Tag Archives: Ivica Olic

futeboladas

Breve resumo e comentário à fase de grupos da Liga dos Campeões.

Grupo A

Festa Napolitana no El Madrigal.

O Nápoles, no ano de regresso à maior competição do futebol europeu, deslumbrou e conseguiu ontem o merecido apuramento para os oitavos-de-final depois de bater o Villareal por 2-0 no El Madrigal.

Depois da vitória no San Paolo frente ao Manchester City no jogo referente à 5ª jornada, bastava à turma comandada por Valter Mazzarri vencer o seu jogo, indiferentemente daquilo que se pudesse passar no City of Manchester. O calendário não podia ter saído de melhor forma aos Italianos. O Villareal apareceu na última jornada como um “triste” último: em má-forma tanto a nível europeu como a nível interno, com problemas de balneário por resolver (Rossi quer voltar a jogar em Itália; Nilmar está para ser vendido para o Brasil; suspeitam-se ordenados em atraso na equipa) e sem qualquer ponto conquistado nos embates contra os italianos, Bayern e City.

Gokhan Inler (na imagem) haveria de abrir o marcador para os napolitanos aos 65 minutos e Marek Hamsik haveria de fechar a contagem 10 minutos depois.

No City of Manchester, os novos milionários do futebol europeu ficaram pelo caminho. O dinheiro pode ajudar à obtenção de resultados, mas felizmente não os compra, ou, se alguma vez os comprou a nível europeu (caso do Marselha) esses clubes foram automaticamente punidos com a perda dos títulos.

O City precisava de bater o Bayern e esperar que no El Madrid o Villareal despertasse da sonolência que se tinha verificado até então.

Num jogo bem disputado, os homens de Mancini cumpriram a sua obrigação perante um Bayern em que Jupp Heynckes aproveitou para poupar alguns dos jogadores mais utilizados e colocar em campo aqueles que têm jogado menos tempo na equipa. Casos de Nils Petersen (reforço que chegou no verão ao Allianz-Arena vindo do Borussia de Moenchagladbach) Ivica Olic, Daniel Pranjic, Takashi Usami (na 2ª parte) Diego Contento, Luis Gustavo e Anatolyi Timoschuk.

O City venceu por 2-0 com golos de Silva aos 36″ e Yaya Touré na 2ª parte.

Contas do grupo terminadas, o Bayern venceu o grupo com 13 pontos, contra os 11 do Napoles, os 10 do City e nenhum do Villareal.

Passo às observações:

1. Num grupo em que se previa uma luta feroz entre as quatro equipas, tivemos um City que não confirmou o seu estatuto de favorito à passagem e o Villareal que se apresentou nos 6 jogos desta fase de grupos como um colectivo muito distante do potencial que a equipa tinha demonstrado nos últimos 7 anos na competição.

2. Como momentos chave  deste grupo destaco:

2.1 – O empate do Nápoles na 1ª jornada no City of Manchester e obviamente a vitória no San Paolo e o empate caseiro frente ao Bayern de Munique.

A equipa Napolitana, tomando em conta o facto de ter um potencial ligeiramente diminuído em relação ao “arsenal bélico” que o City é detentor, sempre denotou uma postura incrível tanto nos jogos contra os Ingleses como nos jogos contra os Alemães do Bayern. O Napoles é uma equipa muito madura, recheada de talentos e com um espírito de luta e sacríficio que é ímpar no futebol italiano. Jogadores como Cavani, Hamsik, Maggio, Inler, Aronica e Lavezzi voltaram a demonstrar que merecem jogar em equipas que tenham mais objectivos do que aqueles que tem o Nápoles neste momento. Mas, como outsiders que irão ser nos oitavos-de-final, arriscam-se (caso voltem a manter o elevado nível de resultados) a ser um enorme quebra cabeça para quem se atravessar no caminho e, efectivamente, creio que o Nápoles tem mais que condições para se bater com qualquer um dos vencedores de grupo e conseguir ir longe na prova.

2.2 – O empate caseiro do City frente ao Nápoles, a derrota no San Paolo e o empate em Munique. Esperava-se mais deste City. O grupo era complicado e a bom da verdade o City conseguiu 10 pontos, algo que em circunstãncias normais garante o apuramento para a fase final da prova. Roberto Mancini não está de parabéns mas também não poderá ser criticado. A equipa peca por ter mostrado muito pouca ambição no jogo decisivo em Nápoles. Ao contrário do que tem vindo a fazer a nível interno (muito caudal de jogo ofensivo, quase sempre bem jogador e com uma eficácia brutalissima) na Champions o City jogou muito, atacou muito mas nem sempre conseguiu o efeito desejado: marcar golos. Acabou eliminado e poderá lutar por um lugar ao sol na fase final da Liga Europa.

2.3 – O Bayern cumpriu. Num grupo difícil, apenas perdeu o jogo em que já estava apurado. Heynckes está de parabéns. Passar 5 jogos sem conhecer o sabor da derrota num grupo com Villareal, City e Nápoles é um feito gigantesco.

3 – Esta champions marca o fim do Villareal como o conhecemos. O submarino amarelo está a ser literalmente desmantelado depois de anos e anos a gastar mais que as suas possibilidades. No verão tinham saído Capdevilla e Cazorla e já na altura se dizia na comunicação social que o clube atravessava problemas enormes. Agora serão Rossi e Nilmar os nomes que poderão abandonar o clube dos arredores de Valência. Um já afirmou que gostava de representar a Juventus a partir de Janeiro, o outro poderá estar a caminho do São Paulo. Internamente, o Villareal já não está em condições de lutar pelos lugares uefeiros. Esta época está a prová-lo, visto que nas primeiras 14 jornadas da competição o Villareal ocupa o modestissimo 15º lugar com 14 pontos.

Grupo B

Seydou Doumbia continua a ser o bombardeiro de serviço do CSKA. Em Milão, o Costa Marfinense que o CSKA contratou em 2010 por 12 milhões de euros ao Young Boys da Suiça, já pagou o investimento ao marcar o golo decisivo dos russos contra o Inter em Giuseppe Meazza que deu a qualificação ao emblema do exército Russo.

O Inter vai de mal a pior. Já não basta a fraca prestação a nível interno. Na Liga dos campeões é certo que venceu o grupo, mas venceu-o de forma algo rastejante quando nada o previa.  Com Lille, Trabzonspor e CSKA os “Interistas” apenas somaram 10 pontos e sentiram enormes dificuldades para os obter.

No jogo de ontem, Claudio Ranieri, optou por colocar em campo uma equipa alternativa, dado a qualificação confirmada do clube para a próxima fase da competição na 5ª jornada. Assim sendo, optou por dar mais ritmo competitivo a jovens como Obi, Phillipe Coutinho, Marco Faraoni e Luca Caldirola e Andrea Rannochia.

Tal efeito pagou-se caro: o CSKA precisava de vencer para alimentar o sonho da qualificação e fez pela vida para o conseguir. Seydou Doumbia aos 50″ e Vasili Berezutski aos 86 garantiram a qualificação para os Russos. Cambiasso marcou o único tento dos milaneses.

No outro jogo do grupo, Lille e Trabzonspor anularam com um empate ambas as hipóteses de qualificação, perfilando o resultado que interessava ao CSKA.

O Lille foi obviamente a equipa que mais tentou fazer pela vida. A jogar em casa, rematou por 14 vezes e teve domínio na posse de bola (62% contra 38%). Mas tal não foi suficiente para marcar um único golo e a defesa até compensou aos turcos: asseguraram o 3º lugar e irão jogar a Liga Europa.

Observações:

1. Como já referi, o Inter teve muitas dificuldades nesta fase de grupos. Rosto visivel de uma equipa onde paira uma enorme indefinição quanto ao presente. A direcção milanesa está a estudar hipóteses a curto prazo. A questão coloca-se apenas no sentido das decisões que se possam tomar: vender os jogadores mais velhos e capitalizar de forma a renovar o ciclo no clube com a entrada de jovens jogadores já em Janeiro que possam desenvolver as suas capacidades na 2ª metade da época tendo em conta a formação de uma equipa mais competitiva na próxima época ou inserir os jovens jogadores que o clube detem (Obi, Crisetig, Coutinho, Faraoni, Caldirola, Alvarez, Zarate, Nagatomo) e apostar que estes se insiram esporadicamente na equipa sob o olhar atento de experientes como Samuel, Cambiasso, Zanetti, Stankovic, Forlan ou Milito? Em Janeiro teremos resposta a esta longa pergunta.

É certo que estes velhos jogadores já não acrescentam mais valia à equipa do que o passar da sua experiência. Alguns deles, estão inclusivamente “parados no tempo” desde que o furacão Mourinho abandonou o Giuseppe Meazza. Se por um lado podem dar a sua experiência aos  mais jovens, por outro, a sua venda (Cambiasso, Chivu, Thiago Motta, Muntari, Forlán, Milito, Maicon, Sneijder ainda são activos muito atractivos a outros clubes europeus) poderá garantir ao clube o capital que necessita para renovar o ciclo do seu plantel com outros jogadores.Outros como Stankovic, Zanetti, Lucio e Samuel são jogadores cujo valor de mercado é actualmente nulo e nem interessa ao clube que saiam tão cedo visto que são enormes mais-valias nesse passar de testemunho à nova geração de jogadores como Obi, Alvarez, Crisetig, Poli, Luc Castaignos, Coutinho, Jonathan e Faraoni.

Creio que acima de tudo, o Inter quererá construir o seu núcleo duro para o futuro em alguns jogadores como Sneijder, Zarate, Pazzini, Obi, Ricky Alvarez, Rannochia e com os jovens que referi no último parágrafo, se bem que o Holandês está cada vez mais longe de permanecer no clube italiano. Para isso, Moratti e seus pares deveriam tomar decisões já em Janeiro, vendendo alguns activos de forma a contratar outros que possam adaptar-se ao clube e formar uma equipa coesa para a próxima época. É certo que em Fevereiro ainda haverá uma Champions para jogar. Mas se pensam que o Inter pode ir longe, creio que tais aspirações são mito.

