Tag Archives: Alexandre Kolobnev

André Greipel vence 10ª etapa

Punho esquerdo cerrado no ar, punho direito cerrado no ar. A vitória de Greipel tem significado extra para o ciclista Alemão: bateu sobre a linha de meta Mark Cavendish, antigo colega de equipa com quem manteve muita rivalidade e muitos conflitos internos aquando da sua estadia como profissional na HTC.

Depois de cumprirem o 1º dia de descanso (dia de descanso que ficou marcado pelo controlo positivo do ciclista russo da Katusha Alexander Kolobnev) o traçado da  10ªetapa sugeria um dia bastante calmo no pelotão até à última subida, uma 4ª categoria que à priori não iria trazer grandes dificuldades entre os grandes favoritos e aos sprinters. Os últimos, tinham aqui uma grande oportunidade de vencer uma etapa e marcar mais uns pontos para a verde antes da alta montanha.

Depois de uma fuga que durou mais de 100 km e que seria anulada em cima da contagem de 4ª categoria pelo grande trabalho da HTC de Cavendish (instalada perto da meta em Camaux) seria a Lotto a acelerar o ritmo do pelotão a um nível vertiginoso durante a súbida de modo a levar Phillipe Gilbert (viria a atacar durante a subida com Thomas Voeckler, Tony Martin e mais 2 ciclistasdepois continuaria sozinho até ser alcançado já dentro dos 5 km finais) à vitória na etapa. Phillipe Gilbert admitiu no dia de descanso (perante a ausência por queda do chefe-de-fila da equipa Jurgen Van Der Broeck) uma postura lutadora na montanha de modo a procurar um bom lugar na geral. Será um teste às capacidades do Belga.

Durante a categoria, o trabalho da Lotto viria a fazer cortes no pelotão. Suspeitava-se da presença de alguns sprinters, algo que não veio a acontecer na linha da meta. A primeira vítima da aceleração provocada lá na frente era o Francês John Gadret (4º na passada edição do Giro). O Francês tem vindo a acumular muito tempo (18 minutos à entrada para esta etapa) não sendo esta 10ª etapa uma excepção. Gadret voltou a desc0lar-se, colocando-se a questão se o Francês está com claras dificuldades ou se o fim do objectivo de obter uma boa classificação final em Paris faz com que receba instruções para se poupar ao máximo para as etapas de montanha de modo a atacar para as vitórias de etapa.

Como já disse anteriormente, o ataque de Gilbert coincidiu com o fim do trabalho da Lotto na etapa e com a impressão que o grupo principal estava a ficar bastante reduzido. O camisola verde atacou, arrastando consigo Tony Martin e o camisola amarela Thomas Voeckler, entre outros… Martin não colaborava no ataque o que indiciava que estava ali colocado de forma estratégica: prevenia uma eventual quebra de rendimento de Cavendish lá atrás (o principal favorito à vitória na etapa) e em caso de quebra do sprinter Britânico deveria ter ordens para discutir a etapa caso o ataque vingasse.

Até que Gilbert tentou uma nova investida por sua conta. Seria apanhado a 4,8 km do fim. Deu-se portanto o lançamento do sprint, com quase todos os sprinters dentro do grupo principal excepto Stuart O´Grady (está completamente ausente da prova) Alessandro Petacchi, Ryder Hesjdal (também ainda não apareceu na corrida) e Gerald Ciolek.

Depois do lançamento do sprint, Mark Cavendish acabaria por lançar o seu sprint bastante cedo, sendo vencido em cima da linha por Greipel da Omega Pharma-Lotto. Rojas da Movistar foi 3º e conseguiu diminuir a diferença na verde em relação a Phillipe Gilbert.

Sérgio Paulinho chegou na 75ª posição integrado no pelotão. Rui Costa perdeu quase 6 minutos, chegando na 115ª na posição.

Na geral, nada de novo.

Na classificação por pontos, Phillipe Gilbert lidera com 226 pontos contra 209 de Rojas, 197 de Cavendish e 163 de Hushovd. Vem aí as etapas de montanha e com elas deverá vir uma “suspensão temporária” da luta por esta camisola. Amanhã é a última oportunidade para Cavendish (deverá decerto abandonar) e para Rojas tentar alcançar o Belga. Phillipe Gilbert parece ser o único capaz de marcar pontos nas etapas de alta montanha.

Na classificação da montanha, Johnny Hoogerland continua com 22 pontos contra 17 de Thomas Voeckler. Esta camisola deverá representar o objectivo prioritário do francês que neste momento transporta a amarela.

Na juventude, nada de novo.

Por equipas, continua a Europcar a liderar com 32 segundos de avanço sobre a Leopard Trek e 1 minuto e 2 segundos sobre a Radioshack.

Depois da etapa de amanhã, acabou-se a brincadeira: a última hipótese para os sprinters. Etapa muito simples, com 1 contagem de 3ª e outra de 4ª categoria e chegada totalmente em terreno plano.

Para quinta-feira está reservada a chegada em alta montanha a LuzArdiden.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,