Tag Archives: Manuel Afonso

diz-se que é o interesse do partido

Esta decisão de Louçã abandonar o comando do Bloco de Esquerda em prol de uma liderança bipartida e feminista não deixa de ser caricata.

Como se sabe, um dos motivos que levou a Ruptura\FER de Gil Garcia (e do meu amigo, amigom, estás a ler a amigo?) Manuel Afonso, a, primeiro insurgir-se contra a hegemonia do PSR nas Convenções do Bloco, foi precisamente a utilização do argumento que o Bloco estava viciado para que Louçã se mantivesse ancorado ao poder, fruto da união entre as 3 maiores facções do mesmo: PSR, Política XXI e UDP.

A FER abandonou a Mesa Nacional do Bloco e transformou-se em partido: o MAS. Os Bloquistas do triunvirato Louça, Fazenda, Drago e do vice-rei conimbricense José Manuel Pureza, em certa medida, agradeceu o abandono. Gil Garcia, o homem da arrentela e os seus manifestantezinhos profissionais estavam a tornar-se incómodos, visto que todas as tomadas de posição do partido estavam a esbarrar com as suas posições radicais (sim, ainda mais radicais!). E meses depois do acontecimento, Louçã decide sair e decide propor a liderança do partido a dois militantes do Porto, utilizando uma ideia lançada uma vez na Convenção pelo falecido Miguel Portas.

Louça, na nota que disponibilizou via facebook aos militantes do partido afirma que “O argumento de que esta hipótese é de meios líderes é uma tentativa fracassada de os vulnerabilizar. Esta solução ganhou consenso e ganha força. Tenho muita confiança nesta solução. A decisão não compete ao núcleo de direcção, podem surgir outras opções…” – ou será que Louça, sabendo que o partido está a perder força devido ao seu bipolarismo (um excelente economista, um péssimo político) saberá que a melhor decisão para manter a coesão do partido não passa só por abandonar a sua liderança como entregá-la a quem poderá satisfazer todos os interesses nele presentes e assim apaziguar as tensões de conflito que podem surgir entre as facções na próxima Convenção?

Anúncios
Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , ,

E novidades?

No Bloco de Esquerda é caso para dizer “está tudo fodido”

Esta notícia remete-me obrigatoriamente para vários posts onde tracei este destino ao partido, numa altura em pairava no ar uma coligação do Bloco com o PCP para as eleições legislativas – aqui.

Neste post transcrevia um comentário que tinha deixado no Aspirina B por esses dias. Volto a transcrever:

Zeus me livre se algum dia o PCP terá que aproximar-se daquela escumalha do Bloco de Esquerda. Eu abro o meu jogo – eu sou militante do PCP. Antes de me filiar no partido, medi bem a ideologia que defendo. No Bloco de Esquerda tal não acontece. Arrisco-me a perguntar se no partido existe uma ideologia fixa, existem várias ideologias rotativas ou se o mesmo é desprovido de qualquer ideologia que não seja criticar para destruir sem que no entanto se tenha algo para construir a mais do que temas fracturantes da sociedade.
Um partido, que de facto é actualmente o mais velho em actividade desta nação não pode dar o passo em frente para a união com um partido que é composto por 4 frentes (PSR, UDP, RupturaFER e Política XXI) em que todas essas 4 frentes estão unidas num partido único, embora, com a ressalva dessas 4 frentes terem choques ideológicos graves (o exemplo da FER em relação à UDP chega a ser drástico).

Eu bem vejo os militantes do Bloco de Esquerda que conheço. O Bloco de Esquerda, assumidamente Marxista e Trotskista é um partido que cativa uma massa de apoiantes que não sabem o que é Marx, que não sabem a preponderância que Marx teve para a Economia Política e que jamais leram os pressupostos ideológicos em que assenta o próprio partido. Isso é grave. Filiam-se apenas na ideia que o partido transparece cá para fora: “a gente está aqui para fazer barulho” – e nada mais que isso.”

Continuo a defender as minhas palavras.

Esta “ruptura” não é algo que me espante! O Bloco de Esquerda, como desaguar de um conjunto de partidos, tornou-se um partido estranho: subiu, subiu, subiu até que rebentou. Não rebentou por causa dos resultados eleitorais obtidos nas últimas legislativas nem pelas políticas que defende mas sim pelo arrastar de problemas internos motivados pela clara supremacia de um dos partidos filiados e do autismo instalado pelos seus líderes. O caso “Rui Tavares” foi obviamente a ponta de um iceberg que há muito estava a estalar.

A atitude da Ruptura\Fer também não me espanta. Para quem conhece a Ruptura\FER saberá perfeitamente que a política do contra e a política do extremo são duas virtudes que lhes assistem. São contra tudo: são contra o governo, são contra o capitalismo, são contra trabalhar, são contra a estupidez, são contra eles próprios e contra as suas próprias sombras se for preciso.

Já agora deixo um P.S: Manel Afonso a presidente da república caralho!

Com as etiquetas , , , , , , ,