Tag Archives: Marcelo Salas

Cromos da bola #4

Ivan Zamorano foi aquele craque que nunca atingiu o estatuto de vedeta.

O incrível Chileno, tem um périplo pelo futebol mundial que dava um grande livro. Nem que seja pelo facto de narrar a história de um jogador idolatrado no seu país natal que passou por grandes clubes, marcou muitos golos, nunca foi a verdadeira vedeta das equipas que passou, mas, que, ajudou definitivamente a sedimentar o futebol chileno, o bom futebol chileno.

“El  Bam Bam” actuou a alto nível durante 24 temporadas em clubes como o modesto Cobresal (onde se iria estrear aos 16 anos) Tresandino (saíndo para a Europa sem nunca ter actuado num grande do Chile) St. Gallen (a sua primeira experiência na Europa seria num modesto clube da Suiça por empréstimo do Bolonha, clube onde nunca viria a actuar) Sevilla, Real Madrid, Inter, América e por fim, finalizando carreira no Colo-Colo em 2007. Pelo meio, 69 internacionalizações pelo Chile, como expoente máximo realizado na campanha do Chile para o campeonato do mundo de 2008, e 34 golos marcados ao serviço dessa mesma selecção. Na selecção, efectuou uma das melhores duplas de atacantes da América do Sul com o seu grande amigo Marcelo Salas. Na Selecção também teve a honra de jogar os jogos olímpicos de 2000 em Sydney onde ajudou o Chile a ganhar a medalha de bronze.

Se ao serviço do Real Madrid se destacou mas nunca agarrou lugar, foi ao serviço do Inter que Zamorano atingiu o seu auge como futebolista. Tanto, que em 1997, com a transferência de Ronaldo do Barcelona para o clube milanês, Zamorano que era destacadamente o nº9 da equipa, pediu autorização ao clube e à Federação Italiana para usar o número 18 com um mais pelo meio, pedido autorizado a muito custo, para a soma dar um 9 já que a camisola 9 foi entregue (e muito bem) ao Fenómeno. Para quem acompanha como eu o futebol italiano da altura, com todas as transferências astronómicas que estavam a acontecer no momento (Inter e Lázio juntos tiveram épocas em juntos gastaram cerca de 500 milhões de euros em contratações) e com a mudança estranha da camisola de Zamorano com o mais entre o 1 e o 8, pensava-se, que aquela era fazia uma ruptura entre o futebol antigo e o futebol moderno. Sou daqueles que tem opinião que aqueles anos romperam com os tempos, não por tais acontecimentos, mas a partir do momento em que o Bétis perdeu a cabeça e contratou Denilson ao São Paulo por cerca de 32 milhões de dólares (na altura algo como 30 milhões de euros), maior transferência de um jogador até então.

Os números de carreira de Zamorano não mentem. Era um avançado muito lutador, bom de bola e goleador. A sua garra e entrega ao jogo criou números de carreira que não mentem: em 681 jogos como profissional marcou 334 golos. A época em que foi mais bem sucedido foi sem dúvida a do Real Madrid, onde em 137 jogos marcou 77 tentos.

Foi o melhor marcador do Chile em 1987 ao serviço do Cobresal com 21 golos em 43 partidas, no compto geral entre Taça e Campeonato. Foi o melhor marcador na Suiça ao serviço do St Gallen na época 1989\1990 com 26 golos em 36 jogos. Foi por duas vezes o melhor marcador em Espanha (compto geral entre Taça e campeonato) pelo Real Madrid, nas épocas 1992\1993 (37 golos em 45 jogos) e 1994\1995 (31 golos em 46 jogos) sendo esta última época a única em que se sagrou Pichichi em terras espanholas.

Ao nível de títulos, Zamorano não foi um daqueles jogadores que passou ao lado: venceu a Taça do Chile em 1987 pelo Cobresal (clube que militava na altura na 2ª divisão), pelo Real Madrid ganhou uma Taça do Rei, 1 Liga e 1 Supertaça, ganhou a UEFA pelo Inter em 1998, ganhou um campeonato do méxico pelo América em 2002, para além da medalha de bronze olímpica.

Para finalizar, Ivan Zamorano é padrinho de baptismo de Diego Rúbio, jovem jogador do Sporting.

 

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , ,

River Plate desce de divisãonoite difícil em Buenos Aires

Mariano Pavone (ex-Bétis de Sevilla) ainda marcou o golo inaugural da partida aos 6 minutos que dava alguma esperança aos adeptos dos Millionários, mas haveria de falhar na 2ª parte uma grande penalidade que acabaria por ser fatal às aspirações do clube de Buenos Aires.

Imagine o Sporting, Benfica ou Porto a cair de divisão? Se imaginou, multiplique o fervor clubístico dos adeptos Portugueses por três.

Um caos monumental (segundo descrição do Jornal Desportivo Argentino Olé) foi aquilo que se passou no Monumental Nunez depois da interrupção definitiva da partida por parte do árbitro Sergio Pezzotta.

O River Plate caiu na zona de playoff de manutenção contra o Belgrano (4º classificado da Nacional B Argentina). Nem o mais negativo dos adeptos dos Milionários jamais colocaria o cenário de descida da 2ª equipa à 2ª divisão Argentina. Falamos de um dos maiores históricos do futebol mundial: 34 títulos argentinos, 2 Libertadores, 1 intercontinental. Um clube onde jogaram nomes como Daniel Passarella (actual presidente do clube) Pablo Aimar, Diego Simeone, Matias Jesus Almeyda, Mário Kempes, Enzo Francescoli, Radamel Falcao, Alfredo Di Stefano, Leonardo Astrada, Marcello Gallardo, Ariel Ortega, Marcelo Salas, Hernan Crespo, Javier Saviola, Juan Pablo Sorin, Andrés D´Alessandro, Lucho Gonzalez ou Gonzalo Higuaín.

Falamos de um clube que à partida para esta época apresentava nomes como Juan Pablo Carrizo, Paulo Ferrari, o tão cobiçado Funes Mori, Jonathan Maidana, Matias Almeyda, Erik Lamella, Diego Buonanotte, Leandro Caruso e Mariano Pavone.

A tarefa do River era hérculea. Após a derrota por 2-o em Córdoba, “a remontada” precisava de ser executada no Monumental em Buenos Aires. No fim do jogo em Córdoba, os adeptos do clube da capital Argentina já tinham deixado o aviso. Durante a semana chegaram a existir ameaças de morte aos jogadores. Face à instabilidade, a equipa esteve toda a semana a treinar nas instalações de um clube de rugby nos arredores de Buenos Aires.

A meio da semana, o jogador do século do rival Boca Juniors Juan Roman Riquelme veio a público afirmar que seria impensável o River descer de divisão e que uma eventual descida iria tirar brilho ao campeonato argentino e ao grande derby de Buenos Aires.

Os jornais Argentinos batalharam durante toda a semana na prevenção de eventuais tumultos na capital caso o River descesse de divisão.

Foram destacados 2500 polícias para a partida e nas imagens finais da transmissão da Sporttv, não se via um único polícia na zona de acesso aos camarotes do  Monumental. A polícia actuou com canhões de água perante os revoltosos adeptos do River para que o jogo pudesse prosseguir.

Quanto ao jogo. Aos 4 minutos golo anulado ao Belgrano. Passados 2 minutos, o 1º golo do River por Mariano Pavone ainda dava alento aos adeptos da casa. Na 2ª parte, os baldes de água fria: o empate do Belgrano e uma grande penalidade falhada por Pavone. Aos 89 minutos, o árbitro da partida teria que terminar a mesma por falta de condições para prosseguir, dada a revolta que ia nas bancadas do Monumental.

No relvado, os jogadores do River reuniam-se em circulo, devidamente escoltados por um enorme corpo de segurança privado e pela polícia. Alguns choravam copiosamente, casos de Carrizo, Almeyda, Caruso… Os jogadores do Belgrano eram alvo de arremesso de objectos por parte dos adeptos do river mais próximos do túnel de acesso aos balneários. Choro de tristeza, revolta do lado dos adeptos do River que continuavam a travar uma luta contra os canhões de água da polícia. Do outro lado, adeptos do Belgrano choravam de alegria pela promoção à divisão principal e pela história que o seu clube acabava de fazer no Futebol Argentino ao relegar o mítico River para a 2ª posição.

No acesso ao camarote presidencial, adeptos tentavam invadir os mesmos, na tentativa de chegar ao Presidente Passarella. Durante minutos, barraram a saída a espectadores que se encontravam no mesmo e chegaram a agredir um casal que estava em completo pânico. Valeu a rápida intervenção de alguns adeptos do clube para evitar males maiores.

O que se seguiu foi isto: o mais profundo caos dentro do Estádio e na cidade. Poderão existir mortos durante esta noite. Aliás, a Comunicação Social Argentina já fala em 2 mortos nas ruas.

Links para seguir em directo as notícias que chegam de Buenos Aires:

Jornal Clarín

Jornal Perfil

Diário Olé

Este último tem videos interessantes sobre as cenas que se passaram dentro e fora do estádio e imagens exclusivas da entrada dos jogadores do River no túnel de acesso ao balneário.

C5N – Em directo das ruas de Buenos Aires.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,