Tag Archives: Mangala

achega do dia

comecem a investigar o negócio da transferência do Hulk para o Zenit. Não pelo facto do dinheiro do Zenit vir da Gazprom (empresa estatal russa do sector petrolífero) mas pelos valores pagos pelo clube russo ao porto e pelos valores declarados pelo Porto à CMVM. O porto fala numa transferência cifrada em 60 milhões de euros, sendo que 85% do valor da transferência ia para o cofre dos dragões.

O empresário do jogador fala em venda de 100% do passe, 85% por parte do FCP, tendo os dragões recebido cerca de 40 milhões pela transferência e os detentores dos restantes 15% cerca de 20 milhões. Gostava portanto que alguém me explicasse como é que uma transferência de 60 milhões numa variável 85%\15% rende 40 milhões para o clube e 20 milhões para um minoria que fazendo percentagem só poderia receber algo como 9 milhões de euros? Sim, o meu caro leitor está certo: existiram mais pessoas a receber do negócio em comissões. Quem? os detentores dos 15% do passe, o empresário, um banco possivelmente (como mediador do negócio) e… está claro, dirigentes da própria SAD portista como é apanágio de cada jogador que é vendido pelo clube. Basta só olhar ao valor que foi pago em comissões pelas transferências de Danilo e Alex Sandro do Santos para o Porto (cerca de 5 milhões de euros) e o valor que os administradores do Porto receberam em prémios relativos à temporada 2010\2011 (4 milhões de euros). Até no negócio da transferência de Mangala, 1,5 milhões foram para comissões relativas à transferência. Até nas despesas com representação, limpeza e outros serviços, o Porto declarou gastos de 13,7 milhões de euros. Toda a gente sabe que a Câmara de Gaia, por exemplo, recebeu e recebe uma batelada de dinheiro através da Fundação Porto-Gaia para a construção e manutenção do centro de estágios do Olival, imóvel ao qual cobra uma renda simbólica de 500 euros mensais ao FC Porto. Sim, 500 euros mensais! De onde é que vem portanto os gastos que ascendem aos 13,7 milhões de euros?

Para baralhar mais as contas, o Zenit veio afirmar que só pagou 40 milhões pelo brasileiro. Mas o valor comunicado pelo Porto à CMVM foi efectivamente de 60 milhões.

A lei é bem expressa neste tipo de situações. A falta do dever de informação da SAD portista à CMVM sobre a realização do negócio – “deve ser completa, verdadeira, actual, clara, objectiva e lícita” – origina uma multa ao regulador que pode ir dos 25 mil euros aos 5 milhões de euros. Relembro por exemplo que o Sporting foi multado em cerca de 25 mil euros por não ter comunicado à CMVM em Maio de 2011 que estava a negociar Domingos Paciência. E que o Benfica foi multado em 2009 em 40 mil euros por ter comunicado à CMVM que estava a negociar Ramires com capitais próprios quando o jogador não foi adquirido com capitais totalmente próprios dos encarnados mas em colaboração com um fundo de investimento.

Não basta portanto que para se descobrirem estes podres da indústria do futebol se opte apenas pela realização de auditorias às contas dos clubes por intermédio de empresas por si contratadas. É necessário que a tutela da pasta das finanças comece a pensar seriamente em vasculhar estes meandros, até porque a indecência dos capitais que andam a circular no mundo do futebol poderiam começar a sofrer uma taxa por parte do estado português. Aqui está uma boa maneira do estado ganhar receitas. Anda muita mas muita boa gente a enriquecer-se com este tipo de especulação no mercado, inclusive o presidente do Futebol Clube do Porto. Está portanto na hora de começar a por um travão nisto.

Anúncios
Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , ,