Tag Archives: Região de Águeda

“Tiques de riquismo com a pobreza em pano de fundo”

Sou uma pessoa cujas ideologias nem sempre coincidem com aquilo que é dito por membros da Igreja Católica. No entanto, ao ler a edição desta semana do Jornal Região de Águeda não pude deixar de concordar com um texto do Bispo Emérito de Aveiro, D. António Marcelino, que de seguida passo a transcrever:

“Tiques de riquismo com a pobreza em pano de fundo”

“A gente pobre sempre sonhou e trabalhou para um dia poder viver melhor. E fazia o possível para isso. Aprendia-se na família a poupar, a não estragar, a não exigir aquilo que não se podia ter, a não fingir de rico quando não se era sequer remediado. Nos meios rurais, em que todas as pessoas têm nome e rosto, só raramente passava fome, porque se partilhavam coisas da horta e não se deixavam os pedintes irem embora só com a consolação das palavras. No tempo de racionamento, como foi o da guerra, as coisas lá se foram arranjando com sacrifícios, mas sem deixarem grandes mazelas. Podia dizer-se, na verdade, que o comum das gentes aprendia a viver com muito e com pouco, na abundância e na privação.

Os tempos foram mudando a vida e as pessoas começaram a aprender na nova escola que ensina a comprar sem dinheiro. A dependência de um ordenado certo tornara-se moeda corrente; a procura de um trabalho no Estado era garantia de segurança para o futuro; a emigração para fora do país, que emigrar cá dentro dava vistas curtas, mas lá fora abria horizontes, dava para ter automóveis e fazer casa nova na terra. Chegou-se, então, a um tempo de melhor nível de vida, por vezes vida sem grande nível e com mais aparências que realidade.

De repente, tudo começou a mudar. Muitos encargos, rendimentos incertos. Poupanças, bem como de habitos de moderação, não faziam parte da história pessoal e familiar. Irrompeu a calamidade do desemprego que atinge todo o país, pobreza e mesmo vida remediada viraram fome, a carência do essencial deixou de ser uma simples palavra para se tornar realidade dolorosa. Muita gente porém, ou não acordou ou finge que nada mudou. Quem, cá dentro ou vindo de fora, observar o que se por aí vê, não deixa de pensar, que, mesmo em plena crise, parecemos um país de gente rica, onde até muita gente nova, que ainda não ganhou para nada, dá nota pública de opulência. Automóveis sem conta, telemóveis dos mais caros e sofisticados, roupas de marca, ida ao futebol ao estrangeiro, como se fosse à cidade ali ao lado, muitos, ainda que minoria, a programar férias e lua-de-mel em países exóticos.

Toda a gente se queixa, mas a razão não é sempre a mesma para todos. E o desemprego aumenta a cada dia, o trabalhador precário mantem-se, o recibo verde continua a fazer história, a fila dos que cada dia procuram o Banco Alimentar e batem à porta das instituições de solidariedade social cresce, a ponto de já não se conseguir responder às necessidades mais prementes.

É verdade que muitas pessoas continuam solidárias ou porque passaram por experiências idênticas ou porque ainda não se lhes entorpeceu o coração. Um tempo diferente e de crise social grave, como o que temos aí para durar, torna urgentes atitudes diferentes das que têm sido comuns entre nós. Mudar de atitude nos uso do que se tem, na decisão de produzir mais, quando é caso, de poupar e partilhar, com sensibilidade para quem não tem, tornou-se uma responsabilidade diária e comum para os cidadãos, os governantes, os empresários, as instituições que nos servem, a sociedade em geral.

Neste contexto, os tiques de riquismo são ofensivos, as cedências ao supérfluo são provocadores e escandalosas. Todos são chamados, à medida de cada um, a entrar no processo a recuperação necessária e urgente do país. Não é trabalho apenas dos governantes. Pouco ou nada se conseguirá se cada um não impuser a si próprio atitudes de austeridade e gestos de partida, e a quem governa, decisões certas e exemplos convincentes. Urge, que todos digamos, de modo consequente, que somos pessoas responsáveis e solidárias, irmãos e cidadãos com iguais direitos e deveres.

Nesta crise, como sabemos, há gente especialmente atingida: os desempregados, já mais de 600 mil e muitos dependentes à beira do desespero; os imigrantes estrangeiros mais pobres, sobretudo os africanos, muitos deles explorados por empregadores desonestos; as famílias com problemas multiplicados e sem meios para os resolver; os que viram reduzidas as suas pensões de reforma, os abonos de família e outros apoios sociais, agora sem dinheiro para os medicamentos e outras urgências graves; os mais pobres, idosos e crianças, não amados na casa de família ou acolhidos em instituições que nunca dão tudo; os filhos de famílias desestruturadas, carentes permanentes de atenção e de carinho, e, muitas vezes também de pão… Todos estes e outros tantos são mão estendida ao coração de cada um de nós.

Depois da experiência de um certo bem-estar, ainda que relativo para alguns, vemo-nos, de um momento para o outro, instáveis como o vento. A maioria das pessoas não foi preparada para viver as crises, e muito menos para agir nelas com coragem e esperança. Há que começar esta aprendizagem na escola da família, na escola dos livros e dos cadernos, na escola alargada da sociedade. Nesta última, por certo a menos controlável, nos seus diversos níveis de acção, da comunicação social ao ambiente circundante, da publicidade ao respeito devido aos mais frágeis. Não se pode iludir ninguém. A hora é de verdade.

Perante diferenças inqualificáveis, injustiças inexplicáveis, compadrios vergonhosos, desprezo pelos mais carenciados e excluídos, ou uma acção positiva comum, operativa e rápida, que pode ir até à denúncia ou o desânimo e a inércia dos já vencidos, ou a agressividade dos desesperados… Em tempo de desafio, só tem sentido a honestidade, a união e a responsabilidade colectiva.”

Anúncios
Com as etiquetas , , , , , , , , ,