Tag Archives: Richard Jefferson

Bulls vencem Miami Heat

Sem Derrick Rose em campo (novamente lesionado) os Bulls bateram os Heat em casa num excelente ensaio para a previsão de final de conferência na conferência Este.

Um grande teste às capacidades de reacção do colectivo perante a ausência do seu melhor jogador. Um teste que foi superado com distinção.

Os Bulls lideraram praticamente toda a partida. Chegaram inclusive a ter uma vantagem solidificada na casa dos 15 pontos no 2º e 3º período.

Os Heat de Erik Spoelstra voltaram a confirmar que muitas (e boas) individualidades não fazem uma equipa. James continuo a monopolizar o jogo para si e incrivelmente (não é um dos mais brilhantes lançadores de lance livre da liga) apareceu em Chicago a cobrar faltas técnicas. Desta feita, James lançou muito e com relativa eficácia (14 em 25 de campo; 2 triplos em 3 tentativas). Fez 35 pontos. Já Dwayne Wade também foi bastante eficaz. O base, para além de 7 ressaltos conseguiu incríveis 36 pontos (16 em 26 em lançamentos de campo; 1 triplo em 3 tentativas). No entanto, os dois jogadores per se não foram suficientes para derrotar Chicago e foram sinónimo de uma equipa sem colectivo: 71 dos 102 pontos de Miami. Chris Bosh teve um jogo para esquecer. Foi bem tapado pelos postes de Chicago (fizeram um melhor jogo ofensivo do que defensivo). Bosh lançou muito mas com pouca eficácia (apenas 3 em 15) conseguindo 12 pontos. Juntos, James, Wade e Bosh fizeram 83 dos 102 pontos da equipa orientada por Erik Spoelstra.

Do lado de Chicago, o colectivo voltou a assumir preponderância perante a ausência de D-Rose e perante o alheamento ao jogo que teve por exemplo Luol Deng. O Sudanês com passaporte Britânico fez apenas 11 pontos, 9 dos quais resultantes de lançamentos de triplo. Na questão dos triplos, a equipa de Tom Thibodeau esteve extraordinariamente eficaz: 10 triplos em 19 tentativas. 3 de Deng, 3 de John Lucas (mais uma grande exibição deste jogador que usualmente só entra em campo quando um dos bases de Chicago não alinha; 24 pontos; 9 em 12 em lançamentos de campo) e 2 de Kyle Korver.

Carlos Boozer esteve bem defensivamente mas ofensivamente foi uma nulidade. Apenas 2 pontos para o power forward num jogo em que só lançou por 4 ocasiões. Joakim Noah com 14 pontos e 6 ressaltos esteve ao seu nível. Fez 6 incríveis abafos durante a partida, 4 dos quais a Bosh. Ronnie Brewer continuou a consolidar a sua posição no 5 inicial perante a ausência de Ric Hamilton: 12 pontos para o base num jogo em que mais uma vez não teve medo de assumir lançamentos difíceis em tempos de ataque difíceis.

Do banco de Chicago é de salutar a participação activa dos seus elementos. Ao contrário do banco de Miami (19 pontos para 6 atletas utilizados) os toiros que saltaram do banco (Asik, Butler, Lucas, Korver e Gibson) conseguiram obter um total de 56 pontos (quase metade do total da equipa) 19 ressaltos e 8 assistências.

A conclusão que se deve tomar é que Chicago deu uma lição de colectivo a Miami. Se com Rose ausente Chicago venceu Miami, é de esperar que nos playoffs (com a maior maturidade que a estrela está a ter esta época) com o factor casa no início da ronda resultante do 1º lugar na conferência este e com a consequente abertura de série em casa, Chicago possa ter todas as condições para dar o tão esperado payback da eliminação da época passada.

Vamos para outros assuntos:

Trocas, entradas e saídas.

Até há poucas horas atrás, existiu uma onda de trocas feitas em virtude de hoje às 3 da manhã ser o deadline final para trocas na Liga.

Antes das trocas. Em virtude de muitas lesões e da troca que foi feita entre Spurs e Golden State, o base T.J Ford (San Antonio Spurs) decidiu anunciar a sua retirada da Liga. O experiente base de 29 anos cansou-se das lesões que o tem afectado desde os tempos em que alinhava por Indiana. É uma pena. O base deixa para trás 8 épocas na Liga e um passado bastante interessante. Ford foi escolhido no draft de 2003 por Milwaukee e desde então representou os Bucks, Toronto, Indiana e agora San Antonio. Ford fez a sua melhor época em 2006\2007 onde atingiu 14.0 pontos de média e 7.3 assistências ao serviço de Indiana.

Quem não resistiu aos maus resultados foi Mike D´Antoni em Nova Iorque. Os Knicks estão com um loosing streak de 6 derrotas seguidas e voltaram a sair fora dos lugares de playoffs. D´Antoni já tinha o lugar tremido desde Janeiro. A direcção dos Knicks optou por despedir o treinador e nomear como treinador interino até ao final da temporada o adjunto principal Mike Woodson.

Ainda entre jogadores, Greg Oden (#1 do draft de 2008) foi despedido pelos Portland Trail Blazers. Oden foi o nº1 mais azarado da história da Liga. Em 2008 lesionou-se gravemente quando fazia a pré-época com a equipa de Portland. A lesão acabou por impedir o poste de competir no seu ano de estreia. Oden nunca mais recuperou.

Um dos primeiros a sambar neste último dia de trocas foi o poste brasileiro Nênê Hilário. Motivos económicos levaram Denver a trocá-lo para Washington inserido numa troca entre três equipas: Nenê e Brian Cook saltaram para Washington, os LA Clippers receberam Nick Young e os Wizards receberam o espantoso JaVale McGee e o francês Ronny Turiaf. Os Wizards ainda recebem nos próximos anos uma 2ª escolha de draft dos LA Clippers.

Nênê tinha assinado em Outubro durante o lock-out um vantajoso contrato com os Denver Nuggets. O Brasileiro passava a auferir um contrato de 67,5 milhões de dólares por 5 anos e havia a esperança que o novo contrato ajudasse às pretensões dos Denver Nuggets em chegar aos playoffs. Com o desenrolar da época Nênê não contribuiu para a obtenção de ditas esperanças por parte da equipa do Nevada. O poste não aumentou os seus números pessoais e derivado ao contrato que recebia e à sua idade (30 anos) os representantes de Denver reconheceram que estava na altura de despachar o brasileiro. Até porque na sua sombra, Denver conseguiu gerar um novo ícone: nada mais nada menos que Kenneth Faried. Agora terá a companhia de Javale McGee, poderoso defensor dos Wizards de 24 anos que está a fazer uma excelente época (4ª na Liga) com 11.8 pontos e 8.8 ressaltos e que ainda tem muita margem para evoluir em Denver. O 2º jogador é um conhecido da Liga: Ronny Turiaf, francês que já alinhou pelos Lakers. Em Washington, Turiaf não era muito utilizado.

Os Clippers recebem o base Nick Young, útil para colmatar a ausência de Chauncey Billups. Young era um dos jogadores em destaque na capital com 16.6 pontos de média. É um bom shooter de média e longa distância.

Esta transferência pode-se entender tomando em conta uma única observação: Denver assumiu o erro de renovar com Nênê. Contrato gigantesco para um jogador que nunca se assumiu definitivamente com uma grande estrela da actualidade da Liga. Necessidade de renovação do plantel. McGee é um jogador parecido com Nênê – não tão bom do ponto de vista ofensivo mas melhor defensivamente. A juntar a isso, Kenneth Farried será aposta de futuro e ganhará mais minutos. Denver também teve a necessidade de poupar na sua folha salarial, quem sabe para atacar um free-agent de topo no Verão.

Já Washington também continua na ideia de estabelecer uma equipa forte para o ano. Nênê junta-se a John Wall e Jordan Crawford. Com a vinda do brasileiro para a equipa da capital, os Wizards esperam também que os melhores free-agents do campeonato olhem para Washington com um olhar apelativo. Os Wizards aumentam ligeiramente a sua folha salarial com a entrada de Nênê mas no entanto continuam com espaço para a junção de dois bons extremos.

Os Clippers anexaram Nick Young pensando a curto prazo.

O adeus de Derek Fischer aos Lakers.

Derek Fischer diz adeus a uma equipa que o escolheu como 2ª pick de draft em 1996 (a primeira foi precisamente Kobe Bryant) e que o acolheu durante 14 temporadas (Fischer teve 2 anos em Golden State). O representante dos jogadores no sindicato de jogadores (ganhou notoriedade recentemente por ter sido o jogador presente nas negociações entre jogadores, patrões e equipas no lockout de 2011) já era, desde há alguns anos atrás, um jogador para empacotar numa possível troca. Tanto que Fischer aparecia na linha da frente para a equipa de LA despachar caso a liga tivesse aceite em primeiro lugar a troca de Chris Paul ou caso Orlando tivesse aceite a proposta por Dwight Howard.

No último dia de mercado, o veterano foi trocado para Houston em troca pelo poste Jordan Hill, jogador que cumpre a sua 3ª época na liga, no entanto, sem números brilhantes esta temporada (5 pontos de média; 4,8 ressaltos por jogo) + uma troca que os Lakers tem direito de Dallas pela saída de Lamar Odom para a equipa do Texas no início da temporada.

A troca de Fischer, dada a contratação de Ramon Sessions por parte dos Lakers (falarei mais à frente) acabou por ser um dado claro que os Lakers pretenderam poupar ao máximo no seu tecto salarial, de modo a atacar Dwight Howard no verão.

Para a história, Fischer leva os 5 títulos que conquistou em LA juntamente com Kobe.

Jordan Hill vai para os Lakers mas não será jogador para se aguentar por lá muito tempo. Hill será, assim como me palpita Sessions por um base melhorzito. Gasol ou Bynum também poderão ser outros nomes envolvidos na contratação de um bom jogador. Abrem-se portas para a entrada de Dwight Howard creio.

Quem também está de saída de Portland é o poste Marcus Camby.

Em Portland, Camby sempre mostrou estar muito longe do grande defensor que era nos anos de Knicks e nos anos de Denver. Este veterano poste de 38 anos (16ª temporada na Liga) ainda mostrou que é um exímio ressaltador, fazendo jogos por Portland onde conseguia as duas dezenas de ressaltos. Aliás, a sua média era de 8.8 por jogo. No entanto, Camby é um jogador tecnicamente limitado e nulo do ponto de vista ofensivo.

Apesar de estar na luta pelos playoffs, Portland decidiu despachar o poste por razões económicas. Quem sabe se a equipa do Óregon também não estará interessada em atacar Dwight Howard? Camby foi trocado para Houston por dois jogadores fraquíssimos (Hakeem Thabeet e Johnny Flynn) e pela 2ª escolha de Houston no draft deste ano.

Troca por troca entre Cleveland e Lakers.

Os Cavs enviam para Los Angeles Ramon Sessions (finalmente um base regular em LA; 10, 5 média de pontos e 5,5 assistências por jogo) e o extremo Christian Eyenga (para fazer número) e recebem dois jogadores interessantes que estavam muito parados em LA (Luke Walton e Jason Kapono) – pelo meio, LA recebe os direitos à primeira pick de draft de 2013 de Miami e os Cavaliers recebem o acesso à 1ª escolha de draft dos Lakers em 2012, protegida no entanto pelo efeito de lotaria. Nos drafts, a ordem das equipas é escolhida por lotaria ou seja, as 7 piores de cada conferência escolhem primeiro que as 8 melhores de cada conferência pelo sistema em que as primeiras podem ficar com as escolhas de 1 a 14 do draft enquanto as segundas só podem escolher da escolha 15 à escolha 30. Acontece que as equipas que ficaram de fora de playoff, para determinar a sua posição no draft são convidadas para a lotaria: são postas milhares de bolas num pote, de cor branca e vermelha. A cada equipa, segundo classificação na fase regular, são dadas tentativas de retirada das bolas vermelhas (em muito menor número que as brancas) até que quem retirar duas bolas vermelhas primeiro, assume a primeira posição de escolha no draft. Vou exemplificar: Charlotte é a pior equipa da Liga. Existem 2000 bolas brancas e 28 bolas vermelhas no pote, ou seja 2028 no total. Charlotte como a pior equipa do campeonato é convidada a tirar 228 bolas. Pode acertar nas duas vermelhas ou não. Toronto foi a equipa que ficou em 9º lugar da conferência este. Como é a melhor equipa entre as excluídas do playoff poderá acertar nas 2 bolas vermelhas em 35 tentativas e assim ganhar a primeira do draft.

Saliento novamente: neste processo as equipas que vão aos playoffs não poderão, por norma, ter as primeiras 14 escolhas do draft. No entanto, poderão ter caso tenham efectuado uma troca no passado onde outra equipa (no ano em questão até ficou nas 14 excluídas de playoff) se tenha comprometido a dar uma escolha entre a 1ª e a 14ª pick.

Marcus Camby não foi o único a dar à sola de Portland.

A política de redução de cursos e desmantelamento da actual equipa de Portland levou a direcção da equipa a enviar Gerald Wallace para os Nets a custo reduzido. Wallace chegou a Portland a meio da época passada vindo de Charlotte onde era a principal vedeta da equipa. Em Portland, Wallace manteve os mesmos números que tinha em Charlotte assim como os níveis exibicionais que apresentava o franchising da Carolina do Sul. É agora trocado por Mehmet Okur, Shawne Williams e a 1ª pick dos Nets no draft de 2012.

Do lado dos Trail Blazers penso que está explicada a troca.

Do lado dos Nets, esta troca deveu-se a dois motivos:

1º um fracasso numa nova investida sobre Dwight Howard

2º o facto de embora os Nets, pela sua classificação actual, poderem disputar as primeiras 10 escolhas no draft, preferiram apostar num veterano com qualidade do que jogar num rookie que iria demorar muitos anos para evoluir a um nível que permita uma equipa capaz de regressar aos píncaros da Liga.

Segundo uma análise da ESPN: “

The Nets, sources told ESPN.com’s Marc Stein, had been engaged in blockbuster trade talks with the Orlando Magic late Wednesday night in an effort to acquire center Dwight Howard. But they were dealt a devastating blow on Thursday morning when Howard changed his mind again and elected to waive his early termination option and stay in Orlando through 2012-13.

New Jersey’s strategy, sources told Stein, is to stockpile as many players and draft picks as possible — as well as maintaining salary-cap space — to make another trade run at Howard or another star to be determined in conjunction with the June draft — before star guard Deron Williams can become a free agent July 1.

The Nets had hoped to acquire Howard, who had demanded a trade to New Jersey back in December and wanted to partner with Williams when the team moves to Brooklyn next season, either via trade or as a free agent in the offseason, but it didn’t work out.

So they quickly moved on to their contingency plan to add Wallace.

“I’ll pass,” King replied when asked when he knew the Nets were out of the Howard sweepstakes.

Players and executives are not allowed to talk about players under contract with other teams, per NBA rules.

“I’m not gonna get into it. We were involved in a lot of things. Some things didn’t work out, but one thing we did do did work out,” King said. “I’m always one to look at the glass half full. We’re moving on. We got a starting small forward. I think he’s a good fit for us and that’s all I can focus on.”

Given that Howard is off the market, it’s up to the Nets to convince Williams not to leave. The Nets are confident they can re-sign the 27-year-old, who has said he intends to opt out of the final year of his contract and become a free agent at season’s end.

King said he spoke with Williams earlier Thursday and there was no discussions about him possibly opting out for 2012-13.

Williams has spoken highly of his relationship with Nets’ upper management and the bevy of marketing opportunities he’s had since he was traded to New Jersey. But he hates losing, and the move could be seen as the Nets trying to appease him and win now.”

Boca para o barulho.

Por vezes, nestes últimos dias destinados a trocas, o que custa é dar o primeiro passo. Stephen Jackson, os Milwaukee Bucks e os Golden State Warriors deram o primeiro passo. Incrível é que esse primeiro passo não só despoleta gaps nas equipas que tem que ser colmatados com trocas como ainda gera trocas dentro das próprias trocas.

Passo a explicar: a troca entre Milwaukee e Golden State é ridícula.

Milwaukee enviou para Golden State Stephen Jackson, veteraníssimo base de 34 anos e o poste australiano Andrew Bogut para Golden State. Do outro lado vieram Monta Ellis, Ekpe Udoh e Kwame Brown.

Vamos a factos: Jackson é a sombra daquilo que foi em Indiana e posteriormente em Golden State. Em Indiana, Jackson chegou a atingir a média de 18.1 pontos por jogo e 5 assistências. Em Golden State na época 2008\2009 levou os Warriors aos playoffs juntamente com Ellis, Baron Davis e Jason Richardson, tendo à altura um média de 20.7 pontos por jogo e 6,5 assistências. No ano seguinte transferiu-se para Charlotte, onde juntamente com Gerald Wallace fez 21.1 pontos de média. Em Milwaukee, nos 26 jogos realizados esta época estava com 10.5 pontos de média e nem sequer era titular.

Andrew Bogut é o prémio azar da NBA. O Australiano tem talento e esse talento é inegável. No entanto passa mais tempo na enfermaria do que em campo. Novamente operado ao joelho, Bogut só voltará a jogar no próximo ano.

Do outro lado vvem Monta Ellis, shooting guard de 27 anos que cumpre a sua 7ª época na Liga. Espectácular, versátil, atlético. Tem 21.1 pontos e 6.0 assistências de média numa equipa onde exceptuando Stephen Curry “joga para os pardais”. Vem também Kwame Brown e Udoh, dois suplentes pouco utilizados pela equipa. Brown só actuou 9 jogos esta época.

Ellis é uma excelente aquisição para o forcing final que os Bucks irão incutir para conseguirem uma vaga nos playoffs. E com Ellis até podem surpreender nos playoffs. Como em Golden State não valia a pena, Ellis mudou de ares para uma equipa mais competitiva onde poderá ter a vantagem de jogar com Brandon Jennings, um jogador muito parecido com Stephen Curry.

Já Golden State ficou a perder.

Isto porque Bogut não jogará esta época e até pode nunca mais jogar. E Stephen Jackson, apesar de ser amado em Oakland, não quis assinar pela equipa e entrou noutra troca, desta feita com San Antonio em que Jackson ruma ao Texas e do Texas vem Richard Jefferson (nulo em San Antonio) TJ Ford (para aumentar a confusão decidiu chegar a Oakland e anunciar a sua retirada de cena) e uma escolha no ano 2012 de San Antonio direitinha para Oakland.

Do ponto de vista de San Antonio, a troca é vantajosa. Chuta Jefferson que estava claramente a mais na equipa e ganha uma solução de banco melhor que o extremo. Poupa nos salários e isso é um facto bastante importante a ter em conta visto que como o big-three de San Antonio já está a entrar na “3ª idade do basket” quando mais se poupar em salários agora melhor se poderá proceder a uma renovação de plantel no futuro. Golden State fica a perder em todas as trocas. Perde a sua maior estrela. Ganha jogadores horríveis, não reconstrói a equipa e duvido que tenha poupado na folha salarial com as entradas e saídas.

Outras trocas menores:

Indiana Pacers: troca com Toronto. Os Pacers reforçam o banco com a entrada do Brasileiro Leandrinho Barbosa e Toronto recebe a 2ª escolha do draft de Indiana. Toronto poupa 8 milhões de dólares com a saída do brasileiro e continua a amealhar para voltar em grande lá para 2013.

Memphis Grizzlies: Manda o base Sam Young para Philadelphia (3,5 pontos de média) e adquire a 2ª escolha de draft dos 76ers assim como direitos a um jogador porto-riquenho chamado Ricky Sanchez que está a jogar em Porto Rico sob contrato dos Sixers e que é uma grande vedeta segundo o que pude ler.

Anúncios
Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Pré-All Star Game

Escrevendo acerca dos últimos desempenhos dos meus Bulls.

29ª vitória em 37 jogos.

Para falar desta última semana dos Bulls, opto por “começar a casa pelo telhado” ou seja, por escrever acerca do jogo de ontem que marcou a 7ª vitória caseira consecutiva da equipa de Chicago.

Apesar do desfasamento pontual (19 pontos) Milwaukee provou (principalmente na primeira parte) ser um osso duro de roer. Prova inegável é o facto da equipa, apesar do 10º lugar na conferência ainda estar inserida na luta pelos playoffs.

Milwaukee, sempre comandados pelo base Brandon Jennings (pela época que está a fazer poderia ter lugar no All-Star Game; 20 pontos, 5 assistências e 4 pontos ontem; 18.4 de média pontual e 5,2 de assistências) causaram imensas dificuldades ao ataque de Chicago nos primeiros dois períodos de jogo (pelo que se pode ver nos highlights acima postados) e conseguiram ter um ímpeto inicial interessante na primeira parte do jogo de ontem (23 pontos no 1º período; 30 no 2º).

Do lado dos Bulls, o 5 base despachou a equipa de Milwaukee: Rose, Boozer, Noah, Deng e Brewer somaram 82 pontos. Destaque para Joakim Noah, em crescendo de forma, pelos números bizarros (nada usuais mas fantásticos) que assim o revelam: 13 pontos, 13 ressaltos e 10 assistências para o poste. Nota-se que Noah tem estado num pleno de forma. Está mais confiante, mais efectivo, mais rápido a encarar o cesto, imparável nos ressaltos (9.90 de média) e a distribuir algum jogo para os colegas (principalmente Boozer e Deng).

Carlos Boozer voltou a fazer 20 pontos. Está muito forte no seu lançamento característico em arco e faz bastantes incursões com sucesso no ataque ao cesto por afundanço. Derrick Rose somou 16 pontos, esteve bem, mas ainda está a recuperar da lesão que o afastou durante duas semanas da competição.

Este jogo vem na sequência de uma semana que começou com a vitória contra Boston, com uma derrota copiosa frente aos Nets em New Jersey, numa grande exibição de Deron Williams. No jogo contra os Celtics, destaque para a grande exibição de Luol Deng com 5 triplos. Na terça-feira, esta onda por uma vitória caseira contra Atlanta (jogo de parada e resposta até final; 90-79 com o regresso de Rose ao activo com 23 pontos e com os 16 pontos e 16 ressaltos de Noah). No entanto, os Bulls caíram para 2ºs da conferência, em troca directa com Miami.

Passando à análise em véspera de All-Star Game:

Chicago Bulls: Primeira metade da época como se esperava. Domínio relativo dos acontecimentos. Rose começou um pouco retraído mas cedo se mostrou capaz de elevar as fasquias da época transacta. Lesionou-se pelo meio mas creio que o melhor ainda está para vir. Melhorou e muito no lançamento (principalmente de 3 pontos) está mais incisivo e mais concentrado em alturas de grande pressão.

Luol Deng está a fazer a sua melhor época desde que chegou à Liga. Assumiu determinante e confiantemente o rumo da equipa na falta de Rose. Está com uma média impressionante: 15.9 pontos\6.90 ressaltos e 3.3 assistências. Tem jogos onde ganha mais de 10 ressaltos e marca 20 pontos. Merece a chamada ao All-Star Game.

Joakim Noah começou mal mas cedo se tem endireitado e tem mostrado o seu melhor jogo. Está a passar por uma fase confiante. Carlos Boozer está melhor que na época passada: mais confiante no seu tiro de média distância, mais incisivo nas penetrações para o cesto, dominador na luta das tabelas e na defesa aos postes adversários. Continua algo taralhouco quando as coisas não correm bem à equipa. Richard Hamilton: É o reforço que Thibodeau precisa para os playoffs. Pouco ou nada mostrou pois tem estado sempre lesionado. Omer Asik: Está a render mais, mas creio que será impossível espremer mais do que 5 ou 6 pontitos jogo e meia dúzia de ressaltos. É grande mas não tem grande habilidade. Karl Korver: ao seu estilo. Entra, apanha e lança. John Lucas e Mike James: belíssimas surpresas situação precária na equipa (contratados por 10 dias maior parte das vezes para fazer face a lesões; entram e fazem as suas assistências e triplos da ordem). CJ Watson: irremediavelmente o 6º jogador que a equipa necessita. Chatas lesões impedem-no de dar um contributo mais regular.

Nota final para o estilo defensivo consolidado na equipa por Tom Thibodeau. É essencial ter uma defesa impressionante quando por vezes o ataque bloqueia.

Miami Heat: LeBron, Wade e Bosh ao seu nível. Mais maturidade (principalmente na gestão dos resultados) e mais eficácia. A equipa continua a funcionar muito de acordo daquilo que foi no ano passado: bola para o trio, bola para a frente. Poucas soluções de banco e uma equipa (inclusive treinador; Spoelstra é muito fraco) rendida ao macho-alfa oportunista e egoísta de James. Miami vs Chicago deverá ser a final da conferência este. Tenho quase como garantido. Mike Bibby saiu e Shane Batier não acrescentou praticamente nada. Norris Cole iniciou a época como rookie promissor mas lentamente foi decaíndo de forma. Mike Miller aparece de vez em quando. Jones não joga. Chalmers não é um base de topo nem nunca o será.

Orlando Magic: Howard ficou e não se arrependeu. A equipa não tem estaleca para ombrear com Bulls e Heat. Mas num golpe de teatro até pode lucrar.

O cenário de Howard (cada vez mais animal, cada vez mais completo) com Jameer Nelson, Hedo Turkoglu e Jason Richardson parece estar cada vez mais gasto. Nelson é o exemplo disso: já não é aquele base que tem média pontual superior a 15 com 7 de média em assistências. Está a ficar velho, lento e gasto nas combinações. Turkoglu tem apagado. Richardson igual. Dá para os gastos do Este. Os Magic bem podem agradecer aos excelentes contributos de outros jogadores: Redick é um suplente de luxo e assume metade das despesas do antigo Jameer Nelson. Chris Duhon é experiente. Von Wafer e Ryan Anderson tem dias em que entram em campo e acertam uns triplos.

Philadelphia 76ers: Mais um ano de agradável surpresa. 4º lugar para já com um score de 20-14. Elton Brand tem decaído de forma. Não passa dos 12 pontos\6\7 ressaltos. André Iguodala continua a ser o líder da equipa. É bem rodeado por Jodie Meeks (agradável surpresa) e por Thaddeus Young. Tirando Iguodala, esta equipa do Conneticut vale essencialmente pelo seu colectivo aguerrido e pela dificuldade que todas as equipas têm em jogar em sua casa. Prometem ser osso duro de roer nos playoffs.

Indiana Pacers: Outra surpresa. De eventuais candidatos a playoff, tem a sua posição na tabela bem consolidada com um record de 21-12. David West entrosou bem na equipa (principalmente com Roy Hibbert) tendo os dois resolvido muito dos problemas que a equipa tinha no jogo interior e que McRoberts (agora nos Lakers) não conseguia resolver com o poste alto agora all-star. Danny Granger continua a ser aquele agitador que qualquer treinador gostaria de ter. É incursões ao cesto, é um contra todos a resultar na perfeição, lançamentos longos e triplos.

Suplentes de luxo são Paul George e George Hill. Entram para ajudar a equipa a encontrar novas soluções e as suas médias reflectem a sua importância na equipa.

Atlanta: Pouco mais, pouco menos em relação à época anterior. Vive tudo um pouco na sombra de Josh Smith e Joe Johnson. São os dois que movem juntos a equipa.

O resto é uma combinação de algumas carcaças velhas da Liga (Dampier, Hinrich, Stackhouse, Tracy McGrady, Jannero Pargo, Zaza Pachulia e Vladimir Radmanovic) com alguns jogadores interessantes como Jeff Teague (falam-me muito de Jeff Teague mas não considero que seja um jogador de topo ou que se venha eventualmente a tornar um) ou Marvin Williams. Também tem a sua dose de agressividade quando jogam em casa.

A equipa tem-se ressentido e muito com a ausência prolongada por lesão do poste Al-Hortford.

Nova Iorque:

Linsanity no mundo de Melo e Melodrama.

L(Insanity) é uma alcunha bastante caricata.

Danados deverão estar os proprietários de Houston e Golden State. Achavam que este descendente de cidadãos de Taiwan estava bem era para as contas e para as teorias económicas (Lin é formado em Economia por Harvard) e descartaram-no sucessivas vezes para a Development League.

Danados estavam os adeptos dos Knicks, desesperados pela falta de rendimento de Melo Guloso (como carinhosamente Hugo Coelho Gomes lhe chama) e da sua trupe, onde se incluí agora Tyson Chandler. Mike D´Antoni começou inclusive a ver o lugar em perigo aquando da permanência da equipa fora de lugares de playoff.

O mesmo D´Antoni começou também por relegar Lin para o banco de suplentes. Mesmo em alturas em que o extremo Schumpert fazia de base e do melhor que havia de bases na equipa perante as lesões de Baron Davis e Mike Bibby. E Lin nunca mais parou desde então…

Tem sido assim a carreira de Nova Iorque na Liga. Ups and downs, melhorados com as mais recentes vitórias da dinastia Lin. O jogo está muito unificado para Carmelo Anthony. Carmelo Anthony nem sempre responde favoravelmente aos estímulos de pressão, atirando muito e falhando muito. Stoudamire teve um péssimo arranque e chegou-se mesmo a pensar numa eventual troca com Dwight Howard. Chandler resolveu alguns problemas defensivos da equipa mas não passa de um bom defensor. Bibby e Davis não entram para já nas contas se bem que ambos já regressaram à competição. O resto da equipa (exceptuando Schumpert) é uma equipa amorfa e sem grandes soluções de banco, com muita instabilidade, muita pressão, muito mediantismo e pouco sumo dentro de campo. A irregularidade tem sido o tónico base desta equipa e espero que os Knicks não entrem numa espiral de derrotas daqui em diante pois a presença nos playoffs será (pela sua qualidade) mister…

Boston Celtics: Que dificuldades que sofrimento. Rondo está a fazer a melhor época desde que chegou à NBA mas tem sido muito mal acompanhado. Paul Pierce regressou de lesão e voltou aos seus 25\30 pontos. Como já referi noutros posts, Garnett e Allen acabaram para as altas lides do basket. Experiência? Muita. Vontade de vencer? Alguma. Físico? Péssimo.

Os números de Garnett e Allen são exemplo disso: o poste baixo tem 14.4 pontos e 7.7 ressaltos. O shooter 14.5. Não são números maus mas estão abaixo da casa das duas dezenas. E a equipa ressente-se: é 8ª e começa a tremer com a eventualidade de ver os playoffs por um canudo.

Continua a ser uma das incognitas da Liga para o futuro: que futuro para os Celtics?

Cleveland Cavaliers: Kyrie Irving está a compensar o estatuto de primeiro do draft deste ano. É jogador. Precisa de amadurecer e precisa que a sua managment de equipa lhe traga mais surpresas no sapatinho nos próximos anos. Pela via de trocas será praticamente impossível visto que Cleveland tem poucas moedas de troca (e diga-se, de pouca qualidade também!)

Anderson Varejao é outro cujo rendimento subiu ligeiramente este ano. Mas duvido que chegue para ir aos playoffs. Uma ída aos playoffs seria benéfica para Irving sentir a pressão logo no seu ano de estreia e amadurecer mais tendo em conta as épocas seguintes.

Milwaukee Bucks: A equipa prometeu muito. Brandon Jennings é um patrão. Mas está acompanhado por um colectivo que, pessoalmente, não queria nem um nos Bulls. Ilyasova é o único que se safa de um colectivo que tem do pior que existe de veteranos na Liga, casos de Carlos Delfino, Andrew Bogut (mais uma vez lesionado gravemente) Mike Dunleavy, Drew Gooden (houve uma fase há 2 semanas atrás em que Gooden até andava a fazer 20 e picos pontos por jogo) Bino Udrih e Stephen Jackson (sombra do que foi em Golden State).

Detroit Pistons: O palácio (pavilhão: Palace of Auburn Hills) fantasma. Safa-se Greg Munroe. Ben Gordon não evoluiu nada desde Chicago: continua o mesmo trapalhão que estraga jogos com as suas loucuras e que aparece de vez em quando. Rod Stuckey está constantemente lesionado. Falsa promessa? Tayshawn Prince é uma pena. Está a fazer uma boa época. Renderia bem numa equipa que conheço mais ao lado. O resto das cenas é hilante. Milwaukee versão Lago Michigan: Ben Wallace, James Maxiell, Damien Wilkins, Charlie Villanueva. Um horror!

Toronto: A época até prometia para os Raptors. Com Calderón a executar bons jogos no início de época, aliado a veteranos experimentadíssimos nas altas lídes (Leandrinho Barbosa, Jamal Magloire, Linas Kleiza) e a jogadores como Bargnani e DeMar Rozan a coisa até se podia dar. Bargnani até tem sido o melhor de todos com os seus quase 24 pontos de média. Meia época passou e Toronto está a fazer uma triste figura. 10-23 de score. Não creio que o franchising dure muito mais tempo, a não ser que um ultra-rookie apareça caído do céu.

Um verdadeiro desperdicio num mar de falta de qualidade.

Assim se pode caracterizar Deron Williams nos New Jersey Nets.

É certo que os Nets sofrem ligeiramente com a ausência de Brook Lopez.

No entanto nem tudo é mau. Dois jogadores interessantes para o futuro: Kris Humphries e DeMarshon Brooks. Outro que se pode tornar muito interessante caso ultrapasse a irregularidade das suas actuações: Anthony Morrow. O resto é miséria absoluta.

Aliando a visão de jogo de Williams, à intensidade de Brook Lopez, à garra de Kris Humphries na luta das tabelas, à explosividade dos cortes para o cesto de Brooks e a uma regularidade no tiro de Morrow, falta apenas um bom shooter para que esta equipa possa sonhar com algo que não jogar para não perder por 20, se bem, que já venceu este ano os Bulls.

Washington Wizards: Podiam-se chamar os amigos de John Wall. Tenho pena que este base ainda lá ande quando fazia tanta falta nos meus Bulls. 7 vitórias em 33 jogos num registo miserável.

Jordan Crawford parece-me jogador de futuro. É regular dentro da apatia que a equipa vive. Assim também me parece JaVale McGee Rashard Lewis e os seus 7.8 pontos de média é algo que doi de ver em relação aquilo que já foi noutros anos em Orlando e em Seattle. Mas tudo isto me parece tão curto.

Charlotte Bobcats: Apenas 4 vitórias. Jordan, pensas em extinguir a equipa ou precisas de ajuda? Acho que o meu grupo da ESPN fantasy league pode fazer algo por ti!

Ainda sou do tempo em que DJ Augustin e Gerald Henderson ganhavam para a equipa da Carolina do Norte. Os dois subitamente acamaram-se e as vitórias na equipa acabaram-se. Ainda sou do tempo em que outro Gerald (Wallace) fazia estragos a quem visitasse Charlotte. Os tempos mudaram. Restam vergonhas como Boris Diaw, DeSagana Diop, Corey Magette, Tyrus Thomas e Kemba Walker, jogadores que já não tem lugar no Galitos, quanto mais na NBA.

Conferência Oeste:

O presente e futuro do jogo?

Penso que sim caso ninguém decida cometer uma loucura.

Uma mix excitante de tudo o que existe de melhor na liga num só colectivo que dá orgulho ver jogar nos tempos que correm.

Um base perfurador, aguerrido na luta ao cesto como Russel Westbrook. Furão, brigão, eficaz, que lê bem o jogo e serve na perfeição os colegas.

Um lançador nato. Um vencedor nato que nunca vira a cara à luta como o é Kevin Durant.

Um lutador como Ibaka, tanto na defesa como no ataque.

Um 6º jogador de luxo como James Harden. Entra, faz os seus números na casa das dezenas e contribui para o equilíbrio da equipa e para as soluções de banco.

Um brigão como Kendrick Perkins, sempre ávido na luta das tabelas e sempre pronto para usar aquele corpanzil e aquele jeito mausão que sempre lhe conhecemos.

Estes 5 compensam e bem a falta de um banco. Se bem que a falta de banco poderá reflectir-se nos playoffs. Estaremos cá para ver. Para já, 26-7 de score, recorde da liga em conjunto com Miami.

San Antonio Spurs: Mais um ano de ouro de Tony Parker em época de poupanças. É Parker quem tem levado os Spurs ao topo perante a lesão de Ginobili e os sucessivos programas de gestão de esforço de Tim Duncan. A receita continua a mesma para os lados de San Antonio: apostar na veterania.

Tiago Splitter tem-se revelado este ano um jogador influente na equipa de Greg Popovich. Richard Jefferson decaiu de vez.

LA Clippers: Chris Paul + Blake Griffin e a coisa dá-se. Ainda não tem estaleca para o título a meu ver, mas cedo a terão. Caron Butler e Mo Williams ainda não vieram beneficiar o jogo dos Clippers.

No entanto, tenho concordamos com alguns ditames que me tem comunicado acerca do excessivo hype mediático de Blake Griffin. É um grande jogador, é atlético, é grande que se farta, é rápido, afunda com estilo e tudo mais… mas por favor…

Dallas Mavericks: Início desastroso para os campeões em título que tem sido suavemente amenizado com algumas vitórias. 4º lugar de conferência. Dirk em decadência? Os números de Nowitzsky não deixam de ser óptimos: 19.7 de pontos, 6.8 de ressaltos. Algo longe dos habituais 25\26 de média e algo longe das exibições seguidas a roçar os 40 pontos por jogo.

A equipa perdeu muito com as saídas de Tyson Chandler e Juan José Barea. E não é que os sacanas não estão a fazer nada de excepcional em Nova Iorque e Minnesota?!

As entradas de Vince Carter e Lamar Odom ainda não fizeram muito efeito. O primeiro está a fazer uma época muita boa como há muito não via, mas ainda pautada por uma certa irregularidade nas suas actuações. Está mais triplista no entanto. O segundo ainda não foi avistado no Texas. Anda constantemente lesionado e anda constantemente dessintonizado com a restante equipa. Delonte West foi outra aquisição furada.

O próprio Jason Kidd também entrou em decadência e já nem assistências faz. Para contrabalançar tantas “ausências” vale a Dallas a regularidade de Jason Terry e de Shaun Marion.

LA Lakers:

Basta que Kobe marque acima dos 25 pontos para os Lakers voltarem a ser contenders ao título. Essa é a verdade de Los Angeles nos últimos anos, com ou sem Gasol, com ou sem Bynum, orientados por Phil Jackson ou por Mike Brown.

O início da época dos Lakers poderia ser argumento para um filme de terror. Muita especulação, muito desejo (em Howard; em Chris Paul) muitas injustiças (a Liga apoderou-se da gestão dos New Orleans Hornets e decidiu vetar uma troca que punha Paul nos Lakers e Gasol nos Hornets para colocar o base no rival da cidade de Los Angeles) muita apatia de Gasol (que em Boston se transformou fogo de raiva) e muita falta de um Kobe de outros anos que voltou a aparecer sem se dar por ele.

Bastou Kobe dar o clique e Bynum apareceu e Gasol apareceu. O resto que por ali anda é muito pouco: McRoberts é tosco. Ponto final. Derek Fischer mais tosco é. Steve Blake é miserável para uma equipa com aspirações ao título. Luke Walton nunca mais apareceu. Metta World Peace desde que mudou de nome deixou de ser o Ron Artest do fight que tanto apreciavamos. E Lamar Odom anda na sua travessia em Dallas depois de anos a fio a ser o fio de prumo desta equipa.

Os Lakers terão que rapidamente pensar num target. Creio que Howard como free-agent no próximo ano ainda é um objectivo e Howard está mortinho para que isso aconteça. Mas despachar Bynum para ter Howard será alternativa. Ou despachar o animal que é Gasol num dia de excelência. Creio que o espanhol não durará para sempre. Talvez seja boa ideia trocá-lo. Interessados não faltarão.

Houston Rockets: A agradável surpresa do Oeste. Meia dúzia de renegados conseguem bater o pé na frente.

Sem exceptuar Luis Scola, Kyle Lowry e Kevin Martin, o primeiro olhar que qualquer amante da NBA dá nos Rockets é uma previsão cínica para um 12º lugar na conferência com um score nunca superior a um 20-44.

Lowry é a vedeta da equipa. Scola é a alma. O resto foi construído com bons resultados, casos de Martin, Dragic, Chase Buddinger. Pelos dois jogos que vi desta equipa, apresentam-se como lutadores até ao fim. Assim poderão surprender e para já estão a fazê-lo.

Memphis Grizzlies: Escasso? Sim.

Plantel muito escasso. Rudy Gay e Marc Gasol levam a equipa às costas. De vez em quando aparece Mareese Speights, OJ Mayo ou o veterano Tony Allen. Essencialmente esta equipa do Tennessee depende dos dois primeiros. Se um falhar, o resto falha. 7º lugar de conferência, mas não terão capacidades para o melhor, antes pelo contrário, só o deverão piorar.

Portland TrailBlazers: Não consigo percebe como tanto artista junto não dá um bom espectáculo.

Portland trouxe ao Oregon bastantes expectativas nos primeiros 10 jogos da época. A imprensa local até falava de uma equipa capaz de ombrear com as mais fortes do Oeste pela conquista do ceptro. 20 jornadas depois tudo mudou.

LaMarcus Aldrigde continua a ser o maestro de uma equipa que tem um potencial completo que não está a ser devidamente aproveitado. Aldridge chega à NBA e entra logo numa história interessante: escolhido por Chicago no draft, não chegou a jogar pelos Bulls pois foi imediatamente trocado pelo flop Tyrus Thomas. Ideias à John Paxson com a colaboração de um dito treinador de nome Scott Skiles que na altura achava Tyrus Thomas um portento atlético (não o nego) quando pela porta do cavalo passou um jogador que encaixava na perfeição no rooster dos Bulls.

Aldridge vai novamente ao All-Star Game. Para o corooar, uma época de sonho. Mais uma. Atlético, forte no um para um, forte a finalizar à beira do cesto, bom lançador, ressaltador, assistente. Basta vermos os seus números e a sua eficiência: 22.3 pontos (9º melhor da Liga) 8.3 ressaltos (27º na lista) e 2.7 assistências.

O que é que se passa então com o resto da equipa dos Blazers?

A junção que até poderia dar bons resultados: Marcus Camby (ninguém lhe tira os seus 12 ressaltos por jogo e 3 abafos; já chegou a fazer 22 esta época) se bem que a atacar é zero ou perto disso; Jamal Crawford (14 pontos de média não é mau) Raymond Felton (ainda pior que em Denver) Wesley Matthews (prometeu muito no início da época mas rapidamente se tem esfumado) Greg Odon (novamente lesionado) Kurt Thomas (longe da influência que teve em Chicago na época passada) Gerald Wallace (o 2º melhor da equipa; longe da inflência que teve em Charlotte).

Nestes jogadores temos de tudo. Um poste mau a atacar e exímio a defender e a ganhar ressaltos, uma antiga vedeta da Liga que não chegou a ser vedeta mas tem dias em que entra tudo aquilo que lança, um mandrião que poderia ser vedeta e não é por culpa própria, uma falsa promessa, um antigo 1 do draft que esteve mais dias lesionado do que aquilo que jogou, um veterano que sempre que saltava do banco influenciava o desenrolar de jogos e outro veterano que apesar de ainda ser influente pode render muito mais pois é dos melhores extremos da competição.

Denver Nuggets: Muito se falava de Denver no início da época. Até entre o pessoal da Fantasy League. Vi alguns jogos e comecei a perceber que não é má equipa mas não tem capacidades para ir aos playoffs.

Alguns jogadores muito interessantes como Ty Lawson, Arron Afflalo (tem dias) Al Harrington (muito muito interessante) Rudy Fernandez (em clara baixa de forma, até porque começou a época lesionado) e os veteranos André Miller e Nênê Hilário. Falta-lhe banco.

Minnesota Timberwolves: Ainda não me convenceram. Rubio e Love sim. No compto geral não.

Rubio é de facto um base de sonho. Aparece na NBA com um grande defeito: não encarar o cesto, até porque não é forte no lançamento. Se bem, que os treinadores lá dos Timberwolves estão claramente a melhorar o jogo do espanhol para se tornar também um bom lançador, bem à semelhança de Jason Kidd e Steve Nash. Rubio tem um pouco dos dois. Tem o timbre e o drible de Kidd e o passe de Nash. Anda ali no ataque com a bola aos saltinhos, acima e abaixo, passa todo o garrafão e espeta um passe picado que é sublime para um dos seus colegas. Qualquer coisa do outro mundo para quem aprecia bons bases.

Kevin Love é uma besta. No bom sentido. E tem a particularidade de vir munido com a capacidade de marcar triplos. Caso Minnesota não acerte, Love rumará a outras paragens que lhe dêem os playoffs.

Do que tenho visto dos Wolves:

– Michael Beasley regressou da lesão com vontade de triunfar mas rapidamente caiu em desgraça. Beasley chegou inclusive a fazer um jogo de 30 pontos e outro de 17 ressaltos.

– Juan José Barea, muito fustigado por pequenas lesões ainda não tem entrosado na equipa.

– Nikola Pekovic é uma agradável surpresa. O sérvio beneficiou em muito do jogo de Rubio e tem feito números estonteantes.

Com um bocadinho de sorte, talvez ainda consigam uma vaga no playoff. 5 base tem para isso e para muito mais.

Utah Jazz: Escrevia eu, aquando das primeiras jornadas que os Jazz, apesar de não terem uma individualidade que se destacasse dos restantes (o que é raro na NBA da actualidade) tinham um colectivo muito forte que poderia ser a arma que a equipa necessitasse para conseguir um feito que digamos, a acontecer, seria no mínimo “histórico”.

A temporada veio a meio e os Jazz vieram por água abaixo. Não tenderá a melhorar.

Golden State Warriors: Resume-se a alguma agressividade em casa e Monta Ellis. O resto do plantel abunda em fraquezas e veterania excessiva.

Ainda tem que ser o pobre do triste a levar a equipa às costas.

Não há nada em Phoenix senão Nash. Nash, Nash e Nash. Se Phoenix tivesse mais 2 à sua semelhança, conseguiria ir aos playoffs. Não há Carter. Ainda existiu alguma fé na recuperação para o basket de Michael Redd, mas nada…

O resto é tudo de qualidade muito duvidosa.

Sacramento Kings: A equipa das abadas. Ainda só vi um jogo deles esta época, precisamente contra Chicago. Sei que ultrapassam sempre os 100 pontos e por vezes levam 120. É normal. Tem malta de futuro. DeMarcus Cousins, Isaiah Thomas (o filho do mítico Isaiah Thomas) Tyreke Evans, Tyreke Evans, JJ Hickson – vejam-nos nos playoffs na próxima temporada. Seguramente.

New Orleans Hornets: A pobreza disfarçada.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,