Tag Archives: Drew Gooden

8 seguidas e uma derrota!!

Vou escrever sobre as últimas 7 dos Bulls para o campeonato.

Para começar, a nota prévia: Os Bulls já lideram o campeonato com um score de 33-9. No entanto tem mais 2 jogos que Oklahoma.

Para ser mais especifico, porque existiram pequenos dados individuais de cada jogo diferentes e até porque o único denominador comum de 5 destes 6 jogos foram as grandiosas exibições que Derrick Rose, vou escrever jogo-a-jogo:

New Orleans Hornets no dia 28. Scottie Pippen, como sempre, na plateia.

Contra um adversário que está a fazer uma má-época (perdeu os seus dois principais activos: Cris Paul e David West; no entanto ganhou outro que andava tapado nos Clippers, caso de Chris Kaman) os Bulls tiveram de soar até ao último minuto para conseguirem a vitória. Quem mais poderia trazer a vitória senão Derrick Rose? 32 pontos e 9 assistências no dia em que Richard Hamilton regressou à competição (seria sol de pouca dura).

Joakim Noah iniciou aqui o melhor ciclo da temporada com 15 pontos e 16 ressaltos. Noah tem conseguido mais de 15 ressaltos quase todas as partidas e está numa forma impressionante. Luol Deng fez 14 pontos e 11 ressaltos.

San Antonio Spurs no Texas no dia seguinte.

Previa-se um autêntico duelo entre dois dos melhores bases do campeonato: Tony Parker do lado dos Texanos, Derrick Rose no lado de Chicago. No 1º período, os dois chocaram num lance e Rose ficou agarrado ao joelho. Temeu-se o pior no banco de Chicago mas o base voltaria 1 minuto depois à partida. E voltaria para abafar por completo a mediocre exibição de Parker. Spurs ainda sem Ginobili (voltaria no domingo frente aos Spurs) e com Duncan em clara evidencia: 18 pontos e 10 ressaltos.

Parker ficou-se pelos 11 pontos, 9 ressaltos e 6 assistências, vendo Rose do outro lado facturar 29 pontos. Noah foi aos 3 ressaltos e o jogo acabou ser recheado em triplos (15; 7 para Chicago, 8 para San Antonio). Apesar de Rose ter guiado Chicago ao triunfo com as suas fantásticas incursões ao cesto (o típico um contra todos) também são de realçar os 37 pontos no banco, particularmente, os 12 importantíssimos pontos de CJ Watson (10 deles no 2º período onde o jogo teve mais tremido para Chicago). Incrivelmente, nessa partida, quando Watson estava a jogar bem, Thibodeau resolveu-o mandar para o banco. Mais uma daqueles decisões incompreensíveis daquele que foi considerado no ano passado o treinador do ano da Liga.

Esta vitória acabou também por ser histórica: os Bulls já não venciam em San Antonio desde 2003, ou seja, desde o ano em que tinha nas suas fileiras Kirk Hinrich.

No dia seguinte, Cleveland Cavaliers.

De facto, foi mais um jogo aborrecido de se ver em que os Bulls dominaram desde o minuto inicial. Muito facilitou o facto dos Cavs estarem a jogar sem os seus dois melhores jogadores: Kyrie Irving e Anderson Varejao. O primeiro teve uma lesão que o impediu de actuar durante 1 semana enquanto o segundo está parado fazem algumas semanas.

112-91 foi o resultado final do jogo. Para a história, 2 parciais em que a equipa de Chicago ultrapassou os 30 pontos. Luol Deng foi o melhor marcador da partida com 24 pontos. Derrick Rose somou 19 e Ronnie Brewer (tem actuado muito bem nos últimos jogos) fez 13 pontos.

No passado domingo, Philadelphia 76ers fora.

Na bagagem, os Bulls levavam como recordação a derrota pesada que tinham sofrido no mês de Janeiro no mesmo local por 18 pontos de diferença.

Com um domínio assente por parte dos Sixers nos primeiros dois períodos, alicerçado por duas boas exibições ao nível de lançamento (Jrue Holiday e Elton Brand) a 2ª parte traria um Rose endiabrado: 35 pontos e 8 assistências, com 12-22 de lançamento de campo e 4 triplos incluídos no pacote. Rose fez de tudo na partida: incursões assustadoras ao cesto, triplos, bons lançamentos a média distância e maravilhosas assistências para os seus companheiros. Dos 96-91, nota-se vendo o boxscore que os Bulls alicerçaram a vantagem através da sua concretização de 3 pontos: 7 contra apenas 1 de Philadelphia.

CJ Watson voltaria a lesionar-se com alguma gravidade a meio da partida.

À semelhança dos 76ers, os Indiana Pacers causaram um bom efeito na equipa de Tom Thibodeau. No entanto, a “vingança” contra os Pacers centrar-se-ía na vingança sobre uma derrota caseira, por sinal, a unica derrota obtida no United Center.

Na antevisão da partida contra a equipa de Larry Bird (é proprietário da equipa da sua cidade natal) Derrick Rose tinha dito à comunicação social que devido à derrota caseira do mês de Janeiro estava ansioso por voltar a jogar contra a equipa de modo a conseguir um “payback”.

Indiana, baseando a sua estratégia defensiva num método de aniquilação do jogo de Rose, conseguiu alguns resultados fazendo uma marcação individual ao base dos Bulls. As coisas estiveram equilibradas durante a primeira parte, ou seja, quando Rose conseguiu apenas 2 dos 13 pontos na partida. Foi de facto um dos piores jogos de Rose esta época, saldado no fim com 13 pontos e 9 assistências. No entanto, o colectivo dos Bulls mostrou-se e a equipa superou a marcação ao base: Luol Deng fez 20 pontos e 6 ressaltos, Ronnie Brewer fez 12 pontos Taj Gibson 10 e perante a ausência de CJ Watson, John Lucas saiu do banco no 2º e no 4º período para fazer 13 pontos.

A remar contra a maré, Paul George foi o melhor shooter de Indiana com 21 pontos. David West fez 11 pontos e 9 ressaltos (o habitual) mas não se mostrou hábil no tiro (4 em 11 lançamentos de campo). Desilusão foi ver o grande player de Indiana Danny Granger em dia mau com apenas 10 pontos.

O saldo final iria redundar numa vitória estrondosa por 92-72.

Em casa de um adversário que ainda luta por uma vaga nos playoffs (Milwaukee) os Bulls tiveram um bom teste para uma eventual ocasião em que possam ter que defrontar os Bucks a doer.

Mais uma grande joga da dupla Derrick Rose\Joakim Noah: o base conseguiu um tremendo score individual de 30 pontos, 8 ressaltos e 11 assistências, estando muito perto do triplo-triplo novamente. O poste obteve 20 pontos e 18 ressaltos.

Do lado de Milwaukee, Brandon Jennings esteve mal. Lançou muito (4 em 11) mas só obteve 10 pontos. Quem se destacou foi precisamente Drew Gooden (jogou por Chicago entre 2007 e 2009) com 27 pontos e o turco Ilyasova com 32 pontos e 10 ressaltos. O poste baixo está a melhor a cada ano de liga que passa.

Depois deste enorme périplo, no único jogo que eu não vi, Orlando bateu Chicago por 99-94. Graças a um parcial 38-21 no 1º período, Orlando conseguiu gerir o resultado, mesmo apesar do facto de Chicago ter posto a diferença dos Magic a 5 pontos ao intervalo.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Bulls vencem em Nova Iorque

Noite cheia de groove na meca do basquetebol: o Madison Square Garden.

Apesar do óbvio que é o meu sentimento pelos Bulls, confesso que tenho uma admiração muito forte pelos Knicks. Pelo que representa Nova Iorque, pelo cosmopolitismo da cidade, pelo Madison Square Garden como meca do basquetebol norte-americano e pela história que o Franchise apresentou e continua a apresentar.

