Tag Archives: Fernando Gomes

Que se prepare para voltar aos relvados na próxima eusébio cup

Irreal. Irracional.

Os amigáveis de clubes que se disputam por esta altura em todo o mundo são jogos cuja nomeação da arbitragem para os mesmos pertence às federações do país onde se realizar o jogo ou a uma onde um dos clubes intervenientes seja afiliado. Como tal, se o árbitro dessa partida, agredido pelo jogador do Benfica, decidir escrever o incidente no obrigatório relatório de arbitragem da partida, será aberta uma queixa na UEFA por parte da federação em causa (neste caso a Alemã) e poderá ser estabelecida uma punição para os clubes (Dusseldorf e Benfica) e para o jogador que agrediu.

Desde que acompanho a sério o futebol, só me lembro de uma situação do mesmo género e outra, que pode ser dada como análoga:

1. O enfant terrível do fascismo Paolo Di Canio (aquele que saudou uma vez os irreducibile laziale com a saudação fascista de Mussolini) na irónica época de 1997\1998 ao serviço do Sheffield de Wednesday, depois de se ter pegado com o central do Arsenal Martin Keown, empurrou o então arbitro internacional Paul Alcock depois de ter visto cartão vermelho. A FA castigou o jogador italiano com uma suspensão de 11 jogos e uma multa de 10 mil libras.

2. Um ano antes do incidente protagonizado por Di Canio em Inglaterra, o actual treinador do Sporting Ricardo Sá Pinto, tendo a notícia que não estava no lote de convocados de Artur Jorge para os encontros de então da Selecção Nacional, dirigiu-se ao Jamor e agrediu com socos o seleccionador nacional da altura (Artur Jorge) e o seu adjunto (Rui Águas). Depois de um longo processo contencioso na FIFA, onde a FPF apelou ao organismo internacional para que punisse de forma exemplar o jogador do Sporting, a mesma acabou por se decidir por 1 ano de suspensão do atleta, exclusivo à participação em competições organizadas pela FPF. Esse facto levaria o Sporting a procurar um novo clube para o atleta e a transferi-lo para a Real Sociedad, onde pudesse continuar a sua carreira.

Visto que o futebol é uma arca cheia de momentos e histórias, é de relembrar que o capitão do Benfica já protagonizou uma cena no passado com um antigo companheiro de equipa, situação à qual passou impune na justiça desportiva:

Estavamos a meio da temporada 2007\2008 num jogo disputado no Estádio do Bonfim entre o Vitória de Setúbal e o Benfica. Com os sadinos a vencer a partida, Luisão e Katsouranis desentenderam-se no relvado e estiveram perto de trocar uns mimos. O arbitro dessa partida optou por não expulsar os dois jogadores como determinam as leis do jogo para casos de agressões dentro e fora do relvado.

Já que estou numa de analogias, num futebol mais evoluído que o Português, na época 2004\2005, dois jogadores do Newcastle (Kieron Dyer e Lee Bowyer) tiveram uma atitude semelhante, esbofeteando-se no relvado como podemos ver pelas imagens do video abaixo postado:

Sem meias medidas, o arbitro da partida expulsou os dois atletas e a FA voltou a ter mão pesada no desfecho do caso, punindo os dois jogadores com 3 jogos de suspensão.

No que toca ao incidente desta tarde no jogo entre Dusseldorf e Benfica:

1. Dado que o carácter amigável do jogo e a nomeação da arbitragem pela Federação Alemã, caso o árbitro da partida decida escrever o incidente no relatório de jogo (não vão Rui Costa ou o LF Vieira fazer a habitual visita ao balneário do árbitro) levará a que a federação germânica comunique a intenção da UEFA abrir um processo disciplinar ao capitão encarnado. Até porque Luisão é o capitão de equipa e o lema da UEFA pelo “respeito” no futebol deverá garantir que os capitães das principais equipas europeias sejam os primeiros a praticar o respeito pelas leis do jogo. Dúvido portanto que esta situação passe em claro aos olhos da instituição que guia o desenrolar do futebol europeu.

2. A própria FPF deverá fazer uma visita ao passado e ao caso específico de Ricardo Sá Pinto. Se um murro num seleccionador nacional valeu 1 ano de suspensão, o que deverá valer um empurrão num árbitro? Esperemos que a instituição presidida por Fernando Gomes volte a demonstrar a força de pulso que Gilberto Madaíl e seus pares demonstraram aquando do caso do agora treinador do Sporting.

Luisão poderá começar a pensar em comprar o red pass para os jogos do Benfica no Estádio da Luz. Estou seguro que só o voltaremos a ver jogar na próxima Eusébio Cup.

Anúncios
Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Quem não tem dinheiro não tem vícios

“Manifestámos a nossa disponibilidade para, juntamente com a Liga (de clubes) e Sindicato (de jogadores), reforçar ou renovar do fundo que já existiu para as provas profissionais. O anterior era de 300 mil euros. Provavelmente, terá o mesmo valor”

Fernando Gomes, presidente da Federação Portuguesa de Futebol

Mais uma vez, os organismos que dirigem o futebol português tentam passar um paninho limpo por cima da merda que emerge do futebol português.

Não quero com isto dizer que não aprove que os ditos organismos criem um fundo de apoio para ajudar os futebolistas que passem dificuldades económicas porque a solidariedade entre uma classe profissional começa exactamente com este tipo de gestos. É importante realçar o exemplo espanhol no que toca a estas matérias: sempre que existe um clube incumpridor nas competições profissionais ou amadoras, a coisa não se resolve apenas com declarações, abandonos ou rescisões por parte dos jogadores desses mesmos clubes. Mesmo que o clube incumpridor seja de 3ª divisão, são os grandes rostos do futebol espanhol que saiem em defesa dos direitos dos seus colegas de profissão mais fragilizados. Foi o que aconteceu no passado mês de Agosto quando os clubes profissionais espanhóis ameaçavam greve às primeiras jornadas dos campeonatos profissionais por incumprimento contratual de alguns clubes de 2ª liga. Não estavam em causa o pagamento dos salários nos planteis de Barcelona, Real Madrid ou Valência. Todavia, seriam Iker Casillas (Real Madrid) Carles Puyol (Barcelona) ou Frederic Kanouté (Sevilla) os rostos de proa que falavam à frente das televisões nacionais e internacionais pelas reinvindicações dos jogadores afectados pelo flagelo do incumprimento salarial.

Esta decisão por parte da FPF é portanto mais uma medida que visa incutir a irresponsabilidade aos dirigentes dos clubes de topo do futebol português pelos seus péssimos erros de gestão. ” Vamos gastar mais um bocadito daquilo que não temos. Se não pagarmos as nossas obrigações perante os nossos jogadores, alguém o fará, sem que a participação nos campeonatos profissionais esteja afectada” – João Bartolomeu e a União de Leiria foram o caso mais crasso de um clube que andou mais de uma década a gastar aquilo que não podia, sem que no entanto, a Liga tivesse mão no assunto e impedisse o clube Leiriense de participar nas provas profissionais. Foi preciso chegar ao ridículo de actuar com apenas 9 jogadores (4 dos quais juniores) para que finalmente a Liga pusesse o clube fora de uma escalão ao qual os Leirienses não tinham capacidades para participar desde 2002. E infelizmente, na 1ª liga, o Leiria não foi o único incumpridor (crasso) durante a temporada passada.

A solução, a meu ver, passa pela apresentação logo no início de época (por parte dos clubes) de garantias bancárias que confirmem que os ditos tem capacidade para fazer face às suas despesas ao longo da época. Se não tiverem essas mesmas garantias, a Liga deve actuar com a exclusão de participação na divisão correspondente ao dito clube. Não se trata apenas de um modo sancionatório para incumpridores ou possíveis incumprimentos mas preventivo para que se ganhe responsabilidade no mundo da gestão futebolística profissional.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , ,

justiça

A FA decidiu punir o Uruguaio do Liverpool Luiz Suarez por insultos racistas proferidos ao defesa-esquerdo do United Patrice Èvra no último jogo disputado entre reds e red devils.

A FA, neste tipo de casos, costuma ter mão bem pesada e com toda a razão. Em Portugal, fazem algumas semanas que aconteceu exactamente o mesmo entre 3 jogadores de 2 clubes (Javi Garcia, Alan e Djamal). Fez-se muito alarido na imprensa. Falaram os jogadores envolvidos, colegas, treinadores, conhecidos e até presidentes. A Liga de Fernando Gomes não abriu sequer uma investigação para chamar à letra os envolvidos.

Aí reside uma enorme diferença entre o futebol português e o futebol de outros países.

Suarez deverá ter chamado “preto” a Évra e foi punido com 8 jogos.

George Weah deu um soco a Jorge Costa depois de este lhe ter chamado “preto de merda” e apesar de ter sido ilibado pelas instâncias judiciais desportivas ainda cumpriu alguns meses de suspensão enquanto a pena não transitava em julgado nas mesmas.

Na época 2004\2005 Paolo Di Canio fez a saudação nazi em dois jogos da Lázio (Roma e Livorno) tendo sido suspenso por 1 jogo na 1ª vez e por 8 na 2ª com multas de 10 mil euros nas duas ocasiões.

John Terry ainda está a ser investigado por insultos racistas a Anton Ferdinand e arrisca-se a uma pena que pode ir dos 4 aos 8 jogos.

Carlos Queiroz foi despedido do comando técnico da Selecção Sul-Africana em 2002 por alegadas queixas de jogadores sul-africanos de que o técnico português era racista no tratamento pessoal e profissional dos jogadores negros da referida selecção.

Em 2006, António Carlos Zago, antigo defesa da Roma e da selecção Brasileira chegou mesmo a ir ao banco dos reús por alegados insultos racistas proferidos a meio de um jogo a Jeovânio, jogador que na altura jogava pelo Grémio de Porto Alegre.

Laurent Blanc foi alvo de um processo disciplinar em 2010 por parte da Federação Francesa depois de ter proferido comentários que alegadamente foram interpretados como racistas.

Não é portanto à toa que as instâncias mundiais e europeias que mandam no futebol apregoam os valores do respeito, da igualdade étnica e da luta contra o racismo no futebol. A interpretação destes valores acarreta obviamente várias interpretações, diria, tantas quantas federações existem no mundo do futebol. É certo que a inglesa, a italiana, a francesa, a brasileira, a sul-africana actuaram na medida exacta contra os casos que acima mencionei. Não é uma questão de criticar a Federação Portuguesa de Futebol e a Liga de Clubes pelo seu comportamento no que toca a estes casos, mas o que é certo é que no que toca a esta problemática, os nossos organismos ainda são pequeninos. E consequentemente as mentalidades no nosso futebol ainda são pequeninas.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

tachadas

Leio no Record que Gilberto Madaíl ganha enquanto Presidente da Federação Portuguesa de Futebol 13580 euros por mês e Fernando Gomes, enquanto Presidente da Liga de Clubes 12180 euros.

Pago pelos contribuíntes nacionais, Gilberto Madaíl aufere mais que o primeiro-ministro e que o Presidente da República.

Percebem agora porque é que Madaíl ficou tantos anos no cargo e nunca quis largar o tacho?

Percebem agora porque é que Fernando Gomes quer ir para a Federação?

Com as etiquetas , , , , , , ,