Tag Archives: Jonathan Cristaldo

só paramos no Mónaco para jogar contra o Barça a supertaça europeia

1. Deus.

Para se recuperar um clube, tem forçosamente que se gostar do clube.

Não quero lavar roupa suja relativa à passagem de Domingos pelo Sporting. Sá Pinto conseguiu várias coisas: reabilitar Izmailov, fazer subir de rendimento jogadores como Capel, Schaars, Matías e Elias, ensinar a filosofia do clube aos jogadores, apelar ao espírito de sacríficio como característica necessária à obtenção de sucesso. Como resultado, o plantel do Sporting é mais unido, mais feliz, os resultados tem sido satisfatoriamente melhores assim como as exibições e tem-se vivido em Alvalade sem a constante pressão dos maus resultados e dos ataques da comunicação social.

2. Continuo com sérias dúvidas quanto ao real potencial deste Holandês. É lutador, não finaliza mal, tem um bom movimento  de recepção de bola e entrega para as alas quando lhe endossam passes compridos, tem boa desmarcação e é aquele avançado que prende os centrais. Por outro lado é fraquíssimo no 1 para 1 e parece-me ser demasiado frágil no ponto de vista psicológico.

Sei que tem todas as condições para explodir a outro nível na próxima temporada em Portugal. Até porque creio que esta temporada foi apenas um teaser daquilo que poderá fazer. Ganhava mais em ter Matías mais avançado no terreno ou um avançado mais móvel ao lado.

3. Sofrer a bom sofrer. Uma grande atitude do Metalist. Uma equipa rápida, de meio-campo forte que não deixou jogar o Sporting na primeira parte e muita gente cheia de técnica lá na frente. O Metalist acelerou o jogo a seu bel-prazer na 1ª parte e pode-se dizer que o Sporting não só marcou contra a corrente do jogo como o fez sem ter feito uma jogada de ataque que fosse digna de ser chamada como tal.

Vi duas exibições brilhantes dos centrais. Polga e Xandão juntos fizeram seguramente mais de 35 cortes. Tirando o lance do golo estiveram absolutamente exemplares. João Pereira obrigou Tyson a mudar de flanco. Não é que o brasileiro tenha rendido mais frente a Insua. Pelo menos tentou cravar-lhe mais um penalty e ficou mal na fotografia.

Izmailov e Capel foram as melhores exibições de uma exibição muito pressionada onde o Sporting falhou muitos passes, muito em resultado de uma construção de jogo muito atabalhoada. Izmailov foi inteligente a por ordem na casa e Capel fartou-se de correr e lutar como é seu apanágio. O centro de pé direito teleguiado para Ricky Van Wolfswinkel foi a imagem de marca do Sporting no jogo e começa a ser a imagem de marca desta Liga Europa em conjunto com as combinações Muniain e Llorente no Athletic, próximo adversário do Sporting.

Nota final para a arbitragem: mais um penalti inventado. O Metalist teve mais caudal ofensivo nas duas eliminatórias mas curiosamente marca em dois penaltis forçadíssimos. O Sporting deverá ficar para a história da prova como a equipa que teve mais penaltis forçados contra si. Já vamos em 4.

Vamos em 4 penaltis forçados contra e vamos também aterrar no San Mamés numa eliminatória que se prevê vibrante. Duas equipas que gostam de jogar ao ataque e que revelam atitudes defensivas com algumas lacunas. De um lado, teremos o futebol total de Bielsa, cheio de pressão alta, de magia e de uma alta ratio de eficácia. Do outro lado teremos o espírito deste Sporting. Esperemos que seja mais um sofrimento. Mas que esse sofrimento confirme a passagem para a National Arena de Bucareste lá para meados de Maio.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,