Tag Archives: Orlando

NBA All-Star Weekend

Na sexta-feira, para abrir as festividades, o habitual jogo entre rookies e sophomores, respectivamente novatos e jogadores de 2º ano na Liga. No entanto, para contrabalançar as equipas, a Liga optou por misturar jogadores nas equipas Chuck e Shaq.

Do lado da team Chuck actuaram: Kyrie Irving (Cleveland Cavaliers) DeMarcus Cousins (Sacramento Kings) Derrick Williams (Minnesota Timberwolves) Paul George (Indiana Pacers) MarShoon Brooks (New Jersey Nets) John Wall (Washington Wizards) Tiago Splitter (San Antonio Spurs) Evan Turner (Philadelphia 76ers) Gordon Hayward (Utah Jazz) Kawhi Leonard (San Antonio Spurs) e Derrick Favors (Utah Jazz)
Do lado da team Shaq alinharam: Blake Griffin (LA Clippers) Jeremy Lin (New York Knicks) Ricky Rubio (Minnesota Timberwolves) Markieff Morris (Phoenix Suns) Kemba Walker (Charlotte Bobcats) Landry Fields (New York Knicks) Norris Cole (Miami Heat) Brandon Knight (Detroit Pistons) Tristan Thompson (Cleveland Cavaliers) e Greg Munroe (Detroit Pistons)

Como jogo de exibição que se preze, houve tempo para tudo. Para os triplos e rodopios de Kyle Irving, que como esperado, seria eleito o MVP da partida, para os afundanços espectaculares de Derrick Williams (viria a participar no slam dunk contest de sábado) para os afundanços de Paul George (idem) para as jogadas explosivas de Marshon Brooks, para as assistências e afundanços de John Wall, Ricky Rubio e Blake Griffin, para os triplos de Landry Fields, etc…

A Team Chuck venceu a Team Shaq por 146-143. Kyle Irving foi o melhor pontuador da partida com 34 pontos.

No sábado, a noite de Skills trouxe um espectáculo pobre que se previa mais intenso e mais disputado.

Na minha opinião e não desprestigiando os jogadores que tiveram em campo, podia-se ter feito mais qualquer coisinha no sentido de proporcionar um bom espectáculo, optando-se pela convocação de verdadeiros especialistas nas habilidades a concurso. Realço portanto a presença de bons triplistas como Ray Allen, Karl Korver, Vince Carter e Arron Afflalo no concurso de triplos assim como as ausências de outros no concurso de afundanços como LeBron James, Monta Ellis, Nate Robinson, DeMarcus Rozan ou Blake Griffin, nomes que eventualmente trariam um espectáculo mais vistoso a esta noite de sábado.

Todavia, a Liga, no que toca ao All-Star Weekend, faz uma convocatória minimamente global do alinhamento respeitando as características|feitos dos jogadores (em conjunto com a escolha do público através do site da competição) e a presença de elementos de todas as equipas nas provas de exibição. Muitos jogadores, por receio de lesão ou por vontade expressa de aproveitarem esta paragem do campeonato, optam por não aceitar os desafios menores.

Assim sendo, no primeiro concurso da noite, o Haier Shooting Stars, concurso que consiste na constituição de equipas formadas por 3 elementos (1 jogador da equipa na actualidade, 1 antigo jogador da mesma equipa e 1 jogadora da equipa feminina da WNBA da mesma cidade da equipa masculina, com o objectivo de lançar de várias posições com exito no menor tempos possível, tiveram presentes três equipas: a de Nova Iorque, constituida por Allan Houston, Landry Fields e Cappie Pondexter (New York Liberty\New York Knicks), a de Atlanta constituída por Jerry Stackhouse (substituindo o lesionado Joe Johnson\substituído por Rajon Rondo no All-Star Game) Steve Smith e Lindsay Harding, a equipa de Orlando, constituída por Jameer Nelson, Dennis Scott e Marie Ferdinand-Harris e a Team Texas, constituída por Chandler Parsons, Kenny Smith (Houston Rockets) e Sophia Young.

A equipa de Nova Iorque venceria o concurso.

No 2º contest da noite, o concurso de Skills era apimentado por mais uma acção de solidariedade da NBA. A NBA, aproveita usualmente estes momentos para efectuar acções de solidariedade para a comunidade, algo que só eleva ainda mais o nível da competição.

O concurso de Skills, criado para bases, resume-se à execução de um circuito que começa com um lançamento\afundanço, um slalom com bola, dois passes para uma baliza (um de peito e outro picado) um lançamento longo, outro passe, novo slalom e o término com um lançamento simples ou afundanço. Dos 6 intervenientes, passam 2 a uma final consoante os melhores registos.

A concurso, dos melhores bases da liga: Deron Williams (New Jersey Nets) John Wall (Washington Wizards) Tony Parker (San Antonio Spurs) Rajon Rondo (Boston Celtics) Kyrie Irving (Cleveland Cavaliers) e Russell Westbrook (Oklahoma City Thunder). A particularidade neste concurso residia no facto de cada atleta representar no concurso um jovem em busca de uma scholarship universitaria. Tony Parker venceu o concurso e o seu representado acabou por ir para casa mais feliz, decerto.

Lançamento de triplos, o concurso que mais gosto de ver na noite de sábado.

A concurso, Kevin Love dos Minnesota Timberwolves, Kevin Durant dos Oklahoma City Thunder, Mario Chalmers e Jones dos Miami Heat, Anthony Morrow dos New Jersey Nets e Ryan Anderson dos Orlando Magic.

Depois de um concurso muito disputado, de 2 rondas e 2 desempates disputados, o poste Kevin Love tornou-se o novo rei dos triplos. É um bom prémio para Love, pelo simples facto de ser um poste muito completo que para além de dominar bem o jogo interior, vem esporadicamente fora do garrafão lançar de 3 pontos com bastante sucesso (37% esta época).

Para finalizar a noite, o habitual concurso de afundanços. Ligeiramente mais fraco este ano ao nível de espectacularidade. Presenças de Chad Buddinger (Houston Rockets) Jeremy Evans (Utah Jazz) Paul George (Indiana Pacers) e Derrick Williams (Minnesota Timberwolves).
Deu para tudo: para afundanços em estilo revival, saltos sobre motas, saltos frustrados, planos B e C…

No Domingo:

O habitual jogo das estrelas da Conferência Este e do Oeste.
Maior parte dos jogadores dispensam apresentações.
Kevin Durant foi eleito MVP. O jogador dos Oklahoma City Thunder fez 36 pontos na partida. Kobe Bryant dos Lakers marcou 27 pontos na partida e tornou-se o melhor marcador de sempre em All-Star Games com 271 pontos, contra os anteriores 262 de Michael Jordan. O Oeste ganhou por 148-147.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

reservas do all-star game 2012

Love, Nowitzsky, Aldridge, Nash, Westbrook, Parker, Marc Gasol – Oeste

Juntam-se a Griffin, Durant, Bryant, Bynum e Paul.

Bosh, Deron Williams, Hibbert, Johnson, Deng, Pierce e Iguodala – Este

Juntam-se a Rose, Carmelo Anthony, Wade, James e Howard

Se clicarem aqui, onde abordo pela primeira vez este all-star game, nos palpites indiquei como suplentes do Oeste  Raymond Felton e Rudy Gay e como tal falhei na previsão, acertando todavia os outros 5 e no Este, falhei Rajon Rondo e Amare Stoudamire.

Creio que perante o que Gay e Rondo tem feito nesta época, é um erro crasso dos treinadores não levarem estes dois nomes.

Gay, apesar da época muitos furos abaixo do esperado de Memphis, alinhou em 26 jogos, perfazendo uma média pontual de 18.7 e 6.7 ressaltos por jogo. No entanto é um shooter explosivo e acaba por ser a “alma-mater” da equipa de Memphis.

A escolha de Tony Parker prende-se pelo facto do jogador estar em re-ascensão na Liga. 18.9 pontos de média e 7.7 assistências, exibições muito consistentes que tem carregado os Spurs na intermitência de Duncan e na ausência de Ginobili.

No Este, saúdo a chamada pela primeira vez para o evento de Luol Deng. Bem o merece pois está a fazer a época mais expressiva em Chicago. Uma máquina de pontos e ressaltos. Deng não é e nunca será a principal vedeta de Chicago. É o Pippen dos tempos modernos. Mas na falta de Rose em campo, é a ele que os colegas passam a bola e quase sempre com exito Deng assume certeiramente a liderança. No entanto, complementando D-Rose, Deng não poderia ser melhor colega. Agora, não tenho apenas um motivo para ver o All-Star Game mas sim dois!

A não-escolha de Rondo para este All-Star é na minha opinião escandalosa. Se Boston tem feito (miserável é certo) o que fez esta época (se Rondo estivesse ausente, Boston a esta altura estaria longe dos lugares de playoffs) deve-o a Rondo. É o showman de Boston perante um Paul Pierce que infelizmente tem dias e perante a “ausência” de Garnett e Allen, cuja psique ainda está sã para definir objectivos de vitória mas cujo físico (pelo avanço da idade e pelo ritmo diabólico da NBA\desgaste de épocas de altíssimo rendimento) já não responde mais à exigência da própria prova.

A escolha de Pierce aceita-se, apenas tendo como base o facto de Pierce ter sido um dos melhores jogadores da década. É all-star garantido, there´s no doubt about it.

Amare Stoudamire – Perante Bosh é difícil assumir que Stoudamire entrava nesta lista. Para mim entrava por troca de Hibbert visto que não sou muito apreciador do poste de Indiana. Mais facilmente iria buscar Greg Munroe a Detroit. Amare está a subir de rendimento e tal e qual como Pierce é um all-star nato. Erro de julgamento creio.

Gasol – Não está. E perdoem-me os lakerianos; não está e muito bem. Está a anos luz do Gasol de outros tempos, precisa de mudar de ares e a sua dinastia é representada pelo irmão que é uma fera jeitosa!

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,