Tag Archives: Mike Jones

Post-Christmas II

Com o Natal veio o tão ansiado regresso da NBA.

Logo no primeiro dia os meus Bulls foram ganhar com absoluta sorte ao terreno dos LA Lakers nos últimos segundos. No 2º jogo perderam (e muito bem) contra Golden State.

Quanto ao jogo dos Lakers, os Bulls podem-se gabar de ter consigo alcançar uma vitória que não foi justa e muito menos merecida. Não porque os Lakers tenham feito uma brilhante partida (não fizeram; perderam os primeiros jogos da temporada e vieram a realçar a minha opinião de que a transferência falhada de Dwight Howard e os jogadores que estão na corda bamba em LA podem ser factores que podem ter contrabalançado a equipa para algum nervosismo nesta temporada) mas porque os Bulls fizeram uma das piores partidas do ano de 2011 senão a pior.

Mesmo com a aquisição de Richie Hamilton, denotei neste dois jogos as mesmas deficiências que a equipa tinha na época passada: Hamilton melhorou claramente o transporte de jogo e a libertação de Rose para as tarefas que constituem o seu “habitat natural” e é um bom shooter, algo que a equipa precisava mas Rose continua apático e sem render os números que fizeram dele o melhor jogador da Liga na temporada regular 2010\2011. 22 pontos em LA, intermitentes entre o lançamento de triplos (Rose está a especializar-se no lançamento exterior e com distinção) e algumas incursões malucas para o cesto (umas entraram, caso da última que deu a vitória à equipa e outras ficaram pelo caminho). Contra Golden State os 13 pontos marcados pelo base são insuficientes para bater uma equipa que está em clara ascenção e que conta com um Monta Ellis muito motivado.

A construção de jogo dos Bulls continua a ser tosca, atabalhoada. A equipa não mede os timings de jogo: ora ataca demasiado rápido (chega inclusive a ter ataques de 7 e 8 segundos de posse de bola) ora não consegue construir situações de decalage que permitam a existência de um atirador solto e como tal, as jogadas vão-se perdendo e são gritantes períodos da partida em que os Bulls não metem um cesto de campo em 4\5 minutos.

A equipa vai do 8 ao 80. Tanto é capaz de iniciar jogos com parciais de 30 pontos por período como é capaz de marcar apenas 12 no 3º ou 4º período. Isso leva a que a equipa acorde muito tarde para as partidas, caso de LA, onde os Bulls a 8 minutos do fim tinham apenas 14 pontos marcados na 2ª parte e só uma estupenda atitude defensiva corolada por alguns triplos e algum nervosismo de LA nos minutos finais pode resultar numa vitória para os homens comandados por Tom Thibodeau.

Tom Thibadeau também entra neste meu rol de culpados: o técnico dos Bulls continua a insistir nas substituições automáticas e planeadas no post-game. Tal estratégia desiquilibra a equipa no início do 2º e do 4º período visto que o banco de Chicago é pouco rico em talento técnico e soluções que dêem pontos. CJ Watson e Karl Korver são excepções e nem sempre entram bem nas partidas. Gibson, Asik e Brewer são jogadores com limitações técnicas muito grandes, apesar da imensa luta que dão aos adversários que estão dentro de campo. Os Bulls fizeram muito mal em terem perdido o veterano Kurt Thomas e fizeram muito mal em não terem apostado na contratação de um bom free-agent de banco como Kirk Hinrich ou Jamal Crawford.

Passando a outros anotamentos que reparei sobre outras equipas da Liga:

1. LA Lakers – Kobe Bryant fez uma excelente exibição contra os Bulls e parece disposto a voltar a ser o líder que LA tão bem conhece. Um líder muito mal acompanhado é certo. Gasol continua um jogador apático. Blake e Fischer são más soluções para o lugar de base. Bynum não joga. Lamar Odom faz falta porque era um jogador regular que conseguia sempre os seus 15 pontos e 7 ressaltos de média por jogo. McRoberts é uma anedota nesta equipa dos Lakers. Batalha muito mas é um jogador muito imperfeito do ponto de vista técnico.

Depois, como se tal facto não bastasse, a escolha de técnico para os Lakers não foi propriamente a melhor: Mike Brown é aquele treinador sombra, quase inexistente. A sua personalidade enquanto treinador é ultra-liberal e isso faz com que não tenha muita mão sobre os jogadores. É um treinador conhecido por ser muito motivador e isso poderá ser bom para os Lakers, mas, já diz o ditado que em casa onde não há pão toda a gente ralha e ninguém tem razão.

2. Miami Heat – Duas sensacionais vitórias contra Dallas e Boston. Dois massacres de primeira parte nas respectivas partidas, contrabalançados por dois 4ºs períodos muito sôfregos, muito no espírito do que foi a equipa na época passada.

James, Wade e Bosh continuam a fazer os seus números espantosos e agora são acompanhados por James Jones e pelo rookie sensação Norris Cole, que na minha opinião irá saltar para o 5 titular em troca por Mario Chalmers até ao final do mês de Janeiro.

Vi uma entrevista com LeBron James onde este dizia que a equipa está mais motivada que nunca para conseguir os anéis esta temporada. James realçava que o passar dos anos e das experiências de final o tinham amadurecido, principalmente nos momentos em que este se possa encontrar sobre a pressão de obtenção de resultados.

3. Boston Celtics – Pelo que vi ontem, as transformações feitas na equipa melhoraram em muito o rendimento da turma de Doc Rivers. Perderam os dois primeiros jogos (Miami e Knicks) mas em ambos, a jogar fora e perante conceituadíssimos oponentes mostraram muita personalidade. Continuam a jogar sem o seu líder (Paul Pierce) e sinceramente, se fosse a Doc Rivers tratava de despachar dois jogadores que estão claramente a mais nesta equipa: Marquis Daniels e Jermaine O´Neal.

Brandon Bass foi uma excelente aquisição para esta equipa visto que se trata de um jogador que ao longo dos anos se tem demonstrado muito util do ponto de vista defensivo e do ponto de vista pontual. Lança bem a média distância e também se mostra forte no 1 contra 1.

Pela qualidade e veterania desta equipa, serão obviamente um osso duro de roer.

4. New York Knicks – Chandler, Stoudamire, Bibby, Baron Davis e a bola sempre nas mãos de Carmelo. Ou acabam com a Carmelo Anthony dependência ou serão exactamente iguais a Denver quando o astro lá jogava.

5. Orlando – Dwight Howard mostra sinais de revolta. Quer sair. A direcção de Orlando não o quer negociar e faz muito mal visto que para o ano Howard pode sair como free-agent e Orlando perde a oportunidade de o poder trocar por 2 ou 3 jogadores de médio\alto valor para reconstruir a sua equipa para o futuro. Por um lado compreendo a decisão do staff da equipa da Flórida: Ainda esperam que Howard os leve longe e outros como Turkoglu ou Richardson tenham prestações do “antigamente” e consigam convencer o astro a render o seu melhor. Mas por outro lado a não-saída de Howard implica obviamente que para o ano, do tudo se passe a nada e Orlando passe muitos e longos anos sem ir aos playoffs.

6. Minnesota: Rubio é a nova coqueluche da NBA, mas enganem-se aqueles que pensam que o espanhol começará a fazer milagres já é esta. Seria importante para a equipa que o estatuto de nova sensação do campeonato passasse a ser algo efectivo: Kevin Love está a jogar muito mas é free-agent no próximo ano. Uma ída aos playoffs e mais 2 ou 3 aquisições de banco poderiam convencer o poste a permanecer mais 2 ou 3 anos em Minnesota para se lutar por algo mais palpável.

7. Denver\Phoenix – Denver não irá aos playoffs. Felton praticamente sozinho. Phoenix até mete pena – Steve Nash efectivamente sozinho.

E para já são os comentários que me ocorrem!

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,