Tag Archives: Jrue Holyday

8 seguidas e uma derrota!!

Vou escrever sobre as últimas 7 dos Bulls para o campeonato.

Para começar, a nota prévia: Os Bulls já lideram o campeonato com um score de 33-9. No entanto tem mais 2 jogos que Oklahoma.

Para ser mais especifico, porque existiram pequenos dados individuais de cada jogo diferentes e até porque o único denominador comum de 5 destes 6 jogos foram as grandiosas exibições que Derrick Rose, vou escrever jogo-a-jogo:

New Orleans Hornets no dia 28. Scottie Pippen, como sempre, na plateia.

Contra um adversário que está a fazer uma má-época (perdeu os seus dois principais activos: Cris Paul e David West; no entanto ganhou outro que andava tapado nos Clippers, caso de Chris Kaman) os Bulls tiveram de soar até ao último minuto para conseguirem a vitória. Quem mais poderia trazer a vitória senão Derrick Rose? 32 pontos e 9 assistências no dia em que Richard Hamilton regressou à competição (seria sol de pouca dura).

Joakim Noah iniciou aqui o melhor ciclo da temporada com 15 pontos e 16 ressaltos. Noah tem conseguido mais de 15 ressaltos quase todas as partidas e está numa forma impressionante. Luol Deng fez 14 pontos e 11 ressaltos.

San Antonio Spurs no Texas no dia seguinte.

Previa-se um autêntico duelo entre dois dos melhores bases do campeonato: Tony Parker do lado dos Texanos, Derrick Rose no lado de Chicago. No 1º período, os dois chocaram num lance e Rose ficou agarrado ao joelho. Temeu-se o pior no banco de Chicago mas o base voltaria 1 minuto depois à partida. E voltaria para abafar por completo a mediocre exibição de Parker. Spurs ainda sem Ginobili (voltaria no domingo frente aos Spurs) e com Duncan em clara evidencia: 18 pontos e 10 ressaltos.

Parker ficou-se pelos 11 pontos, 9 ressaltos e 6 assistências, vendo Rose do outro lado facturar 29 pontos. Noah foi aos 3 ressaltos e o jogo acabou ser recheado em triplos (15; 7 para Chicago, 8 para San Antonio). Apesar de Rose ter guiado Chicago ao triunfo com as suas fantásticas incursões ao cesto (o típico um contra todos) também são de realçar os 37 pontos no banco, particularmente, os 12 importantíssimos pontos de CJ Watson (10 deles no 2º período onde o jogo teve mais tremido para Chicago). Incrivelmente, nessa partida, quando Watson estava a jogar bem, Thibodeau resolveu-o mandar para o banco. Mais uma daqueles decisões incompreensíveis daquele que foi considerado no ano passado o treinador do ano da Liga.

Esta vitória acabou também por ser histórica: os Bulls já não venciam em San Antonio desde 2003, ou seja, desde o ano em que tinha nas suas fileiras Kirk Hinrich.

No dia seguinte, Cleveland Cavaliers.

De facto, foi mais um jogo aborrecido de se ver em que os Bulls dominaram desde o minuto inicial. Muito facilitou o facto dos Cavs estarem a jogar sem os seus dois melhores jogadores: Kyrie Irving e Anderson Varejao. O primeiro teve uma lesão que o impediu de actuar durante 1 semana enquanto o segundo está parado fazem algumas semanas.

112-91 foi o resultado final do jogo. Para a história, 2 parciais em que a equipa de Chicago ultrapassou os 30 pontos. Luol Deng foi o melhor marcador da partida com 24 pontos. Derrick Rose somou 19 e Ronnie Brewer (tem actuado muito bem nos últimos jogos) fez 13 pontos.

No passado domingo, Philadelphia 76ers fora.

Na bagagem, os Bulls levavam como recordação a derrota pesada que tinham sofrido no mês de Janeiro no mesmo local por 18 pontos de diferença.

Com um domínio assente por parte dos Sixers nos primeiros dois períodos, alicerçado por duas boas exibições ao nível de lançamento (Jrue Holiday e Elton Brand) a 2ª parte traria um Rose endiabrado: 35 pontos e 8 assistências, com 12-22 de lançamento de campo e 4 triplos incluídos no pacote. Rose fez de tudo na partida: incursões assustadoras ao cesto, triplos, bons lançamentos a média distância e maravilhosas assistências para os seus companheiros. Dos 96-91, nota-se vendo o boxscore que os Bulls alicerçaram a vantagem através da sua concretização de 3 pontos: 7 contra apenas 1 de Philadelphia.

CJ Watson voltaria a lesionar-se com alguma gravidade a meio da partida.

À semelhança dos 76ers, os Indiana Pacers causaram um bom efeito na equipa de Tom Thibodeau. No entanto, a “vingança” contra os Pacers centrar-se-ía na vingança sobre uma derrota caseira, por sinal, a unica derrota obtida no United Center.

Na antevisão da partida contra a equipa de Larry Bird (é proprietário da equipa da sua cidade natal) Derrick Rose tinha dito à comunicação social que devido à derrota caseira do mês de Janeiro estava ansioso por voltar a jogar contra a equipa de modo a conseguir um “payback”.

Indiana, baseando a sua estratégia defensiva num método de aniquilação do jogo de Rose, conseguiu alguns resultados fazendo uma marcação individual ao base dos Bulls. As coisas estiveram equilibradas durante a primeira parte, ou seja, quando Rose conseguiu apenas 2 dos 13 pontos na partida. Foi de facto um dos piores jogos de Rose esta época, saldado no fim com 13 pontos e 9 assistências. No entanto, o colectivo dos Bulls mostrou-se e a equipa superou a marcação ao base: Luol Deng fez 20 pontos e 6 ressaltos, Ronnie Brewer fez 12 pontos Taj Gibson 10 e perante a ausência de CJ Watson, John Lucas saiu do banco no 2º e no 4º período para fazer 13 pontos.

A remar contra a maré, Paul George foi o melhor shooter de Indiana com 21 pontos. David West fez 11 pontos e 9 ressaltos (o habitual) mas não se mostrou hábil no tiro (4 em 11 lançamentos de campo). Desilusão foi ver o grande player de Indiana Danny Granger em dia mau com apenas 10 pontos.

O saldo final iria redundar numa vitória estrondosa por 92-72.

Em casa de um adversário que ainda luta por uma vaga nos playoffs (Milwaukee) os Bulls tiveram um bom teste para uma eventual ocasião em que possam ter que defrontar os Bucks a doer.

Mais uma grande joga da dupla Derrick Rose\Joakim Noah: o base conseguiu um tremendo score individual de 30 pontos, 8 ressaltos e 11 assistências, estando muito perto do triplo-triplo novamente. O poste obteve 20 pontos e 18 ressaltos.

Do lado de Milwaukee, Brandon Jennings esteve mal. Lançou muito (4 em 11) mas só obteve 10 pontos. Quem se destacou foi precisamente Drew Gooden (jogou por Chicago entre 2007 e 2009) com 27 pontos e o turco Ilyasova com 32 pontos e 10 ressaltos. O poste baixo está a melhor a cada ano de liga que passa.

Depois deste enorme périplo, no único jogo que eu não vi, Orlando bateu Chicago por 99-94. Graças a um parcial 38-21 no 1º período, Orlando conseguiu gerir o resultado, mesmo apesar do facto de Chicago ter posto a diferença dos Magic a 5 pontos ao intervalo.

Anúncios
Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,