Tag Archives: Assembleia Magna

tristeza. meninos

Afinal de contas, a surpresa para o dia do estudante era este miserável documento de word (não lhe chamo texto sequer, muito menos comunicado, porque um comunicado deve ser agressivo e deve conter soluções que consigam penetrar a outrém uma mensagem que seja capaz de granjear abertura para a resolução de problemas) que não relata nada do que nós saibamos há bastante tempo, não ressalva nenhuma medida que possa servir de solução para os problemas da academia nem indica qualquer estratégia para o futuro.

A AAC, na sua nova área política, coordenada por uma pessoa (Leila Campos; sou frontal, directo, duro e pragmático) cuja inteligência, competência ou mérito não lhe reconheço para tais funções, e a paupérrima entrevista por si concedida para a última edição do Jornal A Cabra assim o manifesta, em que esta pseudo-dirigente de gabinete não só não apresenta uma única frase onde se possa sondar (nem nas entrelinhas) aquilo que pode ser feito por esta DG como afirma “querer criar posições consensuais dentro da Academia” (como aprovar moções sem as cumprir, o que é uma grave violação aos estatutos e aos princípios que sempre nortearam o funcionamento da instituição; quanto a esse ponto, melhor dizendo, quanto à minha moção, apresentada e aprovada a 12 de Março em AM, ainda não foi enviado o convite ao Ministro que estava inscrito no seu conteúdo e isso já motivou uma queixa minha a um membro da AM e nos próximos dias irá resultar em 3 queixas no fiscal contra DG, Ricardo Morgado e Leila Campos; porque se quiserem gozar vão gozar com os vossos avós) quando de facto está a recusar a participação da instituição em verdadeiras acções reivindicativas (essas sim, verdadeiras acções reivindicativas duras e sérias) para um dia tão importante e tão simbólico como o dia do estudante, para depois apresentar esta merda escrita em word que foi claramente escrita em cima do joelho de alguém. E eu sei de quem foi. Os responsáveis por este texto são Ricardo Morgado e Leila Campos. Ambos militantes da Juventude Social Democrata. São responsáveis pelo silêncio da AAC quanto a um texto que não tem origem cá mas numa cabeça pensante da Federação Académica do Porto com o silêncio destes seus dois amiguinhos de Coimbra. Porque duvido que a Mariana da Acção Social, pelo que conheço dela e pelo que já falamos sobre a AAC, deixasse uma coisa tão merdosa passar para o público.

Neste documento de word que não é digno da nossa realidade, há duas ressalvas às quais pretendo mexer:

a 1ª quando se lê: “uma comparticipação dos estudantes sob a forma de propina, consignada à melhoria da qualidade e à ação social, e a simultânea responsabilidade do Estado em garantir efetivamente que nenhum estudante é excluído do sistema de ensino superior pormotivos de carência económica!” – subentendo então que a actual DG\AAC, ao contrário do que prevê a CRP é a favor do pagamento de propinas e chama a 1000 euros “comparticipação” por um ensino de qualidade que a CRP obriga a ser tendencialmente gratuito. Se as propinas cobradas pela UC aos seus alunos tem um valor superior a 2 salários mínimos, não é uma comparticipação (é um encargo pesado para muitas famílias) e muito menos é o pagamento simbólico de um ensino “tendencialmente gratuito”.

a 2ª quando se lê: “É que, apesar de estarmos em “férias escolares”, as dificuldades não tiram férias!” – esta DG não está em férias escolares pelo que depreendo deste texto. está em férias desde que tomou posse!

Eu não gosto de criticar por criticar. Apresento soluções.Apresento acções de reivindicação a sério:

1. A minha moção no dia 17 de Abril como propus em Assembleia Magna.

2. Uma manifestação da Academia onde se convidem alunos, docentes, investigadores da UC a desfilar da Via Latina até à Ponta de Santa Clara (passando pela rua Oliveira Matos onde estão situados os SASUC) para protestar contra os cortes impostos no financiamento da Universidade de Coimbra, contra os cortes na Acção Social directa e indirecta e contra o regulamento de atribuição de bolsas de estudo no ensino superior, disponibilizando para o efeito uma informação detalhada sobre os graves entraves enunciados no dito regulamento que estão a fazer com que milhares de estudantes com um considerável grau de carência económica não possam continuar os seus estudos no ensino superior.

3. Reuniões urgentes em Coimbra ou em Lisboa com o Ministro da Educação\Secretário de estado do ensino superior\Primeiro-Ministro\Presidente da República para dizer “basta” e para dizer que os estudantes da Academia de Coimbra irão tomar medidas concretas para reivindicar os seus direitos.

4. O decreto de um luto académico pela actual situação da Academia de Coimbra.

5. Uma paralização grevista da Universidade de Coimbra por vários dias, convidando os docentes da Universidade de Coimbra a discutir o ensino superior e a situação do país com os alunos à porta das faculdades.

6. A criação de um fundo solidário para situações de emergência social para usufruto de estudantes carênciados excluídos do sistema de acção social escolar com a sua base constitutiva assente no valor que for cobrado à nova concessão dos bares da AAC e dos restantes estabelecimentos comerciais instalados no edifício da instituição.

Apresento estas 5 vias de reivindicação e a solução que vejo possível para ajudar a dirimir um dos problemas que nos aflige aqui. Não apresento na Direcção-Geral porque não confio na sua estrutura e tão pouco em alguns dos seus dirigentes. Não confio numa Direcção-Geral que não é capaz de fazer uma ruptura com as decisões tomadas em ENDA. Não confio numa Direcção-Geral da AAC que anda a reboque daquilo que a FAP acha que deve ser feito. Num confio numa DG\AAC que baixa constantemente as saias aos dirigentes da FAP em ENDA. Não confio em pessoas sem ideias, sem noção da realidade daqueles que representam e sem um mecanismo de acção para a resolução dos seus problemas.

Anúncios
Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , ,

lembrete

MoçãoA Moção\Acção Reivindicativa que apresentei (e vi aprovada) ontem em Assembleia Magna para o próximo dia 17 de Abril para aproveitar o 44º aniversário do 17 de Abril de 1969.

Com as etiquetas , , , , , , , , ,

relatório DG\AAC´12.

Querem que eu comece já a falar ou esperam por mais logo pela Assembleia Magna?

Com as etiquetas , ,

o facto de não postar sobre a DG\AAC não quer obrigatoriamente dizer que estou a dormir na forma

Na semana passada, tive a oportunidade de dizer a alguns colegas da direcção-geral que iria escrever um post a dar nota positiva ao trabalho desta nos primeiros anos de mandato. Palavra dita, não irei modificar significativamente a nota que irei pontuar neste post. No compto-geral, esta direcção geral merece um 10 em 20, estando dois furos acima da DG\AAC anterior ao nível de trabalho interno e 3 furos abaixo da garra da DG\AAC de 2010.

No entanto, existem factos que me intrigam e sobre os quais irei escrever.

1. Sobre o Presidente Ricardo Morgado.

Ricardo Morgado parece estar a viver um segundo erasmus. Ou melhor, parece ainda não ter acordado do “primeiro” para a realidade da instituição depois da sua passagem por Praga.

Se é certo que ao contrário de Eduardo Barroco de Melo, Ricardo Morgado tem aparentado (pelo menos) manter a unidade entre as suas tropas (mesmo perante a presença de cobras muito venenosas da academia em cargos de destaque) e tem feito os possíveis para que a sua equipa apresente trabalho (com alguns supercoordenadores, nem a lei da chibata faz com que trabalhem) também é certo que o actual presidente da DG\AAC tem algumas posturas e comportamentos que deixam a desejar:

1.1 A célebre entrevista à SIC onde Morgado afirmava que a AAC conseguia arranjar “empregos” e “estágios” a recém-licenciados. Uma profunda mentira que aprouve dizer à frente das camaras nacionais de televisão que não corresponde nem nunca correspondeu ao passado mais recente da instituição, apesar do facto desta possuir agora um gabinete de atendimento nas saídas profissionais.

1.2 A célebre entrevista à SIC onde Morgado falava de estudantes carenciados directamente do estabelecimento comercial da instituição, símbolo do consumismo que muitos estudantes das equações da nossa realidade não tem acesso. Muitos até, nem acesso financeiro a uma refeição equilibrada tem. No entanto, o presidente, do alto do seu cadeirão parece desconhecer essa realidade, até porque decerto nunca lhe deve ter faltado comida na mesa.

1.3 A inabilidade crassa que o presidente tem para por fim a remunerações que certos dirigentes associativos de secções culturais recebem pela realização de actividades nas mesmas. Facto que foi denunciado por este blog e cujo blogger perdeu a paciência ao ponto de por ventura ser obrigado a levar o assunto a Assembleia Magna, visto que DG\AAC e Conselho Fiscal não só não se mostraram interessados em resolver como parecem mais interessados em pactuar. E pagar.

1.4 A inabilidade crassa que Ricardo Morgado tem em recuperar aquilo que é devido à instituição, culpas que partilha com o seu boémio administrador. A Associação está morta em dívidas, e o seu presidente preferiu andar a lamber o rabinho a devedores durante semanas do que lhes pedir a cobrança das dívidas. O problema não reside apenas no facto da AAC ter dívidas gigantescas a pagar. Reside também no facto de ser uma instituição que parece mais dependente dos fundos que vem da queima das fitas (que este ano vai ser nenhum graças à desgraça que foi a queima das fitas cujo secretário-geral parece mais interessado em comezanas, beberetes e festivais de verão do que em realmente em trabalhar em prol da instituição que lhe paga o salário) e do facto de a DG\AAC não se poupar a despesas (ao nível de comunicações\transportes principalmente) quando os tempos advogam uma racionalização dos recursos que dispõe.

