Tag Archives: Rui Sampaio

Beira-Mar 2-2 Nacional da Madeira

Mês e meio depois de ter visto o Beira pela última vez no estádio, voltei ao EMA. Voltei por descargo de consciência. Nos bons e nos maus momentos temos de ser adeptos do nosso clube.

Uma primeira nota para o público. Não sei se foi minha impressão mas teve mais público no estádio que o habitual. Bom sinal para o clube em tempos de crise económica e desportiva. Também não sei se foi impressão mas vi um publico Aveirense mais entusiasta que o habitual. Famílias inteiras a ir à bola, todos de amarelos, todos com cachecóis do clube, alguns deles que sobressaíam claramente o cheiro a mofo e naftalina. De uma vez por todas, a direcção e a SAD (também consigo dizer bem de alguns aspectos trabalhos por esta SAD) estão a conseguir cativar mais gente ao estádio, fruto dos bilhetes a 5 euros para 2 acompanhantes por sócio. Se colocassem o bilhete para não sócio a 5 euros talvez teriam mais 500 ou 1000 pessoas. Disso estou certo.

Se o público afluiu em peso para ver se puxava pelos da casa, mal entrei no estádio tive ali um pique em que me julguei novamente no Mário Duarte. O bairrismo beiramarista, os cânticos da claque, os bruás do público a cada lance na área do nacional e as habituais picardias na linha lateral ao fiscal de linha fizeram-me lembrar outros tempos. Costinha pediu que os adeptos escondessem os cachecóis dos grandes e os aveirenses bem que lhe fizeram a vontade. Penso que só não fica bem ao treinador do Beira-Mar salutar a permanência do clube na liga para que os borlas (é como a malta dos UAN lhes chama) venham apenas visitar o clube quando este joga em casa com o respectivo grande. Penso que é errado proferir tais afirmações quando um dos problemas com que o clube se debate desde 2003 é precisamente a fraca mobilização e a fraca capacidade de realizar novos sócios. Tenho como certo quem é de Aveiro, indiferentemente das preferências por um grande, como eu as tenho, tem que ser em primeiro lugar do grande da cidade: o Sport Clube Beira-Mar. Os primeiros da partida minutos fizeram-me lembrar aquele inferno do Mário Duarte. Fizeram-me lembrar aquele pequeno rectângulo de jogo plantado entre o campus da Universidade de Aveiro, o Bairro Santiago e o Hospital Infante D. Pedro V onde, pequeno, furava os torniquetes só para ver actuar o Dinis. Se bem que ver actuar o Dinis implicava para as equipas adversárias um montão de contusões e pernas partidas. Mas, de facto, eram outros tempos. Ali, no Mário Duarte, respirava-se Beira-Mar da cabeça aos pés. As peixeiras insultavam bem alto os árbitros, os super dragões só se podiam portar bem ou então levavam na fuça e ainda existiam os comandos duros, a antiga claque do Beira-Mar. Eram mesmo duros. Histórias são mais que muitas no meu imaginário infantil. Lembro-me de uma vez estar a ver o Sporting. Não escondo que também sou sportinguista. Lembro-me do Emmanuel Amunike ter feito uma jogada de mestre para golo e de ter ido acirrar os comandos duros. O resultado foi uma calhoada em cheio que deixou o nigeraniano estatelado no chão durante largos minutos. Saudades.

Segunda nota: a arbitragem. Não serve para desculpar a ingenuidade da defesa do beira-mar nos lances dos dois golos do Nacional. Depois de Majid e seus pares terem lançado um comunicado a meio da semana a exigir à liga que a verdade desportiva prevaleça depois do roubo de catedral da última semana em Paços de Ferreira e de no dia seguinte se terem dirigido à Liga para pedir explicações ao seu director-executivo Mário Figueiredo e de terem solicitado uma reunião com o chefe do conselho de arbitragem Vitor Pereira, a própria liga escarrou (desculpem os mais sensíveis) na cabeça da SAD ao nomear para este jogo um árbitro que ascendeu a meio da época à 1ª categoria (Luis Ferreira; era o seu 2º jogo na 1ª categoria) e que ainda por cima era natural de Barcelos. Ou seja, se para mim já me causa confusão, quando está a permanência de um clube em risco, quando esse clube é sistematicamente prejudicado durante toda uma época e quando está o futuro de muitas famílias em jogo como é o caso das famílias dos mais de 100 empregados do Sport Clube Beira-Mar nomear um inexperiente árbitro para um jogo que se pode considerar decisivo para a equipa aveirense, mais me confusão me estranha que depois de uma semana em que os elementos da SAD do Beira-Mar fizeram barulho junto da liga como se lhes exigia (ao contrário dos elementos da direcção do clube que se mantêm calados que nem ratos no fundo dos seus cadeirões na sede social do clube à espera que o clube seja despromovido) a própria liga ainda tenha o descaramento de nomear um árbitro de Barcelos (AF Braga) sabendo que dois dos rivais directos do Beira-Mar na luta pela manutenção são precisamente duas equipas do distrito de Braga: Moreirense e Gil Vicente, a última, a precisamente de Barcelos.

Luis Ferreira acaba por ter o dedo no resultado. Se a expulsão já na 2ª parte do jogador nacional foi justíssima e mais que merecida (Moreno fartou-se de dar pau na primeira parte, não se calava junto do árbitro e no lance em questão fez uma entrada muita feita sobre Serginho) Luis Ferreira e os seus assistentes deixaram passar muitos lances onde havia fora-de-jogo nítido por parte dos jogadores do Nacional, deixaram passar uma obstrução clara à minha frente sobre Camará quando o resultado estava em 1-1 (o fiscal de linha do lado da superior não se sabia posicionar na linha do último defensor, logo via os lances de um ângulo inconclusivo) e o 1º golo do Nacional procede de uma falta clara a meio campo sobre Nildo, que, depois de meter o meio campo do Nacional no pacote com um tremendo slalom é completamente ceifado por um dos laterais do Nacional.

Terceira Nota – O Rendimento dos jogadores do Beira-Mar – Tudo bem feito excepto dois ou três pormenores.

O primeiro, os erros defensivos. Há 1 ano que o Beira-Mar não acaba uma partida sem sofrer golos. É coisa que não consigo perceber, muito menos lances como o 2º golo do Nacional. Com 2 duplas de centrais do melhor que existe na Liga (Jaime, Bura, Tonel, Hugo) todos eles fortes no jogo de cabeça (como é o caso do Bura e do Jaime, os que alinharam na partida de hoje) não faz sentido sofrer golos em lances de bolas paradas como hoje se veio a verificar. Se no primeiro golo do Nacional, existe o tal lance em que o Nildo sofre uma valente sarrafada por parte de um jogador do Nacional à qual Luis Ferreira passou vista grossa, nos dois golos do Nacional existem duas clamorosas falhas de marcação dos centrais.

Segundo, a falta de uma referência de área. Yazalde e Camará tem o mérito de serem jogadores dotados de alguns pormenores técnicos de classe mas são jogadores que não se constituem como referências de área visto que o seu jogo predomina nas linhas. Não são verdadeiros pontas-de-lança. Quanto mais são avançados ao estilo nº9 ou extremos. Recebendo jogo dos laterais ou da malta do meio campo nas alas acabam quase sempre a centrar para a cabeça dos centrais da equipa contrária sem que ninguém do Beira lá esteja para finalizar.

Terceiro, a apatia com que alguns jogadores do Beira-Mar jogam e a apatia do seu treinador. Rui Sampaio é o expoente máximo dessa apatia. Parado, paradinho e sem qualquer criatividade a sair daqueles pés maravilhosos. Desrotinado e a a anos-luz da época da subida de divisão. Os ares de Cagliari fizeram-lhe mal. No banco, Costinha tarda em mexer na equipa. O que por um lado até é compreensível pois as alternativas viáveis no plantel escasseiam. No entanto, com 13 minutos pela frente não soube colocar logo Balboa em campo e Balboa era o único capaz de fazer a diferença naquele banco. Balboa entra aos 88″ quando pouco havia a fazer.

