Tag Archives: Dirk Nowitzky

NBA 2012\2013 #33

1. Jogos de quinta-feira:

Antes do All-Star Game, as equipas que protagonizaram a competição do ano passado enfrentaram-se. Os Heat venceram por 110-100 em Oklahoma com mais um brilhante jogo de Lebron James (39 pontos, 12 ressaltos e 7 assistências; 14 em 24 em lançamento de campo e 4 em 8 triplos). Perante uma equipa da casa desinspiradíssima na primeira parte (a meio do 2º período chegaram a estar a perder por 19 de diferença) pode-se dizer que esperava um jogo mais renhido. Chris Bosh marcou 20 pontos e ganhou 12 ressaltos, ganhando por completo a luta com Ibaka e Perkins (juntos não fizeram mais do que 14 pontos e 11 ressaltos). Do lado de Oklahoma, exibição monumental de Kevin Durant com 40 pontos e 8 ressaltos (12-14 em lançamentos de campo) e uma exibição agridoce de Russell Westbrook com 26 pontos, maior parte deles obtidos no 2º tempo. No 4º período, os Thunder ainda ameaçaram a liderança dos Heat (estiveram por várias vezes a perder por 8) mas na ponta final a equipa de Miami não tremeu.

spoelstra

erik spoelstra – i am a coach?

Realce ainda para os 13 pontos vindos do banco por parte de Ray Allen e para a parca contribuição vinda do banco de Oklahoma (apenas 16 pontos, sendo que 9 vieram de Kevin Martin). O antigo jogador de Houston continua a fazer exibições muito medíocres e a provar que Oklahoma ficou a perder com a troca de James Harden para a equipa texana.

Com um jogo interior diminuído pelas ausências de Pau Gasol e Jordan Hill, os Lakers receberam mais um cabaz desta feita contra os rivais da cidade de LA. Quando se esperava que o mote do jogo fosse uma “batalha em LA”, em analogia ao fantástico álbum dos Rage Against the Machine de Zac De La Rocha e Tom Morello, a vitória acabou por cair facilmente para a equipa comandada por Vinny Del Negro.

Parcial de 15-0 a abrir com Blake Griffin completamente onfire. O poste conseguiu 18 dos 22 pontos no 1º período, fruto de 9 lançamentos de campo em 10 tentativas no período inicial. Os Lakers conseguíram reequilibrar a partida a meio do 2º período, fruto da boa prestação do seu banco de suplentes. Antawn Jamison entrou a meio do primeiro período e até ao intervalo iria conseguir 15 pontos (terminou com 17). A titular na equipa de Del Negro O “velho” Billups iria terminar a partida com 21 pontos. Para os Lakers foi quase impossível parar a eficácia de lançamento dos Clippers: 46 em 89 em lançamentos de campo (51%) e 16 em 30 de 3pts. O 5 inicial dos Clippers (Billups, Paul, Griffin, Butler e DeAndre Jordan) iria terminar a partida com 91 dos 125 pontos obtidos pela equipa. Chris Paul também esteve endiabrado com 24 pontos e 13 assistências.

Do lado dos Lakers, Dwight Howard fez 18 pontos e 8 ressaltos, mas revelou algumas lacunas a defender e a atacar, provando que não está bem fisicamente. Kobe fez 20 pontos e 11 ressaltos, não tendo feito muitos lançamentos durante a partida (apenas 13; Kobe faz em média 25 lançamentos por jogo).

A coisa continua muito feia para os Lakers. Estando com um gap de 5\6 jogos em relação a Houston e Utah, Mike D´Antoni terá que repensar muito bem a estratégia da equipa para o que resta desta fase regular. Faltando 28 jogos para o término da fase regular, os Lakers (25-29 de score) necessitarão de ir buscar pelo menos 22 se quiserem estar nos playoffs. E tal número poderá não chegar caso os Houston Rockets e Utah Jazz vencerem partidas directas contra a equipa de LA.

Para terminar a fase regular, a equipa de LA terá que jogar (entre outros jogos) contra Denver (fora) Oklahoma (fora) Chicago (em casa) Atlanta (fora) Indiana (fora) Golden State Warriors (fora e casa) Memphis (casa) LA Clippers, Portland (fora e casa) San Antonio (casa) e Houston (casa).

2. As 5 melhores jogadas da noite dos dois jogos realizados:

3.

Duas notícias que marcaram o dia de sexta feira.

Dwight Howard tem sido alvo de rumores todos os dias. Como termina contrato com os Lakers no final da temporada e aproxima-se o prazo previsto pela liga para as trocas entre equipas, muito se tem especulado sobre o futuro de Howard. Aliás, o poste dos Lakers anda nesta vida há praticamente 2 anos. Apesar do jogador ter dito hoje na chegada a Houston (onde se está a disputar o All-Star Game) que os Lakers não estão a pensar trocá-lo no mês de Fevereiro, a imprensa Norte-Americana tem especulado a possibilidade de Dallas avançar para a contratação do jogador, assim como a de Boston, trocando o lesionado Rondo por Howard. A meu ver Dallas tem possibilidade de adquirir o jogador no próximo verão enquanto free-agent. Ao admitir que em Dallas toda a gente é trocável excepto Dirk Nowtizky, o proprietário Mark Cuban praticamente admitiu que quer Howard mas só no Verão para juntar o jogo do poste de LA ao jogo do Alemão. A ideia de Boston é trocar já os jogadores. Rondo iria acabar a recuperação da grave lesão que sofreu no joelho em LA e Howard iria melhorar e muito o fraco jogo interior de Boston. Não sei se os Lakers irão querer que isso aconteça, ainda para mais quando tem os playoffs em risco e Rondo só irá voltar à competição no 2º quarto da próxima época.

Outro que tem andado nas bocas do mundo: Derrick Rose. O base de Chicago poderá voltar no início de Março à competição. Rose afirmou recentemente que não tenciona falhar toda a temporada e afastou os rumores que afirmavam que os primeiros jogos no regresso à competição poderiam dar-se através do afiliado dos Bulls (Iowa) na D- League. Esse cenário está portanto fora de equação: Rose voltará em breve. Tom Thibodeau também afirmou recentemente que não há pressa no regresso do base, estando a contar com ele quando não houver qualquer risco de quebra na recuperação.

Greivis Vasquez

Bleacher Report: Under the radar (Greivis Vasquez – New Orleans Hornets) – É indiscutivelmente um dos bases que mais gosto de ver jogar na liga. Dan Favale escreve sobre o base Venezuelano para o Online.

Já tinha escrito sobre Vasquez aqui.

amanhã escrevo sobre o All-Star Weekend que começou hoje em Houston.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

NBA 2012\2013 #32 – dos commercials

NBA TV – Big Things are Coming – Compilação dos spots. Participantes por ordem de anúncio: Dirk Nowitzky (Dallas Mavericks) Rajon Rondo(Boston Celtics) Kevin Durant (Oklahoma City Thunder) Ricky Rubio (Minnesota Timberwolves) Ty Lawson (Denver Nuggets) Chicago Bulls, Chris Paul (Los Angeles Clippers) LeBron James (Miami Heat) Kobe Bryant (Los Angeles Lakers)

Russell Westbrook (Oklahoma City Thunder) para o canal ESPN.

Dwight Howard (Los Angeles Lakers) Carmelo Anthony (New York Knicks) Joe Johnson (Brooklyn Nets) Russell Westbrook (Oklahoma City Thunder) e Dwayne Wade (Miami Heat) para a NBA.

Blake Griffin (Los Angeles Clippers) Rajon Rondo (Boston Celtics) e Amar´e Stoudamire (New York Knicks) para a NBA.

Chris Paul (Los Angeles Clippers) para a State Farm!

Blake Griffin para a Kia!

Derrick Rose (Chicago Bulls) para a Adidas.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

NBA 2012\2013 #10

1. À hora em que escrevo este post, no intervalo, Miami vence em Portland por 52-39 (a acontecer será a 5ª derrota dos Blazers em casa em 17 partidas realizadas; ganhar em Portland é difícil como o caraças) e Ray Allen entra no final dos 2 períodos. Um desperdício. Ray, tens a certeza que não queres ir a Chicago dar uma perninha aos bois como titular?

O Bosh lá acordou e já fez uns pontitos e uns ressaltos. Devem ser as notícias que dão conta da assinatura de um destes dois jogadores: Chris “Bird”Anderson e Greg Oden que lhe estão a tirar o sono (piada, vá!!)

O Damien Lillard confirma as palavras de hoje de LeBron e mostra porque é que é o principal candidato a rookie do ano. Desconfio que não ficará apenas por este prémio e terá direito a presença em vários all-star games a partir do próximo ano.

Noutros jogos:

2. Indiana bateu Nova Iorque. Ying and Yang. Ying – Indiana (sem granger e com George Hill meio lesionado) lá vai somando vitória após vitória e ameaça vencer a divisão central (é mau para os meus Bulls visto que a vitória na divisão dá direito a um dos 3 primeiros lugares da conferência indeferentemente do score obtido na fase regular) Yang – Nova Iorque. Muito fogo de vista no arranque da liga (e com isto não duvido daquilo que escrevi sobre as capacidades da equipa ao título da liga esta época) e agora uma fase menos má, fruto de algumas lesões e castigos, como foi o caso de hoje de Carmelo Anthony. Re-escrevo a minha opinião em dois sentidos: num sentido de renovação de opinião em relação aquilo que escrevi no #5 estará esta equipa preparada para aguentar uma eventual lesão de Anthony? em confirmação do que escrevi no #5 poderá estar veterana equipa pagar o desgaste da competição em virtude da avançada idade de algumas pedras basilares como Kidd, Camby, Wallace e Chandler?

3. Dallas está neste momento a perder largo em Sacramento. Pensei que o regresso de Nowitzky ainda daria um tónico à equipa para se aproximar dos lugares de playoffs. Reforcei a minha opinião ontem ao ver a equipa a dar muita luta em Los Angeles contra os Clippers, com o Alemão a acertar algumas bolas no seu fade away jump. Hoje perdem em Sacramento contra uma equipa que está a passar por vários problemas: não vence, está vendida e tem o futuro incerto e os seus jogadores não sabem para onde irão no final da temporada.

4. Ainda a propósito de ontem e do jogo Mavs vs Clippers. O que é que anda o Lamar Odom a fazer em LA. Odom, como se sabe, saiu dos Lakers para Dallas. Pelo meio, a Kardashian mais nova mordeu-lhe tanto a mona que o gajo não rendia em Dallas porque andava insatisfeito e queria voltar a LA. Voltou a LA, desta vez para os Clippers e vê-se que não anda a render nem metade do que aquilo que rendia há 2 anos atrás. 3.5 pontos e 5.2 ressaltos em 18 minutos de utilização numa equipa que luta pelo título (e que como tal deveria motivar todos os seus jogadores a render o máximo em cada jogo porque a concorrência é muita) é muito escasso para quem na última época de Lakers rendia 14.4 pontos e 8.7 em ressaltos em 30 minutos de utilização. Pior que isso é o salário de Odom. Há veteranos e veteranos. Existem uns como Nash (nunca ganhou o título da NBA) ou Kidd (já ganhou 1 em Dallas) que assinam um contrato de veterano para poderem usufruir anéis no final da temporada. (no caso de Nash está bem complicado) Nash tem um vencimento anual de 8,9 milhões esta época. Kidd é o barato dos baratuchinhos e só aufere 3,090 milhões esta temporada. Depois existem outros veteranos como Kirk Hinrich (coitado, já não vê bem; mas ainda consegue ver a cor do dinheiro) a receber quase 4 milhões nos Bulls. Depois existe o jogador dos clippers. Odom recebe 8,9 milhões nesta temporada (3º mais bem pago dos Clippers) para fazer míseros 3.5\5.2.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

NBA 2012\13 #3

Kobe Bryant, o 5º jogador a ultrapassar a barreira dos 30 mil pontos na história da Liga.

O recorde de carreira ao nível de pontos ainda pertence a Kareem Abdul-Jabbar (mítico jogador dos Lakers da década de 80) com 38387 pontos. Para além de Jabbar e agora Bryant, só Karl Malone (Utah Jazz\anos 90, Lakers\já no início deste século) Michael Jordan (Chicago Bulls\anos 80\90 e depois Washington Wizards) e Wilt Chamberlain (Philadelphia Warriors, agora 76ers\de 1959 até ao início dos anos 70) é que conseguíram ultrapassar esta barreira pontual.

Em actividade, para termos noção do feito de Bryant, o 2º jogador activo com mais pontos de carreira é Kevin Garnett (com 36 anos\já vai na sua 18ª temporada na liga) tendo marcado 24533 pontos (17º na lista) e o 3º é o Alemão Dirk Nowitzky (34 anos\14ª temporada na liga) com 24134 pontos, o que faz da estrela dos Dallas Mavericks 19º nesta lista.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

NBA

Vamos em primeiro lugar aos meus Bulls. 3 jogos muito interessantes (de analisar) antes da visita ao líder da conferência Oeste (Oklahoma City Thunder) que será amanhã pelas 17h (12 horas locais).

Os Bulls são a primeira equipa já apurada para os playoffs.

Derrota caseira frente a Denver na madrugada de quarta-feira. Um jogo péssimo dos Bulls a todos os níveis perante uma equipa (Denver Nuggets) que ainda está na corda bamba pelos playoffs no Oeste. Não consigo perceber como é que este colectivo de Denver (realço a palavra colectivo; tem bons jogadores como Wilson Chandler, Farried, Ty Lawson, Al Harrington, JaVale McGee, Arron Afflalo, Chris “Birdman” Anderson, Danilo Gallinari) chega a esta altura da época em 8º lugar na conferência quando tem potencial para ter uma fase regular muito mais descansada.

Um jogo péssimo por parte dos Bulls. No 7º jogo sem Rose (pergunta-se na América como é que estes Bulls conseguem manter tanta regularidade ao nível de vitórias sem a sua bússula) tudo correu mal aos Bulls. A equipa fez o pior jogo que tenha visto ao nível defensivo e ofensivo. Ao nível defensivo, pouca acutilança na marcação à zona fez com que os atirados de Denver brilhassem: Arron Afflalo (está a acabar a época em grande; é talvez a sua época mais regular na Liga) fez 22 pontos (8 em 12 em lançamentos de campo) e Ty Lawson fez 27 pontos e partiu tudo no United Center. Afflalo esteve a um passo de assinar pelos Bulls como free-agent no início desta temporada. O base de Denver fez 3 triplos muito importantes, acontecendo quase todos em jogadas em que Chicago reduzia a vantagem por intermédio de triplos. Metade da vitória de Denver no United center residiu na excelente participação dos seus bases. Quem também saiu bem do banco (como é seu apanágio) foi Al Harrington: 17 pontos, 3 triplos. Em matéria de triplos, Denver tivemos um jogo de eficácia alta: 8 triplos para Denver em 13 tentativas, incríveis 13 em 20 para os Bulls.

Na equipa de Chicago, se houve jogo em que Rose fez falta foi este contra Denver. A equipa jogou mal. CJ Watson e John Lucas não foram capazes de arranjar boas soluções de lançamento e cometeram imensos turnovers. No total, a equipa de Chicago fez 16 turnovers, pertencendo 9 a Watson e Luol Deng. Um dos turnovers que me saltou à vista durante a partida foi numa reposição de bola. Watson recebendo a bola de Deng deixou-a rolar pelo chão para não queimar tempo (existe uma regra na NBA que numa reposição de bola, enquanto esta não for tocada por um jogador antes do meio-campo faz com que o tempo geral e o tempo de ataque não avance) no fim do 3º período. Qual é o espanto que no momento em que Watson vai receber a bola, escorrega e faz com que a bola saia pela linha lateral.

Ao nível defensivo, os Bulls não conseguiram aplicar a sua lei aos Nuggets. Deixaram toda a gente lançar à vontade e ao nível de ressaltos, Denver conseguiu sacar 31 ofensivos.

Ao nível do ataque, faltou alguém que se destacasse. Faltou Rose. Watson foi o melhor pontuador com 17 pontos. Depois ficaram Boozer, Lucas e o rookie Jimmy Butler com 14 pontos. Butler esteve muito bem nesta partida, arriscando lançamentos difíceis em alturas em que a equipa tentava recuperar desvantagens de 9\10 pontos.

Para finalizar, Denver teve uma pontuação igual ou a cima de 25 pontos em todos os períodos. Não é fácil ganhar em Chicago. Não é fácil ultrapassar a barreira dos 100 pontos em Chicago.

Na madrugada de quinta-feira existiu um domínio total frente a Atlanta. A equipa recusou bem da derrota do dia anterior vencendo a equipa do estado da Geórgia por esclarecedores 98-77.

Depois de um primeiro parcial em que Atlanta levou a melhor por 23-21, os Bulls controlaram o resto do jogo e comodamente foram gerindo a sua vantagem na 2ª parte. Luol Deng voltou a fazer uma exibição à Deng com 22 pontos (5 triplos) Boozer fez 20 pontos e 9 ressaltos, chegando inclusive a dar uma jogada de puro espectáculo à rapaziada das bancadas onde perante a pressão de um jogador de Atlanta a 3 metros do cesto, rodou pela parte de fora e afundou na cara de Joe Johnson. Joe Johnson iria acabar por retribuir a gentileza com uma gravata (acidental é certo) no power-forward de Chicago. Quem também se evidenciou foi Taj Gibson. O power forward suplente de Chicago tem vindo a crescer muito nesta temporada. Já se deixou daqueles lançamentos estranhos a longa distância para os quais não está dotado e prefere atirar à direita a 2 metros onde é muito eficiente. Gibson também tem melhorado muito ao nível técnico e isso tem sido nítido nos últimos jogos dos Bulls.

Perante mais um jogo em que os Bulls fizeram muitos triplos (9) Atlanta fez uma exibição muito off. Apenas Josh Smith (19 pontos) e Jeff Teague (13 pontos e 8 assistências) tentaram lutar contra o domínio dos Bulls.

Frente aois Pistons e como a imagem mostra, Derrick Rose já aqueceu com a equipa assim como Richard Hamilton. No entanto os dois continuam a ser poupados pelo departamento médico da equipa. Será que teremos Rose amanhã contra Oklahoma?

Depois de um primeiro parcial de 28-25 para os da casa e dos Pistons ainda terem ameaçado que vinham a Chicago com vontade de vingar o rótulo de 2ª pior equipa da actualidade da NBA (a 1ª é definitivamente Charlotte) a equipa de Ben Gordon e companhia acabou por sair vergada a uma das piores prestações ofensivas da temporada. Dois períodos (2º e 4º) com apenas 10 pontos revelaram uma eficácia pobrezinha de 36% para a equipa do Michigan.

Os Bulls nem precisaram de puxar pela sua veia triplista (apenas 2 em 12 tentativas) para derrotar os pobres Pistons. Deng (20 pontos) Boozer (13 pontos e 11 ressaltos) e Noah (19\12) foram praticamente suficientes para vencer a partida.

Ainda sobre os Bulls, ocorre ler um bom artigo publicado por John Schumann no blog NBA Hang Time em que este analista realça a enorme resposta que o colectivo comandado por Tom Thibodeau dá na ausência do MVP da época regular 2010\2011. Nota para a percepção que Schumann faz para as combinações Boozer-Noah. É nítido que Boozer depende em muito das prestações de Noah. Se Noah estiver confiante na recepção de bolas dos bases e as encaminhar para o tiro a média distância de Boozer, o power forward faz grandes mas mesmo grandes exibições.

Outros jogos em destaque na Liga desde terça-feira:

Jogão em Milwaukee entre duas equipas que entram na fase final da época lugar com objectivos distintos. Atlanta (31-22) está em 6º na conferência este e já tem praticamente assegurada a sua vaga nos playoffs. No entanto, os Hawks irão querer uma posição mais confortável para evitar Miami, Chicago, Orlando ou até Boston que tem estado em crescendo nas últimas semanas.

Nesta partida em Milwaukee assistiu-se a uma enorme performance colectiva por parte das duas equipas fazendo lembrar um pouco daquilo que vão ser os jogos de playoff.

Em Atlanta, 6 jogadores ultrapassaram os 10 pontos ao nível de pontuação pessoal. Josh Smith teve uma exibição pessoal monstruosa, marcando 30 pontos e conquistando 18 ressaltos. Smith atirou de todo o lado e feitio, fazendo 14 em 26 ao nível de lançamentos de campo. Jeff Teague (15) e Ivan Johnson também estiveram em destaque com 17 e 15 respectivamente. Joe Johnson apenas fez 11 pontos e 8 ressaltos. No dia seguinte em Chicago também teria uma exibição para esquecer.

Em Milwaukee, as sinergias da transferência de Monta Ellis já se fazem sentir mas para já ainda não suficientes para afirmar que a equipa se qualifique para os playoffs. Os Bucks estão a melhor consideravelmente desde a entrada do extremo mas ainda continuam de fora dos lugares de acesso à fase final do campeonato. No entanto, prevê-se uma luta intensa com Nova Iorque se bem que os Nova Iorquinos tem para já 3 jogos de vantagem sobre a equipa de Scott Skiles.

No jogo frente aos Bucks, Monta Ellis superou Josh Smith com 33 pontos e fez ainda 8 assistências. Sem qualquer triplo pelo meio, diga-se. Ellis tem beneficiado do talento de Brandon Jennings. O base nesta partida fez 18\6.

Já no dia 24 em Houston, Dallas tinha vencido por 101-99 num jogo em que a decisão da partida arrastou-se até ao último segundo. Em Dallas a história foi diferente. Dallas começou mal (30-19 para Houston no 1º período) deu a volta no 2º e no 3º período e acabou por gerir a vantagem que tinha no 4º.

