Tag Archives: Thierry Dusatoir

É da Nova Zelândia

Antes de passar ao jogo de facto, gostaria de começar com o hino do campeonato do mundo de rugby “world in union” para podermos escutar a grandeza do que vou escrever neste post:

A seguir à África do Sul em Paris, a Nova Zelândia em Auckland, 24 anos depois, no mesmo estádio (Eden Park) e contra a mesma selecção (França).

Na noite de Auckland, tudo começou assim:

Portentoso Haka dirigido por Piri Weepu. Destemida e bela reacção de respeito dos Franceses.

Uma final de muitos números e curiosidades.

De um lado, Marc Lièvremont, o mais contestado seleccionador da história do rugby Francês. Despedido pela Federação antes da equipa rumar à Nova Zelândia. Humilhado quando os Bleus perderam contra Tonga na última jornada da fase de grupos. Ninguém iria acreditar que a França pudesse eliminar a Inglaterra e Gales e chegar à final.
Do outro lado, Graham Henry, consagrado aos 65 anos no seu último jogo no comando dos All-Blacks, com um score total de 87 vitórias em 103 jogos no comando técnico dos All-Blacks.
Para alguns jogadores de ambas as selecções, este jogo também pode marcar a despedida das respectivas selecção dado que o rugby é contrário ao avançar da idade: com o término de uma fase, dá-se início a renovações profundas nas selecções.

Por outro lado, a história que cirandou em particular este clássico do mundial mostrava algo extremamente interessante: a Nova Zelândia, apesar da superioridade de triunfos frente aos Gauleses, venceu o campeonato do mundo de 1987 numa final contra a França neste mesmo estádio mas foi três vezes eliminada pela França (mundiais de 1991, 1999 e 2007). Temia-se o síndrome no Eden Park.

Passando ao jogo em si:

Nos 15 iniciais, poucas surpresas. Do lado Francês haveria de se registar a aposta em Morgan Parra na abertura, em deterimento de François Trinh-Duc. Como veremos mais à frente, Parra acabou por sair para dar lugar ao abertura do Montpellier.

A França entrou no jogo com todo o gás, optando por fazer a circular a bola entre os flancos. Os Franceses queriam evitar um início fulgurante dos Neozelandeses e para isso tentaram preservar a bola na sua posse o máximo de tempo possível. Esta estratégia já tinha sido adoptada nos minutos iniciais do jogo dos quartos-de-final frente à Inglaterra e então, tinha dado enormes resultados aos Franceses. A táctica gaulesa era também a de enervar os Neozelandeses e obrigá-los a cometer faltas que pudessem ser úteis ao enorme potencial e alcance do seu abertura improvisado Morgan Parra.

A Nova Zelândia, equipa muito sábia e muito habituada a lidar sobre pressão, rapidamente tomou posse do jogo e logo aos 5 minutos um offside de um jogador francês (creio que foi Do 8 Harinodoquy) deu a possibilidade ao formação All-Black Piri Weepu de atirar pela primeira vez aos postos. Seria portanto, um dos momentos do jogo, com o formação dos Crusaders a falhar. A penalidade não era fácil pois era a cerca de 30 metros encostada à esquerda. Ficou porém nos momentos do jogo visto que Weepu nunca mais encontrou o ritmo da partida. Os pontapeadores sabem perfeitamente daquilo que falo. Se juntarmos o facto que era o primeiro pontapé de uma final de um mundial, é caso para dizer que a pressão fez-se sentir.

A Nova Zelândia tomava conta do jogo depois do ímpeto inicial Francês. Nos primeiros minutos dava para ver que este, à semelhança de outras finais que me lembro ter visto (de 99 a 2007) ia ser um jogo táctico, decidido em pequenos pormenores e sobretudo, na capacidade resistente das equipas em aguentar os picos de ansiedade ao longo da partida e em conseguirem obter mais uma dose de energia depois do longo desgaste que levam no corpo.

Os Franceses estavam afoitos a jogar ao pé para as costas dos Neozelandeses. Tentavam sacudir os All-Blacks dos seus 22 e quem sabe ganhar território que lhes permitisse montar boas plataformas de ataque. Aos 11 minutos, dá-se a primeira substituição do jogo: depois de um choque numa placagens a Ma´a Nonu, Morgan Parra é substituído por lesão de sangue por François Trinh-Duc. Para os menos familiarizados com a modalidade, a substituição de sangue é temporária, ou seja, um jogador entra enquanto outro estiver a receber assistência fora-das-linhas (a assistência médica como já devem ter reparado pode entrar dentro do campo com o jogo a decorrer).

Aos 14 minutos, um dos outros momentos da partida: o ensaio de Tony Woodcock a abrir o marcador para os All-Blacks. Numa falta, Piri Weepu chutou a bola para fora dentro dos 22 metros franceses. Na touche, a bola é jogada para Woodcock, que depois de levantar o saltador correu para um espaço vazio da defensiva gaulesa e entrou triunfante para o primeiro ensaio da partida. 5-o para os All-Blacks na noite de Auckland. Os Franceses estavam literalmente a dormir no lance. Piri Weepu voltaria a falhar a conversão.

A França, no compto geral, estava a defender bem. O domínio da bola assim como o domínio territorial era (e acabou por ser como mostram as estatísticas do site do campeonato do mundo) Neo-Zelandês, mas os franceses podiam gabar-se que nos primeiros 20 minutos estavam a defender muito bem as investidas Neozelandesas. Na Nova Zelândia, o destaque inicial ia para Ma´a Nonu – as investidas do centro estavam a ser certeiras, abrindo muitas brechas no cordão defensivo francês. O centro estava sempre inclinado para explorar os espaços vazios e quase sempre conseguia penetrar muito bem. Trinh-Duc haveria de entrar em definitivo aos 22″ para o lugar de um desolado Parra.

O jogo entrou numa fase em que os avançados tentaram brilhar. De lado a lado, sucediam-se os pick and go e a luta nos breakdowns. Aos 25″, uma falta no ruck dos franceses valeria a Piri Weepu mais um pontapé de penalidade. O formação haveria de falhar novamente para desespero de Graham Henry no seu gabinete no topo do estádio. O formação já custava 8 pontos aos All-Blacks. Alimentava a esperança Francesa. Dado caricato desta altura do jogo era o facto da França só ter ído até então por uma vez ao “ninho defensivo de 22” dos All-Blacks.

Aos 33″, nova substituição na partida: Aaron Cruden, 3ª escolha para o lugar de abertura dos Neozelandeses haveria de se lesionar. Muito azar para uma selecção que já tinha perdido por lesão Dan Carter na parte final da fase de grupos e Colin Slade nos jogos das meias-finais, facto que tinha motivado Graham Henry a convocar durante a semana Stephen Donald, antigo 2 de Dan Carter para a partida da final. Donald iria entrar e como se isso não bastasse, iria ser decisivo como iremos ver mais à frente nesta crónica.

Aos 35″, os Franceses voltaram aos 22 da Nova Zelândia e depois de um pequeno trabalho de incursão dos seus avançados, foram precipitados em colocar a bola em Trinh-Duc para o drop. O jogador do Montpellier haveria de falhar. Passados 2 minutos, o abertura haveria de protagonizar uma excelente incursão pelo meio dos homens do hemisfério-sul, galgando perto de 30 metros com bola no meio-campo francês, valendo Piri Weepu numa rasteira de braço (permitido) a parar o Francês. Se Weepu não para o Francês, este poderia ter causado mossa na defensiva All-Black. A França estava portanto num final de primeira parte em que queria equilibrar o marcador.

Ao intervalo, a Nova Zelândia vencia por 5-0. Se por um lado era uma vantagem escassa (Piri Weepu tinha desperdiçado 8 pontos) por aquilo que os All-Blacks fizeram na primeira parte, por outro, era um resultado merecido pelo que os Franceses tinham feito do ponto de vista defensivo, anulando todas as veias criativas dos Neozelandeses. Aceitava-se portanto a vantagem pelo ponto de equilíbrio dos vectores que enunciei. No entanto, os Neozelandeses marcaram, tiveram mais oportunidades para marcar, foram mais fortes no duelo dos avançados, nos rucks e no jogo no chão, e com mais posse de bola e domínio territorial que os Gauleses. No entanto, a França estava fortíssima a placar, principalmente por intermédio da sua 3ª linha de luxo: Dusatoir, Bonnaire e Harinodoquy. De Dusatoir, falaremos mais à frente.

Na 2ª parte, tudo se transfigurou…

Os Franceses entraram mais poderosos e com vontade de transformar os acontecimentos verificados até então… Aos 41″, uma falta neozelandesa leva Dimitri Yachvilli aos postes para tentar uma penalidade. Á falta de Parra, o grande especialista dos franceses nesse departamento, o formação não era má solução para o 3-5. Porém, à semelhança do seu colega de sector na outra equipa, o médio de formação dos Franceses acabaria por desperdiçar.

Passados 3 minutos, uma falta francesa a 30 metros, virada aos postes em posição frontal daria a Stephen Donald a possibilidade de estabelecer o 8-0 para a Nova Zelândia: bom chutador, o experiente abertura não se fez rogado e aumentou o marcador.

A França teria que arriscar para voltar à partida. Digo voltar, visto que com 8-0 no marcador, um ensaio convertido Francês era escasso para empatar a partida. Um erro neozelandes por volta dos 46″ num ruck daria lugar a um turnover para o lado Francês. Trinh-Duc ficaria senhor do esférico numa disputa com Ma´a Nonu. A bola entrou nos 22 com posse Francesa. Depois de uma série de passes para a direita e para a esquerda, e de tentativas de pick and go por parte dos avançados gauleses, seria o flanqueador e capitão de equipa Thierry Dusatoir a entrar sem oposição para marcar um ensaio junto a um dos postes. Yachvilli punha os Neozelandeses a tremer com a conversão colocando o resultado em 7-8.

Aos 49″ saía Piri Weepu para a entrada de Andrew Ellis. Uma fraca partida do formação que foi um dos patrões desta selecção Neozelandesa neste mundial. Os Franceses estavam em alta e queriam mais. Nos minutos seguintes, os Neozelandeses tentaram avançar no jogo de perímetro curto, preservando assim a posse da bola, e, acalmando os ímpetos franceses numa altura crucial da partida. Os Franceses estavam a defender muito bem desde o minuto inicial e estavam claramente em alta. Apenas lhes traía o nervosismo quando tentavam montar o seu jogo ofensivo.

Seguiu-se um período de muitas faltas de parte a parte. Destaque ia claramente para a exibição dos 3 homens da 3ª linha francesa. A Nova Zelândia à conta de um excelente jogo colectivo ia conseguindo estabilizar o jogo, como lhe competia! Aos 63″ mais um momento do jogo quando o experiente capitão, o idolatrado capitão Neozelandês Richie McCaw é apanhado em offside pelo sul-africano Craig Joubert (mais uma grande arbitragem) e é assinalada uma penalidade a favor dos Franceses: Yachvilli vai aos postes do meio-campo (com os postes em posição frontal) e volta a falhar. Desilusão de Lièvremont no gabinete.

A França faz quatro substituições nos avançados para os minutos finais: Entram o talonador Szarzewski, o pilar Barcella, o 2ª linha Julien Pierre e o médio de formação Marc Doussin. Doussin estreia-se na selecção francesa na final do mundial. Drama até ao final. Os Neozelandeses tentam retardar um ataque final com pontapés para as costas dos avançados franceses. Alguns deles chegam inclusive a dar alinhamentos no interior dos 22 franceses. Nesse departamento, a França esteve muito bem perante a Nova Zelândia. Entra Sonny Bill Williams na Nova Zelândia para refrescar a 3ª linha. Até ao final, a Nova Zelândia controlou a bola e sagrou-se pela 2ª vez na sua história campeã do mundo de rugby.

