Tag Archives: Peter Hook

Substance, 1987

Dos resquícios da presença na terra de Ian Curtis. Curtis deu a voz no original do tema, lançado já depois da morte do emblemático vocalista da banda de Manchester.

“Oh, I’ll break them down, no mercy shown,
Heaven knows, it’s got to be this time,
Watching her, these things she said,
The times she cried,
Too frail to wake this time.”

Com as etiquetas , , ,

1963

New Order — “1963” — Álbum: Brotherhood (1986)

Com as etiquetas , , , , , ,

25

New Order — “Bizarre Love Triangle” — Álbum: Substance (1987)

Ao menos que a selecção vença.

Com as etiquetas , , ,

sem facciosismos

Eu gosto muito dos New Order, são das minhas bandas favoritas, mas também gostava de chegar a Manchester e perguntar sem obséquios: desculpe lá ó Peter Hook, já ouviu isto?

Com as etiquetas , , ,

New Order – “Bizarre Love Triangle” – Álbum: Substance (1987)

Depois de tudo o que me fizeste sofrer, reconheço que o meu erro ainda é o de te amar. Vejo-te passear pelas ruas com outro e ainda te consigo amar. Vejo que és feliz com essa pessoa mas que não tens metade da felicidade que tinhas comigo e ainda te consigo amar. Desde o fim, nunca quiseste encetar um único dialogo comigo, mas ainda te consigo amar. A minha revolta não é mais que a transformação de um sentimento em que declaradamente estou louco de saudades tuas. É essa a saudade fulminante que me mata por dentro, que me consome todos os sentimentos e que me impede de ver outra pessoa como te vejo a ti.

Passou 1 ano desde o fim e nestes 365 dias não houve um em que a tua imagem não me viesse à cabeça. As recordações atingem-me na parte mais profunda do meu ser. Sinto falta da tua presença, do teu cheiro, dos poemas que para ti escrevia, da tua voz, dos teus mimos… Sinto falta do tudo que eras para mim. Eras tudo. Continuarás a ser tudo.

Sei que nunca irás voltar, mas ainda te amo.

Com as etiquetas , , , , , ,

True Faith

New Order — “True Faith” — Substance (1987)


“When I was a very small boy,
Very small boys talked to me
Now that we’ve grown up together
They’re afraid of what they see
That’s the price that we all pay
Our valued destiny comes to nothing
I can’t tell you where we’re going
I guess there was just no way of knowing
I used to think that the day would never come
I’d see delight in the shade of the morning sun
My morning sun is the drug that brings me near
To the childhood I lost, replaced by fear”

Com as etiquetas , , , , , , ,

The Courtneers

The Courtneers
“Not Nineteen Forever”
Álbum: St. Jude (2008)

De todas as bandas que vi em Paredes de Coura, este quarteto de Manchester foi para mim a banda que mais me surpreendeu. A provar que a cena de Manchester continua viva e que a cidade ainda consegue lançar grandes bandas.

A banda de Liam Fray, formada em 2006, chegou pela primeira vez ao nosso país via Paredes de Coura com o estatuto de banda quase desconhecida do público Português. Com 2 álbuns e 2 EP editados, este single era o mais conhecido do público Português. Com um rock and roll que fixa bem nos ouvidos, os Courtneers cativaram sempre na mesma toada: uma boa interacção com o público, bons riffs de guitarra a lembrar bandas como os Franz Ferdinand com um toque soave de electrónica vinda do teclista convidado Adam Payne. Numa ideia de apresentar o 2º álbum da banda, os Courtneers vieram a Paredes de Coura com a máquina muito bem oleada.

Liam Fray foi sempre exemplar com o público. Falou qb com o público, cantou sobretudo sobre relações amorosas que correram mal e até se meteu com os putos com as t-shirts dos Joy Division. Porque de seguida vinha Peter Hook para tocar temas da banda mítica de Manchester.

Voltarão a aparecer em breve no nosso país.

Com as etiquetas , , , , , ,