Os Rockets estão a aguentar-se dignamente na luta pelos playoffs (são 7ºs na conferência) mas ainda continuam com Kevin Martin ausente. Martin dificilmente voltará a jogar na fase regular. No derby do estado do texas contra Dallas, Luis Scola voltou a comandar as tropas com 22 pontos e 8 ressaltos. Foi extremamente interessante ver Scola a travar uma intensa batalha corpo-a-corpo com Dirk Nowitzky e Lamar Odom. No entanto Scola teve a ajuda de colegas como o extremo Chandler Parsons (15\9) e o base Goran Dragic (17 pontos\9 assistências).

Interessante é ver esta equipa de Houston. Ninguém dava nada por eles. No entanto com a contratação de Kevin Martin tudo se tem vindo a alterar. Luis Scola parece outro. O argentino sempre me causou boa impressão. Numa equipa a sério com objectivos é mais lutador que o habitual. Esta equipa de Houston poderá efectivamente crescer com a evolução dos jovens jogadores que possui: Courtney Lee é também ele um bom base e um bom lançador. Goran Dragic é uma pérola que dará cartas no futuro. Faz o trabalhinho de base como deve ser e é destemido na hora de atacar o cesto ora em incursões ora no tiro de longa distância. Chad Buddinger apesar de ser um jogador alto lento, é um excelente nº6 e é bastante atlético.
Não consigo é compreender como é que uma equipa que contrata um jogador como Marcus Camby continua a apostar em Dalembert para a sua titularidade. Dalembert é um jogador horrível e a cada ano que passa fica ainda mais molengão do que os tempos em que estava em Philadelphia.

No lado de Dallas, nesta partida, Dirk voltou a levar a equipa de Mark Cuban às costas. 21 pontos para o Alemão. Teve a colaboração dos elementos vindos do banco. Beaubois (14 pontos) e Brandon Wright (13) ajudaram Dallas a consolidar mais uma vitória.
Depois de assistir a esta partida dos campeões em título, fiquei mais convencido que Dallas terá capacidades para renovar o seu título. Não se trata apenas de Dirk, de Jason Terry, de Shaun Marion ou Jason Kidd. Trata-se de colocar o melhor plantel ao nível de soluções a mexer. Tirando os 4, há um Vince Carter irregular, um Lamar Odom que teima em aparecer (se bem que já tem feito algumas boas exibições) um Rodrigue Beaubois que tem mais para dar, um Brandon Haywood que tem lugar de caras na equipa titular (no lugar de Mahimni) e um Yi Jianlian cujo treinador continua a teimar em não dar hipóteses e que até poderia ser uma excelente solução para a equipa no jogo exterior.

Tim Duncan (26\11) e Tony Parker (24 pontos) para um lado. Shannon Brown (32 pontos) Marcin Gortat (21 pontos\14 ressaltos) e Steve Nash (16\8 assistências) no outro. Final de campanha feliz para os Spurs. 4 jogos em 5 noites com 4 vitórias.

Cabaz de Nova Iorque frente a Orlando. Será um escândalo se os Knicks não se posicionarem para os playoffs. No entanto, é cada vez mais nítida a possibilidade de termos Chicago a jogar contra Nova Iorque na 1ª ronda dos mesmos.
A vida em Nova Iorque está difícil. Isto porque Jeremy Lin e Amare Stoudamire estão lesionados. Jeremy Lin foi hoje operado ao joelho e arrisca-se a perder o resto da temporada. A pausa nunca será inferior a 6 semanas para Lin. Já Stoudamire está de fora por tempo indeterminado com uma lesão nas costas. Torna a vida mais difícil para Mike Woodson que tem visto o reforço JR Smith casar muito bem com o resto da equipa e que tem visto a dupla Bibby e Davis cada vez mais entrosada no jogo da equipa. O que não muda é a ganância de Carmelo Anthony.

Neste jogo frente a Orlando, a turma da Flórida fez um jogo muito pobrezinho a todos os niveis. Já os Knicks estiveram com muitas ganas na fase de atacar o cesto. Se bem que o fizeram de forma pouco eficaz, principalmente nos triplos com 12 em 34 tentativas. Carmelo fez 25 pontos e 6 assistências, o rookie Iwan Schumpert, a jogar a point-guard, também marcou 25 pontos (com 4 triplos e do banco saiu Steve Novak para ajudar a equipa com 16 pontos. Novak é outro exemplo igual a Lin. O exemplo de alguém que andava perdido no banco dos Knicks e que de um momento para o outro tornou-se pedra fundamental para alguns triunfos da equipa de Nova Iorque. Contra Orlando, Novak foi autor de 4 triplos. Apesar de ser um jogador que anda na Liga desde 2006 e de já ter jogado em Dallas e em San Antonio, só agora é que Novak se está a destacar qualquer coisita. 8.6 é a média pontual deste extremo em Nova Iorque, tomando em conta que nunca passou dos 5 pontos de média e que em Nova Iorque tem uma média de rotação de 17 minutos.

Minnesota viu-se à rasca para bater os Bobcats. No entanto Kevin Love (40 pontos e 19 ressaltos) fez um jogo monstruoso. Os Wolves continuam à rasca com as lesões. Rúbio já não volta mais esta temporada. Beasley tem um dedo do pé fracturado e Barea anda à rasca da bacia. Os Wolves tem alinhado com 8 jogadores.

Deron Williams (30 pontos e 9 assistências) continua a partir a loiça toda. Os Nets tem vindo a melhorar com o decorrer da época e para o ano até prometem qualquer coisinha. Já arrancaram tarde.

14º jogo seguido de Miami a vencer em casa. Desta vez vieram os rivais de Dallas e perderam graças a um show (finalmente!) colectivo de Miami, principalmente no 3º período.
Facto raro em Miami: Nenhum dos elementos do Big Three ultrapassaram os 20 pontos.
Facto raro em Miami parte 2: 6 jogadores ultrapassaram a barreira dos 10 pontos sendo eles o Big Three + Mario Chalmers, Udonis Haslem e Norris Cole.

Do lado de Dallas, pouquíssima defesa e pouquíssimo ataque. Dirk Nowitzky (25 pontos) disfarçou o dia mau da equipa.

Períodos desiquilibrados. 30-18 para os Lakers no 1º período. 34-19 para Oklahoma no 3º. Bynum (25\13) e Bryant algo inspirados num lado mas insuficientes para travar a vontade de vencer a qualquer custo de Rusell Westbrook no outro. Westbrook esteve simplesmente soberbo. Durant também esteve em destaque com 21 pontos e 11 ressaltos.

Cleveland está a dizer adeus aos playoffs. Não basta ter Kyrie Irving para se ter sucesso. Ultimamente tem sido cabaz atrás de cabaz. Irving fez 29 pontos. Do outro lado Irving e seus pares foram sugados por uma máquina devastadora que fez 124 pontos, liderada por Brandon Jennings (28 pontos) e Ilyasova (20 pontos e 10 ressaltos).

A diferença de ter um Dirk e de ter um Jameer Nelson e um Chris Anderson.

Bem disputado. Quando o fim chega e a pressão aperta, uns marcam e outros falham por duas vezes.

Para finalizar alguns memes da NBA:

Marca pontos como um cavalo. Ganha ressaltos como um cavalo. Mete triplos que nem um cavalo. E ainda dá nas fuças do Barea como um cavalo.

Convém também dizer que com tantos touros à volta torna-se difícil

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Bulls vencem em Orlando (e outras da Liga)

Poucos minutos antes de ter escrito esta crónica, assistir a mais uma vitória de Chicago. Nesta madrugada, os Bulls bateram de forma sensacional os Toronto Raptors, numa partida em que estiveram a perder durante 3 períodos.

Na terça-feira, os Bulls foram sensacionais ao derrotar os Orlando Magic (3º da conferência este com um score de 30-18) por 85-59. Numa altura em que se tem criticado a equipa de Chicago por estar sistematicamente a lamentar-se com as ausências de Derrick Rose e quando se aproxima o jogo de sábado frente ao líder do Oeste (Oklahoma City Thunder) em que Rose não irá marcar presença (ausência praticamente confirmada pelo departamento médico dos Bulls) Chicago tem mais uma resposta colectiva sensacional em Orlando, vulgarizando Dwight Howard e os seus Magic.

Howard, que recentemente extendeu por mais uma época o seu contrato com Orlando, olhava apreensivo do banco de suplentes para a sua equipa. Não era para menos, Chicago dominou em todos os aspectos do jogo e fez com que os Magic não conseguissem ultrapassar os 20 pontos de pontuação em cada parcial. O melhor parcial que Orlando conseguiu foi um magro 15-12 no 3º período.

Do lado dos toiros, grande exibição para Carlos Boozer. Boozer está a jogar muito bem. Mais seguro na hora de atirar. No jogo contra Orlando atirou de todos os cantos e feitios e saiu-me muito bem com 24 pontos resultantes de 12 lançamentos em 18 tentativas. É raro ver um Boozer a lançar tanto, a lançar de longe e a lançar com tanta eficácia. O 2º jogador em destaque foi John Lucas. O base voltou a saltar do banco (quando Rose e Hamilton estão em campo Lucas não salta do banco a não ser nos minutos finais se a equipa estiver a ganhar por larga vantagem) e voltou a fazer estragos. Lucas está a aproveitar a ausência dos bases para ganhar o seu espaço na rotação. Contra Orlando, o base fez 20 pontos resultantes de um belíssimo e eficaz 8-13 em lançamentos de campo onde 4 dos 8 certeiros foram de 3 pontos. Luol Deng também fez 14 pontos, mas continua a ser uma pontuação algo escassa para o 2º melhor da equipa de Chicago.

Desengane-se quem pensa que Dwight Howard teve um dia para esquecer. O poste tentou levar (como sempre) a sua equipa às costas. Fez 18 pontos e 12 ressaltos. Mesmo perante a oposição de Boozer (13 ressaltos) Gibson e Asik (8 ressaltos cada).  Esteve muito eficaz com 8 em 12 em lançamentos de campo. No entanto apanhou uma das melhores atitudes defensivas dos Bulls do ano, o que inclusive levou a ESPN a passar muitas vezes imagens defensivas dos Bulls com os seus comentadores a dizer que esta defesa dos Bulls é provavelmente uma das melhores senão a melhor da história da NBA. E tem toda a razão, pois confesso que desde que sigo a NBA a sério (2001) nunca vi uma equipa defender de forma tão severa e ao mesmo tempo tão eficaz. Howard esteve bastante desacompanhado na partida: apenas Ryan Anderson conseguiu passar a barreira dos dois digitos de pontos. Fraquíssimas exibições por parte de Jameer Nelson e Hedo Turkoglu.

A equipa de Orlando lançou muito em mal. Enquanto os Bulls embalados por Boozer e Lucas obtiveram um score de 35 lançamentos em 79 tentativas (incluíndo um razoável registo de 7-18 em triplos) a equipa de Orlando lançou muito e mal, obtendo um score de 24-68 em lançamentos de campo (4-20 em triplos). A juntar ao fraco desempenho de tiro, Orlando cometeu 19 turnovers contra os 16 de Chicago. Tenho visto muito jogos esta época e fico com a sensação que as equipas (na globalidade) andam a cometer mais turnovers que o habitual.

Mais uma vez se viu algo em Chicago que denota melhoria em relação ao ano passado. Acabaram-se os ataques em que os bases não trabalham as jogadas. Quero com isto dizer as situações de jogo frequentes na época passada em que Rose ou Watson chegavam ao ataque e em vez de pensar plataformas de ataque, optavam pelo ataque rapido ao cesto. Actualmente vejo uma equipa dos Bulls que demora mais tempo a atacar mas que consegue delinear as jogadas de forma correcta, optando por soluções de passe até se encontrar um jogador livre para lançar. O jogo interior também tem ganho muita expressão com esta eficácia de Boozer e com a bravura de Joakim Noah.

Outros jogos da Liga:

Wade (31 pontos) e Bosh (23 pontos) afundaram o rival do Estado da Flórida no dia anterior a Chicago.

No Staples Center, a equipa de Utah continua a fazer pela vida na tentativa de chegar aos playoffs. Os Lakers tiveram uma prestação para esquecer e sofreram um pouco com a súbita queda de forma do seu líder Kobe Bryant. Bryant teve um jogo para esquecer com 3 lançamentos de campo em 20 tentativas. Brilharam Bynum (33 pontos e 11 ressaltos) e Gasol com 18 pontos e 10 ressaltos. Daí que nos últimos dias se tenha feito a piada que os Lakers vencerão mais jogos se Bryant resolver passar a bola a Gasol e Bynum.

Os Jazz começam a lutar contra o tempo para chegarem aos playoffs. A equipa de Salt Lake City está na 9ª posição do Oeste com um score de 24-22, apenas a um jogo dos playoffs pois Houston tem um score de 25-22. Em Los Angeles, brindaram-nos com mais uma exibição colectiva: Paul Millsap (é o grande líder desta equipa) fez 24 pontos, 9 ressaltos e 5 assistências, Josh Howard, Derrick Favors e Devin Harris fizeram 12 pontos e do banco saltaram os inspirados Hayward e Enes Kanter (finalmente) com 17 pontos respectivamente.

Jogo fraco em Atlanta onde a excelente carreira de tiro de Joe Johnson foi insuficiente para travar o jogo colectivo de Boston. Prometem-se bons e duros playoffs para as duas equipas caso se encontrem na 1ª ronda.

Jogo para Dirk Nowitzky brilhar (33 pontos). Arron Afflalo também fez uma excelente exibição por parte dos Nuggets (24) mas a noite seria do Alemão, que, perante a aproximação dos playoffs está a aumentar o ritmo da pastilha e está a tornar-se cada vez mais certeiro. Bom sinal para os Mavs.

Os Rockets continuaram a maldição dos Lakers. Bryant voltou a não passar a bola e fez 10-27 em lançamentos de campo. Mesmo assim marcou 29 pontos. Se os tivesse acertado todos (incluíndo lances livres) o extremo poderia ter feito algo como 68 pontos. Pau Gasol fez 16 pontos mas os Lakers estiveram muito mal defensivamente.

Na presença de Yao Ming (ainda não se sabe se voltará à competição) foi o seu colega de posto Luis Scola (está a fazer uma grande época; já vi Scola por várias vezes a pegar na bola na linha de lance livre e a levar toda a gente atrelada a ele até ao cesto!) a brilhar com 23 pontos. Quem também brilhou foi o base suplente Courtney Lee com 23 pontos. Lee subiu a titular graças à lesão temporária de Kevin Martin, outra das estrelas dos Rockets. Quem também está em destaque em Houston é o base esloveno Goran Dragic. Este esloveno fez 16 pontos e 13 assistências.

Outras da Liga:

Ainda as trocas.

Depois de expirado o período legal para trocas,

Na sexta-feira, Cleveland que tinha recebido Jason Kapono de Los Angeles na troca Ramon Sessions decidiu despedir o extremo. O antigo rei dos triplos da NBA deverá decerto rumar à Europa ou esperar que alguém o contrate de forma livre até aos playoffs, dado que é possível contratar atletas livres até ao final da fase regular.

No sábado Denver assinou por 5 anos com Wilson Chandler. O antigo jogador dos Knicks, que já tinha actuado em Denver na época passada  vem reforçar em muito o shooting da equipa do Nevada. Chandler é conhecido por ser um jogador que se perdeu pelos seus péssimos hábitos. Há uns meses atrás foi inclusivamente detido em Nova Iorque por ter sido apanhado a fumar marijuana dentro de um Hummer, o que motivou o seu despedimento dos Nuggets. Na 4ª época na Liga, Chandler conseguiu atingir o seu ponto auge em 2010\2011 ao serviço dos Knicks onde em 51 jogos conseguiu uma média pontual de 16.4. Entretanto seria trocado para Denver no pacote por Carmelo Anthony.

Satisfeitos com o voador Gerald Green (média pontual de 11 em 12 jogos pelos Nets) a equipa de New Jersey decidiu oferecer um contrato a este jogador de 4ª temporada que andava intermitente entre a NBA e a D-League. Green tem aqui a sua oportunidade para se estabelecer de vez na Liga depois de passagens por Boston, Houston, Dallas e pela Europa.

Na segunda-feira, Houston despediu Derek Fischer. O veterano base tinha vindo de LA. Houston não o quis e Fischer foi assinar por Oklahoma City. Não servia para os Lakers. Vai agora reforçar a equipa com melhor score no Oeste e ajudar a colmatar um défice que os Thunder tem tido pela falta de um base que faça exclusivamente transporte de bola.

Na terça-feira, Andrés Nocioni foi despedido por Philadelphia. O argentino deverá despedir-se da Liga para voltar à Liga Argentina, desejo que já era público do jogador depois de ter jogado no Peñarol de Mar de Plata durante o lock-out. Nocioni despede-se da competição depois de várias épocas interessantes em Chicago e Sacramento.

No mesmo dia, Memphis contratou Gilbert Arenas. Reforço para playoffs, mais pela experiência do que pelo aumento de mais-valia que trás à equipa do Tenessee. Arenas já foi All-Star mas há muitos anos que se arrasta pela liga em virtude de uma grave lesão que sofreu ainda ao serviço dos Wizards.

Hoje, Miami contratou o Francês Ronny Turiaf. Washington tinha trocado o jogador com Denver no pacote Nênê e McGee. Denver não assumiu o jogador e ele agora vai parar a Miami.

O mítico e inconfundível. Cada vez mais pançudo. Entra sempre para fazer o seu cestinho da ordem e para por o United Center de Chicago ao rubro. All-Star da Mine e dos tremoços.

Para quem não o conhece, disfarça bem. Por vezes dou por mim a ver Nova Iorque e a pensar que no fim de contas estou a ver Miami, tantas são as vezes que as movimentações do Melo são iguais às do LeBron e que a bola tem cola nas suas mãos e não sai para as mãos de mais ninguém.

Só de uma noite de bebedeira é que Michael Jordan se poderia ter lembrado de comprar os Bobcats. Ou então a Nike não lhe pagou honorários suficientes da sua linha de sapatilhas para comprar os Bulls.

Desde que Jordan tomou posse como proprietário dos Bobcats que a equipa do seu estado natal nunca mais voltou a ser a mesma. Pela Negativa. Os Bobcats continuam no seu mundinho à parte, a levar tareia após tareia. 7-37 é mau demais para ser verdade.

Pior que isso foi o acordo que os Bobcats fizeram com Boris Diaw. Um dos seus melhores jogadores decidiu em conjunto com a equipa terminar o seu contrato para poder assinar livremente com outra equipa do NBA. Bulls poderão ser um lugar para o veterano francês. Isto se exonerar a 1st pick de draft que Charlotte deve a Chicago pela transferência de Tyrus Thomas. Mas duvido que Chicago pretenda fazer esses acordos.

Cena muito feia em Sacramento. Com Rubio no estaleiro até ao final da época, começam-se a esfumar as hipóteses de Kevin Love e dos Minnesota Timberwolves em conseguirem os playoffs. Love começa a perder a paciência com os seus colegas de equipa. Depois de uma discussão com Barea no banco de suplentes na derrota contra os homens do Óregon, Love e Barea chegaram a vias de facto, tendo que ser afastados pelos colegas.

O base porto-riquenho já se deverá ter arrependido do facto de ter trocado Dallas por Minnesota.

No jogo desta madrugada contra Chicago, em honra das forças armadas Norte-Americanas e Canadianas os Toronto Raptors decidiram usar um uniforme verde camuflado.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

pelas nbas

Há uma equipa lá para os lados de Chicago a dominar a conferência este e a calar a fanfarronice de LeBrons e companhias…

12 vitórias e 2 derrotas nos primeiros 14 jogos fazem do 1º mês da Liga um arranque de sonho por parte dos Bulls, que apesar da sua bipolaridade ao nível de jogo conseguem levar o barco a bom porto no fim de quase todas as partidas. Apenas Atlanta (com todo o mérito; já tinham ameaçado em Chicago e acabaram por vencer categoricamente no Alabama) e Golden State conseguiram bater os Bulls.

Na Sexta-Feira vitória concludente em Boston perante uns Celtics que ainda andam à procura do seu melhor basquetebol.

No jogo do TD Garden, os Bulls entraram muito bem na partida com um parcial de 26-13 muito à custa de um Carlos Boozer muito inspirado no lançamento curto e Luol Deng. Na 2ª parte, um parcial de 26-20 (com os Bulls a defender muito bem) levou o jogo para intervalo por 52-33, algo minimamente escandaloso para um jogo que se previa muito equilibrado.

Com a 2ª parte veio a bipolaridade da equipa de Tom Thibodeau. De um momento pro outro, um parcial de 15-26 levaria a que os Bulls no 4º período tivessem estado a vencer apenas por 3 pontos (71-68). Eis que aparece Derrick Rose com alguns cestos completando a vitória por 88-79.

Carlos Boozer com 12 pontos, 8 ressaltos e 5 assistências e Luol Deng com magníficos 21 pontos e incríveis 16 ressaltos (já não é o primeiro jogo que o Sudanês naturalizado Britânico faz números assim, provando ser o mais regular dos homens de Chicago neste início de época) também tiveram em destaque, destapando algumas dificuldades do banco de Chicago (Scalabrine, Lucas, Asik, Gibson e Korver) em marcar pontos e conseguir ressaltos e assistências: todos juntos não conseguiram mais do que 8 pontos, 3 ressaltos, 2 assistências e 1 abafo.

Da partida de Boston, Rose foi o melhor marcador com 25 pontos e para além desses 25 pontos, 7 assistencias. Tem sido o cunho pessoal de Rose: em quase todas as partidas não ultrapassa uma média de 20 pontos mas ao nível de assistências nunca faz menos de 7, chegando em alguns jogos a atingir 10\12.

Os Celtics, antecipando um breve resumo sobre algumas equipas que irei escrever no fim deste post, mostraram-se Muitíssimo irregulares contra Chicago. Esta equipa de Boston não está apenas a ser irregular, está a ser uma sombra daquilo que foi nas últimas 3 épocas. Contra Chicago destaque para boas exibições de Rajon Rondo e Ray Allen. Vindo de lesão, Paul Pierce está lentamente a ganhar forma e é bom que isso aconteça senão Boston arrisca-se claramente a ficar de fora do top-4 do Este (já nem digo a ter que penar para conseguir uma vaga nos playoffs pois creio que isso jamais acontecerá à equipa de Doc Rivers).

Kevin Garnett está profundamente acabado e o banco de Boston é muito mas mesmo muito fraquinho.

As soluções para a equipa do Norte a curto prazo estão esgotadas. Trocar uma das 4 estrelas será praticamente impossível, dado que Pierce é um jogador simbólico, Allen é aquele jogador que tanto desaparece na fase regular como volta a aparecer decisivamente nos playoffs, Garnett já não serve de moeda de troca para ninguém e Rajon Rondo está a tornar-se um dos melhores bases da liga senão o melhor. A vida está muito complicada para Boston e temo que depois de extinta esta fornada de jogadores, Rondo tenha que servir de moeda de troca por 2 ou 3 jogadores de nível muito aceitável para que a equipa não caia numa travessia do deserto nos próximos 5\6 anos. Caso contrário, Rajon Rondo deverá querer rumar a uma equipa que lute por títulos quando se tornar free-agent e Boston poderá ter uma nova travessia do deserto na Liga

A recuperar muito bem nesta 2ª época sem Bosh, Toronto causou muitas dificuldades a Chicago no sábado. Os Raptors assumem-se claramente como candidatos a uma vaga de playoffs.

As duas equipas praticaram um estilo de jogo muito defensivo, mas no entanto, quando toca a defender os Bulls voltaram a demonstrar que são uma equipa que consegue encurralar os adversários através deste tipo de táctica de jogo.

Pela 2ª vez na semana de jogos, Chicago não ultrapassou a fasquia dos 80 pontos marcados (já não o tinha feito perante a frágil equipa de Washington) mas também não concedeu mais que 70 pontos ao adversário.

Mais uma vez Chicago foi uma equipa avassaladora na luta das tabelas. Carlos Boozer voltou a fazer números brilhantes com 17 pontos e 13 ressaltos. O power forward está claramente a jogar ao nível dos melhores tempos de Utah, fazendo com que esta seja definitivamente a sua melhor fase até agora ao serviço dos Bulls. Começa-se a interrogar a hipótese de Chicago ter 3 all-stars no próximo mês de Fevereiro: Rose, Boozer e Deng, facto que a acontecer seria mais que merecido para aquilo que os jogadores estão a fazer.

Joakim Noah com 12 ressaltos em 25 minutos de utilização também esteve muito bem (foi poupado por Tom Thibodeau dado à fraqueza física que tem sofrido nos últimos dias) e Derrick Rose voltou a aparecer quando mais lhe competia. Rose não está com medo de assumir o jogo da equipa nos momentos cruciais e em contrapartida às últimas 3 épocas na Liga assume esse risco sem sentir a pressão. O base voltou a terminar o jogo com um duplo-duplo: 18 pontos e 11 assistências, fazendo com que a sua mão valesse efectivos 52 pontos dos 77 de Chicago.

Do banco com 21 pontos em conjunto, J0hn Lucas e Taj Gibson voltaram a contribuir de forma efectiva para mais uma vitória. Gibson tem jogado muito bem nas últimas partidas, sendo que nesta para além dos 11 pontos conseguiu ganhar 12 ressaltos e mostrou mais uma vez que apesar de ser um jogador tecnicamente muito imperfeito é um grande lutar. Saliente-se que os Bulls ganharam 59 ressaltos durante esta partida e os Raptors 57. As médias de lançamento não estiveram famosas com 40% para Chicago (4-15 em triplos por exemplo) e 34% para Toronto (3-10 em triplos).

Agora falando de outras equipas da Liga:

Philadelphia 76ers – 2º lugar por agora da conferência este. Mais uma vez esta equipa de Philadelphia tem o dom de superar as expectativas iniciais que lhes apontavam. Elton Brand começou mal mas está a jogar muito bem. Iguodala continua a ser o líder da equipa.

Indiana Pacers – 3º lugar da conferência com um score de 9-3 o que não deixa também de ser surpreendente. Granger, Collison e companhia beneficiaram em muito da chegada de David West à equipa. O power-forward é um jogador extremamente completo e ainda está a 50% do seu potencial.

Miami Heat – Mísero 6º lugar da Liga. É certo que LeBron e Wade tiveram 1 jogo de fora e Miami até conseguiu ganhar a Atlanta. Também é certo que LeBron e Wade tem jogado com algumas limitações físicas, o que é motivo mais que suficiente (conhecendo os restantes jogadores da equipa) para evidenciar muitas fraquezas na mesma quando estes jogadores não actuam em max-power. Chris Bosh está a fazer jogatanas dos diabos e a equipa ganhou um 4º jogador de luxo que é Norris Cole: o rookie tem estado muito bem, se bem que os primeiros jogos foram muito over-rated e tendencialmente Cole irá ter comportamento de rookie.

As fragilidades da equipa começam no treinador Erik Spoelstra. Uma equipa a sério com objectivos sérios de título não pode ter um treinador que não é mais do que alguém fictício na equipa. Os verdadeiros treinadores são LeBron e Wade. Isso faz com que a equipa jogue nos designios de esperar que estes dois resolvam todos os problemas. Perder em Denver com os Heat perderam foi um sinal de abalo psicológico na equipa e aqui está um sinal de que a tal maturidade de que LeBron falava no início da época não é de todo um facto consumado.

Miami está entre a espada e a parede. A equipa anda a gastar em demasia em relação às suas reais possibilidades financeiras. Só existe um caminho para esta época: ou ganham o título da NBA e tem o esperado retorno financeiro ou LeBron, Wade e Bosh irão zangar-se na próxima época e a hecatombe do dream-time pode ser uma realidade.

New York Knicks – A dependência de Carmelo Anthony tem os seus resultados. Os Knicks atacam apenas por um canal que é o de Carmelo e defendem mal e porcamente. Existem rumores que até ao final do mês os Knicks poderão dar Stoudamire a Orlando como moeda de troca por Howard. O poste está completamente irreconhecível: não ataca como atacava e não defende rigorosamente nada. Não sei se os números  que Amare (18.7 pontos por jogo\ 8 ressaltos\ 0.4 abafos; comparativamente à época passada são menos 7 pontos de média pontual) está a fazer  poderão convencer Orlando de que o jogador poderá ser uma alternativa para a re-construção da equipa de Orlando num momento em que os ânimos em torno de Howard refrearam com as boas exibições e resultados que a equipa de Orlando está a fazer (8\3 nos primeiros 11 jogos da temporada).

Outros dos aspectos negativos em torno dos Knicks é obviamente as suas soluções de banco – Renaldo Balkman, Toney Douglas, Jared Jeffries, Landry Fields e tantos outros que a equipa tem por lá não fazem um jogador decente e as duas contratações em free-agency para este departamento de jogo (Mike Bibby e Baron Davis) tem passado mais tempo no estaleiro do que em campo.

Cleveland – Kyrie Irving confirma-se como jogador de futuro. O nº1 do draft é uma maravilha, mas como todos os rookies precisa de crescer. No entanto, Cleveland poderá conseguir os playoffs apoiados no seu rookie.

Detroit – Com Ro Stuckey lesionado, é Greg Monroe quem leva a equipa às costas. O poste é uma desperdício nesta equipa. Mais um ano sem playoffs no Palace of Auburn Hills. A coisa começa a roçar o escândalo para uma equipa cujo historial aponta 5 títulos, 7 títulos de conferência e 15 de divisão no misto entre NBA, ABA e NBL desde 1941.

New Jersey\Washington – Absolutamente miseráveis. Não são competitivas sequer. Em maior parte dos jogos levam sacadas de 40 de diferença e já perderam o jogo no 1º período. Se repararem todos os jogos que estas equipas realizaram esta época, existem períodos onde nem conseguem chegar aos 10 pontos (-1 de ponto por minuto) – Deron Williams e John Wall (respectivamente Nets e Wizards) são bases de topo que arriscam-se a ser “ultrapassados pela história” caso continuem andar por ali muito tempo.

Oklahoma City Thunder – 1º lugar de conferência Oeste. Merecido. Westbrook, Durant, Ibaka e Harden dão show e são para mim os contenders nº1 à vitória na conferência na fase regular e nos playoffs.

LA Clippers – Chris Paul e Griffin estão a começar a entender-se, mas os Clipps ainda não são candidatos a nada. O casamento do base com o poste poderá acontecer na próxima época.

Utah – Surpreendente o 4º lugar na conferência com um score de 8-4. É uma equipa que a meu ver pouco tem. Raja Bell é um veterano que anda muito longe dos tempos de Phoenix, e o mesmo acontece com Devin Harris e Josh Howard. No entanto, sem haver grandes vedetas na equipa (arrisco-me a dizer que o líder da equipa é Paul Millsap com 15 pontos de média e 8 ressaltos de média) existem muitos lutadores na equipa como o próprio Millsap, CJ Miles, Derrick Favors e Gordon Hayward. Não tem vedetas mas tem um colectivo muito lutador.

O turco Enes Kanter, o tal rookie da equipa que dias antes do draft afirmou ser um poste resultante de uma mistura técnica\táctica e atlética de Dwight Howard com Stoudamire e Shaq não está a convencer. Nos primeiros 12 jogos da época, média pontual de 4.4 pontos por jogo e 5.20 ressaltos. Muito pouco para quem se gabou tanto e para quem entrou na Liga rotulado de vedeta.

LA Lakers – Kobe Bryant acima da fasquia dos 40 está a conseguir levar a equipa às costas. Voltamos ao tempo dos Lakers em que Odom, Radmanovic, Vujacic, Ariza, Bynum, Walton e Fischer eram muito bons jogadores mas era Kobe quem mandava no jogo de LA. Desta feita mudaram alguns dos intervenientes na team mas Kobe é o esteio que faz os LA sonhar com alguma coisa esta época, facto que desde já considero muito improvável.

Dallas Mavericks – A recuperar do “lock-out” que persistiu na equipa nos primeiros 6 jogos da época. 8-5 com Nowitzky, Terry e Kidd a aparecerem em destaque nos últimos jogos e com os reforços Carter e Odom lentamente a entrosarem-se na equipa. Cuidado com Dallas. São campeões e num golpe de teatro parecido com o da época passada podem repetir a gracinha pois tem qualidade para tal.

Portland – O caminho inverso. Grandes arranques iniciais, estão a perder o gás. De 1ºs passaram a 8ºs num ápice. E vamos lá ver se conseguem aguentar a posição pois atrás vem Memphis a tentar recuperar das derrotas iniciais e Phoenix, que apesar de não ter nada de jeito no global ainda tem um Steve Nash que por si só vale ouro.

Minnesota Timberwolves – Ricky Rubio é um artista, Kevin Love é outro grande artista mas a tal mudança que se esperava na equipa ainda não aconteceu. Se não chegarem aos playoffs Love é capaz de ir espalhar o seu amor na luta das tabelas para outro sítio bem mais quente como LA, Chicago ou Nova Iorque.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Título para Dallas!

Ao 6º jogo das finais, título para Dallas!

No princípio da época, ninguém mas mesmo ninguém previa um cenário final de campeonato que consagrasse como campeã a equipa do Estado do Texas, propriedade do efusivo Mark Cuban.

Nas palavras do comentador da Sporttv Luis Avelãs no final da partida de ontem “Esta vitória de Dallas é a vitória do tempo, da construção progressiva de uma equipa”. E o Mavs, tiveram esse mérito: há anos que lutavam por um campeonato, já tinham conseguido chegar às finais em 2006 (onde perderam na altura para Miami) e continuaram em busca de algo melhor do que vitórias em fases regulares de conferência Oeste e finais de conferência nos playoffs.

Até que o dia de ontem chegou, negando novamente o título a LeBron James.

Com a  liderança na série, Dallas tinha a hipótese de conquistar o primeiro título da sua história em Miami. Motivados, a turma de Rick Carlisle viu a equipa de Miami entrar melhor na partida. LeBron James, que tinha escrito na sua página pessoal de  twitter no dia da partida “now or never” entrou com a pica toda e nos primeiros minutos pontuou 9 pontos. Do lado de Dallas, Dirk Nowitzky (algo incomodado com as bocas que Wade e LeBron tinham mandado devido ao seu estado febril no jogo 4 em Dallas) não entrou bem e chegou a ter 1 lançamento em 12 tentativas a meio da partida. Nos minutos iniciais, quem “carregava o piano de Dallas” era o base porto-riquenho Barea, que à semelhança dos jogos anteriores voltou a fazer um excelente jogo 6.

Depois de um parcial inicial de 22-15 para Miami, entrou Jason Terry na partida. O 6º homem de Dallas voltou a ser determinante ao longo da partida. Rapidamente, Terry haveria de equilibrar a partida com 5 pontos seguidos. Triplo para aqui, triplo para ali, o 1º período do encontro fechava com Dallas na frente com 32-27 e 75% de eficácia no lançamento.

O início do 2º período haveria de ser catastrófico para os Heat. Em 3 minutos, Stevenson saíria do banco de Dallas para marcar 3 triplos. LeBron James estava apático e parecia estar a secar ao nível de pontos. Nos 3 minutos iniciais, Dallas (que a 9 minutos do fim do 2º período tinha pontos por todos os jogadores de banco utilizados) puxou o resultado por 40-28, sem que no entanto Dirk Nowitzky tivesse aparecido na partida (o Alemão haveria apenas de fazer 3 míseros pontos na 1ª parte).

Dallas apostava (e muito bem) no seu forte tiro exterior, enquanto Miami limitava-se a colocar a bola na mão das suas vedetas à espera que saísse magia.

O 40-28 marca um desconto de tempo pedido pelo técnico de Miami Erik Spoelstra e uma reviravolta espectacular no marcador, reviravolta essa que viria a marcar a partida pela negativa: Miami fez um parcial de 14-0 colmatado por um espectacular triplo do suplente Eddie House, que na euforia do lance fez um gesto nada positivo para o banco de Dallas que em peso levantou-se das cadeiras e entrou dentro do campo. O resultado do gesto viria a ser um “sururu” entre jogadores e elementos do staff técnico das duas equipas. A arbitragem, se tivesse cumprido as regras deveria ter expulsado (ejection) os intervenientes em campo da quezília assim como todos os suplentes que se levantaram no banco. Essa expulsão daria lugar a castigo para o próximo jogo. No entanto, a arbitragem optou por assinalar faltas técnicas a alguns dos intervenientes na discussão acalorada como Mário Chalmers e Udonis Haslem no lado de Miami (incível como House não levou técnica) e Stevenson no lado de Dallas (sendo que Chandler também merecia uma técnica).

A discussão parecia levar o jogo para picardias excusadas. No entanto os jogadores acalmaram e só foi marcada uma nova técnica a Dwayne Wade já no 3º período por ter reclamado com os árbitros de uma decisão.

Após o parcial de 14-0, o jogo equilibrou e até ao intervalo foi um jogo de parada e resposta. Miami apostava mais em Dwayne Wade e no lado dos Texanos, Dirk Nowitzky continuava a ser perdulário no acto do lançamento e Jason Kidd andava muito escondido da partida. Quem continuava on-fire era Jason Terry.

Dallas iria para o intervalo em vantagem com um dado estatístico muito proveitoso ao nível da eficácia no lançamento. Jason Terry era o sinal positivo da equipa com 19 pontos e apenas 2 lançamentos falhados em 10 (2 tentativas de triplo). Já Dirk Nowitzky era o sinal negativo com uma série de 11 lançamentos consecutivos falhados. Dwayne Wade acabaria a primeira parte com 14 pontos e LeBron (depois de um fantástico começo de partida) ia desaparecendo lentamente do jogo. Chris Bosh também não estava a ter a preponderância de outros dias.

A 2ª parte começaria com um lançamento concretizado de Nowitzky (o que era bom sinal para os Texanos) e com uma resposta de triplo de Chalmers, um dos melhores no lado dos Heat.

O 3º período mostrou uma nova debilidade para as equipas: a linha de lance livre. Mais perdulários os homens de Miami. No final da partida, os Heat saldaram-se em 13 lances livres falhados em 33 tentativas, enquanto Dallas acabaria por falhar 6 em 18.

Na luta das tabelas, Tyson Chandler, Dirk Nowitzky e Shaun Marion faziam o equilíbrio com Chris Bosh, Udonis Haslem e Dwayne Wade. Chandler era o mais lutador no lado de Dallas como é seu apanágio.

O jogo mantinha-se equilíbrado a 5 minutos do fim. 68-62 para Dallas. Nowitzky subia de rendimento, Kidd marcava 2 triplos de rajada e no lado de Miami, LeBron James tinha medo e não lançava. A equipa de Miami estava pouco agressiva no ataque e na defesa: precisava-se um melhor contributo de James e Wade. No 2º período, Jason Terry abrandou mas mesmo assim terminou a partida com 27 pontos.

No final do 3º período, novo triplo de Kidd e um lançamento do Francês Mahinmi colocavam Dallas a vencer por 9 na recta final do campeonato. Cheirava a título.

Dallas haveria de recomeçar a partida com aumento de vantagem. A 9 minutos do fim do jogo liderava por 12. Miami tinha que fazer pela vida e o melhor que conseguiu foi reduzir para 7 pontos a 5 minutos e meio do fim. Renascia a esperança que no fundo era uma esperança de pouca dura visto que nos minutos que se seguiram a bola queimava nas mãos das estrelas. Com o contar do relógio, Miami praticamente desistiu da partida e os Mavs foram campeões.

Individualmente:

– No lado de Dallas, Dirk Nowitzky começou mal (3 pontos na primeira parte1 em 12 nos lançamentos) mas acabaria a partida com 21 pontos (8 em 15 na 2ª parte). Foi considerado o MVP das finais, merecidamente, visto que nos jogos em Dallas carregou a equipa e teve o mérito de fazer uma excelente exibição no jogo em que alinhou doente.

– Shaun Marion deu o seu contributo habitual. 12 pontos, os lances esquisitos mas eficazes e muita luta nas tabelas com 8 ressaltos. Foi uma das peças chaves na conquista do título nas finais, pela agressividade, pela crença na vitória e por ter marcado bastantes pontos quando a equipa parecia estar algo adormecida. O título premeia uma carreira bastante interessante.

– Tyson Chandler. A grande contratação para esta época. Deu aos Dallas em um só ano, aquilo que Dampier não conseguiu em muitos anos. Dampier mudou-se de armas e bagagens para Miami no início da época e voltou a ver o título por um canudo, não tendo alinhado nas finais devido a lesão à semelhança de Zydrunas Ilgauskas.

– Jason Kidd. 9 pontos, 3 triplos, 8 assistências. Precisou do descanso ao intervalo para acertar o seu jogo.

– Jason Terry. Jet. O mago. Uma capacidade enorme para um 6º jogador de luxo. Foi decisivo em todos os jogos das finais. 27 pontos nesta partida, numa eficácia estonteante (11 em 16 em lançamentos de campo3 triplos).

– DeShawn Stevenson. Cedeu o lugar no 5 base a Barea e passou a render mais. Saiu do banco em todos os jogos para marcar triplos. É um lançador a ter em conta para o futuro. Neste jogo, 3 em 5 no lançamento de triplo valeu-lhe 9 pontos.

– Barea. Excelente completo a Kidd no transporte de bola e extremamente eficaz. Nesta partida somou 15 pontos (7 em 12) e mostrou-se mais uma vez afoito tanto no lançamento exterior como nas incursões para o cesto onde a altura do porto-riquenho pode ser um handicap.

Pela negativa, Peja Stojakovic e Brendan Haywood. Perante as soluções de Dallas, perderam lugar para Cardinal e Mahinmi que são jogadores com menos potencial mas que mostraram mais espírito de luta que o poste e que o extremo sérvio. Num título construído à base de um excelente jogo exterior, o melhor “shooter” de Dallas teve escassos segundos de utilização nos 6 jogos da final.

No lado de Miami:

– LeBron James. O maior derrotado da noite. Mais uma vez não conseguiu o seu objectivo, facto que regozijou todos os adeptos que não gostam da sua personalidade e principalmente todos os fans dos Cavaliers.

Fez 21 pontos e 6 assistências (9 em 15) mas precisava-se de um LeBron na casa dos 30 para uma vitória de Miami. Pecou por escasso e tremeu novamente na altura das decisões, optando por não encarar o cesto.

– Chris Bosh. 19 pontos (7 em 9 no lançamento). Com Bosh a lançar bem nesta partida, merecia mais bola. O vedetismo de James e Wade assim não o permitiu. Ganhou 8 ressaltos na intensa luta com Chandler.

– Wade. 17 pontos, 8 ressaltos, 6 assistências. É um jogador fantástico. Teve uma boa exibição colectiva, mas a equipa precisava de um ponto mais de pontos por parte de Dwayne Wade. Não foi nada eficaz na hora de atirar (6 em 16).

– Mario Chalmers. Subiu de rendimento de jogo para jogo e é claramente o 4º homem desta equipa de Miami. 17 pontos e uma clara demonstração de bravura e luta. Foi o base da equipa, perante a desilusão que é Mike Bibby.

No final a festa de Dallas:

No American Airlines Center.

