Tag Archives: Secção de Fotografia da AAC

f2 2012 – Formação Fotográfica

f2=Formação Fotográfica é um projeto pedagógico iniciado em 2009 pela Secção de Fotografia AAC, composto por workshops e palestras,  objectivado na diversidade de conteúdos e pluralidade das abordagens escolhidas.

A formação em fotografia é um instrumento determinante na busca do domínio técnico e ganhos de produtividade, não só pela qualificação dos recursos humanos, mas pela capacidade de melhoria no desempenho e produção de trabalhos de autor. Mais que a formação de base, ou atualizações contínuas de conhecimentos, a f2=Formação Fotográfica pretende constituir um treino de competências práticas, na troca de experiências estabelecidas com diferentes profissionais, nas diversas possibilidades oferecidas pela fotografia.

foto: Pedro Frias

A primeira palestra já teve lugar no passado dia 30. A convite da Secção de Fotografia e do Núcleo de Estudantes de Informática através da organização do 1º Encontro Nacional de Estudantes de Design, o brilhante publicitário Edson Athayde deu uma palestra no Pólo II com o título “A importância da fotografia na publicidade e no design”.

Athayde provocou um enorme sucesso, tendo assistido à sua palestra cerca de 400 estudantes. As fotos da mesma podem ser vistas aqui através da página de facebook da Secção de Fotografia.

O próximo Workshop é já no dia 11 de Abril. António Luis Campos vem a Coimbra dar uma formação de “Iniciação à Fotografia

Ficha Técnica:

Data: 11 Abril

Local: Edifício AAC

Horário: 10:30/13:00 – 14:30/18:30 H

Preço:

Estudantes e Desempregados € 25,00

Profissionais € 40,00

Sócios e colaboradores regulares da Secção de Fotografia AAC € 20,00

 Fotógrafo freelancer desde 2004, é colaborador regular da National Geographic Portugal, tendo assinado mais de duas dezenas de artigos nesta publicação.

Engenheiro electrotécnico, é autor de três livros, “Metamorfose” (2009), “À Beira da Água” (2010) e “Recursos e Território – Uma geografia da esperança” (2011), publicando ainda regularmente, em jornais e revistas nacionais e internacionais.

Criou diversas exposições e instalações individuais em Portugal, Espanha e Polónia, das quais se destacam “Pensam que é por milagre…” e “Borboletas do Mondego e Selvagens Vidas Lusas”.

Em 2006 integrou a agência fotográfica 4SEE Photo, que evidenciou o seu trabalho ao nível internacional. No ano seguinte, foi premiado no concurso Fotojornalismo BES-Visão.

É ainda, guia de viagens fotográficas na agência Nomad, dividindo o seu tempo entre uma intensa actividade formativa na área da fotografia, trabalhos corporativos com entidades privadas e instituições estatais e o desenvolvimento de projectos fotojornalísticos e documentais.

Segundo Paulo Abrantes da Secção de Fotografia: “Este workshop terá uma componente teórica e prática, com uma sessão de sala e uma saída de campo. Focar-se-á nos conceitos fundamentais da fotografia – exposição, composição e controlos da câmara fotográfica – abordando ainda técnicas, práticas de iluminação e macrofotografia.

Dirige-se a todos os que, dispondo de máquina fotográfica, pretendam conhecer melhor o equipamento, explorar as suas potencialidades e ganhar uma nova perspectiva sobre o processo criativo da fotografia, proporcionando bases para, individualmente, os participantes poderem evoluir e alcançar resultados mais satisfatórios.”

Mais info é favor de consultar o site Fotografia.net

Anúncios
Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , ,

I Encontro Nacional de Estudantes de Design

Um pequeno teaser que me deixou curioso para investigar as inovações que se vão efectuando no mundo do design e da multimédia.

Arrancou hoje com um auditório cheio para ouvir um dos melhores publicitários do mundo (Edson Athayde; em colaboração com a formação fotográfica F2 promovida pela Secção de Fotografia) falar da importância da fotografia para o mundo do design e da publicidade.

Aposta ganha. Casa cheia. Excelente organização pelo Núcleo de Estudantes de Informática da AAC.

À noite, no Mango Club, jovens designers e investigadores apresentaram-nos os seus projectos e trabalhos. Ficamos a saber que junto à Junta de Freguesia da Sé Nova existe um gabinete de co-working onde várias pessoas (mediante aluguer de um espaço misto) podem trabalhar nos seus projectos escolares e empresariais, aproveitando também para ganhar novas ideias e sinergias a partir da presença de um grupo de agentes multidisciplinares como colegas de trabalho.

Ficamos também a saber sobre uma ferramenta web chamada Bundlr entre outros trabalhos apresentados.

Para finalizar, ainda decorre a esta hora a primeira das festas do evento. Amanhã há mais. À noite, o 1º ENED apresenta-se com uma festa nos jardins da AAC.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , ,

F2 = Formação Fotográfica (Parte II)

A Secção de Fotografia leva a cabo a Parte II da sua Formação Fotográfica (prémio formação na Gala das Secções Culturais) entre os dias 9 e 15 deste mês com 2 workshops e 3 palestras.

A diversidade de conteúdos pedagógicos e a pluralidade das abordagens escolhidas são os grandes objectivos deste evento formativo que teve início no passado mês de Junho.

Para mais informações, encaminho-vos para o site da Fotografia\AAC.

 

 

Com as etiquetas , , , , , , ,

os esmifras

Ler aqui o comunicado do Centro de Estudos Cinematográficos da AAC em relação à Gala António Luis Gomes.

