Tag Archives: Bard College

Futebol Pós-nacional?

Por Ian Burumna, professor no Bard College

“Alguns dos jornais alemães mais hilariantes culparam a derrota da Alemanha contra a Itália, nas semifinais do campeonato europeu, ao facto de poucos jogadores se terem preocupado em cantar o hino nacional. Algo que contrastou com os jogadores italianos, visto todos terem cantado a letra de Il Canto degli Italiani [O Canto dos Italianos]. Na verdade, o capitão, Gigi Buffon, cantou com os olhos fechados, como se estivesse a rezar.

Mas os italianos não tiveram qualquer hipótese na final contra Espanha, a melhor equipa do mundo, a qual nenhum dos seus jogadores abriu a boca durante o hino Espanhol Marcha Real – o que é óbvio, uma vez que a Marcha Real não tem letra. E, além disso, os jogadores da Catalunha sentem-se desconfortáveis com o hino nacional, o qual foi bastante promovido sob o governo do falecido ditador Francisco Franco, que odiava o nacionalismo catalão.

Sabemos que no futebol, as equipas mais bem-sucedidas nem sempre são as que têm as grandes estrelas. Os campeões trabalham em equipa – de forma coesa, serenos face ao egoísmo dos protagonistas, cada jogador disposto a trabalhar em prol dos outros. Será o patriotismo realmente a chave para este tipo de espírito nas equipas nacionais, como os críticos alemães da sua própria equipa acreditam?

O futebol tem sido muitas vezes apelidado de substituto de guerra – uma forma simbólica, mais ou menos pacífica, de lutar contra as rivalidades internacionais. Os fãs das faces nacionais são actores numa espécie de carnaval patriótico, vestidos com os trajes dos seus estereótipos nacionais: os fãs ingleses como cavaleiros medievais, os holandeses com tamancos, os espanhóis como toureiros. Os alemães, compreensivelmente, têm um problema com o simbolismo nacional, mas identifiquei alguns fãs com trajes quase bávaros. O prémio para a máscara mais humorística deve de ir para os italianos vestidos de papas e de cardeais.

No passado, os fãs ingleses – mas não eram os únicos – levavam a metáfora da guerra longe demais e agiam mais como exércitos invasores do continente europeu, aterrorizando cidades e azarando qualquer jogo da Inglaterra. Mas também os jogadores não conseguiam, às vezes, ocultar as animosidades nacionais: quando a Holanda venceu a Alemanha, numa memorável semifinal em 1988, um dos jogadores holandeses limpou ostensivamente o rabo com uma camisola alemã.

Dada a força do sentimento nacional nestas disputas, não surpreende que as pessoas gostem de projectar as características nacionais no estilo de jogar. Na rara ocasião em que a Inglaterra ganha um grande jogo recentemente, a vitória é atribuída ao espírito de luta “tipicamente” inglês, conjugado com o “fair play”. Os alemães jogam com “disciplina”, os italianos com a capacidade defensiva dos guerreiros romanos, os holandeses com o individualismo do espírito livre, os espanhóis com a elegância dos toureiros e assim por diante. Quando os franceses ganharam o Mundial em 1998, atribuíram a vitória à multietnicidade da sua equipa – a personificação do compromisso da França com a liberté, égalité, fraternité.

Mas, quando as equipas perdem, estas virtudes estereotipadas são amaldiçoadas com igual convicção, como sendo defeitos característicos: Falta de imaginação dos alemães, medo de atacar dos italianos, egoísmo dos holandeses, falta de sentimento nacional entre as minorias étnicas em França e assim por diante.

Na verdade, a realidade dos estilos de futebol é um pouco mais complicada. A proveniência dos grandes jogos espanhóis, de hoje, não é a praça de touros, mas sim a equipa do Barcelona constituída por Johan Cruijff nas décadas de 1970 e de 1980. A origem da sua filosofia “futebol total” de manter a posse de bola com passes rápidos, curtos e a passagem iluminada da defesa para o ataque, foi o Ajax, Amesterdão, no final da década de 1960.

Como muitas vezes acontece com os modelos inovadores, outros adoptam-nos e, como no caso de Espanha, melhoram-nos e refinam-nos. Agora toda a gente tenta jogar “futebol total” – com excepção dos ingleses, que “tipicamente” se mantêm distantes das ideias estrangeiras. Os italianos abandonaram as suas tácticas defensivas. Até mesmo os alemães trocam a bola com talento e imaginação. A diferença entre Espanha e os outros é que os espanhóis fazem-no melhor.

Daniel Cohn-Bendit, o antigo líder estudantil franco-alemão, em 1968, e deputado dos Verdes no Parlamento Europeu, afirmou num recente artigo que as estrelas modernas do futebol não jogam verdadeiramente pelos seus países. Como profissionais insensíveis, eles jogam acima de tudo por eles próprios. Eles são, para utilizar a sua expressão, “mercenários”.Isso talvez seja demasiado cínico. As lágrimas que corriam na cara de Andrea Pirlo e de Mario Balotelli, após a derrota de Itália, não eram de profissionais insensíveis. Eles queriam ganhar, não só pelo dinheiro ou pelo bem das suas carreiras, mas pela glória. Ainda deve ser bom sentir-se como um herói nacional, ser saudado nas ruas de Roma, Madrid, Londres ou Berlim como um guerreiro que regressa de uma batalha bem-sucedida.

E, ainda assim, Cohn-Bendit não está totalmente errado. O que foi notável durante este campeonato europeu foi a íntima colegialidade entre os jogadores adversários. Eles consolaram-se e felicitaram-se mutuamente, abraçando-se como velhos amigos e colegas que muitas vezes são. A maioria dos melhores jogadores joga nos mesmos clubes em Espanha, na Alemanha, em Inglaterra ou na Itália. Muitos falam várias línguas europeias com a fluência dos empresários internacionais, que eles também são.

Os melhores clubes europeus são todos, agora, multinacionais. Os jogadores seguem o dinheiro. E os principais clubes são também os mais ricos: Real Madrid, Chelsea, Barcelona, Manchester City, Bayern de Munique, etc. Alguns dos mais difíceis e exigentes protagonistas causam, geralmente, menos atrito quando vestem o equipamento multinacional, do que aquele que causam nas suas equipas nacionais.

Se houver uma moral nesta história, é mesmo esta: uma bandeira, uma língua ou uma história nacional comum, pode certamente contribuir para induzir as pessoas a trabalharem juntas em harmonia por uma causa comum. Mas tal pode esclarecer o interesse pessoal. No mais alto nível das conquistas humanas – quer seja na arte, na ciência ou no futebol – pode realmente ser o factor mais importante.”

Anúncios
Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Homicídio em nome individual

Por Ian Buruma, especialista em política e religião e professor no Bard College em Nova Iorque

“O que terá levado o jovem muçulmano de nacionalidade francesa, Mohammed Merah, a assassinar três estudantes judeus, um rabino, e três soldados, sendo dois deles seus correligionários? O que terá levado outro homem, Anders Breivik, a abater a tiro mais de 60 adolescentes num acampamento de verão da Noruega no ano passado? Esta vaga de assassinatos é tão incomum que as pessoas exigem explicações.

Qualificar estes assassinos como “monstros”, como alguns se apressaram a fazer, pouco esclarece o problema. Eles não eram monstros, eram jovens. E descartá-los como loucos é igualmente evasivo. Se o seu estado fosse de insanidade mental, nada mais precisaria ser explicado.

Destacam-se duas explicações, ambas de carácter amplamente sociopolítico. Uma foi apresentada pelo polémico activista muçulmano Tariq Ramadan. Ele responsabiliza a sociedade francesa. Mais especificamente culpa o facto dos jovens franceses de origem muçulmana serem marginalizados por causa da sua fé e da cor da sua pele.

Mesmo tendo passaportes franceses, são tratados como estrangeiros indesejáveis. Quando o presidente francês, Nicolas Sarkozy, ele próprio filho de imigrantes, afirma que há demasiados estrangeiros em França, coloca os jovens como Merah num impasse ainda maAior. Uma pequena minoria de homens nesta situação poderia atacar movida pelo desespero.

A outra explicação, apresentada por Sarkozy, toma à letra as palavras de Merah. Afirmou que estava a protestar contra as operações militares francesas em países muçulmanos e a vingar a morte de crianças palestinas. Queria deitar a baixo o estado francês como um guerreiro sagrado islâmico. Foi inspirado pela Al-Qaeda. Então por que não acreditar nele? Daí a decisão de Sarkozy prender outros muçulmanos suspeitos de actos de extremismo islâmico e impedir alguns imãs de assistir a uma conferência religiosa em França.

Aqueles que consideram o extremismo islâmico como sendo o problema também têm tendência a apontar jovens assassinos como Merah como exemplos de integração falhada. Eles nunca se tornaram suficientemente franceses. Os imigrantes devem ser forçados a partilhar os “valores ocidentais”.

Embora ninguém negasse que Anders Breivik não é suficientemente norueguês, também se poderia ter acreditado na sua palavra. O discurso dos demagogos xenófobos parece tê-lo convencido de que tinha que matar os filhos das elites social-democratas, a fim de proteger a civilização ocidental contra os perigos do multiculturalismo e do Islão. Os seus crimes foram o resultado extremo de ideias perigosas.

Nenhuma das explicações está totalmente errada. Muitos jovens muçulmanos sentem-se indesejados nos seus países de nascimento e a linguagem extrema, quer seja utilizada por islamitas ou pelos seus opositores, ajuda a criar um ambiente propício à violência.

Mas tanto Ramadan como Sarkozy são demasiado simplistas, pois reduzem assassinatos invulgares a explicações simples. Mesmo quando são confrontados com a rejeição, a maioria dos jovens muçulmanos não se tornam assassinos em massa. Merah é demasiado anómalo para servir como um exemplo típico do que quer que seja, incluindo a discriminação racial ou religiosa.

Longe de ser um fanático religioso, Merah cresceu como um pequeno delinquente, sem qualquer interesse na religião. O apelo do extremismo islâmico pode ter constituído a sua glorificação da violência mais do que qualquer conteúdo religioso. Ele gostava de ver vídeos jihadistas de decapitações. Também tentou entrar para o exército francês e para a Legião Estrangeira. O exército recusou-o devido aos seus antecedentes criminais. Se os franceses não o quisessem, iria juntar-se aos guerreiros santos: qualquer coisa que lhe desse uma sensação de poder e um pretexto para saciar os seus impulsos violentos.

Muitos jovens são atraídos para a fantasia de violência; muito menos são aqueles que sentem a necessidade de a colocar em prática. A ideologia pode servir como uma desculpa ou justificação, mas raramente é a principal fonte de actos individuais de brutalidade. Na maioria das vezes as vagas de homicídios são uma forma de vingança pessoal – indivíduos falhados que pretendem fazer explodir o mundo que os rodeia, porque se sentem humilhados ou rejeitados, quer seja a nível social, profissional, ou sexual.

Por vezes, os assassinos parecem não ter qualquer desculpa, como no caso de Eric Harris e Dylan Klebold, que em 1999 dispararam sobre 12 colegas e um professor na sua escola em Columbine, no Colorado. Neste caso, as pessoas culparam os jogos de vídeo e filmes sádicos que os assassinos tinham estado a ver. Ainda assim, a maioria dos entusiastas deste tipo de entretenimento não sai por aí a matar pessoas.Breivik tinha fantasias de ser um cavaleiro em luta contra os inimigos do Ocidente. Merah imaginava que era um jihadista. Quem sabe o que os assassinos de Columbine pensavam que estavam a fazer. Mas as razões pelas quais cometeram os crimes só eles as sabem e não podem ser atribuídas principalmente ao entretenimento ou a outros materiais que eles tenham consumido.

Proibir esses materiais tem um apelo estético, com certeza, e as figuras públicas que pregam a violência devem ser sempre condenadas. O discurso do ódio e a ideologia violenta não são irrelevantes. Mas atribuir-lhes uma grande importância em casos como os de Merah ou Breivik pode ser erróneo.

É pouco provável que a censura resolva o problema. Proibir o Mein Kamp de Hitler ou proibir a exibição de símbolos nazis não impediu os neonazis na Alemanha de assassinar os imigrantes. Suprimir a pornografia violenta não nos livrará dos violadores ou dos homicídios cometidos por jovens adolescentes. Impedir os demagogos de fazer discursos inflamados sobre os muçulmanos ou multiculturalistas não irá impedir um futuro Anders Breivik. E bloquear a entrada de imãs na França não vai impedir outro Merah de entrar em fúria assassina.

De facto, comparar os actos selváticos de Merah aos assassinatos do 11 de Setembro de 2001, como Sarkozy fez, é dar demasiado crédito ao assassino. Não existem provas de que ele faça parte de algum grupo organizado, ou que esteja na vanguarda de um movimento revolucionário. Utilizar este caso para instigar o medo de uma ameaça islâmica para a sociedade pode fazer sentido a nível eleitoral para Sarkozy. Mas provocar o medo raramente é a melhor receita para evitar mais violência. Pelo contrário, é mais provável que a alimente.”

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,