2. Lille – Esperava-se claramente mais deste Lille. Para campeão Francês em título e com jogadores com a craveira de Eden Hazard, Pedretti, Mavuba, Obraniak, Joe Cole e Pape Sow, esperava-se um rendimento mais aceitável do Lille nesta fase de grupos. Acaba por sair pela porta do cavalo na competição e Hazard torna-se um jogador muito apetecível para os tubarões do futebol europeu atacar já em Janeiro visto que poderá jogar em qualquer competição dessa data em diante. O Manchester United, mesmo apesar da eliminação poderá já estar a fazer contas à vida para saber quanto irá pagar pelo passe do internacional Belga para colmatar uma posição onde este se irá encaixar na perfeição.

3. Seydou Doumbia e Alan Dzagoev – Duas promessas confirmadas do futebol. Não faltará muito para que o CSKA tenha propostas milionárias para arrebatar o que de melhor tem os russos neste momento para oferecer à grande europa do futebol.

4. Resultados que marcam este grupo:

4.1 – A derrota do Inter contra o Trabzonspor em Giuseppe Meazza na 1ª jornada por 1-0 e a consequente vitória na Russia frente ao CSKA por 3-2 num jogo muito sofrido em que Zarate saltou do banco para resolver. Dois resultados inesperados, sendo que o resultado na Rússia acabou por ser decisivo para os milaneses.

4.2 – O empate do CSKA em Trabzon a 0 bolas.

4.3 – A vitória do Lille na Rússia por 2-o ainda deu algum alento aos franceses mas a última jornada traria um empate bastante injusto contra os Turcos do Trabzonspor e consequente eliminação das provas europeias.

Grupo C

Dos valiosos pés de Nico Gaitán surgiu a magia que culminaria no golo de Cardozo e na vitória q.b do Benfica num grupo onde teve uma participação excepcional.

O jogo contra o Otelul Galati serviu efectivamente para isso: arrecadar mais 800 mil euros e confirmar a passagem aos oitavos-de-final na 1ª posição. Dentro de campo, continua a notar-se a diferença do nível exibicional do Benfica sem e com Pablo Aimar. Perdoem-me os Benfiquistas mas tenho que fazer uma ressalva: mesmo com Gaitán em grande forma, sem Pablo Aimar, o Benfica não tem metade do poderio ofensivo.

É ele que distribui jogo, é ele que encontra os espaços onde eles parecem não existir, é ele que fura as defesas quando estas se fecham no seu meio-campo, é ele que joga e faz jogar toda a equipa encarnada. Daí que seja notório que todos os maus resultados do Benfica nesta temporada se dêem quando o Argentino não se encontra dentro das quatro linhas.

O Otelul Galati acabou por ser o “isco fácil” que a UEFA lançou no meio dos tubarões de um grupo onde se previa que o Manchester alcançasse “de cadeirinha” a vitória, o que não veio nem por sombras a acontecer.

De potencial muito limitado, a equipa orientada por Dorinel Munteanu não tem arcaboiço para disputar esta competição e creio que não a disputará tão cedo no futuro.

Em futebol de alta competição, os erros pagam-se caros. Que o diga Alex Ferguson. Esta partida de St Jakob´s Park não foi mais de que o culminar de uma atitude errónea da turma de Manchester na prova e a vitória do querer, do sonho e do saber estar e jogar dos jovens jogadores suiços.

As palavras de Sir. Alex Ferguson na flash-interview que se seguiu à partida resumem efectivamente o que passou com o clube nos 6 jogos desta fase: “Of course we’re disappointed. The last few years have been outstanding and it’s a loss because it’s the best tournament in the world. It’s a marvellous competition. Losing the early goal was a big blow. When you’re away from home and 1-0 down you have a job to do and we didn’t take our chances. It’s big blow for us.”

Passo imediatamente para as observações do grupo:

Sobre o Benfica pouco há a dizer. O Benfica vence o grupo justamente porque foi a melhor equipa nos 6 jogos desta fase de grupos. Alcançou dois empates contra o United, sendo que em ambos os dois empates poderiam ser perfeitamente duas vitórias.

O Basileia é uma enorme surpresa. Em Old-Trafford já tinha dado o ar de sua graça ao colocar em sentido a equipa de Sir. Alex Ferguson. Contra o Benfica, pode-se dizer que a equipa suiça vendeu cara a derrota contra a equipa de Jorge Jesus. Na última jornada, fez das tripas coração e derrotou com classe o Manchester United, eliminando o campeão Inglês da prova.

Este sucesso do Basileia não é propriamente algo que tenha surgido ao acaso. O Basileia é uma equipa que comporta no seu plantel um mix de jovens e experientes jogadores. Pena é apenas que estes jovens jogadores não consigam evoluir muito mais para o clube no futuro pois decerto que serão vendidos no final da época. Falo de Steinhofer, Park Joo Ho, David Abraham, Alexander Dragovic, Cabral, Xherdan Shaqiri, Granit Xhaka, Valentin Stocker, Jacques Zoua e Fabian Frei. O casamento desta emergente geração de talentos da formação do clube e do futebol suiço casou muito bem com jogadores consagrados como Alexander Frei, Marco Streller ou o veteraníssimo Scott Chipperfield. E deste casamento sai um apuramento que é histórico para o clube.

Se eu fosse o director-desportivo de um clube grande europeu, começava a pensar em contratar alguns destes jogadores para a minha equipa. Ressalvas claro para as estrelas da companhia: Xhaka, Shaqiri, Dragovic e Fabian Frei, jogadores que em breve poderão colocar a Selecção Suiça na onda dos bons resultados e das participações em fases finais de Mundiais e Europeus.

Manchester United.

Muito há a dizer sobre a desastrosa participação do United na competição.

Começo pelo evidente: a construção do plantel e o empolgamento nas primeiras jornadas do campeonato. O plantel do United está desiquilibradíssimo. É um facto notório.

Começando pela baliza: Di Gea não está a aguentar a pressão de, para já, ser o substituto de Edwin Van Der Saar. Também é certo que os seus tenros 21 anos estão a ser decisivos para algumas más exibições que o espanhol tem evidenciado e obviamente para a sua progressão no clube no futuro.

Na defesa, Phil Jones foi um jogador muito caro para aquilo se tem visto dele. 22 milhões por um jovem que comete graves erros em todos os jogos em que joga é um risco que terá que ser assumido no presente por Ferguson. Johnny Evans, e os irmãos Da Silva são jogadores que estão a mais neste United. Smalling iniciou a época a todo o gás mas têm vindo a perdê-lo com o decorrer das partidas. Rio Ferdinand está velho, cansado e muito propenso a lesões. Vidic passa mais tempo no estaleiro do que a jogar. Evra tem vindo a decair ano após ano. A estratégia do United deve começar por aí: reformar adequadamente a sua defesa.

No meio-campo, com a saída de Scholes ficou um lapso enorme por emendar: o United não tem um organizador de jogo. Arrisco-me até a dizer que precisa de dois: um que saiba cumprir a função de trinco na perfeição e consiga fazer devidamente a transição defesa-ataque, o que Michael Carrick não faz e nunca fez e que Scholes fazia na perfeição, e outro mais avançado (um 10 puro) que consiga distribuir jogo pelos seus companheiros de ataque e encontrar espaços onde estes parecem não existir. Existem diversos jogadores que cumprem todos os requisitos que lhes são exigidos por semelhantes tarefas: para o primeiro posto, jogadores como Lee Cattermole, Enoh (Ajax) Fernando, Ever Banega, Mario Suarez (Atlético de Madrid), Cristian Ledesma (Lázio) Jack Rodwell (Everton) ou Steve Sidwell (Aston Villa) podem ser soluções viáveis para este United, se bem que o homem da Lazio e Ever Banega serão jogadores que não serão transaccionados por meia dúzia de trocos. Para a 2ª posição, o eleito de Ferguson é efectivamente Wesley Sneijder. É o jogador que encaixa perfeitamente nesta equipa e o Holandês verá com bons olhos uma possível transferência para Old Trafford. Outros como Marek Hamsik, Mario Gotze, Marko Marin, Paulo Henrique Ganso ou Luka Modric, também podem ser alvos desejáveis pelo Manchester United.

No plantel do United, existem diversos erros de casting. Não só os defesas que mencionei mas jogadores como Anderson (Ferguson apostar no brasileiro é bater no molhado) Darren Fletcher (ainda não consigo perceber como tem lugar no United) António Valência (22 milhões??!!) Wellbeck, Federico Macheda (um sonho de uma tarde) e Dimitar Berbatov (é bom, mas já deu para ver que por vezes está a mais).

Indo em concreto ao que se passou dentro das 4 linhas.

Ferguson pensou (qualquer treinador com o plantel que dispõe, com a dureza das provas que disputa em simultâneo, com o potencial em teoria dos adversários que iria enfrentar) em optar pelo rotativismo nesta fase de grupos para conseguir ter o seu plantel fresco para disputar todas as competições deste início de época. Tal rotativismo saiu-lhe obviamente furado: no campeonato dista a 5 pontos do líder; a liga dos campeões já era.

O 2º erro de Sir. foi obviamente ter inventado q.b nos jogos da equipa, adequando a equipa mediante a observação que fez (e que os seus olheiros lhe fizeram) das equipas na contenda: contra o Benfica na Luz optou por um meio campo de cariz mais defensivo, fazendo exactamente o mesmo nos jogos contra Basileia e Benfica em Old-Trafford, aliando tal facto, à poupança de jogos que referi no último parágrafo. Daí que Nani (indiscutivelmente o mais desiquilibrador da equipa) tenha sido relegado para o banco em 3 partidas, 2 delas com a importância que vieram a ter para este falhanço como são as de Benfica (fora) Basileia (casa) e Otelul Galati (fora).

O 3º problema que justifica a eliminação foi a clara atitude de apatia da equipa, exceptuando pequenos trechos de jogo em que o Manchester se viu aflito e tentou minorar as perdas: falo da 2ª parte contra o Benfica em casa e das 2ªs partes contra Basileia em casa e fora. Até contra a modesta equipa Romena do Otelul Galati, a equipa do Manchester venceu sem convencer.

Ferguson apanha assim o 2º escaldão desta época. Na semana passada havia sido a eliminação da Taça da Liga Inglesa frente ao Crystal Palace da 2ª divisão.

Tais factos e eventos culminaram nos resultados chave deste grupo: os empates contra o Benfica (volto a frisar que o Benfica podia ter ganho as duas partidas), o empate caseiro frente ao Basileia e obviamente a derrota de ontem em St. Jakob´s Park.

O Manchester salta para a Liga Europa e é obviamente para já o contender nº1 à conquista da prova. Mas, na Liga Europa, as coisas não costumam ser famosas para os clubes que saem da champions, por isso, tudo poderá acontecer.

Grupo D

O Real Madrid cumpriu o seu pleno nesta fase de grupos. 18 pontos com um score de 19-2.

Com Mourinho a aproveitar, em véspera de derby, para voltar a dar tempo aos menos utilizados (Nuri Sahin, Kaka, Esteban Granero, Raúl Albiol, Raphael Varane, Callejón, Hamit Altintop e o Português Pedro Mendes, jovem emprestado pelo Sporting ao Real) e para aproveitar para testar novamente Fábio Coentrão na direita tendo em conta a preparação do teste de sábado contra o Barcelona.

3-0 com golos de Callejón (2) e Higuaín num jogo (numa jornada, diria) envolta em polémica e que ainda poderá dar muito que falar.

1º pelos dois golos mal-anulados ao Ajax, que davam qualificação mesmo apesar de uma eventual derrota por 3-2.

2º pelo jogo de Zagreb, do qual falei mais à frente.

O Ajax fica pelo caminho, mas do pouco que vi desta equipa fica pelo caminho com a sensação de que poderia ter alcançado a qualificação, graças ao bom futebol (ao estilo holandês) que pratica. Os Holandeses tem novamente uma boa geração de jogadores para exportar, casos de Enoh, Erikssen, Lorenzo Ebecilio, Vurton Anita, Gregory Van der Wiel, Jan Vertonghen, Daley Blind, Nicolás Lodeiro e o inevitável Miralem Sulejmani. Outro facto que pude constatar é que dos 18 convocados por Frank De Boer para esta partida, os dois mais velhos neste plantel do Ajax são Dimitry Bulykin (32 anos) e Theo Janssen com 30. O 3º mais velho é o guarda-redes Vermeer e mesmo este já tem 6 épocas na equipa principal do clube de Amesterdão.

Não tenho palavras para descrever aquilo que se passou em Zagreb tal é a confusão que me ocorre na cabeça.

As contas do grupo eram simples: o Ajax passava se vencesse o Real. Passava se empatasse, passava caso o Lyon não vencesse na Croácia e passava caso perdesse 1-o e o Lyon vencesse por mais de 6 golos de diferença. O Ajax veio a perder 3-0 (score 6-6) e o Lyon venceu por 7-1, passando o seu score na competição de 2 (sim, 2!!!) golos marcados até então para um parcial de 9-7.

Em primeiro lugar não percebo como é que uma equipa conquista 8 pontos nesta prova e até à última jornada só tem 2 golos marcados, marcando 7 no último.

Depois, o jogo de Zagreb é recheadissimo de causalidades: em Amesterdão, o Ajax vê 2 golos mal-anulados que eram mais que suficientes para o seu apuramento. Em Zagreb, o Lyon (equipa que não anda a jogar nada esta época; equipa que tirando Gomis, Michel Bastos, Lisandro Lopez, Anthony Reveillère, Aly Cissokho e Yoann Goucourff não tem nada de jeito; equipa que na Ligue 1 em 16 jornadas já perdeu por 5 vezes e empatou outras 2, ocupando o 4º lugar a 7 pontos do líder Montpellier) começa a perder o jogo frente ao Zagreb aos 40″, consegue empatar aos 45 por Gomis e na 2ª parte, imagine-se consegue marcar 4 golos num espaço de 7 minutos, precisamente nos primeiros 7 minutos da 2ª parte.

Ou das duas uma: ou o jogo foi viciado (algo que já está sob investigação pelas autoridades francesas e pela própria UEFA, como se pode ver a partir destas notícias do Jornal Público aqui e aqui) coisa que não quero acreditar, mas que depois do escândalo Calciocaos em 2006 em Itália e nos pressupostos subornos que se faziam ao director-geral da Juventus de então (Luciano Moggi; entretanto condenado e banido temporariamente do futebol italiano) e a alguns atletas da Vecchia Signora como Buffon, Emerson, Zlatan Ibrahimovic e Fabio Cannavaro para que o clube fosse eliminado nos oitavos-de-final da Champions em 2006 pelo Werder Bremen (resultado que seria benéfico a uma casa de apostas pela quantidade de apostadores que tinha apostado no resultado contrário e resultado que praticamente se veio a consumar não fosse o facto de Emerson ter marcado um golo no último minuto num erro do guarda-redes alemão Tim Wiese que diga-se, quem tiver acesso a essas imagens poderá ver que o então internacional brasileiro não festejou um golo que dava o acesso aos quartos-de-final) me elucida que efectivamente existem outros interesses extra desportivos no futebol e não se deve colocar de parte um eventual cozinhado deste resultado do Lyon com a ajuda da equipa Croata, ou então foi tudo limpinho e os jogadores do Lyon mereceram os 7 golos.

No resumo da partida, necessitando para tal de comparar com o jogo que o Zagreb fez na 5ª Jornada em Santiago Bernabéu em que também foi goleado, reparei noutro aspecto interessantíssimo: em Madrid, o Real iniciou a goleada na 1ª parte, mas os jogadores do Zagreb, a jogar fora, até quiseram dar o ar da sua graça e na 2ª parte foram à procura de golos e conseguiram dois. Em Zagreb, os jogadores até inauguraram o marcador e depois do 2-1 e do 3-1 por parte do Lyon pura e simplesmente desinteressaram-se do jogo, havendo jogadores que não faziam qualquer oposição aos jogadores franceses.

Será obviamente um novelo que caberá à UEFA desvelar, para bem do jogo limpo que o organismo tanto preconiza e para bem da verdade no futebol.

Contas feitas: o Real e o Lyon passam aos oitavos-de-final, enquanto o Ajax vai para a Liga Europa. Era portanto o resultado que se previa neste grupo.

O Zagreb é daquelas equipas que se espera não voltar tão cedo à Liga dos Campeões. Pela espectacularidade que se quer na competição. 3 golos marcados e 23 sofridos é algo ridículo para uma equipa que disputa a Champions. É quase uma média de 4 golos sofridos por jogo.

Grupo E

Depois de uma semana complicada pela derrota na Taça da Liga frente ao Liverpool (outra vez) André Villas-Boas recebeu 2 novos balões de oxigénio: no sábado, a vitória em Newcastle por 3-0 e na terça-feira a vitória também por 3-0 frente ao Valência, com a consequente passagem do Chelsea aos oitavos de final da champions.

Pelo que vi, vi um Valência muito acutilante que tentou planar o seu futebol em Stamford Bridge mas não conseguiu aproveitar as suas oportunidades, e o Chelsea, do outro lado, a sair em venenosos contra-ataques e a consequir marcar todos os seus golos por culpa de erros dos defesas de ocasião do Valência.

Digo defesas de ocasião, vistos os problemas que os dois defesas Portugueses (Ricardo Costa e Miguel) estão a ter com o treinador Unai Emery.

Vamos por partes:

1. Ricardo Costa e Miguel estão castigados internamente pelo seu treinador. Ricardo Costa mantem um diferendo com Emery por algumas declarações menos conseguidas em que criticava as escolhas do seu técnico; Miguel, como é habitual, cumpre castigo interno por ter chegado atrasado a um treino.

2. A defesa que o Valência apresenta em Stamford Bridge, num jogo decisivo para as aspirações da equipa na prova, e, perante o potencial que é inegável do Chelsea, sem Ricardo Costa e Miguel chega quase a ser anedótica: Alberto Barragán, Adil Rami, Victor Ruiz e Jordi Alba. Tirando o Francês que os valencianos foram buscar ao Lille, os restantes são jogadores cuja qualidade é claramente duvidosa e sobretudo jogadores com pouca experiência para este tipo de jogos.

Caricato é, que serão Victor Ruiz e Barragan os grandes obreiros dos dois primeiros golos dos Blues na partida. Emery deve-se ter lamentado das suas rigorosas tomadas de opção e o Valência, apesar do bom jogo que fez (Soldado dispôs de uma oportunidade de golo; Albelda fabricou um golo praticamente feito num remate de longe que só um Petr Cech super inspirado travou num voo colossal) foi encaminhado para a Liga Europa.

Qual fénix renascido do mundo dos mortos, Didier Drogba volta-se a assumir como a primeira escolha para a frente de ataque do Chelsea, mesmo perante o espectro mais que iminente de saída do Chelsea (pode-se dar em Janeiro para o Qatar ou para a Rússia) dado que o Costa-Marfinense termina contrato no fim da época.

Oriol Romeu voltou a ser titular no Chelsea; André Villas-Boas parece estar apostado em dar mais jogo ao jovem médio que os Blues foram buscar por 5 milhões à cantera do Barcelona.

No outro jogo do grupo, o Leverkusen (apurado) empatou com o Genk a 1 bola. Golos de Jelle Vossen para os Belgas e Eren Derdyok para os Alemães.

O Valência ficou pelo caminho num grupo onde era dado como favorito à passagem. Os Valencianos caem de pé e mesmo apesar desta eliminação, continuam a realizar uma boa temporada.

O Chelsea passa o grupo com algumas dificuldades. Dificuldades essas que estão a seguir a tendência destes primeiros meses de AVB no clube. Creio que só haverá espaço para os blues melhorarem a sua equipa e acredito que em Janeiro poderão chegar mais reforços de peso a Stamford Bridge. Fala-se também que David Luiz poderá estar de saída do clube, depois de ter sido contratado em Janeiro ao Benfica. A Juventus poderá ser o destino do central brasileiro.

O Leverkusen foi claramente o outsider do grupo. Não quero com isto dizer que a equipa alemã não tenha potencial para tal. Uma equipa com jogadores como Ballack, Derdyok, Kiessling, Schurrle, Simon Rolfes, Lars Bender e Manuel Friederich não se pode dizer que seja uma equipa banal. O Leverkusen mostrou-se nesta fase de grupos como uma equipa agressiva (bem ao jeito alemão), persistente e acabou por se dar bem.