Man of the Match, Thierry Dusatoir, capitão francês, frustrado pela derrota mas com um jogo de encher o olho a qualquer amante de rugby: 21 placagens e cerca de 60 metros ganhos com bola, algo extraordinário!

Pela negativa: viu-se pouco dos pontas de ambas as equipas (principalmente Alexis Palisson na França e Richard Kahui na Nova Zelândia) e do defesa neozelandês Israel Dagg, uma das vedetas do torneio.

No flash-interview, o seleccionador Neozelandês era um homem contente: “It´s Wonderful. I´m so proud of being a neo zealander tonight. We dreamt with this triumph many many years. Now on, we can rest in peace” – começou por dizer Henry no flash-interview realizado pela organização logo após o jogo acabar. Henry realçou o apoio do público da casa na organização do evento e no apoio incansável aos seus rapazes.

O mesmo sentimento era partilhado pelo homem que iria erguer a taça minutos mais tarde, Richie McCaw. A alegria estampada no rosto dos neozelandeses nesta imagem:

E com esta imagem, me despeço, depois de vividas as emoções do 7º campeonato do mundo da IRB. Daqui a 4 anos, estaremos com os olhos virados no Japão.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

RWC (10)

Quartos-de-final jogados em ritmo diabólico.

4 deliciosos jogos de “win or go home” que ditaram que França, Austrália, Nova Zelândia e País de Gales fiquem mais uma semana a alimentar o sonho de erguer a William Webb Ellis em Auckland no dia 23 e, que, por outro lado, ditaram o adeus dos campeões do mundo em título África do Sul, da Inglaterra, da Irlanda e da Argentina à prova.

Começamos pelo jogo entre Franceses e Ingleses

God save, les miserables et heroiques Bleus”

Golpe de teatro. É a única expressão que me ocorre para tentar explicar aquilo que aconteceu ontem em Wellington. Daqueles golpes que só os franceses, no alto do seu dramatismo e chauvinismo conseguem protagonizar.

Se há cerca de um mês atrás disséssemos que os Franceses iriam atingir as meias-finais do mundial, a primeira pessoa entendida em rugby diria em situações normais na turma gaulesa “talvez”.

Em condições normais, a França sabe perfeitamente que o seu nível permite-lhe atingir, estando sempre dependente dos sorteios e da sua classificação na fase de grupos, as meias-finais.

Não estavamos em condições normais para os gauleses. Antes da comitiva Bleu ter partido para a Nova Zelândia, a ambição de trazer a taça para casa já estava condicionada por uma decisão irreversível por parte da sua federação: Marc Lièvremont, treinador que há a tirar do sério os amantes do rugby francês com as suas invenções e com o fraco nível exibicional da sua selecção, não iria por decisão federativa renovar o seu contrato no fim do mundial qual quer que fosse o resultado no Hemisfério Sul.

Animicamente, vimos a França a partir para a Nova Zelândia sem grande crença. Digo sem grande crença, pois todos os entendidos sabem tão bem quanto eu que uma mudança de treinador, mesmo para jogadores que estejam no auge do seu jogo aos actuais 262728 anos, pode ditar que nunca mais voltem a representar a selecção em virtude da habitual renovação que se dá após os mundiais.

Não sei o que se passou no balneário Francês ontem antes e depois da partida, mas gostaria de ser mosca para saber. Antes, presumo que Lièvremont terá dado uma dose inagualável de moral aos seus jogadores para enfrentar a histórica batalha contra os seus rivais de Inglaterra. Depois, creio que deverá ter saído uma enorme euforia com sabor a sensação de dever cumprido.

Depois de mais uma derrota copiosa contra os da casa, e de uma derrota histórica frente a Tonga que só não custou eliminação porque os Tongas não conseguiram vencer o modesto Canadá na fase de grupos, os Franceses enfrentavam os brilhantes Ingleses de Martin Johnson nos quartos-de-final num claro sintoma de mau estar interno, provocado em muito pelas imensas críticas que flutuaram na imprensa francesa durante a semana.

Os críticos do Le Monde não se coibiram de chamar a Liévremont um fracasso e aos seus jogadores, os arautos de um campeonato do mundo de humilhação. Tão errados que estavam. E que grande surpresa provou ontem a França ao eliminar a turma britânica por 19-12.

Do lado Inglês, a confiança da equipa orientada (e espero que continue a ser orientada) por Martin Johnson, não acompanhava a alta dos resultados da equipa: apesar do pleno de vitórias na fase de grupos, onde se inclui uma vitória arrancada a ferros nos últimos minutos frente à Argentina, o nível exibicional da Inglaterra precisava de ser testado frente a uma equipa mais forte. A França servia na perfeição para a prova dos 9.

A Inglaterra tinha mostrado na fase de grupos, uma sobriedade normal e um regresso aos antigos padrões de jogo: Wilkinson a aproveitar as excelentes épocas que tem realizado ao serviço do Toulon no Top 14 Francês, voltava a ser o maestro de uma orquestra que tinha nesse mesmo médio de abertura um xadrezista exímio no “mexer” das peças do conjunto às ordens de Sua Majestade. Wilkinson voltava, em linguagem normal, a mexer nas peças inglesas a seu belo prazer, a controlar os tempos de ataque e a ditar a típica estratégia dos Britânicos de defender bem para sair para o meio-campo adversário e ganhar o máximo número de faltas para os certeiros pés do seu histórico número 10.

Defensivamente, James Haskell tornava-se um mostro na arte de bem placar e Chris Ashton era e é aquele ponta que todo o treinador deseja, conquistando 6 ensaios na fase de grupos.

O jogo começava com um pontapé de Wilkinson. Nos Line-ups, registavam poucas surpresas em relação aos 15 de potencial máximo das duas selecções. Na Inglaterra, Johnson cometia o erro de casting de colocar Haskell no banco, prescindindo-o por Lewis Moody. Na França, com as críticas executadas ao abertura Trinh-Duc (iria entrar na 2ª parte para formação trocando com Yashvilli) Lièvremont apostava no jovem Morgan Parra.

Desde cedo, os avançados Franceses entraram na partida com o intuito de colmatar o gap que naturalmente sentiam para os avançados ingleses, principalmente no jogo no chão, jogo onde os Ingleses são mestres e naturalmente acham-se os melhores da europa. Com uma troca de bolas veloz (nunca vi tanta velocidade nos franceses na era Lièvremont) e com uma dureza inexcedível nos rucs para ganhar posições e montar plataformas para as arrancadas dos 34, os Franceses iam dominando territorialmente e esse domínio seria transformado em pontos no 1º tempo com a obtenção de 16 pontos sem resposta. Algo no mínimo espantoso para quem assistiu à partida.

Aos 11 e 14 minutos (sendo que o primeiro pontapé foi literalmente do meio-campo) Dimitri Yachvilli mudava de pele com Wilkinson e começava a capitalizar os erros defensivos dos ingleses fazendo o 6-0 para os Franceses. A eficácia do formação ia em excitantes 1519 aos postes, coisa incrível para campeonato do mundo.

Os pick and go franceses, a roçar a vergonha para quem os utiliza normalmente (os Ingleses) eram regra imposta visto que estavam a resultar: Aos 22 minutos, após algumas fases de pick and go e a libertação da oval para o flanco esquerdo iria resultar numa série de cruzamentos excitantes abertura-centro e num fantástico ensaio de Vincent Clerc (5º no mundial) que até teve direito a rotação para ultrapassar o último defensor em linha e colocar a bola na linha de meta. Soberbo. Os Franceses davam uma autêntica lição de estética ao feio rugby Inglês.

Aos 31″ após touche ganha dentro dos 22, de sucessivas fases de pick and go alternadas com variações de jogo da direita para a esquerda, seria o defesa Maxime Medard a elevar a contagem para incríveis 16-0. Eu, nem conseguia acreditar no que estava a ver. Pobres Ingleses. Era um tremendo gozo.

Como viriam a provar as estatísticas, a França dominou em território (5743) e em tempo útil na área de 22 adversária (12 contra 8 minutos).

Na 2ª parte, Johnson, cansado do banho que estava a levar da França teve que alterar a equipa para recuperar o handicap. Se os Franceses tinham estado bem no ataque, melhor estiveram na defesa na 2ª parte, não permitindo o natural alavancar do jogo de ataque Inglês em busca do resultado perdido. No entanto, Wilkinson não estava nos seus dias e homens como Cuetto, Foden, Ashton e Tuilagi andavam completamente ausentes. Rara era uma tentativa em que um homem britânico não falhasse a recepção de um passe ou não esbarasse contra a forte defensiva gaulesa.

Foi nesse cenário que Ben Foden conseguiu aos 51″ amenizar as perdas, passando por 5 adversários gauleses para o ensaio. Continuavam dois ensaios à maior para a França.

A França nunca se deixou enganar pela vantagem que possuía e foi subindo gradualmente no terreno, de modo a ter bola e a dominar as operações. Foi nesse sentido que Yachvilli aos 73 selou a vitória para os Franceses com um drop goal certeiro a 18 metros. Táctica correcta dos homens de Lièvremont: a ganhar por 16 ao intervalo eBB perante um ensaio inglês a 30 minutos do fim, defender uma vantagem deste calíbre seria um risco neste ritmo de alta competição.

Para o final, estava reservado mais um ensaio dos Ingleses pelas mãos do centro Mark Cuetto e uma penalidade de Yachvilli que bateu em cheio nos postes e resvalou para o lado da linha de meta inglesa.

Vitória justíssima de uma França que promete para as meias finais contra Gales.

Yachvilli foi o melhor de um colectivo francês que teve 100% em alta, com relevante destaque para as prestações do trio da 3ª linha francesa, imparáveis a defender e com arrancadas extremamente possantes: Harinodorquy, Dusatoir e Julien Bonnaire.

No final da partida, eram estas as palavras de um desolado Martin Johnson: “We created more chances to score than they did, We probably had three or four chances that went missing. They took theirs and took theirs early, so it left us chasing the game. Today we let it out of our grasp too early.” – para quem viu o jogo, não é verdade. Foi um discurso algo descabido do técnico Britânico, algo que é normal visto que tinha sido eliminado do mundial por uma selecção da qual não estava a contar com uma resposta tão forte.

Já Lièvremont, não cabia em si de satisfeito com a bofetada que acabava de dar em todos os experts do rugby Francês: “We controlled the match well at the beginning. After they put pressure on us, we were able to relieve that pressure with our kicking game and that allowed us to get our game in order.
I was very happy with the first half and it was a very good half in terms of discipline. The second half wasn’t so good, but maybe it wouldn’t have been the same feeling if England hadn’t made it more difficult for us.”

Em Inglaterra, a derrota causou muita insatisfação entre as hostes locais da Federação. Várias acusações foram trocadas entre dirigentes da RFU e o futuro de Martin Johnson no comando da selecção será um assunto debatido nos próximos dias pelos dirigentes da Federação. No outro lado do mundo, o centro Tuilagi esqueceu por completo a eliminação com um mergulho através de um Ferry, facto que é proíbido por lei na Nova Zelândia. As autoridades do país levaram o jogador à esquadra e este foi multado em 3 mil libras.

Já o site Rugbyrama em França exaltou a vitória Francesa. Sonha-se alto em França. Lièvremont passou de besta a bestial.

Gales vs Irlanda

Como não consegui acordar a tempo (6 da manhã) para ver esta partida, aqui fica o registo que nos é oferecido sobre a partida pelo site do mundial:

WELLINGTON, 8 Oct. – A Wales side playing “without fear” defended their way to a Rugby World Cup semi-final by standing up to a muscular Ireland to win the first quarter-final 22-10 on Saturday.

Wales coach Warren Gatland said the younger players in his side were unaffected by the past and benefited from the solid foundation of hard work laid down in the pre-season.

“They have no baggage and there’s no fear factor,” Gatland said. “We are in New Zealand and not in the bubble of Wales and listening to any of the negativity that is sometimes generated back home.

“We’ve worked so hard in the last three, four months. We aren’t ready to go home yet.”

Wales’s three tries to Ireland’s one was a true reflection of the attacking abilities of the two sides, although not of Ireland’s first-half dominance of territory and possession at Wellington Regional Stadium.

Three times they shunned early penalty shots at goal to look for tries, but Wales were equal to them.

“We spent a lot of time in that first half in their 22 and we only came up with three points in the half,” said Ireland captain Brian O’Driscoll.

“It hurts a bit when you’re going in at half-time having the opportunities and knocking on the door but not really getting any points out of the territory.”

Caught napping

Ireland had 60 per cent of the territory and 57 per cent of possession in the first half but their bludgeoning and battering of the Wales defence produced a solitary penalty goal after Wales had opened the match with a spectacular Shane Williams winger’s try.

Ireland drew level early in the second half when wing Keith Earls somehow managed to keep his feet in play while sliding over in the corner.

But the match turned Wales’s way when man-of-the-match Mike Phillips caught Ireland napping down the blindside of a ruck – a trademark of the France-based scrum half’s play.

When Wales outside centre Jonathan Davies scored by first eluding some tiring forwards in front of him and then clapping on the pace to outstrip the cover defence, the match – and a place in the semi-finals for the first time since 1987 – was theirs.

The try had in part been created by a typically powerful run further infield by Davies’s centre partner Jamie Roberts, who soaked up defenders all night.

In the second half, the territory evened out at 50-50 and Ireland’s control of possession was pared back to 54 per cent, but by then the Irish had run out of time and ideas and been let down too often by their handling.

Typically gracious

Wales had to make 141 tackles in the match and missed only 11, while Ireland made 93 but missed 14. Ireland’s lineout also faltered at crucial times, losing three on their own throw.

Shane Williams was bullish about Wales’s chances of further progression, saying: “Some people thought I was being funny when I said we were coming here to win it, but I wasn’t.”

A majority of the crowd of 35,787 were solidly behind Ireland, but their support was not enough to stave off a fifth defeat in five quarter-final appearances at Rugby World Cups.

O’Driscoll was typically gracious in defeat, acknowledging that Wales had taken their opportunities where his side did not.

“It was a great opportunity for us winning the group, but they showed they are worthy semi-finalists, good luck to them.

“We needed to deliver a performance similar to the one against Australia or the one against Italy last week. We didn’t do that today, we knocked on way too much ball.

“Collectively and personally I won’t get this opportunity again and that really sucks. But you know, life goes on.”

Austrália vs África do Sul

O´Connor tenta passar pelos jogadores da África do Sul em pleno esforço de batalha. O jovem defesaponta de 21 anos dos Queensland Reds foi decisivo ao apontar o pontapé que leva a Austrália para as meias-finais em mais um clássico contra a Nova Zelândia. Se me perguntarem quais foram os melhores da partida não hesito: David Pocock para a Austrália pela quantidade inesgotável de força e de brio que deu ao rugby Australiano, e Victor Matfield pela experiência, pela atitude devastadora na limpeza de rucks e por ter secado os Australianos nas touches.

Táctico e épico. Springboks e Wallabies defrontaram-se na manhã de hoje em Wellington e os campeões do mundo em título foram eliminados por uma inconstante selecção australiana.

Era o clássico mais esperado destes quartos-de-final.

De um lado, a África do Sul de Peter de Villiers em alta com o pleno de vitórias obtido na fase de grupos. Após péssimos testes no 3 Nações, os Sul-Africanos apareciam neste mundial com uma aparência algo debilitada. No entanto, a experiência veio ao de cima e a vitória contra Gales prometia em grande nível a participação dos campeões do mundo em título.

Do outro lado, a inconstante e ofensiva Austrália de Robbie Deans, orfã da criatividade de Matt Giteau e com uma onda negativa em seu redor cimentada pela derrota contra a Irlanda e com a exibição pouco conseguida contra a Itália.

Nos 15 iniciais, as duas selecções mostravam-se na máxima força para se degladiarem em campo pela passagem às meias. Na Austrália, a dupla de sucesso na 2ª linha Dan Vickerman e James Horwill voltava a remeter o veterano Nathan Sharpe ao banco de suplentes. Com o nó que Matfield estava a dar nas touches, Robbie Deans ainda tentou remediar a situação colocando o veterano saltador na frente do histórico sul-africano mas Matfield continuou a coroar de exito a sua prestação pessoal mesmo na hora da derrota da sua selecção. O instável Quade Cooper continuaria a jogar na abertura, mas, voltou a decepcionar em campo.

Na África do Sul, Peter de Villiers (falaremos de um after-match case que levou o seleccionador sul-africano a resignar ao cargo após esta derrota) voltou a apostar no jovem Pat Lambie a defesa em deterimento de homens mais experientes como Butch James.

Os primeiros minutos da partida começaram com as duas equipas a quererem jogar ao largo e sem apostar muito no desgaste através do jogo de avançados. A Austrália entrava nervosa no jogo, falhando alguns passes e algumas recepções, algumas delas em sítios comprometedores. Will Genia e Quade Cooper conseguiriam todavia despachar o jogo como podiam em jogadas à beira da sua linha de ensaio. Nos primeiros minutos, o jogo era muito mal jogado, com os homens lá de trás a trocar bolas ao pé e sem que qualquer selecção quisesse assumir as despesas de jogo.

O primeiro grande momento do jogo iria surgir aos 11″ quando depois de um alinhamento conquistado por Matfield, o asa Shalke Burguer haveria de perder a bola a 10 metros da sua linha de ensaio quando tentava jogar à mão (Burguer costuma ser exímio a sair a jogar em zona aflitiva) e resultante do turnover, a Austrália em dois passes mete o 2ª linha James Horwill embalado para o primeiro ensaio da partida. Erro imperdoável para os springboks a este nível e Burguer não iria recuperar a compostura depois desse erro. O´Connor não iria converter e o resultado era de 5-0 aos 12″.

Embalada pelo ensaio, a Austrália chegava-se à frente e tentava o 2º. Aos 14″, Kurtley Beale conseguia uma arrancada estonteante por meio dos 34 australianos e só não foi ensaio porque a seu lado ia o talonador Stephen Moore e como tal foi bem placado pela defensiva australiana. Um minuto depois seria Heinrich Brussow a cometer falta no meio campo sul-africano e O´Connor a capitalizar o erro para o 8-0 de penalidade. Brussow, o melhor placador sul-africano iria sair lesionado minutos depois, obrigando De Villiers a mexer na equipa.

Perante a pontuação inicial da Austrália, a África do Sul tentou sair e começou a rondar a área de 22 dos Australianos, que só não tem dissabores aos 22″ porque Will Genia, apertado por vários jogadores africanos, atira a bola para fora dentro dos 22 metros concedendo uma touche de introdução Springbok. Do alinhamento, os sul-africanos tiveram com um ruck montado a 1 metro da linha de ensaio mas seria novamente Burguer a cometer uma infracção que permitia à Austrália respirar. Os Sul-africanos iam jogando no perímetro curto mas a Austrália, mal ou bem, ia resolvendo os seus problemas defensivos.

Nesta altura, apareciam os temíveis centros sul-africanos: Jacques Fourie e De Villiers tentavam arrancar pelo meio campo fora mas sem grandes resultados. Tanto os centros como os pontas australianos tiveram muito escondidos durante toda a partida.

Aos 26″ depois de assinalado um offside aos Australianos, Steyn tentou uma penalidade do meio campo mas sem exito. Era extremamente difícil dado o posicionamento da bola, no cruzamento entre a linha do meio campo e a linha final do flanco esquerdo sul-africano.

A África do Sul, até ao final da primeira, haveria de estender o seu jogo pelo meio-campo australiano, mas apenas uma falta de mãos no ruck de James Horwill haveria de resultar em pontos com uma penalidade de Morne Steyn para o 3-8. Mesmo em cima do intervalo, nova penalidade do meio-campo não trazia sorte a Steyn.

Na 2ª parte, como tinha sido apanágio da primeira, os primeiros ascendentes seriam australianos: primeiro seria Cooper e o seu ponta Digby Ioane a iniciar uma veloz arrancada com bola pelo território sul-africano, parada, mas em falta clara pelos sul-africanos. Na jogada seguinte, um passe para a frente de Jan de Villiers para Habana cortou uma jogada de ensaio para a África do Sul. Habana esteve muito apagado neste mundial.

Aos 49″, perante a fraca prestação do capitão John Smit e de Bryan Habana, Peter De Villiers tenta mexer no ímpeto da equipa, colocando Bismark Du Plessis como talonador e François Hougaard na ponta: o ponta havia sido talismã contra Gales, marcando o ensaio da vitória nos últimos minutos. A África do Sul cresceu em muito com as investidas de Du Plessis no pick and go mas continuava a perder por 5. Passados 5 minutos, nova falta australiana dava o 6-8 a Steyn de penalidade. Renascia a contenda. 3 pontos eram no entanto um prémio pouco abonatório para os 8 minutos consecutivos que a África do Sul tinha passado no meio-campo australiano em busca do ensaio da reviravolta.

A Austrália desconcentrou-se definitivamente e cometia erros após erros. Quade Cooper em dia não, num pontapé de 22 após ter pedido marco quase dava o ensaio à Africa do Sul. Valeu o facto de Matfield ter entrado de lado no ruck em jogo faltoso. Tanta água tentava a África do Sul levar ao seu moínho que aos 57″, Morne Steyn virava o resultado para 9-6 com um daqueles drops que só ele sabe fazer.

A Austrália tinha que vir para a frente. Com o 9-6 vinha um momento de indecisão na partida. Até que aos 72″, num gesto salvador e quando se previa que a Austrália tinha perdido gás para a recuperação, James O´Connor pontapeava uma penalidade a 40 metros para gáudio dos milhares de adeptos australianos presentes em Wellington.

O jogo tanto podia ter caído para um lado como para o outro, mas na minha humilde opinião, a África do Sul mereceu mais a vitória nesta partida.

Com o fim da partida, Peter De Villiers veio muito serenamente ao flash-interview afirmar que este tinha sido o seu último jogo ao comando dos springboks. Como legado, deixa uma taça do mundo e uma selecção de enorme valia que foi construíndo ao longo destes anos e que será recordada por muitos anos pelos sul-africanos.

Do lado Australiano, euforia pela eliminação dos detentores da William Webb Ellis e contenção nas palavras porque nada está ganho e domingo há jogo frente à Nova Zelândia.

Robbie Deans – “Immense. David Pocock’s game was remarkable. It will be delightfull to see him next sundae near Richie McCaw. We had some real issues there in the second half clearing our ball and they put us under a lot of pressure. I’m really really proud of the way boys fought and dug in. That was a huge effort and took everything. I’m just stoked. The really pleasing thing tonight was that we just kept going and kept perservering and got the result. We to work some gaps of our game to develop in game next week against New Zealand.” – disse o seleccionador Australiano


Piri Weepu pulled on his shooting boots to kick New Zealand to victory over Argentina and seal a place in the Rugby World Cup semi-finals.

Weepu was the star performer of the match at Eden Park, slotting seven penalties for a 100 per cent success rate that set a RWC 2011 record.

Second-half tries by Kieran Read and veteran Brad Thorn cemented a 33-10 win for the All Blacks to set up a last-four showdown with Australia next week and the success commemorated full back Mils Muliaina’s 100th Test match.

Weepu’s night of magic drew praise from assistant coach Steven Hansen, who said: “He had an outstanding game and we are really proud of him.

“Tonight he stood up. His brain is working at 100 miles an hour but he is ice cool as well. He is one of the leaders in the team.”

Teammate Conrad Smith was equally impressed. “His goalkicking was huge for us and that fed a bit of confidence into him,” he said.

Handling error

A menacing rendition of their Kapa o Pango haka made the All Blacks’ intent clear but it was not the most polished of starts from the number one team in the world.

New Zealand were lucky not to concede a try just seven minutes into the match following a handling error by young fly half Colin Slade as they battled to break through the Argentine defence.

Weepu got the first points on the board from a penalty kick in 12 minutes, the longest time it has taken the All Blacks to score points at RWC 2011.

Handling errors continued to plague them and it was not long before the Pumas pounced, with Julio Farías Cabello going over for the first try on the half-hour mark. A successful conversion by captain Felipe Contepomi gave his side a one-point lead before two more penalties from Weepu put the All Blacks back in front 12-7 at half-time.

New Zealand’s newest squad member Aaron Cruden, who joined the team last week following Dan Carter’s exit through injury, revelled in the opportunity to play after replacing Colin Slade in the 32nd minute.

“A couple of weeks ago I was sitting on the couch and enjoying the Rugby World Cup in New Zealand and now I am playing in it,” Cruden said. “It is surreal.”

Brave performance

Weepu continued his fine kicking form after the break while New Zealand pushed for a try.

Argentina’s defence continued to hold firm, managing to deny the All Blacks any points for 10 minutes as they played a man down after scrum half Nicolás Vergallo’s trip to the sin bin.

But with a final tally of 134 tackles compared with New Zealand’s 54, the Pumas started to tire towards the end. That enabled Read to break through to score the All Blacks’ first try and bring most of the 57,912, black-clad fans to their feet.

Although it took his men 66 minutes to register a try, New Zealand coach Graham Henry was happy with how his side took on their tenacious opponents.

“You like to score early. It takes the pressure off,” he said. “But it was one of those games. It was a tough old game. They played well and I think they deserve a lot of credit.”

Captain Richie McCaw said: “They defended really well. In the first half they slowed the ball. As the game went on we got on top of things. We kept believing what we were doing and we got the points.”

Argentina captain Contepomi commended his team’s brave performance against the tournament favourites and believes the effort bodes well for the future.

“I think we were competitive for 60 minutes,” he said. “Then the All Blacks showed their match and they won it well. But that’s just rugby.

“When we have the ball, we have to try to keep it a bit longer because we have some players who can play some more dynamic rugby. But that will happen when we play more games and when we play every year against the best, the All Blacks.”

The stage is now set for New Zealand to meet their trans-Tasman rivals Australia next Sunday. With the All Blacks still smarting from their most recent loss to the Wallabies in the final Tri Nations match in August, Read is relishing meeting them again in the semi-final.

“For us to play next week is good enough in itself,” he said. “But I suppose it doesn’t get much better than playing a semi-final against the Aussies.”

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

RWC 2011 (2)

O 2º dia de jogos, trouxe partidas bem interessantes. Os países emergentes do rugby mundial (outros chamam-lhes os países de 2ª e 3ª divisão mundial) conseguiram fazer resultados brilhantes contra as equipas de topo do ranking da IRB.

Tanto a Roménia como o Japão estiveram a 10 minutos de provocar duas surpresas históricas.

De forma breve, sucinta e não rebuscada, pedindo desculpa pela não colocação de highlights das partidas (estou-me a ver grego para arranjar highlights; se algum leitor mais sapiente me arranjar um site onde possa ter as highlights da partida, agradeço que me coloque os links na barra de comentários):

– No primeiro jogo da noite, a Roménia esteve a um passo de garantir um resultado histórico contra a Escócia. Foi um jogo bastante interessante de ver.

O seleccionador Romeno Romeo Gotineac, pedia na antevisão da partida contra a forte selecção escocesa (forte tendo em conta o potencial romeno; fraca perante as restantes nações de top-10 inclusive a Itália) respeito pela selecção romena. Apenas respeito.

A Escócia acusou o pedido e iniciou o jogo com a corda toda. Em combate, dois jogos completamente distintos: o Escocês, um jogo pragmático, de perímetro largo, onde os 34 assumem mais preponderância que os avançados. Daí que os verdadeiros jogadores da turma escocesa sejam os formações ParksCusiter, o abertura Jackson, o centro Shaun Lamont e o arrière Paterson. Do outro lado, o típico jogo romeno que nós portugueses tão bem conhecemos – a força de avançados no jogo de avançados, ou seja, no pick and go, no jogo no chão, nos mulls, nas melées e nos alinhamentos. Um jogo de paciência no perímetro curto, desgaste e desaceleração, protagonizado pelos nossos bem conhecidos Tonita, Tincu, Dumbrava, Dumitras, Gal, Petre, Sirbu e Dimofte. 

Se os Escoceses começaram a jogar de forma rápida e pragmática em busca dos pontos nos minutos iniciais, rapidamente os romenos foram igualando a partida e chegaram mesmo a empatar nos minutos finais à custa do seu poderosíssimo jogo de avançados. Arrisco-me a dizer que a Roménia tirou a melhor Escócia da cartola na 2ª parte, obrigando os Escoceses a processos simples para vencer a partida. Do 24-21 incómodo para a Escócia e histórico para a Roménia (falamos de uma selecção poucos furos acima dos nossos Lobos e cujos Lobos já venceram recentemente em Bucareste) a 10 minutos do fim, obrigaram os Escocês a mentalizar-se que não podiam perder o jogo (foram assim as declarações do capitão Paterson no flash-interview realizado no fim da partida). Os Escoceses não perderam, mas tremeram.

– Namíbia – Fiji – Partida com história até aos 10 minutos. Todavia, previa-se uma vitória mais folgada para o lado Fijiano. 45-25 acaba por ser um bom resultado para a modesta Namíbia.

Theunes Kotze, o médio de abertura da selecção africana que ainda hoje detem o record negativo de pontos sofrido num campeonato do mundo (0-142 contra a Austrália no RWC de 2003) decidiu brincar um pouco com as emoções dos Fijianos ao colocar uma grande penalidade atrás do meio-campo (sensivelmente a 55 metros) e 3 drops de rajada logo no início da partida. A Namíbia chegou inclusive a liderar por 12-7, causando o gáudio de todos os seus adeptos que se deslocaram à Nova Zelândia.

As Fiji não se ficaram e até ao intervalo, com o seu jogo típico de rapidez (tanto dos avançados como dos 34) foram para o intervalo a vencer por 25-12. Na 2ª parte, a Namíbia ainda deu um ar de sua graça ao apontar 2 históricos ensaios, mas as Fiji responderam com mais 3, gerindo o seu resultado e pontuando o bónus sempre importante para poderem combater a passagem aos quartos-de-final com o País de Gales, selecção que hoje testa os Springbooks em Wellington.

O médio de abertura Bai e o ponta Goneva foram os homens da partida para as Fiji. O ponta é para já o lider em ensaios do mundial. Apontou 4 contra a Namíbia.

Kotze foi o homem forte da Namíbia no seu jogo de estreia no mundial e 3ª selecção. Factos que ainda tornam mais incrível a prestação deste médio de abertura de 23 anos que actua nos Leopards, modesto clube do seu país. Está aqui um abre-olhos às equipas europeias. Kotze talvez merecesse uma hipótese de evoluir numa equipa dos principais campeonatos europeus.

– A França soou e de que maneira para bater o Japão. 47-21 é um resultado muito enganador e injusto para os Japoneses.

Perante um Japão muito bem comandado por um inglês naturalizado, o médio de abertura do Nottingham James Arlidge, a França chegou ao desespero. Arlidge marcou todos os pontos do Japão e foi justamente considerado pela organização o MVP do jogo.

A equipa comandada por Marc Lièvremont (aquele que não sabe muito bem o que quer; aquele que na minha perspectiva tem colocado a França a jogar o pior rugby da sua história recente com o melhor potencial atlético em bruto dos últimos anos do Rugby Francês; aquele que já sabe que vai ser despedido no final do mundial indiferentemente do resultado da selecção francesa) entrou a matar no jogo e começou a pontuar como se lhe era exigido.

Com um início marcado por processos muito simples do ponto de vista ofensivo, os Franceses marcaram e tentaram desgastar a selecção japonesa pelo cansaço. Esse cansaço, à semelhança do que tinha acontecido com os Romenos contra os Escoceses não apareceu e a selecção Japonesa, a perder por escassos pontos ao intervalo, entrou com a corda toda na 2ª parte e à base de uma boa coordenação entre a sua dupla de médios Tanaka-Arlidge e o resto da equipa, imprimiu um ritmo veloz na partida ao ponto de chegar a empatar a partida aos 68″. A França, selecção mais experiente, teve de superar a apatia com que se exibia na 2ª parte (o Japão dominou territorialmente e encostou praticamente os franceses na sua área de 22 durante todo 2º tempo) voltando novamente aos processos de jogo simples e de finalização por parte dos seus homens mais recuados. Daí que só nos 10 minutos finais tenham garantido a vitória e o ponto de bónus. Para isso, muito contribuíram as tomadas de decisões do experiente capitão frances Thierry Dusatoir, que nada se importou de jogar aos postes “em tempos de dificuldade” para os franceses em vez de meter os seus colegas a lutar para o 4º ensaio, garante do ponto de bónus. 

Pelo que vi deste jogo creio que Lièvremont e os franceses não terão muitas hipóteses de erguer a William Webb Ellis Cup. Não é que tivessem grandes hipóteses à partida, não é…

– Argentina 9 vs 13 Inglaterra

O jogo que se previa. Cínico como tudo. A renovada Argentina deu conta do recado e encostou à parede os cínicos Ingleseses. Tinha lido ontem no site da BBC as declarações do jogador Toby Flood. Flood mostrava-se interessado em contribuir para a vitória do jogo Wilkinson (chamo ao jogo Wilkinson o modelo de jogo inglês. cavar o máximo número de faltas para os pontapés de Johnny Wilkinson; um jogo pragmático onde o médio-de-abertura dita os tempos e as decisões como se o rugby fosse um tabuleiro de xadrez). Wilkinson e Ben Young acabaram por decidir um jogo que pendeu mais para o lado argentino.

Como se esperava foi um jogo pouco aberto, de muita luta entre os avançados e conquistado pela eficácia. Os Ingleses conseguiram um ensaio que os salvou de um jogo asfixiante. Os Argentinos ficaram-se pelas penalidades. 3 em 6 contra as 2 em 5 dos Ingleses. Um pouquito mais de eficácia em Contepomi poderia ter dado a vitória aos Argentinos em tempo útil. Depois, a sorte e o querer ditaram a vitória inglesa. Não é bom nem mau augúrio para a equipa de Martin Johnson. O seu jogo é mesmo esse, o jogo Wilkinson.Já os Argentinos mereciam bastante mais que o ponto bónus defensivo e calaram o meu cepticismo. Irão aos quartos-de-final e se mantiverem o mesmo espírito de luta, poderão repetir as meias-finais quem sabe… A Escócia será presa fácil. O trio da 3ª linha (Cabello, Fernandez Lobbe e Leguizámon) é um trio esfomeado. Não falham uma única placagem. Coisa incrível de se ver. Do lado inglês, salvas para James Haskell (para mim é o 2º melhor flanqueador do mundo) para o regressado Johnny Wilkinson (não está tão certeiro como antigamente mas a estadia em Toulon tem lhe feito muito bem)  para Delon Armitage (não marcou, mas a sua estrelinha irá aparecer noutros jogos) e para Ben Young (se a Inglaterra venceu, agradeçam-lhe).


Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,