Tag Archives: Luis Filipe Vieira

não. por favor!!!

O Benfica TV ganhou a exclusividade em território nacional dos direitos televisivos da Premier League. Acho que é a maior catástrofe nacional desde o programa da lagartixa apresentado pelo Jorge Gabriel. Vamos ter que aturar aqueles belíssimos e inteligentíssimos comentadores em 380 jogos. Há sempre a hipótese de tirar o som é certo. Espero que a MEO, para bem da humanidade, nos surpreenda mais uma vez com o seu serviço e crie a opção que permita ao utilizador ouvir apenas o som de estádio e cortar as falas dos comentadores.

Já agora fica o apontamento: uma vez vi o Jorge Jesus dizer num flash interview posterior a um jogo do Benfica algo como “no futebol inglês é só cenário, os estádios estão cheios mas ao nível de jogo tem um futebol que em relação ao nosso fica curto” – porquê a Premier League Vieira?

Para finalizar fica outro apontamento: se dúvidas existiam, penso que agora está clarificado o papel de José Eduardo Moniz enquanto vice do Benfica.

Anúncios
Com as etiquetas , , , , , , , , ,

derby?

só se for o Benfica contra o Belenenses ou contra o Atlético.

Na Gaia Ciência, em 1882, o filósofo Alemão Friederich Nietszche proclama pela primeira vez a morte de Deus. Na secção 108, pode-se ler:“Deus está morto! Deus permanece morto! E quem o matou fomos nós! Como haveremos de nos consolar, nós os algozes dos algozes? O que o mundo possuiu, até agora, de mais sagrado e mais poderoso sucumbiu exangue aos golpes das nossas lâminas. Quem nos limpará desse sangue? Qual a água que nos lavará? Que solenidades de desagravo, que jogos sagrados haveremos de inventar? A grandiosidade deste acto não será demasiada para nós? Não teremos de nos tornar nós próprios deuses, para parecermos apenas dignos dele? Nunca existiu acto mais grandioso, e, quem quer que nasça depois de nós, passará a fazer parte, mercê deste acto, de uma história superior a toda a história até hoje!”

O Sporting está morto. Passou de um estado vegetativo à morte. Em silêncio. E quem o matou fomos nós, sócios, ao escolher uma dinastia de direcções cujo trabalho foi único: matar o clube lentamente. Se Nietzsche pergunta a si próprio como é que poderemos superar a morte de Deus, a pergunta, ou as perguntas que assolam neste momento a cabeça de uma bela maioria dos sócios e adeptos do Sporting só poderão ser perguntas como: Como é que o clube se tornou isto? Como é que deixamos que meia dúzia de loucos destruíssem um grande? Como é que autorizamos que meia dúzia de loucos nos tirassem o nosso orgulho? Que futuro se pode vislumbrar no meio do nevoeiro para o clube? Como é que voltaremos a ombrear com Porto, Benfica e Braga? Que estratégias utilizaremos? Que recuperação faremos a curto, médio e longo prazo?

Devolvam-nos o Sporting. Devolvam-nos aquele clube que não ganhava mas praticava bom futebol. Devolvam-nos aquele clube que nos dava esperança. Devolvam-nos a própria esperança pois não acreditamos que este ciclo mau poderá ter fim. Devolvam-nos o Sporting da nossa infança, aquele que mal ou bem alegrava os nossos corações nos dias de jogos, aquele por quem torciamos e defendiamos em todos os momentos. Tiraram-nos tudo. Até a vontade de dizer que somos Sporting.

O Sporting como o conhecemos, está morto. E poderá não ressuscitar.

Este clássico é o espelho da intranquilidade, da frustração, do amadorismo e da falta de estrutura organizativa que o clube não consegue ultrapassar.

Começa logo por aqui:

sporting

A TSF, a rádio cujo trabalho jornalístico sempre considerei praticamente perfeito, a rádio portuguesa que sempre demonstrou rigor, qualidade e exigência no plano da informação, publicou esta manhã este insulto no seu site. Qual foi a reacção da direcção do clube de Alvalade? Nenhuma. Sim, a TSF ou o jornalista\editor em questão gozou declaradamente com o símbolo de uma instituição secular de utilidade pública. Sim, a TSF fez troça de uma instituição que tirou milhares de meninos da rua e os transformou em homens de sucesso e fortuna. Sim, a TSF troçou e a direcção de Godinho Lopes manteve-se calada.

O balão de oxigénio.

O parvalhone do Conselho Leonino que costuma ir aos programas de comentários desportivos da SIC Notícias teve o azar de proferir essas infelizes palavras. Balão de oxigénio é ganhar ao Benfica? Não. Balão de Oxigénio seria perder ou ganhar ou até empatar com o Benfica e ainda estar em condições de lutar pelo título. Balão de Oxigénio seria ter o Sporting na fase final da Liga Europa depois de ter sido eliminado num grupo com equipas onde tínhamos mais que obrigação de vencer todos os jogos. Balão de oxigénio seria vencer ao Videoton em vez de levar 3 secos em cheio. Balão de oxigénio seria perdurar na Taça e fazer o melhor possível na Taça da Liga. Balão de oxigénio para o Sporting seria manter a sua dignidade. Balão de oxigénio seria a saída desta direcção. Balão de oxigénio teria sido dar condições a Domingos, a Sá Pinto e a Franky Vercauteren para fazerem o seu trabalho sem toda esta pressão advinda dos resultados. Balão de oxigénio seria ver o Sporting a perder, a perder sim, mas com honra. Balão de oxigénio seria os jogadores poderem dar tudo em campo.

E Vercauteren disse.

Que mostrámos que poderiamos ganhar ao Benfica? Como? Desculpe? Falamos de um Sporting que desde o jogo das meias finais da Liga Europa contra o Bilbau apenas ganhou por 2 vezes em casa. Falamos de um Sporting que esteve 15 jogos sem ganhar. Falamos de um Sporting que está a investir 40 milhões numa época para nada. Sim, porque estar em 9º lugar a 18 pontos dos 1ºs, eliminados da UEFA, eliminados da Taça é o pior dos cenários possíveis, que, acompanhado de outros cenários dantescos (o mau futebol e o mau profissionalismo do plantel; o amadorismo, as falhas de gestão e de ambição de uma direcção às aranhas) faz deste clube um autêntica selva.

O Clássico.

Uma 1ª parte de honra que salva a má figura da 2ª. Um Sporting minimamente dominador, a cometer alguns erros na transmissão de jogo, mas ciente de um plano de jogo que teria que passar pelas alas. Duas ou três boas arrancadas de Capel pela esquerda e outras tantas de Carrillo pela direita. Rojo e Bouhlarouz lá atrás não complicavam. Um golo interessante daquele coxo que apanhámos numa rua de Utrecht. E que é que os jogadores do Sporting fizeram? Recuaram. Deram a posse de bola ao Benfica. Veio o livre de Cardozo, primeiro sinal. O cabeceamento de Cardoso, segundo sinal. Sofrimento. Intervalo. O resto, Benfica, tirando a situação em que o Sporting desperdiça o 2-0 por 2 vezes na cara de Artur por intermédio de Elias e Insua atira ao poste quando o jogo estava 1-1. Vieram Cardozo, Lima, Melgarejo, veio a vontade de vencer. E Bouhlarouz, aquele mítico central do qual nunca vi uma equipa onde jogasse ganhar o quer que fosse, mete mão à bola quando tinha tudo para cortar de cabeça e dá a vitória ao Benfica. Vitória justíssima.

Rua com eles todos.

Rojo mete nojo. Não consigo perceber como tem lugar na selecção argentina. A titular, ainda por cima. Bola vem, bola vai. Alivia para qualquer lado, nem que seja para os pés do adversário. É imaturo, é pouco dotado tecnicamente, é pouco inteligente e mais uma vez não acertou nas marcações. Cardozo entre Rojo e Bouhlarouz fez o que quis no lance do empate.

Bouhlarouz. O capitão gancho. Volta lá para Marrocos que é o que fazes melhor. 100 mil euros de salários por mês para alguém que não é melhor que Xandão ou Carriço que não são melhores que Nuno Reis ou Ilori.

Insua. Prometeste muito. Agora és uma sombra que se pavoneia por Alvalade. Ainda atiras bem mas defendes mal como tudo.

Elias. Deve estar a pensar quando é que a direcção o deixa ir ganhar os 120 mil para o Flamengo.

Capel. Larga a porra dos olhos do chão e levanta a cabeça.

Carrillo. Técnica, velocidade, drible, falta de inteligência. No Porto já estaria pronto a vender por 40 milhões. No Sporting arrisca-se a não ser ninguém.

Pranjic. Estás a gostar das férias remuneradas a peso de ouro em Lisboa?

Godinho. Rua.

Paulo Bento estava atrás de si na tribuna. E quantas saudades me deu de ter Paulo Bento novamente. Eu, que era um crítico de Paulo Bento porque Paulo Bento jogava sempre no mesmo losango e punha o Sporting a jogar de forma previsível. Eu, que não conseguia ver que Paulo Bento fazia o máximo que podia com a merda que tinha nos seus plantéis. Eu, que não conseguia ver que Paulo Bento treinou durante 4 anos sem um único extremo. Eu, que não conseguia ver que os 4 2ºs lugares de Paulo Bento, a regular presença na Champions, as duas taças e as duas supertaças tinham como pano de fundo a existência de suplentes à equipa principal como Gladstone, Alecsandro, Bueno, Pereirinha, Adrien, Abel, jogadores medíocres. Eu, que não conseguia ver que no último defeso da época Paulo Bento, tínhamos um presidente que dizia que Paulo Bento “era forever” e para o tornar forever só contratava jogadores a custo zero. Veio Mati, o único sem ser a custo zero. Por 3,5 milhões de euros. “Mati, tens que ter gañas e vencer com tu próprio sangre pois nos custaste muita pasta” – dizia ele ao Chileno na sua apresentação.

Godinho Lopes. Rua.

Tenha vergonha e saia pelo seu próprio pé. A sua estratégia (ou falta dela, parece-me) para este clube é um fiasco. Chega de mentiras. Chega de dança de treinadores. Chega da dinastia. Chega de falta de ambição. Chega de falsos investidores russos, moldavos, indianos, chineses ou paquistaneses, ou a falta deles. Chega de soluções de merda. Chega.

Godinho Lopes. Rua. Por favor.

Fim da linha para a dinastia. Basta de Roquettes, Dias da Cunha, Soares Francos, Eduardos Barrocos (cala-te por favor!!!), Dias Ferreiras, Godinhos Duques e cenas tristes. Não ganhámos nada. Endividaram o clube de uma forma tal que o banco do qual somos devedores quer tomar conta do clube para reaver o que lhe é devido. Um estádio miserável com um problema de relvado que ninguém consegue meter mão. Um passivo gigantesco para um clube cujo património foi vendido a troco de peanuts. Um clube onde toda a gente, desde o presidente ao adepto de bancada falam a uma comunicação social que torce pela derrota do sporting para poder vender mais. Um clube com uma direcção que fica impávida e serena quando o clube é linchado em praça pública. Um clube com uma direcção que não fala quando o clube é extrapolado na sua integridade por dirigentes dos rivais, ex-jogadores e dirigentes da Liga e Federação. Um clube com uma direcção que despede uns e contrata outros de forma sistemática e impulsiva.

Conselho Leonino e respectivos familiares.

Foram vocês, pelo feudal sistema eleitoral do Sporting que colocaram essa besta na presidência. São vocês os responsáveis por isto tudo. Demitam-se. Eleições justas para a presidência do clube: 1 cabeça, 1 voto. Ponto final.

O futuro.

Tem que acabar o presente do Sporting. Basta. Não podemos viver acima das nossas possibilidades para lutar por um mísero lugar na liga europa. Não podemos ter Bouhlarouzes e Pranjic e Schaars e Jeffrens, pagos a peso de ouro se temos Esgaios, Betinhos, Brumas, Etocks, Reis, Iloris e outros tantos nessa academia, desejosos de vingar na vida. Para fazermos a figura que estamos a fazer, mais vale assentar a cabeça, diminuir o orçamento de 40 para 10 milhões e jogar com a formação, com um treinador com provas dadas nesse capítulo, sem pressão de resultados e com vista a sermos um clube que venda, que ganhe um título ou outro de vez em quando, mas, que não levante falsas esperanças nos corações dos sportinguistas.

Olhem o exemplo do Arsenal. Não ganha é certo. Tinha em 2006 um passivo de 600 milhões de euros e teve que pedir à Emirates dinheiro para acabar o que faltava do estádio novo. A Wènger só é pedido que faça o melhor com aquilo que tem e Wènger cumpre minimamente os objectivos da equipa. 5 ou 6 scouts descobrem jovens jogadores talentosos em todo o mundo. Wènger trabalha-os. Vende-os é certo, a rivais é certo, mas vende-os e o clube goza, 6 anos depois do epicentro do passivo, de uma situação financeira saudável. E mal ou bem, não rasteja a meio da tabela na Premier League. Não ganha mas mete a equipa a jogar bom futebol.

O futuro, meus amigos, está na formação. Só não vê quem não quer ver.

Estou muito triste com o rumo deste Sporting e desde já, o meu amor pelo clube reflecte-se no desejo por mim expresso da descida de divisão. Fez muito bem ao River Plate, à Juventus e ao Newcastle descer de divisão. É assim que os clubes crescem, que os sanguessugas evaporam-se e que o clube renasce, com outros objectivos, com outra estrutura e com uma mentalidade diferente. Estou-me bem nas tintas que o campeonato português perca prestígio ou qualidade com uma eventual descida do Sporting. Afinal de contas, todos sabemos que é a máfia do FC Porto e do Benfica que resolve campeonatos. Pinto da Costa não aprendeu a vencer legitimamente assim como Vieira não enriqueceu com o negócio dos pneus.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

os talentosos doidos de Manchester

Esta transferência de Javi Garcia para o City é anedótica:

1. O Benfica fica sem qualquer trinco no plantel. E com os 20 milhões que recebe do City não só não colmata as deficiências que tem no lado esquerdo da defesa e no meio-campo (Aimar precisa de um substituto à altura). Matic não é Javi Garcia nem nunca o será. A única semelhança que tem é de facto a altura.

2. O valor da transferência (20 milhões + 3 possíveis por via de objectivos) é surreal. Javi Garcia não é jogador para valer uma vintena.

3. O City continua a esbanjar dinheiro desnecessariamente. Garcia vai para Manchester enfrentar a concorrência de Jack Rodwell, Gareth Barry (se bem que este joga em outras posições) e Yaya Touré (para mim o melhor trinco do mundo).

4. Vieira afirmou hoje que o clube precisa de vender para cumprir as suas obrigações. Falta de dinheiro? A resposta é conclusiva. Bastará olhar para a pouca efusividade de gastos que o Benfica fez nesta pré-temporada e ter em conta o que o clube gastou nos defesos das últimas temporadas.

Com as etiquetas , , , , , , , , , ,

Que se prepare para voltar aos relvados na próxima eusébio cup

Irreal. Irracional.

Os amigáveis de clubes que se disputam por esta altura em todo o mundo são jogos cuja nomeação da arbitragem para os mesmos pertence às federações do país onde se realizar o jogo ou a uma onde um dos clubes intervenientes seja afiliado. Como tal, se o árbitro dessa partida, agredido pelo jogador do Benfica, decidir escrever o incidente no obrigatório relatório de arbitragem da partida, será aberta uma queixa na UEFA por parte da federação em causa (neste caso a Alemã) e poderá ser estabelecida uma punição para os clubes (Dusseldorf e Benfica) e para o jogador que agrediu.

Desde que acompanho a sério o futebol, só me lembro de uma situação do mesmo género e outra, que pode ser dada como análoga:

1. O enfant terrível do fascismo Paolo Di Canio (aquele que saudou uma vez os irreducibile laziale com a saudação fascista de Mussolini) na irónica época de 1997\1998 ao serviço do Sheffield de Wednesday, depois de se ter pegado com o central do Arsenal Martin Keown, empurrou o então arbitro internacional Paul Alcock depois de ter visto cartão vermelho. A FA castigou o jogador italiano com uma suspensão de 11 jogos e uma multa de 10 mil libras.

2. Um ano antes do incidente protagonizado por Di Canio em Inglaterra, o actual treinador do Sporting Ricardo Sá Pinto, tendo a notícia que não estava no lote de convocados de Artur Jorge para os encontros de então da Selecção Nacional, dirigiu-se ao Jamor e agrediu com socos o seleccionador nacional da altura (Artur Jorge) e o seu adjunto (Rui Águas). Depois de um longo processo contencioso na FIFA, onde a FPF apelou ao organismo internacional para que punisse de forma exemplar o jogador do Sporting, a mesma acabou por se decidir por 1 ano de suspensão do atleta, exclusivo à participação em competições organizadas pela FPF. Esse facto levaria o Sporting a procurar um novo clube para o atleta e a transferi-lo para a Real Sociedad, onde pudesse continuar a sua carreira.

Visto que o futebol é uma arca cheia de momentos e histórias, é de relembrar que o capitão do Benfica já protagonizou uma cena no passado com um antigo companheiro de equipa, situação à qual passou impune na justiça desportiva:

Estavamos a meio da temporada 2007\2008 num jogo disputado no Estádio do Bonfim entre o Vitória de Setúbal e o Benfica. Com os sadinos a vencer a partida, Luisão e Katsouranis desentenderam-se no relvado e estiveram perto de trocar uns mimos. O arbitro dessa partida optou por não expulsar os dois jogadores como determinam as leis do jogo para casos de agressões dentro e fora do relvado.

Já que estou numa de analogias, num futebol mais evoluído que o Português, na época 2004\2005, dois jogadores do Newcastle (Kieron Dyer e Lee Bowyer) tiveram uma atitude semelhante, esbofeteando-se no relvado como podemos ver pelas imagens do video abaixo postado:

Sem meias medidas, o arbitro da partida expulsou os dois atletas e a FA voltou a ter mão pesada no desfecho do caso, punindo os dois jogadores com 3 jogos de suspensão.

No que toca ao incidente desta tarde no jogo entre Dusseldorf e Benfica:

1. Dado que o carácter amigável do jogo e a nomeação da arbitragem pela Federação Alemã, caso o árbitro da partida decida escrever o incidente no relatório de jogo (não vão Rui Costa ou o LF Vieira fazer a habitual visita ao balneário do árbitro) levará a que a federação germânica comunique a intenção da UEFA abrir um processo disciplinar ao capitão encarnado. Até porque Luisão é o capitão de equipa e o lema da UEFA pelo “respeito” no futebol deverá garantir que os capitães das principais equipas europeias sejam os primeiros a praticar o respeito pelas leis do jogo. Dúvido portanto que esta situação passe em claro aos olhos da instituição que guia o desenrolar do futebol europeu.

2. A própria FPF deverá fazer uma visita ao passado e ao caso específico de Ricardo Sá Pinto. Se um murro num seleccionador nacional valeu 1 ano de suspensão, o que deverá valer um empurrão num árbitro? Esperemos que a instituição presidida por Fernando Gomes volte a demonstrar a força de pulso que Gilberto Madaíl e seus pares demonstraram aquando do caso do agora treinador do Sporting.

Luisão poderá começar a pensar em comprar o red pass para os jogos do Benfica no Estádio da Luz. Estou seguro que só o voltaremos a ver jogar na próxima Eusébio Cup.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

o meu sétimo olho não me engana

O Benfica deu uma resposta cabal em Stamford Bridge e voltou a merecer muito mais que a derrota e a consequente eliminação.

Já na primeira mão tinha escrito que os encarnados tiveram uma atitude mais positiva perante o jogo. Não escassearam oportunidades de golo. Escasseou apenas a eficácia. Eficácia que o Chelsea teve na meia-dúzia de oportunidades de golo que teve ao longo da eliminatória.

Vou ser sincero: preferia ver este Benfica a jogar contra o Barcelona nas meias-finais do que este Chelsea. Este Benfica tem um futebol de ataque bonito e objectivado para o sucesso. Ao invés, este Chelsea é provavelmente o Chelsea mais nojento dos últimos anos. Se com Villas-Boas a tónica era a clara irregularidade de resultados, com DiMatteo o futebol do Chelsea tornou-se mais regular mas, ao mesmo tempo, mais feio, mais cínico, mais jogado de acordo com a cartilha italiana.

A expulsão de Maxi Pereira é injusta. Nem à luz do liberal futebol britânico haveria razão para um Howard Webb expulsar o Uruguaio. A entrada do lateral-direito do Benfica seria como se diz na gíria futebolística um “amarelo alaranjado”. O penalti de Javi aceita-se.

Pela primeira vez concordo com as palavras de JJ num flash-interview: o Benfica foi claramente roubado. Cá e lá.

Já Vieira culpa Platini e avisa que o francês verá novamente o Benfica em noites europeias. Casa onde não se sente só pode ser constituída por má gente, invertendo o jus do ditado. No entanto, o arrastar de culpas para arbitragem é algo que começa a ser forçado por parte do presidente do Benfica. Só faltou a Vieira dizer que Platini agiu a mando de Pinto da Costa quando todos sabemos o ódio de estimação que o francês tem pelo presidente portista.

Já Javi Garcia também teve um comentário pateta. Compreende-se perfeitamente a frustração do atleta. Agora, deve-se considerar patetice a ideia que só uma equipa é que esteve em campo para ganhar. Para isso, o Chelsea nem sequer se apresentava em campo e escusava o Benfica de ir gastar dinheiro a Londres.

Sou a favor da justiça no futebol.

Já que ladrão que rouba ladrão ao menos que o Chelsea vingue esta na próxima ronda.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , ,

traumatismos (u)cranianos

Li aí numa entrada de um jornal português no facebook (já não me lembro qual deles mas penso que era o JN) que a polícia de Donetsk irá enviar 700 operacionais para o jogo de amanhã que opõe o Shaktar ao Porto por suspeitas de um hipótetico plano de atentado terrorista que pode estar a ser marcado para o jogo.

Eu cá sou de guerras. Eu cá sou de mandar achas para a fogueira.

Eu cá para mim foi o Vieira que ligou à polícia ucraniana para dizer que ia mandar um praça (vulgo vendedor de droga do Bairro Alto) com a missão de apagar o Pinto da Costa fisicamente (sim porque da História será muito difícil). E a espiã que irá movimentar-se nos meandros do pintinho em Donetsk será uma mulher. Como cantava o Elton John:

Com as etiquetas , , , ,

futeboladas

1. A Selecção Nacional admite jogar sobre protesto amanhã em Zénica, na Bósnia.

A bom da verdade, aquilo não é um relvado: não é nada! Até o clube da minha freguesia, a Liga dos Amigos de Aguada de Cima (LAAC) tem melhores instalações para competir na 2ª distrital da AF de Aveiro.

Michel Platini é o culpado deste tipo de histórias tristes:

1.1 – A UEFA permite que o jogo se dispute num ervado como o de Zénica, mas não permitiu por exemplo que o Paços de Ferreira jogasse a UEFA na Mata Real. A Mata Real ao pé de Zénica é um luxo.

1.2 – Platini é o tal bom samaritano que deu lugares na Liga dos Campeões aos chamados “países pobres”. Dar não custa. Já agora, peça às respectivas federações para ao menos construir infra-estruturas que se coadunem com tal possibilidade. Acredito perfeitamente que as instituições Bósnias não tenham capacidades para muito mais que aquilo – então, em caso desta impossibilidade, a UEFA que actue pro-activamente no desenvolvimento do futebol já que nos spots publicitários tanto preconiza para si esse esforço.

Esperemos que a selecção vença e que ninguém se aleije.

2. Por falar em aleijar. O Sporting acabou de perder 4-0 em Angola contra a selecção local. Domingos levou um misto de aleijados e de juniores para disputar a Taça Independência. Ainda bem que ninguém se aleijou. A selecção de Angola costuma ser bastante perigosa.

3. Pronuncio-me publicamente sobre Javi Garcia, Alan, Djamal, Vieira e plantel do Sporting de Braga num comentário apenas: deixem o álcool e joguem à bola.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Era uma vez (no Benfica)

Um treinador, uma equipa técnica, uma direcção e uma administração que uma época se lembrou de contratar jogadores suficientes para fazer 3 planteis.

Um treinador, uma equipa técnica, uma direcção e uma administração que necessitaram de contratar 5 guarda-redes em 2 anos, gastando 10,3 milhões de euros aos cofres encarnados + os salários dos respectivos atletas. No entanto apenas um garante total segurança à baliza do Benfica e dificilmente será titular – falo de Artur Moraes.

Um clube que já contratou 15 jogadores esta época e que ainda se prepara para contratar mais 2 ou 3, que já gastou em transferências este ano qualquer coisa como 28 milhões de euros, sendo que 3 desses contratados já foram despachados para rodar e terão tantas hipóteses de vestir a camisola encarnada como tiveram no passado Bergessio, Paulo Almeida, Urretaviscaya entre outros é motivo mais que suficiente para questionar (visto que o Benfica nas últimas 4 épocas um valor aproximado dos 150 milhões de euros em transferências) onde é que o Benfica vai buscar tanto dinheiro? Não é a única pergunta que faço no que toca a este aspecto? A outra obviamente coloca-se nesta grau: O Benfica terá mesmo uma gestão profissional ou meia dúzia de lunáticos que gastam sem rei nem roque?

A resposta, para alguns benfiquistas será toldada pelo raciocínio lógico de uma política de contratações imperialista e folclórica, facto assente como benfeitor da felicidade de qualquer benfiquista na pré-época. Bruno César (leia-se o homem mais gordo que o Benfica contratou; supera Paulo Almeida, Rochemback e Maniche) já é uma máquina de jogar futebol e Nolito (um pobre coitado que andava lá pelas equipas B dos Barças deste mundo) um jogador que vai ser convocado decerto à fabulosa Espanha de Del Bosque, onde por exemplo a coqueluche do Valência Juan Mata só agora entra nas contas e onde jogadores como Thiago Alcântara (jogou mais na equipa A do Barcelona que Nolito) Javi Martinez (campeão do mundo; intermitente convocado da Roja) Ignácio Camacho, Bojan Krkic não têm espaço na selecção de Del Bosque.

Pela primeira vez nos últimos anos, a equipa do Benfica até me pode mostrar que estou enganado mas dificilmente irá resultar e dificilmente irá combater com Sporting e Porto. Ao contrário dos últimos anos, o Sporting apostou em gente que o treinador e o director-desportivo conhecem e reconhecem como jogadores capazes de recolar o Sporting na órbita dos troféus. O Porto, no piloto automático de um Pereira disfarçado de Villas-Boas não irá precisar de muito para andar lá por cima. Para o Benfica, creio que se iniciou uma nova era das trevas.

Ao contrário dos últimos anos, o Sporting afastou-se por completo dos empresários e das jogadas que estes executam para colocar o seu lixo por estas bandas. Pelo menos, Jorge Mendes não conseguiu colocar o seu entulho pelas bandas de Alvalade: temos o exemplo de Manuel Fernandes, Quaresma, Simão Sabrosa, Hugo Almeida, entre outros.

Já o Benfica está minado de empresários. Ganhar dinheiro em comissões com o Benfica é fácil. É só afirmar que jogador X é relacionado directamente ao talento de um Sálvio já esquecido ou de um gaitan-de-foles-de-corrida e a coisa dá-se facilmente. O dinheiro, ninguém sabe de onde aparece. De meios lícitos talvez não deve ser. Não é que neste aspecto, Vieira seja um santo, porque todos sabemos que não é. É um excêntrico ignorante provinciano sem qualquer noção do mundo do futebol. Repete-o todos os dias quando vêm a público pedir para que se investiguem as contas do Porto. Investiguem as do Porto sim, mas também investiguem as do Benfica. Aliás, se tiverem de investigar clubes à mesma medida do que as autoridades turcas estão a fazer no país do Efeso, comecem por investigar da 1ª Liga até aos distritais. Meio mundo vai preso, metade do futebol português acaba.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Campeão Nacional

http://www.myvideo.de/movie/8074973

Parabéns ao Futebol Clube do Porto, o novo campeão nacional.

Como provas de regularidade, os campeonatos ganham-se vencendo da 1ª à última jornada. No Futebol não existem vitórias morais e títulos não vencem por antecipação na pré-época nem pela quantidade de camisolas que se vendem de determinado jogador.

Campeonatos não começam à 5ª jornada, campeonatos não se vencem com discursos e atitudes agressivas, mas com muita atitude, muito trabalho, talento e sobretudo, muita humildade.

Não sendo portista como muitos de vós devereis saber, reconheço que o Porto (depois do desaire que foi a época passada) mereceu este título. Não menosprezando o futebol do Benfica, que é bastante agradável de ver. Pinto da Costa não dorme – arriscou em Villas-Boas e Villas-Boas tornou-se aposta ganha ainda na primeira volta com o ciclo de invencibilidade com que o Porto começou esta época e com as “reabilitações” que o técnico portista fez com jogadores que pareciam estar mortos na equipa – casos de Belluschi, Sapunaru e Guarin.

Mesmo admitindo que a transferência ainda hoje me doi na alma, João Moutinho foi um dos alicerces deste título. João Moutinho tinha razão – o Sporting jamais lhe daria um título. No Porto venceu à 1ª época. Nesse aspecto Moutinho estava certo. O que nunca conseguirei perdoar (eu e todos os Sportinguistas) foi a insolência e ingratidão que Moutinho demonstrou perante a Instituição Sporting Clube de Portugal no célebre treino de pré-época em que Moutinho se recusou a treinar, aparecendo posteriormente na Academica a gritar à frente dos seus colegas “vendam-me ao Porto” e as declarações infelizes de José Eduardo Bettencourt quando o apelidou de “maçã podre”.

Hulk e Falcão são jogadores de outra galáxia. E a muito o Porto lhes deve este título pelo rasgo individual em alguns jogos complicados desta temporada.

O Porto vence o título na casa do rival. Creio que não haverá maior facada de Pinto da Costa a Luis Filipe Vieira que esta. Creio que não haverá maior facada de André Villas-Boas a Jorge Jesus que esta. Creio que não haverá maior facada de Hulk e Sapunaru aos incidentes do túnel da época passada que esta. Creio que estas mesquinhices do futebol português têm que ser controladas no futuro – numa liga a sério, Jesus já estaria suspenso até ao final da época, Villas-Boas já teria sido punido com um valente castigo e os clubes já teriam direito a uma suspensão de jogos à porta fechada pelo mau comportamento dos seus adeptos e dos seus dirigentes. Todo este ping-pong de agressões verbais e físicas entre adeptos, dirigentes e jogadores das duas equipas é algo desprestigiante para o futebol português – torna-o trigueiro, mesquinho, de 3º mundo. Violência gera violência. Há que acabar com a violência.

No final da partida de ontem à noite, o Benfica cortou a luz aos festejos dos jogadores do Porto no relvado num acto de mau perder imenso. Pior que esse facto, com essa atitude a Benfica SAD poderia ter incitado à violência entre os adeptos do Porto e do Benfica que ainda se encontravam dentro do estádio, e tal incidente, deve ser penalizado.

Espero que na próxima época tenhamos um campeonato ainda mais disputado que este. Sem agressões verbais, sem agressões físicas. Espero que o meu Sporting consiga arrumar a casa e volte ao seu objectivo primordial pela história que lhe pertence no futebol português: a luta pelo título nacional. Até lá, a vitória é da estrutura do Futebol Clube do Porto. Vem aí uma semana europeia para Porto, Braga e Benfica. Seria bonito ver duas equipas portuguesas na final da Liga Europa.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , ,

O fim de Mantorras

Confesso que sempre tive pena de Pedro Mantorras. Por mais dinheiro que um jogador de futebol leve para casa, uma lesão que o impeça de realizar a sua actividade profissional não deixa que este se sinta realizado no seu íntimo.

Antes da lesão, Mantorras era um jogador interessante. Não era um prodígio de técnica nem nunca o seria. Não tinha capacidade para ser um dos melhores do mundo e sempre abominei aqueles que o pensavam. Tinha muita força, muita garra e muita entrega ao jogo. Um profissional de mão cheia.

Não valia os 18 milhões de contos da cláusula de rescisão do seu contrato (tanto quanto valia Michael Owen na altura) e abominava todos aqueles que acreditavam que o jogador valia esse dinheiro. No fim de contas, Mantorras sempre foi um protegido de Luis Filipe Vieira. Antes e depois da lesão. O Alverca nunca chegaria a receber uma verba de 2 milhões de euros relativa à sua transferência. Essa foi uma das razões pela qual o clube Ribatejano teve que extinguir a sua SAD e encerrar portas. Poderia ter construído uma interessante carreira no futebol português. Acabou por esporadicamente marcar aqui e ali e não nego que teve uma vital importância no título do Benfica em 20042005.

Teve um fim triste. Por mais que Vieira o negue. Rejeitado pelo treinador, rejeitado pela sua entidade patronal. Impedido de entrar no estádio no último jogo da época, impedido de festejar um título que como jogador da equipa profissional de futebol (mesmo que não tenha actuado qualquer encontro) tinha todo o direito de considerar como seu.

Apesar de tudo, Pedro Mantorras sempre demonstrou ser um profissional enorme. Mesmo tendo em conta que é um Sportinguista de coração, creio que o Benfica lhe deve continuar a estender a mão.

Com as etiquetas , , , , , , ,

Afinal não havia segurança!

Autocarro apedrejado na saída da Boavista para a Alameda do Dragão, bolas de golfe, galinhas pretas a entrar dentro de campo, isqueiros, cartazes a provocar Roberto, cravos na lapela a ilustrar uma falsa liberdade e assobios racistas contra Luisão no momento da sua expulsão… Bem-vindos ao pequeníssimo mundo da inteligência dos adeptos do Futebol Clube do Porto.

É bem certo que as rivalidades se semeiam… A culpa disto é de Vieira, que por um lado as incita e de todos os adeptos do Benfica, que pelo outro lado, seguem o seu líder de forma cega, sem sequer parar para pensar um bocado nas consequências que certas palavras venenosas podem ter…

Onde é que esta rivalidade vai parar? Quando houverem mortos num campo de futebol? Será que em Portugal voltamos aos tempos em que existiram tragédias no Heysel e em Hillsborough?

As autoridades que regulam o futebol Português devem começar a castigar severamente os clubes que manifestarem apoio (seja ele de qualquer espécie, quantidade ou género) a claques violentas como são os Super Dragões, o Colectivo Ribeira, os No Name Boys, Diabos Vermelhos, Juve Leo, Ultras Directivo XXI, White Angels ou os Red Boys on Fire. Para bem daquele que quer ir com a família assistir a um espectáculo e paga para assistir a um espectáculo, que obviamente não inclui a possibilidade de ser agredido!

A segurança nos estádios de futebol, com toda o seu aparato começa a ser algo que não está a funcionar. Se por um lado, em Aveiro quando vou ver o Beira-Mar sou revistado em todo o corpo e por vezes não me é permitido entrar dentro do estádio com uma lata de coca cola ou com uma garrafa de água com tampa, noutros estádios a revista permite a entrada de galinhas, bolas de golfe, isqueiros e navalhas… Estes objectos não só põem em causa a integridade física dos espectadores como põem em causa a integridade física daqueles que estão dentro de campo a cumprir a sua actividade profissional.

Será que é isso que os adeptos das claques querem? Atirar uma pedra que acerte em cheio num jogador dentro de um autocarro? Atirar uma bola de golfe que mate o guarda redes do Benfica?

Basta!!

Quanto ao jogo, no campo, o Porto cilindrou o Benfica. Hulk jogou de raiva e cada vez mais convence o público Português que não merece andar por aqui. Merece sim, um grande campeonato do futebol mundial, destino, que mais cedo ou mais tarde o espera!

O Benfica jogou mal e confirmou as suspeitas que esta época, é uma equipa vulgaríssima. Neste jogo, Jesus engoliu uma granada sem cavilha ao colocar David Luiz na esquerda quando Coentrão é o único jogador que dispõe capaz de ombrear em velocidade com Hulk.

Carlos Martins e Aimar confirmaram que nos jogos a doer desaparecem de cena. Alan Kardec não é Cardoso e nunca o será.

O maior derrotado da noite acaba por ser Luis Filipe Vieira. Não se podem atirar pedras quando se têm telhados de vidro. Vieira saiu humilhado perante Pinto da Costa que a esta altura ainda se deve estar a rir da fraca figura que o presidente rival tem feito nos últimos tempos…Apelidar o Benfica de melhor clube Português da actualidade é algo vindo de uma cabeça que pensa em puro delírio provocado pela demência que lhe é associada pela ressaca do título da época passada. Miguel Góis e Ricardo Araújo Pereira também devem andar de ressaca no dia de hoje. Tanta campanha contra o FCP dá nisto: sair aziado do Dragão. O seu comportamento contra o rival não deverá sofrer mudanças nas próximas crónicas da Bola. Creio eu. Os incorrigíveis continuam a pensar da mesma maneira, isolados numa redoma de benfiquismo bacoco. Cegos por palas vermelhas à frente dos olhos. Os incorrigíveis são mesmo assim… Incorrigíveis!

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Haja segurança!

http://rd3.videos.sapo.pt/play?file=http://rd3.videos.sapo.pt/jRPpzywJ2Yqk4YguGrHB/mov/1

Parece que a visita que Luis Filipe Vieira levou a cabo há algumas semanas atrás ao Ministro da Administração Interna Rui Pereira surtiu efeito!

Na altura, o Presidente do Benfica queixou-se da falta de apoio do Ministério ao nível da escolta policial à equipa encarnada e aos adeptos encarnados!

Numa altura em que o governo socialista está em sinal de alarme eminente, o apoio de todos os Benfiquistas parece soar importante para a prossecução dos objectivos de continuar na governação. Numa outra ocasião, na campanha para as legislativas de 2002, Durão Barroso meteu o amigo Manuel Vilarinho (na altura presidente do Benfica) no jantar de encerramento da campanha a apelar ao voto no PSD por parte dos Benfiquistas…

Ontem, a equipa de futebol profissional do Benfica viajou de Lisboa para o Porto, onde hoje joga frente ao FCP. Na portagem de Grijó (como se pode ver nas imagens) a Polícia de Segurança Pública recebeu os encarnados com “pompa e circunstância” para os escoltar até à unidade hoteleira da Boavista onde os encarnados estão em estágio.

Cerca de 30 viaturas policiais escoltaram uma equipa que é essencialmente composta por cidadãos estrangeiros. Uma vergonha!

A bola merece este tipo de regalias, que o cidadão comum não tem. Por uma hora, mais de uma dúzia de estrangeiros que não contribuem nada para o bem estar da sociedade tiveram mais policiamenteo que qualquer cidadão nacional alguma vez teve. Arrisco-me a dizer que um clube de futebol composto na sua maioria por estrangeiros teve mais policiamento do que 90% dos concelhos Portugueses.

Se na altura em que Vieira foi pedir batatinhas ao Ministério considerei a visita recheada de uma índole bacoca e irresponsável perante aqueles que pagam impostos, ontem, a sua passagem da utopia à prática deve ser repugnada por quem paga impostos e já foi lesado em alturas em que o policiamento na sua zona era 0.

Com as etiquetas , , , , , , ,

Tesourinhos deprimentes do Futebol Português #5

Luis Filipe Viera era re-eleito presidente do Benfica, depois de todo o “show-off” que tinha marcado a campanha eleitoral no clube. Moniz podia ter sido um candidato surpresa mas acabou por não ir às urnas. Afinal de contas, devia quase 25 anos de quotas do clube! O empresário Bruno Carvalho acusava Vieira de ser sócio no Porto e divertia-se a alugar voos comerciais para fazer a viagem Porto-Lisboa mais os homens fortes da sua campanha.

No final da Assembleia Geral do Clube, o antigo presidente do Benfica (na altura nas funções de Presidente da Mesa da Assembleia) reagiu assim em directo à pergunta feita pelo jornalista da RTP que queria saber se este temia uma enorme batalha jurídica entre os candidatos na ressaca da eleição de Vieira.

Depois da queda em directo em 2002 no jantar de fim de campanha de Durão Barroso para as legislativas, Vilarinho esteve novamente em destaque… pela negativa!

Com as etiquetas , , , , , , , , ,