Como momentos deste grupo, ficam na retina o empate do Valência na Bélgica contra o Gent a zero bolas, o empate entre Valência e Chelsea no Mestalla a 1 bola num jogo em que o Valência poderia ter obtido a vitória, o empate do Chelsea na Bélgica contra o Gent e a vitória do Leverkusen em casa frente ao Chelsea no último minuto com uma cabeçada triunfante de Friederich.

 

Grupo F

O Olympiacos venceu por 3-1 o Arsenal. Arsène Wenger optou por fazer descansar alguns jogadores e colocar em campo outros menos rodados como Lukasz Fabianski, Alex Oxlade-Chamberlain, Sebastian Squillaci, Johan Djorou, Emmanuel Frimpong (mais um talento que Wenger tem aqui para trabalhar) Marouane Chamakh, Francis Coquelin e Yossi Benayoun. Seria o Israelita a marcar o golo dos Gunners.

Contudo, a vitória dos Gregos não foi suficiente para segurar mais do que a Liga Europa.

Jogo épico no BVB Stadium em Dortmund. Aos 85″, o Marselha estava fora da competição. Em 2 minutos tudo se alterou.

Depois de 2 golos da equipa alemã na 1ª parte (Błaszczykowski e Hummels), Loic Remy fechou o primeiro golo com o 1-2 para os Franceses. Andre Ayew aos 85 e Mathiew Valbuena aos 87 marcaram dois grandes golos que deram apuramento ao clube

Uma única observação: Com um grupo muito equilibrado, o Arsenal venceu com 11 pontos. Marselha, Dortmund e Olympiacos lutaram até ao fim pelo apuramento (se bem que as chances do Dortmund no último jogo eram quase nulas) mas no entanto, os campeões alemães decepcionaram-me com os resultados obtidos. Esperava muito mais deste Dortmund, mas, estes resultados também reflectiram o mau arranque de época que a equipa fez e cujos estragos (pelo menos a nível interno) estão a ser minorados. O Olympiacos vai para a Liga Europa, depois de merecer algo mais que o 3º lugar.

 

Grupo G

O jogo da desgraça no grupo da desgraça.

Contra o Zenit, o Porto exibiu-se a altíssimo nível. A sorte não bafejou os portistas num dos melhores jogos da época para a equipa de Vitor Pereira.

O Porto cai de pé na Champions, mas fica o amargo da boca de não ter passado esta fase de grupos. Isto porque era a equipa mais bem cotada e diga-se a bom da verdade, com o maior potencial das 4. Quis a própria competição que uma frágil equipa, de nome APOEL, ressuscitasse do mundo “dos chamados coitadinhos da europa” e conseguisse (com as armas que dispõe) ombrear com as restantes equipas, alcançando um apuramento que se deve considerar como histórico e estóico.

O Porto fez tudo bem. Circulo bem a bola, optou por uma estratégia de jogar pelos flancos, Hulk desiquilibrou várias vezes na direita e James Rodriguez voltou inclusive a aparecer depois de uma má fase exibicional. Faltou apenas o golo, golo esse, negado algumas vezes por uma besta de baliza chamado Vyacheslav Malafeev.

O Zenit limitou-se a aplicar o que ia na cabeça de Luciano Spalletti. Todos conhecemos perfeitamente os treinadores italianos. Todos conhecemos as estratégias que utilizam em alturas em que urge defender um resultado específico. Spalletti foi pragmático: necessitava de um empate. E veio ao Porto para jogar para o empate. Colocou o Zenit em campo sem uma única referência de área: Danny e Lazovic eram os homens mais adiantados. O meio campo foi reforçado com as inclusões de Shirokov, Faizulin, Semak e Denisov e posteriormente, já na 2ª parte com Bruno Alves à frente dos defesas e Konstantin Zyryanov. A missão era claramente a de tapar as alas do Porto, mas duas grandes exibições de Hulk e James furaram em certa medida o pensamento do treinador dos russos.

O Porto deve-se lamentar com as perdidas de James e de Djalma, as duas na cara do guarda-redes. Nem as substituições com a entrada de Kléber e Silvestre Varela trouxeram felicidade ao clube da invicta. Tal facto, acentua cada vez mais a necessidade do Porto se reforçar no mercado com um bom ponta-de-lança.

Olhando para as estatísticas do jogo, não consigo perceber como é que o Porto deixou fugir este jogo. 25 remates (9 dos quais à baliza), 10 cantos, 58\42 em posse de bola. Domínio territorial de 68% no meio campo do Zenit. Mas o futebol é assim mesmo…

No outro jogo do grupo, o APOEL perdeu em casa por 2-0  contra o Shaktar Donetsk. Luiz Adriano e Seleznyov marcaram os tentos da despedida dos Ucranianos das competições europeias nesta temporada.

O grupo 6 termina assim com o APOEL como vencedor do grupo e o Zenit como segundo. Volto a repetir que foi um apuramento histórico por parte dos cipriotas.

Como momentos chave deste grupo são de realçar:

1. A vitória do APOEL em Nicósia sobre o Zenit por 2-1 na 1ª jornada. Desde então, o APOEL aparece na disposição de não ser o bombo da festa do grupo.

2. A derrota na Rússia do Porto contra o Zenit. Um jogo para esquecer. Na mesma jornada, o APOEL vai “sacar” um empate à Ucrânia a 1 bola num jogo onde esteve a vencer por 3 minutos.

3. O empate do Porto em casa contra o APOEL quando se exigia uma vitória e a consequente derrota no Chipre, onde a equipa do APOEL defendeu praticamente o jogo todo (de modo organizado é verdade) e onde conseguiu vencer nos minutos finais com um golo de contra-ataque que podia ter sido evitado pelos portistas.

4. O empate entre Zenit e APOEL na Rússia. Mais uma vez o APOEL mostrou garra e crença na qualificação.

5. O empate no Dragão entre Porto e Zenit.

 

Grupo H

Sem muito para dizer neste grupo.

Tudo praticamente resolvido. Apenas existia a dúvida se seria o Viktoria Plzen ou o BATE a seguir para a Liga Europa. Será o campeão checo, possível adversário do Sporting.

No Barcelona vs BATE Borisov, Guardiola convocou 18 jogadores onde figuravam apenas 6 da equipa principal (Andreu Fontás, Pedro Rodriguez, Pinto, Maxwell, Thiago Alcântara e Gerard Piqué) 3 que já vem sido chamados regularmente à equipa principal (Isaac Cuenca, Marc Muniesa e Jonathan dos Santos) e outros 9 recrutados entre a equipa B do clube, com destaque para Marti Montoya, Martí Riverola, Sergi Roberto, Marc Bartra, Rafinha, Kiko Fermenia e Gerard Deulofeu.

Os miúdos deram bem conta do recado, já jogam o tiki-taka e despacharam os pobres Bielorussos do BATE (que tem nas suas fileiras Mateja Kezman) por 4-0 com golos de Pedro (2) Sergi Roberto e Montoya.

Um bom prémio para a geração do futuro dos Catalães.

No outro jogo, Plzen e Milan empataram a 2 bolas. Max Allegri também jogou com poupanças. Actuaram jogadores como Taiwo, Mexés, Pato (para ganhar ritmo competitivo após lesão) Ambrosini, Bonera, Emanuelson, Mattia Di Sciglio (jovem da cantera do Milan) e Bryan Cristante.

Alexandre Pato e Robinho colocaram os milaneses em vantagem aos 47 e 48″ mas um ímpeto final demolidor do Viktoria haveria de restabelecer a igualdade com golos de Bystron e Duris mesmo ao cair do pano.

Este grupo não merece grandes considerações visto que o resultado final era o que se previa: Barcelona em primeiro, Milan em 2º, ambos sem grandes dificuldades.

Anúncios
Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Antevisão da Bundesliga

Nos vários anos em que observei a Bundesliga, conclui que a Liga Alemã é a mais equilibrada e mais imprevisível Liga da Europa. Não é a única, dado que observo as mesmas características na Liga Francesa e noutras ligas europeias como a Holandesa (mesmo perante a existência de 3 equipas grandes, a pouco e pouco começaram a surgir vários outsiders a intrometerem-se na luta entre os grandes e a baralhas as contas da tabela classificativa).
Justifico o facto da Bundesliga ser equilibrada visto que apenas apresenta uma equipa com um potencial superior às demais. Essa equipa foi, é, e sempre será o Bayern. Pelas conquistas da sua história, pelo poderio da sua formação e pela superioridade financeiras às demais. No entanto, ser uma potência hegemónica na ordenação de clubes de um determinado país não é sinónimo de vitória garantida. A Bundesliga é exemplo disso. Embora a hegemonia pertença ao Bayern, existem meia dúzia de clubes que apresentam potencial para derrotar em qualquer ano a equipa Bávara (Borussia de Dortmund; Bayer Leverkusen; Werder Bremen; Estugarda) e recentemente começaram a aparecer equipas capazes de lutar pelo título e até vencê-lo: casos do Wolfsburg, do Hamburgo e do Schalke 04. Daí que a liga tenha tanto de equilíbrio como de imprevisibilidade, visto que nem sempre estas equipas fazem épocas regulares: ora lutam pelos primeiros lugares numa época e na outra, todo o seu potencial se transforma numa mísera luta pela sobrevivência no principal escalão do futebol alemão.

Basta olhar para o quadro de vencedores das duas éras do futebol alemão (era da pré-bundesligaera pós-bundesliga) para perceber o que acabo de dizer. O Bayern lidera destacadíssimo, perdendo em alguns anos para uma pequena elite muito equilibrada ao nível de potencial.

Num outro plano, um destes dias vi uma reportagem no programa Futbol Mundial da Sporttv ao Schalke 04. Na reportagem, os adeptos do clube Alemão falavam das poucas hipóteses do clube de Gelsenkirchen vencer a Bundesliga desta época. Falamos obviamente de uma equipa que conta nas suas fileiras com jogadores como Raul, Huntelaar, Benedict Howedes, Christophe Metzelder, Jermaine Jones, Juan Jurado, Joel Matip, Jefferson Farfán e Ciprian Marica e de uma equipa que no passado apesar de ter ficado num modesto lugar a meio da tabela com um campeonato super irregular chegou às meias-finais da Liga dos Campeões onde só foi ultrapassado por Manchester United e venceu a Taça da Alemanha. A justificação para as poucas probabilidades do clube eram simples: a extrema concorrência na Bundesliga de outras equipas com talento.

A época 20112012 da Bundesliga começou este fim de semana e depois de um ano muito mau, o novo Bayern de Jupp Heynckes apesar de não estar a defender o título de campeão mas assumindo-se como o principal favorito à vitória não começou da melhor maneira a campanha desta época ao perder na Allianz arena contra o Borussia de Moenchagladbach por 1-0. O campeão Dortmund começou por bater o Hamburgo em casa por 3-1. O Werder Bremen venceu em casa o Kaiserslautern por 2-0, o Bayer perdeu em Mainz por 2-0 e no jogo grande da jornada (sim porque na Bundesliga existem jogos grandes quase todas as jornadas) o renovado Estugarda bateu o Schalke por 3-0.

Passando à apresentação de planteis, peço desculpa por qualquer erro ortográfico ou frásico, informação errada ou mudanças futuras (até dia 31 de Agosto) nos planteis que passarei a enumerar de seguida:

Jupp Heynckes – Do Benfica ao Bayern.

O Bayern mudou de ciclo. Depois de uma época 20102011 frustrante em que o Bayern não conseguiu a regularidade de outros anos e em que a Liga dos Campeões não correu de feição aos Bávaros, que se apresentavam na competição como vice-campeões europeus, a direcção da turma bávara decidiu mudar de rumos despedindo Van Gaal e contratando o antigo técnico do Benfica. Técnico que desde já considero não ter grande potencial para orientar uma equipa desta dimensão. No entanto, o Bayern na Alemanha é como o Porto em Portugal: com a excelente organização interna do clube e os recursos possuídos, qualquer treinador arrisca-se a ser campeão.

Como é apanágio da política de contratações própria da equipa Bávara, o Bayern gastou q.b e voltou a apostar no mercado interno, sem que tivesse mexido na estrutura base do seu plantel.
De saídas a registar existem a de Hamit Altintop (saiu a custo zero para o Real Madrid de José Mourinho) jogador que durante algumas épocas funcionou como 12º jogador da equipa. Nunca foi um titular assumido na equipa bávara, sendo quase sempre o primeiro suplente a sair do banco. E por muitas vezes o internacional turco saiu do banco para resolver partidas ou ajudar a resolvê-las com as suas maravilhosas arrancadas e assistências para os poderosos avançados que o clube Bávaro sempre dispõe nas suas fileiras. Também saiu Miroslav Klose, em final de contrato para a Lázio. Klose foi sem dúvida um dos jogadores mais marcantes do Bayern nos últimos anos mas seguiu a leia natural de um jogador de futebol da sua idade e decidiu aos 35 anos ir experimentar outro campeonato.
De resto, exceptuando alguns jogadores jovens que saíram do clube como Ekici (para o Werder Bremen) saíram outros jogadores sem qualquer expressãoposição afirmada no clube, casos de Andreas Ottl e Andreas Gorlitz.

Com necessidade de reforçar convenientemente alguns sectores da equipa, o Bayern começou por reforçar a baliza contratando o super guarda-redes Manuel Neuer ao Schalke por 21 milhões de euros, o avançado de 23 anos Nils Petersen ao Borussia Moenchagladbach, o lateral direito Rafinha ao Génova por 5,3 milhões de euros num super negócio para a equipa bávara por acrescenta um lateral de enorme qualidade ao seu plantel. Surpresa foi a contratação do jovem médio centro japonês Usami por empréstimo do Gamba Osaka. Usami é considerado uma das jovens promessas do futebol nipónico e tenta espreitar o seu lugar na europa pela porta de um grande europeu. O defesa alemão (de origem ganesa) Jerôme Boateng (irmão de Kevin Prince Boateng do Milan) acabou por ser até já o último reforço dos bávaros. Boateng estava no City mas conhece muito bem o futebol alemão, onde brilhou no Hamburgo.

Tais alterações não vem alterar a espinha dorsal da equipa treinada por Heynckes mas sim aperfeiçoá-la em certos sectores considerados deficitários pelas saídas que tem ocorrido na equipa nos últimos anos. Caso do miolo da defesa, onde o Bayern viu partir nas últimas épocas dois centrais que marcaram uma geração e cuja equipa bávara parece ter dificuldades em arranjar substitutos da mesma qualidade: Lúcio e Demichelis. O Brasileiro Breno por exemplo ainda não confirmou as credenciais que levaram o Bayern à sua contratação. Por outro lado, o Bayern conseguiu formar um grande central: Holger Badstuber, uma dureza bastante elegante.

Se o Holandês não se lesionar com grande regularidade esta época, poderá levar novamente o Bayern ao título.

Jogadores como Lahm, Ribery, Robben, Schweinsteiger, Ivica Olic, Thomas Muller, Mario Gomez continuam a ter a preponderância decisiva nesta equipa. São bem secundados por outras opções de plantel como Diego Contento, o jovem Toni Kroos, Tymoschuk, Pranjic, David Alaba, o brasileiro Luis Gustavo e os recém contratados Usami e Nils Petersen.

Com este potencial, o Bayern contiua a ser destacadamente o favorito à vitória na Bundesliga. Veremos se a equipa será capaz de no final confirmar essas credenciais.

Borussia de Dortmund

O campeão Dortmund não precisou de mexer muito na sua estrutura. Equipa que ganha não se mexe. E a bom da verdade, esta é a melhor equipa do Dortmund desde a vitória na Liga dos Campeões na equipa onde jogou Paulo Sousa. Atenção, essa equipa era absolutamente fantástica. Para além do Português, havia Karl Heinz Riedle, Mattias Sammer, Andreas Moller, Jurgen Kohler, Stefan Reuter, Steffen Freund, Lars Ricken, Stéphane Chapuisat e era treinada por Névio Scala.

A equipa treinada por Jurgen Klopp comprou pouco e vendeu ainda menos. Aperfeiçou alguns sectores com as contratações do médio Croata Ivan Perisic (ex-Club Brugge) e do jovem defesa Julian Koch ao Duisburg. Apenas viu sair Nuri Sahin para o Real Madrid por 10 milhões de euros, o veterano lateral brasileiro Dêdê para a turquia numa fase da carreira do lateral em que este já não assumia a preponderância na equipa de outras épocas assim como a saída do avançado Rangelov, peça pouco usada por Klopp na época do título.

Mário Gotze – Uma promessa confirmada no futebol alemão. Poderá ser um dos jogadores alemães da década.

De resto, todas as variáveis mantem-se coeteris paribus na equipa de Dortmund.
Dois bons guarda-redes: Weidenfeller e Langerak.
Uma defesa de luxo com Subotic (para mim já é um dos melhores centrais do mundo) Hummels (já chegou à selecção alemã e faz uma excelente dupla com Mertesacker) Pisckek, Omoyela e Felipe Santana.
Um meio campo com Kehl, Kringe, Gotze (jovem talento emergente na época passada) o polaco Kuba, Perisic, Bender, Leitner, Antônio da Silva e o Japonês Kagawa. No ataque, o poderoso Lucas Barrios, o polaco Robert Lewandowski, o tecnicista Mohammed Zidan e Damian Le Tallec são promessa de poderio ofensivo traduzido em golos.

Ou seja, pouco mais há a dizer sobre o Dortmund. Parte como campeão, o que na Liga Alemã não é bom sinal pois exceptuando o Bayern, todos os campeões raramente fazem duas épocas excelentes. Só o tempo poderá demonstrar a capacidade deste Dortmund em conciliar a liga alemã com a Liga dos Campeões, onde como campeão alemão deverá querer ir longe.

Estugarda

O que acabei de dizer sobre o Borussia de Dortmund foi o problema do Estugarda na época passada, o do Wolfsburg na época anterior. Volto a repetir: excepto o Bayern, todas as equipas campeãs ou que se classificaram para a Liga dos Campeões não conseguem manter a regularidade na Bundesliga na época seguinte.

Foi o que aconteceu ao Estugarda. A liga dos Campeões acabou por destroçar o plantel da equipa Bávara. Tanto destroçou que o Estugarda (apesar de ter um plantel bastante interessante) teve até às últimas jornadas com o risco de descida de divisão pendente. O Estugarda (assim como o Schalke) da época
passada reforçou então o cariz destrutivo da Liga dos Campeões. É muito difícil obter bons resultados na liga nacional e nas competições nacionais quando não se tem um plantel coeso, com 2 boas soluções para cada lugar no onze. Estugarda e Schalke foram exemplo disso: uma foi eliminada logo da Champions e nunca mais recuperou de um mau arranque na Liga e a outra privilegiou uma competição em detrimento da outra em virtude dos resultados que ia obtendo.
Tais desaires manifestaram-se em muito na preparação desta época por parte da equipa alemã. Desde logo com a saída do seu principal jogador (Ciprian Marica) para o Bayern e a falta de liquidez para investir na sua equipa de futebol. Daí que as contratações do Estugarda tenham sido apenas o médio dinamarquês  Kvist (ex-Copenhaga) e o médioo Guineense Traoré do Augsburg da 2ª divisão, o avançado Schieber do Nuremberga e o defesa Rodriguez do PSV.
O Estugarda também deixou sair Trasch para o Wolfsburg.

Embora a equipa esteja mais frágil na frente do ataque com a saída de Marica, o Estugarda ainda pode contar com alguns jogadores de calíbre, casos dos defesas Molinaro, Tasci, Boka, Delpierre e Khalid Boulahrouz, os médios Kuzmanovic (decaiu muito desde a saída da Fiorentina) Gebhart, Gentner e Hajnal e os avançados Cacau e Pogrebnyak.

Não é uma equipa perfeita e nem sequer aparece na linha da frente dos candidatos ao título mas pode ser que este ano o Estugarda possa voltar às grandes exibições e quiçá a um lugar na Europa.

Wolfsburg

O que disse em relação ao Schalke e Estugarda, aplica-se ao Wolfsburgo.
A Liga dos Campeões, quando disputada sem um plantel recheado em soluções para cada posição pode ser destrutiva para qualquer equipa. Desde que foi campeão na época 20082009 e disputou a champions no ano seguinte, o Wolfsburg ainda não se conseguiu levantar e atingir resultados coadunantes com o que tem investido no seu plantel. Da obtenção desse título, muitos jogadores já voaram para outros clubes, caso do Bósnio Dzeko.

Felix Magath espera voltar a colocar o Wolfsburgo no topo do futebol alemão após duas épocas frustrantes.

A equipa da Wolkswagen entra em campo nesta época 20112012 com objectivos sérios e assumidos de forma expressa: voltar às competições europeias.
A receita reside novamente no comando técnico de um dos mais experientes e bem sucedidos do futebol alemão: Felix Magath. Magath inicia a época numa casa onde foi feliz em 2009. Contratado a meio da época pelo Wolfsburgo após uma experiência mal sucedida no Schalke 04, volta a querer lutar pelos primeiros lugares da Bundesliga.
O currículo de Magath fala por si: 3 bundesligas (2 pelo Bayern; 1 pelo Wolfsburgo) 1 taças da Alemanha (no Bayern, 2 se considerarmos que orientou o Schalke na primeira metade da época 20102011) 1 supertaça pelo Bayern. Para além destes factos, Magath é conhecido por métodos de treino duros e regras muito rígidas aos seus jogadores aquando dos momentos de competição, o que se comprova que é um treinador que preza a disciplina e o método como forma de se atingir o sucesso. Numa mentalidade completamente e Alemã. Numa mentalidade militar, tendo em conta o facto do treinador ser filho de um antigo militar norte-americano de origem Porto-Riquenha que cumpriu serviço na Alemanha.

Sempre com a bola coladinha aos pés, enfrenta cada adversário com dribles fáceis e estonteantes. Em forma e com a condição moral em alta, é um dos mais mortíferos criativos do futebol mundial.

O Wolfsburgo voltou a ir com alguma força ao mercado de transferências.
As saídas de alguns jogadores assim o motivaram, casos do avançado Grafite (encerrou uma época de ouro na turma alemã numa transferência para os Emirados Árabes Unidos; desfez-se portanto a dupla Dzeko-Grafite no Wolfsburg; Grafite encerra 4 épocas ao serviço do clube alemão com um total de 107 jogos e 59 golos) do médio Sascha Rieter (mudou-se para Colónia) e do extremoavançado Turco Tuncay Sanli que voltou a Inglaterra para representar o Bolton.
Todavia, as saídas podem não ficar aqui visto que Diego é muito cobiçado pelo Atlético de Madrid.

Para colmatar as saídas, o Wolfsburgo contratou o médio de 27 anos Patrick Ochs ao Frankfurt assim o defesa Russ, o avançado Croata Lakic ao Kaiserslautern, o médio polaco de 21 anos Klich aos polacos do Wisla Cracóvia e o experiente lateralmédio Hassan Salihamidzic à Juventus.

Mantém-se Diego Benaglio na baliza, Arne Friederich, Marcel Schaefer, Alex Madlung e Simon Kjaer na defesa. Kjaer é mesmo o patrão desta defesa do Wolfsburgo. Imperioso nas bolas aéreas e no desarme, muito em virtude do seu enorme porte.
No meio-campo Diego continua até ver, mas as suas épocas nunca mais foram as mesmas desde que saiu do Werder Bremen para a Juventus. Quanto voltou na época passada à Alemanha pensava-se que podia levar o Wolfsburgo ao topo do futebol alemão, mas o Brasileiro desiludiu durante toda a época. Continuam jogadores como Josué (internacional Brasileiro) Thomas Kahlenberg (é um portento de técnica este jogador dinamarquês) o Japonês Hasebe, o Venezuelano Orozco e o checo Polac. O Wolfsburgo tem portanto um meio campo recheado de qualidade e soluções para as mais diversas posições e escalonamentos tácticos que Magath queira inserir na equipa.

Na frente, o Wolfsburg perdeu muita força com as saídas de Dzeko e Grafite. À contratação de Lakic, mantem-se outro jogador croata (Mandzuric; jogador que marcou 8 golos na época 20102011 e que pode subir de rendimento este ano com a saída de Grafite) e o internacional Alemão Patrick Helmes, uma promessa completamente falhada do futebol alemão.

Mainz

Uma das equipas sensação da Bundesliga da última temporada.
A equipa comandada por Thomas Tuchel tem um plantel bastante engraçado. Não é nada do outro mundo mas permite ao treinador Germânico pensar num lugar confortável na tabela classificativa.

Nas contratações de pré-temporada, destaque para as aquisições do jovem ponta de lança de 22 anos Choupo-Moting ao Hamburgo, do avançado Deniz Yilmaz ao Bayern de Munique e do defesa alemão Malik Fatih ao Spartak de Moscovo. Saídas de Christian Fuchs e Lewis Holtby para o Schalke, duas peças essenciais na boa campanha do clube na Bundesliga 20102011.

No seu plantel, Tuchel poderá continuar a contar com os defesas Bo Svensson e Eugen Gopko, com os médios Elkin Soto e Andreas Ivanschitz e com os avançados Allagui, Ujah e Sliskovic.

Apesar do facto das duas saídas de revelo terem fragilizado esta formação, o Mainz não é candidato declarado à descida de divisão.

Werder Bremen

Símbolo do histórico clube alemão que se tem afundado depois de vários anos na alta roda do futebol europeu. Os fans mais efusivos da Alemanha esperam que o clube regresse aos bons resultados.

Thomas Schaaf (à semelhança de Magath no Wolfsburgo também terá a difícil missão de recuperar um clube que tem passado alguns anos de amargura) tendo como vantagem o facto de ser praticamente mobília do clube: o treinador alemão que enquanto jogador e técnico nunca conheceu outro clube que não o Werder Bremen é sem dúvida um dos que ainda acredita no amor à camisola e está desde 1979 nos quadros profissionais da turma alemã.

Como vantagem, Schaaf continua a ser um dos únicos em Bremen que sabe o que é jogar pelo Werder durante 17 épocas seguidas num total de 262 jogos oficiais, orientar o clube durante 12 num total de 445 jogos oficiais no banco de suplentes, vencer uma competição europeia (Taça das Taças em 1992) 3 Bundesligas (2 como jogador; 1 como treinador) uma Taça Alema, uma Taça da Liga Alemã enquanto treinador e 4 Supertaças (3 enquanto jogador e 1 enquanto treinador) para além de ter levado o clube por uma vez à final da Taça Uefa, onde os alemães apenas perderam frente aos Ucranianos do Shaktar Donetsk. É portanto um registo assustador que continua a dar confiança aos dirigentes do Bremen em apostar em Schaaf, mesmo após muitas épocas turbulentas em que o histórico homem de Bremen teve a porta da rua escancarada por várias vezes à sua frente por maus resultados. Falta portanto o título a Schaaf.

Este Werder Bremen aparece como um dos mais sérios candidatos ao título. Pelo plantel que dispõe terá que fazer muito mais do que a simples qualificação para as provas europeias.
Se é certo que o orçamento do clube tem vindo a reduzir e o clube foi obrigado a vender mais do que aquilo que tem comprado nas últimas épocas, a qualidade mantem-se. Já não existem jogadores como Diego, Ozil, Torsten Frings ou Hugo Almeida mas não é por esse facto que a equipa de Bremen não continua a apresentar excelentes plantéis para atacar a Bundesliga.

À semelhança das épocas anteriores, a época de transferências foi comedida em Bremen: perante as saídas de jogadores como Peter Niemayer (Hertha) Petri Pasanen (Salzburg) e Torsten Frings, o Bremen contratou o médio criativo Ekici por 5 milhões após o turco ter brilhado ao serviço do Nuremberga, fez regressar o avançado Sueco Marcus Rosenberg após empréstimo ao Racing de Santander, contratou o defesa Lukas Schmidt ao Schalke assim como o jovem médio de 19 anos Stevanovic ao clube de Gelsenkirchen, o experiente Andreas Wolf ao Nuremberga
e o central Grego Sokratis Papasthopoulos ao Génova de Itália depois de não ter conseguido o seu espaço quer na turma genovesa quer no AC Milan. A Bundesliga poderá dar outra sorte ao central grego. Das contratações do Bremen pode-se falar na aquisição de muitos jovens talentos, uns confirmados no futebol alemão, outros de alto risco. Daí que Stevanovic e Trybull vão rodar por outras paragens de forma a ganharem ritmo competitivo.

Mertesacker, o autêntico patrão da defesa do Werder Bremen e da Mannschaft.

A baliza continuará entregue a Tim Wiese, exemplo de longevidade no Werder. Aos 30 anos e após muita polémica em épocas anteriores, Wiese cumpre actualmente a sua 7ª época no clube alemão.
A defesa a cargo de Schaaf é recheada de talento. Com as contratações efectuadas para o sector, juntam-se jogadores como o polaco Boenisch, o experiente central brasileiro Naldo, o defesa esquerdo Clemenz Fritz, o central austríaco Prodl, o francês Mickael Silvestre (contratado a meio da época passada) e o autêntico patrão da defesa de Bremen e da Mannschaft Per Mertesacker, um dos únicos que ainda não abandonou o barco de Bremen com o passar dos anos. Com esta defesa, Schaaf só pode esperar segurança.

Marko Marin – Mais um médio brilhante na brilhante geração de médios da nova selecção alemã (Marin, Kroos, Khédira, Ozil, Gotze) – Exceptuando Khédira, todos se podem comparar pela técnica incrível, pela rapidez de movimentos, pelo drible fácil, pela versatilidade em ocupar diversos lugares do meio campo e assistir os avançados na perfeição.

O meio campo do Werder ainda deverá esperar um ou outro reforço até ao fecho do campeonato. O Brasileiro Wesley, Ekici, o talentoso Marko Marin (que qualidade de passe incrível) e o veterano Tim Borowski são titulares indiscutíveis nesta equipa. O jovem Bargfrede, o recém contratado Ignojovski ao OFK Belgrado da Sérvia e Aaron Hunt são poucas soluções para esta equipa, que mais uma vez tem um défice claro de alasextremos. Se bem que Marin poderá jogar encostado à direita e Hunt é um extremo puro, resta a solução Arnautovic para as alas. O Austríaco ainda não conseguiu cumprir o rótulo de craque que o levaram a transferir-se do Twente para o Inter de Mourinho na primeira época do Português em Milão mas nota-se que é um jogador com um nível técnico bastante elevado, ainda mais se tivermos em conta o facto de ser um jogador gigante. Faz-me lembrar Zlatan Ibrahimovic.

Arnautovic terá como colegas de ataque Claudio Pizarro (dispensa apresentações) Rosenberg e o seu compatriota Avdic e o jovem ponta de lança Sandro Wagner, que após a excelente prestação no europeu de sub-21 em 2009 ainda teima em afirmar-se na equipa. No entanto, o poderio físico de Wagner poderá ser muito útil para o Bremen esquecer Hugo Almeida. É portanto um ataque recheado de jogadores muito combativos e que fazem do seu enorme poderio físico uma arma às defesas contrárias.

Hannover 96

Mais um clube que pode fazer correr tinta nesta edição da Bundesliga.
O Hannover tem sido nos últimos anos um dos clubes mais regulares. Inicia esta época com o olhar (quem sabe) na Liga Europa.

Poucas mexidas no seu plantel: o defesa costa-marfinense Djakpa mudou para Frankfurt, o americano DaMarcus Beasley nunca confirmou na europa os créditos com que vinha da América e foi jogar para o Puebla do México. Nada de relevante.
Entraram o experiente defesa Christian Pander vindo do Schalke, o polaco Sobiech, e o internacional Norueguês Hauger (ex-Stabaek). Mantiveram-se portanto as linhas do Hannover 20102011 com jogadores como o guarda-redes Ron-Robert Zieler, os defesas Haggui, Pogatetz (duro como uma rocha!) Steve Cherundolo, e Christian Schulz, os médios Andreasen, Sérgio Pinto e Carlitos (o que passou pelo Benfica) o albanês Lala e os avançados Didier Ya Konan, Moa Abdellaoue e a promessa falhada Jan Schlaudraff.

O Hannover tem portanto uma defesa com alguma qualidade, arma que pode aproveitar para marcar pontos nesta Bundesliga e fazer uma campanha no topo da tabela classificativa. Na minha opinião, atendendo à concorrência que o clube terá pela frente será muito difícil cavar um lugar europeu, mas, não é um feito de todo irrealizável.

Borussia de Moenchagladbach

A equipa mais exportadora e internacional da Liga Alemã.
O Borussia sempre se caracterizou por plantes muito ricos em jogadores estrangeiros, jovens na sua maioria, descobertos por uma boa rede de scouting em todo o mundo. É um dos clubes com mais dificuldades na Bundesliga, variável que tem sido o mote para pouco investimento num clube que nos últimos anos poucas épocas tranquilas teve na Bundesliga e chegou mesmo a ir à Bundesliga 2. A Aposta recaiu portanto na contratação de jovens jogadores para os vender às melhores equipas da Alemanha. Tornou-se sustentável. Falta-lhe dar o salto para voos maiores no futebol alemão, facto que será extremamente complicado devido às consequentes renovações de plantel ano após ano que a sua política de vendas incute.

Este é o quadro do Borussia de Moenchagladbach nos últimos 15 anos. Infelizmente. O Borussia é um dos clubes históricos da Alemanha, mesmo apesar das sucessivas descidas de divisão que aconteceram desde 1996. Num passado muito distante venceu 2 Taças Uefa e 5 Bundesligas ( todas na década de 70).

Neste defeso, saíram o guarda-redes belga Logan Bailly para o Neuchatel Xamax da Suiça, o avançado Nils Petersen para o Bayern, o Argelino Matmour e o Brasileiro Bamba para o Frankfurt e o médio Michael Fink para o Besiktas.
Entraram o avançado Joshua King por empréstimo do Manchester United, o jovem avançado Australiano Leckie via Adelaide United, o lateral-esquerdo Oscar Wendt do Copenhaga (muito cobiçado em Alvalade, era um dos trunfos eleitorais de Godinho Lopes) o avançado Argentino Bobadilla (ex-Aris) o médio internacional Norte-Americano e uma das estrelas do futebol americano Michael Bradley vindo do Aston Villa (Bradley é um médio centro muito forte com um excelente sentido de organização de jogo) e o Japonês Otsu, vindo do Kashima Antlers.

Permanecem o Belga Filip Daems, os defesas Dante e Stranzl, os médios Neustadter, Marx, o Noruguês Nordveit, o experiente e talentoso nº10 Venezuelano Juan Arango e os acutilantes avançados Igor de Camargo, Mike Hanke e Idrissou.

Perante as contratações efectuadas, os jogadores que permanecem no Borussia de Moenchagladbach e o primeiro jogo onde a equipa foi vencer com muito mérito (principalmente defensivo) o Bayern de Munique ao Allianz Arena por 1-0, pode ser que este ano seja o ano de reafirmação do Moenchagladbach na Liga.

Nuremberga

Um histórico adormecido do futebol alemão.
À semelhança do Moenchagladbach, fez furor no passado. No presente, vai à Europa de vez em quando assim como também já foi fazer uma visita à 2ª divisão na época de 20082009, num ano em que precisamente defrontou o Benfica a eliminar na Uefa.

Ao contrário das épocas europeias do Nuremberga, a nova direcção do clube tem apostado muito pouco na contratação de nomes importantes do futebol alemão (sejam alemães ou estrangeiros, preferindo apostar em jogadores germânicos que deram cartas em equipas menores e sobretudo na prata da casa. Para a adopção dessa política, muito contribuiu a descida do clube ao escalão secundário do futebol alemão.

Mais saídas do que entradas no clube: desde logo a de Ekici para o Werder, do eslovaco Mintal para o Hansa Rostock após várias épocas em Nuremberga, do avançado Schieber para o Estugarda, do defesa Wolf para o Werder Bremen, entre outros jogadores. Ao todo, saíram 19 jogadores do quadro profissional da equipa. Entraram 8. Destaques para as contratações do médio Markus Feulner (ex-Dortmund) do ponta-de-lança Checo Pekhart (ex-Sparta de Pragahomem que começa a prometer muitos golos) e do médio Hegeler (ex-Leverkusen).

A tendência alterou-se neste clube. Ao contrário das épocas das boas campanhas do clube ao nível interno, caracterizadas pela aquisição de bons atletas estrangeiros, a base deste Nuremberga é essencialmente germânica e vinda da formação do clube. Ao todo, nos 27 atletas da equipa, apenas 8 jogadores são estrangeiros.
Destaques para o lateral Sueco Per Nilsson, para o defesa central Javier Pinola (jogador que há muitos anos passou pelo Racing Santander e Atlético de Madrid B) para o experiente médio defensivo Simmons (fez grande carreira no PSV) para Markus Feulner, para o centro campista Judt, para o Israelita Cohen (claramente o criativo da equipa) para o avançado Eigler (poderia ter rumado a um clube com mais ambição) para o Suiço Bunjaku e para o jovem avançado Eslovaco Mak.

FC Augsburg

Equipa que volta ao convívio dos grandes muitos anos depois da última participação na Bundesliga.

Vendeu alguns dos seus baluartes, importantíssimos na súbida de divisão, casos do defesa Sinkiewitz, do médio Traoré (agora no Estugarda) do jovem médio Bertram (Hamburgo) e do jovem médio Austríaco Leitner que irá tentar chegar ao patamar da Bundesliga no campeão Dortmund.

A contratação mais sonante foi o médio Holandês de 24 anos Lorenzo Davids ao NEC.

No seu plantel, destaques para os laterais Verhoag e Sankoh, para o médio esquerdo Japonês Hosogai, para o Canadiano Marcel De Jong, para o Zambiano Sinkala, e para o Angolano naturalizado Alemão Nando Rafael.

Esta equipa terá muitas dificuldades em escapar à despromoção.

Freiburg

Mais uma equipa que terá um campeonato muito modesto.
Poucas saídas, poucas entradas. Nenhuma de relevo.

No seu plantel, destaque para os jogadores Beg Ferati (ex-Basileia) o médio Jan Rosenthal, o nº10 Romeno Nicu e o avançado Eslovaco Jandrisek.

Hoffenheim

Vedak Ibisevic continua a ser o bombardeiro de serviço do Hoffenheim.

Analiso esta equipa do Hoffenheim como um conjunto de alguns talentos prematuros que apareceram no futebol alemão e não conseguiram obter o seu lugar nas grandes equipas, aproveitando o clube para relançar as suas carreiras.

Desde o ano da súbida da equipa ao principal escalão do futebol alemão, o Hoffenheim tem feito épocas bastante interessantes (no ano de estreia, a equipa desta modesta cidade chegou a liderar a Bundesliga até à 9ª jornada) estando a trilhar um caminho de evolução que poderá muito bem culminar no final desta época numa ida às competições europeias.

O início desta época é sinónimo de uma mescla de jogadores de várias nacionalidades nesta equipa. Nos 29 jogadores que ainda perduram no plantel do Hoffenheim, existem jogadores de 11 nacionalidades. Exceptuando os jogadores que transitaram da época passada, o Hoffenheim apostou numa política de contratações de jovens jogadores como o avançado Shipplock (ex-Estugarda) o defesa Fabian Johnson (ex-Wolfsburgo) o guarda-redes Belga ex-Genk Castels, Knowledge Muzona (avançado ex-Kaiser Chiefs da África do Sul) o avançado internacional Ganês Prince Tagoe (ex-Partizan) e fez regressar o jovem médio argentino Zuculini, emprestado ao Racing de Santander onde acabou por também não ser muito feliz. Zuculini é uma jovem promessa que se estreou na Liga Alemã aos 17 anos e tarda em despontar.

O Hoffenheim não conseguiu o empréstimo do lateralala esquerdo Alaba, promessa austríaca que voltou ao Bayern e perdeu o defesa esquerdo Raitala para o Osasuna que foi colmatar a saída de Monreal para o Málaga.

Quem acabou por não vingar na Alemanha foi o Brasileiro Carlos Eduardo. O jovem médio custou na altura da sua contratação ao Grémio um balúrdio aos cofres do clube alemão (17 milhões de euros) mas acabou não confirmar as credenciais que o apelidavam do novo Ronaldinho Gaúcho do futebol Brasileiro. Acabou por ser transferido na última época para o Rubin Kazan da Rússia, onde apenas efectuou 6 jogos.

No que toca ao seu plantel, mantém-se as presenças do lateralcentral internacional Alemão Andreas Beck, do experiente central croata Josip Simunic, o Ganês Vorsah, o central Austríaco Ibertsberger (a Áustria tem uma excelente fornada de defesas e quase todos os da sua selecção jogam na Alemanha) o esquerdino Edson Braafheid (antigo jogador do Bayern) que é um lateral esquerdo que ataca muito bem mas tem muitas dificuldades a defender e o jovem central dinamarquês Vestergaarde, grande promessa do futebol Dinamarquês, que conseguiu saltar dos juniores do Brondby directamente para o Hoffenheim.

No meio campo, destaques para o trinco Rudy, para o ala Islandês Sigurdsson (transferiu-se em 2010 do Reading) para o jovem Brasileiro Roberto Firmino e para Franco Zuculini, o estratéga desta equipa.

Ryan Babel tenta relançar a sua carreira algo atribulada na Bundesliga ao serviço do Hoffenheim.

No ataque, boas soluções para as alas com o Holandês Ryan Babel e com o rápido Nigeriano Chinedu Obasi. Na frente, para além de Muzona e Shipplock, o Hoffenheim poderá contar com o seu goleador Ibisevic, com o poderio físico de Tagoe e do seu compatriota naturalizado alemão Peinel Mlapa, mais um jovem muito possante do ponto de vista físico com 1,93m.

Preve-se portanto um Hoffenheim com um estilo de jogo flanqueado onde os laterais Brafheid e Vorsah e os Alas Babel e Obasi tentarão ganhar muitas vezes a linha de fundo para servir os seus fortes avançados. Tem garantia de sucesso esta equipa.

Hertha de Berlim

Depois do descalabro da descida (em ano europeu) a equipa de Berlim está de volta aos grandes palcos com uma equipa capaz de saltar novamente para a europa.

O Hertha, como se sabe, é um clube com uma capacidade financeira invulgar. Estádio cheio, toda uma cidade virada para o clube. Depois de uma descida algo estranha, o Hertha volta à Bundesliga como uma equipa muito melhor do que aquela que defrontou o Benfica há 2 épocas atrás para a Liga Europa. Não digo que o Hertha consiga chegar à Europa neste seu pujante regresso, mas, na minha análise, os homens de Berlim reforçaram muito bem a sua equipa e construiram um plantel bastante interessante.

Desde logo pelas entradas de Andreas Ottl (ex-Bayern de Muniqueum jogador bastante agressivo que pode fazer os lugares de defesa-centrallateral-direitoala-direito, médio defensivo e centrocampista) do guarda-redes de 23 anos Thomas Kraft (ex-Bayern) do tecnicista Torun (ex-Hamburgo) para a frente do ataque e do centro campista Niemayer e(ex-Werder Bremen) jogadores que vieram colmatar a saída de jogadores que estavam claramente a mais neste plantel da turma de Berlim: Hartmann (foi para o Alemania Aachen) Valeri Domovchiyski (internacional Bulgaro que não foi feliz na sua passagem por Berlim vai para o Duisburg)e Pal Dardai (o internacional Húngaro terminou carreira aos 35 anos).

Os reforços juntam-se a jogadores como Christian Lell (mais um formado nas escolas do Bayern que não agarrou o seu espaço nos Bávaros) o central Georgiano Kobyashvilli, o defesa-esquerdo Checo Hubnik, o central croata Mijatovic, o central ex-Académica e Braga Káka que voltou de empréstimo aos bracarenses, os médios Raffael e Ronny (ex-Sportingcumpriu o desejo de se juntar ao irmão em Berlim depois de nunca ter sido grande opção no Sporting) o médio centro Ebert, o organizador de jogo Lustenberger e os avançados Adrián Ramos (é mexido, deu-me boas impressões na Copa América) Nikita Rukyavitska (é um jogador que tem evoluído bastante desde que saiu do Twente, ao ponto de já ser titular na Selecção Australiana) e o poderoso avançado canadiano Rob Friend (1,95m de altura, 93 kg de peso).

O antigo internacional alemão Markus Babbel é o treinador do Hertha.

Mladen Petric é o mestre na equipa do Norte Alemão.

O Hamburgo para mim é a maior decepção desta Liga Alemã. Decepção pelo simples facto de ter uma equipa maravilhosa e não conseguir atingir os títulos que os seus adeptos há tanto tempo reclamam.

Mais uma vez, o Hamburgo manteve a qualidade a que nos habituou no seu plantel.
Saíram alguns jogadores importantes casos de Piotr Trochowski (a custo zero para o Sevilla) Jan-Eric Choupo-Moting (sem grande espaço no Hamburgo, teve que mudar para o Mainz) Joris Mathisen (saiu a custo zero para Málaga assim como Ruud Van Nistelrooy) Tunay Torun, McCauley Crisantus (rumou a Frankfurt) Jonathan Pitroipa (vendido ao Rennes) e Zé Roberto (foi para o Qatar). Muita veterania e juventude da qual o Hamburgo abriu mão, ora pelos elevados salários, ora por falta de espaço no plantel.

Nas entradas, boas contratações para a equipa comandada por Michael Oenning. Desde logo a entrada do jovem formado no Chelsea e internacional sub-21 pela Inglaterra Michael Mancienne. Três jovens seguiram as pisadas do central de 23 anos, trocando o clube inglês pelos Alemães: Jacopo Sala, o lateral direito Holandês Bruma (tem lugar de caras em qualquer plantel de premier league) e Gokhan Ture. Numa aposta em jovens de talento, entraram também o Norueguês Skeljbred (ex-Rosenborg) o guarda-redes internacional Austríaco Hesl, e Soren Bertram (ex-Ausburg). O Hamburgo decidiu dar nova hipótese ao internacional Sueco Marcus Berg, um avançado bastante talentoso que ainda não provou o epíteto de “novo Larsson” na Alemanha. Berg tem 24 anos e é um finalizador nato.

As contratações juntam-se a um conjunto de estrelas bastante interessantes para a Liga Alemã:
– Na baliza, o checo Drobny e Hesl irão lutar pela titularidade.

– Na defesa, excelentes soluções para as 3 posições. Bruma e o costa-marfinense Demel para a direita. Mancienne, Westermann, Stepanek e Besic para o centro da defesa, e Aogo e Dickmeier para a esquerda.

Rincón – veio em 20092010 por empréstimo a meio da época para dar rotatividade ao meio-campo do Hamburgo perante a boa campanha na Taça Uefa e acabou por ficar na turma Alemã onde hoje é indispensável no meio campo.

No meio-campo, Marcell Jansen pode jogar à esquerda e até recuar a defesa caso seja preciso. Tem como alternativa Robert Tesche e Anis Ben-Hatira, jogador que também pode actuar na direita, a 10 ou a avançado. É um talento em bruto do futebol alemão. Os trincos serão o Venezuelano Rincón, o Checo Jarolim (também pode actuar a 8 ou 10 ou à direita mas a opção correcta será colocar o checo a transportar o jogo da equipa aproveitando a sua enorme qualidade no passe) Skeljbred o Sérvio Kacar (nº10 puro) e à direita, as alternativas primordiais são o rápido Castelen ou o tecnicista Eljero Élia, cuja transferência para uma grande equipa da europa voltou novamente a adiar-se. Já se falou que José Mourinho o pretendia no plantel do Real Madrid.

Uma vida dedicada ao Hamburgo. É um matador por excelência. De mal amado no início da sua carreira tornou-se peça indispensável na manobra atacante do clube alemão.

Na frente, um autêntico festival de golos é aquilo que os adeptos do Hamburgo esperam e estão habituados. Mladen Petric, José Paolo Guerrero, Marcus Berg e o coreano Son-Heung Min dispensam apresentações.

Perante este poderio ao nível de soluções só resta mesmo uma hipótese a Oenning. Vencer.

Bayer Leverkusen

Michael Ballack – o eterno futebol de força e técnica que me seduziu. Um dos melhores jogadores que vi actuar no meu tempo.

Mais uma época para o Bayer Leverkusen tentar alcançar a Europa. Mais um plantel recheado de qualidade, capaz de ir do 8 ao 80.
Poucas saídas e poucas entradas. Saíram Demagoj Vida (teve na lista de contratações do Sportingnão se deu bem com a Alemanha e voltou à croacia para representar o Zagreb) e Arturo Vidal (um defesa-esquerdomédio centro Chilena com um potencial incrível para a Juventus. É um excelente armador de jogo, dotado de um pé esquerdo do outro mundo).

Entraram alguns jovens para uma equipa que começa por ter um guardião excepcional: o internacional Alemão René Adler.

Na defesa, destaque para o defesa direito Daniel Schwaab, para os laterais esquerdos Gonzalo Castro e Stefan Reinartz e para o central Manuel Friedrich.

Tranquillo Barnetta – uma qualiade técnica impressionante e um pontapé de longa distância temível.

No meio campo, o possante Simon Rolfes deverá jogar com Ballack e Tranquillo Barnetta como homens mais criativos. Lars Bender também é um excelente suplente, podendo render Ballack ou Barnetta. Renato Augusto é outro dos criativos da equipa, mas continuará a jogar na direita do ataque, devendo Barnetta fazer a esquerda do meio campo. É portanto um meio campo de luxo.

Andre Schurrle – O novo talento da dianteira alemã e do Bayer Leverkusen. O Bayer não olhou a meios para ter o antigo jogador do Mainz, pagando 8 milhões de euros pelo seu passe.

No ataque, a jovem vedeta da Mannschaft Andre Schurrle, o avançado da nova geração alemã com Stefan Kiessling, jogador que já garantiu há muito o seu lugar na selecção alemã e Eren Derdyok, um avançado do qual não sou fã ao nível de características e pelo facto de ser muito perdulário. No entanto, o Suiço é um homem a ter em conta.

Liga europa é o mínimo que se pede a esta equipa.

Kaiserslautern

Longe dos bons anos realizados nos anos 90. Muito longe dos tempos em que lutava pelo título e lá conseguia lugares na europa.

Não deverá ir além da luta pela manutenção.

Um bom guarda-redes: Kevin Trapp.

Dois ou três defesas de qualidade: Jan Simunek, o veterano Alexander Bugera e os brasileiros Rodnei e Lucas Silva.

No meio-campo, Gil Vermouth é um extremo bastante rápido e Christian Tiffert é um bom organizador de jogo.

Na frente, Richard Sukuta-Pasu promete ser um quebra cabeças para as defesas adversárias. O internacional sub-21 pela Alemanha tenta relançar a sua carreira no Kaiserslautern.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,