Aos 38 anos, 17 épocas depois de Dallas (1994-96, 2008-), Phoenix e New Jersey, 10 All-Star Games, Rookie do Ano em 1995, 5 vezes o melhor assistente da NBA, um dos melhores marcadores de sempre de triplos, o jogo em actividade com mais triplos-duplos e um dos melhores de sempre nesse capítulo, 1409 jogos, 18758 pontos e 12793 assistências, Jason Kidd é finalmente campeão da NBA.

Agora falta Steve Nash.

Um prémio merecido para um dos melhores bases de sempre.

A NBA não termina por agora. Em breve, no dia 23, teremos a escolha anual de draft, assunto do qual escreverei nos próximos dias. Nos próximos dias também se começarão a falar em trocas e free-agents. A WNBA também já anda por aí e terá algumas transmissões na Sporttv ao longo do verão.

Quanto à competição a sério, essa volta a 30 de Outubro.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Dallas Mavericks 112-103 Miami Heat

Jogo fantástico na America Airlines Center em Dallas! No melhor jogo dos 5 jogos das finais da NBA até agora, os Dallas Mavericks colocaram-se em vantagem na série por 3-2 e podem decidir o campeonato caso vençam na madrugada de domingo para segunda os Miami Heat na Flórida.

Emocionante até ao minuto final, o jogo foi muito equilibrado à semelhança dos anteriores (muitas reviravoltas no marcador durante a partida) e ao contrário dos 4 jogos anteriores, a pontuação das duas equipas ultrapassou os 100 pontos e os jogadores suplentes de ambas as equipas tiveram tanto ou mais destaque que os titulares.

O equilíbrio e a eficácia mostraram-se logo presentes no 1º período, em que Miami fechou a vencer por 31-30. Apesar de um parcial de 21-14 favorável aos Dallas Mavericks a ponta final viria a sorrir aos Heat, comandados por um excelente período de Dwayne Wade que no final do período até teve de sair para os balneários com uma lesão na bacia depois de um choque em falta contra o suplente de Dallas Brad Cardinal. Wade voltaria no 2º período mas haveria de se ressentir da lesão e voltar aos balneários. Depois de algum descanso e de exercícios na companhia do preparador físico e do fisioterapeuta da equipa, voltaria a meio do 3º período para tentar resolver a partida para Dallas. Já Brad Cardinal deve ser mencionado a título de curiosidade pelo facto de ter sido novamente aposta de Rick Carlisle para o jogo exterior (onde a equipa de Dallas esteve completamente on-fire) relegando novamente Peja Stojakovic para a condição de não-utilizado na equipa Texana. Cardinal cumpriu a sua tarefa, marcando uns pontos e sobretudo, lutando contra os jogadores de Miami (houve ali uma parte em que teve picado com Juwon Howard, veterano de Miami que também saltou do banco para contribuir com 6 pontos).

No 2º período, com a ausência de Dwayne Wade a equipa de Miami ganhou mais no colectivo (talvez foi o único jogo em que a equipa funcionou como um colectivo). LeBron James e Chris Bosh iam aparecendo esporadicamente com um ou outro lançamento, mas no entanto o segundo período traria um Mario Chalmers bastante inspirado no lançamento. No lado de Dallas, o período foi claramente de Dirk Nowitzky (teve a particularidade de ter jogado o 4º jogo com 38,5º de febre) e de Jason Terry, que no final da partida seria extremamente decisivo. É neste segundo período que Terry faz um triplo quase inacreditável numa posse de bola, lançando de lado sobre pressão adversária e sobre pressão de tempo de ataque.

Ao intervalo, o equilíbrio era dominante, estando Dallas a vencer por 60-57.

No 3º período veio a chuva de triplos de Dallas e consequentemente a maior vantagem do jogo para a turma Texana na partida: chegaram a estar a vencer por 7, mantendo-se essa vantagem durante quase todo o período. O 3º período trouxe o brilhantismo do base porto-riquenho Juan Barea, ora no lançamento de triplos, ora em penetrações para o cesto em que enfrentava tudo e todos, ora no jogo de passe para os colegas, especificidade técnica onde Jason Kidd esteve uns furos acima daquilo que tinha feito nos jogos anteriores. 

No 4º período, Miami incomodou e de que maneira a equipa da casa. Houveram momentos em que Dallas desligou da partida e os Heat não só recuperaram no marcador como estabeleceram uma vantagem de 4 p0ntos a 4 minutos e meio do final. A partida estava balançada para a turma da Flórida até que apareceu (primeiro) um inspiradíssimo Jason Terry com um triplo a empatar a partida a 100 e depois um Jason Kidd a colocar os texanos com uma vantagem de 5 pontos (105-100) com outro triplos após uma incursão para o cesto bem sucedida do Alemão Nowitzky e 3 bolas desperdiçadas por LeBron James que apesar do triplo-duplo fez uma boa exibição para o colectivo mas não apareceu individualmente. Jason Terry acabaria por terminar a partida com  novo triplo.

A partir daí, os Heat desperdiçaram bolas e limitaram-se a fazer faltas para colocar os Mavs na linha de lance livre, que aproveitaram para fechar o jogo.

Individual e colectivamente:

– Do ladoi de Dallas, Dirk Nowitzky dividiu com Jason Terry e Juan Barea o estatuto de melhores jogadores da partida na minha opinião.

O Alemão esteve espectacular com 29 pontos e 6 ressaltos. Muito eficaz no lançamento (50% de eficácia de campo e 100% na linha de lance livre onde concretizou 10 pontos) seleccionou melhor os seus lançamentos e não teve medo do jogo interior quando achou que a selecção de jogadas assim o exigia.

O 6º de Dallas é uma máquina. Jason Terry é um jogador de excepção e faz-me lembrar outro grande jogador que há uns anos passou por Dallas: Jerry Stackhouse. São jogadores de excepção com uma técnica formidável, com um nível de eficácia no lançamento interior e exterior fantástico mas são jogadores que não são grandes vedetas da Liga porque ao longo da época tanto aparecem como desaparecem. Stackhouse tinha 1 jogo excepcional por cada 5 maus, mas aparecia sempre na altura das decisões. O mesmo se passa com Jason Terry. Marcou 21 pontos e ganhou 6 ressaltos. Desses 21 pontos, 3 foram de triplo numa eficácia nos lançamentos de campo de 8 em 15. Marcou triplos fenomenais como o da 1ª parte em que lançou todo de lado e no período onde os seus 2 triplos foram cruciais para a equipa de Dallas.

Juan Barea é outro jogador formidável. O pequeno base não se amedronta e vai à luta. Marcou triplos inacreditáveis e acabou o jogo com 17 pontos importantíssimos para a equipa. Além disso fez 5 assistências.

Jason Kidd e Tyson Chandler acabaram ambos com 13 pontos na partida. Como já tinha referido, o base fez uma partida acima daquilo que tinha feito nas anteriores. Marcou 13 pontos (não o deixem sozinho para lançar de 3) fez 6 assistências, esteve mais certeiro no controlo do jogo de ataque de Dallas onde partilhou tarefas ora com Barea ora com Terry. Tyson Chandler fez o jogo que lhe competia. Debaixo do cesto conseguiu 13 pontinhos, ganhou 7 ressaltos mas nos derradeiros minutos teve hesitações de atacar o cesto. Perdeu o combate na luta das tabelas contra Bosh e LeBron James mas lutou bastante.

Colectivamente, grande eficácia dos Mavs ao nível do lançamento com uma percentagem de 56,9% (39  em 69). Relativamente aos jogos anteriores, os Mavericks lançaram menos e concretizaram mais. Nos 3 pontos, foi um jogo à medida daquilo que a equipa de Rick Carlisle já nos tinha habituado nos playoffs, como por exemplo aconteceu na série contra os Lakers: alta eficácia com 13 triplos concretizados em 19 tentativas.

Na luta das tabelas, Miami venceu claramente: 42 ressaltos contra 32.

– Do lado de Miami, apesar da lesão durante o decorrer da partida, o melhor marcador voltou a ser Dwayne Wade. 23 pontos e 8 ressaltos. Se Wade não tivesse o problema que teve, talvez pudesse fazer muito mais pelos Heat.

LeBron James fez um fantástico triplo duplo (17 pontos10 ressaltos10 assistências) – Como já tinha referido, foi uma excelente exibição colectiva do astro de Miami, que pecou apenas por não ter assumido as suas responsabilidades nos minutos finais.

Chris Bosh voltou a fazer uma excelente exibição com 19 pontos e 10 ressaltos. Teve um excelente desempenho no lançamento (8 em 19).

Pela primeira vez, o banco de Miami conseguir fazer uma excelente partida. Mario Chalmers saiu do banco para marcar 15 pontos (4 triplos) Udonis Haslem fez 10 pontos e 5 ressaltos, Mike Miller fez 9 pontos (3 triplos) e até o veterano Juwon Howard marcou 6 pontos (ainda não tinha marcado qualquer ponto nestes playoffs). No total, os 2 jogadores do 5 incial (Mike Bibby e Joel Anthony) mais os 5 suplentes conseguiram marcar 44 dos 103 pontos da equipa da Flórida, factor único nos playoffs deste ano.

Colectivamente, ao nível do lançamento os Heat não tiveram muito atrás da eficácia de Dallas. Lançaram por 70 vezes e concretizaram 37 bolas. Ao nível do lançamento de 3 a diferença foi notória. Apesar da eficácia não ser má (8 triplos em 20 tentativas) os Heat concretizaram menos 5 bolas, uma diferença considerável que explica a vitória de Dallas (mais 15 pontos em triplos).

O jogo 6 realiza-se às duas da manhã da madrugada de domingo para segunda em Miami com transmissão na Sporttv. O jogo 6 será decisivo. A equipa de Dallas sagra-se campeã caso vença o jogo. A equipa de Miami precisa de vencer os dois jogos em casa para alcançar o tão almejado objectivo estabelecido para esta temporada.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Dallas Mavericks 86-88 Miami Heat

No 3º jogo das finais da NBA, Miami recuperou o jogo perdido em casa, indo vencer a Dallas por 88-86.

Devido a afazeres da minha vida pessoal, não vi o jogo na íntegra. No entanto, amigos afirmaram-me que o jogo andou muito na base dos jogos anteriores: Miami ganhou vantagem, ampliou vantagem até aos 15 pontos mas Dallas com esforço conseguia re-entrar na partida.

Ao nível de estatística:

– No lado de Miami, Dwayne Wade voltou a fazer um jogão com 29 pontos e 11 ressaltos. Chris Bosh teve um jogo melhorzito que o jogo 2 com 18 pontos mas continuou muito imperfeito no lançamento (7 em 18 tentativas) e o mesmo aconteceu com LeBron James: apesar dos 17 pontos e 9 ressaltos, o astro dos Heat acertou 6 em 14.
Destaque para o suplente Mário Chalmers que saltou do banco para marcar 4 triplos.

– No lado de Dallas, a eficácia total da equipa ao nível de lançamento foi horrível (28 em 708 em 21 em triplos). O colectivo de Dallas não funcionou: Dirk Nowitzky marcou 34 pontos, sendo o melhor marcador da partida, Jason Terry 15 (5 em 13 de campo) e Shaun Marion (apenas com 10 pontos) esteve uns furos abaixo dos 2 jogos anteriores.

O 4º jogo da final disputa-se esta madrugada em Dallas, com transmissão em directo na Sporttv às 2 da manhã.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , ,

Miami Heat 83-85 Dallas Mavericks

Reviravolta do catano! É por este tipo de jogos que eu adoro a NBA.

A 7 minutos e meio do fim da partida, uma diferença de 15 pontos e um nível de jogo bastante aceitável colocavam a 2ª vitória nas finais nas mãos dos Miami Heat. Eis que em 7 minutos e meio, Dallas fez um parcial de 22-5 e empatou a série.

Uma equipa que perde um jogo destes a jogar em casa não merece o título da NBA.

Ao contrário daquilo que tinha acontecido no jogo 1, o 2º jogo entre estas duas equipas começou com uma qualidade ao nível de lançamento e pontuação muito alta. No 1º período, um jogo de parada e resposta colocava o marcador com uma igualdade a 28 pontos.

No 2º período, Dallas chegou a estar em vantagem por 9 pontos, sem que a sua maior estrela (Dirk Nowitzky) tivesse feito algo de extraordinário. Do outro lado, a dupla WadeJames ia dando espectáculo como fabulosas jogadas e fabulosos afundanços. Dwayne Wade chegaria rapidamente aos 20 pontos na partida enquanto na turma de Dallas (pelo menos no 2º período) o melhor marcador era o poste Tyson Chandler com 10 pontos.

No 3º período, os Heat tomaram de assalto a partida como lhes competia. Jogando muito bem no ataque, iam aproveitando o facto dos Mavericks cometerem muitos turnovers no ataque. Até que no 4º período tudo parecia encaminhado para a equipa de Miami – lentamente, Jason Terry e Shaun Marion marcaram uns pontos para nos minutos finais aparecer um inspiradíssimo Dirk Nowitzky que em dois lançamentos (um triplo e o lançamento final) resolveu a partida.

Do lado de Miami, Dwayne Wade fez uma partida como há muito não se via – 36 pontos (excelente do ponto de vista do lançamento de campo com 13 concretizados em 20 tentativas) 5 ressaltos e 6 assistências. LeBron James com 20 pontos e 8 ressaltos esteve bastante bem, tendo protagonizado excelentes afundanços ao longo da partida. No entanto as debilidades colectivas de Miami vieram ao de cima – Chris Bosh com apenas 12 pontos (4 em 16 de campo) fez um jogo para esquecer, sendo a sua falha pontual compensada pelos 14 pontos de Mike Bibby que finalmente fez um bom jogo nestes playoffs.

Miami lançou muito e mal. Os 8 jogadores utilizados concretizaram 34 lançamentos em 72 tentativas de campo. Nos triplos, conseguiram 9 em 30.

Do lado de Dallas, o primeiro aspecto que ressalta do seu jogo foi a quantidade de turnovers que equipa fez: 20. Jason Kidd e Dirk Nowitzky fizeram 5 cada um: o base com 5 passes errados e o gigante alemão com falhas na construção das suas jogadas individuais. Tendo em conta que Miami apenas fez 12 turnovers, os 20 de Dallas deram oportunidade a mais 16 pontos por parte da turma da Flórida.

Dirk Nowitzky não fez um jogo por aí além. Na 1ª parte, o alemão apenas concretizou 3 lançamentos do lado direito do campo. Concretizou 10 em 22 de campo. Foi muito bem defendido ora por Udonis Haslem, ora por Chris Bosh. No entanto, acabaria por ser o melhor marcador da turma de Dallas com 24 pontos (+ 11 ressaltos) tendo aparecido nos minutos finais quando a equipa mais precisava do seu jogo.

Shaun Marion fez uma exibição portentosa. O extremo está a jogar muito bem. A recuperação de Dallas no 4º período muito se deve à sua enorme concentração na hora de encarar o cesto. 20 pontos e 8 ressaltos. Tyson Chandler teve uma primeira parte excelente (11 pontos) mas desapareceu por completo na 2ª parte. Jason Terry saltou do banco para colaborar com 16 pontos e fez mais do que todos os seus companheiros de banco de Dallas.

A série viaja agora para Dallas. Serão 3 jogos seguidos em Dallas. A equipa de Rick Carlisle pode matar estas finais em casa caso vença os 3 jogos que dispõe em casa. Não creio neste cenário, até porque Miami nos habituou a ir ganhar jogos fora em todas as outras eliminatórias que disputou nos playoffs deste ano.

O próximo jogo será na madrugada de domingo para segunda.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , ,

Miami Heat 92-84 Dallas Mavericks

Miami venceu justamente o 1º jogo das finais da NBA.

Depois de uma primeira parte algo atabalhoada, onde as equipas cometeram muitos erros (alguns turnovers; falha clara nos lançamentos) a pontuação ao intervalo acabou por ser baixa, mas com Dallas na frente por 1 ponto.

Na 2ª parte, o big-three de Miami explodiu rumo à vitória, acabando o 4º período em grande.

À semelhança das restantes eliminatórias nos playoffs, o big-three de Miami esteve completamente intratável: James fez 24 pontos9 ressaltos e 5 assistências, Chris Bosh fez 19 pontos e 9 ressaltos mas não esteve tão certeiro como nos jogos anteriores contra Chicago (5 em 18 em lançamento de campo) e Dwayne Wade fez uma 2ª parte bastante agradável (22 pontos10 ressaltos6 assistências).

Do lado de Dallas, apesar da extrema pressão defensiva da turma de Miami quando tinha a bola, Dirk Nowitzky foi o melhor marcador da partida com 27 pontos. Shaun Marion marcou 16 pontos e meteu bolas incríveis. Ao nível do lançamento de 3 pontos, a equipa texana fez um jogo bastante razoável com 9 triplos marcados em 22 tentativas – o jogo de Dallas depende em muito do jogo exterior.

O 2º jogo da final realiza-se esta madrugada em Miami.

Com as etiquetas , , , , , , , , ,

Chicago Bulls 104-99 Indiana Pacers

Na estreia dos playoffs, a coisa esteve bem negra em Chicago.

No jogo 1 da série contra Indiana, os Bulls tiveram a perder até 48 segundos do final, quando Karl Korver saltou do banco para empatar com um triplo.

Derrick Rose voltou a fazer uma joga impressionante. Com Rose do nosso lado, não parece haver nada a temer. Nas palavras do jogador de Indiana Danny Granger, Rose assemelha-se a uma ex-namorada: quando pensamos que a afastamos de vez, ela reaparece sem dizer nada.

O que é certo é que o base de Chicago, eleito MVP da fase regular (e bem!) marcou 39 pontos (máximo de carreira nos playoffs) ganhou 6 ressaltos e fez 6 assistências, semeando o terror na turma de Indiana. Luol Deng também se exibiu a alto nível com um duplo-duplo (18 pontos10 ressaltos). Karl Korver saiu do banco para ser decisivo; 13 pontos, 4 triplos. Carlos Boozer teve um furinho abaixo das suas capacidades: 12 pontos e 6 ressaltos enquanto Joakim Noah fez um jogo à sua medida com 10 pontos e 11 ressaltos. Do resto do banco de Chicago nem bom vento nem bom casamento: Brewer, Thomas, Watson Asik e Gibson contribuíram apenas com 12 pontos, menos um que Karl Korver em 21 minutos de utilização.

Do lado de Indiana, destaque para as exibições da dupla Collison-Granger: Collison marcou 17 pontos, ganhou 6 ressaltos e fez 19 assistências, enquanto a vedeta da equipa foi o melhor marcador com 24 pontos. Tyler Hansbrough também esteve em destaque com 22 pontos. Do banco de Indiana, à semelhança do banco de Chicago (excepto Korver) pouca produção ofensiva: 23 pontos para 5 jogadores.

O 2º jogo desta série disputa-se em Chicago na madrugada de segunda para terça.

Nos restantes jogos de abertura realizados ontem, destaque para a vitória de Miami sobre Philadelphia por num jogo em que a turma de Philadelphia apresentou-se algo irregular. Iniciando o jogo com um parcial de 33-19, Elton Brand e companhia deixaram brilhar o big-three de Miami no 2º e 3º período, iniciando o 4º período a perder por 16 pontos. Miami parecia ter o jogo controlado mas nos minutos finais, Philadelphia haveria de equilibrar a balança, estando a perder por apenas 1 ponto a 2 minutos e meio do fim. 97-89 haveria de ser o resultado final, num jogo em que LeBron marcou 21 pontos e ganhou 14 ressaltos (James apenas concretizou 4 lançamentos e 14 tentativas). Dwayne Wade esteve um furo abaixo das suas capacidades com 17 pontos e o melhor marcador da equipa de Miami haveria de ser o inspiradíssimo Chris Bosh com 25 pontos e 12 ressaltos.

Do lado dos Sixers, Iguodala esteve miserável (apenas 4 pontos; 2-7 em lançamento de campo) Brand esteve interessante (17 pontos e 7 ressaltos) e os jovens Holliday (19 pontos5 ressaltos5 assistências) e Thaddeus Young (20 pontos11 ressaltos) acabariam por dar uma boa mostra do potencial de Philadelphia, que caso consiga equilibrar os parciais das próximas partidas poderá dar alguma luta a Miami.

Na série entre Orlando e Atlanta, a turma do Alabama cometeu a primeira surpresa da jornada ao vencer por 103-99 em Orlando. Um jogo desiquilibradíssimo da turma de Orlando, que viveu do jogo de Dwight Howard (46 pontos19 ressaltos) e Jameer Nelson (27 pontos) – a turma de Orlando não poderá viver destes dois jogadores, que em cúmulo, pontuaram 73 dos 99 pontos da equipa. Jogadores como Turkoglu, Richardson, Arenas ou Redick tiveram prestações ridículas tendo em conta o seu potencial.

Do lado dos sulistas, jogos muito concisos das suas principais caras: Johnson, Smith, Hortford, Hinrich e Jamal Crawford.

No Oeste, Dallas bateu em casa Portland por 89-81, num jogo bastante interessante.

Nowitzky comandou as tropas de Mark Cuban com 28 pontos e 10 ressaltos e Jason Kidd não lhe ficou muito atrás com 24 pontos. Do lado dos Blazers, LaMarcus Aldridge foi o melhor marcador com 27 pontos e 6 ressaltos e André Miller o 2º com 18 pontos. Gerald Wallace não teve uma prestação por aí além (8 pontos) e Rudy Fernandez pouco fez para mudar o rumo dos acontecimentos (apenas 6 pontos) assim como Brandon Roy (2 pontos).

Hoje disputam-se os primeiros jogos das restantes séries do Oeste, assim como o primeiro jogo que opõe Boston Celtics e New York Knicks.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,