Tag Archives: Kyle Irving

deixa-me cá ver se eu entendo

Eu e o Eduardo Barroco de Melo conjunturamos há 2 meses eventuais soluções para os Bulls.

Pensamos em dezenas de jogadores, drafteados, free-agents ou vindos de hipotéticas trocas. Pensamos em Howard, Kevin Love, Deron Williams, Pau Gasol, Andrew Bynum, Jeff Teague, OJ Mayo, Goran Dragic, Steve Nash, Ray Allen e outros tantos cuja memória me falha. Calharam-nos Marquis Teague (um jogador que promete) no draft, Radmanovic e Kirk Hinrich (dois veteranos que pouco ou nada irão acrescentar à equipa).

Seremos acusados pelo nosso amigo Hugo Coelho Gomes de querer tudo para Chicago. O que é certo é que quem tudo vai querendo não mora no Ilinois.

No entanto, a estratégia da dupla que gere os Bulls (GarPax; Gar Forman e John Paxson) não passa pela próxima época, até porque Derrick Rose só poderá (segundo as mais recentes conjecturas) voltar a jogar por altura de Fevereiro\Março. Os Bulls não deverão acrescentar uma vedeta à equipa na próxima temporada, se bem que para a época 2013\2014 já tenham existido contactos com Kevin Love numa eventual troca com Minnesota. A estratégia assente na equipa de Chicago será fazer o melhor possível com aquilo que tem na próxima época e diminuir a sua folha de pagamentos para poder construir uma equipa sólida para a época 2013\2014. Para piorar o cenário dos Bulls, para o ano, a dupla Carlos Boozer e Joakim Noah atinge o auge do seu contrato e isso torna os dois jogadores muito pouco negociáveis para já. Os dois postes irão auferir 39 milhões de dólares, pouco mais de 1\3 do tecto máximo salarial permitido para a equipa de Chicago.

Porém, tem havido algumas trocas que me causam algum choque:

Dwight Howard poderá estar a caminho dos Lakers numa troca que envolve Orlando e Cleveland Cavaliers. Os Lakers já contrataram Steve Nash a troco de 12 milhões anuais. Howard poderá ganhar 26 milhões de dólares\ano em Los Angeles, num contrato de 164 milhões por 5 anos. Para Cleveland vai Andrew Bynum (um luxo para Cleveland) e de Cleveland para Orlando vai Anderson Varejão e 3 picks de draft de Cleveland nos próximos anos, picks essas que poderão ser nos principais lugares, visto que Irving e Bynum ainda serão escassos (pelo menos na próxima época) para que a equipa do Ohio chegue aos playoffs.

Calma aí? Os Bulls ofereceram Deng, Noah ou Boozer a Orlando e eles trocam o Howard por um jogador de merda (diga-se a bom da verdade) e picks cujo lugar ainda não sabem?

Orlando afunda-se por completo com esta troca, quando, precisava de facto que a troca reconstruísse o seu remediado plantel.

Com Gasol a vencer 24 milhões de dólares, Bryant 22, Nash 12, Howard viria aumentar a folha de pagamentos da equipa para 84 milhões de dólares só com estes 4 jogadores. Os Lakers tornar-se-iam de facto o principal contender ao título. A NBA permite que as equipas ultrapassem os 100 milhões de dólares de cap salarial numa época, pagando 1 dólar de impostos por cada dólar (para o ano a Luxury Tax irá aumentar para bonds que oscilam dos 3,25 aos 4 dólares de multa por cada dólar que exceda o tecto salarial) que ultrapasse essa fasquia. Os Lakers poderão de facto utilizar o argumento de que dispõem de receitas suficientes para pagar o excedente. No entanto, há que relembrar que ainda há poucos meses atrás as equipas e jogadores discutiram durante meses a paupérrima situação financeira dos franchisings da Liga durante o lock-out, argumentando os patrões que não tinham receitas próprias que pudessem continuar a sustentar as pretensões dos jogadores em receber 57,5% dos lucros anuais das suas equipas. Passados alguns meses, o dinheiro parece abundar por algumas paragens.

De Miami vem outro exemplo. Ray Allen (13 milhões\ano) junta-se a 3 jogadores que consomem 70 milhões (Wade, LeBron, Bosh) e mais uma vez funciona a Luxury Tax, taxa fiscal que os Bulls já não subscrevem desde o último ano da era Jordan. Mas tudo continua bem e… legal!

E os Nets também ultrapassam essa fasquia com as renovações de D-Will e Brook Lopez e com as contratações de Gerald Wallace, CJ Watson e Joe Johnson. Mas os Nets poderão gastar aquilo que quiserem pois são dominados por um multimilionário Russo.

Há uns meses atrás, realço, discutiam-se trocados que agora se transformaram em milhões nos bolsos de algumas equipas da Liga. Este abuso financeiro faz com que a Liga possa tornar-se bipolar nas próximas temporadas. Se o objectivo do draft no início da cada época é melhorar os plantéis das equipas mais fracas como via para se encontrar um equilíbrio na competição, porque é que ainda se fazem drafts numa realidade onde quem tem dinheiro puxa as vedetas todas que puder para o seu seio? O draft não faz por enquanto qualquer sentido para mim. Nem a Luxury Tax. Equipas com pouco rendimento como Sacramento, Charlotte ou New Orleans não estão ao nível de competir financeiramente com as mais ricas. E isso para mim não faz sentido numa competição que se quer equilibrada.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,