Tag Archives: publicidade

NBA 2012\2013 #42 – BIG

Agradam-me os novos commercials da Liga:

A mamã Durant em Oklahoma.

Gémeos separados à nascença. Brandon Jennings e Monta Ellis dos Milwaukee Bucks. A ver se a dupla continua no próximo ano visto que Jennings torna-se free-agent no final da época e poder mudar de ares. Caso Jennings o faça (tem pretendentes em Dallas) penso que se vão as hipóteses dos Bucks lutarem pelo título da NBA. Agora, Jennings e Ellis tem a companhia de outro grande base (JJ Redick) vindo de Orlando.

O carismático cineasta fã dos Knicks Spike Lee a todo o gás sobre a história de um dos melhores jogadores do franchising de Nova Iorque (Bernard King)

O fantasminha Chris Paul (Los Angeles Clippers)!

Anúncios
Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , ,

Campanha Quisoque Moche\Queima das Fitas 2013

moche

Campanha da Moche em parceria com a Queima das Fitas 2013. A moche está a fazer esta campanha no piso 1 da AAC!

Com as etiquetas , , , , , ,

NBA 2012\2013 #32 – dos commercials

NBA TV – Big Things are Coming – Compilação dos spots. Participantes por ordem de anúncio: Dirk Nowitzky (Dallas Mavericks) Rajon Rondo(Boston Celtics) Kevin Durant (Oklahoma City Thunder) Ricky Rubio (Minnesota Timberwolves) Ty Lawson (Denver Nuggets) Chicago Bulls, Chris Paul (Los Angeles Clippers) LeBron James (Miami Heat) Kobe Bryant (Los Angeles Lakers)

Russell Westbrook (Oklahoma City Thunder) para o canal ESPN.

Dwight Howard (Los Angeles Lakers) Carmelo Anthony (New York Knicks) Joe Johnson (Brooklyn Nets) Russell Westbrook (Oklahoma City Thunder) e Dwayne Wade (Miami Heat) para a NBA.

Blake Griffin (Los Angeles Clippers) Rajon Rondo (Boston Celtics) e Amar´e Stoudamire (New York Knicks) para a NBA.

Chris Paul (Los Angeles Clippers) para a State Farm!

Blake Griffin para a Kia!

Derrick Rose (Chicago Bulls) para a Adidas.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

NBA 2012\2013 #2

a review do 1º mês da Liga estará disponível a partir de amanhã. peço desculpa pelos atrasos (a vida não dá para colocar os meus olhos em tudo)

enquanto não vem essa review, deixo-vos aqui com alguns momentos desta temporada, escolhidos pelo meu staff (no que à NBA diz respeito) da liga da ESPN Fantasy Basketball:

O João Paulo Lacerda brinda-nos com o 2º capítulo da senda do Uncle Drew (Kyrie Irving, o nº1 do draft da época passada, jogador dos Cleveland Cavaliers).

O Roger Forte dá-nos a maravilhosa arrancada de Rudy Gay (Memphis Grizzlies) na estonteante vitória caseira da equipa do Tennessee sobre os campeões Miami Heat.

O José Pita optou por postar o sensacional lançamento de Joe Johnson (Brooklyn Nets) depois de um nó cego no All-Star Paul Pierce (Boston Celtics).

O Hugo Coelho Gomes, ainda no mesmo jogo, seleccionou a rixa colectiva que derivou de uma falta de Kris Humphries a Kevin Garnett e consequentemente ao empurrão do “provocador” Rajon Rondo em Humphries.

Anotação minha: já não é a primeira vez que Rondo se envolve neste tipo de polémicas. ambos os jogadores acabaram por ser expulsos da partida.

O Hugo também salienta (como não poderia deixar de ser) uma notícia extra-liga que marcou um destes dias: LeBron James (Miami Heat) foi eleito o desportista do ano pela Sports Illustrated. Merecido.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

tonight is crunchtime

Nikola Karabatic – Montpellier HB\França – melhor jogador do mundo em 2007 para a IHF e campeão olímpico em 2012 em Londres.

