Tag Archives: Nate Robinson

NBA 2012\2013 #53

Madison on Mad House com direito a YMCA dedicado a Mr. LeBron James num dos últimos descontos de tempo da partida disputada no United Center, Madison Avenue, Chicago, Illinois! Grande jogo colectivo dos Bulls na vitória perante os Miami Heat por 101-97. Melhor: Grande jogo colectivo dos Bulls na vitória perante uma equipa de Miami que vinha a Chicago com 27 vitórias seguidas na algibeira, com 3 ausências de peso no grupo de Chicago (Hamilton, Rose, Noah) e com 2 jogadores vindos de lesão (Belinelli, que pouco jogou e Kirk Hinrich).

Acabou-se o hype que o comissário Stern queria impingir a esta geração dos Heat e o recorde de vitórias seguidas (32 dos Lakers na temporada 1971\1972) continua personificada em Miami mas na pele de Pat Riley, presidente do franchising da Flórida, jogador dos Lakers campeão da NBA nessa temporada.

Quanto aos Bulls, incrível, incrível, incrível! Torcer por esta equipa como eu torço é arriscar a sorte ou o azar. Tanto são capazes de levar a mais copiosa derrota da temporada da Liga em Sacramento como a seguir ganhar largo em Golden State. Nesta época, Chicago é das piores equipas da liga (das que vão aos playoffs) a jogar em casa (score 20-16) mas consegue varrer os campeões em título com LeBron prestes a ter um ataque de nervos dentro das 4 linhas. E quanto a LeBron notou-se que tem um mau génio quando joga em Chicago: excessivamente individualista (como sempre) foram as várias as vezes em que as câmaras de televisão o apanharam a discutir com wade, Bosh, Spoeltra e com a tripla de arbitragem. Verdade dita, na minha opinião não merecia acabar o jogo pela agressão que postou a Boozer. Esse mau feitio talvez derive do facto de não conseguir ganhar na casa onde Jordan foi rei e senhor.

Se os Bulls jogarem com esta intensidade nos playoffs, vamos ter espectáculo. Mesmo sem Rose, é uma equipa com um potencial enorme e não deve nada a nenhuma outra na conferência Este. Precisa mesmo é de jogar assim em todos os jogos.

Rose 3

Quanto a Rose, o mais certo é que não volte mesmo a alinhar este ano. Segundo as últimas notícias da ESPN, o problema de Rose não é propriamente físico mas sim mental. O base dos Bulls está receoso de voltar à competição e tem medo de se voltar a lesionar. É algo bastante frequente entre os atletas de alta-competição que tiveram problemas nos ligamentos e eu já experienciei isso quando tive a minha. Mentalmente, a confiança do jogador diminui imenso e a abordagem física ao jogo não é a mesma pois existe sempre um pressentimento no jogador de que poderá voltar a lesionar-se com gravidade.

O jogador afirmou hoje à ESPN: “I really don’t know, man. Like I said, it’s in God’s hands. Every day I’m just waking up to try and be the best player, try and produce every time I step on the court, just try and get better as a player, and who knows when? It’s not hard [to have patience] at all,” he said. “When you have surgery, you’ve got to grow patience. I’ve been patient for the last eight or nine months. I’ve been good.”

Não havendo Rose, existe a alma e a paixão pelo basket deste senhor de metro e meio:

Robinson

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

NBA 2012\2013 #48

nate

Acabou mesmo agora no United Center. St Patrick´s Day com cheirinho a playoffs, apesar das duas equipas não serem da mesma conferência. Vitória para Denver por 119-118 após prolongamento com uma vergonhosa decisão de arbitragem a tirar a vitória aos Bulls. No último lance da partida, Marco Belinelli atirou para o cesto e a meio do caminho Joakim Noah deu um desvio na bola, não tocando nos aros para tal. O trio de arbitragem decidiu (e mal) invalidar o lance (sem olhar para a repetição do lance que tem disponível na mesa de jogo) quando minutos antes deixaram passar uma interference nítida de Kostas Koufos no cesto dos Bulls.

noah 3

De resto foi um grande jogo entre estas duas equipas. Denver esteve com o jogo na mão durante o 3º e 4º período, com vantagens a oscilar entre os 7 e os 11 pontos. Na parte final, a intensidade defensiva dos Bulls (os jogadores responderam muito bem tanto aqui como em Golden State ao pedido do seu treinador Tom Thibodeau) aliada a algumas perdas de bola de parte a parte em jogadas banais que acabaram por beneficiar mais a recuperação no marcador dos Bulls e a eficácia de Nate Robinson (um jogo das antigas para o base com 34 pontos e 7 assistências) e Marco Belinelli (18 pontos e 8 assistências) levaram o jogo para o prolongamento. Pelo meio houve de tudo: JaVale McGee atropelou Noah num drive-in e Noah respondeu com uma partida excelente do ponto de vista defensivo com 9 ressaltos defensivos (12 no total) e 7 (7!!) abafos. Na minha opinião, Noah tem que ganhar o prémio de melhor jogador defensivo da fase regular. wilson Chandler foi o melhor jogador dos Nuggets com incríveis 35 pontos. O extremo dos Nuggets está em excelente forma, tendo marcado 13 dos 21 lançamentos de campo que dispôs André Iguodala também marcou 2 triplos decisivos para a vitória dos Nuggets, um deles já no prolongamento.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , ,

NBA 2012\2013 #5

Agora sim, uma review minimamente completa do que se tem passado na liga, equipa a equipa. Peço desculpa por ter demorado tanto tempo (a época já vai com 1\4 dos jogos realizados para quase todas as equipas).

Começo pela conferência este, por ordem de classificação até ao momento. No post seguinte, abordarei a Conferência Oeste.

P.S: Derivado do facto de este post ter sido escrito por etapas durante uma semana e de não ter tido tempo para acabar este post, os resultados apresentados quanto ao score das equipas já não são os mesmos. Assim sendo, para não modificar a estrutura do post quanto a alguns dos seus conteúdos, apresento aqui o printscreen da tabela classificativa da Conferência Este da Liga no dia 9 de Janeiro de 2013:

nba 2

Para não estar a alterar o post por completo, ignorem portanto os resultados que se verificavam a 21 de Dezembro e tomem nota apenas do conteúdo prático que traço nas equipas.

New York Knicks

carmelo 2

Carmelo Anthony: showtime nesta fantástica equipa dos Knicks.

Se contra os Nets, Carmelo Anthony tinha fixado o seu máximo pontual de temporada nos 35 pontos, ontem, na reedição do duelo entre as duas equipas (como são da mesma conferência jogarão ainda mais 2 vezes uma contra a outra esta temporada), Melo foi ao novíssimo Barclays Center fazer uma exibição de gala com 45 pontos na vitória dos Knicks por 100-97:

Nota extra-basquetebol: a rivalidade entre estas duas equipas parece começar a construir-se. O video começa com uma interessante imagem. A conversa pré-jogo entre o realizador Spike Lee (adepto confesso dos Knicks; Lee costuma viajar com a equipa durante toda a época) e o co-proprietário dos Nets, o rapper Jay Z.

Com 21 jogos disputados até hoje, os Knicks lideram (sem grandes surpresas, para mim) a Conferência Este com um score de 16 vitórias e 5 derrotas. Como já tive oportunidade de dizer a um adepto dos Knicks num destes dias no café (Renato Nolasco), considero que esta equipa dos Knicks tem a fórmula necessária para vencer a fase regular da conferência este e, quem sabe, chegar às finais da competição. Deixemos para já os playoffs de fora, pela sua incerteza. É de relembrar, por exemplo, que os Bulls, vencedores da conferência na época passada perderam logo na primeira ronda dos mesmos para os Philadelphia 76ers, 8º classificado.

A equipa mais velha ao nível de idades deste ano (e da história da Liga) está com uma dinâmica fantástica. Arranque de sonho com 6 vitórias consecutivas, sendo que algumas delas foram de uma categoria muito interessante: Miami em casa (101-84, um autêntico massacre), dupla sobre Philadelphia em casa e fora por números expressivos (100-88 e 110-88), Dallas (104-94) e  San António (fora) para depois ir perder a Memphis, onde está a maior revelação desta temporada. Não é escândalo nenhum perder contra Memphis, seja em casa ou fora visto que é uma equipa que está a jogar a plenitude do seu basquetebol. Depois desta série, os Knicks já bateram os Nets por duas vezes. Pontos baixos: a derrota copiosa em Houston por 131-101 num jogo em que Chandler Parsons e James Harden estiveram absolutamente fantásticos com 64 pontos e a derrota em Chicago (sem Carmelo Anthony) onde os Knicks acumularam algum cansaço.

rasheed wallace 2

Mike Woodson está de parabéns, pelo facto de estar a tirar o máximo rendimento da sua equipa. Ao contrário do que se viu no ano passado na equipa, a equipa está menos dependente do poder de fogo de Carmelo Anthony (Anthony monopolizava quase por completo o jogo dos Knicks, facto que o obrigava a errar muitos lançamentos de campo) e o shooting forward beneficiou e muito do facto da equipa ter outras soluções ofensivas. Tanto que a sua média pontual subiu dos 22 para a casa dos 27 pontos por jogo e a sua percentagem de lançamento subiu dos 43% para os 47%. Nesta 3ª época em Nova Iorque, Carmelo atingiu finalmente o melhor do seu jogo, comparável apenas aos números das épocas 3, 4 e 7 em Denver. De onde vem este sucesso de Carmelo em particular e dos Knicks em particular? Uma melhor gestão de jogo por intermédio dos bases Kidd e Felton (a importância de ter um grande base na equipa; no ano passado até surgir Lin, os Knicks não tinham bases em derivado das lesões constantes de Baron Davis e Mike Bibby, jogando inclusive muitos jogos com o extremo rookie Schumpert a base) e uma melhor selecção de jogo, procurando o jogo interior de Chandler ou Rasheed Wallace (quem diria que voltaria à Liga para jogar bastante e ser decisivo; ainda mete de vez em quando aqueles triplos deliciosos) ou outros bons lançadores dos quais o seu plantel dispõe: Brewer, os próprios Kidd e Felton (fortíssimos como se sabe no lançamento de 3) JR Smith (está no auge da sua carreira mas é daqueles jogadores que só rende se sair do banco) e Steve Novak. A juntar a este sucesso, os Knicks ainda se podem gabar que tem dois jogadores muito importantes no estaleiro: o extremo Schumpert e o poste baixo Amar´e Stoudamire. Amar´e Stoudamire é a grande incógnita desta equipa. O que fazer com um all-star fustigado regularmente com as lesões? Sair do banco? Trocar? Trocar sabendo por exemplo que os Lakers querem trocar Gasol e os dois jogadores tem uma folha salarial idêntica?

Defensivamente a equipa revela algumas fragilidades. Tem bons defensores para jogo interior (Chandler é indiscutivelmente um dos melhores da Liga e Wallace sempre se safou) mas no entanto a sua defesa tem jogos onde deixa a desejar. Caso do jogo contra os Rockets e dos jogos contra Dallas. Uma ameaça a esta equipa dos Knicks são equipas que joguem de forma rápida, como é caso dos Clippers, Denver Nuggets, Memphis Grizzlies, Indiana Pacers e Timberwolves. Como os jogadores de Nova Iorque já não são novos, podem acusar alguma fadiga de forma precoce nesses jogos. Derivado desse facto, é também um desafio para a equipa técnica fazer com que as pernas dos veteranos não falhem nos momentos decisivos. É de relembrar que Kurt Thomas tem 40 anos, Wallace, Kidd e Camby 38. Ronnie Brewer veio a revelar-se uma boa contratação do ponto de vista defensivo. É um jogador que vem de uma equipa que aprimorou durante os últimos anos a defesa (Bulls) e é um jogador que demonstra muita agressividade a defender. Aqui está um artigo que demonstra o porquê dos Knicks terem contratado e bem o antigo SG\SF dos Bulls.

A chave deste primeiro lugar na conferência segundo Mike Woodson:

woodson

Outro dos factores de admirar nesta equipa e que subitamente se constituiu como mito é o valor dos ordenados desta equipa. Tenho ouvido muita gente dizer que os Knicks ultrapassam o tecto máximo da liga, fixado em 100 milhões de dólares por época. Tal não é verdade. Senão vejamos:

Knicks

Os supostos 24 milhões de dólares de ordenados de Stoudamire e Carmelo para esta época são mentira. A equipa gasta 80 milhões de dólares para esta época, sendo que ainda poderá facilmente encaixar mais uma vedeta a este rooster. Confesso que também fiquei surpreso com os salários de Kidd, Smith, Wallace e Brewer pois pensei que ganhassem ligeiramente mais. Kidd, com 3 milhões está contratado com o chamado “salário de veterano”, ou seja, 3 milhões por época. Nash por exemplo, recebe mais 1 milhão em LA.

Para finalizar, alguns dos momentos momentos dos Knicks neste início de temporada:

Miami Heat

James 3

A carneirada do costume. Pouco ou nada mudou em relação à época passada. A não ser uma ligeira subida de rendimento de Chris Bosh e a adição de um 4º all-star (Ray Allen). De resto, a dupla Wade-James continua a monopolizar o excessivo jogo de uma equipa que continua a ser orientada praticamente sem treinador.

2º lugar da conferência com 14 vitórias e 5 derrotas, sendo que os Heat poderão igualar os Knicks caso vençam as próximas duas partidas. Até agora, a equipa está a cumprir o seu estatuto de campeão: pontos altos nas vitórias em casa contra Boston (120-106) Denver (199-116) Phoenix (124-99) Spurs (105-100) e Brooklyn (102-89). Pontos baixos nas 2 derrotas contra os Knicks, sendo as duas copiosas (uma delas em casa por 20 pontos), em Washington, em Memphis (num jogo onde Rudy Gay esteve endiabrado) e Clippers. Tirando a derrota contra uma crescente equipa de Washington e os cabazes impostos pelos Knicks (que não se aceitam para uma equipa com este potencial) a época está a ser normal para Miami.

Ray Allen

A equipa de Erik Spoelstra em pouco mudou o jogo em relação às épocas passadas. O big-three constituído por Bosh, Wade e James continua a monopolizar o jogo da equipa, marcando mais de 70% dos pontos da equipa, Wade e James continuam a dar espectáculo e Ray Allen, embora saíndo de uma posição de banco, não veio para a Flórida passar férias. O shooting guarda continua a aplicar o melhor do seu jogo em Miami, o tiro exterior, onde esta época revela uma eficácia de 48% no lançamento de 3 pontos (36-76), ligeiramente superior aquela que tinha em Boston (45%). Se tivermos em comparação o que Allen fez nestes 19 jogos iniciais em matéria de 3 pontos (36-76), proporcionalmente, se mantiver a média de lançamento que tem apresentado, Allen poderá acabar a época regular com um score de 160-304, o que torna a eficácia maior tendo em comparação a época 2011\2012 onde o recordista de triplos marcados na liga apresentou um score de 168-378. Allen está a lançar menos mas a lançar muito melhor que nas épocas em Boston. E isso pode ser um factor bastante desiquilibrador para jogos onde Wade ou LeBron não alinhem, jogos esses que costumam ser muito complicados para a equipa de Miami pela preponderância da dupla no jogo ofensivo da equipa. Para já Ray Allen está a beneficiar e muito da inteligência de jogo de Wade e procura obviamente cortes que lhe permitam a sua posição ideal para 3 pontos: as linhas e aquele pontinho descaído para a direita onde costuma ser mortífero.

Mais 3 jogadores estão em destaque na equipa: Bosh (ler este artigo) deu um pulo muito interessante em relação ao desastre que foi a temporada regular da época passada. A todos os níveis. A eficácia de lançamento de campo subiu de 48.7 para 53% e já não temos aquelas séries de jogos em que Bosh conseguia apenas 1 cesto de campo em cada 10 lançamentos. Ao nível de ressaltos, uma melhoria de 2 décimas pontuais, e de abafos, passou dos 0.8 para 1.4 por jogo. Nota-se claramente um Bosh mais acutilante na luta das tabelas e mais assertivo no lançamento, principalmente no mid-range shot, onde Bosh apesar de não ser um dos melhores da liga na sua posição (Wallace, Love, Griffin, Randolph tem sido melhores) sempre foi uma área do seu jogo onde mal ou bem cumpriu e onde no passado esteve muito mal.

Outro dos jogadores que tem subido de rendimento nesta equipa é o sophomore Norris Cole. Ao ponto de já ter consolidado algum estatuto dentro da equipa. Cole apareceu no draft do ano passado e nos primeiros jogos da temporada passada prometia algo mais do que aquilo que as previsões de draft não confirmavam. No entanto, com o decorrer da época passou a ser menos utilizado até esta época. 19 minutos de utilização em média que para já não se traduzem em pontos (média de 5 pontos e 2.3 assistências) mas que se caracteriza em força de vontade por parte deste 2º anista da liga.

O terceiro é o veteraníssimo Rashard Lewis. Neste ano de reencontro com o seu antigo colega de Seattle Ray Allen, este veterano que cumpre a sua 15ª temporada na Liga não veio para Miami ganhar o salário de veterano para ficar no banco. Jogou 15 dos 19 jogos da equipa, 4 a titular e tem ajudado naquilo que pode. Ainda marca esporadicamente os seus títulos. Poderá ser muito importante na fase dos playoffs. Lewis e Cole vieram sem dúvida preencher uma lacuna que muita gente apontava a esta equipa: a falta de banco. Em conjunto com Allen, Shane Battier, Haslem, Joel Anthony e Mike Miller, já se pode dizer que esta equipa tem um 5 de banco.

Como referi nesta secção destinada aos Miami Heat, um dos pontos baixos foi precisamente a derrota frente aos Spurs. Isto porque Greg Popovich decidiu poupar as suas três vedetas devido ao desgaste da liga. Parker, Ginobili e Duncan já não são novos. No entanto, a atitude do consagrado treinador frente aos Heat valeu uma multa da Liga de 250 mil dólares porque há uma regra na Liga que uma equipa não poderá deixar muitos jogadores de fora por opção técnica para não tirar qualidade ao espectáculo. Que me lembre de algo semelhante, só no futebol. Na época passada, o treinador Irlandês Mick McCarthy  (Wolverhampton Wanderers) deixou de fora da convocatória 10 dos 11 titulares do jogo anterior da equipa e por semelhante regra, o clube foi multado pela FA. A decisão em relação a este comportamento da equipa texana causa-me uma opinião dual: se por um lado é o treinador que decide quem joga e deixar 3 jogadores (veteranos) de fora é uma decisão que se aceita pela preservação do seu estado físico (que já não é o de outros tempos), por outro lado temos que ver que a NBA é uma liga onde o espectador paga a peso de ouro para ver este tipo de jogos no pavilhão.

Antes dos highlights dos Heat, 3 notícias\opiniões:

Ray Allen

Rashard Lewis

Como explorar as 5 maiores dificuldades dos Heat

Videos:

LeBron James, desportista do ano para a Sports Illustrated, sobre a postura ofensiva da equipa.

Vitória em Denver (sem Dwayne Wade) depois de 10 derrotas consecutivas no Nevada contra os Nuggets.

James no seu show particular habitual.

Atlanta Hawks

3ºs da conferência este com um score de 12-6, o que me deixa algo intrigado. Deixa-me intrigado porque é uma equipa que teve mudanças significativas no seu jogo com a saída de Joe Johnson para Brooklyn e com a entrada de jogadores como Anthony Morrow, DeShawN Stevenson e Devin Harris.

Os Hawks perderam a sua maior estrela para Brooklyn. Joe Johnson era a luz da equipa. O lançador de serviço, a estrela à qual os companheiros endossavam a bola em altura de decisões. Com a saída de Johnson para Brooklyn acabava-se o big-three Johnson-Hortford-Josh Smith. Todavia, a estratégia dos Hawks em colmatar a saída de Johnson pela contratação de Morrow, Stevenson e Harris ainda não deu os frutos que deveria dar.

Anthony Morrow cumpre a sua 4ª época na Liga. Pela primeira vez, está numa equipa com objectivos explícitos: as meias-finais de conferência. Anthony Morrow é um jogador com uma técnica muito acima da média, lança bem e a sua técnica aliada ao drible fácil permite-lhe fazer drive-in para o cesto com alguma facilidade. É um jogador com um enorme leque de soluções ofensivas. Falta-lhe algum discernimento na hora de usar essas mesmas soluções, mas para já, em Atlanta, tem estado furos abaixo do que se esperava dele até porque está bem tapado pela dupla Louis Williams\Jeff Teague e por DeShawn Stevenson, tripla que não lhe garante muitos minutos de jogo.

O contrário é Stevenson. Andou perdido durante ano por Washington, Dallas e New Jersey. Chegou a Atlanta e a sua rodagem passou dos 18 para os 26 minutos em campo. A pontuação dos 2 para os 8 pontos por jogo. Stevenson é um veterano cheio de experiência e é um óptimo lançador. É uma boa situação de recurso até que a equipa consiga trazer um shooter parecido com Joe Johnson.

Harris: encolheu em tudo em relação a Utah. Utilizado em alternativa a Teague, passou dos 11 pontos de média para os 7, das 5 assistências para as 2.5. Também é um jogador com alguma técnica. Mas Teague assume-se neste momento como o grande patrão da equipa.

teague

Se a época passada provou que Teague poderia ser uma das vedetas emergentes da Liga, esta época prova um Teague ainda melhor, principalmente ao nível do que lhe é exigido: transporte de bola e shooting.

Com a saída de Johnson, existe algo que deve ser reparado em Atlanta: nenhum jogador ultrapassa a barreira pontual dos 20 pontos de média. Hortford voltou de uma grave lesão e tem jogado imenso (16.8 de média percentual e 10.8 de média de ressaltos). Há um ano atrás, por causa de uma lesão no joelho que o atirou para fora dos pavilhões durante 6 meses, muitos diziam que Hortford nunca voltaria a ser o Hortford do duplo-duplo (1o pontos\1o ressaltos) – pois bem, Hortford voltou e já não é o Hortford de média 11, é um Hortford completo de média 16.8 absolutamente gigante na luta das tabelas e concretizador mortífero in the paint.
De Chicago veio Karl Korver. Os Bulls mal aproveitaram Korver. De forma quase escondida lá entrava ele principalmente nos 3ºs e 4ºs períodos para meter os seus triplos decisivos. Dos 22 minutos de utilização em Chicago, Korver passou a 30 em Atlanta e é o motor do jogo exterior desta equipa na falta do triplista do costume (Joe Johnson). Defensivamente, é outro jogador incansável.
Louis Williams mais um shooter. Quando está em conjunto com Teague dentro de campo, estes dois imprimem um ritmo demoníaco ao jogo de Atlanta.

Josh Smith. Com a saída de Johnson ele é o nº1 da equipa. Tem estado à altura. Continua muito bom ao nível de lançamentos de campo, muito guerreiro (8 ressaltos em média) e melhorou significativamente o seu tiro exterior. Já lança com mais precisão de 3.

Em suma, estes Hawks, apesar de apresentarem algumas individualidades conseguem funcionar muito bem como colectivo. Essa está a ser a receita para este início de época.

Dossier de imprensa sobre os Hawks:

Maxwell Ogden do Bleacher Report acredita que os Hawks não devem fazer de Smith o próximo Joe Johnson. Isto porque o contrato de Smith termina em 2013 e poderá tornar-se free-agent. No entanto, Smith já veio afirmar que não pretende sair da equipa, estando em negociações para uma extensão de contrato.

O Georgiano Zaza Pachulia castigado em 1 jogo pela liga por este lance. O internacional Georgiano foi considerado reincidente neste tipo de lances.

Chicago Bulls

Boozer

Merecido. Confesso que quando Carlos Boozer mudou de Utah para os Bulls, fiquei bastante contente com a transferência. Num ano em que os Bulls pretendiam LeBron, Wade, Stoudamire ou Nowitzky para juntar a Rose, Boozer acabou por ser um mal menor para uma equipa que na altura estava em construção mas poderia ser completamente despedaçada caso um dos 4 primeiros fosse contratado. Boozer chegou a Chicago lesionado e demorou a encadear na equipa. Fez uma 2ª época melhor. Mesmo assim, para mim fã dos Bulls, as exibições do pf não me agradavam, pois era um Boozer completamente diferente daquele que tinha sido em Utah, com a singular excepção de ganhar 3 vezes mais em Chicago (tem um contrato de 100 milhões de dólares a 5 anos sendo que neste ano atinge o máximo desse contrato com um vencimento de 24 milhões de dólares). Em Utah via um Boozer que lançava de triplo (se fosse preciso), sempre na casa dos 20 pontos, muito forte nas incursões debaixo do cesto e dominador na luta das tabelas. Nos primeiros 2 anos de Chicago vi um Boozer muito irregular, com um lançamento à rectaguarda muito gasto. Parece ter recuperado os dias de Utah.

11-9 de score. Muito acima de qualquer previsão. 4º lugar na conferência não por mérito de score, mas pelo facto de liderar a sua divisão. Indiferentemente do score, a NBA obriga que os vencedores das 3 divisões por cada conferência fiquem obrigatoriamente numa das 4 primeiras posições. Com Milwaukee com 10-9 no seu máximo potencial e Indiana com 10-11 é provável que os Bulls somem mais um titulo na divisão central.

É uma equipa que está a aprender a jogar sem Rose. Hinrich renasceu em Chicago e está a cumprir bem a função para o qual foi contratado. Boozer, Deng e Hamilton são os marcadores de serviço. Os 3 estão a jogar bastante bem ao nível de Rose, diria que um furo acima em relação à época passada. Noah continua a ser a alma da equipa. É mais decisivo a todos os níveis que nos anos anteriores: os 13,9 pontos de média e 10.8 ressaltos assim o mostram.

Ao nível de banco, a equipa perdeu com as saídas de Watson, Korver, Brewer e Lucas III. Perdeu essencialmente ao nível de 3 pontos. É certo que contratou outros bons triplistas como Robinson e Bellinelli. Mas não são tão regulares quanto os que saíram. Ao nível de jogo interior, Gibson continua a cumprir como seu cumpriu. É um jogador com poucos recursos técnicos mas é muito lutador e raramente compromete. Asik rumou a Houston e a equipa ficou sem um poste suplente. Nazr Mohammed é muito escasso para ser substituto de Noah. O rookie Marquis Teague parece ter alguns dos dotes que fazem importante o irmão mas joga pouco. Thibodeau terá que o inserir com mais regularidade na rotação. Radmanovic até poderia ser um jogador especial nesta equipa pela capacidade de tiro exterior que ainda possui mas Thibodeau raramente o coloca em campo.

Robinson

Nate Robinson e Marco Belinelli entraram muito bem neste plantel. O baixinho é um exemplo para qualquer basquetebolista que não seja dotado de altura. Com 1,72 já ganhou de forma espectacular um concurso de afundanços. Tem uma mola nas pernas. É incrível a elevação deste jogador. Chega tão alto como um de 2,15.

Já o Italiano é um shooter nato. Dêem-lhe espaço que ele concretiza.

Pontos altos desta equipa para já: as vitórias caseiras contra Dallas (101-78) Philadelphia (83-78, para limpar o estigma da lesão de Rose e da eliminação nos playoffs do ano passado) e Nova Iorque (93-85). A vitória fora em Milwaukee.

Pontos baixos desta equipa: As derrotas caseiras contra Milwaukee (92-93 num jogo onde a meio do 3º período venciam por 27 pontos), New Orleans (82-89) e Indiana, onde a equipa foi absolutamente zero no ataque. O mesmo na derrota fora contra os Clippers (101-80) num jogo que ficou sentenciado no 2º período.

Rose:

Rose no Berto Center, centro de treinos dos Bulls. As mais recentes previsões indicam que o craque poderá estar de regresso no final do mês de Janeiro ou início de Fevereiro. Rose já treina sem limitações e faz treino de shooting nos dias de jogos.

Muito se tem perguntado e escrito sobre o dossier Rose. O que valerão os Bulls se Rose voltar em bem para o final da temporada? Na minha humilde opinião, os Bulls não tem capacidade para chegar à final de conferência esta época mas poderão complicar a vida a muito boa gente se chegarem aos playoffs. Mas não tem qualidade para chegar à final de conferência porque lhes falta banco. Até agora Thibodeau lançou 7 homens de banco: Nate Robinson, Bellinelli, Gibson e Butler com regularidade, Nazr Mohammed e Marquis Teague com alguma irregularidade e Radmanovic em 2 ou 3 jogos desta época. O banco de Chicago resume-se para já aos 4 primeiros, sendo que Bellinelli é inconstante e Butler tem vindo a crescer bastante mas de facto, ainda dá os primeiros passos a sério na Liga. Mohammed é carta fora do baralho. Teague é capaz de fazer coisas boas mas como rookie ainda tem que percorrer o seu caminho. Radmanovic, como anteriormente referi, é um desperdício de banco e bem que lhe podiam dar uns minutinhos para ver se daquela lentidão ainda saem uns triplos.

Algumas notícias recentes sobre os Bulls:

A lesão de Richard Hamilton. Está 4 semanas de fora.

Bradford Doolittle escreve sobre o segredo de sucesso de Thibodeau nos Bulls.

Nota pessoal: não querendo discordar de maneira alguma do autor do texto, quer-me parece pelos jogos que tenho visto que a equipa está a atacar muito mal e a defender com metade da agressividade que defendia no ano passado. Já não me recordo de tantos jogos na era Thibodeau em que a equipa não consegue ultrapassar os 90 pontos e já não me recordo também de jogos em que os adversários ultrapassavam a fasquia dos 95 no United Center.

Alex Kennedy sobre os Bulls no USA Today.

Videos:

O incrível comeback dos Bucks no United Center que impediu a 10ª vitória seguida dos Bulls contra o rival directo na divisão central.

seguido de um cabaz aos Dallas Mavericks (sem Nowitzky).

e aos Knicks sem Carmelo.

Philadelphia 76ers

Mesmo sem Andrew Bynum (numa das suas habituais ausências de rotina por causa da lesão no joelho que o assola há anos), e sem regresso previsto para o poste que veio de Los Angeles via Cleveland Cavaliers na troca entre Philadelphia, Cavs, Orlando e Lakers despoletada pela ida de Dwight Howard para a Califórnia, pode-se dizer para já que Doug Collins está a cumprir os objectivos que lhe foram designados pela direcção do franchising no início da temporada: uma vaga nos playoffs. No entanto, este 5º lugar de Philadelphia com um score de 12-9 não se pode considerar um feito despropositado em relação ao valor desta equipa pois é uma equipa com um jogo muito sui-géneris na Liga e com muito potencial.

A equipa de Doug Collins assenta nestes pilares: Spencer Hawes, Jason Richardson, Jrue Holiday, Evan Turner, Dorell Wright, Thaddeus Young e Nick Young.
Hawes um p.f com pouca técnica mas com muita capacidade de luta.
Richardson, um veterano que cumpre a sua 12ª temporada na liga. Está longe de ser o super Richardson que marcava 30 e 40 pontos por jogo esporadicamente em Phoenix, Charlotte e Orlando. No entanto é um jogador com uma capacidade de tiro que não é comum na liga. Prova disso são os 37 triplos que já marcou esta época.
Jrue Holliday é o patrão desta equipa. Os 18 pontos de média dão-lhe o estatuto de líder. Não é à toca. Jrue Holliday saltou do banco e assumiu-se como o timing-maker desta equipa. Quando aumenta a velocidade, a equipa responde-lhe nesse sentido. Marca muitos pontos fruto de arrancadas poderosas para o cesto mas ainda me parece algo verde a tomar decisões sobre pressão.
Evan Turner é outro explosivo e apesar de ter um bom lançamento ainda não está no auge daquilo que pode valer. Veio para a liga rotulado como um bom lançador de 3 pontos mais ainda não conseguiu confirmar essas credenciais.
Dorell Wright não melhorou nada desde que saiu de Golden State. É um shooter nato. Já tinha baixado muito as suas médias no 2º em Oakland. Em Philadelphia ainda não enquadrou nesta equipa e ainda não mostrou o seu ponto forte que é o lançamento de 3 pontos. É incrível ver um jogador com o seu talento não estar a jogar ao nível desse mesmo talento.
Thadeus Young, mais explosividade. É indiscutivelmente outro dos líderes desta equipa.

Esta equipa de Doug Collins funciona, fruto da sua imensa juventude, à base da rapidez e do jogo exterior. Poderá melhorar muito quando tiver jogo interior com Bynum. Bynum é menino para chegar e começar com duplos-duplos na casa dos 20 pontos e 10 ressaltos. Hawes neste momento é muito escasso no jogo interior.

Neste primeiro quarto de época, destacam-se como pontos altos da equipa as vitórias em Boston fora (106-100; sensacional jogo de Evan Turner com 25 pontos e 11 ressaltos) e casa (95-94; vitórias contra rivais directos podem resolver muita coisa no final da temporada) a derrota em Oklahoma por 116-109 (outro enorme jogo de Turner com 26 pontos acompanhado de Thaddeus Young com 29 pontos e 15 ressaltos). Pontos baixos as derrotas contra Detroit em casa (76-94) e Nova Iorque, onde o ataque da equipa pura e simplesmente não funcionou.

Brooklyn Nets

Deron Williams

O novo franchising da NBA, detido em co-propriedade pelo rapper Jay Z e pelo magnata russo Mikhail Prokorov, está a ter uma começo algo decepcionante, tendo em conta os objectivos da equipa e o que foi gasto em reforços: lutar pelos primeiros 4 lugares da conferência.

No último ano, a direcção dos Nets trouxe para equipa os seguintes jogadores: Gerald Wallace, Andray Blatche, Keith Bogans, Joe Johnson, Jerry Stackhouse e CJ Watson. Sem contar com os 3 rookies da equipa. A juntar aos bons jogadores que já possuia: o base all-star Deron Williams, DeMarshoon Brooks, Kris Humphries, Reggie Evans e Brook Lopez.

É certo que na NBA, as equipas demoram algum tempo a engrenar. Maior parte dos 10 jogadores que supra enunciei estão a jogar juntos pela primeira vez, sobre as ordens de Avery Johnson. E o próprio Avery Johnson está a aplicar um pouco do seu cunho profissional na equipa, ou seja, é uma equipa focada num excessivo basquetebol de ataque e é uma equipa que ainda apresenta muitas lacunas a defender. Das 9 derrotas averbadas até hoje, maior parte deram-se devido a maus jogos do ponto de vista defensivo. Outras derrotas deram-se devido ao facto desta equipa também se apresentar algo inconstante.

Os Nets são liderados por Deron Williams. Do All-Star que cumpre a sua 8ª temporada na Liga nada demais em relação aquilo que nos habituou: 16.8 pontos por jogo, 8,5 assistências por jogo (números ligeiramente abaixo daqueles que sempre apresentou). Deron Williams é aquele jogador que nos habituou a um estilo de líder. Tudo o que faz, faz bem. É indiscutívelmente (em conjunto com Chris) um dos melhores bases da nossa geração. Tem uma capacidade de liderança incrível, o que faz com que raramente falhe nas suas decisões de passe e lançamento.

A acompanhá-lo Joe Johnson. A mudança de Atlanta para Nova Iorque trouxe uma ligeira baixa nos seus números, facto que se deve considerar normal. Johnson ainda se está a adaptar à nova equipa. No entanto, oscila entre jogos onde é decisivo e outros onde tem sido demasiado perdulário. Os jogos onde tem andado escondido foram precisamente os jogos contra as outras equipas candidatas aos primeiros lugares de conferência.

Brook Lopez. Um início de época marcado por ligeiras lesões. Tem um potencial tremendo como sabemos, mas, é muito achatado a lesões. Está mais propenso ao ataque (18.5 pontos) do que à luta nas tabelas (6.8 ressaltos de média). É necessário para a equipa que comece a defender melhor de modo a eliminar os déficits defensivos que esta equipa apresenta.

Andray Blatche e Gerald Wallace. O primeiro subiu a fasquia em relação aquilo que fazia em Washington na última época. Sinal claro de que um jogador rende mais quando tem a seu lado melhores jogadores e uma equipa com objectivos. Está mais atlético e mais capaz de lançar a média distância. Está a esforçar-se muito mais do que se esforçava em Washington. Tem sido decisivo em algumas vitórias da equipa. O 2º está muito longe do Gerald Wallace de Charlotte. Pode-se dizer que está na curva descendente da carreira. Já não é o Gerald Wallace que lançava com efectividade de 3 pontos, comete muitos erros nas decisões de lançamento e não vai com tanta regularidade às tabelas, jogo onde se sentia como peixe na água. Para termos uma noção, o Wallace de Charlotte (antes dos Nets ainda passou por Portland) era o homem que na última época completa no franchising da Carolina do Norte (2009\2010) tinha algo como 456-943 em lançamentos de campo (48%), 52-140 em triplos e 762 ressaltos ganhos numa temporada. Nos 21 jogos realizados esta época, o extremo tem 52-119 (43,7%) em lançamentos de campo, 16-48 em triplos (lança menos mas com maior eficácia) e apenas 71 ressaltos.

Com algum destaque Kris Humphries, CJ Watson e Jerry Stackhouse. O primeiro é um jogador que não queria ter na minha equipa. Pouco móvel e conflituoso. O 2º perdeu alguma da preponderância que tinha em Chicago. Se em Chicago tinha o papel de 6th man, jogando em média 24 minutos por jogo, em Brooklyn a sua rodagem passou para 18 minutos. Se em Chicago era aquele jogador que oscilava entre jogos maus e jogos onde era capaz de derrubar a fasquia dos 25 pontos, em Brooklyn tem sido menos point-guard e mais shooting guard. Já leva 27 triplos este ano tomando em comparação que no passado em Chicago fez 64 em 49 jogos. Para bem da equipa de Avery Johnson, este homem tem que jogar mais. Stackhouse é outro que confirma que os veteranos estão de volta: em Atlanta pouco jogava. Em Brooklyn tem aparecido em todos os jogos, com mais de 10 minutos de utilização por partida. Contribui naquilo que pode para o poder ofensivo da equipa, tendo 6 pontos de média por jogo.

Outro factor deve ser levado em conta para este medíocre arranque dos Nets esta época: é para já a equipa do Oeste com maior número de jogos contra equipas de topo. Nos 21 jogos realizados, já jogou 2 vezes contra Miami, outras 2 contra Nova Iorque, outras 2 contra Boston, outras 2 contra os Lakers e 1 contra os Clippers. Tendencialmente isto faz com que estes 9 jogos sejam 9 jogos onde o risco de perder aumenta.

Como pontos altos da campanha dos Nets até agora estão as vitórias contra Orlando (fora\107-68), a vitória caseira contra os Clippers 86-76 onde Blatche e Humphries secaram por completo Blake Griffin, a vitória caseira contra os Knicks (96\89) onde Brook Lopes fez 22 pontos e 11 ressaltos e Deron Williams 16 pontos e 14 assistências, a vitória sem espinhas em Boston por 95-83 e até as derrota em Oklahoma, obrigando Kevin Durant ao seu melhor jogo (lá está, se não fosse a péssima atitude defensiva, venceriam este jogo) e Nova Iorque (esta semana), sendo que esta última apenas aconteceu porque Carmelo Anthony entrou em campo com o seu melhor jogo (45 pontos).

Como pontos baixos, as derrota em Miami por 103-33 (mau jogo colectivo) e 89-102 num jogo em que os Nets tiveram uma primeira parte de sonho e uma segunda parte de autêntico pesadelo e a derrota caseira contra Milwaukee por 88-97 (idem).

À semelhança dos Knicks, os Nets também não gastam mais do que o que está estabelecido nas regras da Liga:

Nets

Para finalizar algumas notícias e vídeos desta equipa:

Brook Lopez está novamente lesionado.

O departamento de média desta equipa tem sido extraordinário. Necessitava de ser, é certo. É uma equipa nova que precisa de ganhar nome e recrutar fans para poder por em marcha o seu projecto de futuro. Aqui ficam algumas imagens inside do franchising.

Kris Humphries, Rajon Rondo e Kevin Garnett pelos piores motivos. Rondo foi castigado pela 3ª vez este ano. Humphries saiu sem qualquer castigo ou multa. Gerald Wallace foi multado em 35 mil dólares e Garnett em 25 mil. Concordo com a decisão de castigo a Rondo, com a multa a Wallace, mas não posso concordar que Humphries não tenha sido expulso pela duríssima falta de cometeu e Garnett também não tivesse um castigo desportivo pela reacção que teve ao adversário.

Os nets perderam mas fica aqui o espectáculo proporcionado pelas duas equipas. 117-111 com um Durant de high-level.

Boston Celtics

Rajon Rondo

Como já tinha escrito num dos primeiros posts desta série, esta época será muito complicada para a equipa de Doc Rivers.

Primeiro, pela saída de Ray Allen para os Heat. Os Celtics perderam efectivamente metade do seu poder ao nível de jogo exterior.

Segundo, pela veterania dos seus membros. Garnett e Pierce já não tem o vigor de outros dias. E a direcção de Boston sabia que tinha que renovar o plantel da equipa. Contudo, não o fez a tempo e as suas maiores vedetas tem um valor quase nulo ao nível de trocas.

Terceiro, por alguma escassez de banco.

Na ordem do dia está Rajon Rondo. Tornou-se o verdadeiro patrão desta equipa. Triplos-duplos em muitos jogos. Organiza o jogo como ninguém. Os seus drive-in e layups são de assinatura. É a alma da equipa. No entanto, neste início de época, apesar de muitas vitórias caírem para a equipa por seu intermédio, já foi castigado por 3 vezes e isso pode reflectir-se na trajectória da equipa ao nível de classificação. Toda a gente que vive o mundo da NBA sabe que o jogo de Rondo sai na perfeição quando este assume aquela veia provocadora. Porém, a Liga já não perdoa a Rondo tantas reincidencias em actos provocatórios e actos de agressão física. São 4 anos a insultar e agredir. Se os primeiros castigos resultaram em multas, o incidente com Humphries valeu 2 jogos de suspensão, suspensão que já não é inédita na carreira do base. Suspensões à parte, os seus números não mentem: 13.9 pontos, 12.9 assistências (1º neste capítulo na Liga) e 5.9 ressaltos. Percentagem de campo acima dos 50% (51,9%) sendo um dos poucos jogadores na Liga que consegue esta fasquia.

Nem só de Rondo vive esta equipa é certo. Pierce e Garnett também estão com bons números. O primeiro com 20 pontos de média, num dos melhores arranques de campeonato da sua carreira. Rapidamente Pierce começou a meter aos 30 por jogo, algo que não é usual pelo facto de ser um jogador que só atinge pico de forma lá para Fevereiro. O segundo com 16 pontos parece viver uma 2ª vida. Tem 54% de eficácia no lançamento, o que em grosso se traduz em 137-253 em lançamentos de campo. Esta está a ser uma das melhores épocas ao nível pessoal para o veterano de 17 temporadas na Liga.

De Dallas veio Jason Terry com a missão de fazer esquecer Ray Allen. Em Dallas, Terry foi por 3 vezes nomeado o melhor 6º jogador da liga. Tem um basquetebol extraordinário, rápido e com uma eficácia de tiro exterior impressionante. Ainda se está a adaptar à equipa. Caiu em 4 pontos a sua média de época, mas tendencialmente irá recuperar alguma falta de eficácia.

Brandon Bass. Jeff Green, Leandro Barbosa, Courtney Lee e Chris Wilcox. Tirando Lee, os restantes 4 são jogadores dos quais não aprecio. Green tem alguma preponderância no jogo da equipa pois é um extremo que acrescenta algum jogo interior à equipa. Bass é um p.f lento. Tem alguma eficácia no lançamento a média-distância mas tudo o que for a mais de 14 pés (medida americana) do cesto não entra. Barbosa tem dias. Wilcox é pura e simplesmente horrível e não consigo perceber como é titular. Não só não se impõe na luta das tabelas como o seu jogo ofensivo e defensivo é pautado por muitos erros imaturos.

Sullinger e Fab Melo. O primeiro começou a época lesionado mas já tem entrado na rotação com algum sucesso. O segundo continua sem jogar, o que é um facto que me intriga. Com um poste tão horrível como Wilcox, porque não dar algum espaço ao brasileiro?

Penso que este será o último ano desta fórmula para Doc Rivers. Urge-se renovação em Boston. Se por exemplo na divisão central, Chicago, Milwaukee e Indiana, indiferentemente do que façam ao nível de resultados, terão uma vaga nos 4 primeiros lugares caso vençam a divisão, no caso de Boston a coisa é diferente. Com a divisão praticamente entregue aos Knicks, qualquer derrota poderá resvalar numa saída da zona de playoffs. E uma eliminação precoce dos Celtics dos playoffs, aliada ao pouco poder monetário e de troca dos Celtics em virtude da veterania dos seus jogadores e salários altos poderá ter consequências futuras no franchising, apenas comparáveis aos 8 anos em que os Celtics estiveram sem pisar os playoffs no início deste século (2000-2008).

Perante este cenário, qualquer decisão para a direcção da equipa do Massachusets será complicada. Algumas notícias tem dado contra do interesse de Boston em desencadear uma série de trocas já pela altura do Natal. Umas dão conta no interesse em Anderson Varejao dos Cavaliers para o posto de poste. Apesar de Varejao ser um jogador experiente e furos acima de Chris Wilcox, creio que não iria acrescentar muito mais ao jogo de Boston pelo facto de também ele ser um jogador que deixa a desejar em muitos aspectos. Outras equacionam outros homens para o jogo interior dos Celtics: Drew Gooden, Pau Gasol, Josh Smith e Marcin Gortat. Gooden só pode ser brincadeira visto que já não joga desde o tempo em que esteve nos Bulls. Gasol está referenciado para várias trocas. O baixo nível de exibições que o espanhol tem feito nos Lakers (está com a pior média pontual e de ressaltos desde que chegou à NBA) poderão disparar o clique para a troca. No entanto, não vejo quem é que os Lakers estejam interessados em Boston. A não ser que seja o próprio Rondo, mas, nesse cenário, Boston perderia e muito. Pelo que vi, Boston tem cap salarial para incluir Gasol. Gortat está a fazer boas exibições numa equipa de Phoenix que finalmente poderá estar em condições de lutar por uma vaga nos playoffs. Não creio que a direcção da equipa do Arizone e o jogador pretendam efectuar uma troca com os Celtics.

Milwaukee Bucks

Scott Skiles cumpre. 7º lugar com score de 11-9, apenas a 1 vitória dos Bulls, líderes da divisão central.

jennings ellis

Brandon Jennings e Monta Ellis constituem uma das melhores duplas da NBA. Alta velocidade. Melhor melhor só a dupla Wade-James. A transferência do shooting guard de Oakland para Minnesota (que envolveu a saída de Andrew Bogut para a Califórnia onde não tem jogado devido a lesão; mais uma não é) acabou por ser excelente para o jogador, para Jennings e para as duas equipas. Ellis já era um diabrete à solta quando jogava com Stephen Curry. Em Brandon Jennings parece ter encontrado a sua alma gémea. Sintonia total. Os Bucks despacharam um dos seus maiores cancros: Bogut. Os Warriors foram buscar muitas picks de qualidade ao draft para construírem uma equipa de futuro.

Olhando para os números destes dois em particular: Ellis tem 18.6 pontos de média pontual e 5.7 ao nível de média de assistências por jogo. Jennings 17.3 de média percentual e 6.1 ao nível de assistências. A dinâmica deste duo é fantástica se reparmos que um joga para o outro. Tanto Jennings como Ellis pautam o jogo da equipa numa velocidade ímpar. As equipas com jogadores mais velhos terão muitas dificuldades contra esta equipa. Se Jennings é um jogador que cresceu imenso ao nível de condução de bola e avaliação de decisões (já não treme sobre pressão), Ellis é o showstopper da equipa: lança de todo o sítio, género e feitio e de vez em quando brinda-nos com aqueles afundanços de levantar pavilhão. Quando os dois estão muito marcados ou a fazer um mau jogo do ponto de vista de tiro, viram-se para o turco Ilyasova (tem estado pior ao nível de lançamento de 3 pontos) ou para Mike Dunleavy (42% no tiro de 3 pontos). Com o outro base da equipa, Beno Udrih, está apresentado o seu jogo exterior. O jogo exterior da equipa foi muito importante na vitória contra Chicago, no jogo que acima referi, onde os Bulls a ganhar por 27 a meio do 3º período foram perder. Quem apareceu? Ilyasova, com vários triplos decisivos.

Ao nível de jogo interior. Apesar de ser um extremo, é no jogo interior que Marquis Daniels (contratado a Boston) se sente confortável. A equipa possui Gooden e 4 postes altos de raiz: Dalembert, Udoh, Sanders e Luc Mbah a Moute. Todos eles são jogadores algo rudimentares ao nível técnico. Dalembert é desde há muitos anos um caso gritante. No entanto todos eles apresentam um espírito de sacríficio muito importante para os objectivos da equipa: Dalembert tem 6.1 pontos de média e 4.9 ressaltos por jogo, Mbah a Moute 10\5.5 e Sanders 7.7\7. Não havendo um titular, é caso para dizer que estes três se complementam muito bem e dão muitas opções válidas ao treinador. Udoh apesar de jogar com suplente de Gooden a poste baixo, faz 5.5 pontos de média por jogo.

Milwaukee possui um dos melhores rookies de 2012: Doron Lamb. É um jogador muito energético e com boa capacidade de lançamento. Scott Skiles já se apercebeu disso e tem dado 13 minutos de utilização em média ao antigo jogador da Universidade de Kentucky. Os números de Lamb não tem sido famosos mas tenderá a melhor no futuro. Tem o azar de ser base numa equipa que tem Jennings e Ellis.

A equipa de Milwaukee está de olho em Chicago. Qualquer deslize dos Bulls será a meu ver muito aproveitado por esta equipa. O primeiro lugar na divisão dá direito a lugar privilegiado aos playoffs, lugar que muito dificilmente teria acesso esta equipa pela via normal de classificação na tabela.

Alguns vídeos dos Bucks:

Indiana Pacers

Para já na 9ª posição, fora dos playoffs.

O início de temporada dos Pacers surpreende-me pela negativa. Esta equipa tem tudo para se posicionar entre o 4º e o 6º lugar da conferência. Tem muita juventude com alguma experiência de liga, talento, e acima de tudo soluções de valor nas 5 posicões do basquetebol.

No entanto tem sido um início muito complicado para a equipa sediada em Indianápolis. Danny Granger está lesionado e só voltará aos pavilhões no início de Fevereiro. 11 vitórias e 11 derrotas de score. Os Pacers ganham um jogo para depois perderem o seguinte. Não conseguiram até agora fazer mais de 2 vitórias seguidas. Tendo em conta que a tabela neste momento mostra que o 4º classificado (Bulls) tem um score de 12-9 e os Pacers que são 9ºs tem 11-11 tudo poderá mudar num instante. Em poucos jogos tanto os Bulls poderão estar fora dos lugares de acesso ao playoffs como os Pacers na 4ª posição.

Início de temporada marcado por algumas derrotas que não estariam nas contas da equipa treinada por Frank Vogel como a derrota em Charlotte (89-90) em casa contra Toronto (72-74). Todavia, uma vitória inesperada contra os Lakers.

É uma equipa que tem vindo a soltar-se mais com o decorrer do tempo. Nos primeiros 10 jogos a equipa não conseguia marcar mais de 90 pontos. Ultimamente já tem chegado aos 100 (contra Dallas 103; New Orleans 115). Tem tudo para ser uma equipa com um grande grau de pendor ofensivo. Marcadores de pontos não lhes falta: DJ Augustine (vindo de Charlotte) Paul George, Danny Granger, George Hill e David West. Com a ausência de Granger (jogador com uma média pontual na casa dos 22) é normal que a equipa se ressinta a nível ofensivo. Fazendo uma comparação dos Pacers com os Bulls (Derrick Rose de fora), ambas as equipas estão ressentidas do facto dos seus melhores marcadores estarem de fora. Para explicar este nível de irregularidade da equipa, acrescenta-se o facto desta equipa ser a equipa com mais turnovers na liga: 15.2 de média por jogo. São portanto 30 (mínimo) a 45 pontos que não entram por jogo por erros, principalmente dos seus bases.

O primeiro tem sido uma contratação furada. O Augustin que era indiscutível líder de Charlotte é um flop em Indiana. Dos 16 pontos de média em Charlotte, passou a 3.2 em Indiana. Com Granger lesionado, a missão de pontuar passa para George, Hill e West. George e Hill são jogadores de alta velocidade. Pecam por serem jogadores com um baixíssimo nível de decisão e esse é de facto um dos pontos que explica tanta irregularidade. Apesar de George ter uma média pontual de 16 e Hill de 14.7, as suas percentagens de lançamento deixam a desejar porque são jogadores que lançam em demasia sem muita consistência. No entanto, George já marcou 48 triplos este ano em 118 lançamentos e Hill 35 em 112.

Para dar alguma maturidade à equipa existe David West. Está a fazer uma excelente temporada, a melhor desde que saiu da companhia de Chris Paul em New Orleans, com números fantásticos: 17.5 de média pontual e 8.5 ressaltos. É candidato ao all-star deste ano pela conferência este.

Roy Hibbert 2

Falando do jogo interior da equipa, outro dos problemas que tem assolado esta equipa são as medíocre exibições de outra das suas estrelas: Roy Hibbert. Comparando com a época passada, Hibbert está longe do seu nível exibicional. Se no ano passado, Hibbert acabou com médias de 12.8\8.8\2 blocks per game, e se previa que a equipa de Indiana cresce muito na conferência este em virtude da maior maturidade dos seus jovens jogadores, esta época, depois de Hibbert ter estado com um pé fora de Indiana pelo facto do seu contrato estar a expirar e de ter renovado o seu contrato com a equipa, Hibbert apresenta números que não são de todo aqueles que a equipa esperava de si: 9.5 pontos (esperava-se que subisse a fasquia para os 15) 8.4 ressaltos (esperava-se que figurasse no top dos ressaltadores da liga). Algo imperceptível anda a abalar o poste. Falta-lhe concorrência no sector (Hansbrough e o contratado a Dallas Ian Mahimni são jogadores muito fracos para fazer sombra a Hibbert) e talvez ainda lhe esteja na ideia a possibilidade de ir procurar a vida noutro lado. No verão haviam várias possibilidades, entre as quais Chicago e Portland. Apenas a equipa do Oregon apresentou uma proposta no valor de 58 milhões de dólares por 3 temporadas, proposta que foi coberta de imediato pelos Pacers.

Uma eventual troca de Hibbert será muito complicada de gerir para os Pacers. É um jogador com uma qualidade imensa. Tem tudo para ser o melhor ou um dos melhores postes da liga desta geração. Tem atleticismo, corpo e técnica apurada de poste. Marca pontos e é um animal das tabelas. Neste momento, tomando em conta os 26 anos, a situação torna-se mesmo complicada. Hibbert terá que explodir. Se há altura para explodir, é agora essa altura. Se Indiana o trocar, corre o risco que o jogador vá explodir num rival de conferência. Se o deixar ficar, poderá ter o dissabor de Hibbert se tornar um flop futuro tendo em conta o ouro com que é remunerado. Penso que só o final da época poderá ser bom conselheiro para esta equipa.

Orlando Magic

Ano zero para a equipa da Flórida. Howard já se foi e os Magic, na minha opinião, não ficaram a ganhar em nada com a saída do poste. Por teimosia da sua direcção renovaram no ano passado o contrato com Howard para que este pudesse render algo que pudesse à equipa construir um plantel de futuro. Estas pretensões saíram goradas. No meio do cerco que fizeram ao jogador, os Lakers ainda ofereceram Gasol. Era de facto na altura uma boa proposta. Os Magic declinaram, talvez por questões económicas e pelo elevadíssimo salário do internacional espanhol. Agora, com a saída da sua antiga vedeta para LA a troco de uma mega troca que colocou Josh McRoberts, Arron Afflalo, Al Harrington e Etawn Moore, resta esperar que uma equipa jovem como é Orlando seja bem trabalhada.

O plantel de Orlando não é mau nem é bom.

Ao nível de bases, Jameer Nelson, JJ Redick, Moore e Afflalo dão conta do trabalho.

Nelson parecia eclipsado nos últimos anos da presença de Howard. Parece ter reencontrado o seu jogo. Se antigamente era um jogador que só jogava para Howard, o individualismo gerado pela saída do poste fez Nélson subir as suas exibições e os seus números.

Redick esteve a um passo de rumar a Chicago como free-agent. Não o fez porque o salário de renovação que os Magic lhe ofereceram foi elevadíssimo. Redick foi o melhor jogador do NCAA (campeonato profissional universitário) de 2005 por Duke. Nesse mesmo ano foi campeão universitário. Chegou à liga bem rotulado mas não se conseguiu impor. Só no ano passado conseguiu chegar a 6th man da equipa, o que se traduziu num salto na rotação de 22 para 27 minutos de utilização. Este ano é titular da equipa e puxou o seu jogo de 11.8 para 13.8 pontos por jogo e duplicou a sua capacidade de assistências de 2,5 para 5. Redick é dono de uma técnica invulgar, quase perfeita, tanto no transporte da bola como no acto de lançamento. Tem tudo para ser a vedeta da equipa este ano.

Afflalo é outro caso complicado. Técnica não lhe falta, até sobra. Capacidade de tiro exterior sublime. Em Denver toda a gente sabia que estava ali um jogador talentoso. Sendo um shooter nato e ligeiramente lento de movimentos não enquadrava no alto rimo de jogo que George Karl incute nas suas equipas. Tanto ele com o veterano shooter Al Harrington. Mudou para Orlando. Nota-se uma melhoria tal no seu jogo que chegou à Flórida e tornou-se logo o melhor pontuador da equipa com uma média de 16. Falta-lhe começar a acertar com os triplos. Tem 27 em 88 tentativas. No ano passado em Denver fez 88 em 212. Quando o fizer, será um jogador altamente letal.

Etawn Moore. Estará aqui o futuro da equipa? Este sophomore daria muito jeito a Boston. Nos 21 jogos de Orlando já marcou o dobro dos pontos (195), com 24 minutos de utilização do que nos 38 jogos de Boston (101) onde era utilizado durante 8 minutos de forma esporádica. É um lançador nato e só tenderá a melhorar.

Ao nível de jogo interior a história é outra. Howard não era só o jogo interior da equipa, era a canalização prática de todo o jogo da equipa. Sem esquecer os extremos (o velhinho Turkoglu ainda dá conta de algum jogo e Andrew Nicholson promete ser um dos rookies do ano), o jogo interior resume-se a Glen Davis, o baby shaq que andava muito escondido e mal aproveitado por Boston\sombra de Howard quando este precisava de descansar. Davis não é um primor de técnica. Mas tem caparro para aviar uns quantos. Não é o mais inteligente dos postes da liga, mas tem cabedal para se fazer valer nas tabelas contra os outros postes. Melhorou imenso desde que foi para Orlando e se calhar agora até daria jeito a Boston, que procura precisamente um bom poste. Está a fazer bons números e ainda aproveita o facto do jogo de Nelson estar formatado para servir Howard. A saída de Howard deu-lhe espaço e fez-lhe bem. Subiu 12 minutos na rotação, subiu 6 pontos de média em relação ao ano passado e tem empurrado a equipa nos momentos decisivos. Na 6ª época na liga duvido que lhe melhorem o lançamento, departamento do jogo onde ainda continua em déficit.

Com 8-13 de score ainda está tudo em aberto para os Magic. Não creio que consigam uma vaga nos playoffs. Os rivais directos são mais fortes. Já tiveram jogos esta época onde isso ficou provado nas derrotas contra Chicago e Boston. Para o ano logo se vê se conseguírem acrescentar mais alguma qualidade a este plantel.

Charlotte Bobcats

Neste quarto da época Jordan deve ser um proprietário mais satisfeito. Em 20 jogos, os seus Bobcats já venceram por 7 vezes e para já não varrem a lanterna vermelha da conferência. Já conseguíram mais de metade das vitórias do ano passado.

Apesar da equipa estar assente nos 275 milhões de dólares investidos pelo mítico Michael Jordan (recordo que os Bobcats são do Estado da Carolina do Norte, estado natal do antigo astro da modalidade), os últimos anos tem sido de autênticos dissabores para esta equipa. Sucessivas trocas e escolhas directivas que correram mal do ponto de vista desportivo e que deram azo às piores épocas de sempre da equipa (e quiçá das piores épocas de sempre de uma equipa na história da competição) e o próprio lock-out que ocorreu no início da competição na época passada, onde os Bobcats ocupavam na proa o rol de equipas que não conseguiam fazer face às suas despesas, chegaram inclusive a colocar em risco a participação da equipa na prova e a possibilidade dos direitos do franchising mudarem para outras cidades que se tem mostrado desejosas de receber a competição (ou de voltar a receber) como é o caso de Las Vegas, San Francisco e Seattle.

Nos 66 jogos da fase regular da época passada, os Bobcats alcançaram apenas 7 vitórias, tantas como as alcançadas já este ano em 25 jogos. Pior que as 7 vitórias (1 a cada 10 jogos) foi a figura muito triste protagonizada por uma equipa que muito dificilmente conseguiria vencer (digo na minha opinião) um dos mais importantes campeonatos europeus (Espanhol, Francês, Italiano, Russo, Turco, Lituano ou Grego).

Algo mudou neste verão em Charlotte. Jordan foi obrigado a reformular a equipa e com essa reformulação, iniciada pela ida de dois dos principais activos da equipa (Boris Diaw para os Spurs no final do prazo para trocas da época passada e DJ Augustin como free-agent para Indiana), que não só não estavam a render o esperado na equipa como libertaram algum cap salarial para a reconstrução da nova equipa, aliado à possibilidade uma escolha satisfatória no draft de 2012 (Michael Kidd-Gilchrist) fizeram com que a equipa tenha para já um comportamento muito mais satisfatório do que aquele que teve na época anterior. No entanto, esta equipa ainda terá que trilhar um longo caminho para estar em condições de lutar pelos playoffs.

Apesar da equipa ainda manter gente que não tem qualidade para jogar nesta liga (Reggie Williams, Hakim Warrick, Kemba Walker, o flop Tyrus Thomas, DeSagana Diop), o incremento de novos jogadores com alguma experiência (Ben Gordon, Brendan Haywood e Ramon Sessions) em conjunto com Gilchrist (para termos noção da entrada de rompante do antigo poste-baixo da Universidade de Kentucky que foi escolhido na posição 2 do draft deste ano, nos primeiros 25 jogos da equipa está com uma média pontual de 11 e 6.4 de ressaltos) e alguns jogadores interessantes como é o caso de Gerald Henderson e Bismark Byombo (precisam claramente de puxar mais por este jogador) fizeram com que a equipa tenha melhorado em muito o seu jogo em todos os sectores. Ramon Sessions, apesar de ser um base mediano é um bom organizador de jogo, Henderson e Gordon dão mais capacidade ao nível de tiro exterior, Gilchrist, Haywood e Byron Mullins dão um melhor jogo interior. Falta no entanto uma estrela a esta equipa, ou seja, alguém que seja capaz de decidir jogos e sobretudo banco. Falta essa estrela na medida em que os Bobcats já perderam alguns jogos (contra algumas importantes equipas na Liga) por diferenças pontuais residuais (abaixo de 6 pontos). Tendo uma estrela que assuma o jogo de forma decisiva nos momentos finais, mais jogos poderiam ter caído para esta equipa.

Para terminar, é de realçar que esta equipa começou muito bem nos primeiros 11 jogos da época com um score de 7-4. No entanto, já não vence desde 24 de Novembro, averbando 14 derrotas seguidas.

Detroit Pistons

Andre Drummond

André Drummond: o jogador mais jovem da NBA desta temporada. Um diamante em bruto que Detroit tem em mãos para explorar.

O caso dos Pistons é um caso mais complexo. Pode-se dizer que é um caso que cruza exemplos de outros casos particulares de outras equipas da conferência: Boston e Charlotte.

Os Pistons, apercebendo-se que tinham uma equipa excessivamente velha, sem valor de troca no mercado, com salários acima do normal para a veterania dos seus jogadores e sem resultados desportivos, decidiram apostar na juventude como forma de inverter os maus anos da equipa. Falamos de uma equipa que foi campeã da NBA em 2004 e que disputou uma final da competição em 2005. No entanto, os tempos dos 2ºs bad boys de Detroit já vai bem longe. Apesar de quase todos ainda jogarem em outras equipas da Liga (Rasheed Wallace, Richard Hamilton, Chancey Billups, Antonio McDyess), na equipa, dessa era só sobraram os veteranos Jason Maxiell e Tayshaun Prince. Ao contrário do exemplo de Boston (queimar a estratégia da equipa a partir de uma estratégia aversa a mudanças radicais), os Pistons decidiram sacrificar mais uma época onde até tinham cap para adicionar 2 ou 3 jogadores de qualidade e experiência para construir uma equipa praticamente de raiz.

Os Pistons tem vindo a fazer uma época bastante aceitável com uma equipa extremamente jovem. 7-21 de score é certo, mas, pelo que tenho visto, mesmo nas derrotas, tem feito jogos muito conseguidos do ponto de vista exibicional contra equipas de outras dimensões, casos das derrotas em Oklahoma (97-105) Orlando (106-110) Chicago (104-108) Philadelphia (97-104) Denver (94-101) Brooklyn (105-107). É uma equipa algo bipolar: tanto tem uma alta propensão ofensiva (ver no calendário o número de jogos que a equipa tem acima dos 100 pontos) como tem baixa propensão ofensiva noutros jogos (o que se pode explicar pela óptica da construção de uma equipa com jogadores que nunca tinham actuado juntos até esta época). Defensivamente é uma equipa bastante frágil e como tal precisa de ser trabalhada nos próximos meses.

Os Pistons são a equipa mais jovem desta liga. Pelo meio alguma mistura de veterania, casos de Charlie Villanueva, Jason Maxiell ou Corey Magette. Se olharmos para o seu plantel, rookies são 5 (Drummond, English, Singler, Middleton e Kravtsov), sophomores e 3ºs anistas 3 (Knight, Monroe e Jerebko) e até o líder da equipa (Rodney Stuckey) apenas cumpre a 6ª época na Liga. Destes 9 jogadores, Stuckey (regressou muito bem de uma lesão complicada que o afastou praticamente toda a temporada do ano passado) Drummond, Singler, Knight, Monroe e Jerebko tem influência no rendimento da equipa.

Falando de alguns:

Drummond – O BI deste poste engana. 19 aninhos. André Drummond pelo que vi vale ouro no futuro caso seja bem trabalhado. Este poste que veio da Universidade do Conneticut tem apenas o azar de ter como titular da sua posição outro jovem de ouro: Greg Munroe. Munroe é indiscutívelmente um dos líderes da equipa e a solução de futuro para a construção da equipa. Os seus números mostram isso (15.7 em pontos, 9.1 ressaltos) e pode-se dizer que neste momento, Munroe e Joakim Noah dos Bulls são os postes em melhor forma na liga neste início de temporada. Pelo que pude ver nos 2 ou 3 jogos que já vi da equipa, Drummond tem tudo de bom na posição: corpo, atleticismo, esforço, técnica acima da média. No entanto, não poderá viver na sombra da estrela da equipa e será bom para a equipa liderada por Lawrence Frank que trabalhe o jogador para a posição de poste baixo. Se essa missão tiver exito, meia equipa dos Pistons para os próximos 10 poderá estar construída.

Os bases Stuckey e Knight. Complementam-se. Stuckey é um excelente organizador de jogo. Nos primeiros anos da liga, os números de Stuckey e até o estilo de jogo que apresentava chegaram a motivar a imprensa norte-americana a escrever que Detroit poderia estar a ver nascer um novo Dwayne Wade nos seus braços. Prova disso a fantástica época 2009\2010 onde atingiu o seu máximo de temporada: 16.6 pontos. Stuckey é um bom organizador de jogo e é também ele um bom lançador. Teve algum azar com uma lesão no joelho que já o obrigou a parar muito tempo. Ainda este ano, na pré-época, a lesão quase o obrigou a falhar os primeiros jogos da temporada. Está lentamente a re-entrar no jogo. Leva 11.8 pontos de média nos 28 jogos realizados esta época e 4.2 de assistências. Está a lançar menos e melhor e a servir mais de organizador de jogo.
Já Brandon Knight é outra história. Depois de ter sido um dos rookies da época passada, com uma média pontual de 12.8, este jogador promete ser uma das referências da equipa para os próximos anos. Muito completo em tudo: organiza bem jogo, faz algumas assistências, lança bem tanto a meia-distância como de 3 pontos (41% de eficácia nos 3 pontos; 54-125 esta época em triplos) e promete não ficar por aqui. Já está nos 15 pontos de média.

Extremos: Villanueva, Prince e Jerebko – Os primeiros dois dispensam apresentações. Fortes no lançamento, aparecem com grandes exibições quando menos se espera. O 3º está a decair. Depois de 2 boas temporadas, esperava-se que este bom lançador pudesse dar o salto qualitativo para 12\13 pontos de média. Ficou-se pelos 6.8 actuais.

À semelhança de Charlotte esta é uma equipa que também precisa de adicionar à sua equipa alguém que consiga resolver jogos nos momentos de pressão.

Para finalizar, alguns momentos da grande estrela da equipa Greg Munroe durante esta temporada:

Em jeito de brincadeira, confesso que o segundo slam, protagonizado por Jason Maxiell (não acreditava que ele fosse capaz disto!!) me deixou um bocado parvo!

Jogo de carreira para Munroe contra Toronto na terça-feira.

Momento do jogo contra Chicago. O experiente Kirk Hinrich ficou muito mal na figura. A sua veterania já lhe devia ter dito que nestes momentos, as regras permitem que peça timeout ao árbitro. Nesta altura, Detroit ainda lutava pela partida. Não teve consequências para os Bulls ao nível de resultado na partida mas…

Cleveland Cavaliers

Kyrie Irving

Mais uma época para esquecer no Ohio.

Os Cavaliers são este senhor, praticamente sozinho.

Não digo totalmente sozinho visto que a equipa tem ali 2 ou 3 artistas capazes de fazer boas prestações. Nos 30 e poucos jogos realizados esta época já deu para perceber que Irving é mesmo craque. O nº1 do draft do ano passado está no entanto a passar um pouco ao lado da competição (à semelhança de John Wall nos Washington Wizards) derivado do facto da equipa ainda não ter adoptado uma estratégia de construção real de soluções de plantel que os possam levar a lutar por algo mais.

Apesar de ter falhado alguns jogos por lesão (1 mês de lesão), Kyrie Irving (ver posts das escolhas do staff) é um jogador do catano. Veloz, com um tiro excepcional e dono de uma vontade de vencer incrível, não tem sido poucas as vezes que o base da equipa do Estado do Ohio tem aparecido nas melhores jogadas do dia ou da semana com incríveis cavalgadas para o cesto, com triplos do meio da rua ou com buzzer-beats do arco da velha. Inserido numa equipa muito experiente no seu todo (já vamos a jogadores como Alonzo Gee, Daniel Gibson, Omar Casspi, Luke Walton, CJ Miles) as estatísticas do #2 subiram substancialmente: no ano de rookie “Uncle Drew” apresentava (em 51 jogos; parece que é achatado a ter pequenas lesões durante a época) uma média de 30 minutos de utilização com uma média pontual de 18.5 e 5.4 de assistências. Este ano, subiu 5 minutos na rotação da equipa, passou dos 18.5 para os 23.1 pontos de média e manteve o nível de assistências (5.4\5.6). Está portanto mais lançador e mais concretizador, principalmente de 3 pontos onde já se encontra com 41% de eficácia.

No entanto, Irving não está bem acompanhado.

Todos os jogadores que acima enunciei são jogadores com alguma experiência na Liga, mas tem números muito insuficientes.

Varejao

Começo por Anderson Varejão. O brasileiro está a ser cobiçado por várias equipas, fruto da boa época que está a realizar. Talvez a melhor desde que chegou à liga: na sua 9ª época na liga, este internacional brasileiro que chegou à NBA vindo do Barcelona, está com 14.1 pontos e uma média de 14.4 ressaltos\2.71 o que faz dele o melhor ressaltador da Liga e um dos melhores defensores (para mim) em conjunto com DeAndre Jordan (Clippers) e Joakim Noah (Bulls).

Os Cavs não abdicam dos seus números e principalmente da sua experiência de Liga. No entanto é público que Varejao anda a ser sondado por várias equipas, entre os quais os Boston Celtics e os Milwaukee Bucks.

Alonzo Gee. Mostra algum talento principalmente no jogo interior. 11.6 de média pontual em 33 minutos de utilização. Afirmou-se como titular numa equipa da liga depois de passagens algo inglórias por Sacramento e Washington. É um jogador a ter debaixo de olho pois facilmente poderá elevar a sua fasquia para os 13\14 pontos de média pontual.

Daniel Gibson. Aquando dos primeiros anos da Liga, quando em Cleveland alinhava um senhor chamado LeBron James, este base parecia mostrar que se poderia tornar num jogador all-star. Era claramente o nº3 da equipa (atrás de LBJ e Larry Hughes) e tinha uma capacidade fantástica nos triplos. Para termos uma noção desses tempos, na época 2007\2008 (quando os Cavs de LBJ lutavam pelo título) este senhor chegou a ter uma média de temporada nos 3 pontos de 44% (118-268). Foi-se apagando com o tempo. Continua a ter uma média interessante no tiro longo (39%-47\120) nos 23 minutos de utilização mas não passa mesmo disso.

CJ Miles: manteve a regularidade nos números nos tempos de Utah.

Luke Walton: pouco ou nada contribui e pouco ou nada melhorou desde os melhores tempos de LA.

Rookies:

Dion Waiters – este base recrutado no draft à Universidade de Syracuse era dos homens menos em destaque no draft apesar da sua 4ª posição. Está a confirmar que poderá ser o nº2 da equipa. Já é praticamente titular na equipa (30 minutos de utilização) e é bastante regular no seu lançamento. 14.1 de média pontual coloca o base como candidato a rookie do ano.

Tyler Zeller – agradável surpresa. Escolhido na posição 17 do draft, este antigo jogador da Universidade da Carolina do Norte que se revela muito hábil nas duas posições de poste poderá ser um jogador de futuro. Faz do corpo arma e tem boas percentagens de lançamento a meia distância (43%). 8.6 pontos por jogo de média e 5.6 ressaltos põe-no como jogador capaz de actuar no próximo jogo de all-star game entre rookies e sophomores. Promete.

Washington Wizards

Últimos com apenas 5 vitórias e 28 derrotas.

Pouco ou nada mudou em Washington.

Tirando o facto de John Wall estar lesionado e ainda não ter feito um único jogo, espanta-me como é que esta equipa está em último com a quantidade de talentos jovens que tem nas suas fileiras. Com jogadores como Bradley Beal, Kevin Seraphin, Jordan Crawford e Jan Vesely e outros mais experientes como Emeka Okafor, Trevor Ariza ou Nênê Hilário, 5 vitórias é muito pouco.

Começo pelos mais novos:

Bradley Beal – Uma aposta ganha. O 3º do draft deste ano é máquina. Com regularidade no lançamento de média e longa distância é o complemento perfeito para um base como Wall.

Kevin Seraphin – Os Bulls devem estar arrependidos de ter passado os seus direitos para Washington na libertação de Kirk Hinrich para Washington em 2009 (Washington despachou o base para Atlanta e passados 3 anos este voltou a Chicago como Free-Agent). O Francês encarreirou na equipa da capital e tem uma média pontual de 11.3\5.3 ressaltos, o que significa que poderia ter sido agora uma excelente alternativa de banco ao seu compatriota Joakim Noah.

Jordan Crawford – Dispensa apresentações. Lança muito e nem sempre é bem sucedido. Num dia em que esteja inspirado é menino para marcar 5 ou 6 triplos em tantas tentativas. Noutros é capaz de não acertar 1 em 10. Mas quando acerta é um perigo.

Jan Vezely – Este checo que chegou à NBA por via do Partizan de Belgrado ainda não conseguiu discernir que o rigor da liga Norte-Americana é superior ao da Europa. Este Checo era rotulado como craque na europa. Nos Wizards mal joga e é uma pena visto que segundo o que vi na Euroliga em 2010 é dotado de uma capacidade atlética notável.

Nênê – Trocado por JaVale McGee para dar um novo swing à equipa no jogo interior, tem fracasso a missão. Está uma sombra do que era em Denver. O brasileiro sempre foi lento mas em Washington joga à velocidade de carvão. Talvez anime quando Wall voltar à competição.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

NBA 2012\2013 #1

A maior liga de basquetebol do planeta já começou e praticamente no fim da 1ª semana da competição, urge-me começar a esmiuçar o que se tem passado.

Para simplificar as coisas, esta semana começo a escrever uma breve análise sobre a prestação das equipas nos primeiros jogos. A partir deste post, começarei a postar mais regularmente análises, vídeos, conferências de imprensa, jogos, fotografias e outras curiosidades em redor da competição. Para esse efeito pedi ajuda ao staff da Liga ESPN NBA Portugal (liga privada da ESPN) para me começar a apoiar nestes posts daqui em diante. Caro leitor, se quiser participar nestes post com conteúdo, opiniões ou caso queira partilhar algo que me tenha passado em claro nos posts que aqui deixar, poderá fazê-lo a partir do email joaorbranco@live.com.pt, tendo que, só para o efeito, enviar o que quiser partilhar neste blog junto com a sua identificação. (nome, apelido, nickname).

Começando pela conferência este:

Boston Celtics

É certo e sabido que Doc Rivers tem este ano um enorme desafio pela frente: a reconstrução faseada de uma nova era para a equipa. Se o espectro de Ray Allen já foi ultrapassado (dentro das limitações orçamentais e contratuais que o franchising tem; dado o pouco poder de troca que o franchising também tem dada a idade avançada e os respectivos salários de Garnett e Paul Pierce) com as contratações de gente que poder dar um novo impulso à equipa (Leandro Barbosa e Jason Terry, são exemplos desse paradigma; Terry foi em Dallas durante muitos anos um dos melhores nº6 da competição, senão o melhor) auspicia-se um ano muito difícil para a equipa do Massachusets.

É certo que Allen é um jogador que, mesmo apesar da sua idade, vai deixar saudades por Boston. Falamos só do recordista actual em triplos da história da competição. Mantendo-se a espinha dorsal da equipa assente no big three Garnett-Pierce-Rondo, onde o base assume uma preponderância tal que por vezes chega a fazer de Garnett e Pierce (Rondo é o candidato a vencer o maior número de triplos-duplos na temporada), creio que Boston, pelos jogadores que acompanham esse mesmo big-three, pela experiência global da equipa (veteranos da liga são 6 no seu plantel) e pela qualidade inegável de quase todo o plantel, vai ao playoffs sem grandes dificuldades (não são candidatos a vencer a conferência na temporada regular como nos últimos anos é certo) e nos playoffs, em derivado desta assumpção global que faço do seu potencial, poderão surpreender tudo e todos.

O draft também foi simpático para Doc Rivers. Trouxe-se um talento em bruto chamado Fab Melo. O jovem internacional brasileiro de 22 anos, escolhido na ronda 22 do draft deste ano vem muito bem referenciado do campeonato universitário norte-americano, onde alinhou por Syracuse nas últimas 2 temporadas. Melo, poste, internacional brasileiro, foi nomeado o melhor defensor da NCAA da época passada e graças ao seu enorme poder atlético (2,13m e 116 kg) é um jogador que se mexe muito bem na luta das tabelas mas revela alguma ineficiência no ataque. Melo terá direito a poucos minutos na equipa de Boston este ano, mas se Doc Rivers, com toda a experiência que acompanha este técnico campeão, puxar pelo Brasileiro, poderá ter aqui um belo diamante para lapidar lentamente e lançar a alto nível na próxima temporada.

Quanto a este início de época, os primeiros jogos da equipa tem corroborado a minha opinião de que será um ano muito difícil para a equipa do Nordeste.

A abrir, os Celtics foram fazer um jogo muito interessante a Miami contra os Heat mas saíram de cabeça muito baixa, perdendo por 120-107. Se 107 pontos é um indicador ofensivo muito importante tendo em conta o pavilhão onde esse resultado foi obtido, fica também o registo que os Celtics obrigaram a cavalaria pesada de Miami a puxar dos seus galões para vencer a partida, não fosse LeBron ter marcado 26 pontos e 10 ressaltos, Allen 19 pontos (no primeiro reencontro com a sua anterior equipa), Wade 29 pontos e Bosh 19 com 10 ressaltos. Mais uma vez, mesmo com a ida de Ray Allen para a equipa campeã em título, se demonstra que o jogo de Miami está completamente monopolizado pelas suas vedetas. Prova disso, o seu big-four com 83 dos 120 pontos da equipa na partida.

Nos jogos seguintes, voltaram a perder em Milwaukee (99-88) e venceram os Wizards por magros 3 pontos de diferença. Denominador comum da prestação da equipa de Doc Rivers nas 3 partidas realizadas: Paul Pierce e Rajon Rondo. Se o primeiro está completamente on-fire, facto que não é costume visto que Pierce é um jogador que sempre nos habituou a aparecer em grande lá para meados de Janeiro quando a temporada regular já vem a meio, o segundo tem-nos mostrado alguma inconsistência ao nível do lançamento. No entanto, Rondo tem feito mais de 10 assistências por partida, o que confirma que é o verdadeiro líder da equipa.

Brooklyn Nets

O antigo franchising de Nova Jersey entretanto mudado para Nova Iorque (mais precisamente para o mítico bairro de Brooklyn) teve um verão rico em contratações, numa continuação daquilo que já tinha sido levado a cabo na última ronda de transferências da época 2011-2012 para que a equipa possa voltar pelo menos aos playoffs.

Depois de vários anos em Atlanta a espalhar magia, Joe Johnson deu um novo passo na sua carreira e aproveitou o fim de contrato com a equipa do estado da Geórgia para rumar a Norte. O free-agency em Brooklyn não se ficou por aqui. A juntar a vedetas como Deron Williams, Gerald Wallace e Robin Lopez, a equipa também resgatou de forma livre o base C.J Watson, base que se destacou nas últimas duas temporadas em Chicago. C.J Johnson é uma excelente alternativa de banco a Deron Williams, sendo um jogador que gosta tanto de armar jogo como de lançar ao cesto. Adiciona muita capacidade de lançamento exterior a uma equipa que já tinha alguns bons triplistas (Williams, Wallace, DeMarshoon Brooks) mas tem o senão de ser um jogador muito afectado por lesões e afectado sobretudo pela inconsistência. É um jogador que tanto é capaz de fazer 5 jogos seguidos com pontuações na casa dos 20 + 6\7 assistências em média como se apagar da competição durante 1 mês seguido.

Nesta equipa, que tem jogado muito bem é o poste Brook Lopez. Depois da tempestade vem a Bonança. Lopez regressou a meio gás a meio da temporada passada mas rapidamente voltou à enfermaria no início de Abril deste ano graças a um problema continuado num dos tornozelos. Recuperado na totalidade, o poste cujo irmão é Robin Lopez (Phoenix Suns) voltou à competição com números estrondosos (para um poste) nos primeiros 3 jogos da temporada da nova equipa de Nova Iorque: 20 pontos de média e 7 ressaltos por jogo, facto que corrobora a sua apetência ofensiva.

Nestes primeiros 3 jogos da equipa, os Nets tem revelado algumas dificuldades ofensivas. 2 derrotas e 1 vitória revelam que o técnico Avery Johnson terá que trabalhar muito para unir estas peças rumo a lugares mais confortáveis. A última derrota (em casa frente aos Minnesota Timberwolves por 96-107 revela uma equipa que tem dificuldades na defesa. Até porque, uma equipa com Deron Williams (18 pontos e 13 assistências no último jogo) é uma equipa que terá uma tendência natural para o ataque.

A entrada deste “novo” franchising para a Liga traz-nos a entrada de um novo pavilhão para a competição: o Barclays Center, pavilhão construído num daqueles bairros considerados como “coração do basquetebol americano”.

Fica aqui uma nova imagem do dito pavilhão e um insider que foi feito:

Para finalizar, Avery Johnson e alguns jogadores da equipa falam sobre a esta dos Nets no media day do franchise:

New York Knicks

O poderoso Carmelo Anthony transporta na sua 3ª época em Nova Iorque a ambição da equipa ir o mais longe possível nesta liga.

Facto: as saídas de Jeremy Lin (para Houston) e Landry Fields (Toronto) – a saída do primeiro depois de uma temporada fenomenal em que passou de reserva da equipa a jogar preponderante na manobra ofensiva da equipa e de outro, que, apesar de ainda estar a crescer como jogador já apresentava uma invejável capacidade ofensiva, principalmente no tiro exterior.

Facto: as entradas de Jason Kidd e Marcus Camby, jogadores que apesar de estar na sua curva descendente ainda poderão ajudar em muito os objectivos desta equipa. Kidd, apesar dos seus 39 anos de idade, ainda é um jogador que arrasa por onde passa. Camby já não é o mesmo desde os tempos de Denver mas compreende-se a sua contratação visto que é um jogador muito válido do ponto de vista da luta das tabelas. Ainda consegue 8 a 10 ressaltos por jogo e isso será muito importante para uma equipa cuja defesa é o seu calcanhar de aquiles. As entradas de dois jogadores muito interessantes como Raymond Felton (já tinha passado uma vez em Nova Iorque onde não vingou e foi empacotado para Denver aquando da troca Carmelo Anthony) Ronnie Brewer, Pablo Prigioni, base argentino que chega à NBA aos 35 anos depois de muitos anos de glória tanto em Itália como em Espanha ao serviço do Caja Laboral. É um jogador cuja entrada em tão avançada idade causa espanto e é sobretudo um jogador que pelo seu talento me fez interrogar anos após anos como é que a Liga nunca lhe abriu as portas. Já Brewer vem dos Bulls, onde nunca se afirmou a sério. A equipa de Chicago preferiu não renovar com os seus serviços para poupar o seu salário no cap salarial da equipa.

A todos estes nomes que acima citei, juntam-se os clássicos de Nova Iorque das últimas temporadas: Amar ´e Stoudamire, Tyson Chandler, Iman Schumpert e JR Smith.

Stoudamire ultrapassou com sucesso os rumores que davam conta que poderia servir de moeda de troca com Dwight Howard num possível negócio a realizar no verão entre Knicks e Magic. No entanto, o poste começou a época lesionado e só voltará à competição daqui a 3 semanas graças a uma lesão numa mão. O sophomore Iman Schumpert, depois de uma excitante primeira temporada na NBA, também começou a época a ver o jogo na bancada.

Tyson Chandler tem começado a época com prestações que demonstram que ainda não se encontra na sua melhor forma física.

Já o explosivo JR Smith tem começado a época em grande estilo fruto de muito tempo de jogo que lhe tem dado o treinador Mike Woodson. Smith começou a época em alto estilo com 20 e 17 pontos nos dois jogos realizados contra Philadelphia. Prevê-se um JR Smith a jogar em grande estilo nesta temporada, depois de ter optado por Nova Iorque a meio da temporada passada aquando da sua chegada da China, liga onde estava a jogar.

Com tanto poder ofensivo, Mike Woodson só terá de se preocupar em melhorar os índices ofensivos. No ataque existem estilos para todos os gostos: a distribuição exímia de Kidd, a explosividade e tiro exterior de Anthony e Smith, a coragem na abordagem ao cesto de Schumpert, a criatividade e loucura de Felton e a força e regularidade de Chandler e Stoudamire.

A começar a temporada, alguma irregularidade.

Os Knicks bateram Miami em casa na sexta-feira com pompa e circunstância:

No jogo em que Knicks e Heat foram solidários para com os desalojados do furacão Sandy. Só Dwayne Wade doou o seu prémio de jogo de 200 mil dólares.

Para finalizar, o regresso do guerreiro à NBA depois de algum tempo de afastamento. Sim, Rasheed Wallace voltou para jogar em Nova Iorque. Pela sua entrega ao jogo, qualidade e até pelo seu mau feitio, Rasheed Wallace (campeão em 2004 com os Pistons) era daqueles jogadores que gostaria de ter visto jogar (em tempos áureos) nos meus Bulls. Vi jogar um outro Wallace (Ben) também campeão nesse ano na turma do Michigan entre 2006 e 2009 nos Bulls. Não é nem por sombras o mesmo Rasheed Wallace que lutava por todas as bolas, marcava triplos e reclamava por tudo e por nada. O seu papel é muito secundário em Nova Iorque. No entanto, vale a experiência de 15 temporadas a um ritmo abismal.

A veterania acaba por ser outros dos tónicos desta equipa. Mas não é uma veterania de banco. Os 6 veteranos da equipa (Kidd, Camby, Wallace, Kurt Thomas, Tyson Chandler e Amare Stoudamire) são ainda jogadores muito prestáveis para uma equipa que quer decerto jogar pela final de conferência nos playoffs.

Philadelphia 76ers

Maturidade é o adjectivo que melhor poderá caracterizar esta equipa. Alta velocidade é o estilo de jogo da equipa.

Nos playoffs do ano passado, os Sixers (8ºs classificados da fase regular) aproveitaram o deslize da lesão de Derrick Rose para mandar os Bulls (campeões da fase regular) para casa mais cedo quando toda a gente já apontava um duelo entre Chicago e Miami na final da conferência este.
Poucos meses passaram desde esse exito. O severo Doug Collins, tinha feito muito com o pouco que tinha. Meses depois, menos lhe dão para o início desta época. O mercado foi duro para os Sixers: a vedeta Andre Iguodala rumou a Denver pouco depois do título olímpico conquistado em Londres e o veteraníssimo Elton Brand rumou ao Texas para representar os Mavericks. Para colmatar as duas saídas de peso, a direcção trouxe Kwame Brown (aquele que Michael Jordan tanto acreditava que poderia ser o jogador da sua geração) Dorell Wright (um enorme shooter que andava meio perdido na falta de objectivos de Golden State), Jason Richardson (jogador cujos tempos de Phoenix já vão muito longe mas que ainda pode acrescentar muito poder de fogo ao tiro exterior dos Sixers) e… imagine-se

O monstro Andrew Bynum, o sacrificado de Los Angeles no processo negocial desta temporada em prol das chegadas de Steve Nash e Dwight Howard. A decisão de Bynum ter optado por Philadelphia não foi a mais acertada visto que Bynum é jogador para actuar numa equipa que tenha como objectivos o título. Ficava-lhe melhor ter optado por Dallas ou até pelos Spurs, visto que Dallas anda há dois anos a jogar sem um poste digno dessa posição e os Spurs poderiam começar a pensar na renovação do seu velho plantel com a entrada de alguém que pudesse substituir ao mais alto nível Tim Duncan.

Bynum ainda não se estreou pela equipa devido a mais um problema no seu complicado joelho direito. Deverá voltar na próxima semana.

O porquê de ter dito que Philadelphia é uma equipa que gosta de jogar a alta velocidade?

A resposta dá-se pelos nomes de Evan Turner, Thaddeus Young, Jrue Holliday, Nick Young e Spencer Hawes. Jogadores que chegaram de mansinho à Liga e subiram em flecha na mesma tendo como comparação aquilo que era dito pelos analistas sobre si na altura dos respectivos drafts. São de facto todos eles jogadores muito rápidos que gostam de ter a bola nas mãos e arriscar o lançamento exterior. Principalmente os bases Evan Turner e Jrue Holliday. O último é um jogador bastante interessante que é não é dado a não arriscar lançamentos. É um jogador que vive com os olhos no cesto, o que por vezes é mau visto que não sabe contemporizar as suas decisões e acções. No entanto, também tem jogos em que é pura e simplesmente o diabo à solta.

Toronto Raptors

A única equipa canadiana da Liga está a atravessar uma autêntica travessia do deserto desde que em 2010 Chris Bosh decidiu mudar-se para Miami. Não se espere muito novamente desta equipa. Toronto está à espera de melhores dias.

Com um rookie que promete (Jonas Valenciunas) com duas contratações interessantes (Landry Fields via Nova Iorque e Kyle Lorwy via Houston; Lowry conseguiu uma média pontual de 23.5 na última temporada) com os clássicos José Calderon, DeMar Rozan e Andrea Bargnani, é expectável apenas que a equipa orientada por Dwayne Casey seja capaz apenas de lutar por um 8º lugar na sua conferência, lugar que como se sabe permite a ida aos playoffs.

Nos primeiros jogos da temporada, duas derrotas tangenciais contra Indiana e Brooklyn Nets e uma vitória caseira por 105-86 sobre Minnesota.

Chicago Bulls

ou melhor, os maiores!

O United Center é um pavilhão cujos adeptos são impacientes, efusivos e não gostam de perder. A História dos Bulls assim modelou o ambiente em Chicago. Depois de duas temporadas em que a equipa venceu a fase regular da conferência este mas não foi capaz de materializar esse domínio nos playoffs (em 2011 caiu frente a Miami na semi-final de conferência e em 2012 não passou dos quartos frente a Philadelphia), um terceiro ano se levanta para Tom Thibodeau e equipa assombrado com a lesão de Derrick Rose, estrela que só voltará a actuar em Fevereiro ou Março.

Muitos daqueles que tem acompanhado a lesão de Rose ainda duvidam do estado de forma que Rose irá apresentar quando voltar à competição. O médico dos Bulls Fred Tedeschi afirmou recentemente que a recuperação do craque está a ser feita a um nível superior do que aquilo que estava previsto, daí que Rose já voltou aos treinos de forma condicionada a meio de Outubro quando tudo apontasse para que o fizesse apenas em Dezembro. Outros tem dito que Rose voltará bem, com mais vontade de triunfar mas com características ligeiramente diferentes daquelas que tinha nas últimas 3 temporadas. Poderemos portanto assistir a um regresso de um jogador não tão explosivo nas suas maravilhosas incursões para o cesto e mais incisivo no lançamento exterior, departamento do jogo onde Rose antes das sucessivas lesões que o afectaram na temporada passada, ia melhorando significativamente em relação às épocas anteriores.

Tom Thibodeau tem aqui a sua prova de fogo. Toda a gente sabe que os Bulls sem Rose muito dificilmente poderão aspirar lutar pela vitória na conferência com outras equipas como Miami ou New York. Seria interessante apontar a época regular para um 4º lugar de conferência.

Da equipa saíram alguns jogadores importantes: CJ Watson rumou aos Nets, Brewer aos Knicks, Kyle Korver para Atlanta. Com a saída do primeiro e o do terceiro, os Bulls perderam uma parte interessante do seu lançamento de 3 pontos. Omer Asik rumou a Houston depois dos Bulls não terem coberto a oferta contratual de Houston. Notou-se com estas saídas alguma necessidade da equipa poupar dinheiro para poder atacar um bom free-agent no final desta temporada e suportar os elevados salários desta temporada de Carlos Boozer (24 milhões) e Joakim Noah (15).

Para reforçar a equipa e minorar as perdas, os Bulls adicionaram jogadores com bastante experiência de liga: o baixinho Nate Robinson, Vladimir Radmanovic, Kirk Hinrich (regresso) Marco Belinelli e Nazr Mohammed.

Nate Robinson já todos sabemos quem é. O jogador mais baixo da liga a ganhar um concurso de afundanços. Robinson é mais que isso. É um razoável armador de jogo e é temível no jogo exterior. Radmanovic é um jogador que passou ao lado de uma grande carreira. Nos Lakers foi preponderante durante algumas temporadas mas desde aí que se apagou definitivamente. É um lançador de 3 pontos temível. Kirk Hinrich veio para ser mais um a ajudar enquanto Rose não voltar. Está longe dos tempos em que passou por Chicago (2003 a 2010). Marco Bellinelli é outro lançador interessante que andava perdido em Nova Orleães mas ocorre-lhe o facto de nunca ter confirmado as expectativas que pendiam sobre si em 2007 quando foi drafteado. Nazr Mohammed é um globetrotter que nunca criou grandes raízes em qualquer equipa por onde passou e a sua passagem por Chicago apenas ocorre pelo facto de Asik ter rumado a Houston. Mohammed apanhará os restos temporais que Noah não alinhar.

Como se pode ver a equipa de Chicago perdeu imenso no balancing que pode ser feito entre os que entraram e saíram. O top 5 continua fantástico e cheio de qualidade: mesmo com Rose lesionado restam Hamilton (está a ter um excelente início de temporada) Boozer, Deng e Noah. Deng está novamente a assumir o jogo, como lhe compete na ausência de Rose. Daí estar a jogar a alto nível novamente. Facto curioso iremos talvez assistir novamente em relação a este jogador quando Rose voltar. As estatísticas não mentem: com Rose fora vê-se o melhor Deng, com Rose dentro Deng pura e simplesmente desaparece. Seria o ideal para a equipa ter os dois juntos em grande forma. Já Carlos Boozer também está com um início de época que promete muito. Dado foi a vitória estrondosa da equipa em Cleveland por 116-85.

Tom Thibodeau sabe que as coisas estão difíceis para  o seu lado. No entanto, Thibodeau é exímio a montar equipas que sabem defender bem. Os Bulls não são das melhores equipas do campeonato a atacar mas serão sem sombra de dúvidas a melhor a defender. Foi aí que residiu o sucesso das temporadas que passaram.

Cleveland Cavaliers

Byron Scott é conhecido por fazer milagres nas equipas que treina. Assim aconteceu por exemplo quando em Nova Orleães, nos tempos em que o piso do New Orleans Arena era pisado por um senhor chamado Chris Paul  e por outro chamado Tyson Chandler. Scott na altura pegou num franchise que dava os primeiros passos (não esquecer que o Katrina obrigou a equipa a ir jogar um ano para Oklahoma; Oklahoma ficou tão seduzida com o basquetebol da NBA que comprou os direitos do franchise dos Seattle Supersonics no ano seguinte) na Liga e rapidamente o colocou na NBA, algo ímpar na história da modalidade. Até Memphis, que por sua vez comprou os direitos dos Grizzlies à cidade de Vancouver, demorou sensivelmente 10 anos a ir pela primeira vez aos playoffs, não obstante do facto de ter contado nas suas fileiras com Pau Gasol durante várias épocas.

Olhando para o rooster da equipa do Ohio, Byron Scott tentará fazer o que fez com essa tal geração de New Orleans: atingir os playoffs e incomodar as melhores equipas do Este. Será a meu ver uma tarefa quase impossível dado que o plantel dos Cavs é dos mais fracos da liga senão o mais fraco.

Equipa liderada a fundo por Kyrie Irving, o #1 do draft do ano passado. Na primeira época de Irving da NBA ficámos a conhecer um jogador que está aí para durar. Irving não tem nem de perto nem de longe agregado a si o estilo de LeBron ou o seu fleurma. São jogadores de características diferentes. Enquanto LeBron puxa do cabedal para se fazer valer, Irving é um shooter nato e esperemos que na sua segunda época na Liga tenha aprendido algo com a inconsistência que teve enquanto rookie. Ambos tem em comum o facto de se estrearem na Liga pela mesma equipa, sendo escolhidos na posição #1. No seu ano de estreia de Liga, Irving não teve as mesmas condições que LeBron James teve no seu ano de rookie.. É caso para dizer que Irving está a pagar a factura da saída de LeBron para Miami. Enquanto LeBron teve regalias por parte da direcção de Cleveland, que, construiu ano após anos equipas para LeBron conseguir o título (equipas essas que quase sempre eram escassas para tal objectivo), Irving, pelo desinvestimento que a direcção de Cleveland teve que fazer nos últimos anos para recuperar a saúde financeira, tem que jogar quase por conta própria. No entanto é notória a necessidade que urge na equipa em haver investimento para dotar a sua estrela de bons companheiros.

Do resto do plantel da equipa do Ohio pouco ou nada se aproveita. Um Daniel Gibson que revela alguma capacidade de tiro exterior. Um CJ Miles que é um jogador que já teve uma boa passagem por Utah. Um Alonzo Gee que é um jogador interessante mas nunca será uma grande vedeta. Um Varejão que se pode considerar o 2º melhor jogador da equipa e um Luke Walton que está muito enferrujado devido a anos de banco que Phil Jackson lhe proporcionou (mal a meu entender) no banco de LA. Se existem equipas cujo 5 base é óptimo mas o banco é escasso para os objectivos a que as mesmas se propõem, é caso para dizer que em Cleveland não existe um 5 base óptimo, muito menos banco. É uma equipa quase condenada a ser Irving contra 5 e condenada a sofrer muitos cabazes durante a época, principalmente nos jogos fora.

Para finalizar, aqui fica o melhor comercial do ano relacionado com a NBA, onde Irving protagoniza uma engraçada história real para a Pepsi:

Detroit Pistons

Um grande franchise a passar uma enorme travessia do deserto. 3 anos sem playoffs no Palace of Auburn Hills é muita dose para uma equipa habituada a estar no top da liga anos a fio.

A mesma dose que afirmei para Cleveland, tendo os Pistons um bom 5 base.

Greg Monroe. Em conjunto com Roy Hibbert e Anthony Davis, Monroe é um dos postes mais talentosos desta nova geração. Aos 22 anos ainda tem muito para crescer. No ano passado terminou a fase regular com estatísticas muito interessantes: 15.4 pontos por jogo e 9.7 ressaltos. Nos primeiros três jogos mostrou alguma regressão em relação a esses números. Penso que com o desenrolar da época e com uma subida de forma do base Rodney Stuckey poderá efectivamente subir de produção e quem sabe espreitar o All-Star Game em Fevereiro.

A acompanhar Monroe está uma equipa muito jovem. 5 rookies (Kim English, Andre Drummond, Viachlesav Kravtsov, Khris Middleton e Kyle Singler). Dos 5, Singler é um extremo que gosta imenso de atacar o cesto e promete dar que falar no futuro. Já vinha com boas indicações da Universidade de Duke, universidade que tem lançado bons talentos para a Liga nos últimos anos, fruto do bom trabalho de formação que Mike Kryzewsky (seleccionador norte-americano) tem feito. Falamos portanto de uma universidade que nos últimos 15 anos lançou jogadores na alta roda como Shane Battier, Carlos Boozer, Elton Brand, Luol Deng, Gerald Henderson, Grant Hill, Kyrie Irving, Corey Maggette ou JJ Redick. Outro que promete ser um jogador interessante para o futuro é o poste Andre Drummond. Um poste à antiga, exímio a defender e com um grau de atleticismo bastante interessante. Prcisa de tempo para crescer.

Dois outros jovens que poderão crescer mais nesta época nesta equipa são o base Brandon Knight e o extremo Jonas Jerebko. O sueco já prometeu muito no final da temporada passada. É um bom lançador só que terá que melhorar em muito na velocidade em que executa os seus lançamentos. Ainda é um jogador com um jogo de pés muito lento e habituado às temporizações do basquetebol europeu.

Para acompanhar esta nova fornada de Detroit, com a saída de Ben Gordon ficaram 3 jogadores com enorme experiência na Liga: Charlie Villanueva, Rodney Stuckey e Tayshaun Prince. Prince é o único que resta do título de 2004. Stuckey prometeu muito mas teve azar com as lesões.

A época para já começou com 3 derrotas previsíveis contra Phoenix, Lakers e Houston. Esta equipa precisa de crescer e muito dificilmente conseguirá passar das 25 vitórias nos 82 jogos da temporada regular. Os playoffs ainda estão muito longe mas o futuro está a construir-se aos poucos.

Indiana Pacers

Roy Hibbert esteve a um passo de sair de Indiana no passado mês de Julho como free-agent mas no último segundo tomou a decisão de aceitar a proposta de renovação da direcção. E fez muito bem, os Pacers estão mais fortes que nunca.

A equipa do estado de Indiana orientada por Frank Vogel poderá constituir-se como a surpresa da Conferência Este. Estão juntos todos os condimentos para tal desde que a equipa demonstre novamente o espírito de sacríficio e a garra que demonstrou nas temporadas anteriores. Na tentativa de melhorar ainda mais uma equipa que está a atingir o seu estado de maturidade colectiva, a direcção de Indiana decidiu fazer duas contratações cirúrgicas: contratou DJ Augustin a Charlotte (e Charlotte ficou uma equipa ainda mais miserável), o Francês Ian Mahinmi a Dallas (o internacional francês terá muitos mais minutos em Indiana do que os míseros que tinha na equipa do Texas) e Gerald Green aos Nets.

Augustin irá trazer mais qualidade à organização de jogo da equipa. Para além de ser um interessante distribuidor de jogo, é um jogador que também é capaz de fazer médias pontuais de 15. Mahinmi é um jogador com muito pulmão que necessita de jogar para ver se é desta que explode na Liga. Gerald Green poderá ter aqui a oportunidade que desejava para se tornar um jogador de topo.

Da época passada transita a nata desta equipa. Danny Granger (na imagem) é o maestro desta orquestra. Um jogador incrível que é capaz de vencer um jogo praticamente sozinho. No entanto lesionou-se nos primeiros jogos da época e estará 3 meses de fora. Paul George, um “Granger” que necessita de crescer mais um bocadinho. É um jogador temível no contra-ataque mas precisa de evoluir mais na tomada de decisões. Quando está bem é o espectáculo dentro do próprio espectáculo. Tyler Hansbrough é pau para toda a obra na equipa e agora tem a companhia do irmão mais novo Ben Hansbrough. Tyler é um poste baixo, tem muita força mas não tem técnica nenhuma. Se tivesse técnica seria um caso sério. Ben é um shooting guard. George Hill é outro jogador fantástico. Finaliza-se tudo com David West, um jogador que depois de ter brilhado em New Orleans e de ter andado desaparecido devido a sucessivas lesões, recuperou a felicidade do jogo em Indiana.

Postas as cartas na mesa é esperar pelo sucesso desta equipa. Estou convencido de que lutarão pelos 3 primeiros lugares da conferência. Serão também perigosíssimos nos playoffs se estiverem moralizados.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

NBA All-Star Weekend

Na sexta-feira, para abrir as festividades, o habitual jogo entre rookies e sophomores, respectivamente novatos e jogadores de 2º ano na Liga. No entanto, para contrabalançar as equipas, a Liga optou por misturar jogadores nas equipas Chuck e Shaq.

Do lado da team Chuck actuaram: Kyrie Irving (Cleveland Cavaliers) DeMarcus Cousins (Sacramento Kings) Derrick Williams (Minnesota Timberwolves) Paul George (Indiana Pacers) MarShoon Brooks (New Jersey Nets) John Wall (Washington Wizards) Tiago Splitter (San Antonio Spurs) Evan Turner (Philadelphia 76ers) Gordon Hayward (Utah Jazz) Kawhi Leonard (San Antonio Spurs) e Derrick Favors (Utah Jazz)
Do lado da team Shaq alinharam: Blake Griffin (LA Clippers) Jeremy Lin (New York Knicks) Ricky Rubio (Minnesota Timberwolves) Markieff Morris (Phoenix Suns) Kemba Walker (Charlotte Bobcats) Landry Fields (New York Knicks) Norris Cole (Miami Heat) Brandon Knight (Detroit Pistons) Tristan Thompson (Cleveland Cavaliers) e Greg Munroe (Detroit Pistons)

Como jogo de exibição que se preze, houve tempo para tudo. Para os triplos e rodopios de Kyle Irving, que como esperado, seria eleito o MVP da partida, para os afundanços espectaculares de Derrick Williams (viria a participar no slam dunk contest de sábado) para os afundanços de Paul George (idem) para as jogadas explosivas de Marshon Brooks, para as assistências e afundanços de John Wall, Ricky Rubio e Blake Griffin, para os triplos de Landry Fields, etc…

A Team Chuck venceu a Team Shaq por 146-143. Kyle Irving foi o melhor pontuador da partida com 34 pontos.

No sábado, a noite de Skills trouxe um espectáculo pobre que se previa mais intenso e mais disputado.

Na minha opinião e não desprestigiando os jogadores que tiveram em campo, podia-se ter feito mais qualquer coisinha no sentido de proporcionar um bom espectáculo, optando-se pela convocação de verdadeiros especialistas nas habilidades a concurso. Realço portanto a presença de bons triplistas como Ray Allen, Karl Korver, Vince Carter e Arron Afflalo no concurso de triplos assim como as ausências de outros no concurso de afundanços como LeBron James, Monta Ellis, Nate Robinson, DeMarcus Rozan ou Blake Griffin, nomes que eventualmente trariam um espectáculo mais vistoso a esta noite de sábado.

Todavia, a Liga, no que toca ao All-Star Weekend, faz uma convocatória minimamente global do alinhamento respeitando as características|feitos dos jogadores (em conjunto com a escolha do público através do site da competição) e a presença de elementos de todas as equipas nas provas de exibição. Muitos jogadores, por receio de lesão ou por vontade expressa de aproveitarem esta paragem do campeonato, optam por não aceitar os desafios menores.

Assim sendo, no primeiro concurso da noite, o Haier Shooting Stars, concurso que consiste na constituição de equipas formadas por 3 elementos (1 jogador da equipa na actualidade, 1 antigo jogador da mesma equipa e 1 jogadora da equipa feminina da WNBA da mesma cidade da equipa masculina, com o objectivo de lançar de várias posições com exito no menor tempos possível, tiveram presentes três equipas: a de Nova Iorque, constituida por Allan Houston, Landry Fields e Cappie Pondexter (New York Liberty\New York Knicks), a de Atlanta constituída por Jerry Stackhouse (substituindo o lesionado Joe Johnson\substituído por Rajon Rondo no All-Star Game) Steve Smith e Lindsay Harding, a equipa de Orlando, constituída por Jameer Nelson, Dennis Scott e Marie Ferdinand-Harris e a Team Texas, constituída por Chandler Parsons, Kenny Smith (Houston Rockets) e Sophia Young.

A equipa de Nova Iorque venceria o concurso.

No 2º contest da noite, o concurso de Skills era apimentado por mais uma acção de solidariedade da NBA. A NBA, aproveita usualmente estes momentos para efectuar acções de solidariedade para a comunidade, algo que só eleva ainda mais o nível da competição.

O concurso de Skills, criado para bases, resume-se à execução de um circuito que começa com um lançamento\afundanço, um slalom com bola, dois passes para uma baliza (um de peito e outro picado) um lançamento longo, outro passe, novo slalom e o término com um lançamento simples ou afundanço. Dos 6 intervenientes, passam 2 a uma final consoante os melhores registos.

A concurso, dos melhores bases da liga: Deron Williams (New Jersey Nets) John Wall (Washington Wizards) Tony Parker (San Antonio Spurs) Rajon Rondo (Boston Celtics) Kyrie Irving (Cleveland Cavaliers) e Russell Westbrook (Oklahoma City Thunder). A particularidade neste concurso residia no facto de cada atleta representar no concurso um jovem em busca de uma scholarship universitaria. Tony Parker venceu o concurso e o seu representado acabou por ir para casa mais feliz, decerto.

Lançamento de triplos, o concurso que mais gosto de ver na noite de sábado.

A concurso, Kevin Love dos Minnesota Timberwolves, Kevin Durant dos Oklahoma City Thunder, Mario Chalmers e Jones dos Miami Heat, Anthony Morrow dos New Jersey Nets e Ryan Anderson dos Orlando Magic.

Depois de um concurso muito disputado, de 2 rondas e 2 desempates disputados, o poste Kevin Love tornou-se o novo rei dos triplos. É um bom prémio para Love, pelo simples facto de ser um poste muito completo que para além de dominar bem o jogo interior, vem esporadicamente fora do garrafão lançar de 3 pontos com bastante sucesso (37% esta época).

Para finalizar a noite, o habitual concurso de afundanços. Ligeiramente mais fraco este ano ao nível de espectacularidade. Presenças de Chad Buddinger (Houston Rockets) Jeremy Evans (Utah Jazz) Paul George (Indiana Pacers) e Derrick Williams (Minnesota Timberwolves).
Deu para tudo: para afundanços em estilo revival, saltos sobre motas, saltos frustrados, planos B e C…

No Domingo:

O habitual jogo das estrelas da Conferência Este e do Oeste.
Maior parte dos jogadores dispensam apresentações.
Kevin Durant foi eleito MVP. O jogador dos Oklahoma City Thunder fez 36 pontos na partida. Kobe Bryant dos Lakers marcou 27 pontos na partida e tornou-se o melhor marcador de sempre em All-Star Games com 271 pontos, contra os anteriores 262 de Michael Jordan. O Oeste ganhou por 148-147.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,