Tag Archives: Sérgio Romero

Miséria Argentina

A jogar em casa perante os seus adeptos, esta selecção argentina não ata nem desata.

Depois do empate contra a Bolívia, o empate frente à Colômbia e apenas a vitória interessa aos argentinos contra a Costa Rica (que hoje joga com a Bolívia) para poderem passar à 2ª fase. A vitória no grupo, essa será muito difícil.

Jogo ridículo por parte dos Argentinos. Pior que no jogo contra a Bolívia. Não mereceram sequer o empate, tendo em conta as 5 oportunidades de golo claras que a Colômbia dispôs durante os 90 minutos.

Mexendo apenas no sector defensivo com a troca de Rojo por Zabaleta e a passagem de Zanetti para a esquerda do terreno, os problemas de falta de estruturação e ligação do meio campo com o ataque continuaram na Selecção das pampas. Do ataque, Messi e Lavezzi não fizeram rigorosamente nada e Carlos Teves foi talvez o único inconformado desta equipa Argentina durante a partida. Incompreensível também foi uma das substituições de Sérgio Batista: entrou Gago (acumulou 189 minutos pelo Real Madrid esta época; não sei como foi convocado) para o lugar de Cambiasso quando se exigia de início alguém com as características de um 10: tanto poderia ser Messi como Javier Pastore ou até Riquelme se fosse convocado.

Esta péssima exibição vem claramente contra as palavras do Presidente da Federação Argentina Julio Grandona quando afirmou “Messi não joga mal, os outros é que jogam mal” – Definitivamente todos (à excepção de Tevez, Zanetti, Aguero e Mascherano) estão a jogar mal na Selecção Argentina. Messi, Lavezzi, Burdisso e Gabi Milito tiveram duas exibições para esquecer. O guarda-redes Sérgio Romero teve uma noite menos boa frente à Bolívia mas foi precioso contra a Colômbia nesta madrugada ao defender dois remates de Falcao que levavam selo de golo.

A Colômbia mostrou de facto que tem uma excelente selecção. A melhor desde a geração de ouro dos anos 90. Guarin (fez novamente um jogo notável) Falcao, Armero, Moreno (esteve com um pé em Alvalade; não é mau jogador) Zuniga, Adrian Ramos e os veteranos Yepes e Perea, juntando aos novos valores do futebol argentino como James Rodriguez e Santiago Arias podem constituir uma selecção que pode obter bons resultados tanto ao nível das competições e qualificações da América do Sul como no próximo mundial em 2014.

No que toca a esta Copa América, pelo que vi a Colômbia tem todas as condições para pelo menos chegar à final.

Na arbitragem, destaque para o erro claríssimo do árbitro brasileiro aos 24″ quando Adrian Ramos foi claramente derrubado na área por Nicolás Burdisso. 1º porque era penalty e Burdisso vinha para a rua. 2º porque o árbitro deixou passar a jogada quando a bola sobrou para o falhanço incrível de Moreno, e se o fez propositadamente é um erro ainda mais grave visto que nas leis do jogo não existe lei da vantagem quando se trata de uma grande penalidade.

Anúncios
Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Argentina 1-1 Bolívia

http://video.rutube.ru/57903326fe5f4766b5fd624a9830aa8e

Excelente golo de Edivaldo Rojas da Naval 1º de Maio, mais conhecido no mundo do futebol por Bolívia, onde Sérgio Romero e o defensor argentino ao primeiro poste não estão isentos de culpa.

Volta Maradona, que ele (Sérgio Batista) não sabe o que faz.

Em tempos em que a fome de bola é muita pela inexistência de oferta, decidi ficar acordado até tarde para ver o jogo inaugural da Copa América. E desde cedo na partida, previ que a Argentina se ia dar mal no jogo estreia perante os seus adeptos.

O valor da Selecção Argentina é inquestionável. Do meio campo para a frente pode-se dizer que é uma autêntica máquina de guerra. Frente a uma frágil Bolívia, a alvi-celeste nunca conseguiu jogar como equipa. Funcionou sempre num esquema de cada um por si, que por vezes pode resultar vistas soluções como DiMaria, Ezequiel Lavezzi, Lionel Messi, Kun Aguero ou Carlitos Teves, mas que desta feita neste jogo em concreto não resultou. Para isso, muito contribuiu a presumível “falta de conhecimento” que o seleccionador Sérgio Batista parece ter dos seus comandados.

Frente a uma das mais fracas selecções da competição, é questionável o facto de Sérgio Batista ter colocado um 11 com um meio-campo reforçado 3 trincos de calíbre e funções simétricas (Banega, Mascherano e Cambiasso) onde apenas o jogo do Valência é por qualidades técnicas um bom transportador de bola para o ataque, sem um organizador de jogo natural (Messi talvez seria esse jogador mas adoptou uma posição de claro ponta-de-lança da equipa Argentina) e com Carlitos Tevez e Ezequiel Lavezzi a jogar nas alas quando talvez seria melhor encostar Messi numa ala e abdicar de um dos trincos para colocar um jogador como Jonás Gutierrez na outra ala.

O resultado foi mais que visível. Perante o aceitável acertamento defensivo da Bolívia, a Selecção Argentina mostrou não ter fio de jogo nem sentido de colectivo. Não quero com isto dizer que os argentinos não tenham jogado mal: apenas subestimaram o adversário que tinham em mãos e podem-se dar muito gratos pelo empate, visto que a Bolívia em vantagem teve um clara oportunidade de selar uma vitória histórica nos pés de Marcelo Moreno que Sérgio Romero tirou da boca do avançado do Shaktar Donetsk num 1 para 1 resultante de uma mortífera desmarcação protagonizada no centro do terreno.

Batista foi feliz na substituição de Aguero: foi o “muito desejado” jogador do Atlético de Madrid que veio dar objectividade ao ataque argentino, rendendo Lavezzi que reclamou mais com a arbitragem do que jogou à bola.

Se quiser passar neste grupo, a selecção Argentina terá que melhor e muito no jogo contra a Colômbia de Freddy Guarín e Radamel Falcão. E neste cenário, teremos sempre que colocar em atenção o facto da Colômbia ser uma equipa com muito mais qualidade que a pobre Bolívia.


Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , ,