Tag Archives: País de Gales

De Londres #4

1. Futebol Masculino:

Marrocos 2-2 Honduras – O golaço de Labyad contra as Honduras num jogo muito atípido entre selecções que não são candidatas a nada.

O recente reforço do Sporting é craque!

Espanha vs Japão

O Japão causou a primeira surpresa deste torneio masculino de futebol ao bater a favorita Espanha por 1-0. Mesmo apesar de ter 3 campeões europeus nos seus 18 (Jordi Alba, Juan Mata e Javi Martinez) os Espanhóis foram uma sombra daquilo que poderiam render e caíram perante uma equipa Japonesa, que, apesar de ser muito inexperiente nestas andanças (Se bem que alguns jogadores já actuam na Europa) poderia ter saído com uma goleada.

Yuki Otsu marcou o único golo de uma partida que ficou marcada pela expulsão directa (quase a fechar a primeira parte) do central da Real Sociedad Iñaki Martinez aos 41″ e pelas inúmeras perdidas dos japoneses na cara de David De Gea na 2ª parte. Os Japoneses, com uma tremenda pressão alta logo na saída do portador da bola (a filosofia de jogo espanhola está formatada para que sejam os centrais a iniciar a construção de jogo) não só não deixou jogar a Espanha durante toda a partida como fez com que os Japoneses espalhassem o terror na defesa espanhola com incríveis roubos de bola em sitios perigosos.

3. Estou estupefacto com o poderio que algumas selecções trazem:

3.1 Nem é preciso falar do potencial que o Brasil trouxe – Hulk, Danilo, Pato, Ganso, Neymar, Oscar, Thiago Silva, Marcelo, entre outros – Mano Menezes veio a Londres conquistar o ouro e preparar a sua selecção para o Mundial de 2014 com competição ao mais alto nível.

A selecção brasileira derrotou o Egipto por 3-2 na primeira jornada. Apesar de ter esmagado na primeira meia-hora (3 golos) os egipcios quase provocavam uma surpresa na 2ª parte.

O Uruguai, apesar de ter suado muito para bater os Emirados Árabes Unidos, é candidato às medalhas. Suarez, Cavani e Lodeiro são um trio de ouro para a selecção campeã sul-americana.

A equipa comandada pelo seleccionador A Oscar Tabarez ainda sofreu para vencer a equipa asiática, que, apresentando um futebol vistoso, chegou ao intervalo a vencer por 1-0.

Ryan Giggs cumpre o sonho em Manchester!

Aos 39 anos, o Galês cumpre o sonho de participar numa prova ao mais alto nível. Prémio de carreira para quem nunca pode participar numa grande competição internacional derivado do facto da selecção galesa nunca ter tido potencial para se qualificar para um campeonato da europa ou campeonato do mundo. Giggs torna-se o mais velho jogador a actuar numa fase final olímpica do torneio masculino de futebol.

A Inglaterra de Stuart Pearce cumpriu o primeiro jogo da fase-de-grupos em Old-Trafford perante um público em delírio. Na estreia contra o Senegal, a turma africana (na minha opinião) jogou melhor e mereceu o empate. A Grã-Bretanha mostrou algumas fragilidades defensivas e mostrou que ao nível de soluções está muito longe de outras selecções concorrentes como o Brasil e Uruguai.

Futebol Feminino:

1. França 2-4 Estados Unidos – Os Estados Unidos de Hope Solo (guarda-redes na moda no futebol feminino) venceram com dificuldade a França, selecção que se apresenta candidata às medalhas. Apesar de terem entrado a perder por 0-2 na primeira parte, as americanas fizeram uma excelente 2ª parte e deram a volta ao marcador.

2. O “escândalo diplomático” a abrir os Jogos com a selecção Norte-Coreana. A troca de bandeiras (as jogadoras norte-coreanas eram apresentadas nos monitores do estádio com a bandeira sul-coreana) motivou o atraso de hora e meia no jogo e algumas queixas indignadas por parte da delegação norte-americana. Um incidente a não repetir…

3. Brasil massacra Camarões. Marta (eleita por 5 vezes a melhor jogadora do universo futebolistico feminino) bisou e deu espectáculo. Christiane, a ponta-de-lança da selecção brasileira, tornou-se a melhor marcadora de sempre das olimpiadas com os 2 golos que apontou na partida. O Brasil afirma-se como candidato às medalhas no futebol feminino.

Tiro com Arco:

Lee Chang Hwan é um dos homens de quem se tem falado muito nos últimos dias. Isto porque o atirador sul-coreano bateu o record olímpico de pontos no tiro com arco logo nas qualificatórias para o torneio e tem a particularidade de ser “amblíope”, ou seja, de ter uma considerável percentagem do seu sentido visual afectado. Hwan afirma que se guia pelas cores dos alvos e pelo “sentir” no acto do disparo da flecha. 

Volei de Praia:

As fantásticas instalações da modalidade em Londres, bem no centro da cidade.

Andebol Feminino:

Dois excelentes jogos que vi hoje.

A Rússia bateu com muitas dificuldades a selecção de angola, tendo as angolanas contado com um espírito de luta fantástico e com o apoio dos Britânicos nas bancadas.

Suécia vs Dinamarca – Duas candidatas às medalhas deram espectáculo.

Portugueses:

1. Na Natação, 3 participações terminaram com a eliminação e sem novos recordes nacionais. Diogo Carvalho foi 26º nos 400 estilos. Sara Oliveira nos 100 mariposa e Carlos Almeida, ficou a poucos décimos do recorde nacional, tendo sido 3º na sua série nos 100 bruços. No entanto, a competição tem sido pautada por excelentes prestações globais.

2. Lei Huang Mendes foi eliminada no torneio individual de ténis de mesa. A luso-chinesa foi eliminada por uma atleta Tailandesa, menos cotada no ranking. A Portuguesa acusou o nervosismo de ser a primeira lusa a participar na prova na história dos Jogos Olímpicos. Venceu os dois primeiros parciais por 11-4 e 11-3, pensando-se na altura que iria conquistar uma vitória tranquila. O nervosismo da atleta veio ao de cima no 3º parcial, acabando por vencer o 4º e perder na negra contra Komwong. Falta de experiência internacional.

3. João Costa foi 7º nas finais do tiro de pistola de ar comprimido a 10 metros. Uma razoável prestação de quem já foi campeão do mundo na modalidade.

Doping:

Como não poderia deixar de ser, o primeiro controlo positivo já apareceu nos Jogos. No Halterofilismo, o Albanês Hysen Rulaku acusou uma substância dopante e foi convidado a abandonar a aldeia olímpica.

 

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

futeboladas

Última jornada. Consagração dos apurados, festa menor daqueles que tem oportunidade de ir ao playoffs ou desilusão daqueles que tinham o objectivo de se apurar nos grupos e tem que ir disputar esses mesmos playoffs, e jornada de honra dos vencidos.

Grupo A

http://video.rutube.ru/4822656e8a0ff8e351b4c275e9a62ccd

A Alemanha decidiu a sorte Belga bem cedo. Em Dusseldorf, Ozil (30m) Schurrle (33m) e Gomez aos 48, sem que Joaquim Low tenha mexido em muito no habitual 11 da Manschaft, decidiram a eliminação da Bélgica em prol da ída da Turquia aos playoffs.
Marouane Fellaini apontou o tento de honra dos Belgas, cujo seleccionador George Leekens voltou a apostar em Witsel a titular e Defour a suplente.

O avançado Buruk Yilmaz resolveu a qualificação turca para o playoff final. Será mais oportunidade para a selecção do eféso. 

Casaquistão e Áustria empataram 0-0 em Astana.

A Alemanha ganhou o grupo com pleno de 30 pontos. A Turquia foi 2ª com 17, a Bélgica 3ª com 15, a Áustria com 12, Azerbeijão com 7 e Casaquistão com 3.

Pontos altos do grupo:
1. A vitória da Alemanha nas 10 partidas com um total de 34 golos. Joachim Low renovou em pleno a sua selecção após o mundial 2010 e a Alemanha aparece novamente com um meio campo que emana a maior qualidade possível dentro do futebol europeu: Mario Gotze, Mezut Ozil, Sami Khédira, Bastian Schweinsteiger, Marko Marin, Toni Kroos, Piotr Trochowski, Christian Trasch e Simon Rolfes são grandes mais-valias para qualquer selecção. Miroslav Klose (9) e Mário Gomez (6) marcaram 15 golos dos 34 Alemães. Klose não tem sido opção desde o verão que marcou a sua mudança para a Lázio de Roma. Não entanto, nada me espanta que, mesmo com a ascenção de André Schurrle à equipa principal da Mannschaft, Joachim Low tenha de chamar o experiente avançado para o campeonato da europa.
2. A vitória turca em casa contra a Bélgica por 3-2 e o empate na Bélgica por 1-1. Arda Turan mostrou-se um jogador importante e decisivo na campanha turca. Apontou o 3-2 contra os Belgas, e o golo da vitória frente ao Casaquistão aos 96″ desse jogo.
3. O empate caseiro da Bélgica contra a Áustria 4-4, com o empate Austríaco a surgir aos 90+3″.
4. As maiores goleadas do grupo: 6-2 da Alemanha à Áustria em Setembro, 6-1 da Alemanha ao Azerbeijão em Setembro de 2010

Grupo B

A Rússia não vacilou e goleou Andorra por 6-0 qualificando-se directamente.

A República da Irlanda terminou com o sonho da Arménia. 2-1 foi o resultado. A Irlanda segue para playoff enquanto a Arménia acaba uma qualificação de sonho onde conseguiu 17 pontos.

Macedónia e Eslováquia empataram a 1 bola.

O grupo termina com a vitória da Rússia com 23 pontos. República da Irlanda vai ao playoff com 21. Arménia 17. Macedónia 8. Andorra 0.

Momentos altos deste grupo:
1. A vitória da Irlanda na Arménia na 1ª jornada por 1-0. Fulcral para as contas finais do grupo e para o apuramento Irlandês para os playoffs.
2. A vitória da Eslováquia na Rússia por 1-0 em Setembro de 2010 mostrava uma Eslováquia capaz de decidir o grupo taco a taco com Russos e Irlandeses. Tal não veio a suceder pois um mês depois, os Eslovacos perdiam 2-1 na Arménia.
3. A vitória por 3-2 da Rússia na Irlanda.
4. A vitória Russa em Moscovo contra a Arménia por 3-1 com hat-trick de Pavlyuchenko.
5. O empate da Eslováquia em Dublin mostrava uma selecção Eslovaca muito forte e decidida em lutar com dois cabeças-de-série. Os Eslovacos de Hamsik haveriam por cair nos últimos jogos quando levaram 4-0 da Arménia em casa.
6. A vitória da Rússia na Eslováquia na sexta com aquele golo monumental de Dzagoev.

Grupo C

A Itália venceu a Irlanda do Norte em Pescara por 3-1. Cassano bisou. Prandelli fechou a sua primeira qualificação com 26 pontos.

A Eslovénia, tal como eu tinha previsto no post anterior, complicou a vida aos Sérvios e mando-os fora do apuramento. A Estónia beneficiou desta vitória Eslovena para ir aos playoffs.
O médio do Olimpija Ljubliana Vrsic foi o marcador do único golo da partida.

A Itália apurou-se automaticamente com 26 pontos. A Estónia ficou em 2º com 16 pontos, a Sérvia 3ª com 15. A Eslovénia com 14. A Irlanda do Norte 9 e as Ilhas Feroés com 4.

Momentos altos da qualificação:

1. A derrota caseira da Eslovénia em casa frente à Irlanda do Norte por 1-2.
2. O empate caseira da Sérvia contra a Eslovénia (1-1) e a humilhante derrota caseira contra a Estónia (1-3)
3. A vitória da Itália na Eslovénia por 1-0 com golo de Thiago Motta.
4. O empate entre Sérvia e Estónia em Tallin em Março com Vassiliev a marcar um dos golos decisivos. O outro seria na Irlanda do Norte. Vassiliev acabaria por marcar 5 golos nesta fase.
5. O empate da Sérvia com a Itália e a derrota decisiva em Ljubljana no dia de hoje.
6. A vitória da Estónia por 2-1 contra as Faroes em casa, onde os Nórdicos viram os Estónios virar o resultado já depois da hora.

Grupo D

http://videa.hu/flvplayer.swf?v=NJcUFmbHquTrPPw1

A França esteve a perder até perto do fim, e com a derrota a Bósnia estava qualificada automaticamente. Depois do balde de água fria de Dzeko no Stade de France, Nasri salvou o orgulho e a qualificação francesa. A Bósnia foi atirada para o playoff como se atira uma batata quente e pode ser novamente o adversário de Portugal. Não será, como tivemos oportunidade de verificar no playoff de apuramento para o campeonato do mundo de 2010, um adversário fácil.

Nos restantes jogos da última jornada, a Roménia empatou na Albânia a 1 bola. Campanha defraudante dos Romenos, que mais uma vez, estiveram a perder até ao minuto 77.

Nas contas finais do grupo, a França venceu-o com 21 pontos, contra 20 da Bósnia, 14 da Roménia, 13 da Bielorrussia, 9 da Albânia (acaba por ser uma excelente fase de grupos para a modesta selecção) e 4 do Luxemburgo (dentro dos possíveis, o Luxemburgo marcou mais pontos do que aquilo que se previa).

Momentos altos deste grupo:

1. O empate caseiro da Roménia contra a Albânia a abrir e o novo empate a fechar. 4 pontos importantes que os Romenos perderam.
2. A derrota caseira da França frente à Bielorussia em Setembro de 2010. Podia antever-se uma Bielorrussia capaz de lutar pelos primeiros lugares.
3. A vitória fulcral da França na Bósnia por 2-0 em Outubro.
4. O empate da Bósnia na Albânia a 1 bola.
5. A vitória da Bósnia em Sarajevo contra a Roménia em Março. Tal resultado, catapultou os Bósnios na fase de grupos para uma excelente prestação.
6. O empate da França na Bielorrussia em Junho.
7. O empate da França na Roménia a 0 bolas descartou todas as possibilidades Romenas de qualificação.
8. O empate Francês ontem. Foi um jogo muito sofrido dos gauleses.

Grupo E

http://videa.hu/flvplayer.swf?v=Zy2edlnOghirz86Q

Num jogo que interessava a Portugal na decisão do 2º melhor classificado da fase de grupos, bastava apenas que a Suécia não vencesse a Holanda em Estocolmo indiferentemente do resultado de Portugal em Copenhaga. Portugal falhou a vitória e o empate. Num jogo emocionante de reviravoltas, a Suécia bateu a Holanda por 3-2 depois de ter estado a vencer por 1-0 e a perder por 2-1.
Kim Kallstrom, Sebastian Larsson e Toivonen marcaram os golos dos Suecos. Kuyt e Huntelaar os golos Holandeses. Foi a única derrota dos Holandeses na fase de grupos.

Nos outros jogos do grupo, empate entre Hungria e Finlândia em Budapeste e vitória da Moldávia por 4-0 contra São Marino por 4-0.

Contas finais do grupo: Holanda 27, Suécia 24, Hungria 19, Finlândia 10, Moldávia 9, São Marino 0

Momentos altos do grupo:

1. Os 37 golos dos Holandeses no grupo. 12 dos 37 golos Holandeses foram marcados por Klaas-Jan Huntelaar, o melhor marcador desta qualificatória.
2. A vitória caseira da Moldávia sobre a Finlândia na 1ª jornada. Os Finlandeses estiveram muito abaixo daquilo que tinham feito noutras fases. Perderam meses depois em casa contra a Húngria por 2-1, numa fase em que os Hungaros (à semelhança daquilo que já tinham feito aquando da fase em que calharam no grupo de Portugal) mostravam-se interessados em lutar por mais. Boa prestação magiar num grupo muito difícil.
3. O 4-1 da Holanda à Suécia em Novembro de 2010 marcava a vontade Holandesa de vencer este grupo sem mácula. Em Março, a laranja mecânica haveria de dar 4 fora em Budapeste.
4. O 5-3 da Holanda em Março passado à Húngria em Roterdão. Os magiares estiveram a vencer por 2-1 a meio da 2º parte, e a empatar consecutivamente 2-2 e 3-3. Não resistiram nos últimos 15 minutos.
5. O 5-0 da Suécia em Junho à Finlândia.
6. A vitória Húngara em Budapeste contra a Suécia por 2-1 em Setembro indiciava uma pressão dos Húngaros pelo 2º lugar.
7. A vitória Sueca na passada sexta em Helsínquia por 2-1 confirmava o 2º lugar em definitivo. Relembro para fechar que a Suécia jogou alguns jogos sem a sua maior estrela Zlatan Ibrahimovic.

Grupo F

Depois de vencida a Croácia em Atenas na sexta, a selecção de Fernando Santos não pode embandeirar em arco e suou muito para levar de vencida a Geórgia no dia da alegria Grega provida por mais uma qualificação muito difícil. Depois de estar a perder até aos 79″, o golo de Charisteas aos 85″ fez respirar de alívio o povo Grego. Charisteas é um ídolo entre os gregos. Nos últimos 10 anos, todos os golos históricos dos gregos nas competições internacionais tem o cunho do ponta-de-lança: desde o golo que deu a vitória no Euro 2004, aos golos que fizeram apurar os gregos para o euro 2008 e para o euro 2012.

http://videa.hu/flvplayer.swf?v=DV6G039EOdOp1GSb

No outro jogo importante para as contas do grupo, a Croácia fez o que lhe competia, batendo a Letónia por 2-0. Resultado insuficiente. Os Croatas terão que jogar os playoffs.

Israel bateu malta por 2-0.

Contas finais: Grécia 24 pontos, Croácia 22, Israel 16, Letónia 11, Geórgia 10, Malta 1.

Momentos altos do grupo:

1. O empate caseiro da Grécia contra a Geórgia na primeira jornada a 1 bola. Fernando Santos estreava-se mal no comando técnico dos gregos.
2. O empate entre Croatas e Gregos em Zagreb a 0.
3. A derrota Croata na Geórgia por 1-0 em Tiblissi prejudicou em muito as aspirações croatas ao 1º lugar. O 2º lugar estava em risco em Zagreb quando a Cróacia virou um 0-1 favorável a Israel para um 3-1.
4. A vitória Grega sobre a Croácia por 2-1 na sexta-feira.

Grupo G

Já sem grandes motivos de interesse ao nível da classificação, a Suiça venceu Montenegro em casa por 2-0 mas os Montenegrinos vivem uma época histórica para o seu futebol com a passagem aos playoffs.
Na Bulgária, a selecção da casa perdeu contra Gales por 1-0 com golo de Gareth Bale. Esta fase ainda não mostrou a selecção Galesa com o poderio que ela começa a ter. No entanto, a juventude dos novos jogadores galeses é passível de ter em conta na próxima qualificatória para o mundial.

Contas finais do grupo: Inglaterra 18 pontos, Montenegro 12, Suiça 11, Gales 9, Bulgária 5.

Momentos altos do grupo:

1. Na turma Búlgara, há que recordar a renúncia de Dimitar Berbatov. Enfraqueceu uma equipa por completo. A Bulgária apenas marcou 3 golos em 8 jogos. Lotthar Matthaus está com dificuldades na montagem de uma selecção forte e capaz de ombrear novamente com os grandes europeus.
2. Montenegro. A confirmada surpresa. Com défice no ataque (7 golos) mas com eficácia defensiva (também 7 golos). Prometem ser um osso duro de roer no playoff.
3. A vitória de Montenegro na Bulgária por 1-0 com golo de Zverotic.
4. A vitória Inglesa na Suiça por 3-1.
5. O empate da Suiça em Sófia custou caro o apuramento aos Helvéticos.
6. A vitória Galesa por 2-1 contra Montenegro ainda abriu portas aos Suiços para a 2ª posição do grupo, mas estes haveriam de perder na sexta-feira em Gales por 2-0 quando os Montenegrinos faziam empatar a Inglaterra em Podgorica num jogo histórico.

Grupo I

Com a Espanha apurada, havia apenas o 2º lugar em discussão. Com a vitória Espanhola na sexta em Praga contra a República Checa, e a vitória Escocesa no sábado contra o Liechstenstein, era a Escócia quem estava na pole-position para se apurar para os playoffs. No entanto, a Escócia tinha que visitar a Espanha enquanto a República Checa jogava na Lituânia.

Os Checos cumpriram o seu papel e venceram os Lituanos por 4-1. De cadeirinha, assistiram à vitória Espanhola sobre os Escoceses por 3-1 com dois golos de David Silva e outro de David Villa.

http://videa.hu/flvplayer.swf?v=a7oouruAnw960dua

Finalizada esta fase de grupos:

Apurados directamente: Alemanha, Dinamarca, Inglaterra, Grécia, Espanha, Itália, França, Rússia e Holanda.
Melhor 2º: Suécia
Para playoffs: República Checa, Portugal, Croácia, Irlanda – cabeças de série – Turquia, Montengro, Bósnia-Herzegóvina, Estónia.

Nota: Os cabeças de série jogam contra os que não são cabeças de série.

Outros jogos internacionais:

Ásia-Pacífico: 1ª fase de grupos – 3ª jornada (Passam os dois primeiros)

Grupo A – A Jordânia bateu Singapura por 3-0 fora e continua na liderança do grupo A com 9 pontos. A China perdeu 1-0 em casa contra o Iraque. Os Iraquianos tem 6 pontos, os Chineses 3 e Singapura 0.

Grupo B – A Coreia do Sul bateu os Emirados Árabes Unidos por 2-1 em casa. O Líbano empatou com o Kuwait a 1 bola. Os Sul Coreanos lideram com 7 pontos, o Kuwait tem 5 e o Líbano 4.

Grupo C – A Coreia do Norte pode não repetir a presença no campeonato do Mundo. Os Norte-Coreanos perderam em casa contra o Uzbequistão por 1-0.

Já o Japão deu 8 em casa ao Tadjiquistão.
Japoneses e Uzebeques lideram o grupo com 7 pontos. Coreia do Norte tem 3. Tadjiquistão 0.

Grupo D – A Austrália continua o seu passeio. Venceu Omã por 3-0 em Sydney. Tailândia e Arábia Saudita empataram a 0 bolas.
A Áustralia lidera com 9 pontos. Tailândia com 4, Arábia Saudita com 2, Omã com 1.

Grupo E – Carlos Queiroz e o seu Irão venceram os Bahrein por 6-0. O Bahrein tinha sido a selecção que tinha afastado o Irão do Mundial 2010. O Qatar foi à Indonésia vencer por 3-2.
O Irão lidera com 7 pontos. O Qatar tem 5, o Bahrein tem 4 e a Indonésia ainda não marcou qualquer ponto.

COMNEBOL

2ª jornada do campeonato

Depois da derrota por 4-1 em Buenos Aires contra a Argentina, o Chile bateu em Santiago o Perú por 4-2.

A Colômbia sofreu a bom sofrer para levar os 3 pontos de La Paz. Depois de ter estado a vencer por 1-0 com golo de Dorlan Pabon, seria Walter Ponce a empatar o jogo para os Bolivianos aos 84″. Radamel Falcão haveria de aplicar o seu instinto assassino já depois da hora.

Surpresa na Venezuela. A Vino Tinto continua a surpreender meio mundo com os seus resultados. Em Anzoátegui, a selecção da casa venceu de forma categórica a Argentina por 1-0 e promete estar na luta pelos 4 lugares directos que dão apuramento e pelo 5º que dá vaga para playoff.

Paraguai e Uruguai dividiram pontos após empate a 1 bola em Assunción.

O Uruguai lidera o grupo com 4 pontos. Argentina, Equador (1 jogo) Colômbia (1 jogo) Perú, Chile e Venezuela tem 3 pontos. O Paraguai tem 1 ponto. A Bolívia tem 0.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

RWC (10)

Quartos-de-final jogados em ritmo diabólico.

4 deliciosos jogos de “win or go home” que ditaram que França, Austrália, Nova Zelândia e País de Gales fiquem mais uma semana a alimentar o sonho de erguer a William Webb Ellis em Auckland no dia 23 e, que, por outro lado, ditaram o adeus dos campeões do mundo em título África do Sul, da Inglaterra, da Irlanda e da Argentina à prova.

Começamos pelo jogo entre Franceses e Ingleses

God save, les miserables et heroiques Bleus”

Golpe de teatro. É a única expressão que me ocorre para tentar explicar aquilo que aconteceu ontem em Wellington. Daqueles golpes que só os franceses, no alto do seu dramatismo e chauvinismo conseguem protagonizar.

Se há cerca de um mês atrás disséssemos que os Franceses iriam atingir as meias-finais do mundial, a primeira pessoa entendida em rugby diria em situações normais na turma gaulesa “talvez”.

Em condições normais, a França sabe perfeitamente que o seu nível permite-lhe atingir, estando sempre dependente dos sorteios e da sua classificação na fase de grupos, as meias-finais.

Não estavamos em condições normais para os gauleses. Antes da comitiva Bleu ter partido para a Nova Zelândia, a ambição de trazer a taça para casa já estava condicionada por uma decisão irreversível por parte da sua federação: Marc Lièvremont, treinador que há a tirar do sério os amantes do rugby francês com as suas invenções e com o fraco nível exibicional da sua selecção, não iria por decisão federativa renovar o seu contrato no fim do mundial qual quer que fosse o resultado no Hemisfério Sul.

Animicamente, vimos a França a partir para a Nova Zelândia sem grande crença. Digo sem grande crença, pois todos os entendidos sabem tão bem quanto eu que uma mudança de treinador, mesmo para jogadores que estejam no auge do seu jogo aos actuais 262728 anos, pode ditar que nunca mais voltem a representar a selecção em virtude da habitual renovação que se dá após os mundiais.

Não sei o que se passou no balneário Francês ontem antes e depois da partida, mas gostaria de ser mosca para saber. Antes, presumo que Lièvremont terá dado uma dose inagualável de moral aos seus jogadores para enfrentar a histórica batalha contra os seus rivais de Inglaterra. Depois, creio que deverá ter saído uma enorme euforia com sabor a sensação de dever cumprido.

Depois de mais uma derrota copiosa contra os da casa, e de uma derrota histórica frente a Tonga que só não custou eliminação porque os Tongas não conseguiram vencer o modesto Canadá na fase de grupos, os Franceses enfrentavam os brilhantes Ingleses de Martin Johnson nos quartos-de-final num claro sintoma de mau estar interno, provocado em muito pelas imensas críticas que flutuaram na imprensa francesa durante a semana.

Os críticos do Le Monde não se coibiram de chamar a Liévremont um fracasso e aos seus jogadores, os arautos de um campeonato do mundo de humilhação. Tão errados que estavam. E que grande surpresa provou ontem a França ao eliminar a turma britânica por 19-12.

Do lado Inglês, a confiança da equipa orientada (e espero que continue a ser orientada) por Martin Johnson, não acompanhava a alta dos resultados da equipa: apesar do pleno de vitórias na fase de grupos, onde se inclui uma vitória arrancada a ferros nos últimos minutos frente à Argentina, o nível exibicional da Inglaterra precisava de ser testado frente a uma equipa mais forte. A França servia na perfeição para a prova dos 9.

A Inglaterra tinha mostrado na fase de grupos, uma sobriedade normal e um regresso aos antigos padrões de jogo: Wilkinson a aproveitar as excelentes épocas que tem realizado ao serviço do Toulon no Top 14 Francês, voltava a ser o maestro de uma orquestra que tinha nesse mesmo médio de abertura um xadrezista exímio no “mexer” das peças do conjunto às ordens de Sua Majestade. Wilkinson voltava, em linguagem normal, a mexer nas peças inglesas a seu belo prazer, a controlar os tempos de ataque e a ditar a típica estratégia dos Britânicos de defender bem para sair para o meio-campo adversário e ganhar o máximo número de faltas para os certeiros pés do seu histórico número 10.

Defensivamente, James Haskell tornava-se um mostro na arte de bem placar e Chris Ashton era e é aquele ponta que todo o treinador deseja, conquistando 6 ensaios na fase de grupos.

O jogo começava com um pontapé de Wilkinson. Nos Line-ups, registavam poucas surpresas em relação aos 15 de potencial máximo das duas selecções. Na Inglaterra, Johnson cometia o erro de casting de colocar Haskell no banco, prescindindo-o por Lewis Moody. Na França, com as críticas executadas ao abertura Trinh-Duc (iria entrar na 2ª parte para formação trocando com Yashvilli) Lièvremont apostava no jovem Morgan Parra.

Desde cedo, os avançados Franceses entraram na partida com o intuito de colmatar o gap que naturalmente sentiam para os avançados ingleses, principalmente no jogo no chão, jogo onde os Ingleses são mestres e naturalmente acham-se os melhores da europa. Com uma troca de bolas veloz (nunca vi tanta velocidade nos franceses na era Lièvremont) e com uma dureza inexcedível nos rucs para ganhar posições e montar plataformas para as arrancadas dos 34, os Franceses iam dominando territorialmente e esse domínio seria transformado em pontos no 1º tempo com a obtenção de 16 pontos sem resposta. Algo no mínimo espantoso para quem assistiu à partida.

Aos 11 e 14 minutos (sendo que o primeiro pontapé foi literalmente do meio-campo) Dimitri Yachvilli mudava de pele com Wilkinson e começava a capitalizar os erros defensivos dos ingleses fazendo o 6-0 para os Franceses. A eficácia do formação ia em excitantes 1519 aos postes, coisa incrível para campeonato do mundo.

Os pick and go franceses, a roçar a vergonha para quem os utiliza normalmente (os Ingleses) eram regra imposta visto que estavam a resultar: Aos 22 minutos, após algumas fases de pick and go e a libertação da oval para o flanco esquerdo iria resultar numa série de cruzamentos excitantes abertura-centro e num fantástico ensaio de Vincent Clerc (5º no mundial) que até teve direito a rotação para ultrapassar o último defensor em linha e colocar a bola na linha de meta. Soberbo. Os Franceses davam uma autêntica lição de estética ao feio rugby Inglês.

Aos 31″ após touche ganha dentro dos 22, de sucessivas fases de pick and go alternadas com variações de jogo da direita para a esquerda, seria o defesa Maxime Medard a elevar a contagem para incríveis 16-0. Eu, nem conseguia acreditar no que estava a ver. Pobres Ingleses. Era um tremendo gozo.

Como viriam a provar as estatísticas, a França dominou em território (5743) e em tempo útil na área de 22 adversária (12 contra 8 minutos).

Na 2ª parte, Johnson, cansado do banho que estava a levar da França teve que alterar a equipa para recuperar o handicap. Se os Franceses tinham estado bem no ataque, melhor estiveram na defesa na 2ª parte, não permitindo o natural alavancar do jogo de ataque Inglês em busca do resultado perdido. No entanto, Wilkinson não estava nos seus dias e homens como Cuetto, Foden, Ashton e Tuilagi andavam completamente ausentes. Rara era uma tentativa em que um homem britânico não falhasse a recepção de um passe ou não esbarasse contra a forte defensiva gaulesa.

Foi nesse cenário que Ben Foden conseguiu aos 51″ amenizar as perdas, passando por 5 adversários gauleses para o ensaio. Continuavam dois ensaios à maior para a França.

A França nunca se deixou enganar pela vantagem que possuía e foi subindo gradualmente no terreno, de modo a ter bola e a dominar as operações. Foi nesse sentido que Yachvilli aos 73 selou a vitória para os Franceses com um drop goal certeiro a 18 metros. Táctica correcta dos homens de Lièvremont: a ganhar por 16 ao intervalo eBB perante um ensaio inglês a 30 minutos do fim, defender uma vantagem deste calíbre seria um risco neste ritmo de alta competição.

Para o final, estava reservado mais um ensaio dos Ingleses pelas mãos do centro Mark Cuetto e uma penalidade de Yachvilli que bateu em cheio nos postes e resvalou para o lado da linha de meta inglesa.

Vitória justíssima de uma França que promete para as meias finais contra Gales.

Yachvilli foi o melhor de um colectivo francês que teve 100% em alta, com relevante destaque para as prestações do trio da 3ª linha francesa, imparáveis a defender e com arrancadas extremamente possantes: Harinodorquy, Dusatoir e Julien Bonnaire.

No final da partida, eram estas as palavras de um desolado Martin Johnson: “We created more chances to score than they did, We probably had three or four chances that went missing. They took theirs and took theirs early, so it left us chasing the game. Today we let it out of our grasp too early.” – para quem viu o jogo, não é verdade. Foi um discurso algo descabido do técnico Britânico, algo que é normal visto que tinha sido eliminado do mundial por uma selecção da qual não estava a contar com uma resposta tão forte.

Já Lièvremont, não cabia em si de satisfeito com a bofetada que acabava de dar em todos os experts do rugby Francês: “We controlled the match well at the beginning. After they put pressure on us, we were able to relieve that pressure with our kicking game and that allowed us to get our game in order.
I was very happy with the first half and it was a very good half in terms of discipline. The second half wasn’t so good, but maybe it wouldn’t have been the same feeling if England hadn’t made it more difficult for us.”

Em Inglaterra, a derrota causou muita insatisfação entre as hostes locais da Federação. Várias acusações foram trocadas entre dirigentes da RFU e o futuro de Martin Johnson no comando da selecção será um assunto debatido nos próximos dias pelos dirigentes da Federação. No outro lado do mundo, o centro Tuilagi esqueceu por completo a eliminação com um mergulho através de um Ferry, facto que é proíbido por lei na Nova Zelândia. As autoridades do país levaram o jogador à esquadra e este foi multado em 3 mil libras.

Já o site Rugbyrama em França exaltou a vitória Francesa. Sonha-se alto em França. Lièvremont passou de besta a bestial.

Gales vs Irlanda

Como não consegui acordar a tempo (6 da manhã) para ver esta partida, aqui fica o registo que nos é oferecido sobre a partida pelo site do mundial:

WELLINGTON, 8 Oct. – A Wales side playing “without fear” defended their way to a Rugby World Cup semi-final by standing up to a muscular Ireland to win the first quarter-final 22-10 on Saturday.

Wales coach Warren Gatland said the younger players in his side were unaffected by the past and benefited from the solid foundation of hard work laid down in the pre-season.

“They have no baggage and there’s no fear factor,” Gatland said. “We are in New Zealand and not in the bubble of Wales and listening to any of the negativity that is sometimes generated back home.

“We’ve worked so hard in the last three, four months. We aren’t ready to go home yet.”

Wales’s three tries to Ireland’s one was a true reflection of the attacking abilities of the two sides, although not of Ireland’s first-half dominance of territory and possession at Wellington Regional Stadium.

Three times they shunned early penalty shots at goal to look for tries, but Wales were equal to them.

“We spent a lot of time in that first half in their 22 and we only came up with three points in the half,” said Ireland captain Brian O’Driscoll.

“It hurts a bit when you’re going in at half-time having the opportunities and knocking on the door but not really getting any points out of the territory.”

Caught napping

Ireland had 60 per cent of the territory and 57 per cent of possession in the first half but their bludgeoning and battering of the Wales defence produced a solitary penalty goal after Wales had opened the match with a spectacular Shane Williams winger’s try.

Ireland drew level early in the second half when wing Keith Earls somehow managed to keep his feet in play while sliding over in the corner.

But the match turned Wales’s way when man-of-the-match Mike Phillips caught Ireland napping down the blindside of a ruck – a trademark of the France-based scrum half’s play.

When Wales outside centre Jonathan Davies scored by first eluding some tiring forwards in front of him and then clapping on the pace to outstrip the cover defence, the match – and a place in the semi-finals for the first time since 1987 – was theirs.

The try had in part been created by a typically powerful run further infield by Davies’s centre partner Jamie Roberts, who soaked up defenders all night.

In the second half, the territory evened out at 50-50 and Ireland’s control of possession was pared back to 54 per cent, but by then the Irish had run out of time and ideas and been let down too often by their handling.

Typically gracious

Wales had to make 141 tackles in the match and missed only 11, while Ireland made 93 but missed 14. Ireland’s lineout also faltered at crucial times, losing three on their own throw.

Shane Williams was bullish about Wales’s chances of further progression, saying: “Some people thought I was being funny when I said we were coming here to win it, but I wasn’t.”

A majority of the crowd of 35,787 were solidly behind Ireland, but their support was not enough to stave off a fifth defeat in five quarter-final appearances at Rugby World Cups.

O’Driscoll was typically gracious in defeat, acknowledging that Wales had taken their opportunities where his side did not.

“It was a great opportunity for us winning the group, but they showed they are worthy semi-finalists, good luck to them.

“We needed to deliver a performance similar to the one against Australia or the one against Italy last week. We didn’t do that today, we knocked on way too much ball.

“Collectively and personally I won’t get this opportunity again and that really sucks. But you know, life goes on.”

Austrália vs África do Sul

O´Connor tenta passar pelos jogadores da África do Sul em pleno esforço de batalha. O jovem defesaponta de 21 anos dos Queensland Reds foi decisivo ao apontar o pontapé que leva a Austrália para as meias-finais em mais um clássico contra a Nova Zelândia. Se me perguntarem quais foram os melhores da partida não hesito: David Pocock para a Austrália pela quantidade inesgotável de força e de brio que deu ao rugby Australiano, e Victor Matfield pela experiência, pela atitude devastadora na limpeza de rucks e por ter secado os Australianos nas touches.

Táctico e épico. Springboks e Wallabies defrontaram-se na manhã de hoje em Wellington e os campeões do mundo em título foram eliminados por uma inconstante selecção australiana.

Era o clássico mais esperado destes quartos-de-final.

De um lado, a África do Sul de Peter de Villiers em alta com o pleno de vitórias obtido na fase de grupos. Após péssimos testes no 3 Nações, os Sul-Africanos apareciam neste mundial com uma aparência algo debilitada. No entanto, a experiência veio ao de cima e a vitória contra Gales prometia em grande nível a participação dos campeões do mundo em título.

Do outro lado, a inconstante e ofensiva Austrália de Robbie Deans, orfã da criatividade de Matt Giteau e com uma onda negativa em seu redor cimentada pela derrota contra a Irlanda e com a exibição pouco conseguida contra a Itália.

Nos 15 iniciais, as duas selecções mostravam-se na máxima força para se degladiarem em campo pela passagem às meias. Na Austrália, a dupla de sucesso na 2ª linha Dan Vickerman e James Horwill voltava a remeter o veterano Nathan Sharpe ao banco de suplentes. Com o nó que Matfield estava a dar nas touches, Robbie Deans ainda tentou remediar a situação colocando o veterano saltador na frente do histórico sul-africano mas Matfield continuou a coroar de exito a sua prestação pessoal mesmo na hora da derrota da sua selecção. O instável Quade Cooper continuaria a jogar na abertura, mas, voltou a decepcionar em campo.

Na África do Sul, Peter de Villiers (falaremos de um after-match case que levou o seleccionador sul-africano a resignar ao cargo após esta derrota) voltou a apostar no jovem Pat Lambie a defesa em deterimento de homens mais experientes como Butch James.

Os primeiros minutos da partida começaram com as duas equipas a quererem jogar ao largo e sem apostar muito no desgaste através do jogo de avançados. A Austrália entrava nervosa no jogo, falhando alguns passes e algumas recepções, algumas delas em sítios comprometedores. Will Genia e Quade Cooper conseguiriam todavia despachar o jogo como podiam em jogadas à beira da sua linha de ensaio. Nos primeiros minutos, o jogo era muito mal jogado, com os homens lá de trás a trocar bolas ao pé e sem que qualquer selecção quisesse assumir as despesas de jogo.

O primeiro grande momento do jogo iria surgir aos 11″ quando depois de um alinhamento conquistado por Matfield, o asa Shalke Burguer haveria de perder a bola a 10 metros da sua linha de ensaio quando tentava jogar à mão (Burguer costuma ser exímio a sair a jogar em zona aflitiva) e resultante do turnover, a Austrália em dois passes mete o 2ª linha James Horwill embalado para o primeiro ensaio da partida. Erro imperdoável para os springboks a este nível e Burguer não iria recuperar a compostura depois desse erro. O´Connor não iria converter e o resultado era de 5-0 aos 12″.

Embalada pelo ensaio, a Austrália chegava-se à frente e tentava o 2º. Aos 14″, Kurtley Beale conseguia uma arrancada estonteante por meio dos 34 australianos e só não foi ensaio porque a seu lado ia o talonador Stephen Moore e como tal foi bem placado pela defensiva australiana. Um minuto depois seria Heinrich Brussow a cometer falta no meio campo sul-africano e O´Connor a capitalizar o erro para o 8-0 de penalidade. Brussow, o melhor placador sul-africano iria sair lesionado minutos depois, obrigando De Villiers a mexer na equipa.

Perante a pontuação inicial da Austrália, a África do Sul tentou sair e começou a rondar a área de 22 dos Australianos, que só não tem dissabores aos 22″ porque Will Genia, apertado por vários jogadores africanos, atira a bola para fora dentro dos 22 metros concedendo uma touche de introdução Springbok. Do alinhamento, os sul-africanos tiveram com um ruck montado a 1 metro da linha de ensaio mas seria novamente Burguer a cometer uma infracção que permitia à Austrália respirar. Os Sul-africanos iam jogando no perímetro curto mas a Austrália, mal ou bem, ia resolvendo os seus problemas defensivos.

Nesta altura, apareciam os temíveis centros sul-africanos: Jacques Fourie e De Villiers tentavam arrancar pelo meio campo fora mas sem grandes resultados. Tanto os centros como os pontas australianos tiveram muito escondidos durante toda a partida.

Aos 26″ depois de assinalado um offside aos Australianos, Steyn tentou uma penalidade do meio campo mas sem exito. Era extremamente difícil dado o posicionamento da bola, no cruzamento entre a linha do meio campo e a linha final do flanco esquerdo sul-africano.

A África do Sul, até ao final da primeira, haveria de estender o seu jogo pelo meio-campo australiano, mas apenas uma falta de mãos no ruck de James Horwill haveria de resultar em pontos com uma penalidade de Morne Steyn para o 3-8. Mesmo em cima do intervalo, nova penalidade do meio-campo não trazia sorte a Steyn.

Na 2ª parte, como tinha sido apanágio da primeira, os primeiros ascendentes seriam australianos: primeiro seria Cooper e o seu ponta Digby Ioane a iniciar uma veloz arrancada com bola pelo território sul-africano, parada, mas em falta clara pelos sul-africanos. Na jogada seguinte, um passe para a frente de Jan de Villiers para Habana cortou uma jogada de ensaio para a África do Sul. Habana esteve muito apagado neste mundial.

Aos 49″, perante a fraca prestação do capitão John Smit e de Bryan Habana, Peter De Villiers tenta mexer no ímpeto da equipa, colocando Bismark Du Plessis como talonador e François Hougaard na ponta: o ponta havia sido talismã contra Gales, marcando o ensaio da vitória nos últimos minutos. A África do Sul cresceu em muito com as investidas de Du Plessis no pick and go mas continuava a perder por 5. Passados 5 minutos, nova falta australiana dava o 6-8 a Steyn de penalidade. Renascia a contenda. 3 pontos eram no entanto um prémio pouco abonatório para os 8 minutos consecutivos que a África do Sul tinha passado no meio-campo australiano em busca do ensaio da reviravolta.

A Austrália desconcentrou-se definitivamente e cometia erros após erros. Quade Cooper em dia não, num pontapé de 22 após ter pedido marco quase dava o ensaio à Africa do Sul. Valeu o facto de Matfield ter entrado de lado no ruck em jogo faltoso. Tanta água tentava a África do Sul levar ao seu moínho que aos 57″, Morne Steyn virava o resultado para 9-6 com um daqueles drops que só ele sabe fazer.

A Austrália tinha que vir para a frente. Com o 9-6 vinha um momento de indecisão na partida. Até que aos 72″, num gesto salvador e quando se previa que a Austrália tinha perdido gás para a recuperação, James O´Connor pontapeava uma penalidade a 40 metros para gáudio dos milhares de adeptos australianos presentes em Wellington.

O jogo tanto podia ter caído para um lado como para o outro, mas na minha humilde opinião, a África do Sul mereceu mais a vitória nesta partida.

Com o fim da partida, Peter De Villiers veio muito serenamente ao flash-interview afirmar que este tinha sido o seu último jogo ao comando dos springboks. Como legado, deixa uma taça do mundo e uma selecção de enorme valia que foi construíndo ao longo destes anos e que será recordada por muitos anos pelos sul-africanos.

Do lado Australiano, euforia pela eliminação dos detentores da William Webb Ellis e contenção nas palavras porque nada está ganho e domingo há jogo frente à Nova Zelândia.

Robbie Deans – “Immense. David Pocock’s game was remarkable. It will be delightfull to see him next sundae near Richie McCaw. We had some real issues there in the second half clearing our ball and they put us under a lot of pressure. I’m really really proud of the way boys fought and dug in. That was a huge effort and took everything. I’m just stoked. The really pleasing thing tonight was that we just kept going and kept perservering and got the result. We to work some gaps of our game to develop in game next week against New Zealand.” – disse o seleccionador Australiano


Piri Weepu pulled on his shooting boots to kick New Zealand to victory over Argentina and seal a place in the Rugby World Cup semi-finals.

Weepu was the star performer of the match at Eden Park, slotting seven penalties for a 100 per cent success rate that set a RWC 2011 record.

Second-half tries by Kieran Read and veteran Brad Thorn cemented a 33-10 win for the All Blacks to set up a last-four showdown with Australia next week and the success commemorated full back Mils Muliaina’s 100th Test match.

Weepu’s night of magic drew praise from assistant coach Steven Hansen, who said: “He had an outstanding game and we are really proud of him.

“Tonight he stood up. His brain is working at 100 miles an hour but he is ice cool as well. He is one of the leaders in the team.”

Teammate Conrad Smith was equally impressed. “His goalkicking was huge for us and that fed a bit of confidence into him,” he said.

Handling error

A menacing rendition of their Kapa o Pango haka made the All Blacks’ intent clear but it was not the most polished of starts from the number one team in the world.

New Zealand were lucky not to concede a try just seven minutes into the match following a handling error by young fly half Colin Slade as they battled to break through the Argentine defence.

Weepu got the first points on the board from a penalty kick in 12 minutes, the longest time it has taken the All Blacks to score points at RWC 2011.

Handling errors continued to plague them and it was not long before the Pumas pounced, with Julio Farías Cabello going over for the first try on the half-hour mark. A successful conversion by captain Felipe Contepomi gave his side a one-point lead before two more penalties from Weepu put the All Blacks back in front 12-7 at half-time.

New Zealand’s newest squad member Aaron Cruden, who joined the team last week following Dan Carter’s exit through injury, revelled in the opportunity to play after replacing Colin Slade in the 32nd minute.

“A couple of weeks ago I was sitting on the couch and enjoying the Rugby World Cup in New Zealand and now I am playing in it,” Cruden said. “It is surreal.”

Brave performance

Weepu continued his fine kicking form after the break while New Zealand pushed for a try.

Argentina’s defence continued to hold firm, managing to deny the All Blacks any points for 10 minutes as they played a man down after scrum half Nicolás Vergallo’s trip to the sin bin.

But with a final tally of 134 tackles compared with New Zealand’s 54, the Pumas started to tire towards the end. That enabled Read to break through to score the All Blacks’ first try and bring most of the 57,912, black-clad fans to their feet.

Although it took his men 66 minutes to register a try, New Zealand coach Graham Henry was happy with how his side took on their tenacious opponents.

“You like to score early. It takes the pressure off,” he said. “But it was one of those games. It was a tough old game. They played well and I think they deserve a lot of credit.”

Captain Richie McCaw said: “They defended really well. In the first half they slowed the ball. As the game went on we got on top of things. We kept believing what we were doing and we got the points.”

Argentina captain Contepomi commended his team’s brave performance against the tournament favourites and believes the effort bodes well for the future.

“I think we were competitive for 60 minutes,” he said. “Then the All Blacks showed their match and they won it well. But that’s just rugby.

“When we have the ball, we have to try to keep it a bit longer because we have some players who can play some more dynamic rugby. But that will happen when we play more games and when we play every year against the best, the All Blacks.”

The stage is now set for New Zealand to meet their trans-Tasman rivals Australia next Sunday. With the All Blacks still smarting from their most recent loss to the Wallabies in the final Tri Nations match in August, Read is relishing meeting them again in the semi-final.

“For us to play next week is good enough in itself,” he said. “But I suppose it doesn’t get much better than playing a semi-final against the Aussies.”

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

futeboladas

http://rd3.videos.sapo.pt/play?file=http://rd3.videos.sapo.pt/KSZ92cYPMtnqrkmIsnKo/mov/1

A contenda não roçou o sofrimento, mas, a selecção voltou a ser pouco incipiente do ponto de vista defensivo. Dos 10 golos sofridos nesta qualificação, para uma selecção que está nos píncaros do futebol mundial, é caso para dizer que roça o ridículo o facto de Portugal ter concedido 7 em casa frente a Islândia e Chipre.

Da 1ª parte ressalta um 3-0 “de enfiada” perante uma selecção cujo modo de actuar no Estádio do Dragão gerou alguma confusão no jogo português nos primeiros minutos da partida, tendo os dois golos de Nani conseguido desbloquear a situação.

Do 3-0, passámos a 3-2 no decorrer da 2ª parte. Valeu o golo de Moutinho para devolver algum conforto à turma lusa. Para a retina fica o 5º golo, autoria de Eliseu, coroando uma excelente exibição do lateralala esquerdo do Málaga. O jogador Açoreano, de ascendência Cabo-Verdiana, mostrou-se como uma boa alternativa no flanco esquerdo da selecção lusa perante a ausência do intocável Fábio Coentrão.

Pela negativa, Rolando fez uma exibição para esquecer e foi lento a reagir nos lances dos golos da Islândia.

Em Chipre, a Dinamarca cumpriu a sua tarefa e venceu a equipa Cipriota por claros 4-1. Golos de Jacobsen, Krohn-Dehli e Romedahl (2) nos primeiros 20 minutos da partida arrumaram a questão para o lado Dinamarquês e acirraram a qualificação portuguesa para o jogo de terça-feira em Copenhaga.
As contas são simples: à selecção de todos nós, basta vencer ou empatar na terça. Em caso de derrota, iremos para o playoff a não ser que o resultado nos seja desfavorável por 3-0 e que a Suécia possa vencer a Holanda.

Nos outros grupos:

Grupo A

A oleada máquina bávara do Bayern de Munique foi a Instambul complicar em muito as contas da Turquia nesta fase de qualificação. Bastian Schweinsteiger, Mário Gomez e Thomas Muller deram uma vitória por 3-1 à já qualificada Mannschaft no inferno da Turk Telecom Arena.

O primeiro golo de Mário Gomez aos 36 minutos é de um fantástico trabalho do avançado do Bayern, um trabalho que não é nada comum ao modo de actuar e às características do avançado alemão.

