Tag Archives: salários

Borges: o cão-de-fila

Ninguém cala Borges. Borges não se cala. O iluminado Borges. Como o Ministro da Economia (aquele que não dorme por causa da taxa de desemprego) não pode falar, encomenda o discurso ao Borges. O Borges não está maluco, como dizem. O Borges sabe muito bem o que diz. O problema é que só diz asneiras. O Borges fala aquilo que lhe encomendam e com isso queima-se mais.

Este paradoxo resultante destas afirmações é delicioso. Não se quer um país de gente pobre (quando de facto já se tem) mas quer-se um país de gente a ganhar pouco. Com que então, em Portugal, a questão de competitividade não passa pela baixa do salários mínimos mas sim pela revisão em baixa dos salários médios. Sim senhora, muito bem. Já agora, o brilhante Borges (e os que lhe encomendam este discurso) sabem das consequências na economia que tal revisão pode suscitar? Sabem porventura que a asfixia financeira que maior parte das famílias portuguesas actualmente vivem pode resultar em mais mal parado nos bancos caso tal ideia vá para a frente? Sabem porventura que o mal parado nos bancos poderá dificuldade a capacidades destes no fomento do investimento e a necessidade de resgate por parte dos estados? Sabem que o declínio absoluto da procura interna irá resultar em mais falências e consequentemente em mais desemprego? Sabem que o desemprego irá levar a que o estado tenha que gastar mais em apoio sociais e receba menos receitas tanto de impostos directos como indirectos? Pelos vistos, não sabem…

Mas atenção… Se há uma coisa que conheço é que este discurso não é virgemzinho de todo. As alterações que se fizeram ao Código Laboral no último ano tem um propósito e esse propósito é conexo a uma das premissas desse discurso. No tempo certo todos os portugueses saberão porque é que o Código Laboral português sofreu aquela brutal flexibilização. Está relacionado também com aquela história dos vistos Gold a investidores estrangeiros, principalmente asiáticos. A seu tempo escreverei com maior assertividade sobre o assunto.

Com as etiquetas , , , , , , ,

chávez

ao contrário de muitos, não irei tecer muitas considerações sobre Hugo Chávez. já li algures que se teme uma espécie de primavera árabe no continente sul-americano. não consigo perceber o que vai na mente de quem profere tal asneira. se há altura em que os povos dos estados sul-americanos estão a ter prosperidade, esta é definitivamente a altura. prefiro aguardar pelo futuro para poder ter uma perspectiva melhor do que foi o efeito Chavez na Venezuela. como qualquer líder bolivariano, interessado em defender o interesse público e a soberania dos países sul-americanos contra a ingerência e tentativa de hegemonia das superpotências mundiais, desde sempre senti um enorme carinho pela figura de Hugo Chávez. pela defesa dos interesses públicos do povo Venezuelano na questão das plataformas petrolíferas controladas por empresas americanas (nacionalizadas em 2005 pelo estado venezuelano em prol do produto social) pela luta contra a pobreza na venezuela, pela expansão económica verificada no país nos seus mandatos e pelo acordo comercial celebrado com o nosso país. no entanto, nenhum destes items apaga o que tenho como certo: Chávez era autoritário. um ditador? não sei. não consigo descortinar se o era ou não. antigamente, bastava proibir a formação de partidos políticos para se construir um ditador. actualmente, o conceito de ditadura tem fronteiras muito ténues. a própria democracia é considerada por muitas correntes de opinião à esquerda como a ditadura da maioria sobre as minorias. recentemente, até o Nobel da Paz Lech Walesa, aquele que é tido como o maior democrata do leste proferiu algo que manchou o prémio que lhe foi dado e a própria democracia ao defender que os homossexuais deveriam estar fora do parlamento porque são uma minoria. (pre) conceitos trocados, portanto.

as duas ultimas medidas da administração chávez causam-me alguma preocupação em relação ao futuro do povo venezuelano. no ano 2012 chávez aumentou o salário dos venezuelanos em cerca de 133% e desvalorizou a moeda para tornar o produto venezuelano mais competitivo nos mercados. os venezuelanos nunca tiveram tanto poder de compra e tanto poder de crédito como hoje. pode-se mesmo dizer que só agora em pleno século XXI, contrariando a tendência que se está a manifestar desde o Consenso de Washington nos países ocidentais, os países sul-americanos estão a criar aquilo a que se chama de classe média. no entanto, estas duas medidas poderão ser nocivas e muito para o futuro do país. agregado ao aumento do poder de compra do povo venezuelano vem a necessidade de criar hábitos consumistas, muitos deles vindos do estrangeiro. e isso poderá trazer consequências para as balanças do país e para o crescimento de uma dívida externa desmesurável. um pouco à semelhança da armadilha na qual caíram os governos argentinos e brasileiros na década de 80, contudo, com características de crise diferenciadas. se os argentinos não conseguiram suportar uma factura energética elevadíssima vinda dos choques petrolíferos que causou desiquilíbrios gravíssimos na sua balança de pagamentos, aliada a um jogo de valorizações e desvalorizações cambiais da moeda argentina com base no dólar (completamente impensável para um país como a Argentina) o que levou à criação de uma dívida externa que ainda hoje é paga (e bem paga) pelo povo argentino. o caso brasileiro demonstrou um crescimento salarial desmesurado na década de 80 (Plano Cruzado) aliado também a um jogo cambial e ao crescimento do desemprego, factores que fizeram disparar a inflacção do país para níveis insuportáveis durante a presidência de José Sarney (atingiu um valor acumulado de 1076,5%). no caso venezuelano, ou muito me engano, ou a história argentina e brasileira poderá voltar a repetir-se (noutros moldes e noutro contexto sócio-económico é certo) até porque assistimos a uma premissa comum: nunca antes na venezuela se distribuíram tantas rendas como hoje, à semelhança dos primeiros anos da presidência Sarney no Brasil.

a morte de Chávez abre muitos cenários: sucessão, reforma estatal, renovação, golpe militar instituído à conta dos interesses de uma superpotência, declínio e queda do sistema socialista por via de eleições. são conjecturas que se fazem actualmente, se bem que como o próprio termo significa no léxico português, são ideias sobre algo que ainda não se veio a verificar. resta portanto aguardar pelo desenlace dos acontecimentos em Caracas. uma coisa tenho como certa: a grandeza da liderança de chávez deixa um hiato no país que vai demorar muito tempo a preencher. pelo meio, tudo pode acontecer.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , ,