Tag Archives: Radiohead

myxomatosis

Hail to the thief – 2003

Anúncios
Com as etiquetas , , , ,

a minha vaca sagrada musical fica sempre bem a esta hora

The Bends completo para aqueles que ainda tentam a esta hora salvar o ano lectivo.

Com as etiquetas , , ,

parolos (parte II)

Yo La Tengo — “Little Eyes” — Álbum: Summer Son

Com os Radiohead em Portugal, só aumenta o meu desejo de ir ao Porto ao Optimus Primavera Sounds ver estes senhores.

 

Com as etiquetas , , ,

parolos

Thom Yorke e os irmãos Greenwood andaram uma década a gozar com o povo português.

Andaram literalmente a encher o cú de ilusões ano após ano aos Portugueses numa eventual presença em Portugal e agora, aparecem do nada para actuar no Festival mais medíocre que existe neste país.

Agora reaparecem sorridentes. Na pior merda de festival que existe em Portugal. Os tolinhos, sim, aqueles que só gostam de Radiohead porque se fartam de cantar a “Creep” no caminho de casa para o trabalho, já andam todos doidos a dizer que não podem faltar ao concerto – só para ouvir a “Creep” está claro. Eu cá afirmo-o já: não vou ver Radiohead ao Alive nem que me paguem. E os Radiohead para mim são sagrados.

Não vou porque desde já jurei que nunca ia meter os pés no Alive. Não vou trocar o Optimus Primavera Sound do Porto e Paredes de Coura, nem que ao Alive venham os Radiohead e uma banda composta pelo Papa Bento XVI, Mick Jagger, Paul McCartney, Madonna e a Chicholina.

Não vou porque não vou estar hora e meia a ouvir o King of the Limbs e o InRainbows.

Não vou porque sou capaz de dar umas porradas a todos os posers que começarem a cantar a “Creep” ao meu lado.

Não vou porque o Thom Yorke começa-me a meter fastio.

Este filme já é antigo. Lembra-me o filme dos Pearl Jam em Portugal. Durante anos cagaram por completo no país da Europa com mais ratio de fans em proporção à população existente e de um momento para o outro lembraram-se que existimos e começaram a vir cá todos os anos.Daí que toda a gente adore o Eddie Vedder e eu, apesar de não esconder que adorava os Pearl Jam na minha adolescência já nem o suporto ouvir.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , ,

” The King of limbs” não me encanta

Desde 1993 (ano do lançamento de Pablo Honey) que os Radiohead nos habituaram a muita coisa:

– A total desilusão que foi o seu álbum de estreia, cujo péssimo primeiro single (Creep) ficou na cabeça de muito boa gente por esse mundo fora.
– O epíteto de melhor álbum de sempre do rock (Ok Computer) sem que o seu antecessor (The Bends) e o seu sucessor (Kid A) merecessem tanto destaque. Continuo a dizer que prefiro o “The Bends” e o “Kid A” ao “Ok Computer” sem no entanto retirar os créditos de excelência ao álbum.
– A uma estratégia de marketing que revolucionou a música aquando do lançamento de “In Rainbows” e que atinge agora o seu auge com o lançamento de “The King of the Limbs”.
– Ao facto de recusarem vir actuar a Portugal há muitos anos.

“The King of  Limbs” foi obviamente recebido por muita expectativa pelo público. Analogamente aquilo que a banda tinha feito com “In Rainbows” em 2007 ressalvando as diferenças existentes ao nível da modalidade de pagamento (em The King of the Limbs os Radiohead atribuíram um preço específico para compra do álbum a partir do seu site) a banda lançou primeiro o álbum na internet do que em edição física, contemplando a edição de um pequeno jornal e a edição de 2 vinys com bónus tracks aqueles que preferíssem comprar a edição “topo de gama” pela quantia de 36 euros.

Obviamente (como se pode constatar na passada sexta-feira) os fans acérrimos de Radiohead “morderam mais uma vez o isco lançado pelo marketing da banda” e nas horas que se seguiram à instalação do álbum no domínio, era praticamente impossível aceder ao site da banda britânica. Passando à frente.

Depois de ouvir várias vezes o álbum, posso concluir (na minha opinião pessoal) que “The King of Limbs” não me encanta. Quer-me parecer que os Radiohead andam a defraudar as expectativas dos fans há 13 anos. Desde o lançamento oficial de “Kid A”.

“The King of Limbs” inicia logo com uma faixa (Bloom) que bem poderia ser lado B tanto de “Kid A” como de “Amnesiac”. De um experimentalismo que há muito deveria ter saído das cabeças da banda. De seguida aparece-nos (Morning MrMagpie, Little By Little e Feral) que não são mais do que a continuação clara do CD2 de “InRainbows”. Mais do mesmo. Boas batidas, pouco conteúdo, pouca guitarra. Na ressaca da apresentação do álbum, o guitarrista da banda Johnny Greenwood afirmou “estar no álbum”. Muito escondido é certo.

Chegamos à 5ª faixa do álbum (Lotus Flower). Um dos singles do álbum. Mais do mesmo. Banal. Demasiado experimental. Até aqui, todos aqueles que ouviram “The King of Limbs” ainda não justificaram os 36 euros dados pelo álbum.

Chegamos à parte final do álbum. O melhor. Nos 3 temas finais ( Codex, Give Up the Ghost, Separator) a banda optou por deixar um “cheirinho” a Amnesiac e a temas como “Pyramid Song”, ” You and Whose Army?” “Knives Out”, “Dollars and Cents” e “Life in a Glass House” o que a bom da verdade acaba por ser aquilo que de certa forma salva este álbum.

Desconfio que “The King of  Limbs” não passa mesmo de isso, de um “isco de Marketing” que foi lançado pela banda. Creio que nos próximos meses teremos mais de Radiohead. Esperemos que de melhor qualidade em relação a  “The King of the Limbs”.

Em Portugal, a grande incógnita consta em perceber se os Radiohead voltam este verão a Portugal.

Para já, a banda não se parece muito interessada em apresentar o novo álbum. No seu site oficial, ainda não existe qualquer data marcada para a tourneé de apresentação do álbum. Creio que dentro de alguns dias teremos as primeiras datas confirmadas pela banda e aí, esperemos que alguma promotora de eventos os volte a trazer ao nosso país. Pelo investimento que estão a fazer nos cartazes deste ano, tanto o Optimus Alive como o Super Bock Super Rock poderão estar na fila da frente para garantir o concurso da banda. Nesse cenário, sou assertivo ao pensar que quem conseguir colocar os Radiohead ao vivo em Portugal terá uma noite de grande sucesso. Isso, dou como garantido…

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , ,

Desistam

Já me mete nojo ver os putos e os posers a falar dos Joy Division e da cena de “Madchester”. Mete-me um profundo asco vê-los destruir, vê-los tentar tornar mainstream aquilo que não é mainstream e que nunca o será. Parem de falar no Ian Curtis. Ele deixou bem vincado em vida que não fazia musica para ser adorada por toda a gente depois de morto. Vocês nem sabem sequer que antes de haver Joy Division, havia Warsaw. E que antes de Warsaw, haviam bandas como os Clash, como os New York Dolls, como os Velvet Underground, como os Television.


Vocês nem sabem que o nome Joy Division foi criado com base num clube nocturno que os soldados Alemães frequentavam em Paris durante a ocupação Francesa por parte do exército Alemão. Vocês nem sabem que a banda só lançou dois álbuns de originais e que o resto são singles lançados em vinyl. Por isso parem de ser como o Miguel Esteves Cardoso. Esse quando vêm falar de música, escreve sempre sobre o mesmo. Numa dinâmica de circulo. Quando escreve sobre o Ian Curtis não vêm falar do John Lennon. Quando não escreve sobre o Ian Curtis vêm falar do John Lennon.

Parem de falar nos Smiths. Parem de usar o argumento preconceituoso que o Morrissey usava a musica para sair do armário. Ele nunca escondeu que era homossexual. Parem de andar por aí a postar nos facebooks que a “Creep” é o melhor single de sempre dos Radiohead. Porque a “Creep” só é single no NL e no “Pablo Honey” que se diga de passagem que é uma das piores merdas de sempre da história da música. Para gente podre de bebeda que com a bebedeira acha genial a tudo o que é mau. Parem de andar por aí a gabar o “Ok Computer” como o melhor álbum de sempre alguma vez feito. Ouçam o “The Bends”, ouçam o “Kid A”, ouçam a merda que vocês quiserem. Longe de mim.

Por isso desistam…

Com as etiquetas , , , , , ,