Theo Walcott não mereciam uma eliminação tão dura pelo que fizeram durante o europeu. O 4 de Liverpool renasceu e esteve ao nível do Super Steven de 2005. A jogar na direita, como mandam as regras. O extremo do Arsenal bem correu mas foi dizimado por um exemplar Balzaretti, jogador do Palermo que foi mais uma das apostas de Césare Prandelli (cruzaram-se os dois na Fiorentina em 2007\2008 e desde aí o seleccionador italiano nunca mais prescindiu do lateral-esquerdo nascido em Turim e formado no Torino).

A Itália joga quinta frente à Alemanha, num jogo que promete. Duas equipas que jogam a um ritmo avassalador. Os Alemães, muito moralizados pelo excelente 2º tempo contra os Gregos. A Itália, ligeiramente fatigada pelo prolongamento de hoje mas rica em soluções. Alemães e Italianos são muito fortes fisicamente e creio que o factor que vai contar nesta meia-final será o factor psicológico: vencerá a selecção que demonstrar mais vontade para jogar em Kiev. Um bocado ao contrário do jogo de paciência que prevejo para o Portugal vs Espanha.

Espero portanto que quinta-feira a dita final combinada pelo senhor Platini seja alterada por portugueses e italianos. Para que tenha vergonha e se demita do principal órgão do futebol europeu, cargo onde só tem causado problemas e celeumas. A bem da espectacularidade do futebol europeu.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

confusões (do futebol português)

Em 1997, os grandes clubes do futebol português de então acharam por bem retirar os ditos campeonatos profissionais da mão da Federação e modernizar toda a linha do futebol português com vista à criação de uma liga de clubes, que visava, como vigorava nas modificações feitas em vários organismos de outras ligas com maior poderio no futebol europeu, gerir os ditos campeonatos.

Com a mudança dos tempos e acarretando uma maior necessidade de profissionalização, determinados clubes lançaram-se imediatamente na constituição de Sociedades Anónimas Desportivas. As dos 3 grandes foram imediatamente cotadas em bolsa, dada a necessidade crescente de entrada de novos capitais nas suas gestões de modo a alimentar as suas enormes máquinas burocráticas e reduzir possíveis passivos de caixa das suas tesourarias em determinados momentos, assim, como linearmente, executarem truques de transferências de passivos e activos do clube das sociedades para os clubes e vice-versa.

A Liga, em 1997, ainda era jogada a 18. Muitos consideravam que se deveria diminuir o número de clubes para 16 por uma questão de espectacularidade e competitividade. Outros, consideravam que os 18 até deveriam ser alargados a 20, para que determinados clubes menos favorecidos pudessem usufruir de mais receitas.

Dos 18, passamos a 16 na época 2006\2007.

Como a FIFA e a UEFA não reconhecem como afiliadas as ligas de clubes e apenas as federações, os grandes campeonatos europeus (exceptuando a Inglaterra onde a FA sempre mandou nas competições) regrediram nestas evoluções traçadas nos anos 90 com um recúo do domínio das ligas em prol de um novo domínio das federações.

Como a FPF passou por um intenso celeuma nos últimos anos com a aprovação dos seus estatutos e regime jurídico, em Portugal, esta regressão foi tardia até ao momento em que Fernando Gomes, anterior presidente da Liga, para continuar a mandar no futebol português, saiu da Liga (que será praticamente exonerada dentro de anos) para a FPF.

Pelo meio, criou-se uma competição sem pés nem cabeça e muito menos competitividade e cariz distributor de dinheiro entre os clubes: a Taça da Liga.

Voltaremos, segundo dizem, ao modelo de 18 clubes + 22 na Liga Orangina na próxima época. Isso indica que este ano poderão não existir despromoções na principal liga do nosso país. No entanto coloca-se um problema: o que fazer se o Boavista obtiver razão na relação e no supremo tribunal de justiça?

Depois de vários anos em lutas judiciais graças à injusta despromoção na época 2005\2006, o Boavista de Álvaro Braga Júnior obteve razão na 1ª instância, tendo sido encaminhado o processo para a relação. Dúvido, conhecendo o caso, que a relação se pronuncie desfavoravelmente quanto às pretensões do clube do Bessa: voltar automaticamente à 1ª liga com o pagamento de uma indeminização que poderá ser superior a 25 milhões de euros pelos danos financeiros causados no clube ao longo destes anos em que o Boavista esteve arredado do principal escalão do futebol português.

Nessa situação, o Boavista poderá fazer com que 1 equipa desça da 1ª para a 2ª liga ou poderá impedir a subida de um da 2ª liga para a 1ª.

O futebol português não consegue, ao nível de clubes, manter uma linearidade. Nem consegue o futebol português nem a justiça portuguesa. Volto a 2006: em Itália, Luciano Moggi (antigo dirigente da Juventus) assim como outros dirigentes da Juventus e outros dirigentes de clubes como o Milan, a Lazio e a Fiorentina apareceram envolvidos no escândalo do Calciocaos. Alegados subornos a arbitros, jogadores e pagamentos feitos por casas de apostas a jogadores dos ditos clubes para viciar partidas em prol de um resultado que garantisse um enorme lucro para as ditas casas foram provados em tribunal em processos que duraram meia dúzia de meses. Moggi foi preso e impedido de exercer uma profissão ligada ao futebol durante 4 anos. A Juve perdeu os títulos de 2005 e 2006. A Lazio perdeu 12 pontos, a Fiorentina 9, o Milan 6.