1.5 A falsa vitória da ocupação das cantinas, problemas aos quais, o presidente não parece ter soluções reais a apresentar para que tudo se mantenha conforme nesse dossier.

Must or must See:

2. A ocupação das cantinas no passado mês de Março trouxe uma falsa vitória. As cantinas reabriram aos fins de semana, mas em contrapartida, a nova administradora dos SASUC Regina Bento, apertada pelos cortes na instituição e pelo alto despesismo que apanhou dos anteriores administradores, decidiu encerrar as cantinas verdes e encerrar mais cedo outras dos serviços sociais como os grelhados, cantina onde se via a olhos vistos uma maior racionalização das quantidades dos pratos e que, ou muito me engano, fechará definitivamente no próximo ano lectivo, perante um olhar impávido dos representantes dos energúmenos estudantes da UC, perdão, da comunidade estudantil que elegeu Ricardo Morgado como presidente.

Mas, não deixo de observar de forma inquietante um fenómeno que se verificou e cujos resultados estão a ser, no mínimo opacos.

Aquando do fecho das cantinas ao fim-de-semana no início deste ano lectivo, assistiram-se (principalmente nas redes sociais) a uma multi-diversidade de protestos individuais contra o fecho das mesmas. Meses depois, as cantinas reabriram, num esforço financeiro que pesa aos SASUC e de que maneira. Tenho almoçado e jantado nas cantinas ao fim-de-semana desde então e tenho reparado que os SASUC não servem mais de 60 refeições por período. Onde é que estão portanto, aqueles indignadinhos de merda que justificavam a abertura das salas por questões económicas e por não terem onde almoçar uma refeição saudável ao fim-de-semana? Desapareceram? Calaram-se? Era só tesão de mijo? Criticavam o fecho porque queriam ser bem vistos para terem um lugar na DG\AAC?

Vou mais longe ao afirmar que é graças a este tipo de pessoas que qualquer dia, não havendo rentabilidade na abertura das cantinas ao fim-de-semana por falta de utilizadores, estas irão fechar definitivamente.

3. Quanto ao administrador desta DG\AAC João Seixas

3.1 Inabilidade na cobrança de dívidas à instituição. “Se não os podes vencer, junta-te a eles” foi o leitmotiv expresso da actuação de Seixas enquanto administrador da casa. Com todo o respeito pelo Seixas, que é uma pessoa da qual até gosto bastante, considero que já não apresenta condições para se manter como administrador da casa. Até porque esta apresenta condições de visível degradação (o quadro elétrico) e foi palco de situações (navalhadas, assaltos, vandalismo, destruição de material de secções e organismos autónomos) às quais a administração e Conselho Fiscal passaram vistas grossas, não abrindo sequer processos de investigação aos actos.

Relembramos que foi desta administração a portentosa ideia de decreto acerca das condições de entrada no edifício. Apesar de Seixas ter obrigado a segurança paga pela AAC a pedir cartão de entrada no edifício, a medida durou apenas algumas semanas, tendo a administração cedido a interesses económicos dentro do espaço num piscar de olhos. Qualquer cabecinha pensadora, conseguirá ligar os elos que aqui deixei e que justificam um comportamento cobardio quanto a certas situações.

Para fechar a parte da administração, um louvor ao coordenador-geral Jonathan Torres.

Não por ter a paciência de louvar de apanhar com a minha ira quase todas as semanas. Mas, pelo facto de ser um bom miúdo, presente, honesto e trabalhador. Não há dia em que não veja o Jonathan para trás e para a frente no edifício. Arrisco-me a dizer que o administrador desta DG chama-se Jonathan Torres e decerto, tenha em crença que este recém-licenciado levará muita experiência da AAC para a sua actividade profissional.

4. Voltamos ao problema das cantinas.

4.1 A malta da DG (ou pelo menos uns tipos de cara enfadonha e enfastiada que por lá andam e que fazem questão de mostrar o quão enfastiados são quando se cruzam comigo) pensa que o João Branco só serve para arrasar. Pensa mal.

4.2 Numa conversa que tive oportunidade de ter com o Francisco Leal (um dos vices-presidentes) dei uma solução espectacular para a AAC e para a reutilização das recentemente encerradas Cantinas Verdes.

Dizia eu ao Leal que a AAC poderia resolver os seus problemas com uma parte do edifício e ainda poderia rentabilizar as Verdes através de uma mudança que comportava a passagem da sala de estudo da instituição para as Verdes (edifício que daqui a uns anos poderá tornar-se devoluto, até porque não prevejo que os SASUC\UC queiram fazer algo daquilo) e a cedência da sala de estudo a tempo permanente para a Queima das Fitas, que, para trabalhar, dispõe de uma sala minúscula e utiliza a sala do CIAAC, de modo a que a queima tivesse um local grande e arejado para trabalhar e não tivesse que incomodar os utilizadores da sala de estudo nas semanas anteriores à queima, privando-os do seu lugar de estudo, para venda antecipada dos bilhetes do evento. Nas Verdes, a AAC, podia inclusive protocolar com os SASUC um contrato de exploração do BAR existente à entrada do edifício, em regime de exploração dos SASUC para criação de receitas próprias, de exploração da AAC para objectivo similar ou até partilhada.

É portanto uma questão dos meninos colocarem as bundas para fora do gabinete e irem bater nas portinhas que são proprietárias do espaço com esta ideia. Um não terão como garantia. Mas, como o meu pai sempre me disse, mais vale tentar do que ficar impávido e sereno à espera que aquilo que nunca virá (sem trabalho e persistência) nos venha cair no colo de mão beijada.

5. Vice-presidentes.

José Amável – Bom moço que representa a AAC nos funerais.

Samuel Vilela – Dispensa apresentações neste blog. O “competente” no trabalho que não se vê. O estratega de manobras de bastidores, porcas, sujas e más.

Pedro Tiago – Tacho.

Francisco Leal – Tacho, parte II. Ou melhor, tacho a dobrar.

6. Super coordenadorias.

6.1 Acção Social – A Rita Andrade é uma máquina de trabalho. Melhor dizendo: é a única máquina de trabalho em tantos super-coordenadores, se bem que grande parte desta classe de espécies, é escolhida em virtude de votos nos seus cursos e não naquilo que valem, até porque alguns deles, como eu costumo dizer, “não valem merda nenhuma”.

Projecto Lado a Lado, acções de sensibilização sobre o estado da Acção Social, reuniões com bolseiros, residentes universitários e repúblicos, ocupação das cantinas em prol de uma melhor Acção Social, pressão e diálogo junto dos SASUC para resolução de problemas relativos a bolseiros, abertura do GAPE para ajuda a candidaturas a bolsas e ao FASEUC fazem parte de um mandato que considero brilhante.

Um trabalho com superior quantidade e qualidade em relação ao tutelário da mesma pasta da “época” transacta. Não é por nada, mas fazer melhor que o Francisco Guerra não é difícil. Até eu, a dormir, faço mais trabalho que o Guerra acordado e desperto.

6.2 Pedagogia – Letícia Gomes e Leila tem feito um trabalho bastante satisfatório, com foco nas Jornadas Pedagógicas e na complementaridade de informação da actualidade pedagógica da UC e do Ensino Superior. No entanto, dou-lhes uma de borla: e que tal fazerem um levantamento público de atropelos pedagógicos que tem existido nas faculdades para numa 2ª fase encetar um diálogo na resolução destes com os Conselhos Pedagógicos e Directivos das mesmas?

6.3 GAPE – Um razoável trabalho que é manchado apenas pelo facto do desconhecimento da sua existência entre a comunidade estudantil e pelo estigma da vergonha que muitos tem em contar os problemas das suas vidas.

6.4 Saídas profissionais – O jovem em questão (Joel Gomes) não é perfeito mas pelo menos esforça-se.

6.4 Relações Internacionais, Externas, Política Educativa, Ligação aos órgãos – Tudo no mesmo saco roto. Inexistentes. Com uma falta de qualidade e de brio evidente.

O primeiro (Jorgito) é uma das pessoas às quais me interrogo como é que foi parar a uma Direcção-Geral?

A segunda (Mariana Mesquita) está a anos-luz da sua antecessora Mónica Batista. E nem a UV 2012 irá salvar um mandato vazio.

O terceiro (Tiago Martins) está agregado a um pelouro, onde os falsos experts da modalidade dizem que é preciso fazer muito trabalho de gabinete. Não poderia discordar mais, pois cada vez considero este pelouro o mais importante entre os existentes, pela necessidade que existe de discutir e repensar assuntos como RJIES, Bolonha (assuntos cuja aplicação no ensino superior português foi tosca) nas esferas a que compete a sua observação. Tiago Martins tem muitas ideias, é um bom moço, mas está cada vez mais enterrado no gabinete.

O quarto (Filipe Luz) deveria dirigir um pelouro chamado “desliga-te dos órgãos” tal é o deslocamento que parece ter dos órgãos em que deveria conquistar vitórias institucionais.

6.5 Desporto e Desporto Universitário, Núcleos, Intervenção Cívica e Comunicação e Imagem –

Desporto e Desporto Universitário – Nada a apontar. Anos difíceis (a nível financeiro) depois de anos gloriosos tornam o trabalho muito difícil.

Núcleos – Um bom trabalho, pelo que sei.

Comunicação e Imagem – Altamente profissional.

Intervenção Cívica – Ana Rita Mouro até poderá ser uma excelente pessoa, mas está muito longe ao nível de trabalho da sua antecessora e de Patrícia Damas (DG 2010)

6.6 Cultura – Um super coordenador (Mário Gago) incapaz de estabelecer uma relação permanente com as secções culturais da casa, expert e participante em jogos de moscambilha e golpes palacianos nas esferas que concernem às secções e sem trabalho de iniciativa própria de pelouro, exceptuando uns miseráveis “25 anos da Morte de Zeca Afonso” que poderiam ter sido melhor comemorados caso não “se tivesse armado ao pingarelho” com as secções culturais.

Partilha de responsabilidades com o seu presidente nas fraudes que são cometidas pelos referidos dirigentes associativos remunerados.

6.7 Tesouraria – Aprender como olhar para um cofre vazio tendo contas para pagar.

7 –  Conselho Fiscal

O trabalho de Francisco Guerra e seus pares pode-se considerar lastimável. Falta tudo: respeito, consideração, observação e consequente aplicação de deveres estatutários que competem ao órgão, interesse, mentalidade e até brio.

8- Assembleia Magna

Apesar de ter sido expulso de uma magna depois de uma votação a uma moção aldrabada por Rui Santos e seus pares, e depois de os ter mandado para o caralho porque de facto mereciam ir pró caralho naquela noite, é de elogiar uma inovação nunca antes feita neste órgão: o Regimento Interno.

E por hoje é tudo.

P.S – falta-me a Sara São Miguel. Creio que finalmente a AAC tem uma assessora de imprensa como deve ser. Acho que isto diz tudo.

E falta-me também mencionar o Paulo Ferreira, que, está sempre presente na Direcção-Geral e trabalha bastante bem.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Demissões Parte III

O Presidente da Direcção-Geral da Associação Académica de Coimbra, apaga todas as postagens que o Entre o Nada e o Infinito lhe coloca no seu mural de facebook e as perguntas que o seu autor (João Branco) lhe deixa a título pessoal no referido perfil.

Nem é uma questão de se dar ao trabalho de responder. Apaga, porque não tem uma resposta às perguntas que lhe formulo. Mais uma vez se vê a falta humildade deste presidente da Direcção-Geral, assim como outros tiques nada democráticos.

Relembro-lhe portanto, um trecho da conversa telefónica que tivemos na célebre noite da ameaça de um processo judicial. O Eduardo, em tons agressivos, pedia-me encarecidamente para o consultar sobre ocorrências no seio da Direcção-Geral\Explicações sobre tomada de acções e decisões da sua parte antes de escrever o que fosse no blog. Dizia-me ele que “era para evitar escrever factos inverosímeis e caluniosos”. Lembras-te Eduardo? Pois bem, foi o que fiz. Pedi-te uma explicação. Tu habilmente apagaste. Volto a relembrar as tuas palavras quando me criticavas “que eu só escrevi aquilo que me interessava” – pois bem, acho que acabaste “de cair no meu erro”.

E de facto, não conhecia esses tiques de tirano em ti.

Até na questão da demissão do Miguel, tu não quiseste saber do Entre o Nada e o Infinito e enviaste a nota para o Sexo e a Cidade.

Como é que queres que escreve, se não me envias a tua nota com a versão dos factos?

Pergunto-te então aqui, publicamente: Quando é que te demites?

Segunda-Feira, irei perguntar-te em Assembleia Magna, podes estar descansado.

Daqui não levarás uma única palavra de apreço. Porque não a mereces.

 

Com as etiquetas , , , , , , , , , ,

As demissões

diário As Beiras, página 8

 

2 demissões, 1 semi-demissão. Faltam ainda 2 demissões, as de Pedro Tiago e Nélson Fonseca.

Todas elas com dois denominadores comuns: falta de confiança política e perseguição pessoal.

Só Eduardo Barroco de Melo é que não sofreu falta de confiança política por parte da Academia. Tenho pena que o mesmo ainda não se tenha demitido depois daquilo que fez durante o ano. No entanto, folga-me em saber que na AAC, Eduardo Barroco de Melo, sai, como diz a giria “pela porta do cavalo”: com 5 demissões no pacote, zero de trabalho, zero de responsabilidade e zero de humildade.

Mas a podridão, a podridão ficou toda na Direcção-Geral...

Porém, o mandato de Eduardo Barroco de Melo não se fica por aqui: deixou que os seus vice-presidentes alimentassem uma candidatura quando o mandato ainda nem sequer ia a meio. Foi completamente enrabado, repito, enrabado em ENDA e nas eleições para o Secretariado de Inter-Núcleos. Por duas vezes, violou os estatutos da AAC: uma quando quis sobrepor uma Feira de Emprego da AAC na mesma altura em que os Núcleos de Estudantes de Economia e Gestão também preparavam uma (infringiu um direito dos núcleos) e outra, quando numa Magna, pura e simplesmente não quis ascultar e cumprir a vontade da maioria dos votantes presentes.

Para compor o ramalhete, ficou assustado com um post de um humilde blogger e ameaçou levá-lo para a barra dos tribunais.

Uma lástima, repito.

Quem aprende é quem está dentro da AAC. Aprende com os erros deste “pequeno” presidente para que o futuro seja melhor. E espero, claramente, que o futuro passe por 2 nomes: André Costa. Espero mesmo do fundo do coração. 

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Assembleia Magna

É importante a presença de todos os estudantes. O Entre o Nada e o Infinito não irá marcar presença, mas eventualmente poderá estar com atenção aos trabalhos a partir da emissão da RUC. 

Com as etiquetas , , , ,

Perguntasafirmações pertinentes

Sobre o que foi escrito na barra de comentários do último post dos 42 da AAC.

Pessoalmente, não sou muito a favor dos comentários em anónimo. É demasiado fácil comentar num blog no anonimato. Podemos dizer o que bem nos apetece, sem que do outro lado haja alguém que saiba a nossa identificação. No entanto, como esta barra prova, existem utilizadores na blogosfera que tecem perguntas e afirmações bastante pertinentes:

As primeiras perguntas pertinentes são estas:

“quando este blog investiga o facto de na universidade de verão os monitores terem sido pagos e serem praticamente só membros da DG e amigos os monitores? quando na prioridades estavam alunos com bolsa?

e pk razão os carros da AAC nunca estão à porta ld estamos de férias e o edificio está de luzes apagadas? quem foi de férias de seat?”

Porque é que os monitores da Universidade de Verão (quase todos com ligações à AAC ou a actuais dirigentes da AAC) foram remunerados no exercício da actividade? Porque é que não se deu proridade a alunos bolseiroscarenciados para a mesma função? Porque é que os monitores da Universidade de Verão tem direito a uma remuneração por alguns dias de actividade e por outro lado existem pessoas nas Secções Desportivas que pagam do seu próprio bolso para competir? 

E os carros da Associação onde param? Porque é que existe um clientelismo estranho e oportuno por parte de dirigentes da DGAAC na constante utilização dos carros para fins pessoais? Quem cobre a excessiva despesa que os carros dão quando não estão ao serviço da Associação?

Ainda sobre a Universidade de Verão, as seguintes afirmações, mais uma vez, pertinentes:

“não terem conseguido ser monitores? mas abriu alguma espécie de concurso? como é remunerado é mil cães a um osso, pena que no resto das actividades não esteja la ninguem…”

e

“não concorri não….de tachos da tAAChistas está cbr cheia…mas sei que os critérios eram primeiro para bolsistas, mas claro foi só para DG´s…e porque estão sempre a pedir a núcleos para divulgar e ajudar em tudo e quando é este tipo de actividades não pedem para eles divulgarem? como se diz é mil cães a um osso e só s fala com amigos…”

E não vale a pena comunicar aos núcleos, até porque grande parte daqueles que frequentam a Universidade de Verão são jovens com aspiração a entrar no ensino superior na UC e a curiosidade até os move agora a quererem saber como funcionam os cursos em que aspiram entrar nos próximos anos lectivos.

até que tudo descamba neste incrível comentário, escrito decerto por alguém com responsabilidades na DG:

“Vamos por partes

1º Relativamente à Universidade de Verão como se fosse eu também preferia ter pessoas da minha confiança/amigos como monitores pelo menos assim sabia com o que contava.

Vamos por partes então…

Então quer dizer que a Universidade de Verão serve para colocar pessoas da confiança da malta, certo? É mais uma actividade para arranjar joguinhos políticos ou para criar hegemonias dentro da casa? Um simples bolseiro sem quaisquer ligações aos órgãos da Academia que queira trabalhar nas actividades para arranjar dinheiro para passar uns diazitos fora de casa em Agosto, como não é confiança dos senhores, não pode participar na Universidade de Verão não é? É tudo uma questão de confiança e (pouca ou nenhuma) transparência…

“3º Edifício apagado, então pergunto-me todos tem direito a ferias menos a DG?se tiram férias então que tirem agora e não durante o ano…”

Sim, todos tem direito a férias menos as pessoas da DG. Ao candidatarem-se ao cargo sabem perfeitamente que são eleitos para 1 ano de mandato, um ano que tem que cumprir escrupulosamente e com o máximo de empenho possível. Ou será melhor estar em Buarcos do que estar a preparar as políticas a levar a cabo na primeira metade do próximo ano lectivo? Será mais cómodo atirar os problemas para trás no Algarve e ir para os copos ou defender aqueles que já agora em Agosto começam a inquietar-se com a possibilidade de abandonar o ensino superior com falta de recursos?