De resto, exibição agradável do Beira-Mar. A começar em Nildo. É o patrão desta equipa em todos os sentidos. Só é pena que não consiga ser um jogador consistente a este nível durante toda época. Nildo manda no jogo aveirense. É uma formiguinha a correr atrás dos adversários no miolo quando a equipa defende. Quando a equipa tem em bola, em conjunto com Serginho (hoje entrou na 2ª parte; tem que ser titular visto que é um jogador que incute maior velocidade e arte ao jogo aveirense) são os únicos que conseguem dar um toque fantasioso ao futebol do Beira-Mar. Grande exibição para o capitão Pedro Moreira. Fez praticamente o flanco todo com a raça que se lhe conhece. Do outro lado, Hélder Lopes também não destoou.

Quarta Nota: os episódios lamentáveis do jogo de Paços de Ferreira. Alguns elementos da claque que foram a Paços de Ferreira descreveram o cenário vergonhoso que a equipa da capital do movel oferece às equipas visitantes. Desde intimidação directa a jogadores, insultos e escarradelas na entrada e saída dos balneários. Um estádio sem segurança para uma equipa que se vale desse facto para obter resultados desportivos. Agora com as novas regras do policiamento em recintos desportivos, em Paços de Ferreira e em outros campos deste país, sem polícia no terreno de jogo, vale tudo.

Quinta Nota: Com a vitória do Moreirense começo a ver as alminhas a rezarem pela intervenção divina do São Gonçalinho. Entre o 12º (Vitória de Setúbal) e o último (Beira-Mar) estão 4 pontos de diferença, sendo que 2 são os pontos que separam o Beira-Mar do Gil Vicente. O calendário do Beira-Mar não se avizinha fácil até ao final da temporada. Olhanense em casa na próxima semana num jogo de mata-mata entre aflitos onde a vitória é fulcral, Vitória de Guimarães fora naquele ambiente difícil com os vimaranenses a lutar pela europa, Gil Vicente em casa noutro jogo de aflitos que o Beira tem obrigatoriamente que vencer, Rio Ave fora com os vilacondenses também a lutar pela europa, Marítimo em casa com os madeirenses a lutar pela europa, Estoril fora com os estorilistas a jogar possivelmente o tudo ou nada pelo último lugar europeu e Sporting em casa na última partida do campeonato com a turma leonina também capaz de ter que vencer em Aveiro para ir à Europa. Ou seja, resumindo e concluíndo com dois jogos contra adversários directos onde os 6 pontos são o objectivo principal e mais 5 jogos para conseguir mais 5 pontos no mínimo visto que os 26 pontos que usualmente garantem matematicamente a manutenção não vão chegar este ano. Contudo, estou confiante que a rapaziada vai dar a volta por cima.

sexta e última nota: é a primeira vez em meses que escrevo um post sem bater no Majid. o seu a seu tempo.

Anúncios
Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

que injustiça

o benfica não jogou nada, nada, nadinha. teve um penalti ao qual não vou tecer considerações para não incorrer em falso juízo, aproveitou-o e teve mais duas situações na 2ª parte onde podia ter feito golo. de resto, limitou-se a ver o beira fazer o melhor jogo da época, jogo esse que peca pelo facto da equipa ter desperdiçado 5 (5!!) ocasiões flagrantes de golo. depois de ver o Nildo e o Rui Sampaio a correrem quilómetros, de ter visto o Hélder Lopes a agigantar-se ao Salvio em toda a partida e do Yazalde a dar o litro (infelizmente não é um matador) fico com a sensação que este beira-mar estava melhor classificado se tivesse um ponta-de-lança que metesse uns 7 ou 8 golos no campeonato. e esse ponta-de-lança não é Yazalde e tão pouco Abel Camará. Yazalde procura as linhas para ter bola e não é um finalizador. Camará é um avançado bom para jogar com um ponta-de-lança a sério ao lado: é forte fisicamente, ganha muitas bolas nos centrais, não é mau tecnicamente, chuta bem mas falta-lhe algum trabalho de posicionamento e desmarcação, que, a meu ver não é com a idade que possui que vai ser melhorado a tal.

o que me chateia não é a injustiça do resultado. o que me chateia é que os nossos rivais directos, como é o caso do Olhanense, do Moreirense e do Gil já foram buscar pontos nos jogos contra os grandes. nós não aproveitamos nadinha. em Alvalade podiamos ter ganho o jogo em 2 minutos e não o fizemos porque desperdiçamos uma grande penalidade e outro lance na cara de Rui Patrício. na luz, entrámos a ganhar e não suportámos a carga do Benfica, apesar de, nesse jogo, termos sido completamente roubados com aquele penalti duvidoso do Maxi Pereira que indiscutivelmente condicionou aquela partida. hoje, tivemos a bola a um metro da baliza e ninguém, por três ocasioões, conseguiu dar o toque final. não sei se é azar, se é destino. sei sim que em noites de granizo no Porto um dos nossos rivais directos foi buscar um ponto contra todas as espectativas e outros, em Moreira de Cónegos e Barcelos fizeram escorregar Sporting e Porto respectivamente.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , ,

Força rapazes!

O Beira-Mar inicia daqui a 1 hora mais uma época desportiva na Madeira frente ao Marítimo no Estádio dos Barreiros.

Uma época que será muito difícil no meu entender. A manutenção é o objectivo. Tenho sérias dúvidas que o Beira consiga ser capaz de atingir um lugar na primeira metade da tabela. Não dispõe de técnico, de qualidade nem de riqueza de soluções no plantel para tais objectivos.

Mesmo assim, espero um Beira lutador ao longo dos 30 jogos desta liga, na Taça e na Taça da Liga. Dependendo dos sorteios e do próprio espírito que a equipa possa demonstrar ao longo das Taças, é destas que pode vir a maior surpresa do clube na temporada 20112012.

Volto a relembrar o plantel dos aveirenses:

Guarda-Redes: Rui Rego, Enoque Paes e Jonas Mendes

Defesas: Vasco Fernandes, Édson,  André Marques, Pedro Moreira, Hugo, Yohan Tavares e João Pereira

Médios: Koukou, Alex Hauw, Siaka Bamba, Artur, Cristiano, Rui Sampaio, Nildo e Jaime e André Sousa.

Avançados: Dominic Reinolds, Dudu, Zhang, Serginho, Élio e Douglas.

O relato da partida pode ser ouvido a partir das 16h na Rádio Terranova em 105.0 FM para o distrito de Aveiro ou partir da internet aqui.

Força rapazes! Surpreendam-me!

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Beira-Mar 0-0 Vitória de Setúbal

http://rd3.videos.sapo.pt/play?file=http://rd3.videos.sapo.pt/Kv6wSezE1YMEY4G8vwyT/mov/1

O Beira-Mar encerrou a jornada com um desolador empate a 0 bolas contra o Vitória de Setúbal.

A minha primeira nota vai obviamente para o número de espectadores: estariam 200 pessoas dentro do Estádio? Mesmo com a promoção de 2 bilhetes pelo preço de 1 para casais, a transmissão na Sporttv, a chuva e o frio afastaram os adeptos do estádio.

Os que estiveram presentes no EMA viram (na minha opinião) um dos mais interessantes jogos do Beira-Mar esta época. No entanto, este empate é amargo, muito por culpa das inúmeras falhas de finalização que os jogadores do Beira proporcionaram. Foram 30 os remates que o Beira fez esta noite sem que conseguisse marcar um golo válido.

Contra o Vitória, o Beira-Mar fez 90″ onde evidenciou uma tremenda circulação de bola (sempre a procurar que os extremos desiquilibrassem) mas não concretizou. Para além das duas bolas que o Beira mandou à barra e do golo anulado (tenho dúvidas), havia sempre uma perna de um defensor do Setúbal a evitar que a bola entrasse e um guarda-redes (Diego) que teve uma exibição inspirada em Aveiro.

Na equipa do Beira, destaque para a exibição colectiva. Na defesa, Yohan Tavares está lentamente a entrosar-se com Hugo e com a ajuda certinha dos laterais resolveram a pouca iniciativa atacante que o Setúbal teve durante a partida. No meio campo, Djamal enche por completo as medidas e tanto Rui Sampaio como Artur  fizeram  exibições bastante agradáveis.

Nas alas, os irrequietos Élio e Leandro Tatu tentaram sempre a linha para servir Ronny nas melhores condições. Tatu a par de Djamal foram para mim os melhores homens em campo. Ronny teve uma exibição bastante esforçada lá na frente mas continuou a pecar bastante no capítulo da finalização.

No entanto, já há alguns jogos continuo a reparar numa pecha que Leonardo Jardim terá que solucionar. Na esquerda do Beira-Mar, os adversários continuam sempre a colocar dois jogadores contra o defesa-esquerdo da turma Aveirense. Nos últimos jogos, o extremo do lado esquerdo não costuma cobrir o lateral quando este está em missão ofensiva, o que cria bastantes complicações ora para André Marques ora para Renan. Assim sendo, creio que a melhor possibilidade que o mister poderia usar era colocar uma dupla na esquerda composta por André Marques (melhor a defender) e Renan à frente (melhor a atacarcentros para a área).

Quanto ao árbitro da partida, o Portuense Rui Costa, dou-lhe o benefício da dúvida em alguns lances excepto em dois.

Na 1ª parte existem duas situações em que a bola vai ao braço de jogadores do Vitória de Setúbal. Se na 1ª (um lance de canto) a mão na bola é casual, no 2º lance (após centro de Artur) a intenção do central vitoriano Ricardo Silva é de cortar o lance com o braço.

Na 2ª parte, o golo anulado causa-me bastantes dúvidas. Leandro Tatu parece ligeiramente adiantado na altura do toque de Élio mas o lance é difícil de ajuizar visto que Élio perdeu o controlo do esférico e Tatu vindo da direita tocou “uma bola perdida” para o lado.

No lance de Élio na área, é claro que o jogador Aveirense falhou na bola e tentou a simulação.

Todavia, existe uma grande penalidade claríssima por assinalar, resultante de uma falta nítida de Miguelito sobre Leandro Tatu.

No final da partida, Leonardo Jardim era obviamente um treinador insatisfeito com o resultado da sua equipa:
” O resultado não espelha o que se passou em campo, sobretudo pela primeira parte muito boa que realizámos, mas sublinho a nossa ineficácia ofensiva. Sinto que foram dois pontos perdidos, pelo volume de jogo, as situações que criámos e, sobretudo, pelo desequilíbrio conseguido na primeira parte.

A segunda parte foi mais equilibrada por o Beira-Mar ter tido problemas nas laterais, o que nos condicionou em termos de substituição. O Vitória de Setúbal, com a sua qualidade técnica, conseguiu baixar o nível de jogo e pagámos a fatura da excelente primeira parte que fizemos.

Quero frisar a ideia de que não estamos satisfeitos com os 25 pontos alcançados e que mantemos os nossos objectivos individuais e cole tivos.”

Com este empate, o Beira-Mar somou 25 pontos mas caiu uma posição na tabela. Ainda não foi hoje que a equipa garantiu a “manutenção virtual”. Digo “manutenção virtual” visto que o Leixões (15º na época passada) somou 26 pontos. No entanto e como a linha de água este ano está nivelada por baixo ao nível pontual (Portimonense com 10 e Naval com 13) o Beira-Mar está descansado na 10ª posição com mais 12 pontos.

Mesmo assim, estamos a 4 pontos do 4º classificado que é o Guimarães e a 8 do 3º que é o Sporting.

Na próxima jornada, o Beira-Mar tem uma difícil deslocação à Madeira para defrontar o Marítimo. Na 1ª volta em Aveiro, Beira e Marítimo empataram a 1 bola num jogo em que o Beira foi prejudicado com um golo mal anulado ao central Hugo já em período de descontos.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , ,

Sondagem: Melhor jogador do Beira-Mar do ano 2010

Associando-me às votações que estão a ser promovidas pelos Blogs Mais Beira-Mar e Bancada Norte, à vossa direita está disponível uma nova sondagem para eleger o melhor jogador do Beira-Mar no ano de 2010.

A sondagem irá terminar dentro de 9 dias. Depois, os 3 blogs irão apurar os resultados e coroar o vencedor.

As nomeações dos jogadores foram feitas pelos autores do Blog Mais Beira-Mar. Os nomeados são os centrais Kanu e Hugo, os médios Djamal e Rui Sampaio e o extremo Artur.

As legendas das imagens foram feitas pelos autores do referido blog neste post.

Às mesmas, fiz questão de acrescentar uma breve biografia dos atletas em questão.

KANU

Breve Biografia
Nome: António Eduardo Pereira dos Santos
Data e local de nascimento: 1984-05-03 em Salvador da Baía (Brasil)
Altura e peso: 1.88m 76kg
Posição: Defesa central
Clubes por onde passou: ABC, Ituano, Águia Negra e Estrela do Norte

Defesa central, forte na marcação e temível nos lances de bolas paradas. Chegou como um ilustre desconhecido, ganhou o lugar e estatuto. Desde então, teve direito a inúmeras observações, tanto por parte dos grandes como de clubes estrangeiros. Marcou 5 golos em 2010, quase todos eles na recta final da Liga Vitalis, entre os quais, o decisivo vs Carregado.

HUGO

Biografia:

Nome: Hugo Miguel Fernandes Vieira
Data e Local de Nascimento: 1976-08-11 em Braga
Altura e Peso: 1,82m; 77kg
Posição: Defesa Central
Clubes por onde passou: Braga, Sampdoria, Sporting e Vitória de Setúbal

Dispensado pelo Vitória de Setúbal, nomeado “capitão” de equipa com alguma polémica no início da temporada passada, Hugo tem demonstrado que “velhos… são os trapos”. É, sem dúvida, o pêndulo da defesa auri-negra e a voz de comando. Faz valer a sua experiência em cada partida e constitui peça imprescindível para Leonardo Jardim. Marcou 1 golo em 2010 (vs Estoril – Liga Vitalis).

DJAMAL

Biografia:
Nome: Djamal Abdoulaye Mahamat Bindi
Data e Local de Nascimento: 1983-04-26 em Tripoli (Líbia)
Altura e Peso: 1,88m; 78 kg
Posição: Médio defensivo
Clubes por onde passou: Salgueiros, Mont-de-Marsan, Estoril, Bayonne, Entente SSG

O trinco por excelência. O senhor regularidade. Seguro a defender, evoluiu muito no plano ofensivo desde que chegou a Aveiro. Formou com a dupla de centrais (Kanu/Hugo) muralha quase intransponível na Liga Vitalis e esta época na Zon Sagres mantém o nível exibicional (bastante elevado). Em 2010 marcou 2 golos. 1 na Liga Vitalis, 1 na Liga Zon Sagres.

RUI SAMPAIO

Biografia:
Nome: Fernando Rui Valadares Pinto Sampaio
Data e Local de Nascimento: 1987-05-29 em Vila Pouca de Aguiar
Altura e Peso: 1,86m; 75 kg
Posição: Médio Centro
Clubes por onde passou: Chaves e Penafiel

Quanto a nós… foi o melhor jogador do Beira-Mar na temporada 09/10 (ano da subida). Médio completo, “box-to-box” como se diz na gíria futebolistica. Mereceu até o destaque do jornalista Luis Freitas Lobo. Este ano perdeu um pouco o fulgor e a preponderância que tinha no jogo da equipa aveirenses mas é daqueles jogadores que não sabe jogar mal. Marcou 4 golos em 2010, 3 na Vitalis, 1 na Zon Sagres.

O REI ARTUR!

Biografia:
Nome: Artur Filipe Bernardes Moreira
Data e Local de Nascimento: 1984-02-18 em Aveiro
Altura e Peso: 1,75m; 69 kg
Posição: Extremo direitoesquerdo
Clubes por onde passou: Formado no Beira-Mar, foi emprestado Gafanha e Avanca

Médio/ala extremo que pode jogar tanto na esquerda como na direita. Extremamente útil e por vezes decisivo nos lances de bola parada. Apresenta rendimento mais irregular mas melhores “números” do que os restantes nomeados. Marcou 10 golos em 2010 e é um dos “reis” das assistências na Liga Zon Sagres.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , ,