Tag Archives: James Hook

rwc (6)

Depois da esmagadora vitória Australiana frente à modesta selecção Norte-Americana num jogo em que o ponta Adam Ashley-Cooper esteve em destaque, reporto aqui os últimos 4 jogos deste mundial que tenho vindo a seguir com alguma atenção.

À partida para este mundial, previa-se que o jogo de ontem que opôs a Nova Zelândia à França tivesse sido o centro das atenções na Pool A.

Muito resumidamente, o seleccionador Francês Marc Lièvremont comprou o bilhete antecipado para o 2º lugar da França do grupo e por questões de índole física dos seus principais jogadores e moral dos mesmos (não convinha à França largar os seus trunfos frente à selecção da casa perante um estado eufórico e arriscar-se a perder um jogo por muitos) Lièvremont sabotou este clássico do rugby mundial dois dias antes na conferência de imprensa, desiludindo todos os Neozelandeses que pretendiam ver a sua selecção num competitivo jogo contra a 1ª linha do rugby francês, afirmando que ia poupar jogadores.

Perante um estádio cheio de eufóricos adeptos All-Blacks, a selecção da casa não sentiu dificuldades em derrotar a França por expressivos 37-17, confirmando o primeiro lugar do grupo.

Henry Graham não poupou nenhum dos seus jogadores para o embate contra os Franceses, torneando assim a questão que tinha sido levantada em 2007 quando os Neozelandeses (no dia seguinte à eliminação contra a França em Cardiff) queixavam-se que aquela derrota também se tinha verificado em virtude de não terem disputado qualquer jogo de topo até aos quartos-de-final (Os All-Blacks tinham defrontado na fase de grupos a Escócia, a Itália, Portugal e Roménia).

Lièvremont acabou por cumprir metade da promessa que tinha deixado na sala de conferência de imprensa, e no 15 titular da França haveria por não colocar o talonador Servat, o 3ª linha Imanol Harinordoquy (em sua vez jogou o não menos reputado e talentoso Louis Picamoles) o abertura François Trinh-Duc e o defesa Cédric Heymans. Porém, todos estes atletas entraram na 2ª parte. Fora dos convocados haveriam de ficar Nicolas Mas, David Skrela, Alexis Palisson, Romain Millo-Chluski, Fulgence Ouedraogo e David Marty.

A França ressentiu-se desta estratégia do seu treinador e os 34 All-Blacks haveriam de fazer a vida negra aos Franceses. Sempre comandados pelo brilhante Dan Carter, os Neozelandeses chegaram facilmente aos 3 ensaios logo na primeira parte por intermédio do nº8 Adam Thomson, do defesa (neste jogo actuou a ponta) Cory Jane e do ponta Israel Dagg, que na 2ª parte haveria de marcar o 2º ensaio da conta pessoal. Na primeira parte, o melhor que os Franceses conseguiram foi uma penalidade convertida por Dimitri Yachvilli.

A defesa dos Gauleses haveria de acertar na 2ª parte, não sendo tão permissiva às investidas dos homens lá de trás da formação do hemisfério sul mas haveria de cometer mais faltas sobre os mesmos. Como referi, Israel Dagg haveria de marcar mais um ensaio logo a abrir a 2ª parte, Dan Carter continuou a brilhar com um pontapé de penalidade e um drop e o jogo iria terminar com uma França mais afoita, marcando dois ensaios por intermédio do centro Mermoz e do abertura Trinh-Duc sem que a Nova Zelândia concluísse o jogo com o último ensaio da autoria de Sonny Williams.

Com as contas de grupo A e grupo B praticamente fechadas, os All-Blacks irão defrontar a Argentina nos quartos-de-final enquantos Franceses terão pela frente um grande clássico do velho continente contra a Rosa de Inglaterra.

– No duelo das mais fortes selecções do pacífico, Samoa levou a melhor sobre Fiji por 27-7.

Não foi um jogo muito bonito. De um lado, as Fiji quiseram jogar por intermédio da força, técnica e velocidade dos seus 34. Do outro lado, Samoa apostou em muito no poderio dos seus avançados e começou a construir o resultado com imensas faltas ganhas por este dentro do território Fijiano.

O seleccionador Fijiano Samu Domoni fez uma alteração estranha no 15 titular das Fiji. O abertura Serenaia Bai, uma das unidades com melhor rendimento dos Fijianos nos primeiros 2 jogos passou para centro enquanto Nicky Little assumiu (sem grande prestação; é sem dúvida um dos jogadores mais fortes desta selecção mas está abaixo de forma) o lugar de abertura. E o jogo de ataque dos 34 Fijianos com as suas habituais e rápidas trocas de bola e acelerações não funcionaram contra a agressiva selecção Samoana.

O jogo projectado pelo seleccionador de Samoa Titimaia Tafua resultou na perfeição e a sua selecção foi ganhando pontos ao pé: na primeira parte, o abertura Tusu Pisi () converteu 3 penalidades e atirou para valer um excelente drop. Ao intervalo, Tonga cumpria o quadro estratégico delineado na perfeição e vencia por 12-0.

A 2ª parte começou com nova penalidade de Pisi e um ensaio de Kahn Fotoal´i aos 62 minutos, elevando o marcador para 22-0.Canadá

Cereja no topo do bolo foi o ensaio que seguiu, surgido de uma brilhante arrancada do 3ª linha na imagem (George Stowers) culminando uma exibição de ouro (15 placagens efectivas) para o lado Samoano. As Fiji ainda reduziram por intermédio do ensaio de Netani Talei.

– A Irlanda bateu a Rússia por 62-12 em que jogo que veio a confirmar o que se previa: sentido único para a área de ensaio Russa.

Como era previsto, os movimentos muito simples dos Irlandeses cilindraram a pobre Russia, que apesar das derrotas veio a este mundial para aprender com as equipas de nível de classe mundial e fortalecer as suas raízes tendo em conta os jogos dos próximos anos contra as selecções do “seu campeonato” tal como Portugal o fez em 2007. Tanto o fez, que os Lobos, nos últimos 4 anos conseguiram ganhar em território Romeno, empatar na Geórgia e lutar pelo resultado contra equipas com mais estaleca no circuito mundial como o Canadá, Tonga ou Japão.

Os Irlandeses já sabem que irão jogar contra Gales nos quartos-de-final, num jogo que promete muita emoção dado que são duas selecções do mesmo calíbre e cujos jogadores actuam praticamente todos no mesmo campeonato, a Liga Céltica.

A selecção Irlandesa entrou em campo com uma selecção alternativa por opção do seu seleccionador Declan Kidney, preocupado já com o jogo dos quartos-de-final. Mesmo assim os Irlandeses entraram a todo o gás perante mais um jogo em que os russos foram muito imaturos do ponto de vista defensivo, facto que lhes valeu um amarelo (ao médio de abertura Rachkov) e consequentemente os dois primeiros ensaios Irlandeses. Na primeira parte, a Irlanda marcou 5 ensaios (Fergus McFadden, Sean O´Brian, Andrew Trimble, Isaac Boss e Keath Earls) sendo que os últimos 3 foram obtidos nos últimos 5 minutos da primeira parte, numa fase em que os russos acumularam desconcentração com cansaço.

Na 2ª parte, os Russos obtiveram mais 2 ensaios para a sua contabilidade no ano de estreia num mundial mas acabaram por sofrer outros 4. Despedem-se do mundial na próxima jornada contra a selecção Australiana.


No jogo do dia, a Argentina teve a pontinha de sorte que lhe faltou contra a Inglaterra perante a Escócia e assegurou praticamente a passagem aos quartos-de-fina. Só uma vitória larga dos Escoceses frente aos Ingleses poderá ditar azar para os Argentinos.

Num jogo muito fechado e muito lutado a meio campo (as estatísticas mostram 5446 em posse de bola para os Escoceses; 5050 em território; 3,07m dos Argentinos na área de 22 escocesa contra 10,50 dos Escoceses na área argentina) foi o ensaio de Lucas Gonzalez Amorosino (mais uma vez em destaque neste mundial) aos 72″ que deu esta grande vitória à turma Argentina num jogo que foi disputado quase sempre ao pé e nas intensas lutas de avançados onde os argentinos quase sempre levaram a melhor sobre os Escoceses.

No regresso de Filippo Contepomi aos Pumas, coube ao eterno aberturacentro abrir as hostilidades com uma penalidade aos 19 minutos. Num duelo de históricos, a primeira parte teria duas penalidades de Chris Patterson, o eterno defesa escocês.

Na 2ª parte, com 6-3 no marcador a incerteza pairou até ao final mesmo depois da Escócia ter chutado dois drops certeiros (Jackson e Dan Parks) e da Argentina ter respondido com mais um pontapé de Contepomi. Os Pumas não se deram por vencidos e numa grande jogada colectiva haveriam de fechar com um brilhante ensaio de Amorosino e a preciosa conversão de Contempomi. Os Escoceses ainda tentaram ripostar e avançaram no terreno em busca da vitória mas os 10 minutos finais iriam pertencer à maravilhosa garra da defensiva argentina, que conseguiu suportar as investidas finais dos escoceses, principalmente pelo fabuloso Patrício Albacete, homem de 17 placagens durante os 80 minutos.

Para finalizar, algumas notas específicas sobre o andamento dos grupos, estatísticas colectivas e feitos individuais:

1. No Grupo A, a Nova Zelândia lidera com 15 pontos, contra os 10 da França, os 5 de Tonga e os 4 do Canadá. O Japão não marcou qualquer ponto. O Canadá só tem 2 jogos efectuados e ainda tem hipóteses matemáticas de conseguir o apuramento, mas será algo bastante difícil.

1.1 Os NeoZelandeses são a equipa com mais pontos marcados – 161 no total. Nesta estatística, a África do Sul aparece em segundo com menos 8 pontos e a Inglaterra em 3º com 121.

1.2 Os All-Blacks também são a selecção com mais ensaios na prova: 24. Os Sul-Africanos tem 20 enquanto os Ingleses tem 1.

Os Japoneses são a equipa com mais ensaios sofridos. No total foram 22.

2. No Grupo B, a Inglaterra lidera com 14 pontos contra os 10 dos Argentinos e Escoceses (o score dos Argentinos é 65-33 enquanto o dos Escoceses é de 61-43). Geórgia e Roménia ainda não fizeram qualquer ponto mas os Georgianos apenas realizaram 2 jogos. Os Georgianos jogam contra Argentinos e Romenos enquanto a Escócia joga contra os Ingleses.

2.1 Para passar, a Escócia necessita:

2.1.1 Vencer a Inglaterra com ponto de bónus sem que os Ingleses marquem qualquer ponto, indiferentemente de vitória ou derrota da Argentina.
2.1.2 Vencer a Inglaterra sem ponto de bónus desde que a Argentina perca ou empate o seu jogo.
2.1.3 Empatar com a Inglaterra desde que a Argentina perca com a Geórgia ou apenas marque ponto de bónus defensivo
2.1.4 Perder com a Inglaterra desde que consiga ponto de bónus defensivo e a Argentina não marque qualquer ponto.

2.2 Os Ingleses são a equipa com menos pontos sofridos da prova (22) e em conjunto com a Austrália e África do Sul apenas sofreram 1 ensaio.

3. No Grupo C, a Irlanda lidera com 13 pontos, contra os 10 Australianos, os 5 Italianos, os 4 Norte-Americanos e o ponto que a Rússia conseguiu.

3.1 Cenários para este grupo:
3.1.1 A Irlanda e Austrália passam caso vençam os seus jogos.
3.1.2 A Autrália vence o grupo caso a Irlanda perca contra a Itália e a Austrália vença o seu jogo.
3.1.3 A Itália passa caso vença a Irlanda e o outro jogo, sendo que terá que marcar bónus num dos jogos e não permitir que a Irlanda faça ponto defensivo. Caso a Irlanda faça ponto defensivo contra a Itália, os Italianos são obrigados a vencer com bónus os dois jogos.

4. No Grupo D, a África do Sul lidera com 14 pontos, contra os 10 de Samoa, os 5 de Gales (menos um jogo) os 5 de Fiji e os 0 de Tonga

4.1 Cenários:
4.1.1 A África do Sul passa em primeiro caso ganhe ou empate a partida que lhe resta.
4.1.2 Samoa passa caso vença com pontos de bónus e Gales vença as duas partidas mas não consiga vencer uma delas com ponto de bónus ou caso empate o seu jogo e Gales vença apenas 1 partida ou caso perca e Gales não vença as duas partidas.
4.1.3 Para Gales passar basta vencer duas partidas, uma com ponto de bónus (caso Samoa não atinja ponto de bónus) ou com 2 pontos de bónus caso Samoa o consiga.

5. Ao nível de estatísticas individuais:

5.1.1 O melhor marcador da prova é o médio de abertura Springbok Morne Steyn com 48 pontos (2 ensaios, 13 conversões e 4 penalidades) sendo perseguido por Kurt Morath de Tonga com 31 (5 conversões e 7 penalidades) e Morgan Parra da França com 28 (1 ensaio; 4 conversões; 5 penalidades).
Steyn também lidera a classificação de mais conversões: 13 contra 10 de Colin Slade da Nova Zelândia.

5.1.2 O melhor marcador de ensaios é Chris Ashton da Inglaterra contra 4 de Adam Ashley-Cooper da Austrália, Vincent Clerc da França, Richard Kahui e Israel Dagg da Nova Zelândia e Vereneki Goneva da Ilhas Fiji.

5.1.3 Kurt Morath lidera o ranking de penalidades com 7 contra 6 de Tusi Pisi de Samoa com 6 e 5 de Morgan Parra da França, Chris Patterson da Escócia e James Hook de Gales.

5.1.4 Theuns Kotze da Namíbia lidera a lista de drop goals com 3, todos eles apontados contra as Fiji.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

RWC (3)

Dia 3 decorreu sem surpresas de maior.

Austrália e Irlanda venceram contra adversários menos cotados, como se previa. Os Australianos bateram a Itália sem dificuldades de maior por 32-6. Já os Irlandeses sofreram com os Norte-Americanos por 22-10, não alcançando o ponto de bónus ofensivo. 

No jogo grande, a África do Sul sentiu muitas dificuldades, como era de esperar, frente ao País de Gales, derrotando os Galeses por 17-16.

Assim, de forma breve:

1. A Austrália bateu a Itália por 34-6.

Num jogo incaracterístico nos primeiros minutos em que a jovem Austrália (a mais jovem Austrália ao nível de média de idades a participar num campeonato do mundo) teve muitas dificuldades em aplicar o seu jogo ofensivo baseado nas rápidas circulações de bola entre os seus jogadores, a Itália conseguiu retardar o máximo que pode o primeiro ensaio Australiano. De um lado, a Austrália denota em muito a ausência do seu principal criativo, o médio de abertura Matt Giteau, jogador cujo seleccionador Robbie Deans, quase que de forma inexplicável, deixou de fora dos seleccionados.

Vozes do passado dos Wallabis (Greegan; Larkham, Tuqiri) chegaram mesmo publicamente a revoltar-se contra o Neo-Zelandês por ter deixado o principal criativo da equipa em terras Australianas. Nota-se que apesar do facto de Quade Cooper e Luke Burgess serem uma dupla de enorme valia para a Selecção Australiana, nenhum dos dois consegue atingir o máximo de soluções de jogo, de inteligência, de raça e visão de Giteau.

Enquanto a Itália praticava o típico jogo europeu – lutar contra os avançados Australianos em busca das faltas que pudessem dar penalidades e assim retardar a marcha Australiana será sempre uma tarefa ingrata para as selecções europeis – a Austrália não tinha grandes soluções no ataque. Prova disso foi o ponto de bónus atingido de forma tardia na segunda parte, já com o jogo totalmente partido para o campo Italiano. Até lá, a Austrália sentiu dificuldades e recorreu mesmo às penalidades para construir o seu resultado e expulsar lentamente o gáudio italiano motivado por estar em altura maior do jogo com hipóteses de o discutir.

De um 6-6 incómodo para a Austrália no primeiro tempo (2 penalidades de Quade Cooper bem secundadas por 2 belas respostas de Mirco Bergamasco por intermédio do mesmo veneno, muito bem trilhado pelas acções de avançados como Parisse ou Castrogiovani) Deans puxou as orelhas aos seus jogadores de uma forma tal, que a Austrália teve que puxar dos galões na 2ª parte para bater a pobre Itália. Daí que o ensaio do pilar Ben Alexander numa bela entrada de avançados tenha aberto o caminho da vitória para os Australianos. Depois, foi o que se viu. Ashley-Cooper, James O´Connor e Digby Ioane deram o show do costume dos homens lá de trás do 15 Australiano. A Itália, foi obviamente fraquejando com o decorrer da partida.. 

2. A Irlanda teve de suar ainda mais para bater a comezinha selecção Norte-Americana.

Um misto de juventude e veterania constitui uma Irlanda que a jogar assim, terá bastante dificuldades em conseguir um bom resultado na prova.

Brian O´Driscoll, lendário capitão Irlandes resumiu muito bem a partida no flash-interview: “Tivemos de trabalhar de forma árdua para ganhar esta partida” – disse.

Perante um adversário muito aguerrido do ponto de vista defensivo, valeu aos Irlandeses o vedetismo mais que assumido e justificado de O´Driscoll e do senhor da imagem, Tommy Bowe.

3. No grande jogo desta 1ª jornada, os Springboks entraram a vencer perante a fortíssima selecção Galesa.

De forma resumida e sucinta, a breve análise do jogo que foi escrita no site do mundial acerca deste jogo serve perfeitamente para narrar aquilo que se passou nas 4 linhas:

“South Africa captain John Smit was a relieved man after his side squeezed out Wales 17-16 in their opening Pool D match at Wellington Regional Stadium, scoring two tries to one.

Behind 16-10 at the 64-minute mark, the defending world champions shunned a kickable penalty goal to kick for the line and press for a try.

Their enterprise was rewarded a minute later when replacement back Francois Hougaard took advantage of a tiring Wales defence to storm through a gap and dive triumphantly under the posts for what turned out to be the winning try.

“We’re happy to get off the mark like that (with a win),” said South Africa captain John Smit. “Wales played well and kept us in our half so we didn’t get the chance to play much. But when when had our chance (to score a try) we took it.”

Things could have been different had a penalty from Welsh full-back James Hook been awarded when it looked as if it had curled inside the right-hand post, but was waved away by referee Wayne Barnes.

That would have made the score 7-6 after 15 minutes, but it remained 7-3 and South Africa immediately went down the park and were awarded a penalty, which Morné Steyn converted take it to 10-3.

Gatland philosophical

Wales coach Warren Gatland was philosophical about the kick that was not awarded.

“I thought it was interesting at half-time when we went in the tunnel and we were saying we thought the kick was over and Frans Steyn said, ‘Yeah, I thought it was over as well’.

“That’s the drama of sport. That’s why we’re all involved in it. You take the good with the bad and that penalty was potentially costly, but we missed a drop goal and a penalty.

“Good sides take disappointment on the chin and they face up next week.”

South Africa had played the match at a territorial and possessional disadvantage, as Wales scrapped and fought for every ball. The Springboks’ normally reliable kicking game often gifted easy possession straight back to Wales, who ran it bravely back into the teeth of the brutal South Africa defence.

Their hard running was rewarded when number 8 Toby Faletau twice busted the otherwise solid Springbok defensive line and also bagged himself a try with another strong run.”

Acrescento,

Cuidado com esta África do Sul. Se o torneio das 3 Nações revelou uma falsa imagem desta veterana selecção, nos campeonatos do mundo todos somos sapientes que atitude springbook vem ao de cima e que as suas selecções presenteiam-nos com o seu melhor rugby.

Gales também acaba por ser uma séria candidata às meias-finais depois do que vi da sua prestação. Sam Warburton é um fantástico 3ª linha assim como o defesa James Hook é uma confirmação.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,