A Bélgica, como lhe competia devido à situação de desvantagem pontual em relação aos turcos, cilindrou o Cazaquistão por 4-1 num jogo em que Axel Witsel foi titular e Steven Defour entrou aos 75 minutos para o lugar do veterano Timmy Simons, homem que inaugurou o marcador para os belgas ainda na primeira parte de grande penalidade. Hazard, Kompany e Marvin Ogunjimi marcaram os outros tentos belgas.

No outro jogo do grupo, a Austria foi ao Azerbeijão golear por 4-1.

As contas do grupo só irão ser finalizadas na última jornada. A Alemanha já está qualificada com os seus 27 pontos (9 vitórias em 9 jogos). A Bélgica está em 2º com 15 e a Turquia em 3º com 14. Na última jornada, em teoria, o calendário é favorável aos turcos. A Turquia fecha a qualificação em Instambul enquanto a Bélgica terá que fazer pela vida na visita ao LTU Arena em Dusseldorf para defrontar a Alemanha.
As contas são simples: em caso de vitória Belga em território alemão, qualifica-se a selecção de Witsel e Defour. Em caso de empate ou derrota belga e vitória turca, os turcos qualificam-se. Os Belgas poderão passar caso empatem e os turcos não vençam o Azerbeijão.

Grupo B

Num grupo muito complexo e equilibrado, a Rússia poderá ter dado um passo de gigante com a vitória que obteve hoje em Bratislava frente à Eslováquia.
A selecção de Hamsik tinha tudo para dar o golpe final nos Russos, mas a selecção de Dick Advocaat esteve sempre com os olhos na vitória e embora não se tenha qualificado, garantiu pelo menos o playoff final.

A Eslováquia, com 14 pontos, está fora da contenda.

Um brilhante golo do magnífico médio de ataque do CSKA de Moscovo Alan Dzagoev (está em grande forma e pisca o olho aos grandes clubes mundiais) deu a vitória aos Russos. É de facto um golo épico de Dzagoev. Daqueles que só as grandes vedetas do futebol sabem fazer nos grandes momentos.

A perseguir os Russos pelo 1º lugar do grupo ainda estão a Irlanda (vitória 2-0 em Andorra; golos de Doyle e McGeady) e a modesta Arménia (que sensação; venceu a Macedónia por 4-1 em Yerevan).

Na próxima jornada, a Rússia recebe Andorra em Moscovo no Luzhniki e tem porta aberta para a qualificação directa. Aos russos, pelos pontos de vantagem que detem sobre Arménia e República da Irlanda, bastará o empate.
A Irlanda recebe a matreira Arménia em Dublin e em caso de vitória dos Armenos, estes passam aos playoffs, dado único na história do seu futebol.
Em caso de derrota dos Russos, a Irlanda passa se vencer os Armenos. A Arménia passa em 1º lugar do grupo se vencer a Irlanda e os Russos perderem frente a Andorra.

Grupo C

http://video.rutube.ru/7f6b3b06a2f2c794efc196685137bb41

No Sérvia vs Itália em Belgrado, a qualificada equipa italiana complicou as contas dos sérvios.
Marchisio confirmou o bom momento de forma que já tinha sido detectado na Juventus com dois excelentes golos no domingo frente ao AC Milan e inaugurou o marcador aos 2 minutos. Ivanovic empatou aos 26″ mas foi um golo insuficiente para evitar que a Estónia chegasse ao 2º lugar depois da vitória na Irlanda do norte.

Cesare Prandelli voltou a testar alguns jogadores que tem estado em ascendente na Liga como são os casos do regressado António Cassano, de Leonardo Bonucci, Antonio Nocerino, Sebastian Giovinco e Alberto Aquilani, também ele recentemente regressado às convocatórias da Squadra Azzurra.

A Estónia, tem sido à semelhança da Arménia outra das grandes surpresas desta qualificação. Aproveitando o empate de Belgrado, a selecção comandada por Tarmo Ruuti terminou a sua fase de qualificação com uma suada vitória em Belfast, vitória que apenas foi conseguida nos minutos finais graças a dois golos emotivos do médio do Nafta da Eslováquia Konstantin Vassiliev que foram muito festejados pela comitiva da sua selecção em pleno relvado. Nunca antes a modesta Estónia esteve tão perto de se qualificar para um playoff final.

Folgando a Estónia, a pressão foi colocada a todo o gás no lado dos Sérvios, que terça-feira terão que medir forças em Ljubljana frente a uma Eslovénia que já está afastada do cenário de qualificação, mas cujo fervor nacionalista contra a “metrópole” da antiga junção Jugoslava lhes irá falar mais alto em campo.

A Itália também irá receber a Irlanda do Norte em Pescara.

Contas simples. Com a Itália já apurada, os Estónios passam em caso de derrota dos Sérvios em Ljulbjana. O empate basta à selecção comandada por Vladimir Petrovic.

Grupo D

A França venceu a Albânia por 3-0 mas continua com a Bósnia-Herzegovina colada a si que nem uma lapa. Perante um Stade de France repleto, desejoso de ver os bleus somar o triunfo que lhes pudesse garantir a qualificação automática no 1º lugar do grupo, tal não se veio a verificar visto que os Bósnios também venceram, em casa, o Luxemburgo por 5-0.

No jogo de Paris, Malouda, Loic Remy e Anthony Revèillere deram o triunfo aos gauleses num jogo em que não contaram com Franck Ribèry.

No jogo de Sarajevo, Dzeko, Misimovic (2) Pjanic e Medujanin deram a vitória aos Bósnios, que pelo menos, estarão votados ao mesmo fado que lhes calhou em sorte no apuramento para o mundial de 2010 aquando da ída aos playoffs e da consequente derrota frente a Portugal.

No outro jogo do grupo, sem qualquer interesse de relevância superior, a Roménia voltou a desiludir os seus fans com um empate frente à Bielorrússia. No regresso de Adrian Mutu à selecção, o jogador da Fiorentina apontou os 2 golos da sua selecção.

Na próxima jornada, temos jogo grande no Stade de France com a França a receber a Bósnia. Quem vencer passa no 1º lugar do grupo. Em caso de empate, passa a França.

A Albânia recebe a Roménia no outro jogo do grupo.

Grupo E

A Holanda venceu a Moldávia por 1-0 no Feijnoord Stadium em Roterdão e continuou na pressecucção do habitual pleno de vitórias. Huntelaar marcou o único tento da partida.

No outro jogo, com a relação que acima expliquei com a campanha da nossa selecção caso portugal perca na Dinamarca, a Suécia foi à Finlândia bater a selecção da casa por 2-1 num jogo muito complicado. Sebastian Larsson deu vantagem aos suecos aos 8 minutos e Olsson ampliou aos 52″. Um golo de Toivio aos 72″ ainda fez tremer os suecos nos 20 minutos finais.

Para terça-feira, fecha-se o grupo.
A Suécia recebe a Holanda e está obrigada a ganhar para poder fugir à despromoção dos playoffs por ser a pior 2ª classificada.
A Hungria ainda tem hipóteses de se qualificar mas para isso teria que bater a Finlândia por 12 golos de diferença e esperar a derrota Sueca frente à Holanda em Estocolmo.
Moldávia e São Marino fecham mais uma qualificação em Chrisinau.

Grupo F

Fernando Santos está de parabéns. A sua Grécia venceu a Croácia em Atenas por 2-0, passou para a liderança do grupo e assegurou praticamente a qualificação directa.

A dupla de avançados Samaras (71m) e Gekas (79m) deram os dois valiosos golos que irão decerto apurar sem grandes delongas a selecção orientada pelo Português.

No outro jogo do grupo, a Letónia venceu Malta por 2-0.

Para terça-feira, a Cróacia recebe a Letónia em Zagreb e para além de estar obrigada a vencer para colmatar a derrota em Atenas necessita que a Grécia possa perder ou até mesmo empatar em Tiblissi, dado que a Croácia tem um goal-average de 9 e a Grécia apenas de 8.
Sem qualquer relevância também se irá disputar o encontro entre Malta e Israel.

Grupo G

Duelo escaldante em Podgorica que opôs Montenegro à Inglaterra. Se os Ingleses garantiram o apuramento directo para o europeu, este histórico empate deixa os montenegrinos num autêntico estado de extâse nacional. A jovem e talentosa selecção montenegrina consegue apurar-se (dada a derrota da Suiça em Gales) para o playoff final na 2ª qualificatória que disputa a nível europeu depois da cisão referendária com a Sérvia.

Razão tinha eu quando na qualificatória para o Mundial 2010 afirmei que Montenegro seria a sensação para 2012. Não previ porém que a Estónia e Arménia chegassem em condições de discutir a esperança do playoff como de facto estão a discutir até ao último minuto.

Numa semana em que muito se falou sobre o futuro de Fabio Capello nos comandos da Old Albion (o italiano poderá deixar o cargo no final do europeu) e a possibilidade atirada pela imprensa da FA vir a contratar Arsène Wenger para o lugar do italiano, a selecção inglesa entrou em campo com a ideia de vencer ou empatar para carimbar em definitivo o apuramento, se bem, que as chances de Montenegro eram minimais dado os 10 golos de diferença no goal-average que separam as duas selecções.

Ashley Young abriu a contagem para os Ingleses perante o coro de assobios que foi constante em Podgorica sempre os Ingleses tocavam na bola. O veterano Darron Bent ampliou a vantagem aos 31″. Na 2ª parte viria a surpresa montenegrina com Zverotic a reduzir aos 45″ num lance onde Joe Hart foi traído por um desvio de um defensor Inglês e já em tempos de desconto, seria Andrija Delibasic, antigo avançado de Benfica e Beira-Mar a dar uma alegria imensa aos milhares de montengrinos depois de ter saído do banco de suplentes 10 minutos antes.

Pelo meio ainda houve lugar à expulsão directa de Wayne Rooney num lance em que o avançado do Manchester perdeu a cabeça e pontapeou um adversário.

Para a retina ficam as imagens tão características do emotivo Delibasic (o pessoal do Beira-Mar pode um dia atestar destes festejos do Montengrino num jogo contra o Benfica) no vídeo e na imagem abaixo postada.

No outro jogo do grupo, desilusão Suiça em Cardiff frente a uma selecção Galesa que ainda não tinha aparecido em prova. Apareceu pelos maus motivos e afastou os suiços de uma série de várias qualificações para fases finais de provas internacionais. Aaron Ramsey e Gareth Bale marcaram para a selecção Galesa.

As contas do grupo fecham em definitivo na terça com um Suiça vs Montengro e um Bulgária vs Gales.

Grupo I

A Espanha venceu em Praga por 2-0 e abriu a porta à Escócia (só joga amanhã em casa frente ao Lichstenstein) de ultrapassar a República Checa na classificação.

Nada de especial em relação aquilo que conhecemos da Rojita! Resolveram o jogo cedo por intermédio de Mata e Alonso. O resto foi contenção de bola. Os Checos ficaram reduzidos a 10 por expulsão de Hubschman no minuto 70.

A Escócia joga amanhã contra o Lichstenstein e em caso de vitória fará 11 pontos, ou seja, mais um que os checos. Nenhuma destas selecções tem o playoff final asseguro quaisquer que sejam os resultados apurados na última jornada pois dependerão dos outros grupos.

Nada está acabado para os Checos. A Escócia terá que medir forças terça-feira com a Espanha em Alicante enquanto a República Checa irá jogar a Vilnius frente à Lituânia.
Tomando com mais provável a vitória Escocesa amanhã, os Checos terão que vencer em Vilnius ou empatar, esperando respectivamente para cada resultado que a Escócia perca ou empate em Espanha.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

RWC (9)

Depois da vitória da Austrália frente à Rússia por 68-22 e da copiosa derrota da França (já apurada) frente a Tonga, nesta madrugadamanhã realizaram-se os últimos jogos da fase de grupos, tendo Gales, Irlanda e Argentina carimbado o acesso aos quartos-de-final da prova.

Num breve sumário:

A Argentina apurou-se no 2º lugar da Pool B como lhe competia. Depois de uma emocionante vitória sobre a Escócia, os Escoceses falharam o assalto do apuramento frente aos Ingleses e os Argentinos bateram a Geórgia com algum grau dificuldade, porém, sem colocar o apuramento em risco.

No jogo contra os Georgianos, e como se previa em qualquer antevisão feita sobre o jogo, prevaleceu a luta dos avançados. Ora no jogo no chão, ora nas melées, ora nos alinhamentos. Os Georgianos efectuaram o típico jogo de pick and go, mas quase sempre esbarraram contra uma aguerrida defesa argentina que teve no 2ª linha Patrício Albacete o seu grande esteio. O 2ª linha do Stade Toulousain ganhou 5 dos 11 alinhamentos ganhos pela sua selecção enquanto o flanqueador Juan Leguizámon executou 11 placagens durante a partida.

Numa primeira parte de muita luta, e onde a Argentina demorou a encarrilar nos trilhos da vitória (os Georgianos estavam a defender bastante bem as investidas dos 34 argentinos) só aos 32″ é que Juan Manuel Imhoff, confirmando o excelente momento de forma que atravessa, conseguiu abrir um furo na defesa dos europeus e voar para o primeiro ensaio da partida. Sol de pouca dura: aos 39″, o médio de abertura Lasha Khmaladze haveria de colocar a Geórgia a vencer ao intervalo por 7-5.

A Argentina teve que assumir outra estratégia na 2ª parte e nas primeiras faltas cometidas pelos Georgianos avançou para os postes, para se distanciar no marcador e sobretudo para não fazer empolgar a turma Georgiana. Em dois pontapés, Filippo Contepomi colocou 2 penalidades e consequentemente o jogo a 11-5. O experiente médio de abertura Argentino haveria aos 68″ de aproveitar um rápido contra-ataque argentino onde um pontapé para a frente de Imhoff haveria de aparecer nas suas mãos para o ensaio tranquilizador da passagem argentina à fase final da prova. Agustin Gosio iria selar a vitória no último minuto.

A Geórgia despede-se deste mundial com objectivo cumprido: venceu a Roménia e discutiu a partida com Argentinos e Escoceses.

Quanto aos Argentinos, Felipe Contempomi foi claro no flash interview ao afirmar que no próximo domingo a sua selecção terá que se esforçar para poder bater a Nova Zelândia.

No dia em que a Nova Zelândia ficou a saber que o seu melhor jogador, o abertura Dan Carter, irá falhar a fase final da prova devido a uma lesão muscular na zona da virilha contraída num treino, o seleccionador Graham Henry, já com o apuramento mais que decidido, não quis arriscar e colocou em campo uma selecção maioritariamente composta por suplentes contra o Canadá.

Jogadores como Owen Franks, Richie McCaw, Richard Kahui, Keven Mealamu, Kieren Read, Ma´a Nonu, Andrew Ellis e Adam Thomson, Isaia Toeava ou Cory Jane não se equiparam.

O Canadá também não ofereceu grandes dificuldades à Nova Zelândia. Foi o habitual jogo de um sentido que haveria de redundar num folgado 79-15. 12 ensaios marcados pelos jogadores Neo Zelandeses. O ponta Zac Gilford (4) o flanqueador Victor Vito (2) Jimmy Cowan, Israel Dagg, Jerome Kaino (2) Sonny Williams e Mils Muliaina marcaram os ensaios dos All-Blacks na partida. Ainda houve lugar para uma grande penalidade de Colin Slade. Do lado Canadiano, até foi Ander Munro que abriu a partida com uma penalidade. Os ensaios Canadianos foram marcados aos 39″ e 42″ pelo ponta Conor Trainor.

No meio deste autêntico massacre, quem esteve muito bem foi o abertura Colin Slade, agradando Graham Henry. Perante a lesão de Dan Carter, o médio de abertura dos Highlanders é claramente a escolha mais provável para o jogo de domingo frente à Argentina.

Mais um jogo de decepção para os Fijianos neste mundo. A selecção Fijiana foi cilindrada por Gales por 66-0 e sai de prova com uma única vitória, alcançada perante a modesta selecção da Namíbia.

Sem grandes poupanças, Warren Gatland não quis colocar o apuramento em causa perante Fiji e os seus jogadores não foram de modas: 9 ensaios – Jamie Roberts (2) Llyod Williams, Scott Williams, Leigh Halfpenny, Sam Warburton, George North, Lloyd Banks, Jonathan Davies e uma penalidade de Rhys Priestland traçaram um jogo muito tranquilo para Gales. A selecção Galesa enfrenta a Irlanda nos quartos-de-final.

No jogo mais esperado do dia, a Irlanda não vacilou perante a Itália e ganhou por 36-6, carimbando o apuramento. Como não consegui ver o jogo nem o resumo do mesmo, fica aqui a transcrição da breve análise que nos é dada pelo site do torneio.

” DUNEDIN, 2 Oct. – Brian O’Driscoll felt right at home during Ireland’s 36-6 victory over Italy on Sunday that clinched their progression into the quarter-finals.

More than 28,000 fans, nearly all of them in green, white and orange, witnessed a first-half performance that held a hungry Italian pack at bay before the Irish kicked away after the break with some expansive rugby.

“That was the best, seeing rows of green everywhere you look,” O’Driscoll said of the support.

“It was like Lansdowne Road – in fact, I have played in Dublin before when it hasn’t been that good.”

Ireland fly half Ronan O’Gara kept the scoreboard busy at a stadium where kickers had previously suffered.
O’Gara, retaining his place ahead of Jonathan Sexton, stroked three penalties in the first 40 minutes as the Irish kept their noses in front despite a tough physical battle against the Italy forwards at Otago Stadium.
An injury to prop Martin Castrogiovanni three minutes before half-time in the final Pool C clash weakened the Azzurri in their key battleground with the score at 9-6.

Tough times

And Ireland won virtually every skirmish after the break, running in three tries against an increasingly ragged defence, while the Italians failed to take the few opportunities they had.
O’Gara finished with 16 points, and the scoreline allowed the luxury of a late appearance by Sexton, who was unerring with one penalty and a conversion.
Those scores were built on the foundation of a prize-fighting display from flanker Sean O’Brien, who took the man-of-the-match award.

“We’ve done our job but tough times are to come,” said O’Brien, looking ahead to the quarter-final against Wales in Wellington on 8 October. “We’re halfway there.

“There’s fire in the belly, and that’s what we had tonight.”

O’Brien drew whistles from the crowd when he needed to change his shirt just before half-time, enjoying a moment similar to Sonny Bill Williams’ ‘wardrobe malfunction’ for New Zealand against Tonga as he struggled to force the jersey over his considerable torso.

Bruising run

“I don’t think I really compare to Sonny Bill Williams, I don’t really have the same body,” he said.

“But I was trying to get the shirt on as soon as possible.”

O’Driscoll sprinted through for his first try of the competition on 47 minutes. Another bruising run from him soon after led to the ball being recycled to Keith Earls, who scored in the corner, and Earls added another in the final minute to cap a great night for the Irish. Italy coach Nick Mallett said the Irish support had been a significant factor in the outcome of the match.

“I think every New Zealander had a green shirt on tonight, because I don’t believe there are that many Irish with enough euros to have been here,” he said.

Italy looked a beaten side by the time O’Gara converted Earls’ first try to make it 26-6 after 53 minutes.

Take responsibility

And with the Azzurri making 97 tackles – 38 more than the Irish – fatigue set in as the Irish backs took control.

Italy’s lack of bite was summed up by an overthrown lineout from hooker Salvatore Perugini as they set up for a drive in Ireland’s 22 late in the match, gifting possession back to the men in green.

“We have to be men about it and take responsibility,” said Italy captain Sergio Parisse after their bid for a first quarter-final appearance fell short.

“No-one took a backward step on the pitch. We have to be realistic and say Ireland are a better team than us, and they played at a higher level than us.”

Assim sendo,

1. O grupo A terminou com a Nova Zelândia com 20 pontos (a totalidade de pontos possíveis) a França com 11, Tonga com 9 (se Tonga não tivesse perdido com o Canadá teria chutado a França fora do mundial na fase de grupos) Canadá com 6 e Japão com 2.

O Grupo B terminou com a Inglaterra em primeiro com 18 pontos, a Argentina em 2º com 14, Escócia com 11, Geórgia com 4 e Roménia com 0.

O grupo C foi ganho pela Irlanda com 17 pontos, contra os 15 da Austrália, os 10 da Itália, os 4 dos Estados Unidos e 1 da Rússia.

Já o grupo D foi ganho pela África do Sul com 18 pontos. Gales acabou com 15, Samoa com 10, Fiji com 5 e a Namíbia com 0.

2. Ao nível colectivo:

2.1 A Nova Zelândia foi a selecção com mais pontos marcados na fase de grupos com 240. A selecção com menos pontos marcados foram a Roménia e a Namíbia com apenas 44.

2.2 A África do Sul foi a selecção com menos pontos sofridos. Apenas 24. A selecção com mais pontos sofridos foi a Namíbia com 266.

2.3 A selecção com mais ensaios na fase de grupos foi a Nova Zelândia com 36. As que obtiveram menos ensaios foram a Roménia e a Geórgia com apenas 3. Com mais ensaios sofridos, a Namíbia, com um total de 36.

3. Ao nível individual:

3.1 O jogador com mais pontos somados na fase de grupos foi o médio de abertura Springbok Morné Steyn com um total de 53 (2 ensaios, 14 conversões e 5 penalidades) tendo ficado na 2ª posição o médio de abertura de Tonga Kurt Morath com 45 (6 conversões e 11 penalidades) e em 3º o médio de abertura Irlandês Ronan O´Gara com 39 (9 conversões e 7 penalidades). O 2º já não poderá lutar por esta distinção dado que a sua selecção já foi afastada do mundial.

3.2 Ao nível de ensaios, o jogador com mais ensaios marcados foi Chris Ashton da Inglaterra com 6, sendo que Israel Dagg (Nova Zelândia) Adam Ashley-Cooper (Austrália) Vincent Clerc (França) tem 5. A competição fica em aberto para a fase final da prova.

3.3 Ao nível de conversões, Morné Steyn e Colin Slade (Nova Zelândia) lideram com 14 contra as 12 de James O´Connor da Austrália e as 10 de Stephen Jones de Gales. Esta competição também fica em aberto para os próximos jogos.

3.4 Ao nível de penalidades, Kurt Morath acabou a fase de grupos com 11. O abertura Merab Kvirikashvili da Geórgia alcançou 8 e Dimitri Yachvilli da França, Ronan O´Gara da Irlanda e Chris Patterson da Escócia alcançaram 7. Apenas o francês e o irlandês continuam em prova.

3.5 Ao nível de drop goals, a liderança pertence a Theuns Kotze da Namíbia e Dan Parks da Escócia com 3 drops certeiros. Ambos saíram fora de prova. Johnny Wilkinson,”o rei dos drops”, tem 1 neste momento mas poderá vir a fazer alguns nos próximos jogos.

4. Para finalizar, aqui ficam as datas e respectivos horários do alinhamento dos jogos dos quartos-de-final:

4.1 Sábado teremos às 6 da manhã (hora portuguesa) o Irlanda vs Gales – o jogo disputa-se em Wellington e às 8 e meia da manhã o tão esperado França vs Inglaterra – jogo que se disputa em Auckland

4.2 Domingo teremos às 6 da manhã o Irlanda vs Gales – o jogo disputa-se em Wellington e às 8 e meia da manhã o Nova Zelândia vs Argentina.

Os jogos tem transmissão em directo na Sporttv.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

RWC (8)

A Namíbia despediu-se do mundial com mais uma derrota volumosa. 81-7 contra Gales foi o resultado do adeus dos africanos aos campos da Nova Zelândia. Não há muito a dizer sobre este jogo. No entanto, o comportamento dos Namibianos tem melhorado de campeonato em campeonato: os Namibianos já não perdem jogos por mais de 100 e deram um excelente espectáculo na primeira jornada contra as Ilhas Fiji.

Gales entrou em campo com uma equipa onde não contavam as suas maiores estrelas, principalmente na linha dos 34 e o seleccionar Warren Gatland aproveitou inclusive para dar minutos ao abertura Stephen Jones (vindo de lesão) e para descansar na 2ª parte o 3ª linha flanqueador Sam Warburton, para já, o jogador em mais evidência na equipa Galesa.

Gales acelerou rapidamente o jogo e causou dificuldades aos Namibianos: Stephen Jones testou o seu pontapé com exito logo aos 3″ e até aos 18 minutos, os galeses haveriam de chegar a 3 ensaios por intermédio de Scott Williams, Aled Brew e do 3ª linha centro Toby Faletau.

Na 2ª parte, dois ensaios a abrir: o 2º de Scott Williams e o do pilar Gethin Jenkins. Na resposta, a Namíbia marcou o seu ensaio de honra aos 53 minutos por intermédio do 2ª linha Henry Kohl. Até ao final, a selecção africana ainda haveria de ser penalizada com um cartão amarelo ao pilar Raoul Larsson e haveria de sofrer mais 7 ensaios, todos por cansaço, 3 dos quais motivados pelo cansaço e ausência de um jogador em campo.

Para as estatísticas, os ensaios foram marcados por Georg North (2), Jonathan Davis, Scott Williams (3º) Lloyd Williams, Lee Byrne e Alun Wyn Jones.

No encontro de despedida da selecção Japonesa deste mundial, Canadá e Japão empataram a 23 pontos num jogo bastante bem disputado e emocionante até ao final. A selecção nipónica despede-se com honra de uma participação  (3 derrotas e 1 empate) que deve ser encarada como mais uma experiência positiva para o seu rugby.

