Tag Archives: Hubocan

futeboladas

Começando pela Liga dos Campeões e pelos dois jogos de quarta-feira:

O Benfica foi à Rússia com a espinhosa missão de se bater contra o “fresco” Zenit de Luciano Spalletti.

Jorge Jesus sabia perfeitamente das dificuldades que iria encontrar na Rússia: a juntar à frescura física dos jogadores do Zenit, motivada por 2 meses de interregno, condições climatéricas muito pouco agradáveis, um estádio cheio de adeptos russos a puxar pela sua equipa e um estado de terreno completamente lastimável que faz repensar quanto à postura da UEFA na autorização de jogos de altíssima importância neste tipo de palcos.

Do Zenit as expectativas vinham de encontro a uma equipa que defende e ataca em bloco, um pouco à imagem do estilo de jogo desde sempre promovido por Spalletti, capaz de fechar cerebralmente na defesa e tornar-se impermeável perante perigos como Gaitán e Aimar. Na batalha russa, os jogadores do Benfica honraram o símbolo e até poderiam ter desencantado mais que o 2-3, que, apesar de ser uma derrota não deixa de ser um resultado óptimo para o jogo de lisboa daqui a 2 semanas.

Houve espaço e tempo para tudo: para bons golos, para golos esquisitos (o de Cardoso e o 3º do Zenit) e para um amarelo inconcebível para Aimar que com este amarelo ficará impossibilitado de dar o seu contributo na 2ª mão, pesar para Jorge Jesus que contaria com o 10 para abrir a defesa russa no Estádio da Luz.

Na 2ª mão, prevejo um Zenit a jogar em Lisboa na mesma tarimba do jogo que estes russos foram fazer ao Dragão na fase-de-grupos: a defender muito e bem, a cortar os espaços aos criativos do Benfica, a pedir o envio de bolas aéreas para a sua área onde os seus centrais (Hubocan; Bruno Alves; Lombaerts) são mestres e dão conta do serviço e a sair rapidamente em contra-golpe, onde aliás o Zenit tem dois excelentes motores: Semak e Lazovic.

Aimar não irá jogar e o seu lugar será ocupado por Witsel (se Jesus quiser avançar o belga para fazer de falso Aimar, ou seja, medir os tempos de jogo do ataque do benfica) ou por Gaitán, caso Jesus pretenda que o ala opte por utilizar a sua rápida incursão nas defesas adversárias com a sua velocidade e rasgo de 1 para 1.

Para finalizar, creio que o Benfica irá conseguir na 2ª mão um resultado que lhe permita seguir em frente na prova.

No outro jogo da noite, Wenger deverá ter saído de San Siro com a clara ideia de que “a vida no futebol é mesmo assim”.

Não foi propriamente um bad day at the office, porque Wenger sabia perfeitamente que os seus meninos iriam sucumbir perante a maior experiência dos milagres e perante o claro ascendente de forma do Milan, ainda para mais galvanizado por uma remontada caseira no terreno da temível Udinese no fim-de-semana.

Quando se metem meia dúzia de miúdos frescos nestas andanças ao pé de Seedorfs, Ibras, Boatengs Robinhos e companhia, o resultado é mais que previsível: ora o Sueco, ora o Brasileiro, “comeram de cebolada” a defesa dos gunners e facilmente chegaram à vantagem que lhes permite fazer gestão em Londres.

O primeiro golo de Boateng é um golaço. O Ganês volta em grande forma de lesão. Tem feito uma época brilhante a todos os níveis. No 2º, Sagna estendeu a passadeira a Ibra. Tudo fácil. No ataque, os gunners foram simplesmente inofensivos. Eliminatória resolvida.

Liga Europa:

O Sporting foi à polónia empatar em Varsóvia a 2 bolas. Sá Pinto pôs alguma ordem na casa e esperemos que este empate seja o início de um ciclo de paz dentro do clube. Exibição pobrezinha num terreno difícil que esteve mais para descambar em derrota do que em vitória. Curiosamente, os dois golos leoninos pertenceram a dois dispensados de Domingos que entraram na 2ª parte: Carriço e André Santos. O último fez um golo que jamais se esperava daqueles pés e que efectivamente dá muito jeito para a partida da 2ª mão. No entanto, com este Sporting é preciso sempre utilizar uma intensa dose do factor “cautela” visto que a coisa ainda não está resolvida.

Já o Porto fez um bom jogo contra o Manchester City. Um jogo que se pode dizer que apenas tenha pecado por algumas infantilidades defensivas como a de Maicon (deixou em linha o jogador do city) no lance do 2º golo da equipa de Mancini.
Na primeira parte, o Porto realizou um dos melhores 45 minutos da época. Com Hulk um pouco escondido entre os centrais do City, Lucho pôs ordem no meio campo e foi uma delícia ver o argentino a servir (com passes a rasgar com régua e esquadro) Varela e James nas alas. O golo de Varela é de facto um bom exemplo ilustrativo do bom futebol da primeira parte portista. Depois, imperou o poderio técnico e individual dos ingleses, a sua capacidade de sofrimento e sobretudo a sua capacidade física perante um meio campo portista esgotado.

Do Dragão também surgem notícias da eventual gravidade de uma lesão contraída por Danilo. 18 milhões a voar na enfermaria…

1-2 é um resultado que na minha opinião põe o Porto fora da Europa. Na conferência de imprensa, Vitor Pereira, obviamente, tentou afastar a hipótese de se atirar a toalha ao chão e afirmou que vê os seus jogadores a vencerem por 2-0 em Manchester. Para consumo interno e para aumento de moral dos atletas, é um discurso que qualquer treinador na situação de Vitor Pereira deverá ter. No entanto, na prática, as coisas não são bem assim… O Sporting que se cuide porque é o seguinte.

O Manchester United resolveu a questão no Amesterdam Arena frente ao Ajax. Sir. Alex Ferguson perdeu António Valência numa fase em que o Equatoriano andava (finalmente!!) a fazer boas exibições. No entanto, o resultado obtido supera a ausência de Valência nos próximos encontros. Ashley Young e Chicarito (depois de uma fenomenal jogada de Wayne Rooney) arrumaram com a questão…

Radamel Falcao. What else?

Outros resultados de relevo:

1. A vitória gorda do Metalist Kharkiv no terreno do Salzburg. Muito cuidado com esta equipa da Ucrânia.

2. A vitória fora do Valência no Brittania Row com um golão de Mehmet Topal. Ganhar ao stoke não é tarefa fácil, muito menos no Brittania Row… O Valência meteu o Stoke com um pé fora mas Pennant, Walters e Crouch irão querer ter uma palavra final no assunto no Mestalla.

3. A vitória do PSV Eindhoven em Trabzon contra o Trabzonspor por 1-2.

Anúncios
Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,