Tag Archives: Martin Velits

Cavendish na Omega-Pharma

O “Expresso da Ilha de Man” anunciou hoje que não irá renovar com a Team Sky e que na próxima temporada irá correr pela Belga Omega-Pharma.

Numa época onde o projecto do ciclismo Britânico tinha apostado em Cavendish para uma época recheada de vitórias ao Sprint, contratando o atleta à extinta HTC-Highroad, as coisas não correram de feição em relação aquilo que tinha sido projectado. Cavendish falhou todos os objectivos principais para a época: ser o rei dos pontos na Volta à França, vencer a prova olímpica em Londres e tentar lutar pela vitória nos campeonatos do mundo de ciclismo que decorreram no passado mês em Valkenburg. No entanto, apesar dos objectivos principais terem saído gorados pelo sprinter britânico, Cavendish acaba o ano com algumas vitórias saborosas na clássica Milão – São Remo, na clássica Kuurne-Brussels-Kuurne, 2 etapas no Giro e 4 na Volta à França (perderia a camisola dos pontos para o portentoso Peter Sagan).

Entre as razões citadas do divórcio do Sprinter com a Sky, a principal terá sido o descontentamento do ciclista em relação ao seu papel na equipa e em relação ao planeamento desenvolvido pela equipa para conciliar os seus objectivos no Tour com os objectivos de Braddley Wiggins. Ou seja: Cavendish pretendia ser o chefe-de-fila máximo da equipa para 2013 mas a equipa, pela vitória de Wiggins no Tour 2012 decidiu de forma unanime em continuar a apostar no objectivo de levar o all-rounder Britânico à segunda vitória na prova francesa. A aliar a esse facto, a Sky também decidiu posicionar o Britânico como 3º na nomenclatura da equipa, pois também seria objectivo da equipa sacrificar os objectivos do sprinter no Giro ou na Vuelta em prol dos objectivos de Christopher Froome. Quanto ao Tour de 2012, Cavendish queixou-se da falta de apoio da equipa em relação aos seus objectivos.

Há que concordar, em pura opinião, que a Sky contratou Cavendish mas descurou a contratação dos seus principais lançadores de sprint: os Australianos Matthew Goss (rumou da HTC ao projecto do ciclismo Australiano da Orica-Greenedge) e Mark Renshaw (transferiu-se da HTC para a Holandesa Rabobank). Apesar da Sky ter bons lançadores de sprint como Geraint Thomas (um ciclista de velocidade com uma enorme experiência ao nível do ciclismo de pista) Ben Swift ou Michael Rogers, e de ter contratado outro escudeiro dos tempos de Cavendish na HTC (o fidelissimo Bernard Eisel), nada se comparava ao comboio que a HTC fazia para servir o Britânico com a tripla Eisel-Goss-Renshaw.

A aliar a tudo isto, a própria Sky acaba por ficar bem servida ao nível de sprints pois ainda tem o Norueguês Edvald Boasson Hagen. O próprio Ben Swift, apesar de ter corrido maioritariamente esta época com a 2ª formação da equipa em provas menores, está para mim, pela sua idade (24 anos), prontíssimo para lutar pela vitória em etapas de alto nível mundial.

Cavendish ruma à Omega-Pharma-Quickstep Pro Cycling Team, equipa que surgiu das cinzas da cisão entre a Omega-Pharma e a Lotto e a junção com a Quickstep (antiga Mapei) onde decerto será a estrela principal da equipa que conta com grandes nomes do ciclismo como Tom Boonen (poderá ser uma ajuda muito preciosa para Cavendish), Dario Cataldo, Sylvain Chavanel, Gerald Ciolek (outro nome forte dos sprints a nível mundial), Kevin De Weert, Tony Martin e os irmãos Peter e Martin Velits. 

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Extinção da HTC-Highroad

Nem as 5 vitórias em etapas de Mark Cavendish no Tour, a vitória de Tony Martin no contra-relógio em Grenoble e a vitória na classificação dos pontos no Tour do Britânico fizeram demover os patrocinadores da equipa que apanhou os restos da T-MobileDeutsche Telekom a terminar com a equipa.

A direcção da HTC-Highroad decidiu ontem por fim à sua equipa profissional de ciclismo. Uma decisão que há muito vinha sido veículada na comunicação social.

Assim sendo, corredores como Mark Cavendish (deverá assinar pelo projecto Britânico da Team Sky) Mark Renshaw (deverá rumar também à Sky) Matthew Goss, Tony Martin, Lars Bak, Alex Rasmussen, Bernard Eisel, Michael Albasini, Danny Pate, Marco Pinotti, Tejay Van Garderen, Peter Velits, Martin Velits estão livres para procurar uma nova equipa.

Se o Britânicos deverão trilhar o seu caminho pela Sky, Tony Martin já foi apontado a várias equipas como a BMC, GarminCérveloQuickstep (na próxima época) e Team Radioshack. Tejay Van Garderen também é apontado à equipa de Sérgio Paulinho.

Incógnita ainda é o futuro de Matthew Goss (excelente lançador de sprints, bom corredor de clássicas) Lars Bak e Bernard Eisel (excelentes gregários para sprinters) Michael Albasini (um bom contra-relogista) Pate, Pinotti e os irmãos Velits, que como se sabe, apesar da sua juventude são excelentes corredores de colinas e média montanha.

Segundo o que vi no ranking da UCI e como as regras do protour fazem com que quem se transfira possa transferir os pontos ganhos para o ranking para a equipa contratante, existem corredores muito apetecíveis para que as equipas que os contratem reforcem a sua posição no ranking Protour e como tal, obtenham mais facilmente as suas licenças.

São os casos de Tony Martin (11º do Ranking UCI com 227 pontos esta época) Matthew Goss (12º com 217 pontos) Mark Cavendish (19º com 152 pontos) e Marco Pinotti (30º com 110 pontos).

Esta época até estava a correr de feição à equipa ao nível de vitórias:

– A equipa do Giro venceu colectivamente o contra-relógio por equipas do Giro.
– Michael Albasini venceu o prémio da montanha da Volta ao País Basco.
– Mark Cavendish venceu 5 etapas do Tour, a camisola dos pontos da mesma prova e 2 etapas do Giro.
– O Alemão Jakob Degenkolb venceu 2 etapas do Critério Dauphinè-Libèrè.
– O Australiano Matthew Goss venceu o Milão-São Remo, 1 etapa do Paris-Nice, 1 etapa no Tour da Califórnia.
– O Alemão Bert Grabsch foi campeão nacional Alemão de contra-relógio e venceu uma etapa da Volta à Àustria.
– Tony Martin venceu uma etapa no Dauphinè-Libère, outra no Paris-Nice onde venceu a geral da prova, uma etapa na Volta ao País Basco e outra no Tour de France.
– O Checo Frantisek Rabon sagrou-se campeão de contra-relógio da República Checa assim como venceu na geral e uma etapa da Volta a Murcia.
– Mark Renshaw venceu a geral e uma etapa da Volta ao Qatar.
– O Neo-Zelandês Hayden Roulston tornou-se campeão nacional de estrada do seu país.
– O Bielorrusso Sivtsov foi campeão nacional de contra-relógio e 10º na geral do Giro.

Vitórias simples que somadas deram uma noção de competitividade à equipa. Talvez a competitividade da equipa seja mesmo o motivo que levou os seus patrocinadores a cancelar o patrocínio para a próxima época. Se é certo que a HTC foi até agora uma potência em bruto no que toca a discussão de vitórias em etapas em plano e em contra-relógios, sempre lhes faltou um homem que pudesse discutir grandes voltas. Não é portanto o caso de Tony Martin ou de Peter Velits. Martin terá que melhor em muito nas montanhas, assim como Velits para poderem um dia ousar discutir as grandes provas por etapas.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,