Foi com algum gozo que assisti às trocas de palavras entre o presidente do CEC\AAC Tiago Santos e o representante das secções culturais na Comissão Executiva do Conselho Cultural da AAC António Miguel Arnaut.

Pela primeira vez, por mais que me custe admitir (continuo a reiterar publicamente que não lhe reconheço capacidades para exercer o cargo de super-coordenador da cultura na DG\AAC), o António Miguel Arnaut assumiu uma postura digna de paridade entre as Secções, e, perante o referido comunicado deu uma resposta que achei desde já muito positiva e muito elegante à missiva do CEC\AAC.

Vamos por partes:

1. Se bem me lembro, na gala de encerramento dos Caminhos do Cinema Português de 2010, Vitor Ferreira, na altura presidente do Centro de Estudos Cinematográficos, com António Miguel Arnaut na plateia, mostrou o seu descontentamento em relação ao festival, segundo palavras próprias “pela falta de condições que lhe eram dadas pela casa que alberga a referida Secção”.

2. Pegando no referido comunicado e no trecho que assim reza: “É inconcebível que a realização de um evento que pretende ser a consagração do trabalho desenvolvido pelas Secções Culturais da Associação Académica de Coimbra se concretize com base em ideias em avulso, falta de informação, onde imperam as vontades e favores, ou pelo menos a tentativa de calar as vozes incómodas da Academia”.

Fazendo a junção do ponto 1 ao ponto 2, inquiri alguns representantes de secções culturais acerca da reunião do Conselho Cultural de preparação da gala e de alguns acontecimentos que se passaram nessa reunião.
A reunião de preparação da gala António Luis Gomes foi longa. Durou algumas horas, na discussão do evento, da programação e dos prémios que seriam entregues. O Presidente do CEC, segundo os relatos, entrou a meio da reunião e afirmou que a secção não estava a marcar a sua presença “visto que o evento Caminhos do Cinema Português tinha mais preponderância que a gala” mas aproveitou a ocasião para perguntar à Comissão Executiva do Cultural se lhe emprestava 5 mil euros adiantados, valor que segundo o próprio era urgente para aplicar no evento, valor que foi desde logo atribuído por antecipação.
Desde logo, trilha-se aí uma falta de respeito perante uma gala que visa mostrar o trabalho realizado pelas secções culturais ao longo do ano.
Dado o avanço de capital, o presidente do CEC não se ficou por aí e tratou de tentar vender o “naming” de prémio ao Conselho Cultural no valor de 2 mil euros, proposta que veio a ser recusada. Esta para mim é nova: vender algo a uma casa que já financia a actividade. Vender algo a uma casa numa génese de “vender a própria mãe ao pai”.

Urge-me no entanto relembrar que no ano passado, o CEC\AAC recebeu uma verba relativa ao pagamento das bandas que iriam actuar nas after-parties, pagamento esse que posteriormente seria feito pelo Theatrix e cujo CEC tem no contrato estabelecido com o estabelecimento nocturno uma cópia dos valores dos pagamentos. Resumindo e concluíndo: alguém meteu dinheiro ao bolso.

Ainda sobre este posto, também é de relembrar ao presidente do CEC\AAC que o relatório de actividades da referida secção não apareceu a tempo da gala o que é de facto algo muito triste visto que a referida secção pouco ou nada faz mais durante o ano lectivo do que os Caminhos do Cinema Português.

3. No referido comunicado, Tiago Santos fala de falta de transparência.

Tenho também a comunicar que a falta de transparência é algo que não assiste ao Centro de Estudos Cinematográficos. Quero afirmar aqui publicamente, que 90% das pessoas que trabalham nas secções culturais trabalham pró-bono. Digo bem, 90%. Existe uma excepção: o CEC. Não preciso de repetir mais nada: existem elementos da direcção do CEC que são remunerados pelas funções que exercem dentro da secção. Remunerados não, muitíssimo bem remunerados. Basta ver as facturas que estão na tesouraria da Associação Académica de Coimbra para se perceber que o próprio director do festival leva para casa nada mais nada menos que 5200 euros pela função que exerce no festival. Se alguém me tentar desmentir, auditorias às contas da secção e a verdade virá ao de cima. E mais uma vez se denota que a referida secção também vive numa onda de profunda ingratidão perante a casa que a alberga e que lhe deu as condições para trabalhar.

Tudo isto não me leva a concluir apenas que a referida secção vive numa falta de transparência enorme. Vive numa onda de esmifrar o máximo de dinheiro possível, de forma descarada e sem olhar a quem, sem apresentar contas nem rei nem roque. Daí que dê inteira razão à posição assumida pelo António Miguel Arnaut.

4. Outra coisa que me faz espécie é o facto do Centro de Estudos Cinematográficos da AAC continuar a ser a única secção que cobra às outras secções valores pela utilização do seu material e estar a preparar-se para tentar cobrar a utilização do Mini-auditório Salgado Zenha, que como todos sabemos está consignada como material destinado à promoção do seu trabalho mas, em todo o caso é pertença da Direcção-Geral da Associação Académica de Coimbra e como tal é um bem que pode ser usufruído por todas as secções e organismos autónomos que assim o entenderem e requisitarem. 


Com as etiquetas , , , , , , , , , ,

Let the show begin

Começa hoje, termina na próxima sexta-feira.

Estejam atentos à documentação resultante do trabalho da Secção de Fotografia aqui e aqui

Com as etiquetas , , , , ,