O processo do Boavista arrasta-se vão fazer 6 anos.

Antes do Boavista, já o Gil Vicente tinha sido despromovido por causa ainda mais estúpida, fazendo utilizar um jogador contra uma regra que impede que um jogador amador assine um contrato profissional a meio da época. Falamos do caso Mateus. O Gil perderia razão ao avançar para os tribunais civis, facto que tanto a Liga como a FPF punem arduamente nos seus estatutos e condições de participação nos campeonatos profissionais.

Em Itália, antes do Calciocaos assistiram-se a duas situações: a primeira, em que a Fiorentina, banhada num passivo que em 2002 rondava os 250 milhões de euros tornou-se insolvente. A Fiorentina não tinha condições para exercer o dever de pagar os impostos que vinha acumulando ao estado italiano e os descontos dos seus atletas. Como tal, acabou por pedir insolvência, caíndo para a 4ª divisão italiana. Os Della Valle (familia proprietária da equipa viola) optaram por outra solução, extinguindo o nome do clube e começando outro do zero com outro nome mas com o mesmo símbolo, estádio e até com alguns resistentes da extinta Fiorentina como Torricelli e Angelo Di Livio. Patranhas à parte, a Fiorentina voltaria 2 anos depois ao principal escalão italiano, visto que tinha subido à 3ª divisão e depois à 2ª, sendo convidado a participar nessa época na primeira em troca com o Torino por causa de dívidas fiscais.

Em Itália, apesar da rectidão de algumas decisões dos tribunais e até da própria administração da Serie A, outros factores complicaram a justiça no futebol.

O Torino é o segundo exemplo. Em 2004\2005, o clube de Turim foi impedido de subir de divisão pelas ditas dívidas ao fisco. Subiu a Fiorentina por sua vez a convite da Liga.

Inglaterra tem dois casos mais crassos de má intervenção jurídica no futebol: o Chelsea de Roman Abrahamovic e na altura de José Mourinho esteve envolvido em duas polémicas.

A primeira quando aliciaram o olheiro do Tottenham Frank Arnesen a assumir o controlo do scouting dos Blues, facto que motivou o milionário Russo a dispender 15 milhões de indeminização ao Tottenham num acordo de cavalheiros para que os Spurs não processassem os Blues na justiça. Foram 5 milhões por cada ponto que o Chelsea poderia perder com o acto.

O segundo quando John Obi Mikel, na altura jogador do Lyn Oslo, assinou primeiro com o Manchester United e depois com o Chelsea, comprometendo-se com as duas equipas formalmente. O dinheiro falou mais alto e o Chelsea deu 15 milhões ao United, 5 milhões por cada ponto que poderia perder na justiça desportiva da FA.

Já o Portsmouth, insolvente e com dívidas ao fisco, começou a Championship da época transacta com menos 15 pontos depois de ter sido despromovido (dentro das 4 linhas) da Premier. O Leeds levou semelhante pena quando foi despromovido pela FA para a 3ª divisão há uns anos atrás.

Quem não se lembra por exemplo aquilo que fizeram a Farense, Campomaiorense e Boavista? Quem não se lembra por exemplo que nos anos 90, Benfica, Sporting e Porto também acumulavam dívidas ao fisco, saíndo completamente impunes ao nível desportivo do acto? Quem não se lembra do Sporting de João Rocha e Sousa Cinta ou do Benfica da Operação Coração ou do Porto da retrete de catroga e das Antas penhoradas?

Para finalizar, ainda a propósito das SAD. O Benfica, estatutariamente, não permite que um estrangeiro possua mais do que 49% de acções da sua SAD. A lei de constituição e participação social das SAD mudou e já permite que uma entidade que não o clube possua mais que 50% das acções da sua SAD e que um estrangeiro possua mais do que 33,3% das participações sociais. Dá-se por exemplo o Beira-Mar, onde o iraniano Majid Pishyar é dono de 85% das SAD dos clubes. Não é um bom exemplo do ponto de vista financeiro para o clube de Aveiro (nos próximos dias perceberão porquê) mas é a prova viva de que o futebol português já se moldou à exigência de entrada de petrodolares nos seus cofres para sanear as perturbadas contas dos clubes de 1ª liga. Um pouco à tendência do que é praticado em Inglaterra, Itália, França, Russia e Espanha nos últimos anos.

Onde é que quero chegar com isto tudo?

À não criação de modelos competitivos uniformes. As trocas e baldrocas são mais que muitas.

À não adequação das necessidades do futebol em relação às necessidades de investimento.

À proibição dos tribunais civis serem intrometidos em lutas de bastidores que precisam de ser resolvidas rapidamente por questões de segurança e calendarização das competições.

À diferença barbara entre o futebol português e outras ligas da europa.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,