Spike Lee na primeira fila, a comandar as tropas dos seus Knicks, a prostestar com a arbitragem e a mandar vir com os jogadores adversários. É quase um espectáculo dentro do espectáculo. Para quem viu, Craig Sager, o reporter da TNT com os seus momentos bizarros. O basket em Nova Iorque é uma alegria.

Perante duas equipas históricas da Liga, com dois bons roosters (apesar do posto na tabela classificativa ser uma realidade quase antagónica) estavam os ingredientes reunidos para que existisse um bom espectáculo, o que veio a acontecer.

De um lado os Bulls, ainda com alguns problemas de plantel motivados pelas lesões de Luol Deng e Ric Hamilton. As lesões tem sido uma constante na equipa de Tom Thibodeau, pelo que os Bulls não alinham com as cartas do baralho todas em cima da mesa há 14 jogos consecutivos. Deng, Noah, Rose, Hamilton e Watson tem sido os mais fustigados por lesões neste primeiro terço de época.

Os Bulls vinham de uma série intermitente. Derrota caseira frente a Indiana (a primeira em casa), vitória em New Jersey, derrota em Miami, vitória frente a Washington e derrota em Philadelphia.

As derrotas, todas contra equipas que estão a jogar muito bem e estão a revelar inclusive aspirações aos primeiros lugares da conferência. A derrota em Philadelphia foi copiosa. A derrota em Miami poderia ter sido vitória não fosse o facto de Derrick Rose ter escandalosamente falhado dois lançamentos de lance livre no último minuto, quando até esse momento tinha efectuado 12 em 12.

Derrick Rose tem vindo a assumir mais preponderância na equipa, tendo feito mais de 30 pontos em 4 dos últimos 5 jogos.

Do outro lado uma equipa de Nova Iorque que está a realizar um péssimo campeonato para as suas pretensões e real qualidade e que, consequentemente, começa a ser questionada não só pela comunicação social mas inserida em notícias que dão conta que os seus responsáveis estão a pensar desmantelar a equipa já este ano dado a uma certa insatisfação com o ambiente que se vive no MSG.

A equipa está Melo dependente, é um facto notório e a imprensa tem apontado deficiências no método de treinar de Mike D´Antoni, que para mim é incontestavelmente um dos melhores treinadores da Liga e acima de tudo, um gentleman da competição.

As capacidades de Stoudamire estão a ser postas em causa, algo que o poste está a relativizar com excelentes exibições dentro de campo (ainda ontem mais uma frente aos Bulls), Melo tem dias, Tyson Chandler só agora é que se está a habituar ao estilo de jogo da equipa, Baron Davis e Mike Bibby são inexistentes porque passaram mais tempo no estaleiro do que dentro de campo e Landry Fields\Iwan Schumpert tem sido jogadores muito valiosos dentro da equipa em tempos de vacas magras.

Toney Douglas tem sido aquilo que em Nova Iorque se tem aproximado de base. Baron Davis e Mike Bibby passam mais tempo no banco e na sala de fisioterapia do que em campo. Fields é escasso para Shooting Guard, apesar de ser um jogador tecnicamente muito interessante e um bom triplista.

Stoudamire? Para onde pode ir? Orlando em troca com Howard, sabendo que nessa situação Nova Iorque terá que despachar mais 2 jogadores de qualidade que neste momento não tem dado que Melo, Chandler são inegociáveis, Bibby e Davis ainda agora chegaram e estão sempre lesionados.

Melo? Quem poderia querer Melo Anthony? New Jersey? Não tem capacidade de troca. Boston? Não tem capacidade de troca. Detroit? Não tem capacidade de troca. Memphis? Não tem capacidade de troca a não ser a dupla Gasol\Gay e mesmo assim não estou a ver Nova Iorque a vender melo ou a ver Melo a ir para Memphis. LA Lakers? Dúvido, dada a obecessão por Howard.

Outra pergunta que me ocorre. Não seria melhor, pelo espírito colectivo da equipa ter abdicado da contratação de Melo pela construção de uma equipa à volta de Gallinari e Felton, como está a ser feito e com bons resultados práticos por Denver?

Quanto ao jogo em si:

Jogo extremamente bem disputado, com um período inicial de parada e resposta. Notas para o começo de exibição de Amare Stoudamire e Landry Fields e para a resposta que vinha de Chicago através dos triplos seguidos de Karl Korver. O shooting guard tem alinhado de início e Tom Thibodeau não tem visto gorada a oportunidade que tem dado ao antigo jogador dos Utah Jazz. O catch and shoot do base é um autêntico balão de oxigénio para Chicago de vez em quando. Ora para aliviar desvantagens ora para aumentar vantagens.

Stoudamire no seu melhor desta época. Sou um apreciador das suas qualidades. Não é um jogador tecnicamente perfeito. Mas é atleticamente perfeito. Dá tudo o que tem em campo. Leva tudo e todos à frente, afunda, lança bem ao perto, ao longe e também consegue triplos de vez em quando. E aquele que sido o melhor jogador da última época (LeBron James) acaba por ser um jogador da mesma linha, só que, muito mais portento da natureza que Amare.

No 2º período, um pouco mais de Rose e de Melo. Melo acabaria com 26 pontos e 6 ressaltos. Rose seria novamente o homem-chave de Chicago com incríveis 32 pontos e 13 assistências. Rose contribuiu para 63 dos 108 pontos da equipa.

Ao intervalo, os Bulls lideram por 55-44.

Na 2ª parte, os Knicks aproximaram-se gradualmente do marcador, graças aos pontos de Melo e Stoudamire, acabando mesmo no último período por encostar os Bulls a sucessivos empates e vantagens inferiores a 4 pontos.

Do lado dos Bulls, realce para as exibições de:

Carlos Boozer – Não se deu por ele em campo na maioria do tempo, mas o seu lançamento em fuga à rectaguarda voltou a dar resultados com 16 pontos e 9 ressaltos.

Joakim Noah – Mais um good-day at the office com 10 pontos e 9 ressaltos. Três combinações base-poste com Rose foram deliciosas. Teve dificuldades em defender Stoudamire.

CJ Watson – Um bom 2º período com 10 pontos de rajada.

Karl Korver – Catch and shoot. 16 pontos. 3 triplos e outros que mais de 2 pontos.

Jimmy Butler – Perante as ausências, o rookie de Chicago deu o seu contributo como pode. Defendeu Melo e pode-se dizer que o secou no 4º período. Fez 7 pontinhos bem preciosos. Está a crescer.

Em Nova Iorque, exceptuando Melo e Stoudamire:

Tyson Chandler – Apagado q.b. Ainda está à procura do melhor ritmo dentro da equipa. 9 pontos e 8 ressaltos.

Landry Fields – Alguns triplos e outras boas incursões para o cesto. É o melhor da rectaguarda dos Knicks na ausência de Davis e Bibby.

Iwan Schumpert – Perante as ausências têm que fazer frete de point guard quando é shooting guard\shooting forward. É um atirador puro. as na falta de melhor e na existência de Toney Douglas…

Passando para outras análises:

Estão lançadas as bases para o All-Star Game\All-Star Weekend.

O publico, entre os quais eu e a maralha da Liga PT da ESPN Fantasy League, fomos alguns dos milhões de amantes da NBA que votámos no 5 base que a equipa da Conferência Oeste e a equipa da Conferência Este irão alinhar dia 26 em Orlando.

Eu confesso que votei algo como: Rose, Wade, James, Bosh, Howard no Este e Nash, Westbrook, Durant, Bryant e Kevin Love no Oeste.

No entanto os escolhidos pelos votantes foram: Rose, Wade, James, Carmelo Anthony e Dwight Howard no Este e Chris Paul, Kobe Bryant, Kevin Durant, Blake Griffin e Andrew Bynum.

Os suplentes serão escolhidos pelos treinadores nas próximas semanas sendo que do Este os 7 suplentes oscilarão entre Rajon Rondo, David West, Kevin Garnett, Ray Allen, Paul Pierce, Greg Munroe, Deron Williams, John Wall (talvez jogue nos rookie vs sophomores) André Iguodala, Elton Brand, Amare Stoudamire, Tyson Chandler, Carlos Boozer, Luol Deng, Kyrie Irving (rookies vs sophomores infelizmente) Chris Bosh, Danny Granger, Joe Johnson e Josh Smith.

Aposto em 7 suplentes como Rondo, West, Pierce, Williams, Stoudamire, Deng e Joe Johnson.

No Oeste, os suplentes poderão ser Westbrook, Felton, Gallinari, Ginobili (se recuperar) Duncan, Tony Parker, Nowitzky, Kidd, Carter, Gasol, Marc Gasol, Rudy Gay, Nenê, Kevin Martin, Monta Ellis, Steve Nash, Ricky Rubio (também alinhará no rookies vs sophomores)

Aposto em 7 suplentes como Westbrook, Raymond Felton, Tony Parker (dúvido que Ginobili recupere) Dirk Nowitzsky, Marc Gasol, Rudy Gay e Steve Nash.

 

Quanto a outras equipas da Liga:

Philadelphia – Não deixam de surpreender pelo actual 3º lugar da Liga. Iguodala está a jogar bem como sempre, Brand nem por isso.

Indiana – Continuam bastante coesos. Prova disso foi a vitória em Chicago num destes dias. Continuo a dizer que a entrada de David West fez muito bem à equipa.

Milwaukee – Michael Redd saiu e a equipa melhor muito. Não só ao nível de jogo mas ao nível de resultados. Drew Gooden tem alinhado bastante bem nos últimos jogos. Brandon Jennings está a liderar a equipa a todo o vapor com 20.8 pontos de média em 21 jogos. Andrew Bogut está novamente lesionado, numa fase em que estava claramente a subir de rendimento.Estão em 8º na conferência, lutando pela última vaga dos playoffs com Cleveland, Nova Iorque, New Jersey e Toronto. Mas cuidado, os Knicks não irão ficar com score negativo até ao final da época creio.

Oklahoma City Thunder – Melhor record da Liga até agora com 17-4. 81% de vitórias. Merecem todo o sucesso por aquilo que fazem em campo.

Denver – 2º lugar. O mesmo me ocorre dizer sobre os Nuggets na proporção do que disse sobre Oklahoma.

San Antonio – Mesmo sem Ginobili a coisa tá-se a endireitar. Tony Parker tem acrescido de rendimento nos últimos jogos. Falta banco aos Spurs.

Dallas – O mesmo de Spurs. Lamar Odom mais entrosado. Vince Carter explodiu e está a ter uma 2ª vida em Detroit. Kidd lesionado, não existe um 2º base na equipa com a saída de Barea. Mesmo assim a equipa de Mark Cuban já saiu dos lugares dos aflitos rumo a uma época regular que se convém nos 4 primeiros.

LA Lakers – Com Bynum tudo melhor. Gasol continua híbrido: ou faz exibições de alto gabarito ou faz exibições muito vazias.

Utah – Continua a receita: trabalho, garra. Vamos ver se a falta de vedetismo na equipa não se reflecte nas horas importantes em que alguém tenha que assumir jogo.

Memphis – Quem tem boca vai a Roma. Pela boca de muitos, Memphis já tinham ído a Tóquio. Cuidado, Gasol e Gay não chegam e os playoffs ainda são uma miragem.

Houston – Agradável surpresa. Poderão tentar algo bonito.

Minnesota – Decepção para já. Pode ser que o regresso de Michael Beasley dê algumas alegrias a esta equipa.

Golden State – Muito bonito em casa. E fora?

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,