Tag Archives: DJ Augustine

espantosos resultados

Os Bulls somam e seguem.

Na Sexta-Feira em Cleveland, frente a uma equipa que (dentro das possibilidades e opções do seu plantel) está a fazer um bom início de Liga, os Bulls recuperaram de uma derrota abismal no Tennessee na segunda frente a Memphis no primeiro jogo sem Derrick Rose com um estrondoso 114-75.

Duas ilações se podem tirar do jogo: os Bulls recuperaram do 3º desaire da temporada e ultrapassaram a ausência do seu líder e Cleveland mostrou que os bons resultados dependem em muito da boa prestação do seu rookie, o nº1 desta temporada Kyrie Irving, jogador cuja equipa tem como um valor de futuro e deverá constituir uma boa rede de jogadores válidos a seu lado nas próximas temporadas.

Com a ausência de Rose, Carlos Boozer e Luol Deng foram novamente a âncora da equipa para o sucesso. São dois jogadores que tem actuado de forma muito completa e tem mascarado algumas dificuldades da equipa. Deng fez um jogão com 19 pontos (9 em 15 em lançamentos de campo) 14 ressaltos e 5 abafos, enquanto o power forward fez 21 pontos em 8 ressaltos e tem-se mostrado temível no lançamento curto (aquele à rectaguarda em arco) onde consegue percentagens de 70% de média de eficácia.

Os bases CJ Watson e Ric Hamilton voltaram à equipa, ambos com números excelentes: Watson revela-se o nº6 que os Bulls sempre necessitaram e contra Cleveland fez 15 pontos e 7 assistências. Já o veterano Shooting Guard voltou com fantásticos 13 pontos. Já Joakim  Noah teve perto do duplo-duplo com 10 ressaltos e 8 pontos, mostrando que o Francês está lentamente a recuperar a forma. Noah haveria de se lesionar novamente e por precaução não foi utilizado ontem contra Charlotte.

Do banco de suplentes um inspiradíssimo Karl Korver apontou 14 pontos, tantos como Anderson Varejao que foi o melhor marcador de Cleveland. Irving com 13 pontos mostrou que ainda é muito verde para brilhar neste tipo de partidas. As fraquezas da equipa de Cleveland foi eficazmente escapulizadas pelos Bulls, não deixando a equipa do Ohio pontuar acima de 20 pontos no 2º, 3º e 4º parcial.

Em mais um regresso saudado de forma entusiática pelas pessoas de Chicago a Michael Jordan ao United Center (a gratidão de Chicago a Michael Jordan é algo eterno; Jordan é o actual proprietário dos Bobcats), a equipa de Charlotte provou mais dificuldades na arena dos Bulls que Cleveland tinha feito no Ohio no dia anterior.

Muitas lesões nos Bulls (Noah, Rose, Gibson e John Lucas) num jogo com um grau de dificuldade mais difícil que o anterior e desde logo uma nota que me parece importante mencionar: apesar das críticas que tenho feito neste espaço a Tom Thibodeau acerca das suas escolhas e do método de rotação\timing das substituições que tem vindo a fazer na equipa, depois do que vi ontem fiquei bastante agradado. Isto porquê? Com um plantel meio dizimado por lesões, Thibodeau apostou em Scalabrine no 2º e 4º período e em Mike James no 3º e 4º.

Fazendo um aparte: Mike James é aquele jogador que teve um percurso estranho na Liga. James, actualmente com 37 anos, chegou à Liga em 2001\2002 para os Miami Heat de Alonzo Mourning. Antes de chegar a Chicago, actuou nos Heat, Boston, Detroit (sagrou-se campeão ao lado de Hamilton, Prince, Rasheed Wallace, Ben Wallace, Antonio McDyer e Chauncey Billups), Milwaukee, Houston, Toronto, Minnesota, New Orleans e Minnesota. James é um autêntico globetrotter. Os seus anos áureos na Liga aconteceram entre 2003 e 2007 aquando das passagens por Detroit, Houston, Toronto e Minnesota. Em Detroit venceu o título, em Houston era titular numa equipa que tinha em grande forma jogadores como McGrady e Yao Ming, em Toronto com Chris Bosh era titular e obteve uma média final na season 056 com 20 pontos de média e 5,8 assistências em 79 jogos, transferindo-se para Minnesota para actuar também como titular ao lado de Kevin Garnett na época seguinte.

Contratado este ano por Chicago por apenas 10 dias face às lesões de Watson e Hamilton, já renovou o seu vínculo com a turma do Illinois e uma das coisas que explica isso não é apenas o facto de ser bastante experiente e ser contratado temporariamente (como muitos outros que actuam em ligas inferiores) para fazer banco face a problemas de lesões. Ontem, James foi chamado por Thibodeau numa altura complexa da partida contra Charlotte (os Bulls venciam por 4) e transformou o jogo de Chicago com 9 pontos e 10 assistências.

Já Scalabrine provou que também não anda ali só para treinar, cumprindo 5 minutos no jogo de ontem. Tom Thibodeau consegue ter o dom de conseguir transformar jogadores sem grande importancia na presença das suas stars em jogadores úteis na sua ausência.

Um jogo bastante interessante, com algumas mudanças de liderança (11) e que foi totalmente equilibrado até ao intervalo.

Do lado dos Bulls, nota de destaque para Boozer e Deng, principalmente na sua parte. O primeiro com 23 pontos e 9 ressaltos, o segundo com 22 pontos e 8 ressaltos: foram novamente a âncora da equipa na ausência de Derrick Rose.

Omer Asik fez de Joakim Noah e conseguiu 6 pontos e 15 incríveis ressaltos. O turco tem subido de rendimento na luta das tabelas. Ofensivamente continua a revelar muitas fragilidades.

Ric Hamilton fez 20 pontos e CJ Watson também se veio a revelar útil com 11 pontos e 10 assistências.

Do lado de Charlotte, algum talento mas não é o suficiente para levar a equipa aos playoffs esta época. Os Bobcats em Chicago foram liderados por Gerald Henderson com 22 pontos e 9 ressaltos. No entanto, Henderson só foi acompanhado pelo poste alto Byron Mullens, que ontem em Chicago fez 17 pontos e 5 ressaltos. DJ Augustin foi uma sombra daquilo que tem sido e em mais um regresso ao United Center (onde começou a sua carreira na NBA) o saltitão Tyrus Thomas foi completamente abafado pela dupla Deng\Boozer.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,