Tag Archives: 17 de Abril de 1969

lembrete

MoçãoA Moção\Acção Reivindicativa que apresentei (e vi aprovada) ontem em Assembleia Magna para o próximo dia 17 de Abril para aproveitar o 44º aniversário do 17 de Abril de 1969.

Anúncios
Com as etiquetas , , , , , , , , ,

Há 42 anos, a AAC era assim

Há 42 anos, a AAC era um bloco de atitude e unidade contra o Estado Novo de SalazarMarcello Caetano.

Há 42 anos atrás, os estudantes de Coimbra desafiaram o Estado Novo com manifestações, boicotes às instalações da Universidade, invasões, greves às aulas e greves aos exames. A polícia e o exército vinham à alta todos os dias, assim como todos os dias o Estado Novo mandava prender alguém na antiga prisão académica.

Do 17 de Abril de 1969, resta apenas actualmente a documentação da crise e as fotografias nas paredes do InTocha. A atitude, a acutilancia e a unidade da luta estudantil dos estudantes de Coimbra há muito que desapareceu da cidade. Caiu em desuso, diria. Até Alberto Martins se vendeu aos vícios da política. Os dirigentes associativos de hoje não fazem nem 110 daquilo que os dirigentes da época faziam. A bom da verdade, são mais aqueles que se procuram servir da AAC para uma carreira na política do que aqueles que servem a AAC sem querer nada em troca.

Os próprios estudantes de hoje são pessoas desinteressadas, desinteressantes, desinformadas e não se vislumbra que queiram sair da escuridão em que se encontram. Entre os interessados e os informados, as cisões político-partidárias existentes na Academia parecem falar mais alto do que os interesses que nos tocam a todos.

Enquanto em Lisboa, os engravatados nos retiram os direitos que a revolução de Abril nos trouxe, em Coimbra, andamos mais atarefados em criar tribos dissidentes, tribos essas que se baseiam na premissa “eu não alinho contigo na luta porque tu não és do Bloco, eu não alinho contigo na luta porque tu serves os interesses do PC, eu não alinho contigo na luta porque tu não afrontas o teu governo PSPSDCDS e tens medo que eles um dia te tirem o teu lugar ao sol”

É triste pensar desta maneira. Mais triste é relembrar a História quem deu o corpo e a alma ao estigma do Estado Novo para que os seus colegas pudessem ter direito a um ensino de qualidade e sobretudo, menos elitista.

O 17 de Abril de 1969 é uma chapada para a minha geração de universitários. Ao lado da História, somos uma merda, uma valente merda de dirigentes associativos, uma valente merda de estudantes.

Com as etiquetas , , , , , , , ,