Com as etiquetas , , , , , , ,

all-in

Filip Jicha – Kiel\República Checa

Com as etiquetas , , , , , , , ,

Boas notícias

O azeite português está em franco sucesso.

O excelente indicador no meio disto tudo: “O Brasil compra 40% do azeite que consome a Portugal.” – o mercado é enorme e pode gerar uma mina de ouro para o sector. Parabéns a algumas marcas (como a Galo, por exemplo) que tem apostado imenso em campanhas de publicidade no país em causa, causando um aumento de hábitos de consumo de azeite no Brasil. Ainda recentemente via um trecho de uma telenovela brasileira em que o azeite que se expunha na cozinha do protagonista era dessa mesma marca. Parabéns ao departamento de marketing da empresa por tão feliz ideia, sabendo da importância que as telenovelas da Rede Globo têm nos hábitos consumistas do povo brasileiro.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , ,

Saúde pública versus liberdade privada?

Por Peter Singer, sociólogo, Professor de bioética na Universidade de Princeton e professor Laureado na Universidade de Melbourne

“Duas decisões contrastantes tiveram lugar no mês passado: um tribunal de recurso dos Estados Unidos decidiu contra a exigência da Food and Drug Administration (FDA) norte-americana de que os cigarros fossem vendidos em embalagens com imagens de advertência dos perigos para a saúde, enquanto o Supremo Tribunal da Austrália apoiou uma lei que vai muito mais além. A lei australiana exige que nos maços de tabaco figurem advertências dos perigos para a saúde e imagens dos danos físicos causados pelo tabagismo. Exige também que os próprios maços sejam simples, com os nomes das marcas a figurarem em ponto pequeno numa fonte padrão, sem logótipos e sem qualquer outra cor a não ser verde-azeitona.

A decisão dos EUA teve por base a protecção constitucional da América relativamente à liberdade de expressão. O tribunal aceitou que o governo possa exigir advertências factuais exactas dos perigos para a saúde, mas a maioria, numa decisão dividida, considerou que o governo não podia chegar ao ponto de exigir imagens. Na Austrália, a questão era se a lei implicava a expropriação sem a devida compensação – neste caso, dos direitos de propriedade intelectual nas marcas das empresas tabaqueiras. O Supremo Tribunal decidiu que não.

No entanto, subjacente a estas diferenças, está a grande questão: quem decide qual é o equilíbrio adequado entre saúde pública e liberdade de expressão? Nos EUA, os tribunais tomam essa decisão, essencialmente, com base na interpretação de um texto com 225 anos e se esse facto privar o governo de utilizar algumas técnicas que ajudem a reduzir o número de mortes causadas pelo tabagismo – actualmente estimado em 443.000 americanos por ano – assim o será. Na Austrália, onde à liberdade de expressão não é dada protecção constitucional explícita, os tribunais têm uma tendência muito maior para respeitar o direito dos governos democraticamente eleitos de encontrar o equilíbrio adequado.

Existe um consenso generalizado de que os governos devem proibir a venda de, pelo menos, alguns produtos perigosos. Muitos aditivos alimentares são proibidos ou permitidos apenas em quantidades limitadas e o mesmo acontece em relação aos brinquedos para crianças pintados com substâncias que podem ser prejudiciais se ingeridas. A cidade de Nova Iorque proibiu as gorduras trans em restaurantes e está actualmente a limitar a dose permitida de bebidas açucaradas. Muitos países proíbem a venda de ferramentas perigosas, tais como serras eléctricas sem protecções de segurança.

Embora haja argumentos para se proibir uma multiplicidade de produtos perigosos, os cigarros são únicos, porque nenhum outro produto, legal ou ilegal, está perto de causar o mesmo número de mortes – mais do que os acidentes de viação, a malária e a sida, em conjunto. Os cigarros são também altamente viciantes. Além disso, onde quer que os custos de saúde sejam pagos por todos – incluindo os EUA, com os seus programas de saúde pública para os mais desfavorecidos e para os idosos – todos pagam o custo dos esforços para tratar as doenças causadas pelo tabagismo.

Proibir totalmente os cigarros é uma outra questão, porque esse facto iria, sem dúvida, criar uma nova fonte de receita para o crime organizado. Parece estranho, no entanto, considerar que o Estado possa, em princípio, proibir a venda de um produto, mas não possa permitir que o mesmo seja vendido apenas em embalagens onde figurem imagens gráficas dos danos que causa à saúde humana.

A indústria tabaqueira levará agora a sua batalha contra a legislação australiana até à Organização Mundial do Comércio. A indústria teme que a lei possa ser imitada em mercados muito maiores, como o da Índia e o da China. Ou seja, onde essa legislação é mais necessária.

Na verdade, apenas cerca de 15% dos australianos e 20% dos americanos são fumadores, mas em 14 países de baixo e médio rendimento abrangidos numa sondagem, cujos resultados foram recentemente publicados na revista The Lancet, cerca de 41% dos homens eram fumadores, registando-se um aumento do número de jovens mulheres que adquiriram o hábito de fumar. A Organização Mundial de Saúde estima que cerca de 100 milhões de pessoas morreram em consequência do tabagismo no século XX, mas o tabaco irá matar até um bilhão de pessoas no século XXI.

As discussões sobre até que ponto o Estado pode ir na promoção da saúde da sua população começam, muitas vezes, com o princípio de John Stuart Mill de limitar o poder coercivo do Estado a actos que impeçam danos a terceiros. Mill poderia ter aceitado as advertências sobre os perigos para a saúde nos maços de tabaco e até mesmo as imagens gráficas de doenças pulmonares se esse facto ajudasse as pessoas a entender a escolha que estão a fazer, mas teria rejeitado uma proibição.A defesa de Mill a respeito da liberdade individual, no entanto, presume que os indivíduos são os melhores juízes e guardiões dos seus próprios interesses – uma ideia que actualmente raia a ingenuidade. O desenvolvimento de técnicas de publicidade modernas marca uma importante diferença entre a época de Mill e a era actual. As empresas aprenderam a arte de nos vender produtos não saudáveis, apelando aos nossos desejos inconscientes de estatuto, atractividade e aceitação social. Como resultado, sentimo-nos atraídos por um produto sem saber muito bem porquê. E os fabricantes de cigarros têm aprendido a manipular as propriedades do seu produto de forma torná-lo o mais viciante possível.

As imagens gráficas dos danos que o tabaco causa podem contrabalançar o poder desses apelos ao inconsciente, facilitando assim uma tomada de decisão mais determinada e tornando mais fácil a resolução de deixar de fumar. Assim, em vez de rejeitarmos estas leis por serem limitativas da liberdade, devemos defendê-las como forma de promover regras de homogeneidade entre indivíduos e empresas gigantes que não têm qualquer pretensão em apelar à nossa capacidade de raciocínio e de reflexão. Exigir que os cigarros sejam vendidos em maços simples, com advertências sobre os perigos para a saúde e imagens gráficas é uma legislação de igualdade de oportunidades para a parte racional que existe dentro de nós.”

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , ,

f2 2012 – Formação Fotográfica

f2=Formação Fotográfica é um projeto pedagógico iniciado em 2009 pela Secção de Fotografia AAC, composto por workshops e palestras,  objectivado na diversidade de conteúdos e pluralidade das abordagens escolhidas.

A formação em fotografia é um instrumento determinante na busca do domínio técnico e ganhos de produtividade, não só pela qualificação dos recursos humanos, mas pela capacidade de melhoria no desempenho e produção de trabalhos de autor. Mais que a formação de base, ou atualizações contínuas de conhecimentos, a f2=Formação Fotográfica pretende constituir um treino de competências práticas, na troca de experiências estabelecidas com diferentes profissionais, nas diversas possibilidades oferecidas pela fotografia.

foto: Pedro Frias

A primeira palestra já teve lugar no passado dia 30. A convite da Secção de Fotografia e do Núcleo de Estudantes de Informática através da organização do 1º Encontro Nacional de Estudantes de Design, o brilhante publicitário Edson Athayde deu uma palestra no Pólo II com o título “A importância da fotografia na publicidade e no design”.

Athayde provocou um enorme sucesso, tendo assistido à sua palestra cerca de 400 estudantes. As fotos da mesma podem ser vistas aqui através da página de facebook da Secção de Fotografia.

O próximo Workshop é já no dia 11 de Abril. António Luis Campos vem a Coimbra dar uma formação de “Iniciação à Fotografia

Ficha Técnica:

Data: 11 Abril

Local: Edifício AAC

Horário: 10:30/13:00 – 14:30/18:30 H

Preço:

Estudantes e Desempregados € 25,00

Profissionais € 40,00

Sócios e colaboradores regulares da Secção de Fotografia AAC € 20,00

 Fotógrafo freelancer desde 2004, é colaborador regular da National Geographic Portugal, tendo assinado mais de duas dezenas de artigos nesta publicação.

Engenheiro electrotécnico, é autor de três livros, “Metamorfose” (2009), “À Beira da Água” (2010) e “Recursos e Território – Uma geografia da esperança” (2011), publicando ainda regularmente, em jornais e revistas nacionais e internacionais.

Criou diversas exposições e instalações individuais em Portugal, Espanha e Polónia, das quais se destacam “Pensam que é por milagre…” e “Borboletas do Mondego e Selvagens Vidas Lusas”.

Em 2006 integrou a agência fotográfica 4SEE Photo, que evidenciou o seu trabalho ao nível internacional. No ano seguinte, foi premiado no concurso Fotojornalismo BES-Visão.

É ainda, guia de viagens fotográficas na agência Nomad, dividindo o seu tempo entre uma intensa actividade formativa na área da fotografia, trabalhos corporativos com entidades privadas e instituições estatais e o desenvolvimento de projectos fotojornalísticos e documentais.

Segundo Paulo Abrantes da Secção de Fotografia: “Este workshop terá uma componente teórica e prática, com uma sessão de sala e uma saída de campo. Focar-se-á nos conceitos fundamentais da fotografia – exposição, composição e controlos da câmara fotográfica – abordando ainda técnicas, práticas de iluminação e macrofotografia.

Dirige-se a todos os que, dispondo de máquina fotográfica, pretendam conhecer melhor o equipamento, explorar as suas potencialidades e ganhar uma nova perspectiva sobre o processo criativo da fotografia, proporcionando bases para, individualmente, os participantes poderem evoluir e alcançar resultados mais satisfatórios.”

Mais info é favor de consultar o site Fotografia.net

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , ,

I Encontro Nacional de Estudantes de Design

Um pequeno teaser que me deixou curioso para investigar as inovações que se vão efectuando no mundo do design e da multimédia.

Arrancou hoje com um auditório cheio para ouvir um dos melhores publicitários do mundo (Edson Athayde; em colaboração com a formação fotográfica F2 promovida pela Secção de Fotografia) falar da importância da fotografia para o mundo do design e da publicidade.

Aposta ganha. Casa cheia. Excelente organização pelo Núcleo de Estudantes de Informática da AAC.

À noite, no Mango Club, jovens designers e investigadores apresentaram-nos os seus projectos e trabalhos. Ficamos a saber que junto à Junta de Freguesia da Sé Nova existe um gabinete de co-working onde várias pessoas (mediante aluguer de um espaço misto) podem trabalhar nos seus projectos escolares e empresariais, aproveitando também para ganhar novas ideias e sinergias a partir da presença de um grupo de agentes multidisciplinares como colegas de trabalho.

Ficamos também a saber sobre uma ferramenta web chamada Bundlr entre outros trabalhos apresentados.

Para finalizar, ainda decorre a esta hora a primeira das festas do evento. Amanhã há mais. À noite, o 1º ENED apresenta-se com uma festa nos jardins da AAC.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , ,

que porcaria é esta?

Acedam à página online do Jornal Público e vejam o que vos acontece.

Com as etiquetas , , , ,

Quid Iuris?

“As duas equipas estão no balneário a debater o que podem fazer para ganhar este jogo na segunda parte”, diz o realizador na sua voz de gravilha, emergindo da galeria subterrânea de um estádio. “A América também está no intervalo. As pessoas estão sem trabalho e isso é doloroso. Estão todas a ponderar o que hão-de fazer para recuperar. E têm medo, porque isto não é um jogo.”

“Este país não pode ser derrubado com um soco. Nós voltamos a levantar-nos e quando o fizermos o mundo vai ouvir o ronco dos nossos motores. Sim, a América está no intervalo. E a nossa segunda parte está prestes a começar.”

 

Com as etiquetas , , , ,

f2 = Formação Fotográfica 2011

A Secção de Fotografia da Associação Académica de Coimbra continua a promover a sua actividade f2 = Formação Fotográfica 2011.

Depois do Workshop de “Iniciação à Fotografia” ministrado por Fernando Algarvio, dos Workshops “Workflow Digital: edição de ficheiros RAW”, “Luz, exposição, composição, equipamento” (Joel Santos) e “Fine Arte Nude” por Carlos Santos, segue-se uma palestra com o tema “O ensino da fotografia” amanhã, na Casa das Caldeiras (ali mesmo ao lado do edifício da AAC na Padre António Vieira) onde será nosso convidado o responsável pela área da Licenciatura em Fotografia António Ventura.

Segundo nota disponibilizada no site da Secção:

” O Instituto Politécnico de Tomar (IPT) é há 25 anos uma Instituição de referência no Ensino Superior Politécnico. Com 23 cursos de licenciatura, o IPT oferece soluções que abrangem as mais diversas áreas do conhecimento e, procura constantemente actualizar os conteúdos programáticas de acordo com as carências verificadas no tecido empresarial. Sendo que, já todos os cursos se encontram adaptados ao Modelo de Bolonha. O IPT possui um campus em Tomar que acolhe os alunos da Escola Superior de Tecnologia de Tomar e da Escola Superior de Gestão de Tomar e, em Abrantes, a Escola Superior de Tecnologia de Abrantes.

Para abordar a Licenciatura em Fotografia o responsável pela área, António Ventura, irá falar da sua experiência enquanto formador e do papel que o IPT ocupa no ensino da fotografia.”

Esta palestra tem entrada livre.

Para finalizar o evento, restam mais 2 workshops e uma palestra:

Dia 18 de Junho nas piscinas municipais o Workshop “Woman under water” com João de Castro. (custo: 20 euros para sócios da Secção25 euros para estudantes40 para profissionais – inscrições até amanhã pelo email seccao.fotografia@gmail.com ou então na loja do piso 0 da AAC.

Dia 23 de Junho na Casa das Caldeiras, a Palestra “Fotografia e Publicidade” com Paulo Antunes e Cristela Bairrada da empresa FORDOC. (entrada livre)

Dia 25 de Junho, Workshop em Adobe Lightroom 3 orientado por José Gomes Ferreira na Sala de Formação do CIAAC – ali bem perto das cantinas verdes, no caminho que dá acesso ao parque de estacionamento das monumentais e ao Centro Cultural D. Dinis (custo: 20 euros para sócios da Secção 25 euros para estudantes40 para profissionais)

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Fantástico


O novo comercial da Adidas.

Como estrelas, Lionel Messi, Derrick Rose (estrela dos Chicago Bulls) David Beckham, a saltadora com vara Yelena Isimbaeva e a equipa profissional de Notre Dame (Futebol Americano) são as estrelas que patrocinam a nova colecção da marca Alemã.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , ,