Tag Archives: Niklas Bendtner

futeboladas

Como é tradição, o futebol em Inglaterra não para nas festas.
Na sexta, sábado e no domingo disputou-se a segunda de quatro jornadas loucas na Premier League, tendo saído vencedores (ao nível pontual) o Liverpool, o Arsenal e de certa maneira o Tottenham.

Começando pelo Liverpool.

Depois de um arranque intermitente e de muitos problemas (culminados pela suspensão de Suarez cujo recurso ao castigo de 8 jogos apresentado pelos Reds à FA) a equipa de Kenny Dalglish está a acertar agulhas no campeonato e depois desta vitória re-entrou pelo menos na luta pelos lugares da Champions League. Os 11 pontos que separam os Reds de City e United continuam a ser um obstáculo enorme a uma eventual mudança de objectivos visto que continuo a considerar que os Reds não são candidatos ao título.

Contra um Newcastle moralizado por ter quebrado um ciclo de 6 jogos sem ganhar, os Reds carregaram a fundo no acelerador e a “surpresa” Craig Bellamy, a fazer a melhor época da sua carreira no regresso a Anfield deu a volta ao resultado com dois golos (29 e 69 minutos) depois de um auto-golo de Daniel Agger aos 25″. A defesa continua a ser a maior fragilidade dos homens de Anfield.

Andy Carroll, depois de mandar duas bolas aos ferros durante a partida, calou todos aqueles que o tem acusado de ser o maior flop da história do Liverpool (inclusive eu) com um golo já nos descontos.

Em Manchester, o dia que devia ser de festa pelo 70º aniversário de Sir. Alex Ferguson acabou por ser um dia que culminou o corolário de um ano que só se salvou com a conquista da Premier League.

No Old Trafford, o pobre Blackburn (vindo da última posição do campeonato mas com um empate na última jornada em Anfield Road) surpreendeu tudo e todos ao bater os Red Devils por 3-2. O Nigeriano Yakubu (é impressão minha ou ele está um pote?) bisou e continua a sair da casca: já leva 12 golos na Premier este ano. O United respondeu com dois golos de Berbatov e quando se esperava que a equipa de Sir. Alex Ferguson desse a volta ao marcador, Grant Hanley aproveitou um soco no ar de Di Gea (mais um!) num canto para marcar um golo às três tabelas.

Mesmo com um rendimento muito intermitente, o United partilha a liderança com o City (perdeu em Sunderland) e no meio de tanta azelhice continua a ter um lugar privilegiado para atacar o título. No entanto, urge que o mês de Janeiro traga caras novas a Old-Trafford. Na minha opinião, o United precisa de se reforçar com um defesa direito, um central, um trinco, um nº10 e um extremo e deveria dispensar jogadores como Johnny Evans, Rio Ferdinand, Phil Jones (continuo a não compreender como é que o United pagou 22 milhões por Phil Jones) Darren Fletcher, Michael Carrick, Antonio Valência e Dimitar Berbatov. Luka Modric e Wesley Sneijder voltam a ser falados como targets dos Red Devils para Janeiro, mas tanto Inter como Tottenham já vieram negar disponibilidade para negociar os atletas.

A Coreia do Sul está muito orgulhosa do seu novo delfim no futebol: Ji Dong Won. O Coreano de 20 anos que os Black Cats foram buscar ao modesto Chunnam Dragons da Coreia do Sul saltou do banco aos 78 minutos quando o City carregava para vencer o jogo e em cima do minuto 90 marcou o golo da vitória para a equipa de Martin O´Neill, fazendo o seu 2º na Premier.

O City de Mancini continua a demonstrar uma fase de menor fulgou ofensivo que tem sido culminada com alguns desaires nas últimas jornadas. Num jogo de várias incidências: Bendtner falhou isolado na cara de Joe Hart aos 12″, e por outro lado, Dzeko enviou uma bola à barra ainda na primeira parte, coube ao Coreano selar o desfecho trágico para os Citizens já em cima da hora.
Na 2ª parte, Mancini meteu toda a carne no assador e colocou David Silva e Kun Aguero em campo. Sem resultados práticos.

Outros jogos:

Arsenal 1-0 QPR – A turma de Wenger cresce de jogo para jogo e re-entrou na luta pelo título. 9 pontos separam os Gunners da dupla de Manchester depois de um jogo fácil para a turma de Londres num derby contra o Queens Park Rangers decidido com um golo do inevitável Robin Van Persie.

Swansea 1-1 Tottenham – Podia ter sido melhor para a turma de Harry Redknapp. Recuperam 1 ponto para os líderes e estão a apenas 6 de City e United com uma partida a menos, relativa à 1ª jornada contra o Everton que se irá disputar no dia 11 e que pode levar os Spurs às portas da liderança (poderão ficar a 3 pontos caso tudo se mantenha invariável até lá na tabela classificativa).
O Tottenham demorou mais uma vez a encaixar no jogo e só conseguiu chegar ao golo já perto do Intervalo com um golo de Van der Vaart. Na 2ª parte, o Swansea carregou à procura do empate e mereceu-o. Scott Sinclair coroou uma grande exibição com um golo aos 84″ depois de vários avisos feitos pelos Swans (cisnes) à baliza de Brad Friedel e de uma postura muito defensiva dos Spurs na 2ª parte. Kyle Walker continua a confirmar-se como a revelação da Premier League e perante uma dada indecisão de laterais direitos na Old Albion (apenas Micah Richards terá lugar para já na convocatória de Capello para o Europeu) poderá ser uma alternativa viável para o seleccionador.

Aston Villa 1-3 Chelsea – Uma lástima para os Blues. O cerco a Villas-Boas volta a apertar-se.

1. 4 jogos sem vencer voltam a afastar os Blues da luta pelo título. No jogo contra o Aston Villa, o futebol exibido pelos Blues voltou a demonstrar muita incipiência e muito esgotamento por parte dos consagrados de Stamford Bridge para alterar o rumo da equipa. Lampard fez um jogo para esquecer dando um golo de bandeja aos Villains e David Luiz estava mal posicionado em todos os golos da turma de Birmingham. O defesa central brasileiro continua transferível no mercado de Janeiro.

2. A relação entre AVB e os jogadores parece ter-se agudizado nos últimos dias depois do técnico português ter negado a presença a Nicolas Anelka (transfere-se precisamente para a China) no tradicional jantar de natal do plantel londrino, facto que revoltou os jogadores e que obrigou inclusive à realização de uma festa paralela num clube privado para que Anelka participasse. Um dos problemas desta equipa pode explicar-se por esta óptima: a tensão crescente dos jogadores aos métodos do treinador português. A jornada de hoje será decisiva para AVB e a demissão em caso de derrota pode ser uma realidade que terá que se por em cima da mesa.

Stoke City 2-2 Wigan – O Wigan activou o marcador aos 45″ por intermédio do extremo nigeriano Victor Moses. O Stoke, a jogar em casa, aproveitou a expulsão de Gary Caldwell e o respectivo penalty assinalado para empatar a partida aos 77″ por intermédio do gigante Walters. O Stoke carregou e chegaria à vantagem 7 minutos depois por intermédio de Cameron Jerome. Quando tudo parecia decidido, o Wigan de Roberto Martinez, a jogar com 10 chegou ao empate 3 minutos depois por intermédio de Ben Watson. O Stoke continua a confirmar uma época tranquila: é 8º com 26 pontos, longe da turbulência da linha de água onde se encontra o Wigan com 15 pontos, mais um que Blackburn e dois que Bolton e com menos dois que Wolverhampton e QPR.

Hoje e amanhã teremos mais uma jornada da Premier.

Anúncios
Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Pelos jogos internacionais…

http://videa.hu/flvplayer.swf?v=RT1qphGQhgB7hnyk

A Dinamarca não vacilou e levou de vencida uma inofensiva Noruega. A Noruega pouco fez durante a partida e acaba por dar um passo atrás na qualificação. Bendtner marcou os golos da Selecção Dinamarquesa.

A Islândia bateu o Chipre por 1-0.

O primeiro lugar do grupo é repartido pelas 3 selecções, mas Portugal corre na frente. A Dinamarca é 2ª. A Noruega 3ª com mais um jogo.
Na próxima jornada, a 7 de Outubro, Portugal recebe a Islândia no Estádio do Dragão no Porto e a Dinamarca vai a Nicósia defrontar o Chipre. Folgará a Noruega.

Abrem-se cenários para a próxima jornada:
1. Em caso de vitória Dinamarquesa, a Dinamarca apura-se para os playoffs. Mesmo em caso de derrota de Portugal, tudo se irá decidir em Copenhaga na última jornada.
2. Em caso de vitória Portuguesa, Portugal não se apura para os playoffs, mas deixa a questão praticamente arrumada para a última jornada onde até poderá perder contra a Dinamarca em Copenhaga que muito dificilmente irá ceder o seu lugar à Noruega pela questão da diferença de goal-average entre as duas selecções.

– No grupo A, a Turquia não quis dar a machadada final na Bélgica tendo empatado hoje na Áustria a 0 bolas. Arda Turan, o jogador talismã dos turcos no passado jogo de sexta-feira (marcou o golo da vitória aos 6 minutos do período de descontos) foi o vilão deste jogo ao falhar uma preciosa grande penalidade já para além da hora. 

O Azerbeijão ganhou ao Cazaquistão por 3-2.

A Alemanha já se tinha qualificado na sexta-feira. A Turquia é 2ª com 14 pontos. A Bélgica tem 12 e a Áustria com 8 está eliminada.
Na próxima jornada, o Azerbeijão recebe a Áustria, a Bélgica recebe o Casaquistão e em caso de vitória dos Belgas, estes poderão aproveitar um eventual resultado negativo da Turquia em Instambul perante a Alemanha. Todavia, terão sempre que medir forças com a Alemanha na última jornada em Dusseldorf.

– No grupo B

Empate da Rússia e da Irlanda em Moscovo. Um bom resultado para as 2 selecções. A Rússia porque continua na liderança. A Irlanda porque sabe perfeitamente que é difícil vencer na Rússia, pontua, não perde o 2º lugar e continua a acalentar o 1º pois continua a 2 pontos da Rússia.

A surpresa da jornada acabou por vir de Zilina. A modesta Arménia foi à cidade Eslovaca golear a selecção da casa por 4-0 e continuar a surpreender meia europa. Esta goleada põe o grupo B ao rubro e faz sonhar o povo Arménio. Nunca antes esta antiga república soviética esteve tão perto de sonhar com a qualificação.

A Macedónia ganhou 1-0 a Andorra em casa.

A Rússia continua a liderar com 17 pontos. 15 tem a Irlanda. Com 14 estão a Arménia e a Eslováquia.
Na próxima jornada, teremos 3 jogos emocionantes: em teoria, a Arménia tem vantagem em defrontar a Macedónia em casa. A Eslováquia joga o tudo ou nada em Zilina contra a Rússia. A Irlanda vai a Andorra.

1. Em caso de vitória Russa, esta selecção garante praticamente a passagem ao Europeu pois na última jornada recebe a humilde selecção de Andorra.
2. A selecção Eslovaca em caso de derrota fica de fora do europeu.
3. A selecção Eslovaca em caso de vitória irá marcar 17 pontos. Continuará empatada com a Arménia (caso esta vença= e neste cenário com a Rússia, mas também continuará em 4º lugar devido ao goal-average negativo que tem em comparação com o goal-average abundante de Russos e Armenos. A Rússia poderá perder o primeiro lugar caso a Irlanda vença e até o 2º caso a Arménia vença.

-No Grupo C

A Itália voltou a utilizar a receita do costume para vencer a Eslovénia e apurar-se para o Europeu. No Artémio Franchi em Florença, os italianos não jogam por aí além mas tiveram um Pazzini inspirado nos minutos finais a facturar numa baliza onde (pela sua passagem no passado pela Fiorentina) conhece bastante bem o sabor do golo.

A Sérvia ganhou 3-1 às Ilhas Faroe e saltou para a 2ª posição do grupo. A Eslovénia acabou por ser a grande derrotada da noite pois também viu a Estónia saltar para a 3ª posição depois de vencer a Irlanda do Norte em Talinn por 4-1. A luta pelos playoffs continua ao rubro neste grupo C: a Sérvia é 2ª com 14 pontos, a Estónia 3ª com 13. Os estónios tem mais um jogo assim como os eslovenos, que com a derrota de hoje não estão matematicamente eliminados mas irão necessitar que a Sérvia perca na próxima jornada em casa frente à Itália, que a Estónia perca ou empate na Irlanda do Norte e que na última jornada possam ganhar aos Sérvios em Ljubliana.
Na próxima jornada, a Sérvia recebe a Itália, tendo a selecção transalpina a possibilidade de baralhar as contas dos sérvios caso vença e caso a Estónia vá vencer a Belfast.

– Grupo D

No jogo grande, a França empatou em Bucareste a 0 bolas e conseguiu um autêntico “matchpoint” na qualificação.
A Bósnia também obteve um “matchpoint” ao vencer nos últimos minutos a Bielorrussia em Sarajevo com um golo de Misimovic aos 87″, dois minutos depois da expulsão do 2º defesa Bielorusso Kalachev. O primeiro (Martynenko) já tinha sido expulso por acumulação no decorrer da 1ª parte.

O Luxemburgo obteve uma vitória histórica em casa, vencendo a Selecção Albanesa por 2-1.

A França lidera com 17 pontos. A Bósnia tem 16. Ambas garantem praticamente os playoffs. A Roménia tem 12 assim como a Bielorussia.

1. Na próxima jornada, a Roménia recebe os Bielorussos, num jogo em que quem perder pontos será eliminado e quem puder vencer também poderá ser eliminado, caso a Bósnia e a França vençam os seus jogos. A Bósnia recebe o Luxemburgo, a França recebe a Albânia.
Mesmo em caso de vitória Romena, caso a Bósnia e a França vençam os seus jogos, garantem o lugar que lhes permite jogar os playoffs.
2. Caso a França vença e a Bósnia perca o seu jogo, a França garante a qualificação e em caso de vitória da Roménia ou da Bielorrússia, ambas poderão ter uma palavra a dizer na última jornada.
3. Caso a França perca ou empate o seu jogo e a Bósnia vença, a Bósnia vai para a primeira posição e em caso de vitória da Roménia ou da Bielorrússia, estas continuarão a acalentar hipóteses de qualificação na última jornada.

– No Grupo E

A Holanda venceu a Finlândia em Helsínquia por 2-0 num jogo em que o avançado do PSV Kevin Strootman continua a consolidar o seu lugar na laranja mecânica com a obtenção de mais um golo. A Finlândia foi sempre incipiente nas suas acções ofensivas e nunca criou grande perigo à baliza de Maarten Stekelenburg durante os 90 minutos da partida. A Holanda esteve por várias vezes perto do 2º golo e incomodou várias vezes a baliza finlandesa na 2ª parte ora pelas boas arrancadas de Eljero Elia pelo flanco esquerdo ora pelos passes em desmarcação com que Sneijder ia servindo os colegas. Seria De Jong a carimbar a vitória mesmo em cima do apito final, quando a Finlândia já jogava reduzida a 10.

A Hungria cumpriu a sua tarefa e foi vencer à Moldávia por 2-0. A Suécia venceu em São Marino por 6-0 e ascendeu à 2ª posição pelo goal-averagem superior aos Húngaros, que tem mais um jogo que os suecos. Na próxima jornada, os Suecos poderão carimbar a passagem aos playoffs caso vençam a Finlândia em Helsínquia. Caso contrário tudo será decidido na última jornada.

– No grupo F

Nos primeiros 45 minutos em Zagreb, a Selecção Israelita vencia por 1-0, marcava oficialmente 16 pontos na classificação (na prática eram os mesmos que os croatas) e viam a Grécia a perder por 1-0 na Letónia, facto que punha os gregos também com os semelhantes 16 pontos. Com este cenário de intervalo em Zagreb, os croatavas lideravam, os gregos eram 2ºs e os israelitas 3ºs com os mesmos pontos, com Israel com mais um jogo.
Na 2ª parte, Modric, Eduardo da Silva e companhia viraram o marcador em prol dos croatas, eliminaram Israel e viram a Grécia de Fernando Santos perder pontos na Letónia, ao empatar quase ao cair do pano por intermédio de Papadopoulos num jogo em que os Gregos tiveram que sair da sua habitual retranca para massacrar os Letões…na retranca!! De nada valeu o ímpeto de Giorgios Samaras e companhia. A Croácia passou para a frente do grupo.

Em La Valleta, dia de festa para os Malteses com o empate caseiro frente à Geórgia a 1 bola.

A qualificação será discutida a dois nas próximas jornadas. No que diz respeito à próxima, a Grécia recebe a Croácia em Atenas. A Grécia passa para a frente do grupo caso vença. A Croácia qualifica-se caso vença e fica em grande posição caso empate.

Letónia – Malta será um jogo para cumprir calendário.

– No grupo G,

Ashley Young fez Capello respirar de alívio perante a ameaça de uma moralizada selecção de Gales. O jogador do United confirmou a excelente forma ao dar a vitória à Old-Albion perante a vizinha selecção galesa.

http://www.dailymotion.com/embed/video/xkwxb1

No Saint Jakob Park de Basileia, a Suiça aproveitou a folga de calendário de Montenegro para equilibrar a balança com a turma balcânica. Era o jogo de tudo ou nada de Suiços e Búlgaros. Quis o talentoso médio ala de 20 anos Xherdan Shaqiri colocar ao rubro o público Suiço na sua própria casa (Shaqiri actua pelo Basileia) com um hat-trick no 2º tempo. A Bulgária ainda alimentou as esperanças de bater os Suiços durante 36 minutos devido a um golo madrugador de Ivaylo Ivanov.

A Inglaterra lidera o grupo com 17 pontos (+ 1 jogo). Montengro é 2ª com 11 pontos. A Suiça tem 8 pontos. A Bulgária tem 5 e mais um jogo, estando portanto eliminada. Gales 3.
Na próxima jornada, Gales recebe a Suiça enquanto Montenegro recebe a Inglaterra em Podgorica.

1. Em caso de vitória da Suiça e derrota de Montenegro, basta apenas o cenário de 1-0 para que a Inglaterra se apure e a Suiça ultrapasse a selecção montengrina.
2. Em caso de vitória de Montengro perante a Inglaterra e derrota Suiça, a Inglaterra continua na primeira posição com 17 pontos mas só será qualificada directamente se Montenegro conseguir superar os 10 golos de goal-average que tem de diferença para os ingleses. Neste cenário, Montenegro segura pelo menos os playoffs. Caso contrário terá que jogar os playoffs na Suiça na última jornada.

Grupo I

A Roja venceu o pobre Lichstenstein por 6-0 com bis de Negredo e David Villa e restantes golos a serem apontados por Xavi e Sérgio Ramos. A Espanha está qualificada para o Europeu.

A Escócia venceu a Lituânia por 1-0 e relança os escoceses na luta pelos playoffs.

A Espanha lidera com com 18 pontos. A República Checa tem 10 pontos, a Escócia tem 8. Os Escoceses poderão ascender à 2ª posição do grupo se vencerem no Lichstenstein e se a República Checa perder com a Espanha em Praga não sendo porém linear que estes resultados decidam a qualificação porque na última jornada, teremos os escoceses a jogar em Espanha e a República Checa a jogar na Lituânia.

Outras zonas de qualificação:

Ásia – 1ª fase de gruposqualificação 2014 – 2ª jornada

– A Jordânia lidera o grupo A com 6 pontos depois de bater a China por 2-1. A China é 2ª com 3 pontos. O Iraque também somou 3 pontos ao bater Singapura por 2-0 fora.

– No Grupo B, a Coreia do Sul não foi além de um empate no Kuwait a 1 bola. Mesmo assim os Sul-Coreanos lideram o grupo com 4 pontos, os mesmos do Kuwait. No outro jogo do grupo, o Líbano venceu por 3-1 os Emirados Árabes Unidos e somou 3 pontos.

– No grupo C, Uzbequistão e Japão empataram a 1 bola e lideram o grupo com 4 pontos. A turma nipónica esteve a perder a partir dos 9 minutos até ao minuto 65. A Coreia do Norte venceu em casa o Tadjiquistão por 1-0 e somou 3 pontos.

– No grupo D, a Austrália destacou-se na liderança ao vencer a Arábia Saudita fora por 3-1 com golos de Joshua Kennedy e Luke Wilkshire. A Austrália tem 6 pontos. A Tailândia é 2ª com 3 depois de ter batido Omã por 3-0.

– No grupo E, Qatar e Irão empataram a 1 bola. Os Iranianos estão na liderança do grupo com 4 pontos em paridade com o Bahrein, que foi à Indonésia bater a selecção da casa por 2-0. O Qatar tem 2 pontos.

Amigáveis:

Ontem, em Londres (Craven Cottage – estádio do Fulham) a canarinha venceu o Gana por 1-0 mas não se exibiu ao seu bom nível. Ronaldinho voltou à selecção por escolha pessoal de Mano Menezes para dotar o escrete de um jogador que se tem exibido a alto nível no plano interno e reune a simpatia e carinho do povo brasileiro. O jogador do Flamengo não tem a mesma velocidade de outros anos mas tentou de tudo para marcar neste golo contra o Gana. De livre, obrigou o guarda-redes Ganês a defesas apertadas. Na 2ª parte, fez uma abertura a isolar Alexandre Pato que foi absolutamente sublime e acabou por ser uma das jogadas mais bonitas da partida.
O jogador do Sporting Elias foi titular e jogou os 90 minutos pela canarinha. Hulk entrou na 2ª parte e esteve apagado. O Porto foi buscá-lo a Londres de jacto e o atleta jogou hoje pelo FC Porto na marinha grande contra o Leiria.

Leandro Damião, avançado que esteve na mira do Porto, marcou o único golo de uma partida que ficou estragada a meio da primeira parte por uma expulsão duvidosa de Daniel Opare depois de uma falta muito bem aproveitada pelo experiente central Lúcio para sacar o segundo amarelo ao jogador Ganês.

Depois do amigável frente à Venezuela em Calcutá, a Argentina defrontou na tarde de ontem a Nigéria em Dacca, capital do Bangladesh. Messi voltou a não marcar, mas deu o primeiro a Higuaín e contribuiu no 2º com um poderoso remate que o guarda-redes nigeriano defendeu directamente para o desvio de DiMaria para o fundo das redes. Elderson cometeu auto-golo enquanto Obasi marcou o tento de honra dos nigerianos.

Em Gdansk, cidade dividida entre Polacos e Alemães ao longo da história, Polónia e Alemanha disputaram um interessante amigável que terminou empatado a 2 bolas. Os jogadores do Dortmund Lewandowski e Kuba Blaszczykowski marcaram os golos para os Polacos. Toni Kroos e Cacau para os Alemães.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Sobre as contratações do Sporting

Pela primeira vez em muitos anos estou a gostar da política do Sporting.

Depois de 2 anos completamente frustrantes, a aposta num treinador que a pouco e pouco volta a devolver a esperança aos adeptos é em primeiro lugar uma aposta ganha. Domingos Paciência pode ainda não ter ganho nada, mas o seu discurso é motivador e inspira confiança aos adeptos. Dirigiu-se para o clube certo para ganhar.

Em segundo lugar, estou a gostar da política de contratações do Sporting. Não há um nome neste novo lote de jogadores que eu não dúvide das suas capacidades e qualidades para envergar a camisola do Sporting. Nem o de Ricky Van Wolfswinkel, até agora a contratação mais cara (5,7 milhões de euros).

Há que dar tempo para esta equipa ganhar maturidade e rotina sobre as ordens de Domingos. Varreu-se algum do cancro que não tinha talento e qualidade para ostentar o verde e branco no peito, contratou-se matéria prima para se fazer um plantel a sério sem exceder os targets e limitações financeiras de que o clube sofre. 

Começando pela defesa, Santiago Arias é um jogador bastante interessante para fazer concorrência a João Pereira. Será um talento a explorar a longo prazo. No centro da defesa (grande problema do Sporting nas últimas épocas) as contratações dos experientes Rodriguez e Oneywu vem dar altura a uma defesa que era muito baixa, experiência, espírito de luta, força no jogo áereo e dois jogadores que gostam de mandar nos terrenos onde pisam. À esquerda, a possível contratação de Turan (defesa-esquerdo do Grenoble internacional sub-19 pela França) será a concorrência de um Evaldo que foi diminuindo de qualidade ao longo da época devido à pouca concorrência de Leandro Grimi. O lateral Francês esteve bem cotado em Barcelona. É essencialmente um lateral de ataque que gosta de subir, centrar e bate muito bem livres.

No meio campo, perante a possível não continuidade do trio Maniche-Zapater-Pedro Mendes (creio que o clube deveria aproveitar a força do Espanhol e a inteligência de Pedro Mendes) Fabian Rinaudo vem rotulado como um jogador que se entrega totalmente ao jogo, é inteligente a sair com jogo nos pés e imperioso no desarme. Já Schaars, contratado por 850 mil euros ao AZ Alkmaar é um autêntico patrão do meio-campo: é muito forte fisicamente, gosta de assistir e remata com alguma facilidade. Podem ser bons companheiros de sector para André Santos e para Izmailov, que regressa esta época com muita fome de bola e em melhores condições físicas.

Na frente, as contratações de Carrillo (um mágico que precisa de sofrer para vencer) e Ricky Van Wolfswinkel vem fazer companhia a um Matias Fernandez que poderá render bastante com Domingos, a um Yannick Djaló que vai melhorando com o tempo e um Hélder Postiga que está novamente moralizado. Talvez seja esta a minha opinião mas creio que Domingos deveria dar mais uma oportunidade a Simon Vukcevic: o montenegrino pode render mais com um treinador a sério e com um plantel competitivo ao nível de soluções.

Para finalizar, falta a contratação de mais um extremo: existem nomes interessantes no mercado como Guardado, Giovanni dos Santos, Jorge Martinez, Bryan Ruiz, César Delgado, Artur ou Miralem Sulejmani – qualquer um deles encaixaria no Sporting e são jogadores ao alcance dos cofres de Alvalade e de mais um avançado (o tal pinheiro) onde Niklas Bendtner poderia ser a opção se o negócio estivesse ao alcance do Sporting.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Uma questão de infantilidades

http://video.rutube.ru/8f14adc5183a52d5097a45995d7c6f3f


Uma questão de infantilidades. Por parte de dois jogadores do Arsenal.

Quando vi o alinhamento das equipas nos primeiros minutos da equipa, vieram-me logo à cabeça dois pensamentos:

1-Arsène Wenger estudou muito bem o Barcelona e os últimos jogos da equipa catalã na Liga Espanhola.

2- A defesa com que o Barcelona entrou arrepiou-me. Por necessidade, Busquets teve que ser central. E o lateral-esquerdo Adriano não tem qualidade para envergar a camisa que enverga. E não percebo como Guardiola o coloca em campo quando tem Maxwell no banco.

Vamos a factos concretos:

Arsène Wenger colocou um Arsenal extremamente defensivo em campo. Todavia, creio que esta postura defensiva foi claramente objectivada e pensada por Wenger para esta partida. Tomando como exemplo os últimos jogos do Barcelona na Liga, Wenger apostou numa defesa subida e num meio campo extremamente pressionante e unido, não deixando portanto que Xavi e Iniesta construíssem jogo e que sobretudo não optassem pelos típicos passes de ruptura para as costas da defesa, movimentos fulcrais na equipa ché.

Por outro lado, previa-se que caso o Barça marcasse o primeiro, muito dificilmente o Arsenal teria poder atacante para continuar na eliminatória. O que aconteceu de facto na partida. O Arsenal conseguiu lograr um auto-golo na 2ª parte mas acabou a partida sem fazer um único remate à partida, facto que não só deve ser raro na história da Liga dos Campeões como quiça na história dos “gunners”.

Ate à meia hora de jogo, a estratégia de Wenger estava a ser perfeita. Nem mesmo a lesão precoce do jovem guarda-redes Polaco Scesny (substituído por Almunia) abalava a turma de Wenger. Após a meia-hora, um conjunto de faltas de parte a parte aliadas a uma série de picardias dos jogadores de ambas as equipas haveria de abalar um pouco a estrutura do Arsenal. Depois de uma falta sobre Abidal, Van Persie e os jogadores do Barcelona exaltaram-se e o jogador Holandês logo a seguir haveria de colocar uma mão na cara de Daniel Alves na disputa de um lance – o Suiço Massimo Busacca haveria de ser permissivo nesse lance (para não estragar a partida) optando apenas por mostrar o amarelo ao avançado do Arsenal. No entanto, fiquei logo com a percepção que o mau feitio do Holandês poderia acabar em expulsão na 2ª parte.

Nos minutos seguintes, um erro infantil de Cesc Fabrègas (como se pode ver no vídeo acima postado) haveria de ser fatal para o Arsenal com o golo recheado de brilhantismo do inevitável Lionel Messi. Ao intervalo, 1-0 para os Catalães. O Arsenal precisaria de reagir no ataque – no banco, Arshavin e Bendtner poderiam ser soluções benéficas para o efeito.

Na 2ª parte, o jogo começou na mesma toada com que tinha terminado o 1º tempo. No entanto, no início do 2º tempo, a sorte estava com os londrinos – sem fazer qualquer remate à baliza, o Arsenal haveria de marcar aos 51″ após auto-golo de Sergio Busquets, auto-golo resultante de um canto da turma londrina.

Com a eliminatória a seu favor, haveria de surgir a 2ª infantilidade de Van Persie quando após lhe ter sido assinalado fora-de-jogo continuou com a bola, pontapeando-a. O Suiço Massimo Busacca aplicou as regras da FIFA, mostrando o 2º amarelo ao Holandês que reclamou não ter ouvido o apito do árbitro. Busacca esteve bem, mas nesta regra, creio que a FIFA terá que ordenar definitivamente que o critério seja igual em todos os campos. Existem árbitros que mostram amarelos por lances destes, outros que não.

A esta altura, se o Arsenal era inofensivo no ataque, mais inofensivo ficou. Nos minutos seguintes, o Barcelona carregou com toda a força e por 2 ou 3 vezes a bola andou a cheirar a golo. A equipa Catalã conseguia criar oportunidades de golo mas não conseguia marcar – num primeiro lance a bola rodou a área até chegar aos pé de Daniel Alves que rematou por cima e noutro, Villa isolado obrigou Almunia a uma grande defesa.

Até que num minuto o Barça vira a eliminatória. Primeiro numa grande jogada de ataque finalizada por Xavi. Depois, numa grande penalidade que Messi transformou, penalizante de uma rasteira pregada por Koscielny – na minha opinião, foi a grande pecha do central Francês no jogo. Koscielny tem talento.

À rasca, Wenger haveria de colocar Bendtner e Arshavin na partida. O Russo haveria de ser inexistente nos 15 minutos que esteve em campo. O Dinamarquês poderia ter selado a eliminatória para o lado dos londrinos aos 84 minutos não fosse o facto de ter dominado a bola de forma horrível na cara de Valdés perante a pressão de Abidal.

O Barça, à frente na eliminatória desde o minuto 71 haveria de fazer gestão do resultado perante um adversário que não conseguiu reagir aos golos – em dois ou três lances de brilhantismo, o resultado poderia ter sido elevado a números de goleada, não fosse as péssimas finalizações de Villa, Messi e Iniesta. Calmamente, o Barça acabou o jogo a trocar a bola, naquela posse e circulação de bola que desmoraliza qualquer adversário.

Passou aos quartos-de-final o mais forte. A equipa de Wenger mereceu a vitória em casa, mas foi pouco atrevida no ataque. Atrevida talvez seja uma palavra elogiosa para a prestação atacante do Arsenal. Nasri não teve rasgos de brilhantismo, Fabrègas só destabilizou a equipa e Van Persie teve duas atitudes que colocaram em xeque a passagem dos “gunners” aos quartos-de-final. Talvez falte no Arsenal um pouquinho mais de ambição. A equipa pratica um futebol bastante bonito mas continua a tremer nos jogos a doer.

No outro jogo da noite, o Shaktar Donetsk humilhou a Roma no seu novíssimo estádio.

Sofrer 3 golos em casa numa eliminatória de Champions é algo que na competição em causa é completamente inadmissível. Se os Ucranianos já tinham feito rolar cabeças no comando técnico da Roma no jogo da 1ª mão (Ranieri demitiu-se nessa mesma noite) e o novo treinador dos Romanos Vincenzo Montella acreditava que a sua equipa poderia dar a volta ao resultado na 2ª mão, um 3-0 concludente na Ucrânia provou que a Roma não tem talento para estas andanças e que o Shaktar pode ser um adversário perigoso nos quartos-de-final para as equipas que se apurem.

A equipa Ucraniana (que só começa agora o seu campeonato) não só está “fresca das pernas” como tem um ataque recheado de fantasia, fantasia essa que lhe é dada pelos jogadores Brasileiros como Douglas Costa, Jádson ou Willian. Chygrynski na defesa garante a ordem lá atrás. Srna e Rat são laterais que fazem bem todo o flanco – o Croata é um jogador de “mão cheia” – La na frente, Luiz Adriano, Eduardo da Silva e o Boliviano Marcelo Moreno são homens para fazer estragos.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,