Estas equipas já se tinham defrontado no campeonato do mundo de França em 2007 tendo-se registado na altura um empate a 12 pontos.

No campo, as duas equipas jogaram sempre para ganhar. Aos 5 minutos depois de uma melée para o lado canadiano, vários jogadores do pack avançado Canadiano ultrapassaram a linha de ensaio japonesa. O árbitro da partida, o sul-africano Jonathan Kaplan teve que recorrer ao videoarbitro para decidir se haveria de conceder ou não ensaio aos Canadianos. O Australiano Matt Goddard negou o ensaio aos representantes do continente norte-americano. Todavia, estes não se ficaram a lamentar no chão e na melée a 5 metros da linha de ensaio que lhes seria concedida por Kaplan, jogaram a bola para o lado esquerdo e em superioridade numérica nesse flanco construíram uma excelente plataforma para o ensaio do ponta dos Glasgow Warriors McKenzie marcar o primeiro ensaio da partida.

Passados 3 minutos, Aos 9 minutos, uma jogada japonesa também obrigou o arbitro principal a chamar o videoarbitro, mas este, ao contrário daquilo que tinha acontecido na área japonesa, deu ensaio ao Japão. Marcado por intermédio de Shota Horie.
Os Japoneses tomavam vantagem na partida por intermédio das boas intervenções de James Arlidge. Passados 3 minutos, o defesa japones Shaun Webb (de origem neozelandesa) arrancou pela esquerda e parou a 1 metro da linha de ensaio. Isto porque antes de pressionar a bola contra o chão foi placado por um jogador canadiano. Mais uma vez Jonathan Kaplan teve que pedir a ajuda do videoarbitro, e como de facto, nota-se no lance que Webb sai fora do campo, o australiano Goddard não teve dúvidas em anular o 2º ensaio aos japoneses.

Aos 38″, com clara superioridade japonesa na partida, o flanqueador Japonês Ryan Nicholls (outro jogador de origem neozelandesa) arrancou em pick and go e gerou uma situação de toque curto para os flancos que quase dá ensaio para a equipa japonesa. A bola sai fora. No alinhamento, o saltador Japonês foi mais lesto a roubar a bola e Alridge combina primeiro como ryan nicholls e depois com Kosuke Endo, rumando posteriormente o ponta Endo para um brilhante ensaio debaixo dos postes do Canadá.

O Japão ia para o intervalo com uma vantagem de 17-5.

Na 2ª parte, as hostilidades começaram com um brilhante ensaio aos 44″ novamente por Phil McKenzie, a léguas o melhor jogador desta selecção do Canadá! McKenzie terminou com uma poderosa arrancada! Dão-se três penalidades pelo meio que colocam o jogo a 23-13: Arlidge marcou 2 penalidades para o Japão enquanto Adan Munroe marcou uma para o Canadá.
Os canadianos acordaram tarde e tarde foram para a frente e tentaram resolver a partir dos seus avançados. O médio de abertura Munro haveria de marcar o ensaio que colocaria o Canadá a 3 pontos do Japão a 5 minutos do fim. Não chegava para que os Canadianos pudessem chegar à vitória. Os homens do Canadá não desistiram e continuaram a pressionar a defensiva Japonesa em busca do ensaio ou de uma falta que desse uma penalidade e como tal um pontapé aos postes que pudesse evitar a derrota. Conseguiram-no a 3 minutos do fim depois de assinalada uma falta por fora-de-jogo de um jogador japonês. Adan Munroe empataria o jogo a 23 pontos. No último minuto, Arlidge ainda tentou um drop kick mas este acabaria por sair ao lado.

Com a missão de ganhar para acalentar a possibilidade de discutir com a Irlanda a passagem aos quartos-de-final e a praticar um rugby de bastante qualidade, o seleccionador italiano de nacionalidade sul-africana Nick Mallett entrou em campo com uma selecção próxima da melhor combinação de jogadores que a Itália pode dar. Mallett não se podia dar ao luxo de arriscar perante uma equipa cuja selecção irlandesa apenas tinha conseguido vencer por 22-10.

Muita luta de avançados nos primeiros minutos. A Itália dominava e tentava estender os seus jogadores no campo. Os EUA eram acutilantes mas Sergio Parisse, à medida daquilo que tinha feito contra a Rússia inaugurava o marcador com um belíssimo ensaio depois de uma assistência do 2ª linha italiano de origem sul-africana Cornelius Van Zyl.
Os EUA partiram imediatamente para o ataque em busca dos pontos para que os italianos não avançassem muito mais no marcador. Aos 16″, uma falta fazia com que os Norte-Americanos colocassem o jogo fora. Depois de ganhar o alinhamento, Paul Emmery entrou numa investida pessoal contra a defesa italiana e depois de ganhar vantagem deu o ensaio ao defesa Chris Wyles para o empate com os Italianos.

A vantagem seria desfeita até ao intervalo: primeiro com um pontapé de penalidade de Mirco Bergamasco. Depois com três ensaios: aos 30″, depois de um mull, o formação italiano Fabio Semenzato iria soltar a bola para o abertura Luciano Orquera furar por completo a bem urdida defesa Norte-Americana; dentro dos descontos e após uma excelente perfuração no chão dos avançados italianos seria Martin Castrogiovani a marcar o seu primeiro ensaio num mundial. Um bom prémio para o pilar que cumpre na Nova Zelândia o seu 3º campeonato do mundo pela selecção italiana. No lance, metade dos créditos pertencem a Luke McLean. O ponta de origem Australiana iria ser decisivo na obtenção deste ensaio.

A 2ª parte seria de claro domínio Italiano. Jogando ora com os avançados ora com os 34, a Itália estava desejosa de obter mais ensaios. Aos 68″ viria o último ensaio da partida para os europeus: novamente através de um mull dinâmico, os avançados italianos empurraram a turma Norte-Americana para a sua área de ensaio tendo clamado por ensaio. O Irlandês George Clancy teve que pedir a ajuda do videoarbitro, o Sul-Africano Shaun Veldsman, que rapidamente disse que não tinha visibilidade suficiente para avaliar a validade do lance. Lance anulado e melée a 5 metros. Novo mull dos italianos que os EUA partiram em falta – como o recurso à falta por parte dos americanos neste tipo de situações já estava a ser recorrente e com um grau elevado de anti-jogo facto que já tinha inclusive punido por Clancy com um cartão amarelo 9 minutos antes ao 3ª linha asa Louis Stancil, levou que o Irlandês assinalasse um ensaio de penalidade a favor dos Italianos.

A Itália ainda sonha com a passagem à fase final da prova. Vencer a Irlanda será uma tarefa complicada, mas, se tiver que o ser será agora graças ao volume de jogo que os italianos tem construído e mesmo à forma física com que se apresentaram neste mundial.

Os EUA despedem-se do mundial com uma excelente prestação. Ganharam o o jogo que lhes competia à russia e bateram-se devidamente contra Italia e Irlanda. Conseguiram um ensaio contra a Austrália, feito que merece ser sempre recordado por qualquer colectivo. Precisam (assim como precisa o Japão, a Namíbia, as Tonga, a Roménia, Rússia a Geórgia, Canadá e outras selecções que não estão aqui presentes mas cuja evolução na modalidade tem sido positiva como são os casos de Portugal, Uruguai, China, Chile, Hong Kong, Moldávia, Zimbabwe, Espanha, Ucrânia, República Checa, Alemanha, Brasil, Coreia do Sul, Holanda e Lituânia, Quénia e Marrocos) de mais jogos contra selecções competitivas (sejam elas as principais, secundárias, sub-23, universitárias ou apenas um XV escalonado pelas respectivas federações) para que o jogo possa evoluir e tornar-se mais competitivo.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

RWC (5)

Depois das vitórias folgadas de domingo da Inglaterra (41-10 contra a Geórgia) da França (46-19 contra o Canadá) e a vitória sofrida de Gales nos últimos minutos contra Samoa por 17-10 que colocam estas três selecções com o carimbo praticamente confirmado para a 2ª fase da prova, foi com algum interesse a que hoje assisti ao jogo entre Itália e Rússia.

Se a Itália por um lado, conseguiu bater-se muito bem na 1ª jornada frente à Austrália (6-34) e apresenta-se com os olhos postos no jogo contra a Irlanda na última jornada para tentar alcançar os quartos-de-final da prova pela primeira vez, motivava-me por outro lado ver o jogo da Rússia por vários motivos: depois de uma primeira jornada em que a selecção Russa entrou muito nervosa na sua estreia num mundial de rugby e em que tal nervosismo custou duras críticas de várias pessoas ligadas ao rugby mundial quanto ao valor desta selecção para jogar um mundial, interessava-me bastante ver os russos em acção, até num espírito de clara comparação entre a participação dos Russos neste mundial e a participação lusa em 2007.

A prestação dos Russos contra a Itália hoje tanto foi melhor como pior que a Portuguesa em 2007. Em 2007, em Paris, no mítico Parque dos Principes, Portugal averbou uma derrota por 31-5 contra a selecção italiana, selecção que recebeu alguma renovação mas cujas pedras basilares do seu XV continuam as mesmas desde então. Portugal conseguiu um ensaio contra os italianos. Os Russos estiveram substancialmente melhor do ponto de vista ofensivo contra a equipa suplente de Itália, obtendo 3 mas sofrendo penosos 53 pontos resultantes de 9 ensaios italianos. Portugal sofreu 31 pontos mas discutiu o resultado até aos últimos minutos finais. Os Russos, à passagem dos 24 minutos já tinham sofrido 4 ensaios e como tal, já tinham permitido o ponto de bónus ofensivo aos Italianos assim como a vitória da Itália já era dado inquestionável por parte da selecção de leste. 

Nick Mallett, experiente seleccionador Sul-Africano (com nascimento em Inglaterra), homem que já orientou os Springbooks no mundial de 1999 e o Stade Français da Top 14, optou por gerir o esforço dos seus principais atletas com vista às partidas contra Estados Unidos e Irlanda, partidas que serão decisivas para o futuro dos italianos na prova. Assim sendo, contra os Russos, Malett operou uma autêntica revolução no XV principal da sua selecção, fazendo entrar 12 caras novas para o jogo contra os Russos, num claro acto de gestão de esforço dos principais nomes italianos (Alessandro Zanni, Martin Castrogiovani, Mirco Bergamasco, Cornelius Van Zyl, Gonzalo Canale) e de prémio aqueles que tem trabalhado na evolução do rugby da selecção italiana desde muito jovens, caso de Edoardo Gori, Luke McLean (jogador que antes de se naturalizar Italiano chegou a jogar o mundial de sub-20 pela Austrália) Tommaso Benvenuti, Paul Derbyshire e Riccardo Bocchino, jogadores que decerto irão continuar a trilhar os bons resultados da selecção italiana nos próximos anos.

A inspirada selecção italiana entrou em campo com o intuito de resolver cedo o jogo contra a sua congénere russa. Tanto que aos 29″ já vencia por claros 29-0, fruto de 5 ensaios quase seguidos, de um total domínio ao nível de posse de bola, de um domínio territorial esmagador e de muitos erros imaturos vindo do alto nervosismo Russo. O capitão da Selecção Italiana Sérgio Parisse abriu o marcador logo aos 6″. Aos 14″ Giulio Toniolatti rompeu toda a defesa russa com uma poderosa arrancada, finalizando no canto direito. Passados 3 minutos seria o centro Benvenuti a ensaiar num lance em que atacou ao pé a defesa russa e conseguiu dar uma ligeira pressão na bola dentro da área de ensaio. Aos 24″, uma jogada confusa que começou com um alinhamento lateral rápido por parte de Sérgio Parisse em que 5 jogadores russos ainda estavam no chão a recuperar da jogada anterior e a defesa russa estava completamente passiva, Giulio Toniolatti facturava o seu segundo ensaio da noite. Passados 5 minutos, com sucessivas faltas numa melée a 5 metros da área de ensaio por parte dos jogadores da 1ª linha Russa, o árbitro Inglês Wayne Barnes não foi de meias medidas e após avisar os atletas em causa da selecção russa validou um ensaio de penalidade para a Itália.

Eram portanto muitos erros a um nível de exigência e competitividade grande como é o do mundial de rugby.

Descontente com o começo avassalador dos Italianos, o seleccionador Nikolai Nerush decidiu mudar na equipa, com sorte, para melhor: tirou de campo o lento formação Shakirov e colocou Yanuyshkin, rápido formação que revolucionou por completo o jogo ofensivo russo e conseguiu com que a sua selecção saísse da sua área de 22 para o pleno uso da posse de bola no meio-campo italiano.

A substituição surtiu grande efeito: Yanyushkin marcou um belo ensaio aos 34″ (o primeiro ensaio russo num campeonato do mundo) numa jogada em que perante várias fases na área dos 22 italiana decidiu pegar na bola e furar adversários até à linha de ensaio. O intervalo iria terminar com mais um ensaio italiano, concretizado por Edoardo Gori.

Na 2ª parte, Tommaso Benvenuti acabaria por marcar o seu 2º ensaio pessoal no jogo. A Rússia iria responder com outro ensaio, desta vez um ensaio irregular em que o árbitro da partida não conseguiu ver que o último passe para as mãos do ponta Mikhail Ostroschko foi feito claramente para a frente.

Até ao final, mais dois ensaios para a Itália: o Australiano naturalizado Luke McLean iria fazer uma enorme arrancada pelo flanco direito e Alessandro Zanni iria entrar para marcar numa jogada colectiva italiana. Yanyushkin haveria de também arrancar para o 3º ensaio russo, fazendo com que a bola terminasse nas mãos do centro Alexei Makovetskyi.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

RWC (4)

Depois de alguns dias de ausência destas crónicas, volto a escrever sobre aquilo que se tem passado no mundial de Rugby.

Já para a 2ª jornada da fase de grupos, enquanto estivemos ausentes, o Canadá facturou uma interessante vitória sobre Tonga (25-20) a Escócia teve grandes dificuldades em bater a Geórgia (mostra que as selecções emergentes estão cada vez mais próximas de competir com as grandes selecções; a Escócia não conseguiu lograr um único ensaio), Samoa entrou a vencer no Mundial depois de derrotar a Namíbia por 49-12 e a Nova Zelândia, numa noite em que a organização homenageou todas as vítimas das catástrofes que abalaram o Japão neste ano de 2011, bateu a selecção nipónica com bastante facilidade (83-7).

Nesta madrugada, a história foi diferente:

A Irlanda bateu a Austrália no jogo grande do grupo C. Com a vitória frente aos Australianos, a Irlanda assegurou praticamente a passagem no 1º lugar do grupo.

15 – 6 espelha bem aquilo que foi o jogo. Demasiado fechado, demasiado táctico, demasiado aberto à luta corporal e à vontade de não ceder barata a vitória. Os Irlandeses, com o vigor do costume, executaram bem a táctica planeada para a partida e anularam por completo os Wallabies.

No primeiro test-match a doer para a selecção comandada por Robbie Deans, denotou-se a falta de um criativo. Denotou-se a falta de um jogador “abre-latas”. E esse jogador estou seguro que era Giteau. Por mais que jogadores como o formação Will Genia, o abertura Quade Cooper e o ponta Kurtley Beale tentassem mexer o jogo para os 34 Australianos, o resultado acaba por ser o esbarramento contra a forte muralha defensiva Irlandesa. Foi na acutilância e agressividade defensiva que resultou o sucesso da selecção europeia: os avançados irlandeses não deram espaço para o jogo dos avançados australianos (Ben Alexander, James Horwill e Rocky Elson costumam ser avançados que gostam de penetrar com a bola nas mãos) e da exibição dos 34 australianos pouco ou nada se viu de destaque. Mesmo com uma posse de bola dividida (51% para os Irlandeses49% para os Australianos e um domínio territorial Australiano (54%, sendo que os Australianos tiveram um tempo de 10,34m dentro da área de 22 metros irlandesa) nada acabou por sair bem aos Wallabies perante a agressividade defensiva Irlandesa. Os números são rosto desse facto.

O 3ª linha James Horwill foi peremptório ao afirmar na zona mista instalada dentro do Eden Park em Auckland a frustração do colectivo Australiano: “Ireland did well and we played some dumb rugby. We were not good enough” – e de facto, vimos uma selecção Australiana muito atípica. Sem grande energia e criatividade no ataque, os Irlandeses aproveitaram todos os erros defensivos dos Australianos e como é seu tímbre pela dádiva de terem excelentes executantes de penalidades (no caso deste mundial, do abertura Jonathan Sexton e do mítico veterano Ronan O´Gara) com o jovem abertura a efectivar duas penalidades e um drop e o experiente veterano a fechar a vitória irlandesa.

A Austrália terá que reforçar as suas bases caso queira discutir a vitória. A Irlanda agradou-me bastante depois de uma primeira partida pouco conseguida frente aos Estados Unidos.

– No grupo D, depois de uma vitória muito sofrida perante Gales, a carreira da Selecção Sul-Africana está claramente em ascendente neste ano de 2011. Os Sul-Africanos confirmaram as minhas palavras e aquilo que é de conhecimento público: em campeonato do mundo são crónicos candidatos ao título mundial e mesmo com poucas credenciais exibidas nos test-matches efectuados no último ano, não há tempo nem espaço para contemplações.

49-3 com a marcação de 6 ensaios, ponto de bónus ofensivo, carimbo do 1º lugar do grupo (a nada que algo de supra excepcional possa acontecer nos restantes jogos) e muito indolor para as aspirações das Fiji no grupo.

Num jogo bem disputado em que os Springboks não foram de meias medidas e ao intervalo já venciam por 23-3 com dois pontapés e duas conversões executadas por Morne Steyn e dois ensaios por intermédio do primeira linha Steenkamp e do centro Jacque Fourie, as Fiji bateram-se com honra mas foram completamente impedidas que usar o seu rugby de velocidade e força pela defesa Sul-Africana, que hoje, não permitiu veleidades aos fortes centros e pontas da selecção do Pacífico.

Na 2ª parte, num ritmo de cruzeiro, a África do Sul não tirou o pé do acelerador (como de resto não poderia tirar frente a uma selecção do calíbre da Fijiana) e obteve mais quatro ensaios por intermédio do centro François Steyn (na imagem) do médio de abertura Morne Steyn (que jogador fenomenal) do pilar Mtwarrira e do 3ª linha centro Danie Roussouw, que apesar das 21! (sim, 21!!!) placagens efectuadas pelo seu colega de sector Henrich Brussow, acabou por ser eleito o homem da partida. As Fiji acabaram por sair da partida com um tímido pontapé de penalidade do seu médio de abertura Serenaia Bai, e como Gales conseguiu um ponto defensivo perante a África do Sul, Fiji vê-se obrigada a vencer os Gales ou empatar com ponto de bónus ofensivo para anular a desvantagem pontual provocada pelas partidas contra os Springboks. Isto, se nada de extraordinário acontecer nos jogos de Gales e da selecção Fiji contra a Selecção de Samoa, que perante tais resultados também poderá tentar dar uma perninha pela qualificação num grupo que de resto nota-se ser o mais forte e equilibrado da prova. No entanto, sou da opinião que Gales irá passar como 2º classificado deste grupo, porque é de facto muito mais selecção que Fiji ou Samoa.


– No grupo B, depois da nada desprestigiante derrota no jogo inaugural contra os Ingleses, a Argentina não permitiu veleidades à Roménia do género das que os Escoceses tinham permitido no jogo inaugural do grupo e cilindraram os Romenos por 43-8, dando sinal à Escócia (a jogar bastante mal) que os Argentinos irão colocar os Escoceses fora da fase final sem esforços de maior.

Ao bom estilo de Nani Corleto, o defesa do Leicester Tigers Lucas González Amorosino (na imagem) foi o jogador em destaque no lado Argentino.

As premissas que explicam a vitória dos Argentinos são fáceis de evidenciar e explicar:

1. Com a coragem e o sangue quente do costume, os Argentinos entraram mandões na partida e com vontade de resolver o problema cedo de modo a que os Romenos, pela proximidade do marcador não ganhassem alento à semelhança daquele que tiveram no jogo contra a Escócia. Madrugadores, os Pumas abriram rapidamente as hostilidades com dois ensaios: Santiago Fernandez aos 5″ e Juan Leguizámon aos 9. Mais dois se seguiriam ainda dentro do 1º tempo com Juan Figallo e Amorosino. Os Romenos respondiam com uma penalidade de Dimofte e um ensaio de Ionel Cazan. Na 2ª parte, Juan Imhoff e Genaro Fessia haveriam de chegar ao ensaio nos minutos finais quando o seleccionador Santiago Phelan já optava por fazer descansar os seus principais jogadores e rodar os menos experientes de modo a prepará-los para qualquer eventualidade que surja durante a prova.

2. Os Argentinos anularam por completo o forte Romeno, ou seja, o poder de penetração dos seus avançados no pick and go. Quando alguém o consegue fazer, bloqueia por completo as soluções de jogo dos Romenos. Eventualmente, o leitor mais atento e interessado pergunta-se porque é que Portugal não monta soluções para parar as investidas de jogo dos avançados romenos e bloquear as soluções de jogo dos Romenos. A resposta é simples: não desprezando por completo a qualidade e o notório esforço e luta que os avançados portugueses entregam ao jogo, estes estão a anos luz da vivacidade e da virilidade de homens como Leguizámon, Ledesma, Fernandez Lobbe, Juan Figallo, Patricio Albacete, Rodrigo Roncero ou Martín Scelzo. Se os Romenos são duros de roer, os avançados Argentinos ainda mais duros são. Aqui está o segredo do rugby argentino.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

RWC (3)

Dia 3 decorreu sem surpresas de maior.

Austrália e Irlanda venceram contra adversários menos cotados, como se previa. Os Australianos bateram a Itália sem dificuldades de maior por 32-6. Já os Irlandeses sofreram com os Norte-Americanos por 22-10, não alcançando o ponto de bónus ofensivo. 

No jogo grande, a África do Sul sentiu muitas dificuldades, como era de esperar, frente ao País de Gales, derrotando os Galeses por 17-16.

Assim, de forma breve:

1. A Austrália bateu a Itália por 34-6.

Num jogo incaracterístico nos primeiros minutos em que a jovem Austrália (a mais jovem Austrália ao nível de média de idades a participar num campeonato do mundo) teve muitas dificuldades em aplicar o seu jogo ofensivo baseado nas rápidas circulações de bola entre os seus jogadores, a Itália conseguiu retardar o máximo que pode o primeiro ensaio Australiano. De um lado, a Austrália denota em muito a ausência do seu principal criativo, o médio de abertura Matt Giteau, jogador cujo seleccionador Robbie Deans, quase que de forma inexplicável, deixou de fora dos seleccionados.

Vozes do passado dos Wallabis (Greegan; Larkham, Tuqiri) chegaram mesmo publicamente a revoltar-se contra o Neo-Zelandês por ter deixado o principal criativo da equipa em terras Australianas. Nota-se que apesar do facto de Quade Cooper e Luke Burgess serem uma dupla de enorme valia para a Selecção Australiana, nenhum dos dois consegue atingir o máximo de soluções de jogo, de inteligência, de raça e visão de Giteau.

Enquanto a Itália praticava o típico jogo europeu – lutar contra os avançados Australianos em busca das faltas que pudessem dar penalidades e assim retardar a marcha Australiana será sempre uma tarefa ingrata para as selecções europeis – a Austrália não tinha grandes soluções no ataque. Prova disso foi o ponto de bónus atingido de forma tardia na segunda parte, já com o jogo totalmente partido para o campo Italiano. Até lá, a Austrália sentiu dificuldades e recorreu mesmo às penalidades para construir o seu resultado e expulsar lentamente o gáudio italiano motivado por estar em altura maior do jogo com hipóteses de o discutir.

De um 6-6 incómodo para a Austrália no primeiro tempo (2 penalidades de Quade Cooper bem secundadas por 2 belas respostas de Mirco Bergamasco por intermédio do mesmo veneno, muito bem trilhado pelas acções de avançados como Parisse ou Castrogiovani) Deans puxou as orelhas aos seus jogadores de uma forma tal, que a Austrália teve que puxar dos galões na 2ª parte para bater a pobre Itália. Daí que o ensaio do pilar Ben Alexander numa bela entrada de avançados tenha aberto o caminho da vitória para os Australianos. Depois, foi o que se viu. Ashley-Cooper, James O´Connor e Digby Ioane deram o show do costume dos homens lá de trás do 15 Australiano. A Itália, foi obviamente fraquejando com o decorrer da partida.. 

2. A Irlanda teve de suar ainda mais para bater a comezinha selecção Norte-Americana.

Um misto de juventude e veterania constitui uma Irlanda que a jogar assim, terá bastante dificuldades em conseguir um bom resultado na prova.

Brian O´Driscoll, lendário capitão Irlandes resumiu muito bem a partida no flash-interview: “Tivemos de trabalhar de forma árdua para ganhar esta partida” – disse.

Perante um adversário muito aguerrido do ponto de vista defensivo, valeu aos Irlandeses o vedetismo mais que assumido e justificado de O´Driscoll e do senhor da imagem, Tommy Bowe.

3. No grande jogo desta 1ª jornada, os Springboks entraram a vencer perante a fortíssima selecção Galesa.

De forma resumida e sucinta, a breve análise do jogo que foi escrita no site do mundial acerca deste jogo serve perfeitamente para narrar aquilo que se passou nas 4 linhas:

“South Africa captain John Smit was a relieved man after his side squeezed out Wales 17-16 in their opening Pool D match at Wellington Regional Stadium, scoring two tries to one.

