Tag Archives: Da Weasel

das melhores coisas feitas em Portugal ao nível de hiphop

Anúncios
Com as etiquetas , , , , ,

10 anos

Da Weasel — “Entra e representa” — Álbum: Podes Fugir Mas não te podes esconder (2001)

O tempo é uma merda que não perdoa. Hoje lembrei-me que passa uma década desde a primeira edição deste álbum. Parece que foi ontem que ouvi isto pela primeira vez, num walkman da Sony ainda em versão cassette.

Eramos putos, viviamos numa era dourada em que os nossos pais não tinham os problemas financeiros que tem hoje, o Sporting tinha o João Pinto e o Mário Jardel, os Limp Bizkit eram reis e os putos apresentavam-se na escola munidos do seu cap dos Yankees. Maior parte deles falsificados, sempre tive os originais e em várias cores. Sempre tive sorte e agradeço todos os dias aos meus pais a educação e as oportunidades que me deram.

As letras eram agressivas, as guitarras também. O Carlão e o Pac Man apresentavam-se em palco com a corda toda e ainda cheguei a vê-los duas vezes nesse ano. Já havia o Sam, o Boss, os Mind, e outros tantos, mas o que é certo é que nenhum deles tinha batido tanto na juventude do país até então. O Carlão, o Pac, o Quaresma, o Jay e o Glue eram fortíssimos e creio que depois deste álbum perderam-se irremediavelmente. É certo que tiveram mais sucesso nos dois álbuns que se seguiram, mas nunca voltaram a ser os mesmos.

Depois era a verve da cena. Quem imaginaria na altura que os nossos tugas conseguiriam gravar um som com os cubanos Orishas, cena bem apreciada na altura.

Já passaram 10 anos. Sinto saudades desses tempos.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Acabaram…

A editora EMI comunicou hoje ao Público que os Da Weasel acabaram.

Depois de 17 anos, 1 EP e 6 álbuns de estúdio, a banda de Almada acabou e os seus membros seguem para outros projectos como os Nu Soul Family, Os Dias de Raiva e Teratron.

Assinar por uma editora major-label em Portugal tem consequências: o produto final tem que ser apetecível ao povo medíocre que temos para que o artista continue a sobreviver fazendo aquilo que mais gosta.

A partir do momento em que as regras do jogo são impostas desta forma, a criatividade do artista morreu: torna-se um puro autómato dos gostos e preferências dos seus consumidores, Foi o que aconteceu com os Da Weasel. A partir de “Podes Fugir mas não te podes esconder” a banda atraiu o indesejável grupo de fans que consomem musica de massas, musica para medíocres – a partir daí os dois álbuns seguintes não foram mais do que a perda de criatividade em detrimento dos gostos e preferências dos consumidores da banda.

É por isso que certos artistas devem-se retirar ou mudar de cenário assim que o seu trabalho cai no buraco do consumismo: é preferível sair de cena no auge da criatividade do que ficar reconhecido como mais um, mais um vendido à medíocridade dos comuns.

Com as etiquetas , , , , , ,