“4º Relativamente aos carros concordo deveriam ser única e exclusivamente para uso de trabalho se estão a trabalhar muito bem mas agora para andar a passear as custas da AAC então era por já o fiscal em cima”

Em cima de quem? O Conselho Fiscal da Associação Académica de Coimbra não existe. Ou pelo menos, fez questão de não ter aparecido desde Janeiro até hoje. Perdão, limitou-se a resolver uma queixa maricas de um presidente da Direcção-Geral a um elemento do fiscal e a ouvir um sócio da Secção de Fotografia no decurso de um processo montado pelos novos amigos da bola da Direcção-Geral, ou como quem diz, os meninos do Jornal A Cabra.

É caso então para perguntar: onde esteve o fiscal quando se abriu o extintor no 4º piso do edifício? Onde está o fiscal no caso dos furtos de dinheiro que aconteceram neste ano lectivo na AAC? Onde esteve o fiscal na questão da demissão do Chaves?

porque, o que interessa neste momento na Associação Académica de Coimbra é fazer:

“um apanhado sobre quem irá integrar os cargos da próxima DG, quem é que se vai manter, quem esta de cada lado e quem vai para onde…”

Ou seja, interessa saber quem está lançado para os tachos, quem mandou a facada no colega do lado, quem conseguiu mais apoios, quem ocupa a cadeira do poder. Ao caro utilizador não lhe interessa por exemplo saber qual é a posição do presidente da Direcção-Geral em relação às propinas e ao péssimo plano estratégico para o ensino superior que o mesmo foi apresentar ao novo Ministro Nuno Crato. Talvez é melhor nem sequer se saber disso visto que a proposta não defende o real interesse dos estudantes e até é contra tudo aquilo que se tem discutido em Magna, mas… também não interessa fazer os cálculos a quantos colegas nossos vão perder bolsa no próximo ano lectivo, quantos vão prescrever, quantos vão ter dias que apenas vão ter dinheiro para ter 1 ou 2 refeições por dia, quantos vão estar privados de comprar os materiais escolares para prosseguir os seus estudos e por aí adiante. 

“A carrinha que sobra e’ para transportar os jornais da cabra. Alias ja o foram distribuir com o seat. E o motorista a ser pago horas extras. E’ uma vergonha esta dg. Ninguem se aproveita mesmo.”

Errado. Qualquer secção cultural goza do direito a usufruir das carrinhas para promoção das suas actividades ou para a realização das mesmas. Assim como qualquer sócio efectivo da DG poderá requisitar (fundamentando o porquê da  utilização) as mesmas…

O que ninguém fala é que a Cabra deixou de atacar a Direcção-Geral depois da cena dos futebóis. Falamos de um pseudo-jornal que um dia publicou uma entrevista e um artigo de opinião em que uma das suas sócias pura e simplesmente catalogou a Coordenadora da Cultura da DG de burra e incompetente. Falamos de um pseudo jornal que não noticia demissões na Direcção-Geral, de um jornal que de um momento para o outro deixou de tecer as críticas que lançava à Direcção-Geral,  e que está completamente fechada a noticiar actividades de outras secções.

Aliando ao facto de utilizar o campo de Santa Cruz em joguinhos com uma Direcção-Geral que já foi por várias vezes alertadas pelo Conselho Desportivo para o pagamento da marcação do campo.

Eis que felizmente alguém tem o mesmo raciocínio que eu acabei de escrever:

“até podes meter pessoas da tua confiança, mas kd s trata de um concurso (mesmo que poucos saibam) e dão prioridade ao bolseiros n s pode fazer isto…eles agora andam mto amigos da DG! antes era sempre em baixo o eduardo melo na cabra, agora nem da Dg falam porque senão também só poderiam falar mal…”

Onde é que está o edital do concurso? Vasculhei o site da Académica, o site da UC e até o meu email e nada. Não existe concurso e se existiu não foi visível ao público.

Mas um inteligente, sabe mais que todos nós juntos:

“Vamos la perceber uma coisa, não havia PRIORIDADE para os Bolseiros, Havia sim uma PERCENTAGEM (não sei de quantos) para bolseiros! Não falem do que não sabem.. E não entendo como acham importante divulgar isto aos nucleos, porque o publico alvo é o PRÉ-Universitário, e já está tudo de férias. Alguns nucleos são contactados sim, mas pelas faculdades. Pontualmente…”

Não era prioridade mas sim uma percentagem. Fala do que sabe e do que não sabe, ou do que não se quer lembrar ou não quer dizer, está claro! Já agora, qual foi a percentagem ocupada por alunos bolseiros na monotorização? E qual foi a percentagem ocupada por amigos do Samuel Vilela, por exemplo? Quem diz do Samuel Vilela, diz das amigas da própria coordenadora das Relações Externas. Vá alguém que diga quantos amigos-monitores estes dois conseguiram juntar na actividade!

Já agora, porque é não é importante divulgar aos núcleos. Se a ideia expressa da actividade é levar alunos do secundário a passar uma semana em coimbra para conhecerem um pouco da UC, casa que muitos irão frequentar como estudantes do ensino superior no futuro, porque é que os núcleos não devem ser envolvidos se são eles que tem um papel primordial em garantir que aos participantes seja dada uma visão benéfica dos cursos que frequentam como modo de atracção a quem poderá efectivamente traçar a sua escolha de ensino superior depois de uma semana na Universidade de Verão?


Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Estes 42, estes 42!!!

Ver aqui

A legenda da foto é hilariante e sacou-me umas belas risadas. Estão de parabéns. Exceptuando um post, em que demonstram uma visão sobre uma pessoa (e sobre o trabalho dessa pessoa na AAC) diferente da minha, fazem animar a malta. 

Com as etiquetas , , , , ,

Não existe vergonha nenhuma

Um antigo colega meu, que detinha altas funções na última Direcção-Geral a 15 de Dezembro sobe ao púlpito da Assembleia Magna e começa a discursar (será que aquilo se pode considerar um discurso?) sobre um determinado fórum de representação estudantil português que dava acesso a uma plataforma de discussão europeia, que pela velocidade e atrapalhação que o orador falava não deu para perceber o seu conteúdo e lógica a maior parte das pessoas que se encontravam na referida Assembleia Magna

No final de todo o discurso recheado de uma oratória atrapalhada, o mesmo colega submete em nome colectivo da Direcção-Geral a que pertencia uma moção pela qual pretendia que a Associação Académica de Coimbra entrasse no referido fórum, moção essa que que foi aprovada pelos estudantes, apesar do surgimento de meia dúzia de vozes contra a adesão ao referido fórum entre ex-membros de Direcções-Gerais.

Fazem poucos meses que o Jornal Universitário A Cabra alertou e bem os estudantes que o referido fórum estava em comissão de gestão há precisamente 2 anos.

Nos últimos dias, aquele que discursou e que a título colectivo de uma Direcção-Geral (porque é que não propôs a moção a título individual como sócio da DG-AAC?) é eleito vice-presidente da direcção do referido fórum serviu-se da entrada como membro-aderente da AAC no fórum para se fazer vice-presidente do mesmo, facto que alertei várias vezes neste blog.

Perante tais constatações só me falta ser bruxo e adivinhar o número do Euromilhões.

Perante tais acontecimentos, podem-se tirar várias conclusões:

1. O Associativismo estudantil está mesmo caduco. Cada vez mais são aqueles que se querem servir daquela casa (AAC) do que servir aquela casa. A sede de currículo deve ser tão grande que até se usam da AAC para entrar num fórum de representação académica. Este é um facto tremendamente lamentável.

2. Nem sempre votar de acordo com as moções da Direcção-Geral, é sinónimo que quem está dentro das sucessivas Direcções-Gerais propõe o que é melhor para os estudantes. As moções da Direcção-Geral são visões de determinados estudantes sobre a gestão dos recursos estudantis ou as medidas a tomar pelas causas estudantis. Nem sempre são as medidas mais certas. Mas os cordeirinhos que têm sede de poleiro acabam por se levantar e colocar o braço no ar ao mesmo ritmo que a Direcção-Geral o faz. Têm aqui o exemplo de uma moção que em nada vai ser benéfica para a Academia e que apenas ajudou uma pessoa a prosseguir os seus interesses individuais em vez dos verdadeiros interesses de uma Academia!

Parabéns Academia. Em vez de bons cidadãos, crias bons monstros políticos que desde novo começam a ser manipuladores e cheios de esquemas para atingirem os seus objectivos. 

Com as etiquetas , , , , ,

Sobre os Estatutos da AAC

João Alexandre tem razão.

Estes novos estatutos vão matar com “o motor cultural e desportivo da cidade: a AAC”.

Parabéns, os representantes da Assembleia Estatutária estão perto de extinguir com secções antiquíssimas como a Secção Filatélica, o CIAAC, a Pesca Desportiva, o Andebol, a Ginástica, o Badminton e o Atletismo. Isto é, se eventualmente, não acabarem por extinguir mais secções para além destas…

Estes estatutos (para bem da legitimidade democrática dos mesmos e daqueles que os fizeram) deveriam ser imediatamente levados a aprovação na Assembleia Magna e não a aprovação automática por parte dos representantes na Assembleia Estatutária.

Perante a defesa de honra de André Costa, não posso deixar de repúdiar a sua intervenção e de lhe dizer que provavelmente (em tantos anos que frequenta o ensino superior) revela não só um puro desconhecimento sobre o funcionamento das Secções Culturais e das Secções Desportivas, como, nem teve a hombridade de participar nas Secções Culturais e Desportivas e como tal, conhecer de perto o funcionamento das mesmas.

A questão do quórum 50% de estudantes nas direcções e plenários das Secções Culturais e Desportivas é um profundo disparate, que deve ser mudado, para bem das mesmas. O que se põe aqui em causa é que indiferentemente do facto dos dirigentes das mesmas serem estudantes ou não-estudantes, as Secções Culturais e Desportivas foram construídas e evoluídas à custa do gosto, da voluntariedade, da carolice de todos aqueles que por gosto e por vontade trabalharam em prol de uma maior visibilidade da Associação Académica de Coimbra. Indiferentemente do facto de serem estudantes ou não-estudantes. Indiferentemente do facto de terem 5, 18, 60 ou 95 anos.

Retirar a oportunidade a essas pessoas de continuar a levar a cabo a evolução das respectivas secções, é para algumas delas, o caminho para a extinção.

André Costa, espero que daqui a uns anos, tu e os teus colegas da Assembleia Estatutária não fiquem na história da AAC como aqueles que fizeram extinguir pedaços de cultura, pedaços de desporto e a retirada de oportunidades a estudantes e não-estudantes de fazerem cultura, de praticarem desporto e aqueles, que futuramente poderão entregar a sua chave e como tal, deixar de formar campeões nacionais e universitários nas respectivas modalidades, só porque na direcção não haviam estudantes.

Com as etiquetas , , , , , , , ,

Direito de Resposta

Em relação ao que manifestei neste post, escrito neste blog a 4 de Março de 2010, foi-me comunicado um pedido de rectificaçãoesclarecimento por parte do Presidente da Direcção-Geral Eduardo Barroco de Melo:

Contextualizando:

Em relação ao “Protesto Geração à Rasca” e a tudo aquilo que por mim foi escrito no referido post, o Presidente da Direcção-Geral escreveu:

(passo a transcrever)

  1. ” Caro João, como não deves ter assistido à mesma Assembleia Magna que eu, vou esclarecer-te:
  2. 1- A adesão ao protesto “Geração à Rasca” foi proposto pela DG/AAC.
    2- A única proposta que não era da DG/AAC e que foi aprovada em Assembleia Magna foi a arruada do dia 17 e consta da nossa divulgação.
    3- O protesto de dia 12 não foi incluído porque, tal como explicado em Assembleia Magna, os proponentes não queriam um processo de mobilização, mas sim que a adesão fosse espontânea. Daí que a DG/AAC se tenha disponibilizado a fornecer o transporte aos sócios efectivos que pretendam deslocar-se ao protesto, mas sempre rejeitando que a AAC, enquanto estrutura, mobilizasse para o mesmo, desrespeitando a intenção dos seus autores e tomando de assalto uma acção que não era sua (algo que referi diversas vezes nas minhas intervenções).
  3. Assim sendo, respeito o espírito crítico que apresentas no teu blog, mas peço-te que faças uma rectificação/esclarecimento ao que escreveste sob pena de incorreres em inverdade.”

Como tal, o Entre Nada e o Infinito, acata o direito de resposta do Presidente da Direcção-Geral da Associação Académica de Coimbra, mantendo na íntegra o post em questão.


Com as etiquetas , , , , , , ,

Reivindica os teus Direitos


É importante a participação de todos os estudantes da Universidade de Coimbra nestas acções promovidas pela Direcção-Geral.

No entanto, creio que esta grelha de actividades peca quando exclui destas acções, as acções que foram deliberadas em Assembleia Magna, sem que o proponente tenha sido a Direcção-Geral da Associação Académica de Coimbra.

Na passada Assembleia Magna, a Direcção-Geral da Associação Académica comprometeu-se (devido à moção deliberativa que foi aprovada) a arranjar autocarros para levar todos os sócios efectivos da mesma que pretendessem ir a Lisboa ao “Protesto da Geração à Rasca”, protesto esse que basilarmente roça alguns pontos da luta estudantil actual.

No entanto, como o proponente da moção não foi a Direcção-Geral, a mesma não se parece interessada em infomar os seus sócios, que efectivamente, no próximo sábado dia 12, existem transportes para a manifestação em Lisboa para todos aqueles que pretendem ir.

Depois, a mais alta figura da Assembleia Magna (e que figura!) vem à TVAAC falar da “democraticidade” e da “credibilidade” que pretende para a Assembleia Magna.

É isto que pretendes Diana Taveira? Que a maioria existente na liderança da Direcção-Geral despreze as acções que são propostas pelas minorias?

É que pelo que sei, a última Assembleia Magna tinha um ponto que se intitulava “Análise de Situação Política e acções a desenvolver”. E pelo que sei, a deliberação que foi aprovada em relação ao “Protesto da Geração à Rasca” tem que ser acatada pela Direcção-Geral. Se o ponto se chamava “acções a desenvolver” – não é mais que legítimo que a deliberação que aprovou a ída a Lisboa entre “nas acções a desenvolver” da DG. N´est-ce pas, Barroco de Melo?

Depois o que me causa mais escândalo é o facto da Direcção-Geral sobrepor uma das suas acções a uma acção cuja moção foi aprovada em Assembleia Magna. O que é que pretendem com isso? Dissidir os estudantes da Universidade de Coimbra? É assim que acham que a luta estudantil vai atingir os seus objectivos?

Todavia, este é só um desabafo meu…

O que interessa é que todos os estudantes (indiferentemente do proponente das moções) vão às acções. Unidos somos mais fortes. Informados e unidos podemos causar impacto e fazê-los voltar atrás no corte aos nossos direitos.

Com as etiquetas , , , , , , , , ,

Doce ilusão

http://tv.aac.uc.pt/web2010/plugins/content/jplayer/mediaplayer/player.swf

(com os devidos créditos ao pessoal da TVAAC)


Sobre as declarações da minha cara colega Diana Taveira:

– Quando falas de credibilidade, usaste um pressuposto que pensas ser verdadeiro mas acaba por ser falso. Afirmas que a Assembleia Magna é o orgão mais democrático da Academia, onde todos os estudantes tem voz. Tudo bem, nada a objectar.

1. A partir do momento em que mais de 4 mil estudantes “legitimaram” a tua lista no sufrágio realizado em Dezembro e só aparecem no total cerca de 300 estudantes na Assembleia Magna, esse facto atesta não só que existe um completo desinteresse de cerca de 95% das pessoas que vos “legitimaram” pela Assembleia Magna como consequentemente atesta que aqueles que vos “legitimaram” estão-se completamente nas tintas para as acções que a DG possa desenvolver.

2. No que toca à credibilidade da Assembleia Magna, também te posso dizer, que a partir do momento em que há uns meses atrás vi a Direcção-Geral da Associação Académica de Coimbra acatar uma deliberação da Assembleia Magna que ia no sentido desta (DGAAC) lutar (custe o que custar) pela revogação do decreto-lei 702010 e vi dirigentes da DGAAC apelidar a modificação do referido decreto-lei (advinda da proposta de lei do CDSPP) como uma grande vitória da AAC afirmo aqui que afinal de contas a democraticidade da Assembleia Magna só existe caso as moções que sejam aprovadas tenham como proponente a DGAAC.

O verbo é revogar, não modificar.

3. A partir do momento em que tu nas funções que te competem, acabaste por expulsar um sócio efectivo da Direcção-Geral da Associação Académica de Coimbra de um direito que lhe compete por estatutos apenas, porque o rapaz (cansado de toda a fantochada que efectivamente acabou por ser a tua primeira assembleia Magna) se exaltou momentaneamente, não te reconheço qualquer moral para afirmares a palavra “democracia” na Assembleia Magna.

Com as etiquetas , , , , , ,

Assembleia Magna: minuto-a-minuto

22:54 – Como é apanágio, o Entre o Nada e o Infinito encontra-se nos fundos da Cantina dos Grelhados a levar a cabo o habitual minuto-a-minuto sobre mais uma Assembleia Magna da Associação Académica de Coimbra.

Na Cantina dos Grelhados encontram-se seguramente mais de 300 pessoas. Esta Assembleia Magna cuja ordem de trabalhados pode ser vista aqui marca a primeira magna de Diana Taveira enquanto presidente da Magna e de Eduardo Melo enquanto presidente da Direcção-Geral.

As expectativas para esta Assembleia Magna são elevadas. O ponto alto da noite será uma nova discussão da situação política e das acções em desenvolver, principalmente no que toca à Acção Social Escolar.

23:00 – Diana Taveira apresenta os seus pares da mesa, a ordem de trabalhos e inícia a Assembleia Magna.

Diana Taveira afirma que já foi feita a revisão dos estatutos da AAC e que estes já foram apresentados.

E aí vem o Alface. Sempre cheio de pica.

Coloca uma questão (sobre os estatutos): o texto final dos estatutos irá a votação dos estudantes?

Diana Taveira afirma com base legal que a aprovação dos estatutos não serão levados a votação da Assembleia Magna mas sim dos membros da Assembleia Estatutária – Artigo 96º dos Estatutos.

Rui Carvalho questiona novamente Diana Taveira: ” Essa decisão, não-oscultação dos estudantes (decisão de Diana Taveira)” em relação aos estatutos, se é uma decisão irreversível… – Rui Carvalho e Diana Taveira estão em pleno diálogo. Rui Carvalho fala da questão da RUC – o alvará da RUC dependerá em exclusivo da aprovação dos estatutos.

Rui Carvalho volta a perguntar a Diana Taveira se não seria sensato apresentar o projecto final aos estudantes? – Diana Taveira volta a argumentar com base no artigo 96º dos estatutos.

23:09 – Fala Marco Veloso, o antigo presidente da mesa da Assembleia Magna. Um dos principais visados nas críticas sobre a demora dos estatutos na penúltima Assembleia Magna.

Marco Veloso lê o artigo 96º dos estatutos – O mesmo dá a oportunidade a qualquer sócio-efectivo que não pertença à Assembleia Estatutária de apresentar propostas para a discussão e redacção do texto final dos estatutos.

Marco Veloso considera inútil a discussão sobre os estatutos em prol da passagem para o ponto 2. Diana Taveira afirma praticamente o mesmo – passar esta discussão para o ponto 3.

23:12 – Bárbara Gois da FLUC sobe ao pulpito. Vem falar sobre Zeca Afonso. Hoje fazem 24 da sua morte. Fala da importância de Zeca Afonso para a luta estudantil e do seu contributo para a cultura coimbrã.   Boa intervenção da estudante.

(Salva de palmas da plateia)

23:14 – Eduardo Melo sobe ao púlpito. Apresentações e cumprimentos à mesa e aos seus pares da Direcção-Geral.

Vai fazer um breve resumo deste primeiro mês de trabalho:

– Organização das fases finais dos campeonatos universitários.

– Criação da agenda cultural, de modo a publicitar as acções culturais da casa.

– Concurso no dia dos namorados e arruda nesse dia.

– Campanha e divulgação dos programas de mobilidade existentes para os estudantes do ensino superior.

– Resolução de problemas burocráticos.

– Iniciativa de apoio aos sem-abrigo da cidade de coimbra e comemoração do dia mundial do doente.

– Reunião com os núcleos de estudantes para reforçar laços de cooperação entre a DG e os mesmos.

– Lançamento do (in)formação pedagógica, um novo folheto do pelouro da pedagogia e levantamento de problemas pedagógicos.

– Início do novo gabinete de apoio ao estudante e visita da DG a escolas secundárias de todo o país.

– Visita a Repúblicas e Residências Universitárias, de modo a apurar os seus problemas. Reuniões com habitantes e delegados dessas mesmas repúblicas e residências.

– Marcaram reuniões com alunos bolseiros, para identificar os seus principais problemas.

– Debates com os candidatos à reitoria da Universidade de Coimbra de modo a esclarecer todo o público interessado com as eleições para a Universidade.

– Reunião com o secretário de estado do MCTES.

Eduardo acaba a sua intervenção, sendo bafejado com uma salva de palmas.

23:21 – Hugo Ferreira da FDUC, actual membro do Conselho Fiscal vai falar sob a queixa que lhe foi apresentada por Miguel Portugal em relação ao contrato do Intocha no Conselho Fiscal.

Hugo Ferreira está a falar sobre o seu processo.

Fala sobre o “julgamento” sobre o seu processo. O “julgamento” será feito por 6 pessoas – diz. Diana Taveira interrompe-o. Pede para que Hugo Ferreira explique todo o problema no ponto 3.

23:28 – O João Alexandre chega à sala e o Joel senta-se ao meu lado.

23:29 – Eduardo Melo vem fazer uma defesa de honra, em nome da DG. Ataca Hugo Ferreira: “não admito. apresenta provas para comprovar o que tens a comprovar mas não venhas para aqui colocar o nome da DG para limpar o teu nome”

Defesa de honra de Carlos Barandas, presidente do CF. Admite que “não existem jogos estratégicos” para afastar Hugo Ferreira.

Defesa de honra de Hugo Ferreira. Responde à letra a Eduardo.- Diana Taveira interrompe novamente o aluno de direito.

O causador disto, Miguel Portugal, tem-se mantido calado.

Hugo Ferreira, fala que várias pessoas lhe pediram esclarecimento sobre o processo.

23:34 – Diogo Pereira, antigo membro da mesa da Assembleia Magna pede a criação de um novo ponto na ordem de trabalhos – discussão sobre a votação que se efectuou para a reitoria da Universidade de Coimbra.

23:36 – A mesa ordena que se passe para o ponto nº2 da ordem de trabalhos.

Diana Taveira pede ordem na sala.

23:38 – Mais uma vez, o Entre o Nada e o Infinito está a actualizar o seu minuto-a-minuto com mais rapidez que os pseudo-jornalistas do “Quinzenário os Cabrões”

23:40 – Passamos de facto ao ponto nº2.

Começa Eduardo.

” Este sim é o ponto que nos traz aqui hoje” – Fala da reunião que teve com o secretário de estado do MCTES.

Apresentou as necessidades que a AAC quer ver cumpridas no Ensino Superior, nomeadamente, na Acção Social Escolar e das preocupações que a AAC tem publicitado em relação às bolsas de estudo e em relação às normas técnicas que regulam a atribuição das mesmas.

A estas preocupações, foi respondido a Eduardo Melo que “não podiam ser mudadas quaisquer políticas, porque na opinião do secretário de estado toda a gente estava de acordo com estas políticas relativas ao ensino superior”

Quanto ao decreto-lei 702010 e à proposta de lei do CDS, a AAC perguntou quais serão os passos seguintes do MCTES. Ao que o secretário de estado deu uma resposta que Eduardo Melo afirma “ser brincar com os estudantes do ensino superior”

No ENDA, houveram duas tomadas de posição quanto a esta questão:

1 – A posição defendida pela AAC – Melhorias das normas técnicas para o próximo ano lectivo. Uma compensação que o governo não vê com bons olhos.

Em ENDA, foi assumido pela AAC a contrariedade absoluta contra o decreto-lei 702010 e a retirada do mesmo devido à proposta de lei do CDSPP. Regras de cálculo mais justas dados os agregados familiares dos estudantes que se candidatam a bolsa de estudo.

Eduardo Melo continua a falar sobre Acção Social Escolar e sobre os atrasos que se verificam no estudo e atribuição de bolsas. Eduardo pretende que as entidades (no próximo ano) acelerem este processo.

Eduardo Melo acaba a sua intervenção.

23:57 – Vem um estudante (Manuel Ribeiro) falar sobre as bolsas de estudo.

Moção.

Afirma que as bolsas de estudo são um direito de todos os estudantes. Fala do défice das capacidades de resposta dos SASUC aos estudantes que não ainda não viram o seu processo definido. – reiteira que estas entidades não podem fugir à responsabilidade de decidir todos os processos individuais que tem em mãos.

Soluciona que estas entidades devem ser sancionadas com a cobrança de uma taxa de juro pelo atraso no pagamento das bolsas, à semelhança daquilo que o Estado efectua a quem não paga propinas a tempo e horas e os seus impostos a tempo e horas.

Apresenta uma moção:

Ponto 1 – Uma data para pagamento das bolsas – até 20 de Dezembro.

Ponto 2- Esta data é irrevogável.

Ponto 3 – Cobrança de uma taxa de juro de 1% ao mês a cada aluno pelo atraso na decisão da avaliação dos seus processos a partir da data de 20 de Dezembro.

00:02 – Fabien Figueiredo da FEUC questiona Manuel Ribeiro: “Quem paga essa taxa de juro? É o Estado?”

Manuel Ribeiro atribuí esse pagamento às entidades responsáveis por atribuição de bolsa.

Hugo Ferreira questiona “quem é a entidade responsável” para imputar a culpa ao infractor para que seja cobrada essa taxa de juro e quem é que avalia essa decisão?

Manuel Ribeiro responde: “claramente o governo”

Fabien Figueiredo elogia o “Quinzenário os Cabrões” pela edição desta semana. Pelo menos no toca à questão da FAIRe em que a Cabra noticiou que esta se encontra há 2 anos sem direcção.

Fabien Figueiredo passou para a questão da FAIRe

( ver a edição desta semana do Quinzenário)

Questiona a quota de entrada da FAIRe, e questiona quantas secções culturais tem 1800 euros para trabalhar? – Fabien esteve muito bem…

Apresenta uma moção para que a AAC anule a adesão à FAIRe.

Aí vai o principal interessado da adesão da AAC àFAIRe. Discorda de Fabien em relação à opinião em relação ao trabalho do Quinzenário.

O Alface já vem todo picado.

Afirma “relações apertadíssimas entre a DG e o MCTES. nunca esteve em causa” – e diana taveira chama “alface ao alface”.

“a minha honra está afectada” – diz Rui Carvalho. Ataca Fabien Figueiredo, na luta que o estudante da FEUC trava nas Assembleias Magnas – Diana Taveira tenta acalmar o antigo vice-presidente da DG.

” é anti pedagógico vir tentar alterar uma decisão que foi tomada livremente na Assembleia Magna. o que o colega Fabien veio aqui fazer é desrespeitar a Assembleia Magna”.

12:16 – Pedido de esclarecimento do Samuel Vilela.

Lá vem mais uma lição do catedrático!

Pergunta a Fabien “Em que te baseias para fazeres essa moção, se a adesão foi votada aqui em Assembleia Magna com larga maioria?”

Pedido de esclarecimento de André Costa, da FDUC – “Se alguém conseguir explicar quais são os estatutos da FAIRe… gostava de os conhecer agora.” – Pede para que lhe sejam explicados os estatutos da FAIRe, visto que nos novos estatutos a AAC não pode ser sócia.

Relembra que houveram Assembleias Magnas que já revogaram deliberações de outras Assembleias Magnas. O estudante de Direito afirma ser possível revogar deliberações de outras Assembleias Magnas – Esteve bem o antigo presidente do núcleo da FDUC

Diana Taveira quer alterar esta questão para o ponto 3 – Outros assuntos.

Depois de um intervalo, novas actualizações:

1. O presidente do núcleo de Economia leu uma carta aberta do Dr. Júlio Mota (docente de economia) que foi endereçada ao MCTES e à mesa da Assembleia Magna.

2. Está neste momento a discursar Manuel Afonso:

– Fala dos ataques que estão a ser feitos aos estudantes devido ao actual sistema de acção social escolar.

– Fala sobre as eleições para a Reitoria e para a “eventual passagem da UC a fundação” e a palavra que a AAC deve assumir neste ambito, fomentando a discussão.

– Vem apresentar uma moção:

Ponto 1 – Os representantes dos estudantes no Conselho-Geral apresentarão a proposta de propina mínima no próximo ano.

Ponto 2 – Os representantes dos estudantes no Conselho-Geral, apresentarão uma proposta de discussão no órgão em relação à passagem da UC a fundação.

Não consegui perceber o ponto 3 e o ponto 4. Mais à frente, nas votações, este será lido novamente.

12:45 – Aí vai João Alexandre.

Concorda com a intervenção de Manuel Afonso. Faz um par de questões a Manuel Afonso, que de seguida, decide “não alimentar guerrinhas”.

Seguem-se os pedidos de esclarecimento de Filipe Januário e de Miguel Franco a Manuel Afonso.

O  Ponto 3 da moção de Manuel Afonso é a proposta de um referendo.

Samuel Vilela tenta “empurrar estas questões” para o ponto 3. Samuel Vilela enaltece o discurso de Manuel Afonso e afirma que a DG é “contra o 702010, é a favor da revogação do 702010” – quanto à proposta de lei do CDSPP – “queremos que os nossos colegas não estejam muito tempo à espera da atribuição das bolsas” – e aí, o estudante de RI frisa que os SASUC têm neste momento várias dezenas de processos por avaliar.

Samuel Vilela apresenta uma moção:

Ponto 1 – Proceder a escrita de uma carta aos grupos parlamentares para que façam uma norma transitória em relação aos estudantes que ainda estão à espera de atribuição de bolsa…

Uma aluna da faculdade de direito, vem falar sobre os problemas que afectam os estudantes da Universidade de Coimbra – a luta deve continuar – afirma. “Eles não nos vão fazer calar… Temos que continuar a gritar, a gritar aquilo que queremos…”

00:56 – Discursa Renata Costa.

Fala sobre a dificuldade que os jovens enfrentam ao nível financeiro para continuarem os seus cursos e as dificuldades que estão a ser tornadas evidentes em arranjar emprego depois de terminarem os seus estudos.

Fala do desinvestimento que estão a ser efectuados no Ensino Superior, da detrioração das infra-estruturas de habitação da UC e do aumento do prato social.

Reforça a ideia que os estudantes devem unir-se de modo a que sejam escutados (os seus problemas) pelos governantes. Reforça a ideia de uma luta estudantil forte.

Apresenta uma moção:

– Uma manifestação no dia 17 de Março, que deve começar no largo D. Dinis e deve terminar no Governo Civil de Coimbra.

( pequeno intervalo)

Depois do intervalo, continua a discussão do ponto 2 da ordem de trabalhos.

A DG apresentou uma moção:

– A DG delibera – a adesão da Associação Académica de Coimbra ao protesto “geração à rasca” a realizar no próximo dia 12 de Março, em Lisboa. Devendo esta encontrar-se institucionalmente representada e acompanhar o protesto ao longo do seu percurso

Continua-se a falar sobre as dificuldades que os actuais estudantes do ensino superior passam durante e depois de terminarem o seu curso.

01:19 – Eduardo Melo refere que está disponível para responder a todas as questões que estão a ser colocadas na Assembleia Magna.

Fabien defende que a AAC deve mobilizar o máximo número de pessoas para ir a essa manifestação – essas pessoas devem ir junto com a representação institucional da AAC.

Eduardo Melo responde que os proponentes não querem que a AAC tome de assalto o referido protesto. No entanto, Eduardo Melo vai perguntar aos proponentes se querem alterar esta tomada de decisão.

Fabien continua a insistir que a AAC deve levar mais gente à manifestação “Geração à Rasca” – Eduardo Melo diz que pode reservar autocarros até dia 8 de Março e que a AAC não terá quaisquer problemas em reservar os meios para que a sugestão de Fabien se concretize.

1:26 – Outro estudante pergunta se “os núcleos estão vínculados às decisões da política educativa da AAC”

Eduardo Melo responde: “não creio que os núcleos de estudantes estarão preocupados em participar nestas iniciativas. é questão de levar as iniciativas a inter-núcleos”

1:28 – Mais uma moção de uma estudante da FDUC neste ponto 2:

Ponto 1 – A realização de uma concentração que consiga juntar 1000 estudantes contra os cortes nas bolsas no dia 14 de Março (a data pode ser ajustada) no largo D. Dinis.

Ponto 2- A afixação no largo das matemáticas de uma lona que diga “queremos as nossas bolsas…”

(não consegui perceber o ponto 3)

Ponto 4 – Criação de um grupo de trabalhado constituído por dirigentes da DG e outros estudantes para trabalhar nesta questão num prazo de 48 horas.

1:30 – André Costa pede esclarecimento. 4 protestos em 12 dias? ” Eu não sou mínimamente contra os protestos, acho que nos devemos mobilizar e cada um tem aqui o seu espaço para defender a convicção que deve entender…” – a seguir, André Costa, pergunta se em vez de 4 protestos, a DG não poderá condensar tudo num grande protesto. “Assim não faz sentido…” – termina André Costa.

A estudante da FDUC dá certa razão a André Costa mas defende que se deve mobilizar o máximo de gente para as manifestações que foram apresentadas.

Retomamos o debate:

1:53 – Ainda a discussão do ponto 2.

Já foram apresentadas outras moções, que dentro de minutos serão votadas.

O Entre o Nada e o Infinito, na persona do seu mordomo-mor João Branco irá intervir no ponto 3.

Mais uma moção. De Hugo Ferreira.

Ponto 2 – A DGAAC deve garantir transporte a todos aqueles que pretendam ir a Lisboa ao Protesto da Geração à Rasca, mesmo que o ponto nº1 não seja aprovado – Peço desculpa mas não ouvi o ponto nº1.

Samuel Vilela defende a DG.

2:18 – Silvia Franklin pede aos actuais dirigentes da AAC e a todos os presentes nesta Assembleia Magna que lutem para que os nossos colegas mais carenciados tenham acesso aos seus direitos. Fala dos 600 estudantes da Universidade de Coimbra que cancelaram a sua matrícula por insuficiência de meios financeiros.

Apresenta uma moção-programa de acções:

Ponto 1 – Pede que a atribuição de bolsa de estudo seja baseada nos critérios anteriores ao decreto-lei 702010, que os estudantes que já estão prejudicados pelo decreto-lei vejam revistos os valores das suas bolsas de estudo.

Ponto 2 – Divulgação deste caderno reinvindicativo em todas as faculdades e cantinas para que a luta estudantil continue.

Sílvia Franklin terminou a sua intervenção com uma célebre frase futebolística que um dia foi dita pelo treinador Jaime Pacheco: “quem joga pro empate, arrisca-se a perder”

Responde-lhe o alface.


Manuel Afonso pergunta a Sílvia Franklim se acha que esta estratégia de perda de tempo não é similar à estratégia de José Socrates. Pergunta-lhe também se também não é coincidência que a atitude e as políticas tomadas pela DG não são as mesmas (da cor partidária) que está na primeira fila (DG)?

Alface perguntou onde andava Sílvia Franklim e Sílvia Franklim assume que é trabalhadora estudante e que estava a trabalhar.

2:25 – Alface: “Não serão as propostas exibidas por Sílvia Franklim ao longo dos anos coincidentes com as opções políticas do partido político que foi candidata (BE)?

Sílvia Franklim: “Gosto de pensar que a minha acção está consequente com a minha visão da realidade”

2:28 – Mais uma moção de uma estudante cujo nome não consegui perceber

Ponto nº1 – Convocação de uma manifestação para o dia 24 Março em Lisboa com destino à Assembleia da República – 24 de Março = dia do estudante.

Ponto nº2 – A manifestação terá como objectivo a revogação do decreto-lei 702010.

Ponto nº3 – Convocar para dia 28 de Março uma nova magna para discutir os efeitos da manifestação.

“Se nós queremos revogar a porcaria do decreto-lei 702010 temos que marcar uma manifestação já e não convocar novas magnas para estar a discutir estes assuntos” – bem dito.

( e o ponto 3 nunca mais chega)

2:37 – Mais uma moção apresentada pela DG. Lida por Rafael Duarte:

Quantas moções é que já foram apresentadas?

2:40 – Mais uma moção de Henrique Paranhos. Segundo o próprio, é uma moção que vai de acordo com a moção apresentada com Renata Costa.

(Henrique Paranhos está à 5 minutos a discursar)

Ponto 1 – Manifestação dia 24 de Março, dia do estudante. ( A proposta já foi apresentada) – Efectivação da proposta deliberada em magna, de modo a que seja entregue.

Henrique Paranhos propõe que a sua moção seja anexada à de Renata Costa.

(pausa)

03:39 – Desde a pausa, a única intervenção decente foi a de João Alexandre, quando convidou a Universidade de Coimbra a criar o estatuto de “estudante-manifestante”. Bravo!

Eduardo Melo: ” A associação académica de coimbra vai defender a revogação do decreto-lei 702010. A primeira que defendeu a revogação foi a AAC”

Eduardo Melo reforça que a proposta de lei do BE foi chumbada no Parlamento. “Para obter resultados fracos onde estão aqui os interesses dos estudantes” – disse para a aluna de direito que interveio antes.

( o ponto nº2 está a ser discutido há 4 horas – ainda faltam 3 pontos e várias votações para que se encerre esta assembleia magna)

“Sejamos muito sinceros. Dia 24 de Março já o assumi. É preciso que analisemos o cenário político depois disso” – Eduardo. – “A DG quer uma medida de força. Uma manifestação, uma greve de fome, o encerramento da Universidade de Coimbra, o quer que seja.” – sobre o dia 24 de Maio.

(a Magna está-se a tornar numa prova de resistência. mais fixe e mais árdua que qualquer edição das 24 horas de Le Mans)

Uma jovem da Faculdade de Direito pergunta a Eduardo se é preciso ter currículo para participar numa acção estudantil.

03:50 – Manuel Afonso sobe ao púlpito.

Diz que a magna está a tornar-se “cansativa”.

Crítica o argumento de Eduardo Melo. Crítica o facto do presidente da DG não apoiar a manifestação de 24 de março com o objectivo de revogar o decreto-lei, frisando que esta está deliberada em magna e tenta transparecer que a postura de Eduardo Melo denota uma certa passividade em relação à luta estudantil.

(Vá-la pessoal, vamos às votações e vamos passar ao ponto 3)

04:45 – São 4 e 45 da manhã e ainda estamos na votação das milhentas moções que foram propostas neste ponto.

Pelo cansaço, este post não será mais actualizado.

Amanhã, postarei todas as deliberações tomadas esta madrugada em Assembleia Magna.

Agradeço a compreensão.


Com as etiquetas , , ,

Assembleia Magna

Pelas 22 horas nas Cantinas dos Grelhados.

Obrigatoriedade em levar cartão de estudantecertificado de matrícula para todos os estudantes que queiram assistirparticipar.

Ordem de trabalhos estabelecida pela mesa:

1. Informações

2. Análise da situação política e acções a desenvolver

3. Outros Asssuntos

Em nota publicada no Académica.pt pela mesa é necessária a participação de todos os estudantes.

Para os que decidam ficar em casa, o Entre o Nada e o Infinito estará lá com o habitual minuto-a-minuto e desde já afirma que poderá intervir na Assembleia Magna.

Com as etiquetas , , , , , ,

Pura falta de coerência no discurso

(A azul, os meus sublinhados e comentários)

Da entrevista de Miguel Portugal ao Jornal A Cabra no que toca aos resultados da luta estudantil preconizada pelos estudantes a 17 de Novembro de 2010 em Lisboa.

(Aqui, a 2ª parte desta entrevista)

A Assembleia da República modificou o decreto-lei 702010, mas não se vêem resultados visíveis dessa modificação. A grande vitória histórica de Miguel Portugal já semeou a desistência de 600 colegas nossos, mas segundo a óptica do antigo presidente da Direcção-Geral foi uma grande vitória. 600 c0legas nossos hipotecaram por mais 1 ano o seu sucesso escolar, mas Miguel Portugal considera que foi uma grande vitória.

Grande vitória seria a revogação do decreto-lei 702010, deliberação de Magna que a DG de Miguel Portugal e a actual Direcção-Geral de Eduardo Melo se propuseram a cumprir. A revogação, não a modificação.

Grande vitória seria se todos os estudantes carenciados da UC tivessem direito por lei a uma bolsa condigna para continuar os seus estudos, não as migalhas que até agora tem sido distribuídas pelos Serviços de Acção Social. Pior que esse facto é a imposição de devolução das bolsas provisórias que os referidos Serviços estão a fazer aos alunos que têm visto os seus processos de atribuição indiferidos.

Outra pergunta que me ressalta desta entrevista é esta: ” Porque é que as constantes direcções gerais têm a tendência por optar por acções simbólicas e pela via do diálogo? Há uma dificuldade em admitir que algo está mal e que têm que lutar contra o governo?”

– Claro que não faz sentido. Para os dirigentes da Direcção-Geral nunca faz sentido ir contra “aqueles que um dia serão nossos colegas no Parlamento ou nossos superiores numa empresa ou num Ministério” – O que não faz sentido é ter dirigentes associativos que estão a pensar naquilo que podem ser no futuro através das portas que a AAC lhes abre em vez de pensar que existem colegas que precisam que os seus direitos sejam defendidos a partir da luta estudantil externa. Na minha opinião, as acções simbólicas não são mais que o convite claro aos governantes para que nos tirem mais direitos.

” Que comentário fazes quando se diz que as academias não querem fazer manifestações porque têm estudantes ligados a juventudes o que pode comprometer o seu futuro dentro de partidos?” – outra pergunta pertinente à qual Miguel Portugal torneou a questão da maneira que mais lhe interessou…

“Achas que ainda e possivel alterar o RJIES? Será claramente complicado. Não nos podemos esquecer que o RJIES veio de uma directiva europeia. A política para o ensino já não é apenas discutida em Portugal. A nossa adesão ao Fórum Académico Internacional de Representação externa (FAIRe) tambem foi nesse sentido, de conseguirmos resolver os problemas a montante e não jusante. Quando chegou, o RJIES já tinha sido discutido na europa e nós fomos apanhados de surpresa. Acho que é importante que o movimento associativo não seja reaccionário mas pró-activo na procura das suas funções e penso que devemos continuar a defender um conjunto de soluções, só acho que não é possível fazer as modificações todas…. Nesta altura estao bastante implementados e será difícil mas há acertos que poderão ser feitos.” – Não vejo a tal FAIRE com esses olhos. A entrada da AAC na FAIRe vai ser o ingrediente que vai aniquilar de vez as deliberações da Assembleia Magna.

“Falavas de uma postura pró-activa, foi isso que aconteceu relativamente ao decreto-lei 70/2010? Ou se essa postura tivesse sido tomada não teria sido sequer promolgado?
O que aconteceu com o 70/2010 foi que a a AAC, logo em Junho, quando teve conhecimento deste projecto, começou a trabalhar politicamente pela sua revogação…” – trabalharam pela revogação do decreto-lei 702010 mas mesmo depois da deliberação aprovada em Assembleia Magna que vinculava a DG a Revogar, ficaram todos contentes com a modificação proposta pelo CDSPP na Assembleia da República e a partir daí o processo foi completamente encerrado, tanto no final da DG de Miguel Portugal como neste início da DG de Eduardo Melo.

“Dizes que nunca queres tomar qualquer posição sem que os estudantes estejam devidamente informados, no entanto a adesão ao fórum decorreu sem que os sócios se sentissem bem informados e prova disso foi a discussão que houve em AM. Achas que deveria ter sido feita de outra maneira?
Na altura falámos com um conjunto de pessoas. Eu falei com antigos presidentes da DG, alguns contra, outros a favor. Falámos também com pessoas que dirigiram a política educativa desta casa durante os últimos anos, falámos internamente em DG. Fizemos uma explicação bastante longa daquilo que era o FAIRe diante da AM. Sentimo-nos confortáveis para que aquilo acontecesse. E os nossos argumentos foram válidos o suficiente para fazer com que aquilo passasse em AM. Foi quase unânime a sua entrada no FAIRe, porque a certa altura a discussão era se a AAC iria entrar no FAIRe enquanto membro observador ou se era enquanto membro efectivo. Portanto, a adesão ao FAIRe foi algo levado como garantido logo por toda a AM. A discussão depois foi se realmente seríamos membro efectivo ou membro observador. Sentimos que fizemos bem o nosso trabalho, porque também o objectivo ali, sempre o disse e também fiz questão de o dizer nessa AM, seria a adesão de modo a conseguir condicionar as decisões lá fora.” – Se o objectivo era esse, o nosso amigo Alface não se soube explicar muito bem naquele longo discurso que travou na referida Assembleia Magna. Já agora, para quando a eleição do Alface na FAIRe?

“Houve sócios que pensaram que a AAC podia estar a subjugar-se à vontade do fórum. Concordas?
Não. De maneira nenhuma. A AAC como qualquer outra estrutura tem a sua opinião própria e se não concordar com certa e determinada medida desvincula-se dela em reunião em sede própria e não tem que acatar decisões que os seus colegas.” – não tardará nem um ano até que isso aconteça.

“Falando no Fórum AAC de 2009, achas que na altura deveria ter sido aberto um inquérito imediatamente?
Não caberá a mim enquanto presidente da Mesa da AM, que era na altura, fazer esse julgamento. Não posso responder sobre órgãos aos quais não pertenci. A a partir do momento em que este CF tomou posse, era um momento de transição, investigou e tomou as suas diligências para que o processo fosse resolvido o mais rápido possível e acho que o conseguiu.” – claro que não lhe interessa. Saberemos lá porquê?

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Hoje há Assembleia Magna

Hoje há Assembleia Magna, na cantina dos Grelhados pelas 22 horas.

Mais uma vez, o site da Académica nada informa? Porquê? Será porque hoje é a apresentação e aprovação do relatório de contas onde vamos ficar a saber o custo de 50 mil euros da manifestação a Lisboa no passado 17 de Novembro de 2010?

O Entre o Nada e o Infinito pode andar ausente mas não dorme…Também avisa que poderá não estar presente à hora estipulada em virtude do jogo FC Porto vs Beira-Mar para fazer o habitual minuto-a-minuto. Mas vai aparecer decerto…

P.S: Levem cartões de estudantecertificados de matrícula senão ficam cá fora.

Com as etiquetas , , ,

Pergunta da noite para o dia

A FAiRe, o destino perfeito para acabar a carreira tachística em beleza! Tipo LA Galaxy do tachismo associativo!

Na última Assembleia Magna, deliberou-se que a AAC irá entrar… Quem é que vai com ela para ocupar o cargo de Presidente do Conselho-Geral?

Com as etiquetas , , , , ,