Behind 16-10 at the 64-minute mark, the defending world champions shunned a kickable penalty goal to kick for the line and press for a try.

Their enterprise was rewarded a minute later when replacement back Francois Hougaard took advantage of a tiring Wales defence to storm through a gap and dive triumphantly under the posts for what turned out to be the winning try.

“We’re happy to get off the mark like that (with a win),” said South Africa captain John Smit. “Wales played well and kept us in our half so we didn’t get the chance to play much. But when when had our chance (to score a try) we took it.”

Things could have been different had a penalty from Welsh full-back James Hook been awarded when it looked as if it had curled inside the right-hand post, but was waved away by referee Wayne Barnes.

That would have made the score 7-6 after 15 minutes, but it remained 7-3 and South Africa immediately went down the park and were awarded a penalty, which Morné Steyn converted take it to 10-3.

Gatland philosophical

Wales coach Warren Gatland was philosophical about the kick that was not awarded.

“I thought it was interesting at half-time when we went in the tunnel and we were saying we thought the kick was over and Frans Steyn said, ‘Yeah, I thought it was over as well’.

“That’s the drama of sport. That’s why we’re all involved in it. You take the good with the bad and that penalty was potentially costly, but we missed a drop goal and a penalty.

“Good sides take disappointment on the chin and they face up next week.”

South Africa had played the match at a territorial and possessional disadvantage, as Wales scrapped and fought for every ball. The Springboks’ normally reliable kicking game often gifted easy possession straight back to Wales, who ran it bravely back into the teeth of the brutal South Africa defence.

Their hard running was rewarded when number 8 Toby Faletau twice busted the otherwise solid Springbok defensive line and also bagged himself a try with another strong run.”

Acrescento,

Cuidado com esta África do Sul. Se o torneio das 3 Nações revelou uma falsa imagem desta veterana selecção, nos campeonatos do mundo todos somos sapientes que atitude springbook vem ao de cima e que as suas selecções presenteiam-nos com o seu melhor rugby.

Gales também acaba por ser uma séria candidata às meias-finais depois do que vi da sua prestação. Sam Warburton é um fantástico 3ª linha assim como o defesa James Hook é uma confirmação.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

William Webb Ellis Cup

Em Outubro de 2007, em pleno Stade de France em Paris, o brilhante talonador John Smit recebeu das mãos do Presidente da República Francesa Nicolas Sarkozy a 2ª Taça do Mundo para a África do Sul.

De 4 em 4 anos, esperamos sempre por este momento.

Na Nova Zelândia, os melhores irão competir pela William Webb Ellis Cup. A selecção da casa é a favorita e tenta aproveitar o factor-casa para voltar a vencer um título mundial que só  venceu precisamente em território Neo-Zelandês em 1987 na 1ª edição do campeonato do mundo.

Não vou estar aqui a fazer uma antevisão sobre a prova, mas irei postar sobre algumas partidas nas próximas semanas. Numa primeira linha de “contenders” estão a África do Sul, a França, a Nova Zelândia, a Austrália e a Inglaterra. Numa 2ª linha, coloco a Irlanda e o País de Gales. Excluo a Argentina por razões óbvias: estes últimos 4 anos foram muito turbulentos para os Pumas, com a retirada de jogadores importantes da sua selecção como o médio-de-formação Pichot, o pontadefesa Corleto, entre outros, e a entrada de muita juventude na sua selecção.

A cerimónia da abertura está marcada para a 8 e meia da manhã. Terá transmissão na Sporttv, assim como os restantes jogos do mundial. Para as 9 e meia da manhã está marcado o primeiro jogo, com a selecção da casa a receber a selecção de Tonga.

A competição pode ser acompanhada aqui.

Nos por cá torcemos pela Austrália.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , ,

Pelos jogos internacionais…

http://videa.hu/flvplayer.swf?v=RT1qphGQhgB7hnyk

A Dinamarca não vacilou e levou de vencida uma inofensiva Noruega. A Noruega pouco fez durante a partida e acaba por dar um passo atrás na qualificação. Bendtner marcou os golos da Selecção Dinamarquesa.

A Islândia bateu o Chipre por 1-0.

O primeiro lugar do grupo é repartido pelas 3 selecções, mas Portugal corre na frente. A Dinamarca é 2ª. A Noruega 3ª com mais um jogo.
Na próxima jornada, a 7 de Outubro, Portugal recebe a Islândia no Estádio do Dragão no Porto e a Dinamarca vai a Nicósia defrontar o Chipre. Folgará a Noruega.

Abrem-se cenários para a próxima jornada:
1. Em caso de vitória Dinamarquesa, a Dinamarca apura-se para os playoffs. Mesmo em caso de derrota de Portugal, tudo se irá decidir em Copenhaga na última jornada.
2. Em caso de vitória Portuguesa, Portugal não se apura para os playoffs, mas deixa a questão praticamente arrumada para a última jornada onde até poderá perder contra a Dinamarca em Copenhaga que muito dificilmente irá ceder o seu lugar à Noruega pela questão da diferença de goal-average entre as duas selecções.

– No grupo A, a Turquia não quis dar a machadada final na Bélgica tendo empatado hoje na Áustria a 0 bolas. Arda Turan, o jogador talismã dos turcos no passado jogo de sexta-feira (marcou o golo da vitória aos 6 minutos do período de descontos) foi o vilão deste jogo ao falhar uma preciosa grande penalidade já para além da hora. 

O Azerbeijão ganhou ao Cazaquistão por 3-2.

A Alemanha já se tinha qualificado na sexta-feira. A Turquia é 2ª com 14 pontos. A Bélgica tem 12 e a Áustria com 8 está eliminada.
Na próxima jornada, o Azerbeijão recebe a Áustria, a Bélgica recebe o Casaquistão e em caso de vitória dos Belgas, estes poderão aproveitar um eventual resultado negativo da Turquia em Instambul perante a Alemanha. Todavia, terão sempre que medir forças com a Alemanha na última jornada em Dusseldorf.

– No grupo B

Empate da Rússia e da Irlanda em Moscovo. Um bom resultado para as 2 selecções. A Rússia porque continua na liderança. A Irlanda porque sabe perfeitamente que é difícil vencer na Rússia, pontua, não perde o 2º lugar e continua a acalentar o 1º pois continua a 2 pontos da Rússia.

A surpresa da jornada acabou por vir de Zilina. A modesta Arménia foi à cidade Eslovaca golear a selecção da casa por 4-0 e continuar a surpreender meia europa. Esta goleada põe o grupo B ao rubro e faz sonhar o povo Arménio. Nunca antes esta antiga república soviética esteve tão perto de sonhar com a qualificação.

A Macedónia ganhou 1-0 a Andorra em casa.

A Rússia continua a liderar com 17 pontos. 15 tem a Irlanda. Com 14 estão a Arménia e a Eslováquia.
Na próxima jornada, teremos 3 jogos emocionantes: em teoria, a Arménia tem vantagem em defrontar a Macedónia em casa. A Eslováquia joga o tudo ou nada em Zilina contra a Rússia. A Irlanda vai a Andorra.

1. Em caso de vitória Russa, esta selecção garante praticamente a passagem ao Europeu pois na última jornada recebe a humilde selecção de Andorra.
2. A selecção Eslovaca em caso de derrota fica de fora do europeu.
3. A selecção Eslovaca em caso de vitória irá marcar 17 pontos. Continuará empatada com a Arménia (caso esta vença= e neste cenário com a Rússia, mas também continuará em 4º lugar devido ao goal-average negativo que tem em comparação com o goal-average abundante de Russos e Armenos. A Rússia poderá perder o primeiro lugar caso a Irlanda vença e até o 2º caso a Arménia vença.

-No Grupo C

A Itália voltou a utilizar a receita do costume para vencer a Eslovénia e apurar-se para o Europeu. No Artémio Franchi em Florença, os italianos não jogam por aí além mas tiveram um Pazzini inspirado nos minutos finais a facturar numa baliza onde (pela sua passagem no passado pela Fiorentina) conhece bastante bem o sabor do golo.

A Sérvia ganhou 3-1 às Ilhas Faroe e saltou para a 2ª posição do grupo. A Eslovénia acabou por ser a grande derrotada da noite pois também viu a Estónia saltar para a 3ª posição depois de vencer a Irlanda do Norte em Talinn por 4-1. A luta pelos playoffs continua ao rubro neste grupo C: a Sérvia é 2ª com 14 pontos, a Estónia 3ª com 13. Os estónios tem mais um jogo assim como os eslovenos, que com a derrota de hoje não estão matematicamente eliminados mas irão necessitar que a Sérvia perca na próxima jornada em casa frente à Itália, que a Estónia perca ou empate na Irlanda do Norte e que na última jornada possam ganhar aos Sérvios em Ljubliana.
Na próxima jornada, a Sérvia recebe a Itália, tendo a selecção transalpina a possibilidade de baralhar as contas dos sérvios caso vença e caso a Estónia vá vencer a Belfast.

– Grupo D

No jogo grande, a França empatou em Bucareste a 0 bolas e conseguiu um autêntico “matchpoint” na qualificação.
A Bósnia também obteve um “matchpoint” ao vencer nos últimos minutos a Bielorrussia em Sarajevo com um golo de Misimovic aos 87″, dois minutos depois da expulsão do 2º defesa Bielorusso Kalachev. O primeiro (Martynenko) já tinha sido expulso por acumulação no decorrer da 1ª parte.

O Luxemburgo obteve uma vitória histórica em casa, vencendo a Selecção Albanesa por 2-1.

A França lidera com 17 pontos. A Bósnia tem 16. Ambas garantem praticamente os playoffs. A Roménia tem 12 assim como a Bielorussia.

1. Na próxima jornada, a Roménia recebe os Bielorussos, num jogo em que quem perder pontos será eliminado e quem puder vencer também poderá ser eliminado, caso a Bósnia e a França vençam os seus jogos. A Bósnia recebe o Luxemburgo, a França recebe a Albânia.
Mesmo em caso de vitória Romena, caso a Bósnia e a França vençam os seus jogos, garantem o lugar que lhes permite jogar os playoffs.
2. Caso a França vença e a Bósnia perca o seu jogo, a França garante a qualificação e em caso de vitória da Roménia ou da Bielorrússia, ambas poderão ter uma palavra a dizer na última jornada.
3. Caso a França perca ou empate o seu jogo e a Bósnia vença, a Bósnia vai para a primeira posição e em caso de vitória da Roménia ou da Bielorrússia, estas continuarão a acalentar hipóteses de qualificação na última jornada.

– No Grupo E

A Holanda venceu a Finlândia em Helsínquia por 2-0 num jogo em que o avançado do PSV Kevin Strootman continua a consolidar o seu lugar na laranja mecânica com a obtenção de mais um golo. A Finlândia foi sempre incipiente nas suas acções ofensivas e nunca criou grande perigo à baliza de Maarten Stekelenburg durante os 90 minutos da partida. A Holanda esteve por várias vezes perto do 2º golo e incomodou várias vezes a baliza finlandesa na 2ª parte ora pelas boas arrancadas de Eljero Elia pelo flanco esquerdo ora pelos passes em desmarcação com que Sneijder ia servindo os colegas. Seria De Jong a carimbar a vitória mesmo em cima do apito final, quando a Finlândia já jogava reduzida a 10.

A Hungria cumpriu a sua tarefa e foi vencer à Moldávia por 2-0. A Suécia venceu em São Marino por 6-0 e ascendeu à 2ª posição pelo goal-averagem superior aos Húngaros, que tem mais um jogo que os suecos. Na próxima jornada, os Suecos poderão carimbar a passagem aos playoffs caso vençam a Finlândia em Helsínquia. Caso contrário tudo será decidido na última jornada.

– No grupo F

Nos primeiros 45 minutos em Zagreb, a Selecção Israelita vencia por 1-0, marcava oficialmente 16 pontos na classificação (na prática eram os mesmos que os croatas) e viam a Grécia a perder por 1-0 na Letónia, facto que punha os gregos também com os semelhantes 16 pontos. Com este cenário de intervalo em Zagreb, os croatavas lideravam, os gregos eram 2ºs e os israelitas 3ºs com os mesmos pontos, com Israel com mais um jogo.
Na 2ª parte, Modric, Eduardo da Silva e companhia viraram o marcador em prol dos croatas, eliminaram Israel e viram a Grécia de Fernando Santos perder pontos na Letónia, ao empatar quase ao cair do pano por intermédio de Papadopoulos num jogo em que os Gregos tiveram que sair da sua habitual retranca para massacrar os Letões…na retranca!! De nada valeu o ímpeto de Giorgios Samaras e companhia. A Croácia passou para a frente do grupo.

Em La Valleta, dia de festa para os Malteses com o empate caseiro frente à Geórgia a 1 bola.

A qualificação será discutida a dois nas próximas jornadas. No que diz respeito à próxima, a Grécia recebe a Croácia em Atenas. A Grécia passa para a frente do grupo caso vença. A Croácia qualifica-se caso vença e fica em grande posição caso empate.

Letónia – Malta será um jogo para cumprir calendário.

– No grupo G,

Ashley Young fez Capello respirar de alívio perante a ameaça de uma moralizada selecção de Gales. O jogador do United confirmou a excelente forma ao dar a vitória à Old-Albion perante a vizinha selecção galesa.

http://www.dailymotion.com/embed/video/xkwxb1

No Saint Jakob Park de Basileia, a Suiça aproveitou a folga de calendário de Montenegro para equilibrar a balança com a turma balcânica. Era o jogo de tudo ou nada de Suiços e Búlgaros. Quis o talentoso médio ala de 20 anos Xherdan Shaqiri colocar ao rubro o público Suiço na sua própria casa (Shaqiri actua pelo Basileia) com um hat-trick no 2º tempo. A Bulgária ainda alimentou as esperanças de bater os Suiços durante 36 minutos devido a um golo madrugador de Ivaylo Ivanov.

A Inglaterra lidera o grupo com 17 pontos (+ 1 jogo). Montengro é 2ª com 11 pontos. A Suiça tem 8 pontos. A Bulgária tem 5 e mais um jogo, estando portanto eliminada. Gales 3.
Na próxima jornada, Gales recebe a Suiça enquanto Montenegro recebe a Inglaterra em Podgorica.

1. Em caso de vitória da Suiça e derrota de Montenegro, basta apenas o cenário de 1-0 para que a Inglaterra se apure e a Suiça ultrapasse a selecção montengrina.
2. Em caso de vitória de Montengro perante a Inglaterra e derrota Suiça, a Inglaterra continua na primeira posição com 17 pontos mas só será qualificada directamente se Montenegro conseguir superar os 10 golos de goal-average que tem de diferença para os ingleses. Neste cenário, Montenegro segura pelo menos os playoffs. Caso contrário terá que jogar os playoffs na Suiça na última jornada.

Grupo I

A Roja venceu o pobre Lichstenstein por 6-0 com bis de Negredo e David Villa e restantes golos a serem apontados por Xavi e Sérgio Ramos. A Espanha está qualificada para o Europeu.

A Escócia venceu a Lituânia por 1-0 e relança os escoceses na luta pelos playoffs.

A Espanha lidera com com 18 pontos. A República Checa tem 10 pontos, a Escócia tem 8. Os Escoceses poderão ascender à 2ª posição do grupo se vencerem no Lichstenstein e se a República Checa perder com a Espanha em Praga não sendo porém linear que estes resultados decidam a qualificação porque na última jornada, teremos os escoceses a jogar em Espanha e a República Checa a jogar na Lituânia.

Outras zonas de qualificação:

Ásia – 1ª fase de gruposqualificação 2014 – 2ª jornada

– A Jordânia lidera o grupo A com 6 pontos depois de bater a China por 2-1. A China é 2ª com 3 pontos. O Iraque também somou 3 pontos ao bater Singapura por 2-0 fora.

– No Grupo B, a Coreia do Sul não foi além de um empate no Kuwait a 1 bola. Mesmo assim os Sul-Coreanos lideram o grupo com 4 pontos, os mesmos do Kuwait. No outro jogo do grupo, o Líbano venceu por 3-1 os Emirados Árabes Unidos e somou 3 pontos.

– No grupo C, Uzbequistão e Japão empataram a 1 bola e lideram o grupo com 4 pontos. A turma nipónica esteve a perder a partir dos 9 minutos até ao minuto 65. A Coreia do Norte venceu em casa o Tadjiquistão por 1-0 e somou 3 pontos.

– No grupo D, a Austrália destacou-se na liderança ao vencer a Arábia Saudita fora por 3-1 com golos de Joshua Kennedy e Luke Wilkshire. A Austrália tem 6 pontos. A Tailândia é 2ª com 3 depois de ter batido Omã por 3-0.

– No grupo E, Qatar e Irão empataram a 1 bola. Os Iranianos estão na liderança do grupo com 4 pontos em paridade com o Bahrein, que foi à Indonésia bater a selecção da casa por 2-0. O Qatar tem 2 pontos.

Amigáveis:

Ontem, em Londres (Craven Cottage – estádio do Fulham) a canarinha venceu o Gana por 1-0 mas não se exibiu ao seu bom nível. Ronaldinho voltou à selecção por escolha pessoal de Mano Menezes para dotar o escrete de um jogador que se tem exibido a alto nível no plano interno e reune a simpatia e carinho do povo brasileiro. O jogador do Flamengo não tem a mesma velocidade de outros anos mas tentou de tudo para marcar neste golo contra o Gana. De livre, obrigou o guarda-redes Ganês a defesas apertadas. Na 2ª parte, fez uma abertura a isolar Alexandre Pato que foi absolutamente sublime e acabou por ser uma das jogadas mais bonitas da partida.
O jogador do Sporting Elias foi titular e jogou os 90 minutos pela canarinha. Hulk entrou na 2ª parte e esteve apagado. O Porto foi buscá-lo a Londres de jacto e o atleta jogou hoje pelo FC Porto na marinha grande contra o Leiria.

Leandro Damião, avançado que esteve na mira do Porto, marcou o único golo de uma partida que ficou estragada a meio da primeira parte por uma expulsão duvidosa de Daniel Opare depois de uma falta muito bem aproveitada pelo experiente central Lúcio para sacar o segundo amarelo ao jogador Ganês.

Depois do amigável frente à Venezuela em Calcutá, a Argentina defrontou na tarde de ontem a Nigéria em Dacca, capital do Bangladesh. Messi voltou a não marcar, mas deu o primeiro a Higuaín e contribuiu no 2º com um poderoso remate que o guarda-redes nigeriano defendeu directamente para o desvio de DiMaria para o fundo das redes. Elderson cometeu auto-golo enquanto Obasi marcou o tento de honra dos nigerianos.

Em Gdansk, cidade dividida entre Polacos e Alemães ao longo da história, Polónia e Alemanha disputaram um interessante amigável que terminou empatado a 2 bolas. Os jogadores do Dortmund Lewandowski e Kuba Blaszczykowski marcaram os golos para os Polacos. Toni Kroos e Cacau para os Alemães.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Pelos jogos internacionais

http://www.metacafe.com/fplayer/7143554/cyprus_0_4_portugal.swf

Em Chipre, os tugas lá ganharam e ultrapassaram o assunto da ordem: Ricardo Carvalho!

Não foi um jogo propriamente fácil. Os Okkas e os Charalambides não fizeram lembrar Guimarães nem nada que se pareça… No entanto, a nossa selecção (mesmo a jogar com 10 depois de uma expulsão certíssima de um jogador cipriota que se decidiu armar em guarda-redes) esperou até às últimas para confirmar a vitória e dar um toque de goleada que não ilustra aquilo que se passou em campo.

Cristiano Ronaldo acabou por ser a figura do jogo com 2 golos, mesmo apesar dos cânticos do cipriotas em homenagem a Lionel Messi.

Continuamos no bom caminho e tivemos quase quase a descolar da Noruega, que em casa, esteve quase a patinar no gelo frente à Islândia. Só aos 87 minutos é que o avançado do Hannover da Alemanha Mohammed Abdellaoue conseguiu “cravar” uma grande penalidade aos islandeses e consequentemente concretizá-la.

Terça-Feira teremos os olhos postos em Copenhaga onde a Dinamarca nos poderá dar uma ajuda caso vença ou empate com a Noruega:

1. Em caso de vitória Dinamarquesa, ficarão as 3 selecções com 13 pontos, mas a Noruega terá um jogo a mais, logo cairá para o 3º lugar. A Dinamarca ultrapassa Portugal caso consiga bater os Noruegueses por uma diferença de 7 golos.

2. Em caso de empate, a Noruega lidera com 14 pontos e mais um jogo. Portugal será 2º com 13. Dinamarca 3ª com 11 e os mesmos jogos de Portugal.

3. Em caso de vitória Norueguesa, a Noruega irá liderar com 16 pontos, Portugal ficará com 13 e menos um jogo e a Dinamarca com 10 estará impossibilitada de chegar à 1ª posição do grupo.

Nos restantes grupos:

– No grupo A, David Alaba (jogador talentoso do Bayern Munique) viu a sua Áustria ser goleada pelo rolo compressor da Mannschaft por 6-2.

Os meninos da Mannschaft continuam a maravilhar o mundo com o seu bonito futebol. Uma noite para nunca mais esquecer para Mezut Ozil. O 10 do Madrid apontou o seu primeiro hat-trick pela selecção e em todos os golos teve nota artística elevada. Andre Schurrle (3º golo em 2 jogos), Podolski e Mario Gotze marcaram os restantes golos da Mannschaft. Mesmo apesar de ter mudado de armas e bagagens para a Lázio de Roma, Miroslav Klose continua a ser chamado à selecção e teve grande preponderância no 1º golo da sua selecção.

Mário Arnautovic e Harnik marcaram os tentos de honra dos pobres Austríacos.

Nos outros jogos do grupo, a Turquia bateu o Cazaquistão com muitas dificuldades em Instambul. Arda Turan, jogador recentemente contratado pelo Atlético de Madrid ao Galatasaray marcou aos 90+6″ o golo da vitória turca, golo que recoloca os turcos no 2º lugar do grupo com 13 pontos, num grupo em que a Alemanha assegurou matematicamente a qualificação.

A Bélgica de Defour e Witsel patinou no Azerbeijão. Os Belgas estiveram a vencer até aos 86 minutos. Os Belgas estão na 3ª posição com 12 pontos. Como a Turquia tem menos um jogo e a Bélgica tem que ir jogar à Alemanha em Outubro, os Belgas poderão ter dito adeus ao europeu.

Terça, a Áustria recebe a Turquia.

– No Grupo B, a competição está feroz. A Rússia sofreu para bater em Moscovo a Macedónia. Semshov foi o autor do golo russo e recoloca a Rússia na liderança com 16 pontos.

A Irlanda e a Eslováquia empataram a 0 em Dublin e continuam ambas com 11 pontos. Quem também espreita o 2º lugar é a modesta Arménia. Os Armenos marcam 11 pontos depois de terem batido Andorra por 3-0 fora.

A próxima jornada promete ser importante para o desfecho deste grupo. Na próxima terça-feira, a Rússia recebe a Irlanda e pode trilhar o seu caminho rumo à PolóniaUcrânia. A Eslováquia terá que medir forças com a Arménia. Caso os Armenos vençam e a Irlanda perca, o 2º lugar fica ao rubro com as 3 selecções com 14 pontos na ida para as últimas 2 jornadas.

– No grupo C a Itália foi fazer o resultado do costume às modestas Ilhas Faroe. 1-0, golo do regressado António Cassano.
O central do Inter Rannochia foi titular nos italianos, assim como foi novamente Thiago Motta e Christian Maggio. Alberto Aquilani e Mario Balotelli também voltaram a jogar pela Squadra Azzurra.

Os italianos lideram com 19 pontos e estão a 1 ponto da qualificação.

A Eslovénia marcou passo na Estónia por 1-2 e a Sérbia capitalizou o erro, vencendo a Irlanda do Norte em Belfast por 1-0 com golo de Pantelic.
A Eslovénia continua em 2º com 11 pontos, os mesmos da Sérvia. A Estónia relançou o sonho de marcar presença no europeu, estando em 4º com 10 pontos. Já a Irlanda do Norte passou para o quinto lugar com 9 pontos mas ainda poderá conseguir vaga para o playoff.

Na próxima jornada, a Itália poderá qualificar-se e baralhar ainda mais as contas do grupo se vencer a Eslovénia no Artémio Franchi em Florença. A Sérvia terá pela frente as Ilhas Faroe em Belgrado e poderá aproveitar um deslize da sua antiga república. No jogo do mata-mata, em Tallinn, a Estónia recebe a Irlanda do Norte e pode manter bem vivo o sonho dos playoffs.

– No grupo D, a França está a fazer uma qualificatória menos sofrida que as anteriores. Na Albânia, os Franceses venceram por 2-0 com Benzema a abrir o marcador.

A Bósnia deu um passo importante rumo aos playoffs, ao bater a Bielorrussia em Minsk por 2-0. Os Bósnios são 2ºs com 13 pontos enquanto os Bielorrussos (com 12 pontos em 8 jogos) disseram praticamente adeus à possibilidade do playoff. A Roménia (11 pontos com 7 jogos) venceu o Luxemburgo fora com dois golos do extremo Gabriel Torje e continua a lutar pelos playoffs.

Na próxima jornada, a Bósnia recebe a Bielorrussia enquanto a Roménia se tentará defender contra a França.

Abrem-se aqui alguns cenários:

1. Se a Bósnia bater a Bielorrussia, não só tira os Bielorrussos do caminho como poderá passar para a frente do grupo com uma vitória acima de 4 golos caso os Franceses percam (p.e 1-0 com os Romenos)

2. Se a Bósnia perder com a Bielorrussia e a França bater a Roménia, os Franceses dão um passo em frente com 19 pontos contra os 15 dos Bielorusssos (+1 jogo), os 13 Bósnios e os 11 Romenos.

3. Se a Bósnia empatar com a Bielorrussia e os Romenos baterem a França, a Roménia passa para o 2º lugar do grupo com 14 pontos em igualdade com os Bósnios.

4. Se a Bósnia vencer a Bielorussia e os Franceses empatarem com Romenos, a França lidera com 17 pontos contra os 16 de Bósnios, 12 de Bielorussos e Romenos.

– No grupo E

Os Holandeses ofereceram o Happy Meal do dia aos pobres jogadores amadores de São Marino.

11-0 com poker de Van Persie (para esquecer os 8 que apanhou no fim-de-semana anterior com o Manchester) bis de Klaas-Jan Huntelaar e Wesley Sneijder e outros golos de Heitinga, Wijnaldum e Dirk Kuyt.

A Holanda lidera com 7 vitórias.

A Suécia escorregou em Budapeste. A Hungria (embora com mais um jogo que os suecos) igualou-os a 15 pontos com uma vitória por 2-1. Mesmo com um jogo a mais, os Húngaros torcem para que na próxima jornada algo possa correr mal com a Suécia nas últimas jornadas. Dificilmente poderá ser na próxima, pois a turma Sueca irá a São Marino. No jogo de hoje, o avançado do Bari Gergely Rudolf foi o herói da partida ao apontar o golo da vitória magiar aos 90″.

A Finlândia bateu a Moldávia em casa por 4-1 num resultado que pouco importa visto que as chances finlandesas são nulas.

Na terça-feira, a Finlândia recebe a Holanda, a Moldávia recebe a Húngria e a Suécia vai a São Marino. A Holanda poderá confirmar já na terça-feira o apuramento.

– No Grupo F, Fernando Santos e a sua Grécia continuam a liderar depois da vitória por 1-0 em Israel. Sotiris Ninis marcou o único golo da partida.

A Grécia tem 17 pontos contra os 16 da Croácia, que foi vencer a Malta com facilidade (3-1). Israel (13 pontos; +1 jogo) hipotecou a sua campanha nesta jornada.
No outro resultado do grupo, a Letónia foi vencer á Geórgia por 1-0.

Na próxima jornada teremos a Cróacia a receber Israel e a Grécia a defrontar a Letónia. Creio que o cenário mais certo seja a vitória das duas equipas da frente do grupo. Se tal acontecer, ambas garantem pelo menos o playoff e deixam a discussão da qualificação para as últimas 2 jornadas.

– No grupo G,

A Inglaterra foi a Sófia resolver o encontro na 1ª parte. 3 golos no 1º tempo por intermédio de Gary Cahill e 2 de Wayne Rooney chegaram para reforçar a liderança inglesa no grupo com 14 pontos. A Bulgária de Lothar Matthaus é uma selecção muito descolorida sem Berbatov, necessitando que apareça um novo jogador que seja excepcional.

Os Ingleses aproveitaram a solidariedade Britânica concedida por Gales. Gales estava a fazer uma campanha frustrante até hoje, momento em que a selecção galesa bateu Montenegro por 2-1 em casa. Craig Bellamy, Aaron Ramsey e Gareth Bale foram titulares na selecção de Gales; Simon Vukcevic, Stevan Jovetic, Stefan Savic e Mirko Vucinic titulares em Montenegro; Ramsey foi decisivo ao marcar o 2º golo dos Galeses e Gareth Bale fez um jogão segundo o site da UEFA; Jovetic marcou o golo montenegrino.
Montenegro, continua na 2ª posição com 11 pontos.

A Suiça folgou e continua com 5 pontos, ou seja, muito longe do apuramento.

Na próxima jornada, Montenegro folga. Se os Suiços quiserem ter uma réstia de esperança terão que bater a modesta Bulgária. O mesmo se aplica aos Bulgaros (têm 5 pontos como a Suiça). A Inglaterra poderá alcançar a qualificação caso vença Montenegro.

No grupo I, a Espanha folgou e já veremos o jogo que os espanhois fizeram esta noite mais à frente neste post.

No único jogo de hoje, a pobre Lituânia empatou a 0 bolas com o Liechstenstein em casa. Não chegará à República Checa, que amanhã jogará na Escócia. Os checos tem 9 pontos, poderão aumentar para 12 caso vençam mas ficarão com um jogo a mais que a Espanha que tem 15. Já os Escoceses tem apenas 4 pontos em 4 jogos, podendo passar para 7 caso vençam a República Checa e como tal relançar a luta pelos playoffs.

Na próxima jornada, a Escócia irá receber a Lituânia enquanto a Espanha irá confirmar a qualificação em Logroño diante do Liechstenstein.

Outras zonas:

Zona Ásiatica

Já a pensar no mundial de 2014, iniciou-se a 1ª fase de grupos:

– Grupo A – A China venceu 2-1 Singapura. A Jordânia bateu o Iraque por 2-0.
– Grupo B – – A Coreia goleou o Libano em casa por 6-0. O Kuwait foi vencer fora os Emirados por 3-2.

– Grupo C – Vitória suada do Japão frente à Coreia do Norte por 1-0. Em Saitama, o Japão de Zaccheroni com muitas ausências de jogadores que actuam na Europa suou para bater os norte-coreanos. O Uzbequistão também levou de vencido o Tadjiquistão pelo mesmo resultado.

– Grupo D – A jogar em casa e com poucos atletas da convocatória normal, os Australianos bateram a Tailândia por 2-1. Joshua Kennedy e Alex Brosque resolveram um jogo muito difícil para os Australianos. A Arábia Saudita cedeu terreno em Omã, empatando a 0.

– Grupo E – O Irão não deu hipóteses à Indonésia (3-0). Qatar e Bahrein empataram a 1 bola.

Amigáveis:

Venezuela e Argentina foram testar jogadores e promover o futebol à India. Num amigável disputado em Calcutá, a Argentina levou a melhor por 1-0. Otamendi marcou o golo da Argentina na estreia do novo seleccionador Alejandro Sabella. Os Indianos ficaram porém maravilhados com Lionel Messi e com as suas boas arrancadas.

A Argentina provou não ter conseguido superar as falhas defensivas da era Maradona e Batista. A Venezuela podia ter ganho, não fosse o avançado do Málaga Rondón ter desperdiçado algumas chances de golo.

Ucrânia e Uruguai protagonizaram um bom ensaio. 3-2 para a selecção Uruguaia.

Depois da difícil vitória espanhola no mundial de 2010 por 2-1, a selecção espanhola voltou a demonstrar dificuldades perante a interessante selecção sul-americana.

O jogo desta noite, realizado em St. Gallen na Suiça, ficou marcado pelas cenas de violência que podemos ver no video que postei.

A Espanha iniciou o jogo a perder. Ao intervalo perdia por 2-0, fruto do golaço de Maurício Isla a abrir a partida. Irritado, Del Bosque colocou Iniesta e Fabrègas, jogadores que viriam a ser os obreiros da reviravolta espanhola.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Premier League – Antevisão

O melhor espectáculo do mundo já começou! Sem dúvida, a melhor liga do mundo. Pelo potencial das equipas, pelo espectáculo, pelos grandes derbys e clássicos, pela emoção até ao último minuto nas partidas e sempre até às últimas jornadas!

Pouco mais se pode dizer de um campeonato tão rico em talento e em emotividade.

O Manchester United tem outra vez a responsabilidade (quiçá o prazer) de defender novamente o título. Numa 1ª linha de candidatos terá os crónicos Chelsea,  Liverpool (tenho a certeza que será capaz de voltar aos grandes resultados internos) Arsenal (mais frágil devido à saída de Fabrègas) e o “emergente” Manchester City.

Com os olhos postos na Champions e nos lugares europeus estarão sempre equipas como o Tottenham, o Aston Villa, Fulham, Everton e quiçá o renovado Newcastle. Outra equipa de meio da tabela poderá sempre ser um outsider na prova, dado o potencial que todas as equipas demonstram. Cumpre-me novamente dizer que esta antevisão poderá ter erros ou poderá sofrer mudanças até ao dia 31 de Agosto, data de fecho do mercado de transferências. Os 8-2 do Manchester ao Arsenal no dia de ontem apanharam-me em contramão na escrita deste post. Mesmo assim, a derrota histórica sofrida pelos Gunners não vai alterar em nada o que penso sobre o clube londrino. No fim, os pequenos excertos que pertencem ao Tottenham e ao Blackburn já foram escritos com base nos resultados que os clubes obtiveram na 3ª jornada da prova. O meu obrigado a quem lê a antevisão.

Manchester United

Sir. Uma lenda viva do futebol mundial. Ao longos dos últimos anos em Manchester, muito se tem dito sobre Alex Ferguson e sobre o futuro do clube de Manchester sem o manager escocês.

Por outras palavras, muita tinta se tem derramado nos jornais ligados ao fenómeno desportivo sobre o ano em que Sir se vai retirar do futebol e qual vai ser o seu sucessor. Ultimamente, o Guardian afirmou que o manager escocês pretende retirar-se no final desta época, encerrando o seu enorme pecúlio pelo futebol no clube de Manchester com uma entrada gloriosa no seu último capítulo enquanto treinador de futebol com o desafio de guiar a selecção olímpica da Grã-Bretanha no torneio de futebol dos Jogos Olímpicos de 2012. A seu tempo, Ferguson não desmentiu nem confirmou a eventualidade de se retirar do United no fim desta época e não descartou o desejo de orientar a selecção olímpica britânica. O seu sucessor é obviamente outro dos enigmas que faz vender jornais em Inglaterra. Ferguson é um homem vivido no futebol e decerto já deverá ter indicado na “board” do seu clube um ou vários nomes para continuar o seu trabalho.

Nomes jovens, visto que o Manchester está mais que rotinado com a experiência Ferguson a dar tempo e espaço aos seus técnicos e jogadores desde a entrada no clube até ao sucesso. Digo experiência ferguson sem aspas. O escocês entrou no clube pela porta pequena e demorou a vencer. Pelo meio, o clube de Manchester não lhe indicou a porta da saída, mostrando um pouco daquilo que é a mentalidade de gestão de um clube no Reino Unido. Os Portugueses Carlos Queiroz e José Mourinho aparecem como o sucessor do escocês. Queiroz é um dos pilares de muitos sucessos do United. Ferguson granjeou-lhe a confiança suficiente para o Português assumir o trabalho de campo da equipa.

Mourinho, apesar da rivalidade saudável (Ferguson é um dos técnicos cujo Português mais respeita e não entra nas habituais trocas de palavras) assume-se como o “special one” do escocês e mesmo no Real, saltará para Manchester muito facilmente caso o escocês lhe diga “és o meu sucessor”. Mike Phelan (actual adjunto do United) e David Moyes (Everton) poderão ser outras alternativas indicadas por Sir para o futuro do clube. Passando a outra conversa O Manchester inicia esta nova época com a defesa do título e com a ambição do costume: vencer todas as provas que vai disputar. Depois de um defeso que ficou marcado pelas renúncias de pilares importantes na vida do clube como Scholes, Van Der Sar e Gary Neville, Ferguson sentiu que era a hora de reforçar o plantel com gente capaz de assegurar o futuro do clube.

Entre as saídas desta época, para além dos veteranos que terminaram carreira, saíram jogadores que estavam no clube há muitos anos mas que nunca se afirmaram como titulares no United. Casos de Wes Brown e do o irlandês John O´Shea que saíram para o Sunderland. Outros jogadores que não se afirmaram em Manchester ou são demasiado jovens e precisam de rodar também acabaram por sair como o Português Bébé (por empréstimo para o Besiktas) Gabriel Obertan (rumou a Newcastle) ou Joshua King.

Para reforçar o plantel, a direcção do clube não olhou a gastos. Começou por substituir o “monstro” Van der Sar pelo talentoso David de Gea. 21,5 milhões foi o valor pago pelo jovem guarda-redes espanhol ao Atlético de Madrid. De Gea não está porem a ter vida fácil em Manchester. No entanto, o talento do espanhol garante-me a tranquilidade para dizer que o Manchester tem aqui guarda-redes para os próximos 15 anos. Para a defesa, 22 milhões foi o valor pago pelo lateral Phil Jones ao Blackburn, uma transferência cujo valor me espantou e cuja responsabilidade será enorme para o jovem lateral de 19 anos.

Para as alas, Ashley Young foi uma excelente decisão do Manchester. O extremo é um jogador fenomenal que vai acrescentar muito talento a um sector onde Nani era a única solução de classe mundial a meu ver. Quanto ao Português já lá vamos. Young estreou-se com pompa e circunstância pelo Manchester. No capítulo das incógnitas, continuam alguns jogadores. Durante o defeso, a comunicação social dava Nani como carta fora do baralho do plantel do Manchester. Se o clube o tivesse vendido seria um erro. Muito mais pelos 14 milhões que a imprensa falava ou até pela troca com Sneijder, jogador cujas características são apreciadas por Ferguson graças à falta de Paul Scholes e à não-afirmação por completo de Anderson, jogador que Ferguson comprou ao Porto e quis transformar em 8 (ainda que sem sucesso).

Nani continua portanto de pedra e cal no United e assume-se como uma das vedetas indiscutíveis da equipa. Também se especulou que Michael Carrick, Rio Ferdinand, Valência e Berbatov poderiam não ficar no Manchester 20112012. Tais rumores acabaram (por ora) por não se concretizar. É um plantel que ganhou bastante qualidade com as entradas. Di Gea será o titular na baliza e terá pouca concorrência do polaco Kuszczak e do dinamarquês Lindegaarde. Na defesa, Evra continuará a ter o flanco esquerdo. No centro da defesa, Nemanja Vidic, o grande Chris Smalling (arrisca-se a roubar o lugar ao veterano Ferdinand) e Rio Ferdinand irão continuar a garantir a qualidade que o Manchester sempre nos habituou. À direita, será um despique entre Phil Jones e Rafael da Silva. Fábio da Silva e o galês Johnny Evans (centroesquerda) tentarão ganhar o seu espaço perante as saídas de muitos defesas que aproveitavam as sobras dadas pelas lesões na defesa (O´Shea, Brown; num passado muito recente Mickael Silvestre antes de ser transferido).

O meio-campo do United assusta. Carrick, o veteraníssimo Ryan Giggs (ainda influente na equipa aos 37 anos) Park Ji-Sung (renovou; é fulcral pela sua versatilidade e pelo seu rigor táctico) Nani, Valência Ashley Young, Anderson, Darren Fletcher e os jovens Darren Gibson, Tom Cleverley garantirão excelência táctica e técnica e soluções para Ferguson.

Na frente, Wayne Rooney, Dimitar Berbatov, a jovem vedeta Chicarito Hernandez (colou muito bem no United o puto!), o veterano Michael Owen e os jovens Mame Diouf, Danny Welbeck (será de vez que vai assentar?) e Federico Macheda (voltou de empréstimo) dispensam apresentações e serão opções tanto para o centro do terreno para como para várias posições como a de nº10 (Rooney e Berbatov adaptam-se muito bem nestas posições) como para as extemidades do ataque (Welbeck; Diouf). Apenas Hernandez tem lugar garantido como o homem mais avançado no ataque. Um jogador que Ferguson soube moldar muito bem à sua maneira: o Mexicano veio como extremo e tornou-se um felino matador.

Manchester City

Tanto investimento e tanta ambição só pode resultar em glória. Este poderá ser o ano do City. Se avançarmos alguns metros a pé de Old Trafford (Teatro dos Sonhos) iremos dar ao City of Manchester, mansão imperial do Abu Dhabi and Hyde Park Entertainment Group, grupo que investiu no clube britânico cujo proprietário é Khaldoon Al Mubarak. Nos últimos 4 anos, o Abu Dhabi and Hyde Park Entertainment Group, principal grupo de investimentos dos Emirados Árabes Unidos, proprietário da Etihad Airways, da Etisalat, da Columbia Pictures e de metade dos negócios feitos em Abu Dhabi no ramo imobiliário investiu uma soma milionária no histórico clube Britânico.

Se a primeira fornada de jogadores contratada pelo clube de Manchester não deu garantias de sucesso a Sven Goran Erikson (jogadores como Elano, Jô, Martin Petrov, Zabaleta, depois Adebayor, Bellami, entre outros) o investimento triplicou mas na minha opinião, Roberto Mancini não é homem para treinar este arsenal em bruto. Falta muita ambição a Mancini para guiar à vitória um plantel quase perfeito. Como não poderia faltar, este defeso voltou a ser de revolução e aperfeiçoamento do plantel dos Citizens.

Saíram enumeros jogadores e entraram outros tantos: saíram Adebayor (via Tottenham depois de não ter vingado no Real Madrid) Shay Given (Aston Villa) Michael Ball e Michael Johnson (Leicester) Derdryck Boyata (Bolton) e o eslovaco Wladimir Weiss foi novamente emprestado do Dinamo de Kiev após uma boa época no Rangers Em decisão, continua o dossier de jogadores como Balotelli (apesar do seu talento, as confusões e problemas que o italiano gera poderão ter levado os responsáveis do Manchester City a poder colocar o jogador no mercado na última semana de transferências) Onohua e Wayne Bridge (não tem lugar num plantel com 11 defesas) Shaun Wright-Phillips (tem se falado da hipótese de rumar ao recém-promovido Queens Park Rangers) Adam Johnson e Gui Assulin e dos avançados Roque Santa Cruz e Craig Bellami. Ponderada ainda é a hipótese do Real Madrid levar Carlos Tevez, facto que só acontecerá se Florentino Perez passar um cheque a rondar os 70 milhões de euros, valor estipulado pelo City para libertar o Argentino.

O argentino Kun Aguero foi claramente um dos agitadores do mercado de transferências. Com a qualidade que o argentino possuí e a dificuldade que o Atlético (mesmo possuíndo planteis bastante interessantes) tem em conquistar títulos, seria muito difícil aguentar por muito mais tempo o assédio ao genro de Diego Armando Maradona. Rumou a Manchester. Pelo dinheiro e pela sede de triunfos. Não foi porém o único alvo certeiro do City neste defeso. Para a defesa, o clube contratou o defesa-esquerdo Francês Clichy ao Arsenal e o defesa-central Sérvio Savic ao Partizan, jogador que chegou a ser apontado ao Sporting. Do Arsenal, Clichy veio acompanhado pelo médio Nasri, jogador que a um ano do fim de contrato com os Gunners decidiu rumar de ares. Se num primário lance teve com um pé no United (oferecia 14 milhões ao Arsenal pelo seu concurso) acabou por ir parar ao City of Manchester por inflacionados 28 milhões. Inflacionados não pelo talento do jogador (que é imenso; é um jogador com uma qualidade de passe e criatividade enormíssima) mas pela situação contratual que possuía com os Gunners.

Savic é um central dado como certinho, forte fisicamente e altivo no jogo aéreo. Juntam-se a um plantel de luxo com jogadores que dispensam apresentações: Joe Hart (o titular da baliza inglesa) Micah Richards, Pablo Zabaleta, Vincent Kompany, Joleon Lescott, Kolo Touré, Kolarov (muito criticado no City, ainda não se conseguiu afirmar) Nigel De Jong, David Silva (o grande criativo desta equipa) Adam Johnson, James Milner, Gareth Barry, Yaya Touré, Carlos Tevez, Dzeko e as incógnitas até ao fim do mercado Balotelli, Bridge, Onohua, Santa Cruz e Bellami. Roberto Mancini tem portanto a sua cabeça a prémio. Não existem desculpas para não obter resultados. Tem a equipa que pediu e a equipa que não pediu. A enorme concorrência interna e externa é que poderá dificultar a vida ao treinador italiano.

Wolverhampton

Mick McCarthy (ex-seleccionador Irlandês) é novamente o santo milagreiro de uma equipa com poucos recursos económicos, tendo em conta o poderio financeiro das equipas com quem vai competir no plano interno. O Irlandês é no entanto um técnico experiente e ciente das dificuldades que irá encontrar de modo a atingir o objectivo da equipa: uma época sem sobressaltos de maior índole. Como maior contratação da equipa, aparece Jamie O´Hara (médio-centromédio esquerdo recrutado ao Tottenham) mais um Irlandês para um plantel que conta com 7 irlandeses, quase todos fundamentais na manobra da equipa, casos de Stephen Ward, Steve Hunt e Kevin Doyle.

Homens de confiança de McCarthy. Para completar a sua missão, McCarthy terá como esteios jogadores como Jody Craddock, Stephen Ward, o escocês Christophe Berra, George Elokobi, Ronald Zubar, Steve Hunt, Nenad Milijas, O´Hara, Adlène Guedioura, Sylvain Ebanks-Blake, Steven Fletcher, Sam Vokes e Kevin Doyle.

Liverpool

Kenny Dalglish é uma das lendas vivas em Liverpool. Enquanto jogador do clube entre 1977 e 1990, Dalglish jogou 355 jogos e marcou 118 golos, ajudando a equipa da cidade dos Beatles à era de ouro do clube com 8 títulos, 1 FA Cup, 4 taças da liga, 5 supertaças, 3 ligas dos campeões (na era Paisley) e 1 supertaça europeia. Números e conquistas notáveis, portanto…

Dalglish terá pela frente uma missão muito difícil. Devolver o Liverpool à luta pelo título depois da época frustrante em 20102011, das saídas importantes que o clube teve nos últimos anos (Xabi Alonso, Fernando Torres) das dificuldades financeiras que o clube passou com a falência técnica e consequente venda de propriedade dos Gillette para um grupo de accionistas e do investimento em plantel feito pelos novos accionistas, consumado nas contratações de Andy Carroll, Luis Suarez, Jordan Henderson, José Enrique, Charlie Adam, Sebastian Coates e Stuart Downing. Em todos estes jogadores, a direcção do clube de Anfield Road gastou nada mais nada menos que exorbitantes 115 milhões de euros, tirando ainda os passes de outros jogadores contratados no início da época passada como Raúl Meireles (a grande revelação da Premier no seu ano de estreia, motivando o prémio de melhor jogador estrangeiro da época transacta) Christy Poulsen e Maxi Rodriguez.

Para abono do clube, também importa falar que a direcção do liverpool preservou alguma estabilidade neste defeso, acabando por vender apenas jogadores que não entraram na rotina em Anfield, casos do italiano Alberto Aquilani para a Juventus em definitivo (não acertou passo em Liverpool e acabou por ser uma tremenda desilusão) Milan Jovanovic (voltou à Bélgica para representar o Anderlecht) Nabil El Zhar (Levante) Kyrgiakos (Wolfsburg) e jovens que não aproveitaram a sua oportunidade no plantel principal dos Reds como é o caso do médio Pacheco (Atlético) Darby, Plessis e Daniel Ayala. O plantel do Liverpool é então constituído por: – Três guarda-redes de valor: Doni, Pepe Reina e o australiano Brad Jones.

Jamier Carragher é um central (por vezes lateral) esforçado, mas nunca me agradou. A mim e a muito boa gente! – Sebastian Coates (desejado por Benfica e Porto, o Uruguaio rumou a Anfield por cerca de 9 milhões de euros) Emiliano Insúa (terá que atinar para ficar após sucessivos empréstimos) Glen Johnson, José Enrique (jogador que saltou do Villareal para o Newcastle por um balúrdio, foi mal amado entre os adeptos dos Magpies no ano em que o clube desceu à Championship e acabou por dar a volta e ser vendido ao Liverpool) Fábio Aurélio (todos os anos é dado como carta fora do baralho mas acaba por ficar) Danny Wilson, Jamie Carragher, Martin Skrtel, Daniel Agger (o trio de centrais do Liverpool que nos habituámos nos últimos anos) e Martin Kelly. No capítulo defensivo, o Liverpool precisava de um investimento mais certeiro na zona central. Coates poderá ser um bom jogador mas ainda é muito tenro para estas andanças e Carragher, Skrtel e Agger são escassos para se assumir estabilidade defensiva pelos lados de Anfield.

Dizem que já não existe amor à camisola. Aqui está um das excepções. Duas, tendo em conta o pecúlio enquanto jogador de Carragher. Não conhecem e nem querem conhecer outro clube que não o Liverpool. E fazem muito bem! – Meireles, Gerrard, Joe Cole (estará de saída para QPR ou Tottenham segundo a imprensa) Maxi, Henderson, Downing, Leiva, Spearing, Adam, Poulsen e Shelvey. – Suarez, Kuyt, Caroll e N´Gog na frente. É de facto o melhor e mais completo Liverpool dos últimos anos. Vamos ver como evoluí com o decorrer da época.

Aston Villa

O Escocês Alan McLeish tem à sua disposição um Villa em fase de maturação, mesmo apesar de algumas saídas de relevo que teve nos últimos anos. No que diz respeito a esta temporada são de salientar algumas entradas de jogadores interessantes assim como saídas de não inferior relevo na equipa. Comecemos pelas saídas: o guarda-redes Brad Friedel, esteio da equipa nos últimos anos saiu para o Tottenham onde tentará rivalizar com o inconstante Heurelho Gomes. Ashley Young rumou ao United. Stewart Downing ao Liverpool. O pouco utilizado Michael Bradley foi para os alemães do Moenchagladbach, Nigel Reo-Coker foi aplicar a sua agressividade lá para os lados de Bolton e John Carew ganhava mais do que jogava (como tem vindo a ser a sua imagem de marca por todos os clubes onde passa) tendo rumado a Londres para ajudar o West Ham a voltar ao convívio dos grandes. Só nas saídas, os Villains perderam 3 titulares indiscutíveis, 1 titular intermitente (Reo-Coker) 1 jogador que não concretizou as expectativas aquando da sua contratação (Bradley) e um avançado que começou muito bem a sua carreira pelo clube e acabou por sair pela porta pequena do balneário.

Quanto a entradas, McLeish e a direcção do clube optaram pela entrada de jogadores que sabem perfeitamente o que é a exigência da Premiership: a começar pelo experiente guardião Irlandês Shay Given (agrada sempre por onde passa mesmo apesar de algumas irregularidades; é um guarda-redes de craveira) Stephen Ireland e o médio ala Francês Charles N´Zogbia, que mesmo apesar de ser um jogador que prometeu muito na sua estreia pelo Newcastle no ano de 20042005 e acabou por não cumprir o estatuto de jogador importante por onde passou acaba por ser um jogador muito experiente nos grandes palcos do futebol inglês.

De regresso ao clube após empréstimo também estão Brad Guzan, Nathan Delfouneso e Eric Lichaj. Juntam-se a um colectivo de jogadores que transitam da temporada passada e que ajudaram o clube a chegar às provas europeias como: Luke Young, Stephen Warnock, Richard Dunne, James Collins, Habib Beye, Carlos Cuellar, Jean Makoun (o autêntico pacemaker desta equipa; não consigo crer como este camaronês ainda não conseguiu chegar a um clube mais alto na europa que o Lyon) Stilian Petrov, Darren Bent, Gabriel Agbonlahor e o imortal Emile Heskey.

Defender o lugar europeu, perante a  concorrência existente na liga não será pera fácil para a turma de Birmingham num ano em que perdeu jogadores importantes na manobra da equipa. No entanto, os moldes para o sucesso da equipa residem na qualidade de McLeish. A ver vamos o que o Villa é capaz de fazer em 2012.

Chelsea

“Deixem-me estar nestas poses exuberantes porque eu estou a curtir um concerto dos ACDC”.

A cadeira de sonho, de ouro, de prata, de marfim, de cobre e diamante está em Londres. Só os cheques de Herr Abrahamovic é que estão a tardar para dar sangue novo a uma equipa envelhecida, comodista e com um rendimento diferente da high-voltage da era Mourinho.

É Mourinho quem Villas-Boas persegue. Conaisseur profundo de todos os cantos de Stamford Bridge, o discípulo, volta a Londres para assumir uma cadeira que anda à deriva por mares de angústia em virtude de um ano em que Ancelotti não conseguiu revalidar o título e dar a prenda que já é sonho de Abrahamovic desde a cena da paixão por José Mourinho, ou seja, a Champions.

Villas-Boas informou por fax o Porto a proposta do Chelsea de 15 milhões pela sua cláusula de rescisão, à maneira que Pinto da Costa gosta de ser informado. Desde o primeiro minuto em Londres prometeu trabalho, ambição, método, regras, João Moutinho, Falcão e Álvaro Pereira. Se o tigre já voou para os ares de Madrid para representar o malfadado Atlético, Villas-Boas não contava que o chefe tivesse tantas dificuldades em colocar a mão na massa e trazer os tão desejados reforços. Até o “palito” está a demorar mais que o normal pois o multimilionário Russo não quer enviar o fax com os 30 milhões pedidos pelo Porto pelo lateral-esquerdo Uruguaio mas sim um valor a rondar os 20. Moutinho estará muito mais longe e o tempo escassa para os blues. Enquanto os faxes vão e voltam, Villas-Boas luta com o que tem. Que não é pouco, diga-se desde já.

Mesmo a caminhar para a reforma e num comodismo estranho ao clube, a matéria prima que o jovem técnico possuí no Chelsea, com uma boa arrumação da casa, pode ganhar tudo esta época e ficar-se a rir para os adversários.

Juan Mata foi dado como reforço do Real, do Barça, do Manchester, do Arsenal mas acabou em Stamford Bridge num negócio milionário que irá render ao Valência 27 milhões de libras, nada mais nada menos do que 28 milhões de euros. Mata é um filho tão desejado lá pelos lados de Stamford Bridge que até o insignificante Yossi Benayoun (jogador cujo paradeiro é desconhecido na Premier League desde a sua chegada; a sua rescisão está por horas) fez questão de ceder o 10 de vedeta ao internacional Espanhol. Para já, Villas-Boas não prescindiu de ninguém da equipa, mesmo apesar dos rumores que davam certo David Luiz no Barça após 6 meses de londres.

Rumores infundados que até redundaram efectivamente  na mudança de um jovem centrocampista da formação B do Barcelona (Romeu Oriol) para londres pelo potencial reconhecido pelo técnico português. O Chelsea reforçou-se com jovens jogadores, casos do guarda-redes Belga Courtois, contratado ao Genk. Da Bélgica também veio o fenómeno Lukaku, diamante em bruto muito cobiçado na europa que deverá ser ensinado a ser matador por Didier Drogba caso o Chelsea prefira ficar com o belga ou então emprestado ao Benfica de Jorge Jesus, como a comunicação social portuguesa tem avançado nos últimos dias. Cabe a Villas-Boas a decisão de fazer permanecer o jovem belga que despontou aos 15 anos como sénior no Club Brugge no plantel dos Blues.

No capítulo das indecisões continuam os dossiers Lucho González, Álvaro Pereira, Didier Drogba e Florent Malouda. É pública a oferta de troca de Drogba por Lucho mais 8 milhões em cash que não vingou porque o Costa-Marfinense não pretende voltar ao clube onde se evidenciou antes de rumar a Londres. Nos últimos dias, o Costa-Marfinense também deverá ter rejeitado ir para o Galatasaray da Turquia. Com Lucho mais longe, Villas-Boas poderá virar-se para João Moutinho, alvo difícil pelos 35 milhões exigidos pelo Porto, agora detentor dos 100% do passe do médio. Já falamos sobre o Uruguaio. Florent Malouda está a ser negociado com os italianos da Juventus, que segundo o site Tuttomercato deverão ter oferecido cerca de 12 milhões pelo concurso do internacional francês e 4 milhões de salário anual.

Indiferentemente das negociatas do clube londrino, a época já arrancou com os seguintes jogadores: – Cech, Hilário e Turnbull na baliza. Courtois rumou por empréstimo ao Atlético de Madrid.

– Branislav Ivanovic, José Bosingwa, Paulo Ferreira, Alex, John Terry, David Luiz, Ashley Cole, Patrick Van Aanholt e Ryan Bertrand na defesa

– Michael Essien, Frank Lampard, Oriol Romeu, Ramires, Yossi Benayoun, Juan Mata, John Obi Mikel, Florent Malouda, Gael Kakuta e McEachran no meio-campo.

– Dider Drogba, Romelu Lukaku, Fernando Torres, Salomon Kalou (sim, mantem-se!!!) Daniel Sturridge e Nicolas Anelka (sim, mantem-se parte 2!!!) como avançadosextremos.

Newcastle

Já lá vão os tempos em que o Newcastle era considerado um grande de inglaterra. Longe também vão os tempos em que os homens de Saint James Park entravam com 10 jogadores em campo e 1 avançado capaz de resolver todos os problemas da equipa.

Falo obviamente de Alan Shearer, mítico avançado que ajudou o Blackburn a vencer a Premiership em 1995, saltando nesse defeso para o Newcastle numa transferência recorde à época. Longe vão os tempos em que esta equipa lutava pela Europa e conseguia os seus objectivos, tendo chegado inclusive à liga dos campeões europeus.

Num passado recente, a tristeza abateu-se sobre o clube. O United deixou rapidamente de ser um clube europeu e chegou mesmo a ir 1 época à Championship, numa descida dramática para o clube. Voltou a erguer-se na época 20102011, acabando por conseguir um lugar bastante tranquilo na época passada.

O treinador do Newcastle Alan Parson viu um defeso mais gastador do que vendedor. O Newcastle não foi exuberante a comprar e foi preciso a vender. Nas entradas, salutam-se as entradas do centrocampista Cabaye (Lille) de Gabriel Obertan (Man Utd) e do avançado Franco-Senegalês Demba Ba, jogador que se evidenciou no Hoffenheim da Alemanha e no West Ham. Ba terá pela frente a missão de fazer esquecer Andy Caroll, vendido ao Liverpool no mercado de inverno por 40 milhões de euros. Ao nível de saídas, é de reaçar a de Joey Barton (um dos casos mais inexplicáveis de insucesso no futebol britânico da última década; um dos jogadores mais problemáticos dentro e fora do campo da Premiership) para o Queens Park Rangers, de Kevin Nolan para o West Ham, Wayne Routledge para o Swansea e principalmente a de José Enrique para o Liverpool.

O argentino Jonás Gutièrrez não é de todo um jogador perfeito do ponto de vista técnico. No entanto, a sua versatilidade que lhe permite jogar em todas as posições das duas alas, a sua rapidez, garra e rigidez táctica permitem-lhe ser uma das vedetas do conjunto de Saint James Park em reciprocidade com o Francês Hatem Ben Arfa e com o seu compatriota central Fabrizio Coloccini. Não são porém os únicos jogadores de qualidade que Alan Pardue tem à sua disposição no plantel.

Outros jogadores como Alan Smith, Cheik Tioté, Cabaye, Obertan, Ba, Lovenkrands e Shola Ameobi poderão ser importantes no cumprimento dos objectivos da equipa, que passarão sobretudo por um lugar nos 10 primeiros.

Wigan

O Espanhol Roberto Martinez é um treinador jovem que colocou o Wigan a jogar o seu melhor futebol de sempre. Daí que já lhe tenham chovido propostas de clubes com maior potencial que o Wigan. Martinez rejeitou a saída do clube que representou como jogador durante 6 temporadas (e que após a passagem como jogador no Walsall e Swansea e técnico no clube galês que está registo na FA sob autorização especial) lhe deu a oportunidade de treinar na principal liga do futebol inglês. O Wigan é um clube saudável do ponto de vista financeiro.

Não é um clube que precise de vender muito para ter excelentes reforços. Até hoje, a maior transferência que o clube recebeu foi a de Valência para o Manchester United no mercado de transferências de 2009 por 22 milhões de euros.

É claramente uma aposta de Martinez trazer para o clube jogadores de várias nacionalidades. Ao todo, no Wigan desta época estão jogadores de 15 nacionalidades, algumas delas sem grande expressão para o futebol como o caso de Omã (representado pelo excêntrico guardião Al Habsi) e os Barbados do lateral Boyse. Roberto Martinez perdeu jogadores como N´Zogbia (Aston Villa) e deixou sair outros como o argentino Mauro Boselli (Estudiantes) De Ridder (Grasshoppers) Steven Caldwell (Birmingham)e Antonio Amaya (Bétis) – ou seja, jogadores sem grande importância na equipa. Permanecem no plantel às ordens do técnico Espanhol o guarda-redes Chris Kirkland (aquele cujo pai apostou quando era miúdo que o filho haveria de ser um dia internacional pela inglaterra, tenho ganho um pequeno balúrdio quando o filho chegou à Old Albion) o central Paraguaio Antolin Alcaraz (passou pelo Beira-Mar no início da carreira) o experiente central escocês Gary Caldwell, o lateral-direito hondurenho Maynor Figueroa, o trinco irlandês McCarthy e os avançados Franco Di Santo e Hugo Rodallega.

O Colômbiano é claramente a vedeta desta equipa e não percebo como não tem lugar no onze titular sua selecção ao lado de Radamel Falcão assim como ainda não saltou para uma equipa de maior destaque nesta liga. Para percebermos a importância do Colômbiano neste Wigan basta ver as suas estatísticas: em 2 épocas e meia ao serviço do Wigan, Rodallega apontou 22 golos, sendo 7 deles os golos das vitórias do clube em 7 partidas. Sendo uma equipa modesta, apenas se espera que Martinez consiga vencer novamente a batalha da manutenção.

Bolton

Depois de algumas experiências europeias mal consolidadas e da passagem do furacão “Sam Allardyce” pelo Reebok Stadium, o Bolton volta-se a afirmar como uma equipa que com uma pontinha de sorte poderá voltar (pelas vias que garantem a participação) às competições europeias.

Mais uma equipa que parece a selecção do mundo. 13 nacionalidades convivem no plantel às ordens do escocês Owen Coyle. Durante o mercado de transferências, o Bolton jogou ela por ela no que toca a saídas e entradas.

No que diz respeito às saídas mais importantes, Rodrigo voltou ao Benfica após um empréstimo que até agradou aos responsáveis do Bolton, o avançado Sueco Elmander foi vendido ao Galatasaray e prepara-se para mudar novamente de ares, o experiente defesa Andy O´Brien mudou-se para Leeds, Matthew Taylor rumou ao West Ham, Daniel Sturridge regressou ao Chelsea e o israelita Cohen decidiu voltar ao Maccabi Haifa após uma experiência mal sucedida no Bolton.

Foram colmatados com as entradas de Reo-Coker via Aston Villa, Dedrick Boyata (cortesia do City) Chris Eagles via Burnley e o regresso do lateral-esquerdo Ricardo Gardner ao clube após ter jogado na 2ª divisão no Preston North End. A grande contratação do Bolton acabou por ser o tecnicista turco Tuncay Sanli, que depois de Wolfsburg volta à Premier League, campeonato onde já tinha brilhado numa passagem pelo Middlesbrough aquando dos anos uefeiros do “clube nortenho”. Juntam-se a um plantel muito interessante onde se evidenciam jogadores como o guarda-redes Finlandês Jaaskelainen (já vai na sua 15ª época enquanto guarda-redes do Clube) o defesa islandês Steinsson, Gary Cahill (foi muito cobiçado por Manchester United e Liverpool mas acabou por permanecer em Bolton) Zat Knight, Sam Ricketts, Martin Petrov, Sean e Kevin Davies e o croata Ivan Klasnic, jogador que já esteve na coagitação do FC Porto nas últimas temporadas.

Everton

David Moyes – Mais um exemplo de sucesso de um treinador escocês na Premier League.

Quando Moyes pegou no Everton na época de 20012002, o clube de Liverpool passava por agudas dificuldades financeiras. O passivo do clube de então e as dívidas que possuía a atletas que tinham servido o clube chegavam inclusive a colocar em risco a participação na Premier dessa época. Moyes, antigo jogador profissional de média dimensão (formado no Celtic, não se impôs no colosso escocês, tendo passado posteriormente por clubes de escalões secundários do futebol inglês como o Cambridge, Bristol City, Shrewsbury Town e Preston North End) aceitou trocar uma carreira ascendente como treinador no Preston para um clube cuja direcção lhe impunha a venda dos melhores jogadores do Everton da altura.

Mesmo assim, quando Moyes chegou ao Everton deparou-se com jogadores de alguma qualidade, casos do italiano Alessandro Pistone, do central escocês David Weir (ainda joga como profissional na Scottish Premier League aos 41 anos pelo Falkirk) o defesa-direito escocês Naysmith, os centrais britânicos Stubbs e Unsworth, o na altura jovem Tony Hibbert, o deus de outra galáxia de nome Abel Xavier, os médios Lee Carsley, David Ginola, Leon Osman (ainda continua no plantel) Niclas Alexandersson, Mark Pembridge (que passou pelo Benfica na era Souness) Jesper Blomqvist (jogador que actuou algumas temporadas no United) Thomas Gravesen (um jogador que se veio a revelar fulcral no trabalho de Moyes no Everton) Paul Gascoine (sim, esse mesmo que há uns anos saía da clínica de desintoxicação no Algarve para ir mamar uns bagaços e uns Whisky´s em Vilamoura à revelia dos médicos com a desculpa que ia dar uns pontaés na bola pelo saudoso Algarve United!!) e Tobias Linderoth, e os avançados Duncan Ferguson, Tomas Radzinski e Joe-Max Moore.

Não era portanto um plantel de se descartar num ano em que o clube passava por sérias dificuldades. A partir destes dados, Moyes foi cavando o seu sucesso, até colocar o Everton nos trilhos das finanças saudáveis combinadas com resultados desportivos interessantes que não só colocaram o clube na europa como tiveram o seu ponto auge em 2005 quando o clube esteve a um passo de se qualificar para a fase de grupos da Liga dos Campeões, num ano impar no futebol europeu visto que o Liverpool venceu a Champions e perdeu o acesso pela via do campeonato à competição na última jornada para o Everton. Tendo direito a defender o título mesmo perante a impossibilidade pela classificação no campeonato, a UEFA decidiu nesse ano dar mais uma vaga aos ingleses nas competições europeias.

A partir daí, o Everton tornou-se um clube mais apetecível para investimentos e começaram a chegar ao clube os jogadores que constituem a espinha dorsal actual do clube, casos de Tim Howard (vindo do Manchester United) Joseph Yobo, Phil Jagielka, Mikel Arteta (o nível do espanhol decaiu muito depois da grave lesão que teve em 2008) Phil Neville, Marouane Fellaini, Yakubu, Victor Anichebe, Louis Saha e outros que já abandonaram o clube e até a carreira, casos de Gravesen, Andrew Johnson, Nuno Valente, Steven Pienaar ou Wayne Rooney.

A formação do Everton também melhorou em muito. Se na época 20012002 quando Moyes tomou conta do clube, Tony Hibbert e Leon Osman (na altura com 18 anos) era o único da formação dos “Toffies” na equipa principal do Everton, hoje já assistimos a um incremento da formação na equipa sénior com a inclusão de vários jogadores como Hibbert, Osman, Jose Baxter (jogador de enorme qualidade que tem tudo para seguir as pisadas de Wayne Rooney, uma das maiores pérolas da formação do clube de Liverpool) James Wallace, Ross Barkley e Jack Rodwell, médio que para mim tem um enorme futuro pela frente. Passando a dados concretos relativos a esta época: Poucas saídas e poucas entradas no clube.

A palavra estabilidade continua a valer ouro no futebol no toca à obtenção de sucesso. David Moyes sabe-o bem. De relevo existem apenas as saídas de James Vaughan para Sheffield e do internacional português sub-21 João Silva (contratado em 2010 ao Aves depois de ter sido o melhor marcador da Liga Orangina) que este ano vai jogar por empréstimo no Vitória de Setúbal e tem reunidas condições para se tornar um jogador com um futuro risonho. Reentrou a dupla de nigerianos Yakubu e Yobo, cujo paradeiro em 20102011 foram respectivamente Leicester e Fenerbahce por empréstimo.

Voltam portanto para reforçar um plantel cujas apresentações são feitas e cujo jogador que me enche mais os olhos é este senhor que se encontra na imagem acima postada: Tim Cahill, internacional australiano, jogador que pode actuar como centrocampista, 10 ou mesmo avançado. É clara e juntamente com jogadores como Arteta, Osman, Jagielka, Neville, Rodwell, o belga Marouane Fellaini (como é possível que nenhuma equipa de topo quer os serviços deste elegante trinco belga?) Baxter e Saha os melhores jogadores de um plantel que vale pelas enormes soluções de qualidade que dispõe no seu versátil plantel. Digo versátil, pois o Everton tresanda a versatilidade: Leighton Baines tanto pode actuar a lateral como a médio ou extremo esquerdo. Sem manchar o selo de produto de qualidade. Heitinga, mal-amado em Madrid poderá fazer qualquer lugar da defesa e cobrir a eventualidade da passagem de Jagielka para o meio-campo. O Francês Distin pode jogar no centro da defesa ou na esquerda. Phil Neville actua como trinco mas pode regressar à sua posição de origem na direita da defesa. O russo Bilyaletdinov, assim como o espanhol Arteta e Leon Osman podem pisar qualquer terreno do meio campo excepto o sector mais recuado onde mandam habitualmente Fellaini ou Rodwell, que em último caso até poderão jogar no centro da defesa. Como podem ver, David Moyes tem novamente as condições reunidas para voltar ao convívio europeu.

Queens Park Rangers

Ou como quem diz QPR. Clube envolto em muito turbilhão desde que participou pela última vez na Premier ainda nos anos 90. O clube londrino é a equipa do novo riquismo. Caiu na 2ª, já teve como proprietário o excêntrico magnata Flávio Briatore (chegou a apresentar um projecto megalómano para o clube onde prometia a participação na Champions em 2 anos e o título em 4, com o clube ainda na 2ª divisão), acabou por ser vendido várias vezes até parar nas mãos do actual proprietário Ishan Saksena e quase foi destruído aquando do comando técnico do português Paulo Sousa.

Regressa esta época aos grandes, com o franco-marroquino Adel Taarabt envolvido em grande cobiça. O jogador que outrora não conseguiu vingar no Tottenham e cujas notícias diziam em Janeiro que o Sporting estava de olho na sua contratação é a “fake-star or trully star” do QPR: como ninguém conseguiu perceber a sua evolução desde que saiu do clube de White Hart Lane, visto que no QPR Taarabt é um jogador de um calíbre fenomenal, os maiores clubes europeus aguardam ansiosamente pelo desempenho do jogador na primeira metade da Premier desta época para ver se vale a pena contratar os seus serviços.

No defeso deste verão, o clube londrino decidiu despejar meio plantel e contratar outro meio plantel. Seria um facto compreensível, caso o QPR tivessem em mente a contratação de jogadores capazes de dar estabilidade ao clube neste ano de regresso. De facto, tal não acontece. Das contratações anunciadas (14), grande parte dos contratados são jogadores desconhecidos que actuam em divisões secundárias de vários países, casos de Jay Bottroyd (Cardiff) Gary Borrowdale (Carlisle) Troy Hewitt Harrowborough) Martin Rowland (Milwall) Brian Murphy (Ipswich), os dois italianos (Alessandro Pellicoli – TorinoMatteo Alberti – Lumezzane) o Colombiano Balanta (jogava no MK Dons dos escalões secundários de inglaterra) e o brasileiro Perone que estava no Xerez de Espanha.

Joey, irás deixar crescer esse penacho quando a seca de golos chegar ao QPR?

Se estas contratações assustam pela falta de ritmo de Premier nas pernas, o pior deste clube foi quando anunciou a contratação de 4 jogadores bastante problemáticos e cujo sucesso enquanto jogador nunca apareceu: Danny Gabidon (do West Ham) DJ Campbell (do Blackpool) e a “cereja no topo do bolo” com “duas vedetas e tanto” de nomes Kieron Dyer e Joey Barton.

Dyer e Barton tem entre si a particularidade de serem jovens vedetas do futebol inglês, de terem fracassado, de terem chegado inclusive à selecção e de armarem a confusão por onde passam. Se Dyer andou à bofetada com um colega em Newcastle em pleno decorrer do jogo (procurar no youtube, é hilariante!) o que lhes iria valer aos dois a expulsão (único na história do futebol não?) Joey Barton é um tão bom a jogar à bola como a beber ou a agredir pessoas em locais nocturnos com o grão na asa.

Depois das assustadoras contratações, o treinador do QPR Neil Warnock poderá ao menos contar com o central Nigeriano Danny Shittu, com o guarda-redes Checo Cerny, com Taarabt e com dois jogadores que passaram quase despercebidos pela liga portuguesa: Akos Buzszaki (FC Porto) e Alejandro Faurlin (Marítimo) no plantel mais fraco desta Premier League.

Stoke City

A época 20112012 inicia-se com o Stoke pela primeira vez na sua história a disputar uma competição europeia. Será interessante ver como esta equipa reage ao clash europeu em relação à sua prestação nas provas internas.

Três contratações (o Uruguaio Arismendi e os experientes centrais Jonathan Woodgate e Upson) reforçam uma equipa que após a conquista de um lugar uefeiro viu sair peças importantes como os veteranos Gudjohnssen para o AEK de Atenas e Faye para o West Ham. Poucas mexidas no plantel comandado pelo Galês Tony Pulis, que recentemente admitiu que o clube tem dificuldades em ir ao mercado buscar reforços de qualidade para o seu plantel.

14 nacionalidades povoam o Brittania Stadium. Entre os jogadores que Pulis poderá contar, estão o guarda-redes Bósnio Begovic e o seu concorrente Dinamarquês Chris Sorensen, os defesas Higginbotham, Robert Huth, Danny Collins, Woodgate, Upson e o duro Ryan Shawcross (ainda não foi altura de rumar à paragem que merece). No meio-campo, Jermaine Pennant, Danny Pugh, Salif Diao, Dean Whitehead, Matthew Etherington e Rory Delap dão um misto de pujança física e técnica a esta equipa que na frente conta com a dupla Ricardo Fuller e Mamady Sidibé, dupla que teve uma enorme crise de golos na época passada (apenas 3 dos 46 da equipa na Premier League)

Sunderland

O Sunderland de Steve Bruce é uma das minhas principais incógnitas para esta época. O plantel que possuí coloca-me na indecisão se lhes hei-de atribuir a hipótese de chegar a um lugar europeu ou se apenas chegará para continua a senda de épocas tranquilas que o clube tem realizado desde que voltou à Premier League. Algumas contratações interessantes durante o verão: a dos veteranos John O´Shea e Wes Brown, dispensados pelo Manchester United. O médio direito sueco Sebastian Larsson do despromovido Birmingham e o jovem Ji-Dong Won, avançado coreano que vem do Chunnam Dragons com muito boa reputação.

Asamoah Gyan continua por ora como a principal referência de ataque do Sunderland, mas poderá estar a caminho do Liverpool de Dalglish.

Juntam-se a uma equipa que já contava com jogadores nas suas fileiras como o guardião escocês Craig Gordon, o defesa escocês Phil Bardsley, o central internacional Argentino Marcus Angeleri (teve muito próximo de rumar ao Dragão aquando da saída de Bruno Alves) Titus Bramble, o centrocampista Lee Catermole (já é internacional inglês mas aos 23 anos tarda a saída deste talentoso esquerdino para um clube de topo do futebol inglês; quem sabe se no final da carreira não será comparável ao maior ícone do clube, o famoso Mark Le Tissier) Craig Gardner, Ahmed Elmohamady, o talentoso extremo esquerdo Stéphane Sessegnon, e Fraizer Campbell.

Para trás, o clube deixa ficar pela necessidade que teve de vender os atletas perante os assédios constantes de clubes de maior dimensão, jogadores como Jordan Henderson, John Mensah, David Healy, Steed Malbranque e outros, pelo regresso aos seus clubes depois do empréstimo, casos de Onohua, Sulley Muntari, George McCartney e Danny Welbeck.

Não tenho a menor dúvida em afirmar, que caso Steve Bruce (um interessante exemplo de sucesso na Premier League) pudesse descartar alguns dos jogadores actuais para voltar a formar uma equipa constituída pelos jogadores que saíram (são todos de qualidade) com os que ficam e os que chegam ao Stadium of Light, o Sunderland tornava-se um caso sério de assédio aos lugares europeus. Na falta de tal cenário, hesito num palpite para este simpático clube.

Norwich City

Depois do ano de regresso ao convívio entre os grandes e com o comando técnico entregue ao antigo internacional escocês da década de 90 Paul Lambert, espera-se que o Norwich consiga voltar a atingir a manutenção.

Enquanto jogador, Lambert era um jogador bastante elegante do ponto de vista técnico, tendo em conta as características particulares do típico jogador britânico. Foi portanto um jogador que apreciei bastante na minha infância.

Ao contrário do QPR, o Norwich renova os laços de competição na Premier com a contratação de jogadores mais experimentados e rodados nestas andaças. É certo que maior parte deles são jogadores que não conseguiram o seu espaço em clubes de dimensão, casos de James Vaughan (Everton) Richie De Laet (Manchester, depois de sucessivos empréstimos) Kyle Naughton (Tottenham) e Daniel Ayala (Liverpool).

Por outro lado, a aposta também incidiu em jovens jogadores pescados na 2ª divisão. Combatem as saídas de jogadores como o médio Lansbury (Arsenal) e Sam Vokes (Wolverhampton). No plantel de Lambert transitam jogadores como o central norte-americano Whitebread, Marc Tierney, Elliot Wood e Andrew Crofts. Será portanto uma missão bastante difícil manter este Norwich na Premier.

Swansea

A equipa sediada em Swansea, País de Gales, que compete nos campeonatos da FA sob autorização da mesma, à semelhança daquilo que acontece com o Cardiff City ou com outras equipas de menor dimensão como o Wrexham suscita uma das maiores discussões no futebol britânico: a FA permite a entrada a equipas de Gales.

Porque é que continua a barrar a entrada aos dois gigantes de Glasgow, mesmo perante a proposta conjunta de Rangers e Celtic, que para o efeito, até pretendiam entrar na 2ª divisão? Será uma resposta que só a FA poderá responder.

Se é certo que a liga galesa pouco ou nada nos diz a nós português (apenas nos lembramos quando Fernando Santos foi despedido do Porto devido a uma derrota nas pré-eliminatórias da Champions frente ao modesto Bangor City) os jogadores da selecção Galesa já nos dizem qualquer coisa: Giggs, durante a sua carreira nunca foi um habitué na selecção visto que muitas das vezes rejeitou jogar nas qualificatórias por não considerar competitiva a sua selecção. As sucessivas gerações de jogadores Galeses (motivada pela migração na formação para clubes de topo de Inglaterra) constituída por jogadores como Gareth Bale, Craig Bellamy, Aaron Ramsey, Rhis Taylor (Chelsea) Simon Davies; Gary Speed, Robbie Savage, Nathan Blake, Robert Earnshaw, Paul Jones e os mais velhinhos Ian Rush, Toschack, Mark Hughes e John Hartson, motivam que o futebol em galês esteja em profunda evolução e permita que clubes do país entrem nas competições inglesas e até atinjam resultados interessantes, caso da recente final de taça em que o Cardiff foi finalista vencido e agora, esta subida inesperada do Swansea.

No plantel desta equipa são 14 os galeses e 11 os ingleses. Também existe um Português. Falamos de Moreira, guarda-redes que fartou-se de esperar pela sua oportunidade no Benfica e rumou a Gales para se tentar afirmar na Premier League. Ano de subida para a Premier League significa restruturação de toda uma organização.

Daí que o Swansea procurou reforçar em muito as suas fileiras durante este verão. Saídas de relevo em relação à equipa que subiu de divisão. O italiano Fabio Borini voltou ao Parma, o espanhol Albert Serrán foi para chipre representar o AEK Larnaca, o guarda-redes De Vries rumou aos Wolves, Darren Pratley reforçou o Bolton. Para além de Moreira, o clube galês apostou nas contratações de Danny Graham, Steven Caulker (Tottenham) Leroy Lita, Wayne Routledge, Michel Vorm, Kemy Agustien e David Cotteril.

Alguns dos nomes podem soar estranhos à primeira leitura, mas uma pesquisa mais aprofundada pelos seus trajectos pessoais enquanto jogadores de futebol irá guiar o leitor ao facto que grande parte destes jogadores já tem alguma experiência de Premier League. No plantel também permanecem três jogadores que já alinharam na Premier: Craig Beattie, Luke Moore e Scott Sinclair. No entanto, tais dados não irão tirar dificuldade ao objectivo máximo a cumprir por esta equipa galesa: a manutenção. Tenho sérias dúvidas quanto à exequibilidade desse objectivo.

Fulham

De Swansea passamos para Londres. O Fulham, detido desde os anos 90 pelo multimilionário egípcio dono dos armazens Harrods Mohammaed Al-Fayed. Depois da sensacional campanha na Liga Europa na época 20092010 onde o clube londrino apenas foi barrado pelo Atlético de Madrid na final da prova, o Fulham volta a representar o país nas competições europeias.

Aos 55 anos, Martin Jol é um mal-amado por onde passa pela suposta falta de ambição em ganhar títulos. No entanto, considero que por onde Jol passa, coloca as equipas a jogar um futebol de ataque bastante vistoso. Talvez seja uma questão de azar. Ele existe no futebol, por mais que digamos que não. Tenho a certeza que até à sua reforma, Jol irá vencer qualquer coisa mais do que duas taças da Holanda, uma ao serviço do Roda, outra ao serviço do Ajax.

Desde esse sucesso europeu, restam alguns jogadores no plantel às ordens do Holandês Martin Jol. Comecemos pelas saídas. O médio sul-africano Digacoi não convenceu e foi dispensado para o vizinho Crystal Palace. Gael Kakuta voltou ao Chelsea. O médio Jonathan Greening despediu-se da Premier League para representar o Nottingham. O Ganês John Paintsil irá representar o Leicester. Zoltan Gera foi para o West Bromwich Albion, Carlos Salcido decidiu voltar ao México para vestir a camisola do Tigres. Bjorne Helge Riise voltou depois do empréstimo ao Sheffield United e trouxe consigo (e de volta à Premier League após alguns anos na Roma) o seu irmão John Arne Riise. Jol foi buscar ao Slovan Liberec da República checa o centrocampista de 23 anos Marcel Gekov e ao Palermo, o médio suiço-albanês Pajtim Kazami.

Permanecem no plantel:

– Mark Schwarzer, Stephen Kelly, Brede Hangeland (falou-se da possibilidade de rumar a Itália) Chris Baird, Phillipe Senderos, Aaron Hughes, Rafik Halliche (ex-Nacional e Benfica) Steve Sidwell, Danny Murphy, Damien Duff, Dickson Etuhu, Clint Dempsey, Simon Davies, Andrew Johnson, Bobby Zamora, Marcello Trotta (jovem italiano que o Fulham foi pescar às escolas do Manchester City em 2009) e o belga Moussa Dembele. Não será um plantel mais que suficiente para Martin Jol repetir a gracinha do apuramento europeu e dos bons resultados na Liga Europa.

Arsenal

Muito tem que ser dito sobre o Arsenal deste ano. Em primeiro lugar, creio que dado o estatuto que o clube ocupa no futebol inglês, as mais recentes épocas e a forma com que o clube se apresenta na nova época desportiva, o Arsenal continuará (e nunca deixará de o ser) um crónico candidato ao título em teoria. Na prática, as coisas já não são bem assim. Anos de renovações resultam sempre com que na prática, uma equipa que acabou de perder alguns jogadores influentes na manobra de jogo da equipa demore algum tempo até se encontrar novamente. Não é que Wenger já não esteja habituado a dar a volta por cima nesse tipo de situações, porque de facto está. Vamos por partes…

Longe vãos tempos de triunfos atrás de triunfos na era Wenger. Os tempos em que o treinador francês pedia e a direcção comprava. Longe vão os tempos em que a board dos gunners oferecia jogadores do bom e do melhor ao treinador francês. As épocas eram gloriosas, os títulos apareciam mas a gestão do clube piorava de ano para ano, muito por causa dos imensos gastos causados por transferências, salários exorbitantes e até o início da construção de um novo estádio para substituição do velhinho Highbury Park sem que na Liga dos Campeões houvessem provas de que a equipa poderia dar retorno ao investimento feito com uma vitória.

Longe vão os tempos, portanto, de um Arsenal que tinha Seaman, Tony Adams, Dennis Bergkamp, Patrick Vieira, Emmanuel Petit, Nicolas Anelka, Robert Pirès, Davor Suker, Ian Wright, Ashley Cole, Sol Campbell, Jens Lehmann, Gilberto Silva, Kolo Touré, Sylvain Wiltord, Thierry Henry, Nwanko Kanu, Marc Overmars, Frederik Ljungberg, Lee Dixon, William Gallas, Ray Parlour ou Nigel Winterburn. Passaram todos pelo Arsenal na era Wenger. Se pudessemos fazer um plantel de todos estes nomes, seria uma equipa totalmente imbatível.

O enorme passivo que o clube sentiu um pouco após a conquista do último título da premier-league em 20032004 e que chegou mesmo a parar as obras de construção do novo estádio por falta de liquidez para pagar os empréstimos que por sua vez iriam pagar aos fornecedores e empresas na empreitada (motivando ao acordo que ainda vigora com a Emiratesajudou a pagar o resto do estádio ao clube em troca do patrocínio nas camisolas durante x anos cuja exactidão não sei) levaram o clube a mudar de estratégia no que toca ao futebol profissional.

O Arsenal passou  então de um clube que comprava mais daquilo que formava de base ou acabava de formar para ser um clube que passou a formar mais de baseacaba de formar do que um clube comprador.

Esta estratégia, pelo ponto de vista desportivo leva a que o clube tenha mais dificuldade em lutar contra as equipas mais poderosas do ponto de vista financeiro, ou seja, contra as equipas que apostam na compra de jogadores de classe mundial já evoluídos, casos do Chelsea, dos Manchester e do Liverpool. Apostar numa equipa muito jovem acarreta riscos do ponto de vista desportivo quando a competição atinge um pico em que qualquer erro é imperdoável e capitalizado pelas equipas rivais. A juventude traz inexperiência, inconsequência, ansiedade nos jogos grandes e algum medo do fracasso. São aspectos negativos a ter em conta. Por outro lado, a juventude também traz fantasia, vontade de dar tudo em campo e irreverência…

Do ponto de vista financeiro, a nova estratégia do clube é benéfica. O Arsenal limita-se a ter uma boa rede de scout em todo o mundo, a observar, testar e contratar talentos. O olho de Wenger é um olho perspicaz. Num simples lance é capaz de ver se o jogador vai ser uma grande promessa do futebol ou não. O seu olho de lince na observação não tem falhado, dados os jogadores que já lançou pelo clube inglês e que acabaram por se tornar grandes vedetas do futebol mundial. Num segundo plano, o clube acaba por contratar os jovens ainda jovens a baixos custos e a vendê-los na sua fase de maturação por boas somas, o que lhe permitiu ao Arsenal recuperar a sua crise financeira e ser hoje um clube bastante saudável numa liga onde o Manchester, Chelsea e Liverpool tem passivos assustadores.

A nova estratégia do clube londrino é um estratégia ratificada pelos adeptos. Arsène Wenger é um treinador que não lamenta a posição em que foi colocado. Antes pelo contrário. É um treinador cujo prazer da profissão reside em formar bons jogadores, de modo a colocar a equipa a jogar um bom futebol de ataque. Wenger já viu a “geração Henry” sair. Com meia dúzia de jovens jogadores como Rosicky, Hleb, Kolo Touré, Cesc Fabrègas, Robin Van Persie, Theo Walcott e Adebayor, renovou o ciclo e pôs o Arsenal a dar espectáculo. Essa geração acabou por sair aos poucos, época após época, em busca de títulos.

O Arsenal tratou de investir os ganhos em novos jogadores e estou certo, que após desaires que são louváveis pelo esforço de construção de um novo ciclo, Wenger irá voltar a colocar o Arsenal na rota do bom futebol.

O tal futebol-arte de que Wènger falava uma numa vez numa entrevista a um jornal britânico. O futebol-arte de Wènger deslumbra. O futebol do passe curto, assente num 4x5x1 onde não existe um ponta-de-lança e que oscila ora entre a colocação de dois extremos puros ou de dois médios tendencialmente mais rotinados em posições centrais nas alas de modo a montar um enorme carrossel de passes e desmarcações que baralham por completo as defesas e acabam por deixar os seus jogadores na cara do guarda-redes. Mecanismos de jogo que fazem lembrar o modelo holandês de Rinus Mitchels e que não andam muito longe do seu “irmão tiki-taka” do Barcelona. Os adeptos não se importam de levar canecos para Londres desde que a equipa dê espectáculo. O Arsenal de Wenger dá espectáculo.

Deixando de teoria, passando à prática. A saída mais que anunciada de Fabrègas para o seu clube do coração: o Barcelona. Era um namoro antigo com fim à vista. 34 milhões de euros mais incentivos futuros levaram o centrocampista para Barcelona, gerando a perfeição completa na equipa catalã. Seguiu-se a venda de Samir Nasri, jovem ultratalentoso, por estrondosos 28 milhões ao louco Manchester City, completamente enamorado pelo brilhantismo do francês. O City já tinha ido buscar Gael Clichy logo no início do mercado de transferências. O camaronês Emmanuel Eboué também fechou o seu longo ciclo em Londres, numa transferência para o Galatasaray, onde irá poder jogar mais do que jogava em Londres. No entanto, Eboué foi um jogador muito importante na vida do clube, pela abnegação do esforço que dava ao jogo dos londrinos e pelas maravilhosas arrancadas que fazia em momentos cruciais de grandes jogos. Das restantes dispensas de Wènger, contam-se jogadores que o técnico Francês pretende ver rodar em clubes com mais espaço à recepção de talentos futuros do clube e erros de casting. Contam-se entre os dispensadosemprestados: Cedric Evina, Mark Randall, Nacer Barazite, Samuel Galindo, Roarie Deacon, Jeremy Aliardère, Emmanuel Thomas, Kyle Bartley, James Shea, Hugo Nervo, Pedro Botellho, Jamie Edge, Kerrea Gilbert e Carlos Vela. De todos estes nomes, apenas Randall, Barazite, Aliardère, Gilbert e Vela poderão sentir a camisola do Arsenal envergada. O Francês e o Mexicano foram erros de casting do técnico Francês e não evoluíram aquilo que se esperava.

Para colmatar as saídas do clube, Wenger aplicou a receita do costume: foi buscar Gervinho ao Lille, Park Chu-Young ao Mónaco, Carl Jenkinson ao Charlton, Craig Eastmond ao Milwall, Henri Lansbury ao Norwich, Ryo Miyaichi ao Feyenoord, Alex Chamberlain ao Oxford. Fez também regressar de empréstimo o guarda-redes italiano Vito Mannone e o defesa-esquerdo francês Armand Traoré, defesa que esteve muito perto de assinar pelo Benfica na época passada. À excepção do Coreano, de Gervinho e dos dois regressados, os outros serão pérolas que o técnico francês terá que aperfeiçoar. Atenção ao japonês que veio do feyenoord e a Henri Lansbury.

Permanecem no clube:

– Almunia, Tomasz Szczęsny e Lukas Fabianski. Tratam-se de bons guarda-redes, onde pessoalmente acabo por gostar mais de Fabianski.

– Na defesa, Bacari Sagna parte para a 5ª época no clube. Terá a concorrência de Carl Jenkinson. Os centrais serão Djorrou, Laurent Koscielny (surpreendeu-me pela positiva este francês recrutado ao Lorient na temporada passada) Squillaci e Thomas Vermaelen, o verdadeiro patrão desta defesa do Arsenal. Na esquerda, Kieron Gibbs e Armand Traoré irão tentar lutar pela vaga deixada em aberto por Clichy. Creio que o inglês terá vantagem pois é um jogador mais parecido ao nível de características com o lateral francês, agora no City.

– No meio-campo, saem Fabrègas e Nasri, mas a fórmula continua exactamente a mesma. Diaby, Rosicky, Alex Song, Aaron Ramsey, Jack Wilshere serão as opções mais usadas por Wènger. Emmanuel Frimpong, Henri Lansbury, Craig Eastmond e Alex Chamberlain irão espreitar a utilização esporádica enquanto aprendem com o mestre Wènger. – No ataque, muitas opções como de costume. Andrei Arshavin, Robin Van Persie, Park Chu-Young, Theo Walcott, Gervinho, Marouane Chamakh. Miyaichi e o costa-riquenho Joel Campbell (jovem jogador que Wènger gostou de ver jogar na Copa América ao serviço da selecção costa-riquenha) irão espreitar as oportunidades que o treinador lhes der.

Niklas Bendtner é carta fora do baralho. Falou-se que poderia assinar pelo Sporting e pelo PSG.

Até ao final do mercado deverá abandonar londres, não sendo de descartar que até ao mercado, o Arsenal não se reforce com um ponta-de-lança e com mais um médio. À espreita nas reservas do clube estarão à espera de saltar para a primeira equipa jovens atletas como o Francês Gilles Sunu, Coquelin e Ozyakup, jogadores que já tem vindo a trabalhar com a equipa principal.

West Bromwich Albion

Mais uma selecção do mundo. 16 nacionalidades presentes nos 35 jogadores que compõem a estrutura sénior do WBA.

Não é uma equipa maravilhosa, mas será uma equipa com potencial para escapar à despromoção. Começa por apresentar um treinador muito experiente: Roy Hodgson.

Na baliza, Ben Foster rivaliza com o Húngaro Marton Fulop. Creio que o antigo guarda-redes do Manchester levará a melhor. Na defesa, destaques para Joe Mattock, Jonas Olsson, Marek Cech (antigo jogador do Porto) Gonzalo Jara, Pablo Ibañez (antigo central do Atlético de Madrid) Nick Shorey, Gabriel Tamas e Paul Scharner. Serão as opções defensivas utilizadas. No meio-campo, o Camaronês Tchoyi, James Morrison, Steven Reid, Youssouf Mulumbu, Jerome Thomas e Zoltan Gera (um regresso). Na frente, destaque para o checo Roman Bednar, Peter Odemwingie, Shane Long e Simon Cox.

Tottenham

Apesar dos excelentes resultados que o clube tem vindo a fazer na Premier League nas últimas 56 épocas e que já culminaram na excelente participação que o clube teve na Liga dos Campeões da época transacta onde apenas foi eliminada pelo Real Madrid nos quartos-de-final da prova, o Tottenham apresenta-se para a época 20112012 com o melhor plantel dos últimos 15 anos.

Se o objectivo do clube para este ano continua a ser a luta por um lugar que dê acesso à Liga dos Campeões, o começo de campeonato não aconteceu como os seus responsáveis técnicos e directivos planeavam. O Tottenham ainda não marcou qualquer ponto na Premier deste ano em 3 jornadas e acumulou um score negativo de 1-8 durante as 3 partidas. É certo que para tal muito contribuiu o facto de ter jogado na 2ª e na 3ª jornada contra os grandes rivais de Manchester.

Como sempre, graças ao seu enorme poderio financeiro que lhe permite atingir bons alvos no mercado, o Tottenham teve novamente um mercado de verão intenso com algumas saídas e algumas entradas. No entanto, entre as saídas, os baluartes do plantel da turma de White Hart Lane como Luka Modric, Gareth Bale, Sandro e Van der Vaart acabaram por não ser vendidos (até hoje) mesmo perante as ofertas interessantes que clubes de maior dimensão fizeram pela compra dos seus passes.

As saídas do clube prenderam-se basicamente a jogadores jovens que não tem espaço no plantel comandado por Harry Redknapp ou jogadores sem espaço na turma londrina. Jamie O´Hara e o central Woodgate acabaram por ser as saídas com maior destaque

Quanto às entradas, algumas bastante interessantes que vem reforçar o plantel londrino: desde logo a entrada do experiente guarda-redes Norte-Americano Brad Friedel, guarda-redes que vem dar mais concorrência ao Brasileiro Heurelho Gomes, o avançado Togolês Adebayor assinou com os Spurs para dar mais altura e força a um ataque que já tem nomes como Defoe, Crouch e Pavlyuchenko. O Tottenham também contratou dois jovens atacantes: Iago Falqué ao Villareal e Coulibaly ao Siena. O último é apontado como uma promessa do futebol mundial.

Por resolver continuam os processos Luka Modric, Roman Pavlyuchenko e Joe Cole. O internacional croata ainda poderá sair até às 24 horas de quinta-feira. Chelsea e Manchester cobiçam o jogador mas as verbas apresentadas ao clube de White Hart Lane não são suficientes para o Tottenham deixar sair o seu melhor jogador. O Russo poderá sair até ao fecho do mercado visto que é carta fora do baralho das opções de Redknapp e há muito que o Tottenham pretende vendê-lo por um valor nunca inferior aos 10 milhões de euros. Joe Cole pode estar por horas para reforçar esta equipa.

De resto, a espinha dorsal do plantel profissional não muda muito e continua com uma qualidade soberba:

– Gomes, Friedel e Cudicini na baliza.

– Alan Hutton e Corluka irão revezar-se na posição de defesa-direito, podendo o francês Kaboul também fazer esta posição. Sebastian Bassong, Gallas, Kaboul, Michael Dawson e Ledley King serão as opções para o centro da defesa. Todos eles são excelentes jogadores. A escolha por hábito recai em Gallas e King. O camaronês Bassong e Kaboul também poderão actuar à esquerda perante uma lesão de Benoit Assou-Ekotto. Gareth Bale avança no terreno por norma mas também é solução válida para a esquerda da defesa.

– No meio campo, os trincos são o brasileiro Sandro, Tom Huddlestone e o Hondurenho William Palácios. Para a frente, podendo ocupar as restantes posições Niko Kranjicar (actua preferencialmente pela esquerda) Luka Modric (o 10) Rafael Van der Vaart, Jake Livermore, Danny Rose, Jermaine Jenas, Aaron Lennon (direita) Townsend e Steven Pienaar.

– Para a frente, Falqué, Pavluchenko (até ver) Jermaine Defoe, Peter Crouch, Souleymane Coulibaly e Emmanuel Adebayor.

Blackburn

Outra equipa que ainda não pontuou nas primeiras 3 jornadas do campeonato. O Blackburn foi no passado o último não-grande a conseguir vencer a Premier League. O feito remonta à longínqua época de 19941995 quando nas fileiras do clube assumiam-se nomes como Alan Shearer (seria vendido no fim da época para o Newcastle) Chris Sutton, o guarda-redes Tim Flowers, Tim Sherwood, Graeme Le Saux, Kevin Gallacher, Henning Berg, Richard Witschge, Ian Pearson e sim, o guarda-redes Shay Given.

O panorama actual do clube mudou. O Blackburn é uma equipa cujas dificuldades para atingir a manutenção são enormes de época para época devido à grande competição que é a Premier League. Treinado por um escocês (Steve Kean) o plantel do blackburn para esta época é bastante interessante.

Em destaque:

– O guarda-redes Paul Robinson.

– Os defesas Michel Salgado, Martin Olsson, Christophe Samba (um dos jogadores com mais destaque nesta equipa) Gael Givet e Ryan Nelson.

– No meio-campo, Simon Vukcevic foi comprado ao Sporting um valor a rondar os 2,3 milhões de euros. Terá como companheiros Radosav Petrovic (sérvio que o sporting cobiçou na época transacta) David Dunn, Mauro Fórmica, Vince Grella, Morten Gamst Pedersen e Stephen N´Zonzi.

– No ataque, o grenadino Jason Roberts terá como companheiros o espanhol Rochina, Nick Blackman e Nick Hoilett

Saídas a registar: o lateral-direito Brett Emerton decidiu voltar à Austrália para representar o Sydney FC, Ivelin Popov rumou ao Gaziantespor, Mame Diouf regressou ao Manchester United mas não faz parte das contas de Alex Ferguson, Jermaine Jones regressou ao Schalke 04, o croata Kalinic rumou à Ucrânia para representar o Dnipro e Benjani voltou ao Portsmouth.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Hoje começa o Torneio das 6 Nações!

Os capitães Matthew Rees (Gales) Alastair Kellock (Escócia) Thierry Dusautoir (França) Lewis Moody (Inglaterra) Brian O´Driscoll (Irlanda) e Leonardo Ghiraldini (Itália) alinham-se para a batalha.

A jornada começa hoje com o jogo entre Gales e a Inglaterra.

Que o espectáculo comece!

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , ,