Tag Archives: Peter Schmeichel

O grupo da morte

Alemanha, Holanda e Dinamarca.

Já lhe chamam o grupo da morte.

Eu cá continuo na ilusão do nacionalismo e prefiro acreditar que vamos passar esta fase de grupos em primeiro lugar.

1. É certo que os adversários são dificeis:

1.1 A Alemanha aparece no Euro 2012 com uma das mais fortes selecções dos últimos anos.

A nova geração de talentos Alemã, constituída por jovens talentos como Jerôme Boateng, Marko Marin, Mezut Ozil, Mario Gomez, Mario Gotze, Sami Khédira, Thomas Muller, Sven Bender, Lars Bender, Toni Kroos e auxiliada de perto por jogadores experientes\veteranos como Miroslav Klose, Phillip Lahm, Bastian Schweinsteiger, Per Mertesacker, entre outros, aparece no Euro 2012 com a aspiração de fazer frente ao poderio da Selecção Espanhola.

Vai ser obviamente, pelas circunstâncias e pelo potencial demonstrado nos últimos 2 anos o osso mais duro de roer para a selecção nacional na fase de grupos.

1.2 A Holanda é a Holanda. Quem conhece o futebol sabe perfeitamente o que escrevo.

Robin Van Persie, Arjen Robben, Klaas-Jan Huntelaar, Wesley Sneijder, Maarten Stekelenberg, Van der Wiel, John Heitinga, Nigel De Jong, Kevin Strootman, Dirk Kuyt, Urby Emanuelson, Joris Mathijsen, Eljero Elia, Demy De Zeeuw, Ibrahim Affelay, Rafael Van der Vaart são jogadores de inegável talento. A Laranja Mecânica é obviamente outra das candidatas principais ao ceptro europeu.

1.3 A Dinamarca de Morten Olsen. A Dinamarca que venceu o nosso grupo e pratica aquele futebol musculado e pragmático. Mas também a Dinamarca que não costuma apresentar o seu melhor futebol nas fases finais de competições internacionais, ponto que pode jogar a nosso favor.

2. A nossa selecção.

Temos primeiro que reconhecer que a nossa selecção não é em nada inferior a qualquer uma destas selecções.

Em segundo lugar, acredito perfeitamente que este tipo de jogos sejam aqueles jogos que todos os jogadores sonham em jogar. Logo, acredito que estes jogos acrescentem uma dose de motivação extra aos jogadores das quinas e sejam jogos em que os mesmos apliquem em campo todas as características que os tem acompanhado ao longo das suas carreiras.

3. Em terceiro lugar: os resultados que a selecção nacional tem atingido nos últimos 15 anos.

Se repararem, nos últimos 15 anos, a selecção Portuguesa apurou-se (fazendo excepção ao mundial de 1998) para 5 europeus consecutivos e 3 mundiais.

Nas finais finais dos europeus e mundiais, quando menos se esperava Portugal deu-se bem com todos os grupos difíceis que teve de enfrentar.

3.1 No euro 1996, Portugal calhou num grupo que continha a Turquia, a Dinamarca e a Croácia. Empatamos com a Dinamarca de Schmeichel e Brian Laudrup a 1 bola. Vencemos a Turquia por 1-0 com golo de Fernando Couto e vencemos a Croácia de Prosinecki, Suker, Jarni, Boban e Prso (a mesma que dois anos depois se iria sagrar 3º classificada em França no Mundial) por 3-0 com golos de Figo, João Pinto e Domingos.

3.2 No Euro 2000, a “frágil” selecção de Portugal (na verdade foi o estado de maturação de uma geração brilhante) calhou num grupo da morte com Inglaterra, Roménia e Alemanha. O resultado foi aquele que todos sabemos. Vencemos da forma que vencemos Ingleses e Alemães e ainda conseguimos bater no último minuto a Roménia (com golo de Costinha) que tinha sido a selecção que tinha vencido o nosso grupo na fase de qualificação. Fomos às meias-finais e apenas baqueamos perante a selecção campeã do mundo e, nesse ano, europeia, a França.

3.3 No Mundial 2002 e para corroborar a apetência especial da nossa selecção para se apurar em grupos complicados, fomos eliminados na fase de grupos por Coreia do Sul, Estados Unidos e Polónia.

3.4 No Euro 2004, todavia a jogar em casa, eliminámos a Espanha e a Rússia na fase de grupos, e tirando a mácula dolorosa de termos perdido o título para a Grécia, também aviamos a eliminar a Inglaterra e a Holanda em dois jogos épicos.

3.5 No Mundial 2006, depois de passar a fase de grupos num grupo constituído por Angola, Irão e México, voltamos a aviar os Ingleses e os Holandeses, perdendo novamente para a França nas meias-finais, o que de facto não constituiu nenhuma vergonha.

3.6 No Euro 2008, vencemos um grupo constituído pela difícil República Checa, Turquia e Suiça, se bem que perdemos contra os Suiços. Fomos eliminados pela Alemanha por 3-2 num jogo em que ficou claramente um amargo na boca. Os Alemães jogariam a final contra a Espanha.

3.8 No Mundial 2010 na África do Sul, conseguimos o apuramento num grupo constituído por Coreia do Norte, Costa do Marfim e Brasil. Fomos eliminados de seguida pela Espanha, campeã do mundo.

Em todas estas campanhãs, exceptuando o mundial 2002, Portugal atingiu excelentes resultados e foi apenas eliminado pelas selecções que viriam a ser campeãs ou vice-campeãs. Esse indicador é outro dos indicadores que me faz acreditar que Portugal, não descurando a obvia dificuldade que o grupo apresenta, tem hipóteses de passar à próxima fase, e se o fizer estará em grandes condições de lutar pelo título europeu. São mais os resultados negativos alcançados ao longo da história da nossa selecção contra equipas teoricamente mais fracas nas fases de qualificação do que os resultados negativos contra selecções mais fortes nas fases de grupos.

Basta apenas apreciar que em 1966 eliminamos a União Soviética, Hungria e Brasil e só fomos travados, também de forma injusta e inqualificável pela selecção da casa, a Inglaterra, que viria a sagrar-se campeã mundial.

E em 1984, vindos quase do nada, oferecemos um grande baile em França, onde conseguimos eliminar a RDA e a Roménia (empatamos com os Alemães e vencemos os Romenos) e no mesmo grupo, conseguimos um empate contra a poderosa Espanha de Maceda, Carrasco e Santillana.

Perdemos injustamente apenas naquelas meias-finais de Marselha contra a França do todo poderoso Platini, em circunstâncias que a história não nega: aquele título estava talhado para os franceses e não podia ser de outra maneira.

No mundial de 1986, mesmo eliminados na fase de grupos, perdemos contra a Polónia e contra Marrocos, mas batemos a toda poderosa Inglaterra na primeira partida.

Desde então já batemos selecções em fases finais como Croácia, Turquia, Inglaterra, Alemanha, Roménia, Polónia, Espanha, Rússia, Irão, México, Angola, Holanda, República Checa e Coreia do Norte.

Podem-lhe chamar o grupo da morte, eu chamo-lhe um grupo difícil. E nós vamos passar, caso estas imagens se voltem a repetir:

Anúncios
Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

O melhor 11 da história do Manchester United

Os adeptos do Manchester United votaram durante meses no site oficial do clube para o melhor 11 da história do clube.

Peter Schmeichel, Gary Neville, Rio Ferdinand, Nemanja Vidic, Dennis Irwin, George Best, Paul Scholes, Roy Keane, Ryan Giggs, Sir. Bobby Charlton e Eric Cantona foram os eleitos dos adeptos dos Red Devils.

Outros jogadores influentes na história do clube ficaram de fora, mas, a meu ver também tinham direito a entrar neste 11. Casos de Cristiano Ronaldo, David Beckham, Andy Cole, Dennis Law, Gary Pallister, Steve Bruce, Nicky Butt, Teddy Sheringham, Wayne Rooney, Olé Gunnar Solskjaer, Edwin Van der Saar, Ruud Van Nistelrooy.

 

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

História do Futebol #2

Primavera de 1999. Nou Camp, Barcelona. Duas das equipas que marcaram a década de 90. De um lado, o Manchester United, meia selecção Inglesa. De outro lado, o Bayern de Munique, meia selecção alemã. Sir. Alex Ferguson, cravejado de títulos na década contra Ottmar Hitzfeld, na altura, o treinador da moda entre os Germanicos com a proeza realizada em 1997 ao serviço do Borussia de Dortmund.

United com um onze de luxo: Schmeichel na baliza (seria o último jogo oficial do gigante dinamarquês nas balizas do clube de Manchester antes de se transferir para o Sporting) Gary Neville à direita da defesa, Ronny Johnson e Jaap Stam ao centro, Dennis Irwin, o pequenino irlandês a completar a defesa na esquerda. Meio-campo de sonho. Na falta (nesse jogo) do implacável Roy Keane, Nicky Butt era aquele que tinha como missão movimentar o meio-campo. Butt não era um talento extraordinário, antes era aquele trinco que sabia sair a jogar e na calada de momento, dava o equilíbrio necessário que a equipa necessitava do ponto de vista defensivo. Giggs jogava a 10. Jesper Blomqvist era o médio-esquerdo e David Bechkam era o senhor dos cruzamentos na direita. Na frente, dois bulldozers; Dwight York e Andy Cole.

No lado alemão, o gigante Oliver Kahn enchia a baliza. A defesa era composta por Marcus Babbel na direita, Thomas Linke na esquerda, Lotthar Matthaus (já retirado a central) e Samuel Kuffour no centro do terreno. No meio-campo, triplo-pivot defensivo com Tarnat, Jens Jeremies e Mario Basler. Mais à frente, Effenberg era o grande motor do ataque bávaro, que tinha então, como expoentes máximos duas traves: Carsten Jancker e Alexander Zickler.

No banco de ambos os lados, jokers, que iriam\poderiam decidir a partida. Do lado do United, os avançados Solskjaer e Sheringham. Do lado do Bayern, o elegante Mehmet Scholl (o único médio tecnicamente perfeito do Bayern dessa década) estranhava a titularidade e só haveria de entrar aos 71″ quando Hitzfeld queria defender a vantagem de 1-0 construída com o golo de Mario Basler aos 5 minutos.

Lembro-me perfeitamente da forma como o Bayern vulgarizou por completo o Manchester United de Ferguson. 3 bolas que bateram com estrondo na barra. Um manchester completamente encostado às cordas durante 90 minutos, ofegante, sem soluções. A dada altura da partida, Gabriel Alves, na altura o comentador de serviço da RTP esgrimia algo como “Ferguson deve-se dar muito por contente porque pelo caudal de jogo do Bayern será uma sorte não sair de Nou Camp goleado”. Não saiu.

Sheringham, o alto e fino avançado que anos antes tinha provado o amargo alemão no Euro 96, perante Sua Majestade de tribuna vip em Wembley frente a alguns destes mesmos alemães nas grandes penalidades que haveriam de afastar os ingleses do sonho do título europeu, iria entrar aos 68″ para 22 minutos mais tarde assinar o golo do empate numa fase em que o Manchester já atirava a sua sorte para um monte de jogadores na área em puro desespero.

Seria mesmo no final, Peter Schmeichel a baralhar as contas aos alemães. Subiria à area adversária para baralhar as marcações e causar pânico à defesa de Hitzfeld. Com exito. O segundo suplente a sair do banco de Ferguson, Solskjaer, haveria de estar no sítio certo para dar mais uma Liga dos Campeões ao clube de manchester.

Hitzfeld não queria acreditar como tinha perdido aquela final. A história haveria de o compensar anos mais tarde com uma vitória na competição em final disputada contra os espanhóis do Valência, clube cuja ingratidão com a competição é mais que muita dado o facto de terem perdido duas finais consecutivas.

Hitzfeld tem o seu nome inscrito na história do Bayern a letras de ouro. 5 Bundesligas, 1 Liga dos Campeões, 3 taças da alemanha e 1 campeonato do mundo de clubes em 7 épocas efectivas de Bayern. A juntar a mais 2 bundesligas e 1 liga dos campeões ao serviço do Dortmund, é um dos gloriosos alemães. Mas a história não se esquece que poderia ter mais uma vitória na Liga dos Campeões se aquela noite de Barcelona não tivesse atingido um profundo estado de sonho e depressão…

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,