Tag Archives: Londres

How Madchester put the E into enterprise zone…

Miranda Sawyer, The Guardian

In 1988 I moved to London to work at Smash Hits magazine, and one of the first things I had to do was create a map of Manchester for the magazine’s news pages. Dutifully, I put an X for where the Haçienda was, another for Dry Bar, also Eastern Bloc, the record shop co-owned by 808 State’s Martin Price. Arrows pointing down towards Moss Side, for A Guy Called Gerald, up to Salford for the Happy Mondays… I even marked the Midland, in Didsbury, a pub where a hot and messy house night called MVITA (Manchester Vibes in the Area) took place in one pitch-black room, while the other featured fringed lampshades and elderly couples sipping light ale.

And as Smash Hits‘ resident Mancunian (though I’m actually from Cheshire), I was sent to interview the Stone Roses and Happy Mondays. Both bands were great to talk to: friendly, funny, cheeky, like most people in Manchester. People in London, though, seemed scared of the place, talked about it as though it was really rough, like an English New York ghetto. When I told them that they would love the Haçienda, that it was brilliant, a fantastic club with amazing music and enough space for anyone and everyone to express themselves, they looked at me as though I were mad.

Of course, no one in Manchester cared what London thought. They never have, really. And in the late 80s, when ecstasy and acid house combined to pull in a crowd that finally filled the Haçienda’s vast warehouse space, got the place rocking so hard the sweat dripped off the underside of the balcony and made the walls wet and your head steam when you tipped out into the cool night air, Mancunians were having too much of a good time to notice that everyone else was staring.

Was that scene Madchester? Or was it the bands, the Roses, the Mondays and the rest, alternative rock bands with a loose groove, bass and drums melding in a funk that bridged the gap between white boy indie and the squelchy sounds of acid? What about other local artists, such as 808 State and A Guy Called Gerald, who actually made dance music, off-the-hook tracks such as “Cubik” and “Voodoo Ray” that drove the dancefloor crazy? Were they Madchester artists? Or just artists?

This summer sees the fully reformed Happy Mondays and the Stone Roses play again, the Roses gigs in particular threatening to give chunky men of a certain age a Proustian rush so strong you could mistake it for a heart murmur. This, despite the fact that both bands, even in their prime, were hit-and-miss live. Their inconsistency was part of their brilliance: you never knew quite what you’d get. Still, their albums, listened to in sober retrospect, are fantastic. The Roses’ eponymous 1989 debut is especially amazing, almost perfect: combining groove and guitar, tune and attitude, west coast dreaminess with north-west wit. But the underestimated Happy Mondays, whose outlaw personalities and anecdotes were always given preference over their music, also made some revolutionary sounds, referencing the swaggering madness, the suck-it-and-see of Sly and the Family Stone.

It was a Mondays release, 1989’s Madchester Rave On EP, that gave the scene a label, a hook for the world’s media. As usual, Factory records’ mouth-on-wheels Tony Wilson did his fantastic propaganda thing, going over to a US music conference to inform America that it was behind the times, that Manchester was where it was at, that it had swiped America’s best music from right under its nose, sold it back to them and it hadn’t even noticed. New York noticed Wilson, however, as well as Manchester’s bustling band scene, and Time magazine gave Madchester a front cover.

But, as is often the way, once a scene has a label, it fundamentally changes. The label limits what’s happening, deems some people in and some out, alerts the money-minded to the idea that there’s cash to be made, tells the mainstream that something’s happening that it should know about. And, just like that, the scene is invaded, changes, moves on, eventually dies.

And a scene as downright loopy as the Manchester acid house scene really defied a label. House music caused a sensation elsewhere in the country, of course, but in Manchester it had a focus. Down south, kids were forced to dance in fields; Manchester had a perfect, cool-as, ready-made venue in the Haçienda, owned by a band, New Order, who made one of the era’s best albums, Technique.

It also had a music scene small and healthy enough to foster band ambition, disused industrial warehouse spaces for any after-hours raves (the clubs shut at 2am) and a generation of adventurous kids. Kids who’d travelled around Europe, following football teams, or just because; whose taste in music was already open enough to take in the 13th Floor Elevators; who had their own sense of style, with its own, very particular rules; who ran around setting up parties, labels, bands, merchandising as well as having a laugh. All that, plus natural PR machines such as Tony Wilson, Shaun Ryder and Ian Brown, whose every utterance had journalists cheering.

And journalists were interested, of course, because something was definitely happening. On Fridays and Saturdays, then Wednesdays, when Hot started, there were queues of kids in painters’ jeans and sweatshirts, snaking round the corner from Whitworth Street back towards G-Mex, waiting to be let into the biggest, maddest youth club in the world. Just a few years before, in the mid-to-late 80s, the Haçienda was a different place, so cold you could never take your coat off, so empty you had the whole dancefloor to yourself. It staged gigs by Felt, local fashion shows hosted by Frank Sidebottom. Though we didn’t know it then, the club was waiting, biding its time until the right youth revolution, the right sounds could fill it. Acid house was that music; Madchester was the scene.

‘It was just a load of mad people, heads, faces, in the corner under the balcony. We didn’t really talk, we just didn’t stop dancing all night. The music was amazing.”

I’m talking to actress Jo Hartley of This Is England (and, soon, Ill Manors, Plan B’s new film) fame. She was 17 in 1989 and says that going to the Haçienda genuinely changed her life. “I’d been to nightclubs before, like Scandals, but you had to put on posh clothes and loads of hair lacquer, get yourself up like Anita Dobson, just to sit in a velvet booth and listen to Kylie Minogue.”

Hartley, from Chadderton, near Oldham, was taken to the Haçienda by her then boyfriend, and she couldn’t believe what it was like. Clothes were important, but in a different way (“I remember everyone wearing Levi’s with the red stripe inside”), the music was like nothing she’d ever heard and the madness, the chaos, the bedlam on the dancefloor felt like freedom.

“You could really let go, you connected with a lot of people,” she says. “It was a community that didn’t exist in other clubs. You’d come out and you’d feel amazing. And there were a lot of talented people involved; they just didn’t realise who they were at the time. Some of them are heroin addicts now, some of them are in prison, some are successful. But they were all cool. It changed my life, opened my head to people and possibilities.”

Gary Aspden, now a successful brand consultant working with labels such as Adidas and JD Sports, also credits the Haçienda with changing the way he was headed. Originally from Blackburn, he and some friends hosted parties there on a Saturday night after the Haçienda shut. “Parties for the people by the people,” he says now. They started small and got bigger, ended up in warehouses, but they were never about profit.

He remembers that with one of the first, there was money left over from the door. “So we sent a cheque to pay for 20 kids from Blackamoor special school in Blackburn to get riding lessons. It was in response to criticism from the local newspaper about people profiteering from acid house parties,” he says. “The headmaster of the school tore the cheque up and went in the local press saying, ‘We don’t want their money.’ I guess it was predictable. But still disappointing.”

That community attitude behind the Manchester acid house scene isn’t often remembered. Instead, the cartoon strip goes something like this: a bunch of scallies dressed in their fat uncle’s cast-offs took lots of drugs and danced themselves silly. Then gangsters moved in, Madchester became “Gunchester” and the “one love” vibe died. But, at least initially, there was more to the scene than that. As both Hartley and Aspden remember, it felt like a revolution, like the right people were winning, that everyone was taking their nights out – and so their lives – into their own hands. Both know several people who were into fighting at football who just gave it up; Aspden thinks that the Tories took credit for stopping 1980s hooliganism when in fact it was ecstasy and acid house. “Madchester got them dancing,” he says. “It might even have got some of them hugging, too. But we don’t dwell on that.”

Dave Haslam, Mancunian DJ and writer, sees the influence of Madchester in Manchester today. “Madchester was a chaotic, accidental, spontaneous burst of madness,” he says. “An adventure, that’s what I remember it as. No one controlled it, which meant that gangsters and corporate cowboys saw an opportunity. And once it was labelled, it kind of became about white boy indie bands, which made it more boring than it actually was. But you could say that the labelling had a value, in that it sent out a message that Manchester was being remade and that was a very important thing to say. Because in London, let alone New York and Paris, the view before then was that Manchester was post-industrial, everyone was unemployed, warehouses were lying empty, it was grim…”

The reputation that Madchester gave Manchester – that of a joyful, creative, sociable place of opportunity – has never left the city. Manchester is now all about going out. When I was young, footballers and their wannabeyourgirlfriends wouldn’t dream of going into town: too scruffy and glum. Now, the city centre is packed at weekends, students move there because of the nightlife and just along from where the Haçienda used to be is a line of bars that, as Shaun Ryder once said to me, “have the look of the Haçienda but the attitude of Rotters”.

The city has always boasted a forward-thinking, arts-oriented Labour council. That council, after the Haçienda had to be shut due to gangs muscling in and, especially, after an IRA bomb destroyed much of Manchester city centre in 1996, used the idea of Manchester as a social destination to reinvent the city. Now it has a world-beating arts festival, Manchester international festival, it has the BBC in Salford, it even managed to attract investment into Manchester City Football Club.

Perhaps it’s stretching an argument to say that without Madchester, there would be no Balotelli. Still, the silly, moody, ridiculously talented Italian (loved to pieces by everyone who works at City) wouldn’t fit in another British city. He’d be swallowed by London, squashed by everywhere else. In Manchester, they believe in craziness; they know that great things can come of it. Manchester’s contemporary spirit and excitement emerged from many things. One of which was the gathering together, in the late 80s, of thousands of mad heads, in a parallel universe, a musical playground, a dream of Adidas-shod utopia.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

tirem-lhe o cuouscouz e o cabrito assado

A União Europeia divulgou hoje uma lista de 12 individualidades do regime Sírio às quais vai aplicar sanções pessoais pela falta de reformas democráticas naquele país e pela repressão que o dito regime está a levar a cabo contra os seus opositores.

Assim sendo, Asma-Al Assad, esposa de Bashar Al-Assad sofrerá entre outros danos menores o cancelamento de vistos (Asma vai regularmente a Londres, cidade onde terá vivido uma boa parte da sua vida) e o congelamento de contas pessoais. Creio que para a medida ter uma maior amplitude de danos, a UE também deverá confiscar todos os sapatos Prada da primeira-dama assim como embalagens de Gloss, Rimel, Sombra, batom, soutiens Victoria´s Secret e os cds da Joni Mitchell e da Tracy Chapman que a primeira-dama Síria tanto aprecia. A UE também deverá impedir as exportações de outros países de carne de cabrito e couscouz para a Síria para que a primeira-dama não possa cozinhar o prato favorito do “querido líder” e o dito, com a fomeca, seja obrigado a ceder às reformas exigidas pelos opositores. Costuma-se dizer que um homem conquista-se pela barriga.

Com as etiquetas , , , , , , ,

futeboladas

Depois de algum tempo de ausência desta rubrica neste espaço, volto a fazer uma breve análise a alguns jogos do fim-de-semana e a algumas equipas dos principais campeonatos futebolísticos europeus, começando pela Premier League:

Big Sunday na Premier League. Num curto espaço de 3 horas, 3 jogos importantíssimos entre equipas que lutam pelo título: Manchester City vs Tottenham no City of Manchester e Arsenal vs Manchester United no Emirates, tendo as equipas de Manchester vencido os jogos e os citizens reforçado a liderança na tabela classificativa.

Começando pelo primeiro jogo.

A imagem acima postada está a gerar polémica em Inglaterra. Nos minutos finais do jogo contra o Tottenham, Mario Balotelli pisou deliberadamente a cabeça de Scott Parker, abrindo uma ferida no internacional inglês. O árbitro da partida decidiu não intervir disciplinarmente. Minutos mais tarde, seria Balotelli a cair na área do Tottenham derrubado por Ledley King e a converter a respectiva grande penalidade que deu a vitória aos homens de Roberto Mancini.

Vamos ao jogo em si.

Manchester City e Tottenham chegam ao City de Manchester bem próximos na tabela classificativa. O City em primeiro, o Tottenham a 5 pontos. Duas equipas fenomenais, a praticar dois modelos de jogo bem distintos mas bonitos e duas equipas que poucas derrotas concederam esta época (o City tinha 2, o Tottenham no fim do jogo passou a somar 4, sendo que esta foi a 2ª derrota em 19 partidas).

Depois de uma primeira parte um pouco mal jogada, onde as equipas guardaram um respeito mútuo entre si, a 2ª parte prometeu um dos melhores momentos da Premier League deste ano com 4 golos em 8 minutos: primeiro os Citizens com dois golos sem resposta (Aguero e Lescott), depois os Spurs com dois golos de rajada para empatar a partida (um de Jermaine Defoe num lance em que o central Sérvio Savic cometeu uma enorme gaffe e outro do brilhante Gareth Bale).

De seguida, acontece o tal lance em que Balotelli deveria ter sido expulso. E espero bem que a FA veja as imagens televisivas e decida castigar o italiano por alguns jogos. Nos minutos finais, o Tottenham voltou-se a queixar da falta de sorte, que por exemplo já tinha feito com que a equipa não vencesse o jogo com o Chelsea em casa em Dezembro e se tivesse deixado empatar nos últimos minutos das partidas contra Swansea e West Bromwich Albion: num 2 para 1, Gareth Bale galgou pela esquerda, entrou na área e ofereceu o golo a um Jermaine Defoe que chegou atrasado à boca da baliza para emendar e acabou por atirar centimetros ao lado da baliza de Joe Hart. Como quem não marca sofre e que não é expulso aparece, Balotelli haveria de sofrer uma grande penalidade justa após tesoura de King na área e como tal, haveria de colocar o resultado final em 3-2 para a sua equipa.

O City aumentou a vantagem para os Spurs para 8 pontos. A equipa de Harry Redknapp voltou a mostrar o porquê de estar este ano a lutar pelo título de Inglaterra e actuou de forma muito personalizada e atrevida na casa do City. Mais um deslize nas próximas jornadas poderá significar o fim da Linha para os Spurs nesta aventura.

Na 1ª volta, lá para os finais de Agosto falávamos sobre a derrota do Arsenal em Old-Trafford por escandalosos 8-2.

Alguns meses passaram. O Manchester United de Sir. Alex Ferguson não conseguiu ultrapassar algumas lacunas evidenciadas em certas posições específicas da equipa, o Manchester está a fazer um bom pecúlio interno mas a época já ficou manchada pela eliminação precoce do finalista da época passada da Liga dos Campeões da prova. A equipa provou com o decorrer da época que não era a máquina de fazer golos que toda a gente pensava no início da mesma e provou ter debilidades normais da adaptação a um novo ciclo que se vira com saídas e entradas de jogadores.

Ferguson chegou ao ponto de convencer o regresso de Paul Scholes ao activos 6 meses após o internacional inglês ter decidido pendurar as botas, pedido que foi aceite pelo jogador e que já está a dar frutos na equipa de Manchester.

Já o Arsenal de Wenger começou mal, mas lentamento Wenger conseguiu alinhar os peões de forma a salvar o mau início de época. O Arsenal ainda não tem uma equipa formatada ao estilo do técnico francês mas este começa a ter bastante matéria prima de qualidade para voltar a lutar pelo título nas próximas épocas. Os exemplos disso são Ramsey, Wilshere, Coquelin, Oxlade-Chamberlain, Frimpong, Ignasi Miquel, Per Mertesacker, Thomas Vermaelen, Alex Song, Theo Walcott, Park-Chu Young, entre outros…

Do jogo de ontem duas notas: a preponderância de Ryan Giggs na equipa de Manchester e a fantástica assistência para o primeiro golo de António Valência e do outro lado, a assistência de Oxlade-Chamberlain para Robin Van Persie no golo do “empate” do Arsenal.

O United continua a peugada pelo título enquanto o Arsenal não conseguiu sair da 5ª posição.

Outras partidas:

Norwich 0-0 Chelsea – Mais um jogo horrível da equipa de Villas-Boas, mais um jogo em que Fernando Torres ficou em branco. Os Blues não conseguiram aproveitar da melhor maneira o deslize do Tottenham e continuam longe dos lugares cimeiros.

Fulham 5-2 Newcastle – Vale a pena ver os resumos pelo hat-trick de Clint Dempsey. O Norte-Americano está finalmente a confirmar os créditos com os quais vinha referenciado dos Estados Unidos e está a fazer a melhor época na Premier desde que chegou ao Fulham em 2006 vindo do New England Revolution. Contra o Newcastle, 3 golos na 2ª parte ajudaram à goleada contra os Magpies, que, apesar do bom arranque de campeonato estão em queda livre desde Dezembro. Ocupam neste momento a 6ª posição mas rapidamente poderão ser ultrapassados pelo Liverpool, que esta jornada também perdeu em Bolton por 3-1. A equipa de Bolton com 2 vitórias e 1 empate nos últimos 5 jogos já conseguiu sair dos lugares de linha-de-água.

Passando para Itália:

A Juventus tornou-se campeã de inverno da Liga Italiana. No final da 1ª volta os homens de Turim lideram com 41 pontos contra os 40 de Milan e 38 da Udinese.

Ontem no Atleti Azurri D´Italia em Bergamo, a Juve despachou a Atalanta por 2-0 com golos de Lichsteiner e do reforço (contratado no verão ao Empoli) Emmanuele Giacherini. Do pouco que vi do jogo, Arturo Vidal estava a fazer um grande jogo e os avançados da Juve (Matri e Vucinic) tiveram uma noite desinpirada. Só Matria à sua conta teve 4 ou 5 grandes perdidas. No entanto, Antonio Conte está de parabéns por ter trazido a Juve novamente ao topo do futebol italiano e por colocar a equipa a jogar um futebol de ataque muito agradável, flanqueado e rápido.

Ibrahimovic (2) e Robinho despacharam a dificuldade Novara e fizeram o Milan recuperar bem do desaire do fim-de-semana passado no derby milanês frente ao Inter. Relembro que nas primeiras do campeonato, o Novara tinha batido em casa o Inter por categóricos 3-1.

Mesmo com Kevin-Prince Boateng lesionado, reparem na assistência maravilhosa que Ambrosini fez para o Sueco no 1º golo do Milan. Quem diria que o caceteiro Ambrosini, depois de velho dava para isto?
O 2º golo, apesar de não ser vistoso revela um facto curioso: os 3 intervenientes na jogada tem sido preponderantes para a carreira do Milan esta época. Robinho porque a sua forma está claramente a subir, Nocerino e El Sharawy porque tem aproveitado todos os minutos de jogo que lhes são dados por Max Allegri.

Outros jogos:

Inter 2-1 Lazio – Ranieri está a repetir a dose no Inter daquilo que já tinha feito na Roma na época 2009\2010, quando pegou no comando técnico dos Romanos sucedendo na altura a Luciano Spalletti. Na altura, o treinador pegou numa equipa completamente devastada por um horroroso início de época e conseguiu levá-la a um fantástico 2º lugar, lutando taco-a-taco contra o Inter de Mourinho que se iria sagrar campeão italiano e campeão europeu nessa época.

O mesmo acontece esta época. Ranieri pegou na equipa à 4ª jornada depois do despedimento de Gasperini. Se o Inter à 4ª jornada apenas somava 1 ponto, Ranieri conseguiu somar 34 em 16 jornadas, graças a 9 vitórias, 5 empates e 2 derrotas.
Nas últimas duas jornadas, o Inter bateu o rival Milan para o campeonato e este fim-de-semana bateu a Lazio por 2-1 em San Siro com golos de Milito e Pazzini aos 44″ e 63″ respectivamente depois da Lazio ter inaugurado o marcador aos 30″ por intermédio do veteraníssimo Tommaso Rochi. O Inter ultrapassou a Lazio no 5º lugar. A Lazio tem vindo a perder muito gás nas últimas jornadas, depois de já ter ocupado a 1ª posição do campeonato em conjunto com Udinese e Juventus na 1ª volta.

Siena 1-1 Napoli – A perder o gás nas últimas jornadas também está o Napoli. Apenas uma vitória nas últimas 4 jornadas, colocam a turma Napolitana fora dos lugares europeus.

Roma 5-1 Cesena – A morder os lugares europeus está a Roma. Goleada no Olimpico por 5-1 contra o modesto Cesena (18º do campeonato com 15 pontos) com golos de Totti (2) Juan, Borini e Pjanic. Luis Enrique está lentamente a chegar aos lugares europeus e esta Roma caso embale pode não se ficar por aqui.

Totti está novamente em altas. O seleccionador Cesare Prandelli admitiu publicamente que poderá voltar a convocar o histórico capitão romano para o Euro 2012. Totti não veste a camisola da Squadra Azzurra desde o Mundial de 2006.

Liga Espanhola:

Na luta pelo primeiro lugar em Espanha, o Real Madrid goleou o Athletic de Bilbao no Bernabéu por 4-1. No entanto nem a vitória (gorda) foi obtida de forma linear, nem o resultado expressivo amainou alguns problemas internos que poderão ter emergido depois da derrota a meio da semana contra o Barcelona como o caso de Pepe e como o “bate-boca” mais azeda entre Mourinho e a dupla Sérgio Ramos\Casillas no treino de sexta-feira que a Marca noticiou hoje.

Já em Maiorca, o Real tinha sentido dificuldades e tinha começado a partida a perder. O mesmo aconteceu ontem frente aos bascos do Athletic quando Llorente inaugurou o marcador aos 13″. Depois, Marcelo, Cristiano Ronaldo (2) e Callejón marcaram os 4 golos da equipa de Mourinho que continua em primeiro lugar na Liga.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

fumar custa caro

6,77 libras (7 euros e 93 cêntimos) por um maço de marlboro. minha nossa senhora, é preferível fumar barbas de milho. e a libra esterlina está desvalorizada!

Com as etiquetas , , ,

Será?

Van Persie fez um gesto feio e politicamente incorrecto. Não diria que foi Nazi, mas sim a antiga saudação do Império Romano. Conhecendo a história, é certo que Hitler tinha a pretensão de fazer do III Reich um império maior que o Romano que durasse pelo menos 1000 anos. 

Polémicas à parte, o Arsenal de Wenger, o mesmo Arsenal que em Setembro levou 8 do Manchester United, que por conseguinte levou 6 do Manchester City, foi dar 5 a Stamford Bridge, deixando André Villas-Boas à beira de um ataque de nervos.

 

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , ,

Pelos jogos internacionais…

http://videa.hu/flvplayer.swf?v=RT1qphGQhgB7hnyk

A Dinamarca não vacilou e levou de vencida uma inofensiva Noruega. A Noruega pouco fez durante a partida e acaba por dar um passo atrás na qualificação. Bendtner marcou os golos da Selecção Dinamarquesa.

A Islândia bateu o Chipre por 1-0.

O primeiro lugar do grupo é repartido pelas 3 selecções, mas Portugal corre na frente. A Dinamarca é 2ª. A Noruega 3ª com mais um jogo.
Na próxima jornada, a 7 de Outubro, Portugal recebe a Islândia no Estádio do Dragão no Porto e a Dinamarca vai a Nicósia defrontar o Chipre. Folgará a Noruega.

Abrem-se cenários para a próxima jornada:
1. Em caso de vitória Dinamarquesa, a Dinamarca apura-se para os playoffs. Mesmo em caso de derrota de Portugal, tudo se irá decidir em Copenhaga na última jornada.
2. Em caso de vitória Portuguesa, Portugal não se apura para os playoffs, mas deixa a questão praticamente arrumada para a última jornada onde até poderá perder contra a Dinamarca em Copenhaga que muito dificilmente irá ceder o seu lugar à Noruega pela questão da diferença de goal-average entre as duas selecções.

– No grupo A, a Turquia não quis dar a machadada final na Bélgica tendo empatado hoje na Áustria a 0 bolas. Arda Turan, o jogador talismã dos turcos no passado jogo de sexta-feira (marcou o golo da vitória aos 6 minutos do período de descontos) foi o vilão deste jogo ao falhar uma preciosa grande penalidade já para além da hora. 

O Azerbeijão ganhou ao Cazaquistão por 3-2.

A Alemanha já se tinha qualificado na sexta-feira. A Turquia é 2ª com 14 pontos. A Bélgica tem 12 e a Áustria com 8 está eliminada.
Na próxima jornada, o Azerbeijão recebe a Áustria, a Bélgica recebe o Casaquistão e em caso de vitória dos Belgas, estes poderão aproveitar um eventual resultado negativo da Turquia em Instambul perante a Alemanha. Todavia, terão sempre que medir forças com a Alemanha na última jornada em Dusseldorf.

– No grupo B

Empate da Rússia e da Irlanda em Moscovo. Um bom resultado para as 2 selecções. A Rússia porque continua na liderança. A Irlanda porque sabe perfeitamente que é difícil vencer na Rússia, pontua, não perde o 2º lugar e continua a acalentar o 1º pois continua a 2 pontos da Rússia.

A surpresa da jornada acabou por vir de Zilina. A modesta Arménia foi à cidade Eslovaca golear a selecção da casa por 4-0 e continuar a surpreender meia europa. Esta goleada põe o grupo B ao rubro e faz sonhar o povo Arménio. Nunca antes esta antiga república soviética esteve tão perto de sonhar com a qualificação.

A Macedónia ganhou 1-0 a Andorra em casa.

A Rússia continua a liderar com 17 pontos. 15 tem a Irlanda. Com 14 estão a Arménia e a Eslováquia.
Na próxima jornada, teremos 3 jogos emocionantes: em teoria, a Arménia tem vantagem em defrontar a Macedónia em casa. A Eslováquia joga o tudo ou nada em Zilina contra a Rússia. A Irlanda vai a Andorra.

1. Em caso de vitória Russa, esta selecção garante praticamente a passagem ao Europeu pois na última jornada recebe a humilde selecção de Andorra.
2. A selecção Eslovaca em caso de derrota fica de fora do europeu.
3. A selecção Eslovaca em caso de vitória irá marcar 17 pontos. Continuará empatada com a Arménia (caso esta vença= e neste cenário com a Rússia, mas também continuará em 4º lugar devido ao goal-average negativo que tem em comparação com o goal-average abundante de Russos e Armenos. A Rússia poderá perder o primeiro lugar caso a Irlanda vença e até o 2º caso a Arménia vença.

-No Grupo C

A Itália voltou a utilizar a receita do costume para vencer a Eslovénia e apurar-se para o Europeu. No Artémio Franchi em Florença, os italianos não jogam por aí além mas tiveram um Pazzini inspirado nos minutos finais a facturar numa baliza onde (pela sua passagem no passado pela Fiorentina) conhece bastante bem o sabor do golo.

A Sérvia ganhou 3-1 às Ilhas Faroe e saltou para a 2ª posição do grupo. A Eslovénia acabou por ser a grande derrotada da noite pois também viu a Estónia saltar para a 3ª posição depois de vencer a Irlanda do Norte em Talinn por 4-1. A luta pelos playoffs continua ao rubro neste grupo C: a Sérvia é 2ª com 14 pontos, a Estónia 3ª com 13. Os estónios tem mais um jogo assim como os eslovenos, que com a derrota de hoje não estão matematicamente eliminados mas irão necessitar que a Sérvia perca na próxima jornada em casa frente à Itália, que a Estónia perca ou empate na Irlanda do Norte e que na última jornada possam ganhar aos Sérvios em Ljubliana.
Na próxima jornada, a Sérvia recebe a Itália, tendo a selecção transalpina a possibilidade de baralhar as contas dos sérvios caso vença e caso a Estónia vá vencer a Belfast.

– Grupo D

No jogo grande, a França empatou em Bucareste a 0 bolas e conseguiu um autêntico “matchpoint” na qualificação.
A Bósnia também obteve um “matchpoint” ao vencer nos últimos minutos a Bielorrussia em Sarajevo com um golo de Misimovic aos 87″, dois minutos depois da expulsão do 2º defesa Bielorusso Kalachev. O primeiro (Martynenko) já tinha sido expulso por acumulação no decorrer da 1ª parte.

O Luxemburgo obteve uma vitória histórica em casa, vencendo a Selecção Albanesa por 2-1.

A França lidera com 17 pontos. A Bósnia tem 16. Ambas garantem praticamente os playoffs. A Roménia tem 12 assim como a Bielorussia.

1. Na próxima jornada, a Roménia recebe os Bielorussos, num jogo em que quem perder pontos será eliminado e quem puder vencer também poderá ser eliminado, caso a Bósnia e a França vençam os seus jogos. A Bósnia recebe o Luxemburgo, a França recebe a Albânia.
Mesmo em caso de vitória Romena, caso a Bósnia e a França vençam os seus jogos, garantem o lugar que lhes permite jogar os playoffs.
2. Caso a França vença e a Bósnia perca o seu jogo, a França garante a qualificação e em caso de vitória da Roménia ou da Bielorrússia, ambas poderão ter uma palavra a dizer na última jornada.
3. Caso a França perca ou empate o seu jogo e a Bósnia vença, a Bósnia vai para a primeira posição e em caso de vitória da Roménia ou da Bielorrússia, estas continuarão a acalentar hipóteses de qualificação na última jornada.

– No Grupo E

A Holanda venceu a Finlândia em Helsínquia por 2-0 num jogo em que o avançado do PSV Kevin Strootman continua a consolidar o seu lugar na laranja mecânica com a obtenção de mais um golo. A Finlândia foi sempre incipiente nas suas acções ofensivas e nunca criou grande perigo à baliza de Maarten Stekelenburg durante os 90 minutos da partida. A Holanda esteve por várias vezes perto do 2º golo e incomodou várias vezes a baliza finlandesa na 2ª parte ora pelas boas arrancadas de Eljero Elia pelo flanco esquerdo ora pelos passes em desmarcação com que Sneijder ia servindo os colegas. Seria De Jong a carimbar a vitória mesmo em cima do apito final, quando a Finlândia já jogava reduzida a 10.

A Hungria cumpriu a sua tarefa e foi vencer à Moldávia por 2-0. A Suécia venceu em São Marino por 6-0 e ascendeu à 2ª posição pelo goal-averagem superior aos Húngaros, que tem mais um jogo que os suecos. Na próxima jornada, os Suecos poderão carimbar a passagem aos playoffs caso vençam a Finlândia em Helsínquia. Caso contrário tudo será decidido na última jornada.

– No grupo F

Nos primeiros 45 minutos em Zagreb, a Selecção Israelita vencia por 1-0, marcava oficialmente 16 pontos na classificação (na prática eram os mesmos que os croatas) e viam a Grécia a perder por 1-0 na Letónia, facto que punha os gregos também com os semelhantes 16 pontos. Com este cenário de intervalo em Zagreb, os croatavas lideravam, os gregos eram 2ºs e os israelitas 3ºs com os mesmos pontos, com Israel com mais um jogo.
Na 2ª parte, Modric, Eduardo da Silva e companhia viraram o marcador em prol dos croatas, eliminaram Israel e viram a Grécia de Fernando Santos perder pontos na Letónia, ao empatar quase ao cair do pano por intermédio de Papadopoulos num jogo em que os Gregos tiveram que sair da sua habitual retranca para massacrar os Letões…na retranca!! De nada valeu o ímpeto de Giorgios Samaras e companhia. A Croácia passou para a frente do grupo.

Em La Valleta, dia de festa para os Malteses com o empate caseiro frente à Geórgia a 1 bola.

A qualificação será discutida a dois nas próximas jornadas. No que diz respeito à próxima, a Grécia recebe a Croácia em Atenas. A Grécia passa para a frente do grupo caso vença. A Croácia qualifica-se caso vença e fica em grande posição caso empate.

Letónia – Malta será um jogo para cumprir calendário.

– No grupo G,

Ashley Young fez Capello respirar de alívio perante a ameaça de uma moralizada selecção de Gales. O jogador do United confirmou a excelente forma ao dar a vitória à Old-Albion perante a vizinha selecção galesa.

http://www.dailymotion.com/embed/video/xkwxb1

No Saint Jakob Park de Basileia, a Suiça aproveitou a folga de calendário de Montenegro para equilibrar a balança com a turma balcânica. Era o jogo de tudo ou nada de Suiços e Búlgaros. Quis o talentoso médio ala de 20 anos Xherdan Shaqiri colocar ao rubro o público Suiço na sua própria casa (Shaqiri actua pelo Basileia) com um hat-trick no 2º tempo. A Bulgária ainda alimentou as esperanças de bater os Suiços durante 36 minutos devido a um golo madrugador de Ivaylo Ivanov.

A Inglaterra lidera o grupo com 17 pontos (+ 1 jogo). Montengro é 2ª com 11 pontos. A Suiça tem 8 pontos. A Bulgária tem 5 e mais um jogo, estando portanto eliminada. Gales 3.
Na próxima jornada, Gales recebe a Suiça enquanto Montenegro recebe a Inglaterra em Podgorica.

1. Em caso de vitória da Suiça e derrota de Montenegro, basta apenas o cenário de 1-0 para que a Inglaterra se apure e a Suiça ultrapasse a selecção montengrina.
2. Em caso de vitória de Montengro perante a Inglaterra e derrota Suiça, a Inglaterra continua na primeira posição com 17 pontos mas só será qualificada directamente se Montenegro conseguir superar os 10 golos de goal-average que tem de diferença para os ingleses. Neste cenário, Montenegro segura pelo menos os playoffs. Caso contrário terá que jogar os playoffs na Suiça na última jornada.

Grupo I

A Roja venceu o pobre Lichstenstein por 6-0 com bis de Negredo e David Villa e restantes golos a serem apontados por Xavi e Sérgio Ramos. A Espanha está qualificada para o Europeu.

A Escócia venceu a Lituânia por 1-0 e relança os escoceses na luta pelos playoffs.

A Espanha lidera com com 18 pontos. A República Checa tem 10 pontos, a Escócia tem 8. Os Escoceses poderão ascender à 2ª posição do grupo se vencerem no Lichstenstein e se a República Checa perder com a Espanha em Praga não sendo porém linear que estes resultados decidam a qualificação porque na última jornada, teremos os escoceses a jogar em Espanha e a República Checa a jogar na Lituânia.

Outras zonas de qualificação:

Ásia – 1ª fase de gruposqualificação 2014 – 2ª jornada

– A Jordânia lidera o grupo A com 6 pontos depois de bater a China por 2-1. A China é 2ª com 3 pontos. O Iraque também somou 3 pontos ao bater Singapura por 2-0 fora.

– No Grupo B, a Coreia do Sul não foi além de um empate no Kuwait a 1 bola. Mesmo assim os Sul-Coreanos lideram o grupo com 4 pontos, os mesmos do Kuwait. No outro jogo do grupo, o Líbano venceu por 3-1 os Emirados Árabes Unidos e somou 3 pontos.

– No grupo C, Uzbequistão e Japão empataram a 1 bola e lideram o grupo com 4 pontos. A turma nipónica esteve a perder a partir dos 9 minutos até ao minuto 65. A Coreia do Norte venceu em casa o Tadjiquistão por 1-0 e somou 3 pontos.

– No grupo D, a Austrália destacou-se na liderança ao vencer a Arábia Saudita fora por 3-1 com golos de Joshua Kennedy e Luke Wilkshire. A Austrália tem 6 pontos. A Tailândia é 2ª com 3 depois de ter batido Omã por 3-0.

– No grupo E, Qatar e Irão empataram a 1 bola. Os Iranianos estão na liderança do grupo com 4 pontos em paridade com o Bahrein, que foi à Indonésia bater a selecção da casa por 2-0. O Qatar tem 2 pontos.

Amigáveis:

Ontem, em Londres (Craven Cottage – estádio do Fulham) a canarinha venceu o Gana por 1-0 mas não se exibiu ao seu bom nível. Ronaldinho voltou à selecção por escolha pessoal de Mano Menezes para dotar o escrete de um jogador que se tem exibido a alto nível no plano interno e reune a simpatia e carinho do povo brasileiro. O jogador do Flamengo não tem a mesma velocidade de outros anos mas tentou de tudo para marcar neste golo contra o Gana. De livre, obrigou o guarda-redes Ganês a defesas apertadas. Na 2ª parte, fez uma abertura a isolar Alexandre Pato que foi absolutamente sublime e acabou por ser uma das jogadas mais bonitas da partida.
O jogador do Sporting Elias foi titular e jogou os 90 minutos pela canarinha. Hulk entrou na 2ª parte e esteve apagado. O Porto foi buscá-lo a Londres de jacto e o atleta jogou hoje pelo FC Porto na marinha grande contra o Leiria.

Leandro Damião, avançado que esteve na mira do Porto, marcou o único golo de uma partida que ficou estragada a meio da primeira parte por uma expulsão duvidosa de Daniel Opare depois de uma falta muito bem aproveitada pelo experiente central Lúcio para sacar o segundo amarelo ao jogador Ganês.

Depois do amigável frente à Venezuela em Calcutá, a Argentina defrontou na tarde de ontem a Nigéria em Dacca, capital do Bangladesh. Messi voltou a não marcar, mas deu o primeiro a Higuaín e contribuiu no 2º com um poderoso remate que o guarda-redes nigeriano defendeu directamente para o desvio de DiMaria para o fundo das redes. Elderson cometeu auto-golo enquanto Obasi marcou o tento de honra dos nigerianos.

Em Gdansk, cidade dividida entre Polacos e Alemães ao longo da história, Polónia e Alemanha disputaram um interessante amigável que terminou empatado a 2 bolas. Os jogadores do Dortmund Lewandowski e Kuba Blaszczykowski marcaram os golos para os Polacos. Toni Kroos e Cacau para os Alemães.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Em Londres (2)

Autêntica anarquia, autêntica lei marcial.

A morte do Taxista do bairro de Tottenham Mark Duggan já não é propriamente o acontecimento que marca os dias agitados na capital do Reino Unido. É caso mesmo para dizer que a ocasião fez o ladrão.

Os actos de violência, vandalismo e pilhagem já se alastraram para vários pontos da cidade e até outras cidades como Bristol, Birmingham, Liverpool e Manchester. A confusão instalada já levou mesmo o Primeiro-Ministro David Cameron a ter que interromper as suas férias para accionar um plano de segurança interna de mais 16 mil policias para as ruas de Londres com ordens expressas para disparar balas de borracha por quem se atreva a continuar os estragos. De facto, este também era uma das queixas dos comerciantes assaltadose dos próprios moradores dos bairros onde aconteceram tumultos: a polícia londrina pura e simplesmente não acorreu aos locais de saque desmedido, continuando a executar as suas tarefas noutras áreas da cidade.

A registar, 1 vítima mortal, dezenas de feridos e mais de 500 detidos.

Outra das questões que para mim marca esta problemática é as várias declarações que tenho visto nos noticiários por parte da voxpopuli.

Alguns cidadãos queixam-se do facto dos actos de roubo e vandalismo serem praticados na sua maioria por emigrantes africanos. Chocou-me o facto de uma cidadã ter dito perante as câmaras da Sky News que “jamais estaria envolvido qualquer cidadão nacional porque a criminalidade no Reino Unido pertence aos emigrantes”. Um comentário puramente xenófobo.

No caso do Reino Unido não posso opinar sobre esta questão visto não ter conseguido arranjar dados que permitam tirar ilacções quanto ao nível de criminalidade praticado por emigrantes em relação ao nível ou percentagem de crimes que são praticados por cidadãos nacionais.

No caso Português, embora uma grande falange de cidadãos portugueses pense exactamente nesse sentido, a grossa parte da criminalidade em Portugal não é praticada por emigrantes. Quem o pensa, incorre num mito e não num facto. “Mitos e factos sobre a Imigração” foi 1º módulo um colóquio promovido pelo ACIDI (Alto-Comissariado para a Imigração E Diálogo Intercultural) e pela Secção de Defesa dos Direitos Humanos da AAC na qual participei no ano passado e na qual fiquei elucidado desse mito muitas vezes atribuído exclusivamente aos imigrantes que vivem no nosso país. A proporção de crimes praticados por imigrantes em Portugal tendo em conta a população imigrante que vive em Portugal e o número de crimes praticados por cidadãos nacionais mostra que os imigrantes de outras nacionalidades em Portugal não praticam mais crimes que os cidadãos nacionais.

No Jornal da Tarde da SIC, o prestigiado sociólogo da UC Boaventura Sousa Santos, enumerou e bem os problemas pelos quais passa a Grã-Bretanha e algumas das medidas que geraram insatisfação por parte dos cidadãos:

http://sicnoticias.sapo.pt/skins/sicnot/gfx/jwplayer/player.swf

Declínio económico (a libra desvalorizou muito nos últimos meses em relação ao euro e ao dolár) medidas de austeridade, o Desemprego, cortes no ensino superior que motivaram o aumento das propinas, as dificuldades de coesão sociais derivadas da experiência multiculturalista falhada no Reino Unido, os jovens estão sem horizonte, falta de poder de compra de pessoas com hábitos enormes de consumo…

Boaventura Sousa Santos disse tudo…

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Em Londres

Um cenário de batalha, roubo e pilhagem nunca antes visto nos últimos anos no Reino Unido.

Mais uma vez a polícia Britânica voltou a errar. Mark Duggan, taxista de profissão, descrito como um cidadão pacífico e conhecido de todo o bairro foi assassinado com um tiro policial quando a polícia fazia uma perseguição a criminosos no bairro de Tottenham.

Duggan, pai de 4 filhos entra na lista dos erros da polícia Britânica, que em 2005 já tinha cometido um erro absurdo ao atirar no cidadão brasileiro Jean Charles Menezes pensando que se tratava de um terrorista suicida.

Com as etiquetas , , , , , , , , , ,

Interessante

Ficha Técnica:

Exit Through the Gift Shop (2010)
Realizador: “Banksy”
País de Origem: Reino Unido
Local de filmagens: Reino Unido, França, Estados Unidos da América
IMDB: 8.2 (nomeado para os óscares 2011 na categoria de melhor documentário)
Intervenientes: “Banksy”, Thierry Guetta, “Space Invader”, Shepard Fairey, Deborah Guetta, Joshua Levine


Quem é Thierry Guetta? É a primeira pergunta que se coloca nos primeiros minutos do documentário.

Thierry Guetta é apresentado como um cidadão francês, nascido de uma família numerosa que emigra para a cidade de Los Angeles ainda nos anos 80.

Marcado pela notícia da morte da sua mãe aos 11 anos, Guetta instaura uma loja de roupa em Los Angeles onde vende roupas de colecções clássicas da Adidas sob condições suspeitosas, atingindo rapidamente algum conforto financeiro.

Um dia Guetta descobre uma câmara de filmar e qual vício, não consegue passar os dias sem levar a câmara ligada para todo o lado onde vai. Noutro, descobre que um dos seus primos (Space Invader) é um apaixonado pela arte de rua, dedicando-se a colar azulejos pintados com as personagens do mítico jogo pelas ruas da cidade francesa onde reside – Guetta começa por acompanhar o primo, filmando a sua acção de rua.

A partir daí, Guetta assume uma paixão pelo trabalho daqueles artistas e dedica-se a filmar os melhores da cena mundial entre os quais “Banksy”, um enigmático artista de rua britânico, responsável por diversas pinturas de rua em vários sítios emblemáticos do mundo entre os quais a National Art Gallery de Londres.

Depois de uma série de peripécias com “Banksy” (entre as quais a cena da Disneyland de Los Angeles) Guetta passa da filmagem dos actos aos actos em si, criando os seus ícones e a sua label. Inspirado pela exposição de “Banksy” em Los Angeles, acaba por montar a sua própria exposição na mesma cidade que iria redundar num enorme sucesso.

Gostei bastante deste documentário, baseado no florescimento da arte de rua em pleno século XXI.

Com as etiquetas , , , , , ,

“Caíram que nem tordos em Londres”

http://videa.hu/flvplayer.swf?v=tUhAZ5OlfYFR5StM


O AC Milan foi hoje eliminado nos oitavos-de-final da Liga dos Campeões pelo Tottenham, tal e qual eu ansiava na antevisão desta ronda.

Depois do 0-1 em Milão, o nervosismo era bem evidente nas bancadas de White Hart Lane nos rostos dos fans do Tottenham. No entanto, a equipa de Londres controlou muito a 2ª mão desta eliminatória e nem sequer levantou suspeitas de a qualquer momento ceder perante o líder da liga italiana. Pelo contrário, os Spurs foram a melhor equipa em campo e incomodaram muito mais na área Milanesa do que os italianos a baliza defendida por Gomes.

Por duas ou três vezes, Modric serviu bem Aaron Lennon na direita e o mesmo em velocidade ganharia a linha para centrar para a área, onde Peter Crouch dava trabalho aos centrais Nesta e Thiago Silva, sempre bem acompanhados pela ajuda de Clarence Seedorf que hoje (devido à ausência de Pirlo e Gattuso) precisou de fazer um pouco o papel dos dois.

Na frente, o ataque da equipa italiana esteve completamente desinspirado. Boateng esteve péssimo. Ibrahimovic, Robinho e Pato estiveram bastante encolhidos e sem fantasia. Apenas Alexandre Pato haveria de assustar a baliza de Gomes já na 2ª parte com um belo remate de fora da área.

Na outra partida, o Schalke passou aos quartos-de-final depois de ter derrotado o Valência por 2-1. Pelo pouco que vi da partida, o Valência entrou melhor a abriu o marcador por intermédio do central Português Ricardo Costa, num lance algo confuso em que após a marcação de um canto a bola parece bater na cara do Português e entrar na baliza de Manuel Neuer.

A partir daí, o Schalke a jogar em casa e com 1-1 da primeira volta, tomou conta dos cordelinhos do jogo. Ainda na primeira parte Jefferson Farfán haveria de empatar a partida. Na 2ª parte, o Schalke virou o jogo aos 52″ com um golo estranho de Gavrancic onde o guarda-redes do Valência Guayta tem culpas.

O Valência ainda tentou reagir e pouco a seguir, Aduriz teve duas grandes oportunidades para colocar a eliminatória de volta para o lado dos valencianos. Na primeira situação, o avançado passou o guarda-redes mas desenquadrou-se e atirou ao lado. No segundo lance, foi isolado até à área rematando em arco para uma excelente defesa de Neuer. Poucos minutos mais tarde seria Joaquim a rematar de fora-da-área com o insolito a acontecer: o árbitro posicionou-se mal à frente do médio espanhol, acabando por cortar a bola.

No último minuto, Jefferson Farfán apontou um livre de belo efeito e colocou o resultado final em 3-1.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

NBA em Londres

Pela primeira vez na história da Liga Profissional Norte-Americana, Toronto Raptors e New Jersey Nets cruzaram o Oceano Atlântico até terras de Sua Majestade para disputar em Londres um jogo da fase regular da competição.

Tratou-se obviamente de uma estratégia comercial da NBA de levar o basquetebol ao Reino Unido, onde a modalidade ainda não assume grande preponderância, com vista não só à explosão da modalidade como à execução de futuras parcerias comerciais. No entanto, o Reino Unido já conta com jogadores na liga como é o caso de Luol Deng (Chicago Bulls) Ben Gordon (Detroit Pistons) e John Pops Mensah-Bonsu (New Orleans Hornets).

Recordo que alguns anos a esta parte, na pré-época a Liga traz algumas das suas equipas à Europa para efectuar jogos contra as melhores equipas da Europa.

Nets e Toronto (já sem grandes hipóteses de playoff) deram dois excelentes espectáculos na London O2 Arena. Na primeira partida, os Nets (agora liderados por Deron Williams) venceram por 116-103 e na 2ª partida, voltaram a vencer por 137-136 num jogo espectacular que teve direito a três prolongamentos. No 2º jogo, o Italiano Andrea Bargnani (Raptors) foi o melhor marcador com 35 pontos (12 ressaltos) sendo que o melhor marcador dos Nets foi o poste Brook Lopes com 34 pontos (14 ressaltos). Nesta 2ª partida, o base Deron Williams fez 21 pontos e um total de 18 assistências.


Nas bancadas da London O2 Arena estiveram alguns famosos a assistir à partida, casos de David Luiz e Didier Drogba.


Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , ,

Em Londres

http://www.youtube.com/e/a8jN4qZTGTo

Milhares de estudantes do ensino superior Britânico juntaram-se em frente ao Parlamento com vista à revolta contra o aumento das propinas.

A revolta estudantil no Reino Unido teve hoje o seu ponto alto. O governo Britânico aumentou as propinas de 3290 libras (3840 euros) para 6 mil libras (7000 euros) e em certos casos para 9 mil libras (10500 euros).

Concentrados em frente ao Parlamento, os estudantes sofreram uma violenta carga policial. Várias dezenas foram detidos pelas autoridades. Um polícia ficou gravemente ferido.

Os nossos colegas Britânicos revoltam-se perante as políticas de austeridade dos seus governantes no que toca ao ensino superior. E nós, quando é que nos revoltamos a sério em Portugal?

Com as etiquetas , , , ,

Boato do dia

A gerência do vosso blog de eleição, acabou de receber de forma totalmente anónima uma chamada de um número da rede fixa Inglesa, que me contou que o nosso ilustre amigo João Lemos (de visita a Londres) teve um ligeiro problema esta tarde em Londres.

Num café de esquina, o nosso amigo teve o azar de se cruzar com um conhecido jogador do Arsenal, tendo logo aí insultado o referido jogador com todo o discurso negativo, que o caracteriza entre nós quando fala sobre a equipa londrina.

O jogador não se fez rogado e passado uns minutos veio mais o seu gang de Africanos, tendo ordenado uma valente carga de pancada ao nosso amigo, que segundo a mesma fonte está neste momento a contar o guito que lhe resta numa cama do hospital para ver se convence os Ingleses a pagar-lhe a viagem de regresso.

Até ao final da noite, teremos mais informações sobre o sucedido.

Com as etiquetas , ,